casa para a família R*l.rT*«yd.»ÍM Aod-tr.t. «to C«-*rtc f *-»» Diroior: PEDRO UOTTA UMA G*;*r.'»: Atlotiao isawtjio f. Torto* ai *»aia»ia-«ai

Texto

(1)

«*»¦»

mmm

tlf>

I li 114

* *

casa para a família

edicionario morto ou invalidado em combate

_ril ár% Éf% mW _»•*_. I ¦¦¦**> P •#*«•*.

UliaUd Uiicl

S3VO tííia rwf M o atu iounal. a nuiuNA

iiJlAf, OUÍ RECUMAVA t, OE ONOt fOOOlA

ípoa auAií «aviwoicAçoia i wbato» o*

iiANRI:» PPOBIKMAÜ NACIONAIS Qlft SO Ul M D£ TATO WSOLVDr.

laír Cfjrfea Prt»*ft*a

? ,,n

**•>•* ********

BataiaTá'to* «¦¦»..*> ¦»»¦»-- ¦« atim , -i _ ¦,»-,,.

.."'. -**»sraj«t*SMitai*aaF . ^"•"W».-*'»"^

„"¦".",.-.,,-'. *...¦, ,-'•¦¦->.¦.--;?¦•-'-

.Z5a_-*T *&» ^^^^^^t^^j^^^^^^^\^^rji^^

% ** ir * * -i

H«!»»M»*èJ0ta

UNIDADE

DEMOCRACIA PROGRESSO

R*l.rT*«yd.»ÍM Aod-tr.t. «to C«-*rtc f *-«»»» Diroior: PEDRO UOTTA UMA

G*;*r.'»: Atlotiao iSawtjio f. Torto*

¦ai *»aia»ia-«ai

.«; • £} — Av. Ar-*tnr»a í-te***»» 857, 13" «t-v»-» SlO DI* IANCWO, W?MmOO. 17 DE NINHO DE ISIS •***.•

DF. HOJE. Nà Cr-pivqi, CN 0.40: Ke* tsMAom CN 060 _«_*_•__«»»*_«»¦__»

!**

¦a-aa-a

rr- ii—nr-rni-mai- -r» i aiaa» «-....¦ —a " '—». -irwTPnaa—-t -»-''""1"" »¦-_». ¦-.-«¦anu. ¦

m Moscou a delegação polonesa

ir it * it it ir

0 BRIGADEIRO EDUARDO GOMES ACREDITA NA POSSIBILIDADE

DO VOTO RODEADO DAS GARANTIAS ELEMENTARES DO SIGILO

'&'«- *z jB lí_____fl l»'^^_í IE ;_í

* - »!%/i_(>___a>_?___

• íékMkJT>___L^_i

__H: ->-'

H% * '--_.

-*_i _fS_r^__f

_fc*-iH;

___rc-^___t-_______7'9_l BJt_>' - 4_CT__ _____'

£Hm__________fl_r «fl __*_»t*fl

-.-, i„-*»__Pr*r- - ''frall

Bl ' ————I WHI PrJr»i_r»i

, „ „,„, .„. . ii _i m—T ---| ______________________________________ ii i *»-a»**»*tt_»»»«»»»»»»_---»»»- in*.

Em atividade a sub - comissão de assistência e recepção á FEBdoClubeMüitar

FALA O C.ENERAL HEITOR BORGES, SEU PRESIDENTE-CAMPANHA WWENTFWNTF. POP'.. 4»? — SFR*n /rp/rnc MATF.RtM F. M/n KF.

