CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

CURSO DE ATUALIZAÇÃO

Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

ACOLHIMENTO: COMPLEXIDADE DO TRABALHO NA READAPTAÇÃO FUNCIONAL DO TRABALHADOR DO SERVIÇO DE SAÚDE DO SUS

Regina Silva dos Santos Coutinho

Salvador Agosto, 2012

(2)

1. PROBLEMA E JUSTIFICATIVA

Os trabalhadores da área da saúde estão expostos aos riscos no ambiente de trabalho. Acidentes com objetos perfurocortantes contendo fluidos corpóreos ou por respingos dos mesmos em mucosas e/ou pele lesada, expõem o trabalhador ao risco de soroconversão pelos vírus da AIDS (HIV), Hepatite B (HBV) e Hepatite C (HCV) e outros, provenientes materiais contaminados (ALMEIDA e BENATTI, 2007; RAPPARINI e REINHARDT; 2010).

Entretanto a inconsistência de informações devido ao frágil sistema de notificação, considerando as necessidades qualiquantitativa de profissionais requeridos para a assistência e vigilância e a avaliação do grau de riscos de exposição, dificultam a analise para implantação de ações na ocorrência de acidentes ocupacionais (ALMEIDA e BENATTI, 2007; BRASIL, 2011a).

Sendo assim, a Rede Sentinela, responsável pela notificação/investigação de agravos relacionados à saúde do trabalhador, deverá obedecer aos critérios legais, seguindo a comunicação para o Sistema de Informação de Agravos e Notificação – (SINAN), como indicadores para atuações efetivas (BAHIA, 2009; POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR, 2004).

Segundo a Política Nacional de Promoção da Saúde do Trabalhador do Sistema Único de Saúde (SUS) em suas diretrizes, é necessário elaborar planos, programas, projetos e ações de saúde, voltadas a integração da assistência, ações de promoção e vigilância na atenção à saúde do trabalhador em todas as etapas do processo para redução dos riscos no ambiente ocupacional (ASSUNÇÃO, 2012). Existe variação na incidência de acidente com material biológico com trabalhadores da saúde no território nacional onde as ações não são uniformizadas. Portanto se faz necessário construir estratégias de cuidados no acolhimento do trabalhador que durante o processo devido à vulnerabilidade, não só pelo estado físico/mental como pelas condições adversas onde está inserido (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE, 2006; POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO, 2008; CENTRO COLABORADOR VIGILANCIA DOS ACIDENTES DE TRABALHO, 2011).

O anexo III da NR 32, através da Portaria nº 1748/11, determina a capacitação dos trabalhadores e orienta a elaboração de Plano e designa a formação de comissão para elaboração e implantação do mesmo. O Hospital Geral Ernesto Simões Filho, apresenta dificuldades no desenvolvimentos do protocolo instituído.

(3)

2. OBJETIVOS

Implantar o Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfurocortantes no Hospital Geral Ernesto Simões Filho no município do Salvador no estado da Bahia;

Criar grupo de apoio aos acidentados com proposta humanizada no acolhimento; Formar rodas de conversas sobre a percepção de riscos e prevenção de acidentes junto aos trabalhadores e equipe multidisciplinar na unidade.

3. PLANO DE AÇÃO

O Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfurocortantes do Hospital Geral Ernesto Simões Filho, será elaborado pela comissão gestora multidisciplinar, composta por trabalhadores da instituição, conforme a Portaria nº 1748/11.

A analise e deferimento do plano deverá ser feita pela Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental, pautada na respectiva competência legal de acordo com os princípios definidos para o SUS, com avaliação anual. Medidas de controle e propostas de intervenção deverão ser feitas, mediante avaliação dos acidentes ocorridos antes e após a sua implementação, como indicadores de acompanhamento.

Com proposta humanizada no acolhimento da vítima de acidentes, será formado um grupo de apoio aos acidentados, composta por um representante de cada unidade assistencial, escolhidos pelos trabalhadores, como facilitadores e multiplicadores. A capacitação dos trabalhadores ocorrerá em dias, horários e local determinado, pela equipe que compõe a comissão e o grupo de humanização. A percepção de riscos e prevenção de acidentes junto aos trabalhadores e equipe multidisciplinar acontecerá com rodas de conversas nos locais de ocorrência de acidente.

Importante atender a Portaria nº 34/05 junto a Secretaria de Vigilância em Saúde quanto a responsabilidade pela distribuição do teste rápido para as vitimas, bem como a aquisição da quimioprofilaxia, ainda restrita a Rede Referenciada o que desfavorece o fluxo no caso de acidente, via Ministério da Saúde, sendo o trabalhador encaminhado a Rede Referenciada 24 horas após a ocorrência.

