• Nenhum resultado encontrado

Burckhardt - A Cultura Do Renascimento Na Italia

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "Burckhardt - A Cultura Do Renascimento Na Italia"

Copied!
22
0
0

Texto

(1)

JACOB BURCKHARDT

A CULTURA DO

RENASCIMENTO

NA ITÁLIA

Um ensaio

Tradução Sérgio Tellaroli Introdução Peter Burke

(2)

Copyright desta edição © Companhia das Letras Copyright da introdução © 1990 by Peter Burke Título original

Die Kultur der Renaissance in Italien: Ein Versuch Capa Jeff Fisher Preparação Márcia Copola Revisão

Renato Potenza Rodrigues Pedro Carvalho

Índice onomástico Verba Editorial

2009

Todos os direitos desta edição reservados à

EDITORA SCHWARCZ LTDA. Rua Bandeira Paulista, 702, cj. 32 04532-002 — São Paulo — SP

Telefone: (11) 3707-3500 Fax: (11) 3707-3501

www.companhiadasletras.com.br

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Burckhardt, Jacob Christoph, 1818-1897

A cultura do Renascimento na Itália : um ensaio / Jacob Burckhardt ; tradução Sérgio Tellaroli. — São Paulo : Companhia das Letras, 2009.

Título original: Die Kultur der Renaissance in Italien: Ein Versuch. Bibliografia.

ISBN978-85-359-1361-3

1. Renascença — Itália 2. Itália — Civilização — 1268-1559

I. Burke, Peter II. Título.

08-10525 CDD-945.05 Índice para catálogo sistemático:

(3)

SUMÁRIO

Introdução: Jacob Burckhardt e o Renascimento italiano (Peter Burke) 15

I. O ESTADO COMO OBRA DE ARTE

Introdução 36

Situação política da Itália no século XIII36•O Estado normando sob Frederico II38Ezzelino da Romano 39

Tiranias do século XIV 40

Base financeira e relacionamento com a cultura 40•O ideal do so-berano absoluto 41Perigos internos e externos 42•Juízo dos

flo-rentinos sobre os tiranos 43•Os Visconti até seu penúltimo

repre-sentante 45

Tiranias do século XV 47

Intervenções e viagens dos imperadores 48•Pretensões

desconsi-deradas 48•Ausência de um sólido direito de herança: sucessões ilegítimas 48Condottieri como fundadores de Estados 51

Rela-ção com seus empregadores 52A família Sforza 53•Perspectivas

e queda do jovem Piccinino 55•Tentativas posteriores dos condot-tieri 56

As tiranias menores 57

Os Baglioni de Perugia 58•A discórdia interna e as bodas de sangue de 1500 60O desfecho 61As casas Malatesta, Pico e Petrucci 62 As dinastias maiores 63

Os aragoneses de Nápoles 63O último Visconti em Milão 66

Francesco Sforza e sua sorte 67 •Galeazzo Maria e Ludovico, o Mouro 68Os Gonzaga de Mântua 71•Frederico de Montefeltro,

duque de Urbino 72Derradeiro brilho da corte de Urbino 72•Os Este em Ferrara: terror doméstico e sistema fiscal 74•Venda de car-gos, ordem e edificações 75Virtuosidade pessoal 76•Lealdade à

cidade 77Zampante, o chefe de polícia 78•Simpatia dos súditos

pelo pesar dos príncipes 79A pompa da corte 80•O mecenato dos Este 80

(4)

Os opositores dos tiranos 81

Guelfos e gibelinos tardios 81Os conspiradores 82•Os assassina-tos na igreja 83Influência do tiranicídio antigo 83•Os adeptos de Catilina 85A visão florentina do tiranicídio 85•O povo e os

cons-piradores 86 As repúblicas 86

VENEZA NO SÉCULO XV88Os habitantes 88•O Estado e o perigo da nobreza empobrecida 89Causas da inexpugnabilidade 90•O

Conselho dos Dez e os processos políticos 92•Relacionamento com os condottieri 92Otimismo da política externa 93•Veneza como o berço da estatística 94Renascimento adiado 96•Devoção tardia

por relíquias 97• FLORENÇA, A PARTIR DO SÉCULO XIV98•A

objeti-vidade da consciência política 98Dante como político 99Floren-ça como berço da estatística: os Villani 100•A estatística em sua for-ma superior 102As constituições e os historiadores 104•O mal

fundamental do Estado toscano 106Os teóricos do Estado 107

Maquiavel e seu projeto constitucional 108Siena e Gênova 110 A política externa dos Estados italianos 112

A inveja contra Veneza 113O exterior: as simpatias pela França 113Tentativa de equilíbrio 114Intervenção e conquista 115•Alianças com os turcos 115A contrapartida espanhola 117•Tratamento ob-jetivo da política 117A arte da negociação 118

A guerra como obra de arte 120

As armas de fogo 120Especialização e diletantismo 121•Os horro-res da guerra 122

O papado e seus perigos 122

Situação em relação à Itália e ao exterior 122•Distúrbios romanos

desde Nicolau V124•Sisto IVcomo senhor de Roma 125•Planos do cardeal Pietro Riario 126Os Estados dos nepotes na Romanha 127Os cardeais provenientes das casas principescas 127•Inocêncio VIII

e seu filho 128•Alexandre VIcomo espanhol 129•Relacionamento com o exterior e simonia 130•César Borgia e seu relacionamento com o pai 131Propósitos últimos de César Borgia 132•A ameaça

de secularização do Estado pontifício 132Meios irracionais 133•Os

assassinatos 133Os últimos anos 135•Júlio IIcomo o salvador do papado 136•A eleição de Leão X138Planos políticos perigosos 138