j OBRA, ALEM DAS CONTRIBUIÇÕES EM DINHEIRO - /WCJ477V,4 FEL/Z

Kntr* ot -•-¦:•.- ata* prvttrn-1 T pr«iií*r.U d* » .---or-.'.*- '!-,-•-:•*-¦« ..-.-».-.,-.-- • *r.«vr.«i- A* tarar A pr*Ur* » Cecoltalo' «Ao ejusrtre.e*» d«*» m**n» u-| r» m»l« prAii- foi o 4* aa*-' e C«tl*r»! de Hr*t-f-*lU*^-trt. M«U- r«f* o Man) Heitor AUfU»to f*i Tteilor Bort**'

l_ra*Sa • ."teeeiKAo A ITB. ert»-i «Ttoff** iVtvlo um* d** »vt»l» »«»- ntr*ft» por tnieleii*» Oo Clube Ui»* ftpir*- d* ciirio milluu '': ¦ -.r '»¦.•»-.-.¦» tomo tsm do* fio» hA em r.ou«u for;*» «rm»- m*U -rólloao» o de d»r. i-»-amo eon- [ a»*, o .*. llrtior IVwtrt* »e en-

O discurso

de ontem no Pacaembú

trtbuieAo do poro brutletro. um* j conir» fr• > •» » e*d* f*mfll» de «ripedi- ríetiAtio ro«-rto ou *aT»ll«l»4o «m

c*-t~b»t*.

¦i «-.¦. parte or.de h*J«

riagranit tolhido na attembWa 4o* ecntreiittot

usca de uma solução conciliatória

A MARCHA DOS . ACOiTEOlHIENTOS

EM KOSSO PAÍS

Tem a maior importância política para a America do Sul - Fala Ghioldi á imprensa uruguaia - Prestes e o povo brasileiro

A ASSEMBLÉIA DE ONTEM, DOS COMER»

CAR10S — PROPOSTAS APRESENTA»

TAS - O QVE SE RESOLVEU — DES1G- t'Â*>A UMA COMISSÃO PARA ESTUDAR AS QUESTÕES MAIS RELEVANTES

Rcoüroti-se ontem S noite, ta»

• - f!o Sindicato do* Empreg*- . i do Comercio, k grande «a-'cia em «jue foram debati-

•-. Unrwrtontes assunto» para a

•ao: horário único par» to- :* os comcrciArlos, «umento de ajàrfo» e adoção da "Semana Ir-lrra" para todo o comercio.

Msrcida pan. As 31 horas, so- rnrnte ura pouco dcpol* velo o iniciar-se. est*-indo presente*, no recinto, numeroeo* comercl&rios.

« • *.anto que na rua, defronte do sindloato, notava-se um»

grande massa desses trabalhado- res todos ansiosos por verem sa- ti feitas crsas Justa» • sentidas r'.vindlc»çòcs.

Aberta a se.ssSo. cnie foi. oficial- mente, uma Assembléia Extraor-

•uniria convocada pelo Direto- ria do Sindicato, dlrtRlda pelo ptesldent» do Conselho Fiscal;

e apus os atos de praxe, lcltu- ra da ata da reunião anterior, etc., inlclaram-se os debates sp- bre os pontos em ordem do dia, tendo falado Inicialmente, o Mario do Andrade.

FROrOSTA REJEITADA - No seu discurso, propôs que íesse nomeada uma comissão composta por elementos da Dl- rctorla do Sindicato e elementos da Diretoria da AssoclaçAo dos Empregados no Comércio, » Um

de estudar o assunto.

A Assistência rejeitou tel pro- posta, alegando que somente ao Sindicato deveria caber o en- cargo de cuidar das reivindica- ções da classe, na qualidade de seu orgio representativo, nao es- fando portanío isso na alçada da Associaçf.0, porquannto este e apenas uma sociedade, nao ofl- ciai.

Usa, * seguir, da palavra, o tr. Nilo Wcrncck que, em vlrtu- de de debates dtverslonlstes, faa ver aos presente» que a finaii- ciado da assembléia era debater cs pontos JA referidos e nào aclr- tar rlvolldacles entre o Sindicato t a Associação dos Empregados no Comercio.

Expõe, sucintamente, o atuai tituaçao em que se encontram as classe trabalhadoras frente as patronais, dentro das condições novas surgidas para o mundo e

par» o Brasil, eomo ele próprio dita».

i-M rr.qrr.NO •rsriDENTr.

Enuet&nto foi multe» vexe*

nparteado pelo sr. M*rlo de An- clradc. que devido à sus atitude visivelmente demagoglc» e dlver.

sionista, terminou sendo expulso da assembléia, o que causou '¦'.- gelro Incidente.

