CLUSTERS PORTUÁRIOS E O SEU PROCESSO DE ESTRUTURAÇÃO: UMA ANÁLISE PROSPECTIVA SOBRE O PORTO DO AÇU - SÃO JOÃO DA BARRA / RJ

Texto

(1)

ANÁLISE PROSPECTIVA SOBRE O PORTO DO AÇU - SÃO JOÃO DA BARRA / RJ

Reynee Railayne Pessanha Caetano Bitencourt (UENF) reyneebitencourt@hotmail.com Edson Terra Azevedo Filho (UENF) edsonterrafilho@gmail.com

A implantação de portos-indústria estimula a atração de empresas para os entornos destes, favorecendo a estruturação de clusters portuários e impactando no desenvolvimento socioeconômico das regiões nas quais estes empreendimentos se instalam. Surge então como proposta deste trabalho a identificação dos principais fatores de influência para a estruturação de um cluster portuário. Julga-se importante identificar os referidos fatores a fim de direcionar intervenções para a dinamização do sucesso destes empreendimentos.

Para alcançar o objetivo proposto foi realizado um Estudo de caso sobre o Complexo Logístico e Industrial do Porto do Açu (CLIPA), localizado no interior do Estado do Rio de Janeiro, utilizando-se a Análise Prospectiva Estratégica como ferramenta para o tratamento dos dados. Os resultados encontrados indicam que devem ser destinados esforços para estimular a cooperação entre os atores

(2)

2 presentes na região e que sejam ampliadas as ações para aumentar a atratividade do CLIPA para a instalação de empresas na região.

Palavras-chave: Cluster portuário; Análise prospectiva estratégica;

Porto do Açu.

(3)

3 1. Introdução

A crise político-econômica que assola o Brasil atualmente força o sistema produtivo a buscar alternativas para o desenvolvimento regional que apresentem maior nível de alavancagem, buscando-se a maximização dos esforços. Considerando as opções disponíveis, os clusters industriais se destacam pela sua flexibilidade e resiliência. Neste ínterim, o presente trabalho aborda um tipo específico de aglomeração, chamada de cluster portuário, por se tratar de um arranjo de empresas e organizações que se aglomeram no entorno de portos, em especial, dos portos-indústria.

O conceito de porto-indústria é utilizado para caracterizar a formação de clusters próximos a portos marítimos, os quais são intensivamente utilizados para escoamento da produção das empresas do cluster ou para recebimento de seus insumos. Trata-se de um complexo logístico que integra o porto à indústria e aos serviços e esta sinergia colabora para a criação e desenvolvimento de clusters no entorno do porto (CABRAL, 2014).

Pode-se considerar o cluster portuário o conjunto de organizações envolvidas de forma interdependente em atividades relacionadas às portuárias, localizadas em uma mesma região e que buscam o aproveitamento das externalidades positivas geradas (KOCSIS, 2011).

Dooms (2014) afirma que os clusters portuários são importantes atrativos para a instalação de empresas em seus arredores, pois concedem a estas organizações aglomeradas melhores níveis de competitividade. Neste sentido, De Langen (2003) destaca a importância da instalação dos clusters portuários para as regiões em função de seu impacto direto na geração de emprego e renda e no potencial desenvolvimento socioeconômico local.

Porém, é fundamental considerar que apesar da grande expectativa criada em relação ao potencial desenvolvimento socioeconômico a ser gerado por este tipo de empreendimento, um questionamento importante é de como ocorre este processo? Que tipo de intervenção pode ser realizada a fim de dinamizar o sucesso da formação do referido cluster portuário?

(4)

4 Considerando-se a importância dos clusters portuários para o desenvolvimento regional e o nível de incerteza em relação ao sucesso da estruturação dos mesmos, julga-se importante identificar quais os principais fatores de influência ao processo de estruturação de clusters portuários, caracterizando assim o objetivo deste trabalho.