Os crescentes perigos exteriores 139•Adriano VI140•Clemente VIIe a devastação de Roma 140Conseqüências e reação 140•A

re-paração de Carlos Vao papa 141O papado da Contra-Reforma 143 A Itália dos patriotas 144

(5)

II. O DESENVOLVIMENTO DO INDIVÍDUO

O Estado italiano e o indivíduo 145

O homem medieval 145O despertar da personalidade 145•O dés-pota e seus súditos 146O individualismo nas repúblicas 148•O

exí-lio e o cosmopolitismo 148

O aperfeiçoamento da personalidade 150

O homem multifacetado 150•O homem universal: Leon Battista Alberti 152

A glória moderna 154

O relacionamento de Dante com a glória 155•A celebridade dos

hu-manistas: Petrarca 156O culto dos locais de nascimento 157•O culto dos túmulos 157•O culto dos homens famosos da Antiguidade 158A literatura da glória local: Pádua 159•A literatura da glória universal 160A glória e sua dependência dos escritores 161•A sede

de glória como paixão 162

O escárnio e a espirituosidade modernos 163

Relação com o individualismo 163•O escárnio dos florentinos: a no-vela 163Os galhofeiros espirituosos e os bufões 165•Os diverti-mentos de Leão X166A paródia na literatura 167•A teorização da

espirituosidade 168A maledicência 169•A vítima: Adriano VI171

Pietro Aretino 172Aretino e a publicidade 172•Relacionamento

com príncipes e celebridades 173Aretino e a religião 175

III. O REDESPERTAR DA ANTIGUIDADE

Observações preliminares 177

Ampliação do conceito de “Renascimento” 177•A Antiguidade na Idade Média 178Seu redespertar precoce na Itália 179•Poesia la-tina do século XII179•O espírito do século XIV180

As ruínas de Roma 181

Dante, Petrarca, Uberti 181•As ruínas existentes à época de Poggio

183•Blondus, Nicolau V, Pio II184•A Antiguidade para além de Roma 185Cidades e famílias oriundas da Roma antiga 185Dispo-sição e pretensões dos romanos 186O corpo de Júlia 186Escava-ções e registros arquitetônicos 187•Roma sob Leão X188•A

senti-mentalidade para com as ruínas 189 Os autores da Antiguidade 189

Difusão no século XIV190•Descobertas do século XV190

(6)

da Grécia 195Estudos orientais 196•Posição de Pico della Miran-dola em relação à Antiguidade 196

O humanismo no século XIV 197

Inevitabilidade do triunfo 197•Simpatia de Dante, Petrarca e Boccac-cio 198Boccaccio como precursor 200A coroação dos poetas 201 Universidades e escolas 203

O humanista como professor no século XV204•Instituições parale-las 205A educação livre e elevada: Vittorino da Feltre 206Guari-no em Ferrara 207A educação dos príncipes 207

Os promotores do humanismo 208

Cidadãos florentinos: Niccolò Niccoli 208•Manetti: os primeiros Medici 209•Os príncipes: os papas desde Nicolau V213•Afonso de

Nápoles 215Frederico de Urbino 216Os Sforza e os Este 217

Sigismondo Malatesta 218 A reprodução da Antiguidade 219

EPISTOLOGRAFIA219A chancelaria papal 219•A apreciação do es-tilo 221• A ORATÓRIA LATINA222•Indiferença quanto à posição

so-cial do orador 222Discursos solenes, políticos e de saudação 222

Orações fúnebres 224Discursos acadêmicos e militares 224•O ser-mão latino 225A renovação da retórica antiga 226•Forma e

con-teúdo: a citação 227Discursos imaginários 228•Declínio da elo-qüência 228• O TRATADO LATINO229• A ESCRITA DA HISTÓRIA230

A relativa necessidade do latim 231•Investigações acerca da Idade

Média: Blondus 232Início da crítica 233•Relação com a história escrita em italiano 234• A LATINIZAÇÃO GERAL DA CULTURA235•Os

nomes antigos 236Latinização das relações sociais 237•Clamores pela supremacia do latim 237Cícero e seus adeptos 238•A

conver-sação latina 239• A POESIA NEOLATINA240•Poesia épica baseada na

história antiga: África 241Poesia mítica 242•A épica cristã: Sanna-zaro 243A poesia tratando da contemporaneidade 244

Interferên-cia da mitologia 245A poesia didática: Palingenius 247•A lírica e seus limites 247Odes aos santos 248Elegias e similares 249O epigrama 250A poesia macarrônica 252

A queda dos humanistas no século XVI 253

As acusações e o montante de culpa 253O infortúnio 258•O

contrário do humanista 258Pomponius Laetus 260•As

(7)

IV. O DESCOBRIMENTO DO MUNDO E DO HOMEM

As viagens dos italianos 264

Colombo 265A relação da cosmografia com as viagens 266 As ciências naturais na Itália 267

Tendência ao empírico 267Dante e a astronomia 268Interferên-cia da Igreja 268Influência do humanismo 269•A botânica: os jar-dins 270A zoologia: as coleções de animais estrangeiros 270•O sé-quito de Ippolito de Medici: os escravos 272

A descoberta da beleza paisagística 273

A paisagem na Idade Média 274Petrarca e as montanhas 276•O Dittamondo, de Uberti 277A escola flamenga de pintura 278

Enéias Sílvio e suas descrições 278 A descoberta do homem 282

Os expedientes psicológicos: os temperamentos 283• O RETRATO ESPIRITUAL NA POESIA283O valor do verso sem rima 284•O valor do soneto 285Dante e sua Vita nuova 286A Divina comédia 287

