O HOMEM, O ESPAÇO E O TEMPO NOMACIÇO CALCÁRIO ESTREMENHO

Texto

(1)

DL 1 2 JÜL 1 9 9 6 * 1 3 1

J o ã o L.tas J e s u s F e r n a n d e s

O H O M E M , O E SP A Ç O E O TEM PO N O

M A C IÇ O CALC ÁRIO ESTREM EN H O

- o o l h a r d c u m g e ó g r a f o -

Fac uldade de Letras C oi m b r a

1 9 9 6

(2)

D is s e rta ç ã o de M e s tra d o e m G e o g r a f ia

H u m an a ap resen tad a à F a c u ld a d e de L e tra s

da U niversidade de C oim bra

(3)

I N T R O D I (; AO

T al lo m o o tu u lo d esta il^srrta», .1,1 d eix a um e ver. n o h je ftiv o p rim o rd ia l d este trab alh o e a o c u p a ção h u m a n a do M aciço C alcar in E strem enho. O.s i ac tore s. as n u an c es, as e tap as, os -co n d icio n alism o s e o futuro do pov o am en to do M aciço ristre m e n lio , nas su as d im e n s õ e s g eo g rá fica s, c o n s titu irã o as m ais im p o rtan tes p r e o c u p a ç õ e s d e s ta d issertação de m estrad o em G eografia H umana.

A á re a d e e s tu d o , ja

0 afirm á m o s , é o M aciço C a lc á rio E s tr e m e n h o . A s

características físicas peculiares d este espaço geográfico, a actualidade d a p ro b lem ática da o r g a n iz a ç ã o te r r ito r ia l e fu n cio n al do esp aço ru ral p o rtu g u ê s e, s o b r e tu d o , a n ão ex istên cia d e um trab alh o de fundo a respeito do h om em do M aciço E strem en h o . estã o na base d a nossa escolha. U m a certa tradição d a E scola G eográfica C o im b ra 110 estu d o desta área. pesou tam b ém na n o ssa decisão.

C o m o sa lie n ta re m o s em d evido m om ento, n ão nos irem os p reo cu p a r em d e m asia com a d e lim ita ç ã o p recisa do M aciço C alcário E strem enho. In te ressa-n o s. so b re tu d o , a v isã o d e c o n ju n to , a ssim c o m o

0 in terface g e o h u m a n o en tre este te rritó rio e a sua

p eriferia. E s ta será u m a d as gran d es linhas de in v e stig aç ão do p re se n te tra b alh o . E ssa atitu d e c ie n tífic a re s u lta rá na não ex c lu siv id a d e d e um a escala de a n á lise. R e fle x o d a n ossa co n c ep ção d e in v estig ação científica em G eografia, privilegiarem os a in teg raçã o de d if e r e n te s e s c a la s de a n á lis e . E m b o ra a e s c a la re g io n a l se ja p r e p o n d e r a n te , as fo calizaçõ es a lim a e scala nacional e m esm o ao nível local, estarão p resen tes ao lo n g o da n o ssa reflex ão .

E ste te m a ap a ix o n o u -n o s d esde m uito cedo. Ape.sar disso, os passo s in ic ia is p ara a execu ção d e s ta in v estig ação constituíram um a etapa de extrem a dificuldade. A e lab o raçã o da estru tu ra d e s ta tese resu lto u num a tarefa com plicada. C om efeito, o c a ra c te r d ifu so do tem a. a su a a b ran g ê n cia , os lim ites im precisos co m diversos cam pos de c o n h e cim e n to , a d ificu ld ad e de inclusão d este trabalho nu m dos ram os esp ecífico s da G e o g ra fia H u m an a , const itu iram o b s tá c u lo s , n ão in tran sp o n ív eis, m as. pelo m enos. de tra v essia d e m a s ia d o p enosa. M e s m o assim , estas dificuldades iniciais n ão foram suficientes p ara a d im in u iç ão do n o sso en tu sia s m o e em p en h o .

C o m e ç a re m o s c o m a an álise, a nível nacio n al, de alg u m as das m ais im p o rta n te s

p ro b le m atic as q u e se co lo c a m ao sistem a de p o v o am en to p o rtu g u ê s. P o r u m a q u e s tã o

m e ram en te m e to d o ló g ic a , ap en as o territó rio de P o rtu g al C o n tin en tal será o b je c to d a

n o ssa refle x ã o . E ste ta c to n ão deriv a d e um e sq u e c im e n to d e lib e ra d o d o s te rritó rio s

(4)

inltmhn at>

in su lares. P elo co n trario . co m o a finalidade prim o rd ial d este punto é a p ro c u ra d e um c o n tex to no q u al po ssam o s integrar, m ais tarde. a nossa area de estu d o . e n te n d e m o s que a análise ex c lu siv a de Portugal C ontinental seria a m elhor opção.

E sta ab o rd ag em , suportada pela m anipulação e interpretação de alg u n s in d icad o res d e m o g r á f ic o s ic c e m e s . será fu n d a m e n ta l p ara a c o m p re e n ç ã o . tie f o r m a m ais c o n s u b s ta n c ia d a , de io d a a d in â m ic a de p o v o am en to s u b p c e m e ao M aciço C a lc á rio E strem en h u .

N a tu r a lm e n te , p a ra u m a a p ro x im a ç ã o p ro g re s s iv a à n o ssa área d e e s tu d o , ap ro fu n d a re m o s m ais o esp aço n iral. A razão parece-nos óbvia- é neste c o n te x to que v am o s en q u a d ra r o M aciço E strem enho. Será n a evolução do espaço rural p o rtu g u ê s que vam o s in teg rar m uitas das d inâm icas da n o ssa área de estudo.

T a m b é m n ão p o dem os d eix ar de fazer referência, e a isso d ed icarem o s o p o n to 13 d o c a p ítu lo f. às "cid ad es m é d ias" em P o rtu g al C o n tin en ta l, seu d e s e n v o lv im e n to e im p acto s te rrito ria is resp ectiv o s. E m en d em o s, e daí a análise d este p ro b le m a, q u e este será um d o s m ais im p o rtan tes fa c tores a co n d icio n ar o futuro da es tru tu ra ç ã o d o n osso te rritó rio n a c io n a l e. co n seq u en tem e n te, d o esp aço rural p o rtu g u ê s, em g e ra l, e do M aciço C alcário E strem enho, em particular.

N o p o n to 2 do ca p ítu lo 1. com o que a ap ro x im arm o -n o s su cessiv am en te d o nos.so c a so e s p e c íf ic o , fa re m o s u m a re fle x ã o s o b re a G e o g ra fia H u m a n a , a o c u p a ç ã o p o p u la cio n al e o rg an ização do espaço em áreas de solo/subsolo calcário.