Para alcançar o objetivo proposto, foi adotada a Análise prospectiva estratégica em função de sua adequação ao contexto que permeia normalmente os processos de estruturação de clusters portuários. Justificando-se também que a utilização das metodologias prospectivas visa desenvolver a capacidade de orientar os vetores de mudança a partir de decisões conscientes sobre os cenários de evolução prováveis e possíveis (Guerra et al.,1999).

Este trabalho está organizado em seis seções, iniciando-se por esta introdução que contextualiza o tema abordado. Em seguida, pelas seções 2 e 3 que apresentarão respectivamente, os principais referenciais teóricos utilizados e a caracterização da unidade de análise. Posteriormente, a seção 4 traz os procedimentos metodológicos, assim como o detalhamento da realização da pesquisa. Em seguida, a seção 5 trata das considerações finais e na seção 6 estão organizadas as referências.

2. Cluster Portuário

De acordo com Porter (1999), pode-se conceituar cluster como um agrupamento geograficamente concentrado de empresas inter-relacionadas e instituições correlatas numa determinada área, vinculadas por elementos comuns e complementares. Neste caso, o escopo geográfico pode ser um distrito, uma cidade, um estado, um país ou mesmo uma rede de países vizinhos.

Em um cluster, empresas, fornecedores e prestadores de serviços competem e cooperam tanto horizontalmente quanto verticalmente na cadeia de valor. De fato, interações entre empresas e a proximidade local delas são dois lados da mesma moeda. Elas são mutuamente relacionadas, e isso é o que cria repercussão na forma de mão de obra especializada, fornecedores regionais especializados, informação e estruturas de formação, os quais são considerados por aumentar

(5)

5 a produtividade com as empresas que podem competir, tanto nacionalmente, quanto globalmente (MADSEN e ANDERSEN, 2009).

O surgimento de indústrias em torno de um mesmo espaço territorial objetiva a valorização do beneficiamento mútuo entre as empresas e o aproveitamento de externalidades positivas.

Desta forma, a escolha da localização próxima ao porto é um item estratégico adotado pela empresa para aumentar sua competitividade e sustentabilidade (CABRAL, 2014).

Deve-se destacar que o cluster portuário é um tipo específico de cluster que congrega um conjunto de firmas interdependentes comprometidas com atividades relacionadas ao porto, localizadas dentro de uma mesma região portuária e, possivelmente, com estratégias similares atingindo vantagens competitivas (HAEZENDONCK, 2001).

Apesar da grande importância dos clusters produtivos para a sociedade, o sucesso do arranjo normalmente não ocorre por acaso, portanto é necessário que exista um forte nível de organização e coordenação das instituições que compõem o aglomerado, para que os objetivos coletivos de desenvolvimento e crescimento sejam alcançados (AZEVEDO FILHO;

RIBEIRO et al., 2010).

Deste modo, a governança em clusters é primordial para seu sucesso e desenvolvimento.

Pode-se dizer que o termo governança é utilizado para abordar os processos de tomada de decisão em assuntos de caráter coletivo. Basicamente, a governança se diferencia de outras aproximações conceituais que defendem que a tomada de decisão em contextos públicos pode ocorrer unilateralmente e mediante controle hierárquico. A nova concepção, portanto diz respeito a um novo estilo de governar, gerir de uma forma mais cooperativa, diferente do antigo modelo hierárquico em que as autoridades do estado ou, neste caso, as Autoridades Portuárias, exerciam o controle soberano sobre os grupos e os cidadãos. É uma maneira pela qual as instituições estatais, sociais e privadas participam e cooperam assiduamente na formulação e na implantação de políticas (VIEIRA et al., 2011).

Entre os benefícios que podem ser alcançados por meio de melhores práticas de governança em clusters portuários, e que justificam o presente estudo, é possível citar as seguintes melhorias: permitir um melhor alinhamento entre os diferentes atores da comunidade

(6)

6 portuária; melhorar a gestão de transportes; melhorar a eficácia e a eficiência dos portos, bem como sua competitividade na cadeia logística internacional; melhorar a qualidade dos serviços prestados aos usuários; melhorar a consistência das informações que fluem entre os diferentes atores nacionais e internacionais; melhorar a rastreabilidade das transações comerciais e fornecer informações consistentes e confiáveis para auxiliar no processo de tomada de decisões e no planejamento de novas exigências (ESPO, 2008).