Petrarca como um retratista da alma 288Boccaccio e a Fiammet-ta 289O reduzido desenvolvimento da tragédia 290•O esplendor das encenações como inimigo do drama 291•O intermezzo e o ba-lé 292A comédia e as máscaras 294A compensação pela música 295

O épico romanesco 295•A necessária subordinação dos caracte-res 296Pulci e Boiardo 296A lei interna de suas composições 298

Ariosto e seu estilo 299Folengo e a paródia 301•Tasso como contrapartida 302

A biografia 302

O progresso dos italianos em relação à Idade Média 302•Biógrafos toscanos 303A biografia em outras regiões da Itália 304•A auto-biografia: Enéias Sílvio 306Benvenuto Cellini 307 • Jerônimo Cardan 307Luigi Cornaro 308

A caracterização dos povos e cidades 311 O Dittamondo 312•Descrições no século XVI313 A descrição da exterioridade 313

A beleza em Boccaccio 314O ideal de beleza de Firenzuola 315

Definições gerais 317

A descrição da vida cotidiana 318

Enéias Sílvio e outros 319•A poesia bucólica convencional desde Pe-trarca 320A situação real dos camponeses 320•O tratamento poé-tico genuíno da vida no campo 321•Battista Mantovano, Lourenço, o Magnífico, Pulci 321Angelo Poliziano 322•A humanidade e o conceito do homem 323

(8)

V. A SOCIABILIDADE E AS FESTIVIDADES

O nivelamento das classes 324

O contraste com a Idade Média 324O convívio nas cidades 324•A negação teórica da nobreza 325•O comportamento da nobreza nas diversas regiões da Itália 328Postura perante a cultura 328

Poste-rior influência espanhola 328A cavalaria desde a Idade Média 329

Os torneios e suas caricaturas 330•A nobreza como pré-requisito para o cortesão 331

O refinamento exterior da vida 332

As roupas e a moda 332Os artigos de toucador 333O asseio 335

O Galateo e as boas maneiras 336Conforto e elegância 336

A língua como base da sociabilidade 337

O desenvolvimento de uma língua ideal 337•Sua ampla

dissemina-ção 338Os extremados puristas 338Seu reduzido êxito 341•A

conversação 342

A forma mais elevada de sociabilidade 343

Os ajustamentos e estatutos 343Os novelistas e sua audiência 343As grandes damas e os salões 344A sociabilidade florentina 345

Lourenço retratando seu círculo 345

O ser social perfeito 346

Os amores 346As habilidades exteriores e espirituais 347•O exer-cício físico 348A música 349Os instrumentos e o virtuosismo 349O diletantismo em sociedade 351

A posição da mulher 352

A educação masculina e a poesia 352•O aperfeiçoamento da

perso-nalidade 353A virago 354A mulher em sociedade 355•A cultura

das cortesãs 355 A vida doméstica 357

Contraste com a Idade Média 357Agnolo Pandolfini 357A villa e a vida no campo 358

As festividades 360

Suas formas originais: o mistério e a procissão 360•Vantagens sobre os demais países 362A alegoria na arte italiana 363•Os represen-tantes históricos do genérico 364As encenações dos mistérios 364

Corpus Christi em Viterbo 367As encenações profanas 368•As pantomimas e as recepções aos príncipes 368As procissões: os trion-fi eclesiásticos 371Os trionfi profanos 373Cortejos na água 377

(9)

VI. MORAL E RELIGIÃO

A moralidade 380

Os limites do juízo 380Consciência da desmoralização 381•A no-ção de honra moderna 382O domínio da fantasia 385•A paixão pelo jogo e a sede de vingança 385A transgressão no casamento 390A postura moral da mulher 392O amor espiritualizado 395•A dis-posição geral para o ilícito 397O bandoleirismo 399•O

assassina-to pago: os envenenamenassassina-tos 400A maldade absoluta 401•Relação

da moralidade com o individualismo 404 A religião na vida cotidiana 405

A ausência de uma reforma 406•Postura dos italianos perante a

Igreja 407O ódio contra a hierarquia e os monges 407•Os mon-ges mendicantes 408A Inquisição dominicana 408•As ordens

su-periores 410A Igreja e suas bênçãos: a força do hábito 414•Os pregadores 415Girolamo Savonarola 421•O elemento pagão na crença popular 427A crença nas relíquias 429O culto a Maria 431Oscilações no culto 431•As grandes epidemias de arrependimen-to 433Sua regulamentação policial em Ferrara 434

A religião e o espírito do Renascimento 436

A subjetividade inevitável 436O caráter mundano do espírito 437

A tolerância em relação ao islã 438•A igualdade de todas as reli-giões 439A influência da Antiguidade 441•Os assim chamados

epicuristas 442A doutrina do livre-arbítrio 443•Os humanistas devotos 444O caminho intermediário dos humanistas 445

Iní-cio da crítica do sagrado 445O fatalismo dos humanistas 447•A

exterioridade pagã 449

O entrelaçamento das superstições antiga e moderna 450 A astrologia 451Sua difusão e influência 451•Seus opositores na

Itália 457A refutação de Pico della Mirandola e seu efeito 458Su-perstições diversas 460Superstições dos humanistas 461•Os

fantas-mas dos mortos 463A crença nos demônios 464•A bruxa italiana 465A terra das bruxas em Norcia 466•Interferência e fronteiras da bruxaria do Norte 468A feitiçaria das prostitutas 469•O mágico e

conjurador 470Os demônios na estrada para Roma 471•Gêneros particulares de magia: telesmata 473•A magia no lançamento das pe-dras fundamentais 474O necromante e os poetas 475•O

encanta-mento de Benvenutto Cellini 476O declínio da magia 477Moda-lidades paralelas: a alquimia 479

Crise geral da fé 479

A confissão de Boscoli 480•Confusão religiosa e dúvida generaliza-da 482Disputa acerca da imortalidade 482O céu pagão 484•O

(10)

Além, segundo Homero 485A dissolução dos dogmas cristãos 485

O teísmo italiano 486 Obras mais citadas 489 Índice onomástico 491 Sobre o autor 503

(11)

36

I.

