UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Direito Coordenação de Pesquisa

Texto

(1)

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

Faculdade de Direito

Coordenação de Pesquisa

Edital de Abertura de Inscrição para o

Grupo de Estudos Permanente de Direito, Estado e Racismo 2º semestre de 2014

REGIMENTO INTERNO

O GRUPO DE ESTUDOS DE DIREITO, ESTADO E RACISMO reger-se-á pelas disposições seguintes:

Art. 1º. – O Grupo de Estudos de Direito, Estado e Racismo é de caráter permanente, instituído na forma do artigo 15 do Regulamento das Atividades Complementares da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Parágrafo único – Serão objetivos do presente Grupo:

a) A promoção de debates críticos, reflexivos e multidisciplinares sobre a relação entre direito, Estado e racismo.

b) Realização de Encontros, Oficinas, Simpósios e Congressos atinentes ao tema.

c) O intercâmbio entre docentes, discentes, pesquisadores de diversas Universidades, e instituições nacionais e estrangeiras.

d) Estimular a produção de artigos e obras científicas que resultem dos estudos desenvolvidos.

Art. 2º. – O Grupo será coordenado por docente da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, necessariamente do Núcleo Temático de Filosofia do Direito e com experiência acadêmica no trata da relação entre direito, política, economia e racismo, sendo seu coordenador atual o Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida.

(2)

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

Faculdade de Direito

Coordenação de Pesquisa

Parágrafo único – Para a consecução das atividades decorrentes do Grupo, inclusive no que se refere às palestras e reuniões, poderão ser designados Professores da Faculdade de Direito e excepcionalmente de outra instituição pelo Coordenador do Grupo.

Art. 3º. – Para atingir os seus objetivos, os integrantes do Grupo serão estimulados pelo Coordenador a participar de palestras, seminários e outras atividades, visando ao estudo e a atualização de seu conhecimento no campo das relações entre direito, Estado e racismo e disciplinas que os tomem como objeto.

Parágrafo único – Caberá ainda ao Coordenador, além de instituir as atividades que serão realizadas no âmbito do Grupo, adotar as medidas que entendam necessárias para o bom andamento deste e a realização eficaz de seus objetivos.

Art. 4º. – Para participar, os interessados podem comparecer às reuniões marcadas para os estudos.

Art. 5º. – É requisito para admissão no Grupo a assinatura do formulário de inscrição e termo de compromisso exigido.

Parágrafo único – Por ocasião do interesse no Grupo, cada novo integrante tomará conhecimento deste Regulamento e dele declarar-se-á ciente.

Art. 6º. – Serão formas de desligamento do Grupo:

I – a ausência injustificada, a critério do Coordenador, por mais de duas reuniões consecutivas por semestre;

II – a clara demonstração de falta de interesse nas atividades do Grupo, bem como o não cumprimento dos seus objetivos;

III – a prática de atos não condizentes com o respeito e a dignidade acadêmica §1º. – Caberá ao Coordenador efetuar o desligamento daqueles enquadrados no presente artigo, bem como dos que apresentarem comportamento incompatível com os valores expressos neste regimento.

(3)

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

Faculdade de Direito

Coordenação de Pesquisa

§2º. – Será admitido o desligamento voluntário, que deve ser previa e diretamente informado ao Coordenador.

Art. 7º. – O prazo de duração do Grupo será indeterminado, podendo ser desfeito a qualquer momento por decisão do Coordenador, previamente comunicados os integrantes.

O presente Regulamento tem por objetivo o bom andamento dos estudos e atividades do Grupo, não podendo ser utilizado com quaisquer objetivos discriminatórios, e suas normas poderão ser alteradas por mediante proposta do Coordenador, ouvidos os membros do grupo, e homologação pela Coordenadoria de Atividades Complementares da Faculdade de Direito Mackenzie.

Datas e horários dos encontros: conforme tabela abaixo.

