FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIêNCIAS DA EDUCAçãO ANO LECTIVO DE 2003/04 SUMÁRIO (Artigo 66º do Estatuto da Carreira Docente Universitária)

Texto

(1)

Aula: 1 17 Out 2003

Docente Responsável Amâncio da Costa Pinto

1. Apresentação do docente

2. Apresentação e distribuição aos alunos do programa das aulas teóricas e práticas (6 páginas)

3. Bibliografia básica e complementar

4. Apresentação e fixação do sistema de avaliação 5. Recomendações gerais

6. Horário de atendimento dos alunos: Sexta-feira: 14.00 — 16.00 horas.

(2)

Aula: 2 24 Out 2003

Docente Responsável Amâncio da Costa Pinto

1. Introdução Geral

1.1. Concepções gerais da mente humana e passagem de um questionário sobre

“Representaçõs dos processos cognitivos”

1.2. Analogias mais frequentemente estabelecidas com o sistema cognitivo: Tábua de cera; gaiola de pássaros; biblioteca e computador. Vantagens e

desvantagens de cada uma destas analogias; Modularidade versus unidade funcional da mente humana e as suas implicações para o estudo dos

processos cognitivos.

2. Aprendizagem

2.1. Âmbito da aprendizagem; erros comuns sobre aprendizagem.

2.2. Definições de aprendizagem: Beaviorista e cognitiva.

(3)

Aula: 3 31 Out 2003

Docente Responsável Amâncio da Costa Pinto

2. Aprendizagem (…)

2.3. Descrição dos tipos de aprendizagem: Habituação, Respostas (reflexas e voluntárias), Verbal (conceitos e texto).

2.5. Habituação

2.5.1. Definição de habituação; Exemplos e situações quotidianas 2.5.2. Habituação como forma e tipo de aprendizagem: Razões

2.5.3. Referência pontual aos estudos realizados por Eric Kandel, prémio Nobel da Medicina em 2000: Aplysia, reflexos, circuitos neuronais subjacentes e neurotransmissores; comportamentos de habituação e de sensibilização /sensitização).

3. O condicionamento clássico: P av l o v

3.1. Pavlov e o procedimento experimental de condicionamento

3.2. Processos de aquisição, extinção e recuperação espontânea

(4)

Aula: 4 7 Nov 2003

Docente Responsável Amâncio da Costa Pinto

3. O condicionamento clássico: P av l o v (…)

3.3. Processos de generalização e discriminação de respostas

3.4. O condicionamento de 2º grau ou de ordem superior; Publicidade: Benetton 3.5. Factores que influenciam a resposta condicionada

3.6. Relações temporais entre EI e o EC

3.7. Aplicações do condicionamento clássico: Estudos de Watson e Rayner

(1920); Mary Cover Jones (1924);

(5)

Aula: 5 14 Nov 2003

Docente Responsável Amâncio da Costa Pinto

3. O condicionamento clássico: P av l o v (…)

3.7. Aplicações do condicionamento clássico: Estudos de Watson e Rayner (1920); Mary Cover Jones (1924);

3.8. Conclusão: O condicionamento clássico e teorias explicativas: beaviorismo; a teoria da informação; a perspectiva cognitiva; a perspectiva evolucionista

3.9. Perspectivas actuais (investigação e aplicações) sobre o condicionamento de Pavlov.

4. O condicionamento operante: T h o r n d i k e

4.1. Thorndike e o procedimento experimental seguido 4.2. Função e características da aprendizagem

4.3. As leis do exercício e do efeito

4.4. Conclusão sobre a teoria de aprendizagem de Thorndike 4.5. Condicionamento instrumental e condicionamento operante

Leituras recomendadas:

Watson, J. B., e Raynor, R. (1920). Conditioned emotional reactions. Journal of Experimental Psychology, 3(1), 1-14.

Jones, M. C.. (1924). A laboratory study of fear: The case of Peter. Pedagogical Seminary, 31, 308-315.

Referência ao nº especial do American Psychologist, 1997, 52 (9) sobre Pavlov.

Thorndike, Edward L. (1911). Animal intelligence.