O ESTADO COMO OBRA DE ARTE

INTRODUÇÃO

É no verdadeiro sentido da palavra que esta obra carrega o título de um mero ensaio; seu autor tem suficientemente claro em sua consciência a modéstia dos meios e forças com os quais se encarregou de tarefa tão extraordinariamente grande. Pudesse ele, contudo, contemplar com maior confian-ça sua pesquisa, tampouco estaria mais seguro do aplauso dos conhecedores. Os contornos espirituais de uma época cultu-ral oferecem, talvez, a cada observador uma imagem diferen-te, e, em se tratando do conjunto de uma civilização que é a mãe da nossa e que sobre esta ainda hoje segue exercendo a sua influência, é mister que juízo subjetivo e sentimento in-terfiram a todo momento tanto na escrita quanto na leitura desta obra. No vasto mar ao qual nos aventuramos, são mui-tos os caminhos e direções possíveis; os mesmos estudos rea-lizados para este trabalho poderiam, nas mãos de outrem, fa-cilmente experimentar não apenas utilização e tratamento totalmente distintos, como também ensejar conclusões subs-tancialmente diversas. O assunto é, em si, suficientemente importante para tornar desejáveis muitas outras investigações e exortar pesquisadores dos mais diversos pontos de vista a se manifestarem. Entrementes, estaremos satisfeitos se nos for concedida uma atenção paciente e se este livro for compreen-dido como um todo. A necessidade de fracionar um grande

continuum espiritual em categorias isoladas e, amiúde,

apa-rentemente arbitrárias, com o intuito de, de alguma forma, poder apresentá-lo, constitui dificuldade capital da história cultural. Era nossa intenção, a princípio, suprir a maior lacu-na deste livro mediante uma obra especial tratando da “arte

(12)

do Renascimento”, propósito que apenas minimamente pôde ser realizado.*

A luta entre os papas e os Hohenstaufen acabou por dei-xar a Itália em uma situação política que diferia substancial-mente daquela do restante do Ocidente. Se na França, Espanha e Inglaterra o sistema feudal era de natureza tal a, transcorri-do seu tempo de vida, desembocar fatalmente no Estatranscorri-do mo-nárquico unificado; se na Alemanha ele ajudou, ao menos ex-teriormente, a manter a unidade do império — a Itália, por sua vez, libertara-se quase completamente desse mesmo siste-ma. Na melhor das hipóteses, os imperadores do século XIV

não eram mais acolhidos e respeitados como senhores feudais, mas como possíveis expoentes e sustentáculos de poderes já existentes. O papado, por sua vez, com suas criaturas e pon-tos de apoio, era forte o bastante apenas para coibir qualquer unidade futura, sem, no entanto, ser ele próprio capaz de gerá-la. Entre aqueles e este, havia uma série de configurações po-líticas — cidades e déspotas, em parte já existentes, em parte recém-surgidos — cuja existência era de natureza puramente factual.** Nestas, pela primeira vez, o espírito do Estado eu-ropeu moderno manifesta-se livremente, entregue a seus pró-prios impulsos. Com suficiente freqüência, elas exibem em seus traços mais medonhos o egoísmo sem peias, escarnecen-do de toescarnecen-do o direito, sufocanescarnecen-do o germe de toescarnecen-do desenvolvi-mento sadio. Onde, porém, essa tendência é superada ou, de alguma forma, contrabalançada, ali um novo ser adentra a his-tória: o Estado, como criação consciente e calculada, como obra de arte. Tanto nas cidades-repúblicas quanto nos Esta-dos tirânicos, esse ser vivente manifesta-se de centenas de maneiras, determinando-lhes a configuração interna bem

co-37 * “A arquitetura e decoração do Renascimento italiano”, in Geschichte der Baukunst, Franz Kugler (org.). v. 4.

** Os governantes e seus partidários são, conjuntamente, chamados lo sta-to, nome que, depois, adquiriu o significado da existência coletiva de um ter-ritório.

(13)

mo a política externa. Contentar-nos-emos aqui com o exame de seu tipo mais completo e mais claramente definido, pre-sente na figura dos Estados tirânicos.

A situação interna dos territórios governados por déspotas tinha um célebre modelo no Império Normando da Baixa Itália e da Sicília, tal qual o reorganizara o imperador Frederico II.