Tema do Encontro Data

1) Teorias sobre o racismo I - Racismo, direito e Estado 29/11/2014 2) Teorias sobre o racismo II - Racismo e colonização 13/11/2014 3) Teorias sobre o racismo III - Racismo e ideologia 07/02/2015 4) Racismo, direito penal e segurança pública 21/02/2015

5) Racismo e gênero 07/03/2015

6) Racismo e meios de comunicação 21/03/2014

7) Racismo no Brasil 04/04/2015

8) Racismo no Brasil 18/04/2015

9) Racismo no Brasil 02/05/2015

(4)

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

Faculdade de Direito

Coordenação de Pesquisa

Processo Seletivo: conforme Edital Art. 4º. - os interessados podem comparecer às reuniões marcadas para os estudos e Art. 5º é requisito para admissão no Grupo a assinatura do formulário de inscrição e termo de compromisso exigido

1. APRESENTAÇÃO DO TEMA

A compreensão das relações sociais da contemporaneidade, e por consequência, das relações jurídicas e políticas, passa pela análise do fenômeno do racismo. O racismo pode ser definido em um primeiro momento, como o processo de inferiorização e subalternização de indivíduos identificados como pertencentes a um determinado grupo social em virtude de um discurso que os vincula, invocando razões

“naturais” ou culturais a uma determinada “raça”. Como já destacado por diversos autores, esse processo não pode ser considerado apenas como uma “anomalia”, ou seja, como algo estranho à reprodução da vida social; ao contrário disso, o racismo é um elemento normalizador, estrutural e estruturante das relações sociais contemporâneas.

Isso se revela no modo com que as pesquisas sociológicas demonstram a desigualdade racial: negros recebem os mais baixos salários, são a maioria entre os que têm escolaridade mais baixa; estão sub-representados nas universidades, seja entre o corpo docente, seja entre o corpo discente; os jovens negros estão entre o grupo social mais vitimado pela violência, inclusive a violência estatal; o mesmo se repete em relação à saúde, ao acesso à justiça e à seguridade social.

A despeito do princípio da isonomia ser um do corolários fundamentais do nosso sistema jurídico e mesmo das normas de combate ao racismo, a desigualdade racial mantém-se persistente como elemento de estratificação social. Ou seja, apesar do direito, o racismo permanece estruturando as relações sociais em todos os níveis.

Embora a sociologia e a antropologia tenham dado grandes contribuições para se compreender o racismo enquanto fenômeno social e histórico, pondo a nu os

(5)

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

Faculdade de Direito

Coordenação de Pesquisa

política, ainda faltam estudos que se debrucem não sobre uma aparente contradição o direito e a realidade social, mas, sim, sobre como o direito e o Estado também são o resultado de uma sociedade cujas relações sociais são pautadas pela dinâmica do racismo. Parte-se, portanto, de um ponto diferente, que não se limita a falar do racismo apesar do direito e do Estado, mas de como a compreensão do direito e da política, tanto na sua dimensão prática como na teórica, dependem da compreensão do racismo.

2. OBJETIVO 2.1 Objetivo geral

Desenvolver enfoques teóricos e propostas epistemológicas capazes de estabelecer parâmetros de estudo para a relação entre direito, Estado e racismo nas sociedades contemporâneas.

2.2 Objetivos específicos

e) Promover pesquisas e debates críticos, reflexivos e multidisciplinares sobre a relação entre direito, Estado e racismo.

f) Realizar Encontros, Oficinas, Simpósios e Congressos atinentes ao tema.

g) Promover o intercâmbio entre docentes, discentes, pesquisadores de diversas Universidades, e instituições nacionais e estrangeiras.

h) Estimular a produção de artigos e obras científicas que resultem das pesquisas desenvolvidas.

3. METODOLOGIA

O grupo, inicialmente, funcionará por meio de encontros temáticos com periodicidade quinzenal – sujeita a alterações excepcionais. Cada reunião será

(6)

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

Faculdade de Direito

Coordenação de Pesquisa

baseada na leitura prévia de textos indicados pelo professor responsável e debate com professores, pesquisadores e estudiosos convidados que permitam a compreensão do racismo em conexão com o direito, a política e a economia. As conferências contarão com um expositor familiarizado com o tema do dia, conforme lista anexa (Anexo 1). À exposição, seguir-se-á sessão de questionamentos, problematizações e intervenções livres, e a isso, um debate horizontal sobre o tópico proposto. Uma ata deverá sintetizar os principais pontos da discussão.

4. BIBLIOGRAFIA INICIAL

BALIBAR, Etienne; WALLERSTEIN, Immanuel. Race, nation, class: ambiguous identities. London: Verso, 1991.

COLLINS, Patricia Hill. The Social Construction of Black Feminist Thought. Signs, Vol.