O d e s ta q u e d e s ta q u estão não sig n ifica que o calcário co n stitu a o n o sso p o n to de p artida p ara o estu d o esp ecífico a realizar no M aciço C alcário E strem enho. S ig n ific a sim.

q u e d a re m o s ao ca lc á rio o seu d ev id o valor. M esm o d efen d en d o o n ão d e te rm in is m o , p ro cu rare m o s d em o n trar que os espaços calcários em gerai, e carsicos em p a rticu lar, são an im ad o s d e esp e c ific id a d e s que não podem ser n eg lig en ciad as em q u a lq u e r e s tu d o de G eo g rafia H u m a n a . A p ro v eitarem o s este ponto p ara esclarecer q u al a n o ssa o p in iã o a resp eito d e s ta m atéria. O d esen v o lv im en to d ad o a este tem a será útil. u m a v e z q u e nos p e rm itirá fo c a liz a r a lg u n s asp ecto s que c o n trib u irão p ara um m elh o r e n te n d im e n to d a G eo g rafia H u m an a do M aciço C alcário Estrem enho.

E m su m a . e s te c a p ítu lo l s erv irá co m o p asso in tro d u tó rio ao d e s e n v o lv im e n to do n o s so e s tu d o . P ro cu rarem o s elab o rar, ao longo do m esm o, algum as re fle x õ e s qtte nos p erm ita m u m a m e lh o r c o m p re e n s ã o do n o sso ca so de estu d o , ou p elo m e n o s u m a c o m p reen são m ais fundam entada.

D ep o is d e s ta eta p a in tro d u tó ria, entrarem os esp ecificam en te no M a c iç o C a lc á rio E stre m en h o , co m o c a p itu lo 11 desta dissertação.

I n ic ia re m o s e s te c a p itu lo co m u m a reflex ão a resp eito do M a c iç o C a lc á r io

E s tre m e n h o e n q u a n to o b je c to d e in v e stig aç ão g eo g ráfica. E n te n d e m o s e s ta an a lis e

(5)

[lU trtíltÇ llil

j> em nem e p o rq u e n o s s e m r a . sobreiudo. pura tu ikiam entar a im p o rtan t ia d a n o s sa á rea d e e s tu d o en q u a n to oi Me cio de in v e stig arão g eo g ráfica e. sim u ltan e am en te. ju s tific a r a ac tu a liü a d e e p ertin ên cia do n o sso esu id o . A sua lo c a liz a rã o , lim ites e c a r a c te r iz a d o g e ra l. d a n d o especial relev o as características físicas (que devem esiar sem p re p resen tes, co m o v erem o s, no desen v o lv im en to d esta tem ática), são pom os essenciais d esta etap a do trabalho.

O c a p ítu lo III ab rirá com um p rim eiro p o n to que in titu larem o s

”0 L y jm ^ n c o T e m p o na O c u p a r ã o H u m a n a (h> M uci\<i C a lc iu m E s tr e m e n h o ”. C o m e fe ito , n essa

o ca sião , te n tarem o s ab o rd ar algum as das m ais significativas etapas d a o cu p a ç ã o h u m a n a d o M aciço C alcário Estrem enho.

A a n á lise e s p e c ífic a d o s p ro cesso s d e estru tu ração do p o v o a m e n to no M aciço C a lc á rio E stre m e n h o ap en as se eíectiv ará ap ó s u m a breve reflex ão a c e rc a d e alg u m as q u e s tõ e s re s p e ita n te s ã G eo g rafia H istó ric a deste te rritó rio . A ssim , no p o n to 1.1 d o ca p ítu lo III, p ro c u ra re m o s fazer um a ab o rd ag em da posição do M aciço em re la ç ã o ao s p rin cip ais focos g eo e co n ó m ico s e de p ovoam ento, que se d esenharam n e sta á re a logo no início da n acio n alid ad e. Em endem os que o factor tem po é fundam ental n a o rg an izaçã o do es p a ç o g e o g rá fic o . N este sen tid o , c o m p reen d ere m o s m ais p ro fu n d a m e n te o c o n te x to actual do M aciço C alcário Estrem enho se procurarm os as suas raízes g eo h istó ricas.

O N u m e ra m e n to de 1527/32, um dos m ais fieis docu m en to s p a ra a reco n s titu iç ã o d o p o v o a m e n to , em p e río d o s an te rio re s ao C e n so d e 1864, será u m im p o r ta n te in stru m en to no ca p itu lo III. A inda q u e com m uitas reservas, que ex p licitarem o s em lu g a r p ró p rio , o ca rto g ram a resultante deste d o cum ento terá muita utilidade.

O u tro d o c u m e n to q u e não poderem os m en o sp rezar serão as M em ó rias P a ro q u ia is,

d e 1758, p u b lic a d a s no D icionário G eo g ráfico do P adre Luís C ardoso. A in d a q u e , com

m ais in su fic iên cias q u e o anterior, com m ais reserv as que. o p rece d en te , n ão p o d e re m o s

d e ix a r de e n s a ia r a u tiliz ação d e algum as in fo rm açõ es d elas retiradas, p rin c ip a lm e n te as

d e c a rá c te r d em o g ráfico . N este capítulo, en ten d em o s fundam ental, por m a is .sugestiva, a

c o n s tru ç ã o d e u m a im ag em d ia cró n ica e sin c ró n ic a da o cu p a ção h u m a n a d o M a c iç o

C a lc á rio E s tre m e n h o . P ara tal. em co n ju n to co m as rep resen taçõ e s c a rto g r á f ic a s , de

q u alid ad e p o ssív el, resu ltan tes do N u m eram en to d o séc.X V í e d as M em ó rias P a ro q u ia is

d o séc.X V III. rep resen tarem o s ca rto g raficam en te os lugares a parrir d o C e n s o d e 1 9 H e

d o s R e c e n s e a m e n to s de 1960 e 1991. A esc o lh a d estas irès d atas p re n d e -s e co m o

o b je c tiv e d e fazerm o s u m a m ais com pleta co b ertu ra cronológica d este fen ô m en o . A p esar

d e a p e n a s f a z e r re fe re n c ia ã p o p u la ção p o r lu g a re s (à q u al e s c a p a a p o p u la ç ã o

c o n s id e r a d a " is o la d a " ) , esta re p re s e n ta ç ã o c o n s titu ir á u m a p eç a f u n d a m e n ta l na

co m p reen são das etap as de ocupação hum ana do M aciço Calcário E strem en h o .