Th! fato. nfio teve, contudo.

maior repercussfio, • » reuniAo prosseguiu scalorad», ma» den- tro d» ordem.

Falando depois, dentro do pri- meiro ponto, isto t, horArio um- co. o sr, Álvaro Monteiro pro- pos que fosse InsUtuldo o ho- rArio de 9 horas d* manha, pa-1 r» » entrada e 19 horas para a salda. Devido A parte final, n&o foi aceite ess» proposta.

I __jSpzS-3ri?{__l I . laHTvSmi

--B Bpt '"" : - * ^ "y-J^flg

_

^B

fl_P ' 'v.r.lfl ' ____P"-*_5i ••^_ ¦' ^_h_---í mm B

_oH_k' • » "?•**__ **_¦_¦

HORÁRIO E TABELA SALÁRIOS

DE

Fm

I »il*rt'*»^l'»JJ/!fi'j«WT1^

1 .Mwê \

Ghioldi O presidente do Sindicato, »r.

Taime Azevedo, falando em no- me dos seus com.\inhelros de üiretorla, fez as seguinte pro- postes: abertura do comércio As 8 horas da manhA e o fechamen- to As 18 horas, com duas horas para almoço, proposta, que foi bem recebida pelos presentes; pa- ra o comércio de gêneros allmcn- tlclos, nAo haveria "Semana In- glcsa," mas, em compensação, se- {CONCLUE NA 3." PAG.)

JULGAMENTO PUBLICO DOS

SABOTADORES POLONESES

DEZESSEIS ACUSADOS NO TRIBUNAL

MOSCOU. 16 (Por Hcnry I E' de prever, entretanto, que Shoplro. da ü. P.) — EstA des-1 a acusaçfio tentorá provar a pertando grande atençfto a de- existência de Urtaçõr-s entre os cl:fio do governo russo de Julgar I acusados e o poverno polonês publicamente os dezcrsels lideres ex|»nc»0 em Londres. Esta e em poloneses, presos hA tempos

p.jrtic..»ar 0s chefes do exerci-

f~~**ij»*

&$fliF __ mm su -9 ->_»>«»_____

Ê/Ê * • «i 1

QübUNÜO um telegrama de Moscou, o "Izvestia", refe- rlndo-se á atuaç&o de certos elemento* dissolventes nas Américas, escrevia ante-ontem o set/uinte:

"Vm jornal cubano, o "Dia- rio de Ia Marina", assegurou União

quando tentavrm realizar neto oiaçóes em Moscou. O fato é tanto mais significativo, quanto esse Julgamento vem coincidir precisamente com o reinicio das negociações entre as três poten- cias nesta capital, o que indica que a promotorla russa parece bastante segura de que dispõe dos elementos necersarlos para provar as acusações. AilAs, nas multas semanas decorridas des- de a prlrâo, as autoridades so- j viétlcas recolherem amplo ma-1», terlal de provas, que será apre- sentado ao público no decorrer do processo.

Se forem seguidos os prece- dentes dos processos anteriores, deverá presidir ao lulRairrnto o coronel general Olrich, presiden-

to polonês, tcem sido r casados mais de uma vez pela imp-enfa fovltica de manterem uma vas- te organização terrorista e sub- verslva na retaguarda do Exér- cito Vermelho. Altuns dos che- fes eml-rrados tamt'cm sf.o acusa dos de co'rborar com os ale- mães. Nos m-los d.plomâtleoi fazem-se grnndrs conjecturas sob-c se os acurado»; se contes- sarâo ou nao culpados.

sem pestunejar que a

Soviética tem o propósito de £.-..».

"-^

j M1Htftr á Cô-te

um b;oco

^ro.—o

te d^TT^

^„3^w

Mensagem de Truman a Slalin

dnis Juizes adjuntos. Os advo gndo^' dt defesa serfto designa- don pela proprif Corte.