14, No. 4, Common Grounds and Crossroads: Race, Ethnicity, and Class in Women's Lives. (Summer, 1989), pp. 745-773.

COX, Oliver. Race, Caste and Class, New York: Monthly Review Press, 1948.

CRENSHAW, Kimberlé W. “Demarginalizing the intersection of race and sex: a black feminist critique of discrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics”.

University of Chicago Legal Forum, pp. 139-167, 1989.

_______. “Mapping the margins: intersectionality, identity politics and violence against women of color”. In: FINEMAN, Martha Albertson & MYKITIUK, Roxanne (orgs.). The public nature of private violence. Nova York, Routledge, pp. 93-118, 1991.

_____. “Beyond entrenchment: race, gender and the new frontiers of (un) equal protection”. In: TSUJIMURA, M. (org.). International perspectives on gender equality &

social diversity. Sendai: Tohoku University Press 1-82, 2002.

DAVIS, Angela. Women, race and class. Nova York, Vintage Books, 1981.

DUBOIS, W.E.B. Black Reconstruction in America. NY, EUA: Russel & Russel, 1963.

FANON, Frantz. Pele negra, máscara branca. Salvador: EDUFBA, 2008.

________. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FERNANDES, Florestan. A Integração do Negro na Sociedade de Classes. vol. 1 e 2.

São Paulo: Ática, 1978.

(7)

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

Faculdade de Direito

Coordenação de Pesquisa

________. Luta de raças e de classes. 1988. Disponível em:

<http://www.teoriaedebate.org.br/materias/sociedade/luta-de-racas-e-de- classes?page=full>

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: Curso no Collège de France (1975- 1976). São Paulo: Martins Fontes, 2000.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global, 2004.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GORENDER, Jacob. O escravismo colonial. São Paulo: Editora Ática, 1992.

________. A escravidão reabilitada, São Paulo: Editora Ática. 1990.

GILROY, Paul. O atlântico negro. São Paulo, Rio de Janeiro, 34/Universidade Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

GRAMSCI, Antônio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro, Editora Civilização Brasileira, 1978.

_________.Cadernos do cárcere. Vol. 5. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002 HALL, Stuart. A identidade cultura na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

HALL, Stuart. “The work of representation”. In: HALL, Stuart (org.) Representation.

Cultural representation and cultural signifying practices. London/Thousand Oaks/New Delhi: Sage/Open University, 1997.

HASENBALG, Carlos. Discriminação e Desigualdades Raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

HIRSCH, Joachim. Teoria materialista do Estado. São Paulo: Revan, 2010.

IANNI, Octavio. Escravidão e Racismo. São Paulo, Editora HUCITEC, 1978.

JAMES, C. R. L. Os jacobinos negros. São Paulo: Boitempo, 2000.

MASCARO, Alysson. Estado e forma política. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013.

MOREIRA, A. J. Igualdade Formal e Neutralidade Racial: Retórica Jurídica como Instrumento de Manutenção das Desigualdades Raciais. RDE. Revista de Direito do Estado, v. 19, p. 293-328, 2012.

MOURA, Clóvis. Dicionário da escravidão negra no Brasil. São Paulo: Edusp, 2004.

(8)

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

Faculdade de Direito

Coordenação de Pesquisa

________. Dialética radical do negro no Brasil. São Paulo: Ática, 1994.

________. A encruzilhada dos orixás: problemas e dilemas do negro brasileiro.

Maceió: EDUFAL, 2003.

________. Brasil: as raízes do protesto negro. São Paulo: Global, 1983.

OLIVEIRA, D. Globalização e racismo no Brasil. São Paulo: Legítima Defesa, 2000.

OLIVEIRA, D. (Org.) ; NOGUEIRA, S (Org.) . Mídia, cultura e violência. 1. ed. São Paulo: Celacc, 2009.

PRADO JR., Caio. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SCHOLZ, Roswitha. A nova crítica social na era global e a conexão de 'raça', classe, sexo e individualização pós-moderna. Horlemann-Verlag, 2006.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças. São Paulo, Companhia da Letras, 2014.

WILLIANS, Eric. Capitalismo e escravidão. São Paulo: Companhia das letras, 2014.

São Paulo, 10 de novembro de 2014.

Profª Dra. Patrícia Tuma Martins Bertolin

Coordenadora de Pesquisa

Imagem

Referências

temas relacionados :