(6)

4

N este c a p u u lo . n ão d eix arem o s tam bém de ta zer uma analise d os R ec en seam e n to s m u C en so s) d o s m áx im o s dem ográfico^. em cada freguesia. a w in co m o d.is resp ectiv as d e n s id a d e s d e m o g rá fic a s. E ste in d icad o r, que tam b ém p riv ile g ia re m o s n o p rim e iro c a p ítu lo d e s ta d is s e rta ç ã o , assu m ira aqui. ntars isma vez. um lugar d e d e s ta q u e c o m o in stru m en to cie reco n stitu ição d o p o v o am ento. E n ten d em o s que co n stitu i um ele m e n to fu n d am en tal p a ra unia prim eira leitura das d ife ren tes d inâm icas de o cu p a ção d a area em análise.

A in d a 110 ca p ítu lo III, após a fo calizaçào (n ece ssariam e n te m ais d e s c ritiv a ) da.s etap as de o c u p a ç ã o /a b a n d o n o no Macsço C alcário, en ten d em o s fu n d am en tal p ro c u ra r os suportes g e o e co n ó m ic o s tradicionais do povoam ento d esta área. e a sua e v o lu ção recente.

Sem esta a n á lise m u itas d a s qu estõ es levantadas n o ponto 1 deste ca p itu lo IH, fic ariam por resp o n d er. A p en as com o ponto 2 do cap itu lo I II poderem os en ten d er, d e u m a fo rin a m ais fm id am e n tad a, as d iv ersas etapas pelos quais passou a ocu p ação d este te rritó rio . O facto de su rg irem consecutivam ente não resultou do acaso.

N o p o n to 2 do ca p ítu lo III. não nos preocupám os em dem asia com a p ro cu ra d e um lim ite c ro n o ló g ic o q u e d efin a o term o " tra d icio n a l". A p ro cu ra d e s s a b a rre ira s e ria im p o ssív e l, da m e sm a fo rm a que seria utópica a d efin ição de uni lim ite te m p o ra l en tre o

"an tig o " e o "m o d e rn o ". D e quaüquer das form as, após um a análise d a g e o e c o n o m ia de su p o rte d a s tip o lo g ia s tra d icio n ais do p o v o am en to d esta área. p ro c u ra re m o s re fle c tir so b re as su as a lte ra ç õ e s recen tes. P o r isso, irem o s fa z e r referê n cia , n o p o n to 2.3 , a alg u n s a s p e c to s já fo c a d o s no p o n to 2.2. E ste facto não co n stitu irá u m a re p e tiç ã o de ideias. S erá ap en as o resultado da nossa intenção de fazer-m os um a analise dos p rin cip ais 1'actores de p o v o a m e n to n o p assad o , e u m a reflex ão a resp eito das s u a s te n d ê n c ia s recentes. E n q u a d rarem o s esta reflexão n um e stu d o em pírico, no qual serão fu n d am en tais os in q u é r ito s 1 la n ç a d o s ao s en c arreg ad o s de e d u c a ç ã o d o s alu n o s d e in s titu iç õ e s escolares d o

V' C iclo do E nsino B ásico, d esta área. Trata-se de um a pequena am o stra (até

p o rq u e se fe z u m a s ele cção das escolas a utilizar). A rep resen tativ id ad e d a m e sm a sai p reju d icad a p o r a p en as en g lo b ar indivíduos encarregados de educação, ainda p o r c im a de crian ças d e u m a d eterm in ad a faixa etária. A inda assim , pareceu-nos este o m ais c o rre c to e e x e q ü ív el m é to d o d e, o b ed e cen d o ao critério d e um a m aio r co b ertu ra p o ssív el d a área, o b te r d a d o s cjue s u p o rta s s e m o s n o sso s a rg u m en to s. É e v id en te q u e este in q u é rito po d eria ter sid o m ais ex au stiv o , facto do qual este trab alh o tiraria m uitos b e n e fício s. N ão o b stan te, u m in q u érito m a is longo, de respostas m ais extensas e d ifíceis, p o d eria re s u lta r

* A uti Ila ç ã o desta inctoJoiugia resulta (.unhem da necessidade de se ultrapassarem .ts lacunas; das OSUIISUCUS ollCiüiS.

(7)

fnin*iui u<>

no

e f e i t o

c o n tra rio a d itieil ad e são de quem s f dispo> a co lab o rar, re s p o n d e n d o ao solicitad o . D esta form a, opuim os por

um

questionário sim ples, em bora m ais acessív el.

E-m raremos nas considerações linais desta dissertação durante o cap itu lo IV. N este, p ro cu rare m o s a b o rd ar algum as das mais im portantes questões que, na n o s sa [v rs p e c tiv a . c o n d ic io n a rã o o fu tu ro d o pov o am en to d esta area, acen tu an d o a n o ssa tô n ica no q u e a q u a lid a d e d e vida das p o p u laçõ es diz respeito. N esta p ersp ectiv a, a a g i u sera a n o ssa p rim e ira p re o c u p a rã o . A pós isso. qu estõ es co m o o turism o, a q u a lid a d e a m b ie n ta l, o P arq u e N atural d as Serras de A ire e C andeeiros e a desagregação ad m in istrativ a, surgem , a par co m a p o siçã o g eo g ráfica do M aciço Cai can o Estrem enho nos co n tex to s reg io n al e n acional, co m o elem en to s de focalização im prescindível.

A re s p e ito d a m e to d o lo g ia a ad o ptar e das fontes a u tilizar, fiz e m o s já alg u m as referên cias. A utilização e m anipulação de dados estatísticos, p rincipalm ente pro v en ien tes d o s C e n s o s e d o s R e c e n s e a m e n to s ; a u tiliz a ç ã o de a lg u m a s fo n te s h is tó r ic a s e c a rto g ráfic as; a c o n su lta de fontes b ibliográficas e da im prensa reg io n al te n ac io n al); o s in q u é rito s d ire c to s à p o p u la ção e en trev istas v árias, co n stitu irã o os m a is im p o rta n te s in stru m en to s da nossa m etodologia de trabalho.

Por fim . c o n v é m realçar q ue será d ad o um papel im portante à G e o g ra fia H istó rica.

N eg am o s q u alq u er d eterm in ism o histórico, com udo, co n sideram os o te m p o u m a variável

im p o rtan te n a co m p reen são dos processos de povoam ento. A leitura de u m a p aisa g em é a

trad u ção d o p resen te, m a s transporta-nos tam bém ao passado. E sta co n c ep ção d o esp aço

g eo g ráfico vai reflectir-se na estrutura desta dissertação.

(8)

Bi b l i o g r a f i a* 1

A Bit t:U, D. de (1991 ): "Aspectos do Povoamento no Maciço Calcurio Estremenho"; m Ac fm das Jas Jo rn a das Sobre Am biente C ú tsu o c Educação Ambiental, Parque Natural Jus Serras Jo Aire e Candeeiros; Porto de Mós.