3. Caracterização da unidade de análise

Complexo Logístico e Industrial do Porto do Açu (CLIPA) localiza-se próximo dos grandes centros comerciais do país e da bacia de Campos. Este foi projetado para receber o minério de ferro, transportado por um mineroduto de 525 km, de Minas Gerais até o Porto. Além dessa característica inicial, o Porto do Açu apresenta um forte potencial logístico apresentado devido sua extensa retroárea e modal rodoviário amplo, e também se destaca pelo recente oferecimento de suporte às atividades de exploração e produção de petróleo e gás da região da Bacia de Campos (RIBEIRO, 2011).

O CLIPA cobre uma área de 90 km² e já recebeu mais de R$ 12 bilhões em investimentos (até o 3º trimestre de 2016) na infraestrutura do empreendimento e em unidades das empresas que estão operando no local. Atualmente em operação, o Porto possui 17 km de cais e até 23m de profundidade, com capacidade para receber até 47 embarcações simultaneamente, incluindo navios de grande porte, como Capesize e Very Large Crude Carrier (VLCCs), que transportam até 320 mil toneladas de carga (PRUMO, 2017).

Após uma grave crise que culminou em 2013 na troca de controle do porto do grupo EBX para o grupo EIG, mesmo não mantendo o ritmo de crescimento esperado, o CLIPA se mantém como alternativa fundamental para o processo de transformação econômica regional, segundo a percepção das lideranças governamentais e não governamentais do estado do Rio de Janeiro.

(7)

7 4. Procedimentos metodológicos

Para o alcance do objetivo proposto foi realizada uma pesquisa que, do ponto de vista da sua natureza, é considerada aplicada, pois objetiva gerar soluções para problemas específicos e possui uma abordagem qualitativa, pois de acordo com Silva e Menezes (2001, p. 20):

A interpretação dos fenômenos e a atribuição de significados são básicas no processo de pesquisa qualitativa. Não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas. O ambiente natural é a fonte direta para coleta de dados e o pesquisador é o instrumento-chave. É descritiva. Os pesquisadores tendem a analisar seus dados indutivamente. O processo e seu significado são os focos principais de abordagem.

Do ponto de vista dos seus objetivos, a pesquisa ela é exploratória, pois além de buscar oferecer maior familiaridade com o tema, envolve também o levantamento bibliográfico, entrevistas com pessoas envolvidas com o fenômeno pesquisado e análise de exemplos que estimulam a compreensão de todo o contexto (GIL, 2002).

Em relação aos procedimentos técnicos foi utilizado o estudo de caso, pois através desta estratégia de pesquisa, é possível investigar um fenômeno contemporâneo em seu contexto real e especialmente quando os limites entre o fenômeno e o contexto não estão claramente definidos (YIN, 2005).

Desta forma, foi realizado um estudo de caso sobre o Complexo Logístico e Industrial do Porto do Açu (CLIPA), buscando identificar quais os principais fatores de influência ao processo de estruturação de um cluster portuário no entorno do referido empreendimento.

De Langen (2007) ressalta que, em função de sua representatividade regional, é fundamental a análise dos clusters portuários por serem estes importantes fontes para a formulação de políticas públicas. Considerando-se também o contexto de incerteza a respeito do processo de estruturação do cluster portuário do Açu, optou-se pela adoção da Análise prospectiva estratégica como método de tratamento e análise de dados para o alcance do objetivo proposto.

4.1 Aplicação da Análise prospectiva estratégica

Deve-se ressaltar que, em função da atualidade de um ambiente cada vez mais globalizado e

(8)

8 turbulento, as metodologias prospectivas oferecem ferramentas que permitem certa flexibilidade estratégica para a tomada de decisões futuras (GODET; DURANCE, 2011).

