• Nenhum resultado encontrado

ELITES NO CONCELHO DE ÉVORA

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "ELITES NO CONCELHO DE ÉVORA"

Copied!
10
0
0
Mostrar mais ( páginas)

Texto

(1)

TEXTOS UNIVERSITÁRIOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

SOCIEDADE E ELITES

NO CONCELHO DE ÉVORA

PERMANÊNCIA E MUDANÇA (1 890-1 930)

; :- -— •d OI

1

1

-FUNDAÇÃo CAL( )USTE GULBENKIAN FUNI)AÇÃ() PARA A CIÊNCIA E A TECNOL(x;IA

(2)

TEXTOS UNIVERSITÁRIOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

Sociedade e Elites no Concelho de Évora

PERMANÊNCIA E MUDANÇA (1890-1930)

Maria

Ana

Rodrigues Bernardo

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA

(3)

Título—Sociedade e Elites no Concelho de Êvora. Permanência e Mudança (1890-1930)

Autor—Maria Ana Rodrigues Bernardo

Edição—FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN

FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA

Fotografia/Imagem capa—Autor: José António Barbosa. Data da Fotografia (1894-1906). Praça do

Giraldo (topo Norte). No tabuleiro são visíveis os primitivos bancos e os candeeiros de iluminação a gás. Esta imagem pertence à colecção do Grupo Pró-Évora, colocada em depósito no Arquivo Fotográfico da CME.

Tiragem—500 exemplares

Paginação, impressão e acabamento— Rainho & Neves, Lda.—Santa Maria da Feira

© FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN

FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA EA TECNOLOGIA

Outubro de 2013

Depósito Legal n.° 364471/13 ISBN: 978-972-31-1477-5

(4)

ÍNDICE

ÍNDICE DAS TABELAS XI

ÍNDICE DAS FIGURAS XV

AGRADECIMENTOS XVII

INTRODUÇÃO

Capftulo 1—Os recenseamentos eleitorais: uma fonte para o estudo dos grupos e dinâmicas sociais 19

1.1 Informações constantes dos cadernos de recenseamento 19

1.2 Contextos legais de produçáo dos recenseamentos eleitorais 22 1.2.1 As autoridades recenseadoras 22 1.2.2 A elaboração dos cadernos de recenseamento 25 1.2.3 Os requisitos dos cidadãos eleitores 28

Capítulo 2—População e recenseados 37

2.1 O país, o distrito e o concelho: uma perspectiva comparada 37

2.2 Recenseados, alfabetizados e emigrantes: em busca de um padrão regional 49 2.2.1 Recenseados e alfabetizados 52

2.2.2 Recenseados e emigrantes 62

Capítulo 3—Crescimento demográfico e densidade populacional 83

3.1 O distrito de Évora: dinâmica demográfica e povoamento 83

3.2 O concelho de Évora no contexto distrital: crescimento e densidade populacionais 92 3.3 O concelho de Évora: população urbana e população rural 95 3.4 A cidade de Évora no contexto da rede urbana portuguesa 108

Capítulo 4—Os recenseados e os elegíveis do concelho de Évora 119

4.1 Distribuição espacial intraconcelhia 119

4.2 Taxas de recenseamento e de elegibilidade: astendências intraconcelhias 124

4.3 Critérios legais para inscrição nos cadernosde recenseamento 131

4.3.1 Idade 132

4.3.2 Censo, habilitação literária e responsabilidade familiar 137 4.4 Níveis censitários dos eleitores e dos elegíveis: as tendências intraconcelhias 142

Capítulo 5—Perfils6cio-ocupacional dos recenseados eborenses 153

5.1 Orientações metodológicas para a agregação dos dados 154

(5)

5.2 Dados empíricos e critérios de indexação das ocupações segundo as propostas da HISCO .J 162

5.3 Recenseados, categorias ocupacionais e diferenciação funcional: linhas de tendência 175 5.4 Recenseados e categorias ocupacionais: um padrão de distribuição? 180 5.5 A perspectiva dos grandes agregados ocupacionais 197 5.5.1 Totais concelhios 198

5.5.2 Cidade de Évora 201

5.6 Grupos ocupacionais, níveis censitários e critérios de inclusão nos recenseamentos: olhares

cruzados 204

Capítulo 6— As elites municipais eborenses 219

6.1 Contextos legais, ciclos políticos e atribuições das administrações camarárias 219 6.1.1 Legislação administrativa e articulação orgânica 219