ABREIJ, D. de (1995); "Padrões de Desenvolvimento Local- o Maciço Calcário Estrcineiilio". m A n a s das 5a-'' Jorna d a s Sobre Ambiente Cárstco- Encontros M ciltlcrráwcos tia Corso: Parque Natural das Serras do Aire e Candeeiros; Porto de Mós.

ALARCÃO, J. de (1990); A Nova História dc Portugal, void; direcção Je Joel Serruo e A. H. de O liveira Marques, coordenação de Jorge de Alarcão: Editorial Presença: Lisboa.

ALMIíIDA, A. et ali (1989); Baeta Hidrográfica do fito Lis- contributo puru o estudo da organização do espaço e dos problem as de ambient e\ Câmara Municipal de Leina e Coimssãi > de Coordenarão da Região Cemro; Coimbra.

ANÔNIMO (1868); O Cottseiro oit Memórias do Bispado de Lcina: Typograpliia Lusitana; Braga.

AUBRY, T. et all (J 995); "Les Occupations Humaines Préhistoriques des Cavites K.arsuques du M assif Caicaire de Sicó (Portugal); in Livre!-Guide de I'Excwsion M assif dc Sicá ei M asxifC ulca ire de 1'Estremadurir, Table-Ronde Fnmco-Portugai.se "Le Karst au Portugal"; Coimbra.

AZEVI-IX), Pedro de (1914); "Apontamentos de Viagem de Hereulano pelo Pais em 1853 e 1854"; in Ari/uivo H istórico Português, vol.IX; Lisboa.

BALLESTEROS, A. G. (1983); "Tendencies Fe no me no lógicas y Humanísticas e n la Geografia Actual"; in Actus do / / Cokk/ttio ibérico da Geografia, dc 1980; Centro de Estudos Geográficos; Lisboa.

BARBOSA, P. G. (1992); Povoamento e Estrutura Agrícola mi Extremadura Centrui, Col. H istona M edieval, n°6; INIC; Lisboa.

BENTO, Z. (1994); Vale Alto- passado e presente', GAAC- Grupo de Arqueologia e Arie d a Centro;

Câm ara Municipal de Alcanena; Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros; Coimbra.

BIROT, P. (1949); Las Surfaces d’Erosion du Portugal Central et Septentrional', Congrcs International de G éograplue; Lisboa.

BONNAMOUR, J. (1966); L e Mor van- la terre ct les hontmes: Presses Universiuires de France; Paris.

BRONSEVAL, Frère C. de(1970); Peregrinutio Hispuntca, J5JI-I533-, vols.l e 2; Presses Uruversitaires de France; Publications du Centre Culturel Ponugais; Fondation Calouste Gulbenkian; Pans.

x 1 Apenas será referida a bibliografia citada no texto.

(9)

Bibliografia

BRUN, A. í 1993); Territoircs ei Bassin de Vie"; in Nmssuncc de \'ottvcllcs C anipa^ncs. dirm ee par Bem;ird Kayser; DATAR: Editions de 1'Aube; La Tnurd’Aieues.

BRUNHlíS, J. (1912): La Geographic Hwnuuw, Lihrairic Felix Alcan; Paris.

CACHI-A, A. M. {1977); Porto de Mós e Seu Tenm :

C a r v a l h o , R, (co o rd ,) (1967); Porta tie Mós c o seu Coniclho; Col, C oncolhns Jc P o rtug;il- M onografias; Lisboa.

C A STR O , A. dc (1964); A Evolução Econômica de Purut^al dos Séculos X Il a W , vmI.1I; O il.

Portugália; Portugal ia Edil ura; Lisboa.

CAVACO, C arm inda (1994); Do Despovouniento Rural ao Desenvolvimento LocuL E.sLudur c Intervir;

Programa das Artes e Ofícios Tradicionais; Direcção-Geral do Desenvolvimento regional; Lisbra.

COHEN, A. (19&7); "La Püblación, Problema Teórico: Variable Independicnte o Historicam ente Dada''";

in E stúd io s G eográficos, Tomo XLVIIÍ. n °l87; C.S.I.C.-Instituto de Econom ia y Geografia Aplicadas: Madrid.

COHEN, M arianne (1995); "Usages el Pareour.s Agro-Pasloraux et Dynainique de.s Pareour.s Causscnards";

in L ‘Espace Gcogruphiijue, n1’!; Doin Éditeurs; Paris.

CORTESÃO, J (1964); Os F a d o re s Democráticos na Formação de Portugal; in Obras Com pletas;

Portugúlia Editora; Lisboa.

COSTA, A. (192&); Diccionário Chorográfico de Portugal Continental e Insular, Livraria Civilização.

Porto.

CRAVIDÃO, F. D. (1992); A População e o Povoamento da Gâtidaru fGênese e Evolução}: Com issão de Coordenação da Região Centro; Coi inbra.

CRISPIM, J. A. (1991); "A Importância Geológica do M aciço Calcário Estremenho"; in Ac ias das I as Jorna das Sobre Am biente Cársico e Educação Am bientai. Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros; Porto de Mós.

CUNHA, L. (1991); "Geografia Física, Geografia Humana e Estudos do Ambiente"; in C adernos de Geografia, n°10; Instituto de Estudos Geográficos; Coimbra.

CUNHA, L, (1995); Les Karsls PorHiguis. Problemes et Perspectives (polic.); Com unicação apresentada na Tuble-Ronde Franco-Portugal.se T e Karst au Portugal"; Coimbra.

CVIJ1C, j. (1918); La Pénim ule Batkaniijue~ gêographie humaine: Librairic Arnnand Colin: Paris.

(10)

B ibliografia 1 9 1

DAVBA.U. S. (1977); Repartition ct Rythme des 1'rci ipaations nu I'ortw^ui. M einunas do Ccruro de Estudos Geográficos. n°3; Lisboa.

DA.VI-.au, S. (1980); "A Ex.ircinidi.idc Ociüeniai da Cordilheira Central c o M.iciçn Calcário Estrernenho";

in Livro ,i;uia da Excurxõo C tio II Cokkjuto Ibérico </r Ocorra/ia: Lisboa.

DAVEAU, S. ( 19Ü5); Livro Guia da Prc-Reitniiio da Quuicrnúnu Ibérico "Glaciaçãotfu Scrru da i.strvla.

Aspectos do Quaternário da Orla Atlântica".

DAVF.AU, S. eta!! (1986); O Nitineramento de Li2~-/5J2- tratamento cartogivfwo: Centro de Estudos Geográficos; Lisbou.

DAVEAll, S. (1988); A füstrada Coimbra, o Traçado pela Serra ih1 Ancião'. Separata do Estudas 0 Ensaios;

Lisboa.