Dentre os métodos de análise prospectiva estratégica, um dos que merecem destaque é o Método dos cenários (La prospective) proposto por Godet (1993), que considera um cenário como uma forma de representação do futuro com o objetivo de iluminar a ação presente à luz dos futuros possíveis e desejáveis.

O Método dos cenários organiza o exercício prospectivo de forma a objetivar a definição de estratégias e clarificar os meios de execução, sendo realizado em duas etapas: a construção da base e de cenários. Como a proposta deste trabalho aborda somente a identificação dos fatores de influência de um determinado contexto, foi utilizada parcialmente a construção da base, contemplando assim somente a Delimitação do sistema e a Análise estrutural (GODET;

DURANCE, 2011).

Desta forma, na primeira fase do método foi realizada uma Delimitação do sistema que consiste em um diagnóstico orientado, que permite identificar os fatores que caracterizam e influenciam o contexto analisado. Após este levantamento geral, foi realizada a Análise estrutural, a fim de identificar os fatores considerados como os mais influentes e assim orientar o direcionamento de esforços para compreender melhor suas causas e efeitos (GODET, 1993).

Iniciou-se a Delimitação do sistema realizando-se um levantamento bibliográfico sobre o processo de estruturação de clusters portuários. Em seguida, foram efetuadas entrevistas on- line, via email, com especialistas do setor buscando-se identificar, na opinião dos mesmos, quais seriam os dez (10) principais fatores de influência ao processo de estruturação do cluster portuário do Açu.

Para a identificação dos referidos especialistas, foram pesquisados na web artigos científicos relacionados à temática. Desta forma, assim que se identificava um artigo, coletavam-se os emails dos autores e procedia-se o envio do questionário para os mesmos. Para ampliar a base de especialistas, foi utilizada a técnica amostral não probabilística snowball samplimg, na qual

(9)

9 os participantes identificados inicialmente indicam outros participantes com perfil adequado à pesquisa (ATKINSON; FLINT, 2001).

Entre os especialistas citados, encontram-se: pesquisadores, representantes de organizações interessadas no setor e consultores que prestam serviços às empresas e organizações ligadas ao CLIPA. O questionário foi enviado para trinta e oito (38) especialistas e foram recebidas dezesseis (16) respostas nas quais foram identificados cento e oito (108) fatores de influência, que após a realização de um processo de consolidação visando a adequação dos termos, chegou-se a quarenta (40) fatores de influência.

Para um aprofundamento do método foi utilizada a Análise estrutural, que permite além da identificação dos fatores mais impactantes, uma maior clarificação e estruturação da informação relacionada às principais dinâmicas do sistema analisado. A Análise estrutural oferece a possibilidade de descrever um determinado contexto com o auxílio de uma matriz que relaciona as variáveis, considerados também como fatores, constituintes desse sistema, identificando assim quais são as mais influentes.

Iniciou-se o processo realizando uma análise sistêmica qualitativa das relações entre as variáveis que compõem o sistema. A referida análise é realizada a partir da elaboração de duas matrizes quadradas de dupla entrada de 40 X 40 fatores, chamada de matriz de análise estrutural (GODET; DURANCE, 2011). Assim, foram preenchidas duas matrizes, uma referente ao Sistema atual, condizente à situação atual do contexto analisado; e outra que busca retratar o Sistema potencial, que considera fatores que só passarão a influenciar o contexto no futuro.

Os fatores de influência potenciais identificados à priori foram os seguintes: Existência de economias de aglomeração; Retomada do crescimento econômico para partir de 2017;

Estruturação de um modelo de governança para o cluster portuário e Elevação do preço global do Petróleo e Gás (P&G).

Desta forma, após a elaboração das matrizes referentes aos Sistemas atual e potencial, foi utilizado o software MICMAC, para o tratamento das informações. O referido software foi

(10)

10 desenvolvido pela equipe de Godet e apresenta como resultado dois Planos de influência X dependência, que caracteriza todos os fatores do contexto analisado. Os fatores são classificados da seguinte forma:

Fatores / Variáveis motrizes: variáveis muito influentes e pouco dependentes.