Vide “Classics in the History of Psychology” - http://psychclassics.yorku.ca/author.htm, (Cap. 2)

(6)

Aula: 6 21 Nov 2003

Docente Responsável Amâncio da Costa Pinto

5. O condicionamento operante: Sk i n n er 5.1. Procedimento experimental típico

5.2. Tipos e programas de reforço O comportamento supersticioso

5.3. Condicionamento de evitação e processo de extinção O desamparo aprendido

Leitura especialmente recomendada (cópia nos textos de apoio 2003/03):

5. Skinner, B. F. (1948). "Superstition" in the pigeon. Journal of Experimental Psychology, 38, 168-172.

(7)

Aula: 7 28 Nov 2003

Docente Responsável Amâncio da Costa Pinto

5. O condicionamento operante: Sk i n n er (…)

5.4. Condicionamento clássico e operante: Similaridades e diferenças

5.5. Outras concepções beavioristas de aprendizagem: Guthrie, Hull e Tolman 5.6. O papel da cognição no condicionamento; Estudo de Rescorla.

5.7. Ilustração dos programas de reforço do condicionamento operante com o programa de computador “Sniffy”

6. Aplicações e restrições do condicionamento 6.1. Técnicas de modificação do comportamento

Reforço e punição

Efeitos e consequências da punição e do reforço a nível educacional.

Leitura especialmente recomendada (cópia nos textos de apoio 2003/03):

B1 Tolman, Edward, C. (1948). Cognitive maps in rats and men. Psychological Review, 55(4), 189-208.

B2 Skinner, B. F. (1948). 'Superstition' in the pigeon. Journal of Experimental Psychology, 38, 168-172. [A classic in learning theory.]

(8)

Aula: 8 5 Dez 2003

Docente Responsável Amâncio da Costa Pinto

6. Aplicações e restrições do condicionamento (…)

Moldagem: Definição, casos e limitações Saciação: Definição, casos e limitações

Dessensibilização sistemática: revisão de aulas passadas Imersão: Definição, casos e limitações

Análise dos princípios da terapia comportamental;

Terapias comportamental, comportamental-cognitiva e psicanalítica.

6.2. Ensino programado (EP)

Princípios base do EP segundo Skinner e características principais;

Vantagens e inconvenientes em relação ao ensino regular Ensino programado, “e-learning”, web e computadores;

Reflexão sobre tecnologia escolar e aprendizagem.

6.3. Biofeedback

6.4. Reforço social: O estudo de Harris et al. (1965)

Aplicações e limites do cond operante na educação da criança O condicionamento e a investigação laboratorial

6.5. Condicionalismos biológicos

Os estudos de Breland e Breland (1961)

A experiência de Garcia e Koelling (1966): O efeito Garcia Princípios do condicionamento vistos à luz do efeito Garcia

Leitura especialmente recomendada (cópia nos textos de apoio 2003/03):

B3 Breland, Keller e Breland, Marian. (1961). The misbehavior of organisms. American Psychologist, 16, 681-684.

[Classic critique of the assumptions underlying radical behaviorism.]

(9)

Aula: 9 12 Dez 2003

Docente Responsável Amâncio da Costa Pinto

7. Psicologia associacionista e psicologia cognitiva 7.1. Psicologia associacionista e beaviorismo

Principais teses associacionistas

Concepção associacionista de funcionamento do ser humano Concepção típica de psicologia para o associacionismo 7.2. Psicologia cognitiva

Precursores do cognitivismo: Gestaltismo, Freud e Bartlett A influência de Chomsky, cibernética, informática,

A influência dos psicólogos G. Miller, Broadbent e Neisser Concepção cognitivista de funcionamento do ser humano Principais teses cognitivistas

Concepção típica de psicologia para o cognitivismo 7.3. A centralidade da memória na psicologia cognitiva 8. Aprendizagem verbal

8.1. Perspectiva histórica, âmbito e definição

8.2. Tarefas experimentais de aprendizagem verbal:

Aprendizagem seriada, pares associados e por evocação livre Experiências ilustrativas

8.3. Materiais usados e parâmetros de avaliação dos itens verbais:

Significado, frequência, concreteza-abstracção, formação de imagens e

idade de aquisição de conceitos; Importância destes parâmetros.