6.1.2 Atribuições das administrações municipais 225

6.2 Perfil social das vereações eborenses 238

6.2.1 Idade de entrada no exercício dos cargos 240

6.2.2 Recruamento espacial 242

6.2.3 Atributos de inclusão nos recenseamentos 244

6.2.4 Perfil censitário 246

6.2.5 Perfil ocupacional. Planos fixos e diacronias 250 6.2.6 As ocupações dos presidentes das vereações 277 Capítulo 7—As elites municipais e a acção pública. A construção das modernas infra-estruturas de

dgua e esgotos na cidade de Évora 281 7.1 Pequenos benefícios e grandes projectos: os dois pólos de um debate 285 7.2 A efectivação do projecto: um debate sucessivamente retomado 291 7.3 O projecto inaugurado e o regime novo: uma modernização legitimadora 303

Condusão 315

Fontes e Bibliografia 325

Anexos 347

(6)

ÍNDICE DAS TABELAS

Tabela 1.1—Informações constantes nos recenseamentos eleitorais do concelho de Évora (1891-1930) 21

Tabela 2.1 —Acréscimo da proporção dos indivíduos do sexo masculino> de 21 anos em cada um dos

intervalos temporais identificados 47

Tabela 2.2—Crescimento efectivo da população, excedente de vidas e proporção da emigração em rela

ção ao excedente de vidas em Portugal continental (1891-1920) 69

Tabela 3.1 —Taxas anuais médias de crescimento natural e crescimento intercensitário. Portugal conti

nental (1900-1930) (Permilagens) 87

Tabela 3.2—População e densidade populacional nos três distritos do Alentejo (1980-1930) 88

Tabela 3.3—Densidade populacional dos concelhos do distrito de Évora (1890-1930) 93

Tabela 3.4—Quociente de urbanização da população da cidade de Évora (1890-1930) 109

Tabela 4.1—Distribuição dos varões maiores de 21 anos, dos recenseados e dos elegíveis por classes de

idade. Concelho de Évora (1890-1930) 133

Tabela 4.2.1 — Distribuição espacial dos recenseados do concelho de Évora segundo os critérios de

inclusão nos cadernos de recenseamento 1891-1920 140

Tabela 4.2.2—Distribuição espacial dos elegíveis do concelho de Évora segundo os critérios de inclu

são nos cadernos de recenseamento 1891-1911 140

Tabela 5.1 —Grandes grupos ocupacionais (HISCO) 161

Tabela 5.2—Critérios de inscrição no recenseamento por grupo ocupacional ‘major’ (1891 e 1910) 213

Tabela 6.1 —Média de idade de entrada no exercício das vereações eborenses (1890-1934) 241

Tabela 6.2—Vereadores eborenses: distribuição residencial (1890-1934) 243

Tabela 6.3 —Vereadores eborenses: atributos de inclusão nos cadernos de recenseamento (1890-1934) 245

Tabela 6.4.1—Vereadores eborenses: distribuição pelas classes de censo construídas com base no recen

seamento de 1891 248

Tabela 6.4.2—Vereadores eborenses: distribuição pelas classes de censo construídas com base no recen

seamento de 1900 248

Tabela 6.4.3—Vereadores eborenses: distribuição pelas classes de censo construídas com base no recen

seamento de 1910 249

(7)

ANEXOS CAPÍTULO 2

Tabela A2.1 —Evolução do número de recenseados face à população total e aos indivíduos do sexo

masculino maiores de 21 anos 351

Tabela A2.2 — Proporção de recenseados em relação à população masculina maior de 21 anos em

Portugal continental. Dados distritais (1890-19 15) 352 Tabela A2.3—Taxas de recenseados e taxas de alfabetização em Portugal continental. Dados distritais.

1890-1915 353

Tabela A2.4—Proporção de recenseados sobre a população masculina maior de 21 anos e taxas brutas

de emigração no continente (1890-1915) 354

CAPÍTULO 3

Tabela A3.1—Índice decrescimento da população no concelho de Évora 1890-1930 (1890=100)

357 Tabela A3.2— População residente no concelho de Ëvora oriunda de outros concelhos e do distrito

(1890-1930) 358

Tabela A3.3—Densiiades populacionais intraconcelhias. Évora 1890-1930

359 Tabela A3.4—Índice de crescimento da população no concelho de Évora 1890-1930 (1890=100)

.... 360

CAPÍTULO 4

Tabela A4. 1—Distribuição dos recenseados e dos elegíveis pelas freguesias do concelho de Évora

(1891--1930) 367

Tabela A4.2—Taxa de recenseados e de elegíveis no conceffio de Évora em relação aos varões> de 21

anos. Distribuição por freguesias (1890-1930) 368

Tabela A4.3. 1—Classes de idade dos recenseados e elegíveis do concelho de Évora (1891-1930)

369 Tabela A4.3.2—Média de idades dos recenseados e dos elegíveis do concelho de Évora (1891-1930) 369

Tabela A4.4—Distribuição dos recenseados eborenses pelas classes de censo construídas. Totais conce- 370

lhios 370

Tabela A4.4. 1—Recenseamento de 1891

370 Tabela A4.4.2—Recenseamento de 1900

370 Tabela A4.4.3—Recenseamento de 1910

370 Tabela A.4.5—Distribuição dos recenseados eborenses pelas classes de censo construídas e pelos agru

pamentos de freguesias 371 Tabela A4.5.1— 1891 371 TabelaA4.5.2— 1900 371 Tabela A4.5.3— 1910 372 )UI