Permltm-se aos corresponden- tes estfran"erros e membros do como dip'omático assistirem aos spnsaclonals Julgamentos em Sa entre 193R e 1938 todos

"todos

no histórico atilo dos sindicatos, no antlc-o clube dos aHstocratas na rua Mnkhovey.

Sala ocar-ifio, »ta««««o nriiiclpal acusador o viee-co- Sario «*> ilações Exteriores rio dos Estados um-

Andrti vishlnsK-y. JJJ» era en- dos que tem interesses na t5f) procursdor gera.. Nfto »

«Princesa das Anttlhas". K'*« gabe sinds a cargo da anam na America do

conlra os Estados Unidos."

Não seria demais dizer aqui, ah/umas palavras sobre o "Dia- rio de Ia Marina", o jornal tnars rico de Cuba e um dos mais ricos lambem do conti- nente. Antquissimo, está li- gnifí desde o seu começo âs forças mais tradicionais, ali, do '.onservadorismo, tanto do co- mercio como do latifúndio

««encerei-, o" e "tabacale.ro" e através âele ao capital mais Uni-

LConOus va, %? página)

Icart deste v» * «««ao-

LOI-DRES, 18 (U. P.) — A emissora de Moscou difundiu a seguinte mcnsnRem do presidem- te Truman dirigida a Stalln:

"Queira aceitar de minha nes- roa e em nome dos Estados Uni- dos « expressão de nossa gra- Hdfi.0 por vossa amável mensa- gem dhtada de 12 de Junho. Es- tou flrmerr-.r-nte confiante em aue o futuro r a continuacAo de nossa amistosa cooperação so- r5o coroados daquele mesmo su- cesso obtido na causa de preser- var a paz e a boa vontai-;' In- ternecional coiv.o foram os nos- sos comuns esforços na guerra contra os nazistas. Eu fito o fu- turo e é com grande satisfação que terei um encontro convosco em date próxima e discutirei convosco plenamente

actací -arootoas r^muiis".

Montevidéu. 16 (VI* aere». os- pecial par» » "Trlbun» Fopu- lar") — Um» entreviste • um »x- tigo de Rdoolfo Ohloldl »p»ree«- ram hoje »qul sobre • «ItuaçAo i-railleira. A entreviste s»!u no

"DIArio Popular" e o artigo era

"Justlcla". Damos aqui alguns dos seus trechoi principais. "O discurso de Prestes — diz Ohlcl- d! — continua sendo o centro das discussões prlltlca* brasMe'-»».

A naçiio, nos seus diverso* seto- res sociais, e aprecleu como uma peça política de profunda aensa- tez, que deline a realidade brasi- letra e abre perspectiva* viáveis, adaptadas As exigências do pro- tresso econômico e institucional.

contraste como nlhlllsmo hlST 'ôrico de outros discursos e des- i aca nltldaníente e o Impõe como Bi a cntrolbnlçfio mais poderosa pa- ra a normallzaç&o da vida públl-

*;ca".

A seguir, dA um resumo do dls- curso nos seus deis aspectos — o prognóstico e o critico — e diz:

"Graças ao realismo e A ampil- tude do sua exposiçto prcgramA- tica, estimula o entendimento , mútuo dos diversos setores so- ciais como basa de uma unidade nacional poderosa, e graçcs A sua Unha provoca uma diferen- claçAo acentuada nes diversos círculos políticos. Os liberais, domrcratas e "tenentistas" ho- nestos começam a advertir que cs empresários do "golplsmo", conduzem s resultados que nada têm de comum eom a restaura- çüo demecratlea. Os términos da atualidade política brasileira nfto foram fixados definitivamente pelo lançamento das candidatu- ras; assiste-se agora s um cur- so de dcünlçfio, diferenciação e reagrupamento que deverA de- -embarcar numa grande torrente do unidade democrática e popu- lar".

E acrescenta:

"A organização comunista de- nempenhará um papel sscenden- ts nesse processo, com * classe operária e o movimento sindical.

O crescimento constante dos co- mi té» democráticos populares ê o índice da alta cor.eiencia polítl- ca do povo. O "ovo quer satisía- r.er sua fome de organização. A publlcaçüo da "Tribuna Popular"

(Conclue na 3.» poílina)

Geiterel Heitor Borce*

um» teref» p»triâtlc*> o realizar.