DAVEAU, S. (1995); Portugal Geográfico: Edições João Sá da Cosia, Ldu; Lisboa.

DEMANGIvON, A.. (1943); Vróblenws dc Geographic Hiininaic; Lihramc Annand Colin.; Parts,

DER R U M ), M. (1 y 82); Gcoa raftu Hum ana, vnl. 1; Biblioteca dc Textos U niversitários; Editorial Presença; Lisboa.

DICKINSON, G. C. (1969); Maps and Air Photographs'. Edward Arnold.

ELYSEU, J. das N. G. (1 Kó8); "Esboço Histórico do Concelho dc Villa Nova dc Ourem"; m Ourem. Três Contributos j>aru asm t História; Câmara Municipal do Vila Nova dc Ourem, 1988.

FEIO, p. ei ali (1991); "O Turismo nas Políticas Recentes dc Desenvolvi memo Regional"; in Finisterra.

vol.XXVI, n°52; Centro de Estudos Geográficos; Lisboa.

FEL, A. (1991); "Le Paysagc Agro-Pastoral du M assif Central"; Bulletin dc {.'Association de. G éographes Françats, 1; Paris.

FERNÁNDEZ, F. M. (1989); Tecnologia, M edia Ambiente v Território; Los Libras de Fundesco; Col.

Estúdios e Documentos; Madrid.

FERRÃO, J. ei ali (1986); "Desenvolvimento Industrial e Diferenciações Regionais etn Portugal, durante a Dccada dc 70"; in Fmistcrra, vol.XXI, n°42; Centro dc Estudos Geográficos; Lisboa.

FER R EIR A , a , B. ct ali (1988); "Problemas de Evolução Geom orfülógiea do M aciço C alcário Estrernenho"; in Fmisterra, vol.XXIII, n°45; Centro de Estudos Geográficos; Lisboa.

FINDLAY, a . M. et all (1991); 'T h e Challenge Facing Population Geography"; in P rogress in Human Geography, 15 (2); Edward Arnold; Kent.

(11)

Bibliografia

FLEURY, E. (1916); "Sur la Morphologic du M assif de Porto-de-Moz; Sur I'Hydrologie Soinerraine de L A lvicla , Exiran dcs Comiiiucuçõcs do .S-ni/ç o Geológico tie l'tnnr^tt!. tome XI; LtsUmne.

F L E U R Y , E. (1917); "N otes sur 1’Erusion cn Portugal": Exiruiules Ctmiunn. ações d a S e rv iç o G eo ló g ic a de P o rtu g a l, Tom e X II; Lisboime.

FLEURY, E. (1925); Portugal Subterrâneo; Ensaio de Espeleobgiu Portuguesa: Col, Naiura: B iblioicai Nacional; Lisbon.

FLEURY, E. (1940); "Los Conditions Gcologiques dc la Protection dc T Eau Potahle üc Lislxnme";

Anexo I do Relatório sobre o Tratunie/ito das Águas de Lisboa: Ministério das Obras Pública* e Com unicações; Lisboa.

FRAGOSO, A. (1964); O Calão Minder ieo; Santarém.

FRAZÃO, S. (19X2); Porto de Mós - Breve Monografia; Ed, da Câmara Municipal dc Porto dc Mós.

GASPAR, J. et ali (1978); ,4 iiuciu Hidrográfica do Rio A!mor ida- equipamento social e m obilidade d e m o g r á fic a; Estudos para o Plançamento Regional c Urbano, n"6; INIC; C entro de Estudos Geográficos; Universidade de Lisboa,

GASPAR, j . cl alJ (19X6); "Telecomunicações e Desenvolvimento Regional em Portugal: um Projecto para a Região Centro in f'uiisterra, vol.XXI, n"4]; Centro de Estudos Geográficos; Lisboa.

GASPAR, J. (1989); Ocupação e Orgauizaçao do Espaço- uma Prospectiva; m Portugai-Os Próximo.s 20 Anos, vol.III; Fundação Calo us te Gulbenkian; Lisboa.

GASPAR,

j. (1 993a); "Reordenamento Urbano cm Portugal"; m A a u s do Sem inário Internacional S erviços e Desenvolvimento numa tíegiõo em Mudança; Comissão de Coordenação da Região Centro; Coimbra.

GASPAR, j. f 1993b); "Geografia e Ordenamento do Território- dos paradigmas aos novos m apas"; m Colóíjuio Ciências. Revista de Cultura Científica, n° 13; Fundação Calouste Gulbenkian; Lisboa.

GA SPA R, J. (1993c); ,4í R egiões Portuguesas; Ministério do Planeamento e da A dm inistração do Território; Lisboa.

GAUCHON, C. (1992); "Les Grottes Sanctuuires dans le Sud-Est de la France"; in Revue sentes m e lle de K a rsio lv g ie et de Spéléofogte Physique, n*I9; Federation Françatse de S pélóologie et de 1'Association Française de Karstolngie.

GEORGE, P. (1985); "Lu Geografia de la Poblactôn en el Centro de la Geografia Humana"; in Estúdios G eográficos, Tom o XLVI, nú 178-179; C.S.I.C.-Insütuto dc Economia y G eografia Aplicadas:

Madrid.

GIRÃO, A. (1936); Lições (te Geografia Humana; Coimbra Editora. Lda.; Coimbra.

(12)

Bibliografia

Girão, A. Am orim (1946); Geografia Humana: Ponucalense Eüilom, S.A.R.L.: Porto.

GíRÂO. A. (1949); Geografia de Portugal'. Portucalense Editora. S.A.R.L.; Pono.

GIRÀO, A, (1950); N oiiaa L.xpiicutiva da Carta da Densidade da Populução por Freguesias ); Centro de Estudos G aigrahcos; Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

GlRÃ o, A. et ali (1958); "Fátima. Terra de Milagre"; in lioíctmi do Centra de Estudos Geográficos. nos 16 e 17, v o l.II; Fundação do Instiiuio de Alia Cultura; Faculdade de Leiras da Universidade de Coimbra; Coimbra.

GONÇALVES, I. (1989); O Patrimônio do Mosteiro de Alcobuça m s Séculos XIV e A'V: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas; Universidade Nova; Lishoa.

GOUCHA, G. et ali (1994); M arinhas de Sal de Rio Maior: Cooperativa Agrícola dos Produtores de Sal <ic Rio M aior; Câmara Municipal de Rio Maior.

HENRIQUE, P. de C. (1990); Parques c Reservas Naturais de Portugal', Verbo; Lisboa.

JACOB, J. C. (1938); O M ueisso de Porto de Mós, Estuda de Geografia Física; Tese de licenciatura em Ciências Geográficas; Faculdade de Letras de Coimbra.