(8)

CAPÍTULO 5

Tabela A5.1 — Lista de Indexação das Designações Ocupacionais Eborenses segundo os critério da

RISCO. Dados concelhios (1891, 1911 e 1930) 375

Tabela A5.2 —Tabela de frequência de recenseados e de categorias ocupacionais por classes de montan

tes de recenseados. Dados concelhios (1891, 1911 e 1930) 387

Tabela A5.3—Recenseados, designações ocupacionais e categorias ocupacionais. Índice de crescimento

e correlação. Dados concelhios (base 100= 1930) 391

Tabela A5.4—Evolução dos índices dos montantes de recenseados e de categorias ocupacionais. Totais

concelhios e por grupos de freguesias (base 100=1930) 391

Tabela A5.5—Distribuição dos recenseados eborenses pelas categorias ocupacionais. Totais concelhios

(1891, 1991 e 1930) 391

Tabela A5.6—Distribuição dos recenseados do concelho de Évora pelos grupos ocupacionais ‘major’

da RISCO (1891-1930) 392

Tabela A5.7 — Distribuição dos recenseados das freguesias intramuros do concelho de Évora pelos

grupos ocupacionais ‘major’ da RISCO (1891-1930) 392

Tabela A5.8— Distribuição dos recenseados constantes dos grupos ocupacionais ‘major’ pelas respec

tivas classes de censo (1891) 393

Tabela A5.9—Distribuição dos recenseados constantes dos grupos ocupacionais ‘major’ pelas respec

tivas classes de censo (1910) 393

(9)

ÍNDICE DAS FIGURAS

Figura 2.1—Proporçáo de recenseados face à população total e aos varões>de 21 anos (Portugal conti

nental, distrito e concelho de Évora) 40

Figura 2.2.1—Portugal continental: comparaçáo entreastaxasde recenseamento (1910) e as taxasde

alfabetização distritais (1911) 53

Figura 2.2.2—Portugal continental: comparação entre astaxasde recenseamento (1911) e as taxas de

alfabetização distritais (1911) 54

Figura 2.2.3—Portugal continental: comparação entre as taxas derecenseamento (1915) e as taxas de

alfabetização distritais (1911) 54

Figura 2,3.1 —Comparação entre as percentagens de recenseados e as relaçóes de masculinidade no

continente (1890) 64

Figura 2.3.2— Comparaçáo entre as percentagens de recenseados e as taxas brutas de emigração no

continente (1910) 65

Figura 2.3.3— Comparação entre as percentagens de recenseados e as taxas brutas de emigração no

continente (1911) 65

Figura 2.3.4 — Comparação entre as percentagens de recenseados e as taxas brutas de emigração no

continente (1915) 66

Figura 3.1 —Índice de crescimento populacional no concelho de Évora 1890-1930 (1890= 100) 101

Figura3.1.1 —Grupos de freguesias 101

Figura 3.1.2—Freguesias urbanas 101

Figura 3.2—Proporção de não naturais no conjunto dos efectivos demográficos do concelho de Évora

(1890-1930) 103

Figura 3.3 —Densidade populacional no concelho de Évora (km2) (1890-1930) 106

Figura 3.4—Concelho de Évora 107

Figura 4.1—Distribuição dos recenseados e dos elegíveis pelas freguesias do concelho de Évora

(1891--1930) 120

Figura 4.1.1 —Recenseados 120

Figura 4.1.2—Elegíveis 120

(10)

Figura 4.2—Taxa de recenseados e de elegíveis no concelho de Évora em relação aos varões > de 21

anos (1891-1930). Grupos de freguesias 128

Figura 4.2.1—Recenseados 128

Figura 4.2.2—Elegíveis 128

Figura 4.3 —Média das idades dos recenseados e dos elegíveis do concelho de Évora (1891-1930) 134

Figura 4.3.1—Totais concelhios 134

Figura 4.3.2—Desdobramento por grupos de freguesias 135

Figura 4.4—Distribuição censitária dos recenseados eborenses. Totais concelhios 144

Figura 4.4.1— 1891 144

Figura 4.4.2— 1900 144

Figura 4.4.3— 1910 144

Figura 4.5 —Distribuição censitária dos recenseados eborenses por freguesias (1891-1910) 148