(4)

4. CRONOGRAMA

ANEXO 1 CRONOGRAMA

2013 J F M A M J J A S O N D

Ações

Apresentação do projeto para

apreciação da equipe multidisciplinar do SIAST, CCIH e NHE.

x x x x Aprovação do projeto pela equipe

multidisciplinar, trabalhadores

Avaliação da viabilidade de liberação da medicação quimioprofilatica pelo Ministério da Saúde órgão

apcompetente.

x x x

Apresentação do fluxo após analise e

parecer dos trabalhadores. x x x

Reunião com equipe multidisciplinar do SIAST, CCIH e NHE para propor as estratégias e treinamento dos profissionais do posto de coleta.

x

Treinamento dos profissionais do

posto de coleta. x x x

Reunião da comissão para avaliação da viabilidade de elaboração do Plano de prevenção.

x x x x x x Apresentação do Plano para

apreciação na DIVISA x x x x x

2014 J F M A M J J A S O N D

Ações

Aplicação do plano x x x x Buscar os indicadores estabelecidos

no planos. x x x x

(5)

5. INVESTIMENTO

INVESTIMENTO (24 meses) Serviços de terceiros

Material /Serviço Unitário Global

01 Digitador R$ 800,00 R$ 800,00/12 meses

Total: R$ 9.600,00

Material permanente

01 Computador R$2.500,00 R$2.500,00

01 impressora multifuncional R$ 1.275,00 R$ 1.275,00 01 câmera fotográfica digital R$ 369,00 R$ 369,00

02 mesa R$ 305,00 R$ 610,00

04 cadeiras R$ 194,00 R$ 776,00

01 armário R$700,00 R$700,00

Total: R$6.230,00

Material de consumo

- Papel A4 (10 pcts com 500 folhas) R$18,00 R$180,00 - Cartuchos (20 unidades) R$75,00 R$1.500,00

-Envelopes (03 cx 500) R$32,00 R$ 96,00

- CD (03 cx com 100 unid) R$50,00 R$ 150,00 - Caneta esferografica (10 cx com 100 und) R$00,24 R$240,00 - Pasta arquivo AZ (200 und) R$05,20 R$1040,00

Total: R$ 3.206,00 Total Geral: R$ 19.036,00 6. AVALIAÇÃO

A avaliação de eficácia do projeto ocorrerá com o desenvolvimento das etapas: Monitoração e análise das situações de risco de acidentes ocorridos antes e após a implementação do plano, com indicadores de acompanhamento conforme formulário de investigação;

O número de trabalhadores capacitados pela equipe multidisciplinar;

Aumento de 30% com variação de + ou - 5, das notificações em casos de acidente tendo como valor referencial o relatório do SIAST das notificações em anos anteriores.

(6)

7. REFERÊNCIAS

ALMEIDA, C. A. F. BENATTI, M. C. C. Exposições ocupacionais por fluidos corpóreos entre trabalhadores da saúde e sua adesão à quimioprofilaxia. Revista da Escola de Enfermagem da USP, n. 41, p. 120-126, 2007.

ASSUNÇÃO, A.A. Gestão das condições de trabalho e saúde dos trabalhadores da saúde: Caderno de Estudos. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, 2012.66. P

BAHIA. Secretaria da Saúde do Estado. Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde. Centro Estadual de Referência em Saúde do Trabalhador. Manual de normas e rotinas do sistema de informação de agravos de notificação – SINAN - saúde do trabalhador. Salvador: CESAT, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Mesa Nacional de Negociação Permanente do SUS. Protocolo Nº 008 /2011 da Mesa Nacional de Negociação Permanente do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2011(a). ______. MINISTÉRIO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Portaria Nº 1.748. Brasília. Diário Oficial da União. DE 30.08.2011(b).

______. POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR. Brasília. 2004. Disponível em

<http://seed.lcc.ufmg.br/file.php/292/Modulo_2/Complementar_Modulo_2_PNSST.

pdf>. Acesso em: 15/03/12.

CENTRO COLABORADOR VIGILANCIA DOS ACIDENTES DE TRABALHO. Boletim epidemiológico acidentes de trabalho com exposição potencial a material biológico. INFORME DO CENTRO COLABORADOR UFBA/ISC/PISAT –

MS/DSAST/CGSAT. Edição nº3, ano I. OUTUBRO/ 2011.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Trabalhando Juntos pela Saúde. 2006. (Relatório Mundial). Disponível em:

<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/resumo_ trabalhando_juntos.pdf>. Acesso em: 22 out. 2011

POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO – HumanizaSUS. 2008. Disponível em:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_gestores_trabalhad ores_sus_4ed.pdf>. Acesso em: 27 fev. 2012.

RAPPARINI, C.REINHARDT.É. L. Manual de implementação: programa de

prevenção de acidentes com materiais perfurocortantes em serviços de saúde. São Paulo: Fundacentro, 2010. 161 p.

Imagem

temas relacionados :