(10)

Aula: 10 19 Dez 2004

Docente Responsável Amâncio da Costa Pinto

8. Aprendizagem verbal (…)

8.4. Estilos de aprendizagem verbal

aprendizagem intencional — acidental;

aprendizagem global — parcial;

aprendizagem maciça — distribuída.

8.5. Os estudos pioneiros de Ebbinghaus

Estudo experimental da memória humana Novo material verbal: Sílabas sem significado Principais resultados obtidos:

Descontinuidade em torno do número sete Papel da repetição na memória

Curva de esquecimento

Principais contribuições de Ebbinghaus

Avaliação crítica de Bartlett aos estudos de Ebbinghaus:

Artificialidade dos materiais e o “esforço em busca do significado”

Esquemas de recordação e memória reconstrutiva 9. A aprendizagem de categorias e conceitos

(*)

O que é a categorização?

Definição, vantagens e paradoxo cognitivo Modelos de categorização:

Clássico: Definição, características e limitações Protótipo: Definição, características e limitações

Wittgenstein - “Parecenças familiares”; Eleanor Rosh e tipicidade Medidas de categorização: Frequência de produção e tipicidade

A importância da categorização na cognição humana

(*) Foi distribuída aos alunos na aula uma folha-síntese sobre os temas principais deste capítulo 9.

(11)

Aula: 11 9 Jan 2004

Docente Responsável Amâncio da Costa Pinto

10. Outras teorias de aprendizagem: Concepções alternativas ou complementares

O gestaltismo: Estudos de percepção visual (leis da organização perceptiva, o problema da figura-fundo; Percepção visual e arte (Dali e Esher); Concepção de aprendizagem de Köhler e Koffka e contraste com Thorndike; o papel do

"insight"; Efeito von Restorff

A aprendizagem e desenvolvimento segundo Piaget; Modelo biológico vs modelo de processamento de informação

A aprendizagem observacional segundo Bandura; Contributos e limitações A organização hierárquica da aprendizagem segundo Gagné; Aprendizagem de tarefas divididas em conhecimentos e habilidades

A teoria ACT de J. Anderson; Conhecimento declarativo e procedimental;

sistemas tutoriais de aprendizagem

Neo-conexionismo: Modelos de processamento paralelo; Como se

desenvolve uma aprendizagem artificial; Sejnowsvki e o programa NETtalk

Conclusão

(12)

Aula: 12 16 Jan 2004

Docente Responsável Amâncio da Costa Pinto

11. Contribuições da psicologia cognitiva para a aprendizagem escolar * 1. Organização do material a ser aprendido: organização externa e subjectiva 2. Profundidade e elaboração dos materiais; estudos de Craik e Tulving 3. Os efeitos do conhecimento prévio: Positivos e negativos

4. Metacognição; Competências meta-cognitivas; Crenças sobre o funcionamento dos processos cognitivos; memória vs inteligência;

5. Algumas sugestões para uma aprendizagem escolar bem sucedida 6. Conclusão

I I P

A R T E

— M

E M

ó

R I A

H

U M A N A

A 2ª parte do semestre aborda o tema da “memória Humana”. Para melhor se apreciar o papel fundamental da memória na vida de uma pessoa, a 1ª aula consistiu na visão e debate do filme: “A tragédia de Alzheimer” (1994) com o objectivo de observar o que se verifica quando a memória praticamente desaparece numa pessoa com a doença de Alzheimer.

Visão e debate do filme: [“A tragédia de Alzheimer” (1994), realizado por Deborah Hoffmann; 44 min.]. Distribuição de um 1º texto aos alunos presentes na aula sobre comentários a este filme; Distribuição de um 2º texto sobre o que caracteriza a doença de Alzheimer.

* Leitura especialmente recomendada (Vide pasta “Artigos” em wvs.psi.up.pt)

Pinto, A. C. (1998). Aprender a aprender o quê? Conteúdos e estratégias. Psicologia, Educação e Cultura, 2(1), 37-53.

Pinto, A. C. (2001). Memória, cognição e educação: Implicações mútuas. In B. Detry & F. Simas (Eds.), Educação, cognição e desenvolvimento: Textos de psicologia educacional para a formação de professores (pp. 17-54). Lisboa: Edinova.

(13)

Imagem

temas relacionados :