JIMÉNEZ, A. N. et all (1988); Cuevas y Cursos\ Cieniífico-Técnica; Ciudad de la Habana.

JUSTINO, J. D. (19X6); A Formação do Espaço F conõm uo Nacional (Portugal IX10-1V13), vol. I;

Dissertação de Doutoramento em Sociologia e Economia Históricas; Faculdade de Ciências Sociais e Humanas ; Universidade Nova de Lisboa.

KOVACSH AZY, C. (1993); r’La Gestion Patrimoniale des Espaccs Naturels"; in Naissunee de Nouvelles Campugnes, dirigée par Bernard Kayser; DATAR; Éditions de 1'Aube; La Tour d'Aigues.

LABOR1E, J.-P. (1993); "Les Petit es Villes, Chance de L'Espace Rural”; in N aissunee de Nouvelles Campagnes', dirigée par Bernard Kayser; DATAR; Éditions de 1'Aubc; La Tour d’Aigues.

LEA L, P, (1873); P ortugal Antigo e Moderno, vols.l e 8; Livraria Editora de M atos M oreira &

Companhia; Lisboa,

LEANDRO. D. et all (1993): "Contributo para o Desenvolvimento das Comunidades Locais da Região Centro"; in A cta s do Seminário Internacional Serviços e Desenvolvimento num a R egião em Mudança', Comissão de Coordenação da Região Centro; Coimbra,

LEÃO, D. N. de (1610); Desenpçüo t h Reino de Portugal; Lisboa.

LEONO. G, C. et ali (1973); Human and Economic Geography: Oxford University Press; Kuala Lumpur.

(13)

Bibliografia

LOliC), A. C. (1903); l/istària da Socicdadc em Portugal no Século XV: Imprensa Nacional. Li>boa.

LOURO, Antônio (1964); Uma Excursão à Serra de Aire: Alcanena.

MACLIX), Dom A. da. C, dc S. de (1855); Lsiatisticu do fíixirn ra Adiuinistnitivo dc Lctrur, Typogruphia Leiriense; Lema.

M ACliDO, J. B. dc f 19S5); Problemas de Histórta da Indústria Portuguesa na SécttUt XVSIl: Conhecer Portugal, 1; Qucrco; Lisboa.

M a d u r o , a . ct aü (1993); .4 Água, a Serra e os Homens- gestão dtt água /iv espaço hum ano e geográfico da Serra dos Candeeiros; Eslação Produções, Lda; Lisboa.

MAIRE, R. (1990); "Les Mo niugnes-Refuges Caleaires de Mediterranee Onemulc et du M oveii-O nem ”; in Revue seinestrielle de Karstologie ei de Spéléologie Physique, n ’15; Federation Françai.se de Spéléologie ei de 1'Association Franjaisc de Karsiologic.

MANUPPELLA, G.et all (1985); "Calcános e Dolomitos do Maciço Calcário Estrernenho"; m Estudos.

Notas c Trabalhos, [.21: Direcção Geral de Geologia c Minas,

MARQUES, A. H. O .c t ali (1990); Atlas das Cidades M ediew is Portuguesas, Historia M edieval. 1;

INIC; Lisboa.

MARQUES, M. A. (1984); Reconquista e Repovoamento entra Mondego e Tejo no Séc. XU\ Coimbra.

MARTINS, a . f . (1949); "Le Centre Littoral et le M assif Calcai re de I'Estremadure"; Livret-gtnde da ['excursion B du XVI Congrès International de Geographic: Lisboa.

MARTrNS, A. F. (1949); M aciço Calcário Estrernenho- Contribuição para uni Estudo de G eografia F ísica; Coimbra.

MARTINS, A. F. (1950); "Aspectos do Relevo Calcário em Portugal: os Poljes de M índe e de Alvudos";

in B oletim do Centro de Estudos Geográficos, n() 1; FundaçÜo do instituto de A lta Cultura;

Faculdade de Leiras da Universidade de Coimbra; Coimbra.

MARTINS, A. f . (1983); "Aspectos do Relevo Calcário em Portugal: os Poljes de Mrnde e de Alvados";

in Cadernos de Geografia. n°l; Instituto dc Estudos Geográficos; Coimbra.

MATOS, A. de ( 1975); A Escola de Frei José e de Frei M anuel da Conceição nu Serra d e Santo A/itómo:

Ediç5o du Igreiu Paroquial da Serra de Santo Antônio.

MATTOSO, J. (1988) ; Identificação de uin Pais- ensaio sobre tis origens de Portugal: v oid; imprensa Universitária, it°45; Editanal Estampa; Lisboa.

(14)

B ib lio g ra fia 1 9 5

M AY,T. (1991). Human Settlement and Lund Useai Trevele/. (Sierra Nevada): a Historical-Geographical Approach"; in P inneos, Revisiu de Ecologia dc Montana. n"ljS; Insiitmo Pirenaico de Èc< ilotria:

Jaca.

M ON CRIhl-F, A. R. H. (1992); M itologia Clássica- \tiia ilustrado; Editorial Estam pa; C irculo Je Leitores; Lisboa.

MüRA. E, ct all (199.1); "0 Rural na Região Centro: Configurarão, Dinâmicas e Processos dc Mudança", in A c lax do Seminário Internacional Serviços e Desenvolvimento nittnu Jiegtao a n M udum a.

Comissão do Coordenação da Região Centro: Coimbra.

MORCH, H. (1993); "Settlement Location in the Murge. Apulia. Southern Italy"; in C. .4. fieitszels Forlug, n°93; Kobenlravn.

NEVCS, B. ( 19S3): H istória Flore si at, Aijit k o la t: Cinegéticti. vol. IV; M inistério da A gricultura, Florestas e A lim entarão; Lisbon.

NICOD, J. (1972): Pays et Paysages dit Calcuire; Col. "Lc Gcouraphe": Presses Umversitaires dc France;

Pans.

OLIVEIRA, e . V. ct all (1983); Sisiemus de Moagem: in Tecnologia Tradicional Portuguesa; Centros de Estudos dc Etnologia; Instituto Nacional dc Investigação Cientifica; Lisboa.

OLIVEIRA, i . M. p. el ali (1991); "Tercianzação e Desenvolvimento"; in Actas das 11 Jornadas dc G eografia Hum ana Terciarizução e Desenvolvimento: Instituto de Estudos Geográficos; Faculdade de Letms; Coimbra.

OROZCO, J. c . (19XX); "Lu.s Áreus Montanas Valencianas: Crisis y Reactivacton": in C n a d e m o s de Geografia, iV’44; Valencia.