Figura 4.5.1 —1891 148

Figura 4.5.2— 1900 148

Figura 4.5.3— 1910 148

Figura 5.1 —Evolução 4os índices dos montantes de recenseados e de categorias ocupacionais. Totais

concelhios e por grupos de freguesias (Base 100= 1930) 177 Figura 5.2—Padrão de distribuição dos montantes de recenseados pelas categorias ocupacionais. Con

celho de Évora (1891, 1911 e 1930) 182

Figura 5.3 — Distribuição dos recenseados eborenses pelos grandes agregados ocupacionais (grupos

‘major’) (1891-1930) 200

Figura 5.3.1 —Totais concelhios 200

Figura5.3.2—Freguesias intramuros (1891-1930) 200

Figura 5.4 —Os recenseados do concelho de Évora: grupos ocupacionais ‘major’ e classes censitárias

(em mil réis) 206

Figura 5.4.1— 1891 206

Figura 5.4.2— 1910 206

Figura 6.1 —Vereadores eborenses; distribuição por grandes grupos ocupacionais (1890-1934) 251

Figura 6.2—Vereadores eborenses: distribuição ocupacional em perspectiva diacrónica (1890-1934) 261

Figura 6.3—Presidentes das vereações eborenses (1890-1934). Distribuição por grandes grupos ocupa

Referências

Documentos relacionados

Apesar de uma possível aplicação deste sistema ser para a retenção dos parasitas em água de reuso para fins não potáveis, a amostra utilizada foi o esgoto doméstico

Um dos grandes desafios no ramo da usinagem de materiais ferrosos e não ferrosos é o método de fixação do produto que será usinado em máquinas operatrizes, principalmente quando este

auxiliar na criação de KPI’s. Fonte: Elaborado pela autora com base nos Quadros de 1 a 10 dessa dissertação.. O Quadro 13 apresenta os resultados trabalhados e que possuem

(pontuação) relacionada à qualidade de um sistema. Uma nota obtida num aspecto de usabilidade pode evidenciar que tal aspecto está sendo adequadamente atendido

No dia 23 setembro 2014 foram capturados 22 juvenis de achigãs (Micropterus salmoides) (0+ anos) numa pequena barragem de rega em três aquários onde se procedeu à

Um sistema que cria um ônus para a escola, seja em termos de gratificação não recebidas ou de medidas administrativas, sempre será visto como injusto em um

O atendimento à Educação Infantil Pública em Belo Horizonte teve início na década de 1950 com a inauguração de treze Escolas Municipais de Educação Infantil na

O capítulo I apresenta a política implantada pelo Choque de Gestão em Minas Gerais para a gestão do desempenho na Administração Pública estadual, descreve os tipos de

No Estado do Pará as seguintes potencialidades são observadas a partir do processo de descentralização da gestão florestal: i desenvolvimento da política florestal estadual; ii

1) Aluno como centro do processo de ensino e aprendizagem: o ponto de partida para o desenvolvimento da competência passa a ser a ação direta e imediata do aluno sobre o fazer

um espaço de ação mais amplo”, como dizia Marx (2013, p.627) que, séculos depois, viria a assumir sua forma mais plenamente desenvolvida, sobretudo com a crise estrutural do capital

Sob o ponto de vista geográfico, isso criaria a possibilidade de analisar a construção de territórios reticulares, pois é possível identificar padrões de distribuição e

Através da revisão de literatura e a análise crítica do autor, este trabalho apresenta uma proposta de “estrutura conceitual” para a integração dos “fatores humanos” ao

É possível estabelecer um elo de ligação e comparação entre o sangue periférico e a saliva, no que concerne a diferentes estados fisiológicos e patológicos

To test the hypothesis of the model and reach the objectives of this study, which are (1) determining the antecedents of Satisfaction, both Economic and Non-Economic, in

Assim, propusemos que o processo criado pelo PPC é um processo de natureza iterativa e que esta iteração veiculada pelo PPC, contrariamente ao que é proposto em Cunha (2006)

Trata-se, para a Lorga de Dine, de Crocuta crocuta intermedia, cuja presen~a sugere ocupa~ao da cavidade em época ante- wurmiana; porém, a aceitarmos o papel de

The minimum expected count is 92,40.. Computed only for a

As variações nos níveis de leucócitos (leucopenia e leucocitose), assim como nos de neutrófilos (neutropenia, neutrofilia em banda e aumento de neutrófilos

RELATÓRIO E CONTAS DE 2018.. Cenintel — Centro de Inteligência Formativa, Ensino e Formação Profissional, Lda.. 10. PROPRIEDADES

Verificou que os atores sociais utilizam a rede como forma de educar outros usuários sobre o racismo e sobre a importância do combate ao preconceito e discriminação contra

Trabalhar com Blogs para auxiliar a aprendizagem de conteúdos matemáticos, ou desenvolver o pensamento geométrico com base nas técnicas de dobraduras não é algo

Conforme mencionado anteriormente, os basidiomicetos de podridão branca são mais utilizados em processos de micorremediação mediado pela biodegradação enzimática, mas a