Criado sob o signo da traição e do perigo, próximo dos sarrace-nos, Frederico acostumara-se desde cedo ao julgamento e trata-mento totalmente objetivo das coisas — o primeiro homem mo-derno a subir a um trono. Acrescia-se a isso sua familiaridade e intimidade com o interior dos Estados sarracenos e sua adminis-tração, além de uma luta pela existência contra os papas que obrigou ambos os lados a levar para o campo de batalha todas as forças e meios imagináveis. As ordens de Frederico (principal-mente a partir de 1231) têm por objetivo a total aniquilação do Estado feudal, a transformação do povo em uma massa abúlica, desarmada e, no mais alto grau, pagadora de tributos. De uma maneira até então inaudita no Ocidente, ele centralizou todo o Poder Judiciário e a administração. Nenhum cargo podia mais ser preenchido por meio da escolha popular, sob pena de devas-tação para a localidade que o fizesse e degradação de seus habi-tantes à condição de servos. Os tributos, baseados num cadastro abrangente e em práticas maometanas de tributação, eram co-brados daquela maneira martirizante e atroz, sem o auxílio da qual, é certo, não se obtém dinheiro algum dos orientais. Sob tais condições, já não há povo, mas um amontoado controlável de súditos que, por exemplo, não podem se casar fora do terri-tório sem uma permissão especial, tampouco, de forma alguma, estudar fora dele. A Universidade de Nápoles constitui o exem-plo mais antigo conhecido de restrição à liberdade de estudar, ao passo que o Oriente, ao menos nessas questões, dava liberda-de a seu povo. Genuinamente maometano, em contrapartida, era o comércio próprio que Frederico praticava em todo o Me-diterrâneo, reservando para si o monopólio sobre várias merca-dorias e tolhendo o comércio de seus súditos. Os califas fatími-das, com toda a sua doutrina esotérica da descrença, haviam sido

(14)

39

(pelo menos no princípio) tolerantes para com as religiões de seus súditos; Frederico, pelo contrário, coroa seu sistema de go-verno com uma inquisição que tanto mais culposa se afigura quando se admite que ele perseguia nos hereges os representan-tes de uma vida municipal liberal. Serviam-no, por fim, como força policial — no plano interno — e como núcleo do exército — no plano externo —, os sarracenos transferidos da Sicília para Luceria e Nocera, surdos a toda lamentação e indiferentes à proscrição da Igreja. Mais tarde, abúlicos e desacostumados às armas, os súditos aceitaram passivamente a queda de Manfredo e a usurpação do trono por Carlos de Anjou. Este último, po-rém, tendo herdado um tal mecanismo de governo, seguiu uti-lizando-o.

Ao lado do imperador centralizador, entra em cena, então, um usurpador de caráter singularíssimo: seu vigário e genro Ez-zelino da Romano. Este não representa qualquer sistema de go-verno ou administração, uma vez que sua atuação se reduz uni-camente à luta pela supremacia na porção superior oriental da Itália; entretanto, como modelo político para a época que se se-guiu, ele não é menos importante do que seu protetor imperial. Até então, todas as conquistas e usurpações medievais se haviam realizado com base em alguma herança, real ou alegada, e em direitos que tais — ou, de resto, em prejuízo dos descrentes ou excomungados. Agora, pela primeira vez, tenta-se fundar um trono por meio do assassinato em massa e de infindáveis atroci-dades, isto é, mediante o emprego de quaisquer meios visando única e exclusivamente a um fim. Nenhum de seus sucessores lo-grou, de alguma forma, equiparar-se a Ezzelino no caráter co-lossal de seus crimes, nem mesmo César Borgia; o exemplo, po-rém, estava dado, e sua queda não significou para os povos o restabelecimento da justiça, tampouco uma advertência para fu-turos malfeitores.

Em vão, são Tomás de Aquino — nascido súdito de Frederi-co — elaborou em uma tal época a teoria de uma monarquia constitucional, na qual concebia o príncipe sustentado por uma Câmara Alta por ele nomeada e por uma representação eleita pelo

(15)

povo. Teorias dessa ordem dissipavam-se nos auditórios da uni-versidade: Frederico e Ezzelino foram e prosseguiram sendo para a Itália os maiores fenômenos políticos do século XIII. Sua

ima-gem, refletida de maneira já semifabulosa, compõe o conteúdo principal das Cento novelle antiche, cuja redação original data cer-tamente ainda desse mesmo século. Nelas, Ezzelino é já descrito com o temeroso respeito que é a manifestação de toda impres-são portentosa. Toda uma literatura, da crônica das testemunhas oculares até a tragédia semimitológica, converge para sua pessoa. Imediatamente após a queda de ambos, surgem, então, oriun-dos principalmente das disputas entre guelfos e gibelinos — e, em geral, na qualidade de expoentes destes últimos —, os di-versos tiranos, mas sob formas e condições tão diversas, que não se pode deixar de reconhecer uma inevitabilidade comum a fundamentar seu surgimento. No tocante aos meios, eles só precisam dar continuidade àquilo que suas respectivas facções já haviam iniciado: o extermínio ou expulsão dos opositores e a destruição de suas casas.

TIRANIAS DO SÉCULO XIV

Os despotismos, maiores ou menores, do século XIV

reve-lam com suficiente freqüência que os exemplos do passado não haviam sido esquecidos. Seus próprios delitos bradaram alto, e a história os registrou pormenorizadamente. Na qualidade de Estados erguidos totalmente sobre si mesmos e organizados em função disso, tais despotismos afiguram-se-nos, não obstante, de grande interesse.

A avaliação consciente de todos os meios disponíveis — o que, fora da Itália, não passava pela cabeça de príncipe algum —, associada a uma quase absoluta plenitude de poderes no interior das fronteiras do Estado, produziu nesses homens formas de vida muito especiais. Para os tiranos mais sábios, o segredo fundamen-tal da dominação residia em, tanto quanto possível, conservar a tributação da maneira como eles a haviam encontrado ou, de

(16)

41

cio, estabelecido: um imposto fundiário baseado em um cadastro; determinados tributos sobre artigos de consumo e taxas alfande-gárias sobre importação, somando-se a isso ainda as receitas pro-vindas da fortuna privada da casa reinante. A única possibilidade de aumento da arrecadação vinculava-se ao crescimento da pros-peridade geral e dos negócios. Inexistiam aqui os empréstimos, tal como eles ocorriam nas cidades livres; tomava-se, antes, a liber-dade de, vez por outra, aplicar um bem calculado golpe de força — como, por exemplo, a verdadeiramente sultânica destituição e pilhagem do mais alto encarregado das finanças —, contanto que um tal golpe deixasse inabalado o conjunto da situação.