PlLLEBOUli, J. et ali (1972); "Le Nord du C aussedu Larzac: Une Renaissance Rurale Mcnacée"; Revue Gêogt apiiií/ae des Pyrenees et du Sud-Ouest, Tome 43, Fase.4, Toulouse.

PINCIIEMEL, P. et all (1992); La Face de la Terre- Elements de Géographie; Géogniphie U; Armand Colin: Paris.

PIRES, A. (1993); "Agricultura e Desenvolvimento Rural- a procura de novas form as de integração";

A cta s do Sem inário internacional in Serviços e Desenvolvimento numa R egião em M udança:

Comissão de Coordenação da Região Centro; Coimbra.

PLET, F. et at! (1992); "La Valorisation des Traditions, Mouvelle Ressource en Zone Ruraie Fragile? - I’exem ple de hi Bresxe"; Acres du coltaque Des Regions Paysunnes aitx E spaces Fragites;

Clemnont-Femind.

RAIL V. ct ali (1949); "Extremadura et Ribatejo", LivrcbGittde dc I'Excursion D; Cungrcs Internationale dc Geographic; Lishonne.

(15)

Bibliografia 1 ' J 6

RLi 131:1.0 . F. (19X3); "A Gcogralm FiMcacm Ponuiial- contribuirão para o lonhecuneniu da vida e nhra do Professor Doutor Alfredo Fernandes Martins"; m Hiblas. Revisto ila E aa d d a d c dc Letras.

vol.LIX; Universidade dc Counbra.

R li 13 ELO, F. (1986); "Reflexões sabre o Ensino Universnurio d.i Geografia em Portugal- o exem plo da Faculdade de Letras de Coimbra, a propósito do seu 75" aniversário"; m Cadernos dc Geografia.

n”5; Instituto Ue Estudos Geográficos; Coimbra.

REPARAZ, G. A. de (1992); "Le Recul de I’Espace Agro-Past oral dans les Prealpcs dti Sud et ses C onsequences sur le Paysa^e de Ia Moyennc Momagne”; m Pirmeos. R e n sk t dc E a d o g ia de M ontana. n”l39; Insmuto Pirenaico de Ecologia; Jaca.

RlBLIRO, O. (1955); "Portugal”; m Geografia de Espana y Portugal, Uimo V; Munumer y Simon, S.A.;

Barcelona.

RlBELRO, O. (1977); Introduções Geográficas ú História dc I’ortitgul- estudo critica: imprensa Nacional Ca.sa da Moeda; Lisboa.

RIBEIRO, 0 . <19tt0); Portugal, o Mediterrâneo e o Atiãntico: Livranu Sn da Costa Ednora.

RIBEIRO, 0 . (19X7); Mediterrâneo: ambiente c tradição: Fundação Caluustc Gulbenkian; Lisboa.

RIBEIRO, O .e t ali (!9K9); Geografia de Portugal, vol .III; Edições João Sá da Casta; Lisboa.

R O DR IG UES, M. de F., (1974); Fátima, Problem as Geográficos dc uni Centra de P eregrinação:

Corograpliiu, Col de Estados de Geografia Humana e Regional; Instituto de A lta C ultura; Centro da Estudos Geográficos da Faculdade de Letras de Lisboa.

RODRIGUES, M. L. ( 19&&); As Depressões (le Minde e de AWados, Depósitos e Evolução Quaternária das V ertentes (poiic.); Dissertação de Mestrado em Geografia Física e Regional; Faculdade de Letras;

Lisboa.

SAA, M. (1956); A í Grandes Vias da Lusitania- O Itinerário de Antonina Pia, tomos I e III; Lisboa.

SALGUEIRO, T. B. (1992); A Cidade em Portugal: uma Geografia Urbaiw: Edições Aírontamento; Porto.

SANTANA, A. a . S. (1992); "Modelos de Ocupueiòn en Areas de Montana: la Isla de Gran Canária (1478- 1865)"; in Piríneos. Revista dc Ecologia tie Montana. rt'l-V); Instituto Pirenaico de Ecologia; Jaca.

SANTOS, M. L. (1957); Cova da Iria- Gênese e Evolução de um Aglomerado Populacional; T ese de licenciatura, em Ciências Geográficas; Faculdade de Letras dc Coimbra.

SERKÂo, J. V. <1975); "Uma Estimativa da População Portuguesa em I640’1; Separata de M em órias da Academ iu (ias Ciências, vol.XVI; Lisboa.

(16)

I.i i bli of; m l hi

SLR RÁ o, J. (coord.) (1971); Dicionário da História tie Portugal, v.irios voJs.; Iniciaiivas Editorial1-;

L ivrana Figucirinlms; Porto.

SILVA, H. S. dll (1991); "População e Actividades na Área do Parque natural das Serras de Aire e Candeeiros"; in A ctus das I as Jom adas Sobre Ambiente Cársico e F.dircaçào Am hw ntui, Parque Natural da.s Serras de Aire e Candeeiros; Porto de Mós.

SILVA, S. G. da (1985); Porto de Mós Medieval <subsídios documentais p o ta o sett i onhc< imerttoi', Edição da Câmara Municipal de Puno de Mós.

SlLVA, S. G. (1990); O Mosteiro de Santa Maria du Vitória no Século AY; Subsídios para a Hisióna da Arte Portuguesa, XXXIII; Insiiluto de História da Arle; Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

SILVA. S. G. da (1992), História do Castelo dc Leiria (Policopmdo).

TELLiS, V. (1992); Erosão Fluvial em Áreus Cársit as- os vales da Lapedo, da Quebrada e da Fonte Nova {bordadura setentrional do Maciço Calcário Esiremcnhnj (polic.j; Dissertação de M estrado em Geografia Física; Faculdade de Letras; Coimbra.

T R E F R )T , G. (1992); "Kursl, Amenagemerit et Environnement dans le Bassirt Pansien (le eas du dépíineinent de I'Aubc)"; in Revue seinestrielle dc Karstologie ei de Speléologic Physique', n T9;

Federation Française de Spéléologie et de 1‘Association Française de Karstologie.

VÁRIOS (1908); M ines dc Porto de Mós- concessions ntinièrcs du site des Hortas, d cs Fracas do Castelo d'Al curia ct d'Alvudos (Memoir e Dc script tf)- Typ. Eduardo Rosa; Lisboa.

VÁRIOS (1927); Guia de Portugal, 2° vol. ( Extremadura, Alentejo, Algarve K Bibliuieca Nacional de Lisboa.

VÁRIOS (1995); Actas do seminário As Cidades Médias e o Ordenamento do Território-, Cum issãu de Coordenação Ja Regi ao Centro; Ministério do PJancamento e da Administração do Território.

VASCONCELOS, J. L. de (1936); Etnogmfiu Portuguesa, vol.II; Imprensa Nacional; Lisboa.