PreddenU d» Dnlfio doa Esco- telros, é t-mbem. o ex-coman- dante d» 5.» Regtfio, presidente do Departamento de Arreglmen- UcAo d» L. D. N. • «U Conven- cAo Popular que a» vem re»li- xando por lnlcuiUv» deas» »gre- mlaçAo etvlco-patrlóUc», que tentos serviços prestou A criação de uma mentelld»de de guerra no Brasil. E açora, forno* en- cntrA-lo no Clube Militar. A frente d» Sub-ComissAo de As- slstencia A FEB. NAo nos sur- preendemo*. pois, eom o seu novo setor de Atividade patrlóUca. E cemo * TRIBUNA POPULAR procurava informar seus leitores sobre * marcha dos trabalhos do

frKT.ní anc8f».'.»»-!f) no Club*

MllIUr. '».'-».-•' por ..-. <-¦.:•

f!« !-r,;.'-«» « '.'r...-.'.-¦ ¦ d*

no*«- aoeiertiidt. dentre t* q-oal»

¦* d«»'A-fir»rr. «i fllh** do »-»i.

3o*4 }>-••¦+. presidente do Clu- be Militar. » «enhor* e»p »,-t*- dor Forttmato Câmara de Oll- velra, o eenhora cri. aTfader Ctr- Io* Bt-juto • m aenhora major Pe- rte!e» -eletr» de A****de,

Ho mrrmantn em qu* o abor- d»m<_. o cspltAo *r*rirtttn*it«> dt OÜTetr» »p«»»>»-nte"rii A aaa aj»l- rahr*» nm bom Bduieio d* ofl- de*.

Fitmumno» ouvi-lo aobrt» o d*-

•<-nTolvtmen»o d» eampanh» d*

"Cara do Expedicionário", ae mesmo tempo em que púnhamos o noaao Jomel A eu» dtiiposicAo.

Depol* de d**fT)*el-iar o eame- dlente d» Sub-Comlrsfio que pre- slde. enquanto cxmvírsAvamos eom «anhorlt** integrante.*, da

<""¦—•.í.v.ii. nue -roltavAm de um*

visite aucedld» de Ixlto o este- beleclmento» bancários, o nosso entrevistado, eom o espirito de ordem que o caracteriza iniciou a* «ui* declarações:

— A ComUsAo Central de Ho- mrnaçem. Assistência e Recep- çAo A FEB. constituiu-»* p»r»

reíllzar o seguinte program*:

1) divulgar o» feito* d* FEB a esrpllcar o que ele* represen- Um m»r» o processo de democra- Üzaçâo • que estemo* a.*.*1stlndo (Cenehie na 3.» raltrino)

"Contra

a iniqüidade, protestaram as vozes máximas da Igreja e ns diversas

« múltiplas correntes socialistas, espe- cialmente as qae se natrem do mate-

— rialismo dialético"

Como ie define o candidato da U.D.N. sobre a poli- tica interna e externa, nosia participação na g-.-rr*., a tolidariedade continental, as relações com oi da*

nraaii poros dn mando e oi compromisso!

assumidos par» _ ceBstT*Bçío da pai

SERÃO INICIADAS EM BREVE AS iV£- GOCIAÇÕES

MOSCOU, lfi (C. F.) — A comitiva de Mlkalajczj-k ehc- gon hoje a esta capital apó*

um atraso verificado na via- gem, em rlrtude daa condi- ções de tempo. Com todos o*

Intireruiadcn agora reunidos na capitei ressa, é provável que » Comissão Trl-partlte inicie dentro era ponco, a»

suas conversações. A propó- rito, foi revelado que o sr.

tVitus, Idoso líder dos cam- poneses poloneses, nfio pôde deixar e seu pais. a fim de parviclpar da conferência de Moscou, em virtude de seu estado de saúde. Dentre a de- Icgaçfio qne represente o go- verno polonês de Varsóvla, destaca-se o professor Sta- nlslaw Krzcba, presidente da Academia de Ciências da Po- lõnla.

mtpo»m»*,*f'mm: li i.iip»jl*»l«pR»»|ll

^l*i*rWff»?iP*3re _B

a-fl ¦

LfaB

¦SS'!*-""'., '*vt?*_

*mmJ ¦KM* !