Procurava-se, pois, fazer com que esses rendimentos fossem suficientes para pagar as despesas da pequena corte, da guarda pessoal, dos mercenários recrutados, das edificações, bem como dos bufões e homens de talento, que compunham o séquito pes-soal do príncipe. A ilegitimidade, rodeada de perigos constantes, isola o déspota; a aliança mais honrosa que ele pode eventualmen-te selar é aquela com o talento ineventualmen-telectual mais elevado, inde-pendentemente de sua origem. No século XIII, a liberalidade dos

príncipes do Norte limitara-se aos cavaleiros, à nobreza que ser-via e cantava. Não é esse o caso do tirano italiano, que, com sua propensão para a monumentalidade e sede de glória, precisa do talento enquanto tal. Em companhia do poeta ou do erudito, ele se sente pisando novo terreno, sente-se mesmo quase de posse de uma nova legitimidade.

Mundialmente famoso sob esse aspecto é o déspota de Ve-rona, Cangrande della Scala, que, nas pessoas dos notáveis pros-critos que abrigava em sua corte, sustentava toda uma Itália. Os escritores eram-lhe gratos. Petrarca, cujas visitas a tais cortes encontraram tão severas críticas, esboçou o retrato ideal de um príncipe do século XIV[De rep. optime administranda]; exige

mui-to de seu destinatário — o senhor de Pádua —, mas de maneira a conferir-lhe a capacidade de atender a essas exigências:

Tu não deves ser o senhor, mas o pai de teus súditos; deves amá-los como a teus filhos, amá-los mesmo como membros

(17)

42

de teu corpo. Contra os inimigos, podes empregar armas, guardas e soldados — com teus súditos, a mera benevolên-cia já basta; refiro-me, por certo, apenas àqueles súditos que amam a ordem estabelecida, pois quem diariamente planeja transformações é um rebelde e inimigo do Estado, e contra este deve imperar justiça rigorosa!

Segue-se, então, em detalhes, a ficção genuinamente mo-derna da onipotência do Estado: o príncipe deve cuidar de tudo, construir e manter igrejas e edifícios públicos, conservar a po-lícia municipal,* drenar os pântanos, zelar pelo vinho e pelos cereais, distribuir com justeza os tributos, dar apoio aos desam-parados e aos doentes e dedicar sua proteção e convívio a emi-nentes eruditos, uma vez que estes cuidarão de sua glória junto à posteridade.

Quaisquer que possam ter sido os aspectos mais luminosos e os méritos de alguns desses tiranos, porém, já o século XIV

re-conheceu ou pressentiu a fugacidade e fragilidade da maioria deles. Uma vez que, por razões internas, configurações políti-cas dessa natureza são tanto mais duráveis quanto maior for o território sob seu domínio, os despotismos mais poderosos ten-deram sempre a devorar os menores. Que hecatombe de peque-nos déspotas foi, nessa época, sacrificada somente aos Visconti! Decerto, a esse perigo externo correspondeu quase sempre uma fermentação interna, e a repercussão dessa situação sobre o âni-mo do déspota devia ser, na maior parte dos casos, absoluta-mente ruinosa. A falsa onipotência, o convite ao prazer e a toda sorte de egoísmos, por um lado; os inimigos e conspiradores, por outro, tornavam-no quase inevitavelmente um tirano da pior espécie. Pudesse ele confiar ao menos em seus parentes mais próximos! Onde, porém, tudo era ilegítimo, tampouco um * Inclui-se aí, de passagem, o desejo de que fosse proibida a presença de porcos nas ruas de Pádua, uma vez que já a sua visão era desagradável e, além disso, os cavalos se assustavam.

(18)

43

sólido direito de herança podia constituir-se, quer no tocante à sucessão, quer na divisão dos bens. Assim é que, em momentos de perigo iminente, um primo ou tio decidido, no interesse da própria casa, desalojava o filho ainda menor ou inepto de um príncipe. Também a exclusão ou reconhecimento dos bastardos era motivo de disputas constantes. Um número considerável de famílias foi, pois, assolado por parentes insatisfeitos e vingativos — uma situação que, não raro, rompia em franca traição e em assassinatos domésticos. Outros, vivendo como refugiados em outras terras, munem-se de paciência e tratam a questão de ma-neira objetiva, como, por exemplo, aquele Visconti que lançava sua rede de pesca no lago de Garda; o emissário de seu inimigo perguntou-lhe de modo bastante direto quando é que ele ten-cionava retornar a Milão, recebendo a seguinte resposta: “Não antes que as vilezas dele tenham logrado suplantar meus cri-mes”.* Por vezes, também, os parentes sacrificam o soberano reinante em honra da já excessivamente ofendida moral públi-ca, visando com isso salvar o restante da casa.** Aqui e ali, o go-verno repousa ainda de tal modo sobre o conjunto da família, que o déspota encontra-se amarrado aos conselhos desta; tam-bém nesse caso a partilha da propriedade e da influência ense-java facilmente a mais áspera contenda.