Influenciam muito a dinâmica do sistema e são pouco condicionadas;

Fatores / Variáveis de ligação: variáveis muito influentes e muito dependentes. Ocupam uma posição de transição, pois propagam as influências ao conjunto do sistema;

Fatores / Variáveis resultado: variáveis pouco motrizes e muito dependentes. São extremamente condicionadas pela dinâmica do sistema;

Fatores / Variáveis de pelotão: variáveis que apresentam níveis médios de influência e dependência de difícil caracterização no sistema;

Fatores / Variáveis excluídas: variáveis pouco motrizes e pouco dependentes. Possuem um papel de baixa relevância.

De acordo com Godet (1993), as variáveis mais importantes em um dado sistema são as variáveis de ligação, por conta de sua capacidade de alavancagem, caso seu poder de influência seja estimulado. Porém, neste trabalho será ampliada a análise, considerando-se como principais fatores também as variáveis motrizes, em função do seu domínio no contexto abordado. Os outros fatores identificados apesar de terem sua importância, não serão considerados na análise.

4.2 Limitações da pesquisa

Como limitações do trabalho, deve-se ressaltar que a utilização de pesquisas exploratórias através do Estudo de caso traz limitações para a generalização dos resultados obtidos, em função das características próprias que cada unidade de pesquisa possui (GIL, 2009).

É importante evidenciar também que, no que tange à aplicação da Análise estrutural, a análise de relações entre variáveis possui um caráter subjetivo, podendo apresentar divergência nos

(11)

11 resultados caso seja realizada por outros pesquisadores. Desta forma, deve-se retomar a proposta do método prospectivo, que não é o de prever o futuro, mas sim o de iluminar possíveis caminhos para a construção de processos proativos de mudança (GODET, 1993).

5. Apresentação e análise dos resultados

Após o processamento dos dados, o software MICMAC apresenta como resultados os planos dos Sistemas atual e potencial. Assim iniciou-se o processo de análise do Plano de influência X dependência do Sistema atual apresentado na Figura 1.

Figura 1: Representação do Sistema atual do contexto abordado

Fonte: Elaboração própria a partir dos resultados do software MICMAC

A partir da análise do referido plano, percebe-se que atualmente há fortes variáveis motrizes que influenciam o contexto da estruturação do cluster portuário do Açu. Além de fatores macroeconômicos com alto poder recessivo, que afetam a região, como: Crise econômica brasileira, Crise fiscal do estado do Rio de Janeiro e Crise do setor de P&G, há ainda um

(12)

12 aspecto regional que foi amplamente destacado na pesquisa, que é a forte Cultura individualista que prejudica o desenvolvimento de ações cooperativas.

No que tange as variáveis de ligação, tem-se a atratividade para a instalação de empresas como um ponto crucial para aumentar o dinamismo da aglomeração, corroborado pela ampliação do escopo de atuação do porto para o setor de P&G.

Como pode ser notado, há poucas variáveis de ligação atuando no Sistema atual, evidenciando um contexto dominado pelas variáveis motrizes e sem muitas alternativas para mudança no futuro. Surge nestas situações a expectativa do surgimento de aspectos mais positivos nos desdobramentos futuros apresentados pelo Sistema potencial, representado pela Figura 2.

Figura 2: Representação do Sistema potencial do contexto abordado

Fonte: Elaboração própria a partir dos resultados do software MICMAC.

Resgatando-se o propósito do Método dos cenários de iluminar o presente com o foco do futuro, efetuou-se uma comparação entre o momento presente (Sistema atual) e uma projeção do futuro (Sistema potencial), verificando-se então importantes desdobramentos. Pode-se perceber também na Figura 2 o deslocamento das principais variáveis do Sistema atual para o potencial.