ISTlrlKÍT. I

"NOSSOS ALIADOS, OS RUSSOS"

Exibição esnecial em ho- menagem a Prestes

No stndlo d» United Artista, por gentileza do gerente dess*

omprí».» clnematoRrAflca, ar.

Eduardo Oulmarfies. tere lnirar.

ontem, a exibição eaneelal. em homenagem a Luiz Carlos Pres- tes. dn filme canadense "Nos- sos aliados, os rusuoa", do- cnmentarlo de alto sentido no- ütlco - educativo. Essr. filme mostrs-nos como a UnIAo So.

vliUlea roslstlii A agressfio In!- mlga, mobilizando todas as stiss forças para a guerra Jnsta em nu» foi traiçoeiramente «gredl- da pela» hordas nazistas. Mo*, tra também os principais aa- rtectos da edlflesçüo do Soeis- llsmo. ressaltando haver sido esta t arma secreta qu» Hitler desconheci».

Luiz Carlos Prestes, oue com- nareeeu em-cnmnnnhln dp aml- bos. assistiu A nrnlecüo dn fl- mo - documentnTln canadense, tendo onortnnldr.dp de mnnlfes- tar a sua ssfsfncfln pelo ene vlrn e o seu arcr-ideplrriento n«!a stnfreln homenn*;em nn* lhe nrestou a dlrecflo da United Arttsts no Rio de Janeiro.

¦'"'.•SW*' _t4_^-*_>»j|_a_tr?- %*»*"¦•*, *>.*

-_|f ^P_R_aS|

li Xl '' ¦¦¦^t^ffíMm\

' mmW:. <V*-_-..i.«--.J

¦¦*&?.'ÍL J*ttfm\''.t' -_•»***' -_t_-BT*-»__lil_---. sW- ^. _^-jwr^

ímgiVv 1 m _fw';

'__ll mmWs__r ^*__T__#*.*-*>SHcL^m

:?*£m9omÈf'*i^^m>'W$m' *$££&'¦'¦

"¦-»?r_P>»:.«*a»llilif_»»_*_flrg.^ J»WjJ- •

¦¦UlR ¦ Wke^im.'JÊ^^.-s^t *Wt6>»Ív

í^mW*\\wt\WÉ**\9sWt^^ * wi*_r^ \'rí^r'}^r^>\C''^ist.-J^^'J^. "*

.*"»9______t«_P. ;•-; ,_a"' *•' 7 B _____*»?__Sf ... ___« .».?

'*'¦•'* BS_í_t_i(-'^'

__!_-«*-_. - - Sn mSSxflfiy^ p*frmAWFoti'-*-. - tt

Ty^-B-*b__Í__B mm^mtüÊmTwzÊfXr 4tt*oSwN5Êiowmmmmm*wJ» ' *ÀtWFv**^ _.»___ !'¦-'•_ _»»_,ra»a_P__t__»7'-- ir

^__B ___Cs___?___P^_lr^ _^% Tff-TB^yJV''

iB P__B»)^5' *í*"OTÍSr,-!«tl - -*4

"T|p _v*^_K

v5".'" ' ' AiwsSSFltSrfsMSV^M

.msmsm msm *m\\mm\ Mfí__t': ^*T-H!v_Íri*'>1 x***_Sl __ !_¦ a £?£?&tfXÈtEJíi&Zy/i —

_H^jlHWB¦WSERott****/. .'''-'"T.^l*

Brijadeiro iduardo Oome»

8. PAULO, 16 — (Especial para a TRIBUNA POPULAR),

— Hoje, ás 11 horas da manhã, em trem especial, chegaraa»

á capital paulista os proceres da U. D. N. e jornalistas ca- riocas integrando a caravana partida de capital da Repu- blica para participar do comido do Pacaembú.