Nos autores florentinos de então, encontra-se um ódio ge-ral e profundo contra todo esse sistema. Já o cenário pomposo, os trajes esplendorosos por meio dos quais os déspotas deseja-vam menos, talvez, satisfazer a própria vaidade do que impres-sionar a fantasia popular, despertam naqueles autores o mais agudo sarcasmo. Ai do arrivista que lhes cai nas mãos, como o recém-constituído doge Agnello de Pisa (1364), que costumava sair a cavalgar com seu cetro dourado e, ademais, exibir-se à ja-nela de sua casa, “como se exibem relíquias”, recostado sobre ta-* Faz-se referência aqui a Matteo IVisconti e a Guido della Torre, este, à

época, no poder em Milão.

** Como no assassinato secreto de Matteo IIVisconti, por intermédio de

(19)

peçaria e almofadas adornadas com ouro; tinha-se de servi-lo de joelhos, como a um papa ou imperador. Mais freqüentemente, contudo, o tom desses antigos florentinos é o de elevada serie-dade. Dante [De vulgari eloquentia] reconhece e nomeia com primor a ausência de nobreza, o caráter ordinário da cobiça e avidez de poder dos novos príncipes. “O que ressoa de suas trombetas, sinos, trompas e flautas senão: vinde a nós, carrascos, aves de rapina!” Imagina-se o castelo do tirano lá no alto, isola-do, repleto de masmorras e escutas, como a morada da maldade e da desgraça.* Outros profetizam o infortúnio de todo aquele que adentra o serviço do déspota, lastimando afinal pelo próprio tirano, que seria, inevitavelmente, o inimigo de todos os ho-mens bons e capazes, que não se poderia permitir confiar em pessoa alguma e lia no rosto de seus súditos a expectativa por sua queda. “Assim como os tiranos surgem, crescem e se fir-mam, em seu íntimo cresce também, oculto, o elemento que fa-talmente lhes trará a desorientação e a ruína.” A contradição mais profunda não é claramente realçada: Florença via-se então em meio ao mais rico desenvolvimento das individualidades, ao passo que os déspotas não reconheciam nem admitiam qualquer outra individualidade que não a sua própria e a de seus servido-res mais próximos. Afinal, os mecanismos de controle sobre o indivíduo já haviam sido totalmente implantados, chegando ao nível de um sistema de passaportes.**

Nas mentes de seus contemporâneos, a notória crença nos astros e a irreligiosidade de muitos soberanos conferiram ainda uma coloração peculiar a essa sua existência sinistra, esquecida por Deus. Quando o último Carrara, em sua Pádua dizimada pela peste (1405) e sitiada pelos venezianos, não mais pôde defender as muralhas e portões da cidade, sua guarda pessoal o ouvia com freqüência, à noite, invocar o demônio, para que este o matasse!

44

* Isso, por certo, somente nos escritos do século XV, mas certamente ten-do por base fantasias de épocas anteriores.

** Nos últimos dez anos de Frederico II, quando imperava o mais rigoroso controle pessoal, o sistema de passaportes estaria já bastante desenvolvido.

(20)

O mais completo e instrutivo desenvolvimento, em meio a essas tiranias do século XIV, encontra-se incontestavelmente nos

Visconti de Milão, a partir da morte do arcebispo Giovanni (1354). Um inconfundível parentesco com o mais terrível dos imperadores romanos logo se anuncia na pessoa de Bernabò: sua prática de caçar javalis constitui o objetivo mais importante do Estado; todo aquele que nela interfere é torturado e executado; aterrorizado, o povo tem de alimentar seus 5 mil cães de caça, ar-cando com a agudíssima responsabilidade pelo bem-estar destes. Os tributos são elevados com o auxílio de todas as formas possí-veis e imaginápossí-veis de coação; sete filhas do príncipe são dotadas com 100 mil florins de ouro cada uma, e um enorme tesouro é acumulado. Por ocasião da morte de sua esposa (1384), uma no-tificação “aos súditos” determina que estes devem, como antes da alegria, compartilhar agora do sofrimento de seu príncipe, tra-jando luto por um ano inteiro. Incomparavelmente característi-ca é a manobra por meio da qual seu sobrinho Giovanni Galeaz-zo (1385) passa a tê-lo sob seu poder — um daqueles complôs bem-sucedidos cuja descrição faz bater mais forte o coração dos historiadores pósteros. Em Giovanni Galeazzo evidencia-se por-tentosamente o verdadeiro pendor do tirano para o colossal. Despendendo 300 mil florins de ouro, ele constrói gigantescos diques para, como bem desejasse, poder desviar o Mincio de Mântua ou o Brenta de Pádua e, assim, tornar indefesas essas ci-dades; não seria mesmo impensável que tivesse cismado em se-car as lagunas de Veneza. Giovanni Galeazzo fundou “o mais maravilhoso de todos os mosteiros”, o cartuxo de Pavia, e a cate-dral de Milão, “que, em grandeza e esplendor, supera todas as igrejas da cristandade”; mesmo o palácio em Pavia, cuja constru-ção fora iniciada por seu pai — Galeazzo — e que ele concluiu, talvez tenha sido de longe a mais magnífica residência principes-ca da Europa de outrora. Para lá, ele transferiu também sua fa-mosa biblioteca e a grande coleção de relíquias de santos, aos quais dedicava uma espécie particular de crença. Seria de estra-nhar em um príncipe de tal índole que ele não tivesse, também no campo político, almejado coroas maiores. O rei Venceslau o

(21)

46

fez duque (1395); quando, porém, adoeceu e morreu (1402), Giovanni Galeazzo tinha em mente nada menos do que o reino da Itália ou a coroa imperial. Supõe-se que, à época, a totalidade de seus Estados devia pagar-lhe anualmente, além do tributo re-gular, no montante de 1,2 milhão de florins de ouro, mais 800 mil em subsídios extraordinários. Após a sua morte, o império que montara, valendo-se de toda sorte de violências, fez-se em pedaços e, por um tempo, seus territórios mais antigos mal pu-deram ser mantidos. Quem sabe o que teria sido de seus filhos — Giovanni Maria (morto em 1412) e Filippo Maria (morto em 1447) —, tivessem eles nascido alhures, sem nada saber da casa paterna? Herdeiros desta, no entanto, herdaram com ela tam-bém o gigantesco capital de atrocidades e covardia que ali se acu-mulara de geração em geração.