(13)

13 As variáveis motrizes mantêm-se os efeitos da Cultura individualista e da grave Crise econômica que paralisa o país. Porém, há o ingresso de uma variável potencial que representa o otimismo dos entrevistados em relação ao setor que é a Retomada do crescimento econômico a partir de 2017. Esta variável indica a possibilidade de uma mudança no jogo para um momento de melhores condições de desenvolvimento econômico ao longo do ano corrente.

Em relação às variáveis de ligação, há uma completa mudança de cenário, inicialmente com o surgimento das variáveis potenciais relacionadas ao surgimento no futuro de economias de aglomeração e a estruturação de um modelo de governança para o cluster portuário. Fatores ligados à importância da cooperação que também ganham força no Sistema potencial são:

Nível de apoio de organizações interessadas no desenvolvimento do cluster portuário e a Cooperação dos atores interessados no desenvolvimento do cluster. Para completar a análise, mantém-se a importância do investimento na Atratividade para a instalação de empresas no porto.

6. Considerações finais

Considerando-se a importância dos clusters portuários para o desenvolvimento regional, a proposta deste trabalho foi identificar fatores de influência à estruturação destas aglomerações.

De modo a atender ao objetivo proposto foi realizado um Estudo de caso sobre o Complexo Logístico e Industrial do Porto do Açu (CLIPA), utilizando-se como método de análise dos dados o Método dos cenários (GODET, 1993). Desta forma, foram identificados quarenta (40) fatores que apresentam influência no processo de estruturação do cluster portuário no entorno do Porto do Açu. Refinando-se a análise com a utilização do software MICMAC foram identificadas os fatores / variáveis motrizes e de ligação, considerados como os principais fatores de influência.

(14)

14 Em atuação no Sistema atual têm-se como os principais fatores: Crise econômica brasileira, Crise fiscal do estado do Rio de Janeiro, Crise do setor de (P&G) e Cultura individualista na região, como Variáveis motrizes. Como Variáveis de ligação têm-se as seguintes:

Atratividade para instalação de empresas e Direcionamento econômico do porto para o setor de P&G. O Sistema atual encontra-se estagnado devido ao alto poder de influência das Variáveis motrizes e poucas Variáveis de ligação que poderiam ajudar a modificar a situação atual.

Já o Sistema potencial apresenta uma nova perspectiva ao sistema analisado, pois surgem com muito poder de influência, variáveis que representam o otimismo sobre o setor. Entre as Variáveis motrizes surgiu a possibilidade de Retomada do desenvolvimento econômico a partir de 2017, porém mantiveram-se a Cultura individualista e a Crise brasileira.

Considerando-se as Variáveis de ligação, é evidenciada a importância da cooperação para o desenvolvimento da região tendo em vista a emergência das variáveis relacionadas ao surgimento de Economias de aglomeração, a Estruturação de um modelo de governança para o cluster portuário e Nível de apoio de organizações envolvidas. É mantida também a importância da Atratividade para a instalação de empresas no porto.

Deve-se ressaltar que as Variáveis de ligação possuem grande relevância, pois podem assumir o papel intermediário na transição entre as variáveis mais influentes e mais dependentes do sistema. No caso estudado, foi possível perceber que importantes Variáveis de ligação ganharam poder de influência no Sistema potencial, evidenciando assim os fatores que merecem mais atenção no que tange o futuro da estruturação do cluster portuário do Açu.

Assim, no contexto abordado, há a indicação de que os atores interessados no desenvolvimento desta aglomeração direcionem sua atenção para as variáveis de ligação em questão, buscando estimular uma maior dinamização do empreendimento.

Mas deve-se considerar que, como adverte Godet (1993), o principal propósito das ferramentas da prospectiva estratégica é servir de clarificar as dinâmicas existentes em determinados contextos oferecendo orientação aos tomadores de decisão em relação aos processos de mudança.