Abordados pela Imprensa paulista na Estação do Norte, fizeram declarações, entre outros, os srs. Artur B--rnardes, general Flores da Cunha, major Juracy Magalhães e José Américo de Almeida.

A capital bandeirante aguardava o Inicio do comício no decorri r do qual o candidato das oposlções pronunciaria o

seu discurso-piataíorma.

Numerosas delegações de organizações, da Capital e do Interior aguardavam o momento de fazer a sua entrada no monumental estádio paulista.

Estavam Inscritos para falar no grande comício do can»

dldato das oposlções liberais os srs.: José Américo, Otávio Mangabeira, Flores da Cunha, Jullo Prestes, Juracy Maga*

Ihães e Carlos Lacerda. Aguardavam-se discursos e saúda- ções de alguns operários a lldíres antj-íascistas.

'Concilie na 2.* página)

Coicedida liberdade de orga aos trabalhadores germ

ÇI10

Tiveram ganho de causa

José Antônio Martins Romeu Filho e outros médicos extranu- merários da Prefeitura do Dls- trito Federa! recorreram para * Comissão de Estudos des Nego- cios Estaduais de despacho do prefeito referente A classiflcaç&o funcional dos mesmos. A Comis- sfio opinou pelo provimento do recurso, para que aos recorrentes

todos oí|se fixe o salário d* Cr* 1.800,00 servadores.

mensala. ' •"&* issat «-ilxctiiastiíaclíir -

VIOLENTA CRITICA DE HAROLD LASKI

AO PARTIDO CONSERVADOR

DERBY, Inglaterra, 15 (U. P.)

— O professor Harold Laskl, pre- sldente do Partido Trabalhista, cuja dcclaraçfio de que o sr. Cie- ment Attlee compareceria A con- ferência do Grande Trio "apenas como observador", provocou um tumulto político e a conhecida troca de cartas conciliatórias en- tre Churchlll e Attlee, reiterou perante uma audiência trabalhls-' ta qua s política exterior do seu partido r.&o é * mesma dos con-

declarou o professor Laski — creio ser Imperativo que Attlee vá * Berlim, mas * única res- ponsabilldade será de Churchlll, pois nfio posso acreditar que o Partido Conservador compreen- da o que é essencial para man- ter a paz ou deseje pagar o justo preço para se alcançar esse ob- jetivo".

Respondendo ao argumento de Brendan Bracken de que a, poli- tlc* exterior deve estar "acima JComclm "¦*¦ %* •batina'*

'PODERÃO FUNCIONAR OS PARTIDOS E SINDI*

: CAT0S, VISANDO A DESTRUIÇÃO DOS REMA- NESCENTES DO FASCISMO

MOSCOU, M (Pt» Eddy Gll- Vnnntn „ «. „-,,„:„ „-.;„.

more, da a. p.) - a formação Volhmasereamr.assim, de sindicatos trabalhistas, dt comüMStdS, socialistas tf

partidos políticos antl-nazistas e de agremiações antl-fasclstrs, estA agora ganhando terreno nt.

área de Berlim, depois das im- posições apresentadas pelo Exér- cito Vermelho de ocupação para que os alemfies comecem, por si próprios, a refazer sua vida po- litic-R e a recorrer aos meios que os levarão «. aeu governo pro- prlo.

Quando, «té hA pouco, os cor- respondentes estrangeiros em Moscou ainda s« achavam em 1 Berlim, numerosos trabalhado- .' res alejrictet, 54 -»bedore* de qu*

cflío'ico.v giermanfcos. nat zonas de ocupaçãn russo

os sindicatos t uniões trabalhls*

tas poderiam reabvlr-e, dls.

cutlam entre ai, entuslnstica- mente, os respectivos prosramai e pprove'tavam anteclpadairenf|

essa oportunidade de poderettj falar Juntos pela primeira vea- Ssrr.t Ihantemente", membro!, dos partidos socialista, católico- centra! t comunista, trocava-*

'<-'«?!'¦./». .mi 2S .-rJfjriKí-i1.»

f

Imagem

Referências

temas relacionados :