ZlLHÂO, J. et ali (1991); Arqueologia do Parque Natural das Seiras de Aire e Candeeitoy, Col. Estudos, n°8; Serviço Nacional de Parques, Reservas e Conservação da Natureza; Lisboa.

O

u t r a s f o n t e s d i v e r s a s

Carta Adm inistrativa dc Portugal, Comissão Nacional do Ambiente, escala 1/100000, Lisboa, 1979.

(17)

Bibliografia

"Carta dc Capacidade dc Uso do Solo", in Portugul, Alias do Ambience. cicala 1 / lOOOdOO. Comivs.io Nacional do Amhtenic, Secretaria de Estado do Ainbictiie. 19X2.

Censos da População, dc 1KM a 1930; Reccnscamaiios da População. dc IV40 a 199I: INK: Lishoa.

Dicionário Geográfico do Padre Luis Cardoso (lO X).

Dicionário (la Língua Portuguesa (1991), Porto Edit ora.

Diário tia República

FL-RRÁO, J. (1994); canogram a publicado no artieo "As llhas do Desenvolvimento", de Rui Nunes; in re vi st a Exame, n'’ de Dezembro.

Jornal Diário dc Coimbra Jornal Expresso Jom al O P onoo to sm se Jom al O Povo de Porto dc Mas Jornal Público

Jom al União Nacional

"Preparar Portugal para n Século XXV'.Plano dc Dvxesivoivimciito Regional. 1994-PJV')

Planos Directores Municipais tie Àlcanena, Alcobaça, Batalha, Leiria, Ourém, Porto de Mós, Rio Maior.

Santarém e Torres Novas.

Reponório Toponímico de Portugal, 1967, Serviço do Exército, Ministério do Exército, Lisboa.

Revista O Curso. Parque Natural das Serras de Ajre e Candeeiros Revista Exam e

Revisia O Archeologo Português

(18)

205

J

n d i c i

: G

e k a l

Pag.

I n tr o d u ç ã o ... 1

Capítulo I

1. O Sistema, üe Povoamento cm Portugal Continental- evolução recente e ordenam ento territorial...6

I. I . Di.strihuiçào da população em Portugal Continental- padrão geral e evolução entre os dois últimos Recenseamemos da população...7

1.2. D esintegração do espaço rural português- crise de identidade (as n ovas funcionalidades)... 18

1.3. O reforço das cidades médias como estratégia de ordenamento do território...27

2. O Hom em, o Tem po e a Geografia nos Espaços Calcários... ... ... 31

2.1. A investigação geográfica e o M eio... 31

2.2. A Ocupação humana dos espaços calcários- quecondicionalismos'1... 33

2.3. População e recursos num Meio calcário ... ... 40

2.4. O hom em e a água em espaços calcários...44

2.5. Espaços calcários- o humano e o sagrado... 47

Capítulo II

1. A Á rea de Estudo- M aciço Calcário Estrem enho... 52

1 .1 .0 M aciço Calcário Estremenho como objecto de investigação geográfica...52

1.2. L ocalizaçáo e lim ites..., ... 56

1.3. Caracterização física- que individualidade?... 61

C a p ítu lo

III

1. 0 Espaço e o Tempo na Ocupação Humana do Mactço Calcário Estremenho... 64

1.1. Enquadramento desta área perante os principais focos de povoamento... 64

1.1.1. 0 Maciço Calcário Estremenho c sua periferia na reconquista cristã...64

1.1.2. 0 Maciço Calcário Estremenho como via de penetração, ao longo da H istó ria... 65

(19)

1.1.3. A im portaria a geoesiratégica do Maciço Calcario Estremenho c sua area p enléncu- conseqüências nas iniciais formas dc povnamenio... f*7 1.2. A ocupação liumana do Maciço Calcário Esiremenho (do .vêeulo XVI ã actuuhdado-

breve rd an c e ...7N

2. G eo eco n o m ia e Funcionalidade Territorial do Maciço C.ilcario Estrem enho- quadro geográfico h istoncoe evolução rccente(sua relação com o povoamento da a re a l... ... i 0 1 2.1. Uni espaço d e re lu g io ... ... ...1 0 1 2.2. Geo econom ia tradicional no Maciço Culcáno Esiremenho- a criatividade do homcin

perante as adversidade;;...105

2.2.1. A actividadc agropastoril... ...105

2.2 .2. As o n g ens da tecelagem ...[14

2.2.3. O com ércio ambulante dos M indericos... 116

2.2.4. A I'onte dc energia dc mais laci! exploração- o vccito... I IS 2.2.5. A exploração da "pedra"... 119

2.2.6. Outras explorações dc inertes ...122

2.2.7. Uma raridade no Maciço Calcário Estremeniio- a água...124

2.2.7.1. O Maciço Calcário Estremenho como território de dispersão h íd rica ... 125

2.2.7.2. A água e a estruturação do povoamento no Maciço Calcário Estrem enho...127

2.2.7.3. O empenho do homem na busca da água...130

2.3. A m utação de uma geoeconomui tradicional- uina leitura do M aciço C alcãno E stre m en h o a c tu a l...132

2.3.1. O M aciço Calcário Estremenho actual- análise dos inquéritos à p o pu lação ...139

2.3.1.1. Estrutura sócio-profissional da população inquirida...141

2.3.1.2. Mobilidade espacial da população inquirida-diversas tipologias...144

2 .3 .2 . R ecursos hum anos...151

2.3.3. O Maciço Calcário Estremenho actual- que leitura''...154

C a p í tu l o IV 1. E stratég ias de Desenvolvim ento no Maciço Calcãno Estremenho- cenários futunis- (povoamento e qualidade de vida]... 1

1.1. A água e o território...160

l . l . l . Os recursos hídricos do M aciço Calcário Esiremenho- uma questão de qualidade... 163

1.2. A fragm em ação administrativa como barreira ao desenvolvimento? O Parque Natural das Seiras dc Aire e Candeeiros... 166

(20)

1.3. Um novo ('=') Modelo dc desenvolvimento na Maciço Calcário Esirem enho... ... 172

1.3.1. A actividade tu rístic a ... ...1 7 3 1.3.2. A recuperação do "tradicional"...1 7 7 1.3.3. R eso lu ção dos. problemas ambientai*... ... [XI 1.4. A im p o rtân cia da posição geográfica do M aciço Calcário listrcm enlm . nas estratégias de desenvolvimento... 1X3

C o n c lu s ã o ... 186

B ib lio g r a fia ...189

A n e x o s ... ...1W ín d ice de Figuras...201

í n d ic e d e F o t o g r a f i a s ...203

índice de Q uadros...204

índice G eral... 205

2 0 7

Imagem

Referências

temas relacionados :