(15)

15 Apesar das limitações identificadas, espera-se que os resultados obtidos possam orientar os atores envolvidos a dinamizar o processo de estruturação do cluster portuário do Açu. Para a realização de trabalhos futuros sugere-se a aplicação completa do método a partir da elaboração de cenários e também a aplicação da metodologia para a estruturação de outros clusters portuários.

REFERÊNCIAS

ATKINSON, R.; FLINT, J. Accessing Hidden and Hard-to-reach Populations: Snowball Research Strategies. Social Research Update, 33. 2001.

AZEVEDO FILHO, Edson Terra; RIBEIRO, Alcimar das Chagas. A governança em aglomerações

produtivas: uma análise sobre o setor cerâmico de Campos dos Goytacazes. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, Campos do Goytacazes, v. 7, n. 1, p.97-129, jul. 2010.

CABRAL, Thaiane Pinheiro. Porto-indústria e clusters portuários: uma análise comparativa. 2014. 70 f.

Monografia (Especialização) - Curso de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Santa Catarina - Ufsc., Florianópolis, 2014.

DE LANGEN, Peter. Port competition and selection in contestable hinterlands: the case of Austria.

Rotterdam: EJTIR, 2007. 14 p.

DOOMS, M. Port industry performance management. Port Technology International, 61st ed., 2014.

ESPO – European Sea Ports Organisation. Annual Report 2007-2008. Brussels: ESPO, 2008. Disponível em:

www.espo.be/downloads/archive/8bf1fded-66f6-4e0f-8204-7e52754b9b69.pdf. Acesso em: 26. abr. 2017.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2002. Estudo de caso. 1. ed. v. 1. 148 p. São Paulo: Atlas, 2009.

GODET, M.; DURANCE, P. A Prospectiva Estratégica para as Empresas e os Territórios, E.U.A.:Organização das Nações Unidas para a Educação e Cultura. 2011.

(16)

16

GODET, M. Manual de prospectiva estratégica: da antecipação à acção. Publicações D. Quixote. Lisboa.

1993.

GUERRA, I. (coord.). A Baixa Pombalina – Diagnóstico, Prospectiva e Estratégia de Actores, Oeiras, Celta Editora. 1999.

HAEZENDONCK, Elvira; NOTTEBOOM, Theo. The competitive advantage of seaports. In. PORT competitiveness: an economic and legal analysis of the factors determining the competitiveness of seaports. 2001, P. 67-87

KOCSIS, A. The role of port cluster in theory and practice. In: Regional and Business Studies. Vol. 3. 2011.

MADSEN, A. e ANDERSEN, P. Innovative regions and industrial clusters in hydrogen and fuel cell technology. Department of Management Engineering, Technical University of Denmark, Dinamarca, 2009.

PORTER, M. Aglomerados e Competição: Novas agendas para empresas, governos e instituições in Competição: estratégias competitivas essenciais (On Competition). Rio de Janeiro: Campus,1999.

PRUMO (Rio de Janiero). O empreendimento. Disponível em:

<http://www.prumologistica.com.br/pt/superporto-do-acu/Paginas/o-empreendimento.aspx>. Acesso em: 12 mar. 2017.

RIBEIRO, A. C.; SANTOS, M. W. E.; SILVA, N. G. SOUSA, S. R. Aglomeração produtiva do complexo portuário do açu: aspectos de sua natureza e perspectivas evolucionárias. XXXI Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Belo Horizonte, p. 1-14. out. 2011

SILVA, E.L.; MENEZES, E. M., Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. UFSC, 3ª Edição, 2001.

VIEIRA, G. B. B.; MILAN, G. S. ; KLIEMANN NETO, FRANCISCO JOSÉ ; RODRIGUES, S. L. A. ; RAMOS, F. F. N. Ações de Governança em Clusters Portuários: A Proposição de um Modelo Conceitual no Contexto do Porto de Buenos Aires. XXXI Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Belo Horizonte, p. 1-14. out. 2011.

(17)

17

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução Daniel Grassi. 3. ed.

Porto Alegre: Bookman, 2005.

Imagem

temas relacionados :