Giovanni Maria é, mais uma vez, famoso por seus cães — estes, não de caça, mas adestrados para dilacerar seres humanos; seus nomes foram-nos transmitidos, assim como aqueles dos ur-sos do imperador Valentiniano I. Quando, em maio de 1409, em

meio à guerra ainda em curso, o povo faminto gritava-lhe na rua “Pace! Pace!”, ele ordenou a seus mercenários que atacassem, matando duzentas pessoas; em seguida, tornou-se proibido, sob pena de enforcamento, pronunciar as palavras pace e guerra — e até mesmo os padres foram obrigados a, em vez de dona nobis

pa-cem, dizer tranquilitem! Por fim, estando Facino Cane,

condot-tiere-mor do desvairado duque, à beira da morte em Pavia, al-guns conspiradores valeram-se do momento propício para dar cabo de Giovanni Maria junto à igreja de San Gottardo, em Mi-lão; no mesmo dia, porém, o moribundo Facino fez seus oficiais jurarem auxílio ao herdeiro, Filippo Maria, sugerindo ainda ele próprio que, após a sua morte, sua esposa se casasse com este, como, aliás, logo se deu; o nome dela era Beatrice di Tenda. De Filippo Maria, voltaremos a falar mais adiante.

E, em tempos como esses, Cola di Rienzi confiava poder eri-gir, fundado no raquítico entusiasmo da decaída população

(22)

roma-47

na, um novo governo sobre toda a Itália. Ao lado de déspotas como os já mencionados, ele não passa de um pobre e desorientado tolo.

TIRANIAS DO SÉCULO XV

O despotismo no século XVexibe um caráter modificado.

Muitos dos pequenos tiranos, e mesmo alguns dos grandes, como os Scala e os Carrara, pereceram; os poderosos fortale-ceram-se e, internamente, suas tiranias desenvolveram feições mais características. Nápoles, por exemplo, recebe um impul-so mais vigoroimpul-so com a nova dinastia aragonesa. Característi-co, no entanto, no tocante a esse século, é, primordialmente, o anseio dos condottieri por uma soberania própria, indepen-dente — por coroas: um passo à frente no caminho do pura-mente factual e um alto prêmio tanto para o talento quanto para a perversidade. No intento de assegurar para si algum su-porte, os tiranos menores põem-se agora, de bom grado, a ser-viço de Estados maiores, tornando-se condottieri destes, o que lhes propicia algum dinheiro e, decerto, também a impunida-de para muitos impunida-de seus crimes, talvez até mesmo uma expan-são de seus domínios. De um modo geral, grandes e pequenos precisaram esforçar-se mais, agir com maior prudência e cál-culo, abstendo-se do terror excessivo; era-lhes permitido pra-ticar o mal apenas na justa medida em que essa prática com-provadamente servisse a seus objetivos — o mesmo tanto, aliás, que lhes perdoava a opinião dos espectadores. Não há mais si-nal aqui daquele capital de devoção que favorecia as casas prin-cipescas legítimas do Ocidente, mas, no máximo, uma espécie de popularidade restrita às capitais de seus domínios; para avan-çar, os príncipes italianos têm sempre de buscar auxílio fun-damentalmente no talento e no frio calculismo. Uma figura como a de Carlos, o Temerário, que com uma paixão desenfrea-da aferrava-se a propósitos totalmente impraticáveis, constituía verdadeiro enigma para os italianos.

Referências

Documentos relacionados

Considerando que, no Brasil, o teste de FC é realizado com antígenos importados c.c.pro - Alemanha e USDA - USA e que recentemente foi desenvolvido um antígeno nacional

By interpreting equations of Table 1, it is possible to see that the EM radiation process involves a periodic chain reaction where originally a time variant conduction

O desenvolvimento desta pesquisa está alicerçado ao método Dialético Crítico fundamentado no Materialismo Histórico, que segundo Triviños (1987)permite que se aproxime de

Assim procedemos a fim de clarear certas reflexões e buscar possíveis respostas ou, quem sabe, novas pistas que poderão configurar outros objetos de estudo, a exemplo de: *

Se os fornecedores de ITCM usam versões dos codecs de G.711 ou de G.729 que são diferentes daqueles usados nesse exemplo, você deve estaticamente configurar moldes de perfil de QoS

O enfermeiro, como integrante da equipe multidisciplinar em saúde, possui respaldo ético legal e técnico cientifico para atuar junto ao paciente portador de feridas, da avaliação

Este estudo teve como objetivo examinar como se comportam estrategicamente as empresas da cidade de Getúlio Vargas/RS, frente ao problema empreendedor (mercado) e

Apesar do glicerol ter, também, efeito tóxico sobre a célula, ele tem sido o crioprotetor mais utilizado em protocolos de congelação do sêmen suíno (TONIOLLI