APROVADO EM INFARMED FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

Download (0)

Full text

(1)

APROVADO EM 27-06-2014 INFARMED FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

Claritromicina Labosuan 500 mg Pó para Solução injectável Claritromicina

Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler.

Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. Neste folheto:

1. O que é Claritromicina Labosuan e para que é utilizado 2. Antes de tomar Claritromicina Labosuan

3. Como utilizar Claritromicina Labosuan 4. Efeitos secundários possíveis

5. Como conservar Claritromicina Labosuan 6. Outras informações

1. O QUE É CLARITROMICINA LABOSUAN E PARA QUE É UTILIZADO

A claritromicina pertence a um grupo de medicamentos conhecido como antibióticos macrólidos. Os antibióticos são usados para tratar e/ou prevenir infecções no organismo causadas por bactérias.

Claritromicina Labosuan é indicado nas infecções graves, sempre que é necessária terapêutica parentérica para o tratamento de microrganismos sensíveis, nas seguintes situações:

− Infecções do tracto respiratório superior (faringite, sinusite) − Infecções do tracto respiratório inferior (bronquite, pneumonia) − Infecções da pele e tecidos moles

2. ANTES DE TOMAR CLARITROMICINA LABOSUAN Não tome Claritromicina Labosuan

Se tem hipersensibilidade conhecida à claritromicina ou outros macrólidos, como a eritromicina ou azitromicina, ou a algum dos excipientes deste medicamento.

Tome especial cuidado com Claritromicina Labosuan

Deve consultar o seu médico antes de tomar este medicamento se sofre de insuficiência renal ou hepática.

Ao tomar Claritromicina Labosuan com outros medicamentos

Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

(2)

APROVADO EM 27-06-2014 INFARMED Não tome Claritromicina Labosuan em combinação com, ou se tiver tomado recentemente, algum dos seguintes medicamentos:

Ergotamina ou dihidroergotamina (medicamentos usados para o tratamento da enxaqueca)

Colchicina (normalmente usado para tratamento da gota)

Terfenadina ou astemizol (medicamentos usados para o tratamento de alergias) Cisapride (usado para o tratamento de algumas doenças gastrointestinais)

Pimozida (usado para o tratamento de algumas de algumas situações clínicas do foro psicológico/comportamental)

Avise o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar algum dos seguintes medicamentos:

Carbamazepina, valproato ou fenítoína (medicamentos para o tratamento da epilepsia)

Teofilina (usado para o tratamento de doenças respiratórias)

Quinidina ou disopiramida (medicamentos usados para o tratamento da arritmia) Digoxina (medicamento usado no tratamento de arritmia e insuficiência cardíaca) Triazolam, alprazolam ou midazolam (sedativos)

Cilostrazol (usado no tratamento da má circulação)

Sinvastatina ou lovastatina (medicamentos usados para o tratamento do colesterol elevado)

Metilprednisolona (corticosteróide)

Vinblastina (usado no tratamento do cancro)

Zidovudina ou ritonavir (medicamentos usados no tratamento da SIDA e infecções por HIV)

Rifabutina (anti-infeccioso)

Varfarina ou outros medicamentos usados como anticoagulantes

Ciclosporina ou tacrolímus (medicamentos usados para supressão do sistema imunitário)

Sildenafil (usado no tratamento da impotência)

A claritromicina mostrou não ter interacção com os contraceptivos orais. Gravidez e aleitamento

Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. A claritromicina não é recomendada se está grávida, a planear engravidar ou a amamentar.

Em algumas situações o seu médico pode prescrever a claritromicina se os potenciais benefícios superarem os potenciais riscos.

Condução de veículos e utilização de máquinas Não relevante.

3. COMO TOMAR CLARITROMICINA LABOSUAN

Tomar Claritromicina Labosuan sempre de acordo com as indicações do médico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

(3)

APROVADO EM 27-06-2014 INFARMED A dose recomendada de claritromicina é 1,0 g diário, repartida por duas doses de 500 mg.

O seu médico decidirá qual a dose correcta para si.

A terapêutica intravenosa com claritromicina pode ser administrada durante 2 a 5 dias, devendo ser alterada para o regime oral sempre que possível.

Crianças

Este medicamento não é recomendado para utilização em crianças com idade inferior a 12 anos.

Doentes com insuficiência renal

A dose de claritromicina deve ser ajustada pelo médico ou utilizadas doses menores do que as habitualmente usadas.

Se tomar mais Claritromicina Labosuan mais do que deveria

Uma vez que é o seu médico ou enfermeiro que lhe administrarão este medicamento é improvável que receba uma dose incorrecta. Informe o seu médico se tiver alguma dúvida relativamente à quantidade de medicamento que lhe foi administrada.

Caso se tenha esquecido de tomar Claritromicina Labosuan

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar. O seu médico deverá estabelecer o horário em que a medicação será administrada. Se achar que pode ter falhado uma dose, contacte o seu médico o mais depressa possível.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico ou farmacêutico.

4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSIVEIS

Como todos os medicamentos, Claritromicina Labosuan pode causar efeitos secundários, no entanto estes não se manifestam em todas as pessoas.

Se tiver alguns dos seguintes efeitos, contacte o seu médico de imediato:

Edema (inchaço) dos lábios, face e pescoço (reacção alérgica) que lhe dificulte severamente os actos de engolir ou respirar;

Choque anafilático que cause dificuldade a respirar ou tontura; Diarreia severa ou prolongada que pode conter muco ou sangue;

Síndrome Stevens-Johnson (doença grave caracterizada pelo aparecimento de bolhas na pele, boca, olhos e genitais)

Necrólise tóxica epidérmica (doença grave caracterizada pelo aparecimento de bolhas na pele)

Os efeitos secundários acima mencionados são raros mas graves. Outros efeitos secundários

(4)

APROVADO EM 27-06-2014 INFARMED Inflamação, dor e inflamação da veia (ás vezes acompanhada por um coágulo) no local da injecção

Perturbações do paladar

Raros (afectam uma ou mais pessoas em cada 10.000 e menos de 1 em cada 1000) Níveis baixos de glucose que podem desencadear o desmaio

Pancreatite (inflamação do pâncreas) Insuficiência renal

Convulsões

Inflamação dos rins

“Torsade de Pointes” (alteração, por vezes fatal, do ritmo cardíaco) Taquicardia

Infecção no cólon

Muito raros (menos de uma em cada 10.000 pessoas, incluindo casos isolados) Inflamação do olho, com dor e vermelhidão

Diminuição do número de glóbulos brancos, aumentando a susceptibilidade a infecções

Diminuição do número de plaquetas, aumentando o risco de hemorragia ou hematomas

Insuficiência hepática

Desconhecido (frequência não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis) Mau estar

Diarreia Indigestão

Dores de estômago

Parestesias (ardor, prurido, sensação de picada na pele) Inflamação ou ulceração da boca

Inflamação da língua Dor de cabeça

Alteração na cor dos dentes e da língua Dores musculares e das articulações

Urticária, que pode aparecer no corpo, incluindo face, lábios, língua, garganta e orelhas

Angioedema, com inchaço dos lábios, face e pescoço (reacção alérgica) desencadeando dificuldade em engolir e respirar

Choque anafilático com dificuldade em respirar ou tonturas Alterações no olfacto

Tonturas Vertigens

Ansiedade (pânico)

Perturbações no sono (dificuldade em dormir, pesadelos) Zumbido nos ouvidos

Confusão e desorientação Alucinações

Psicose (doença psiquiátrica) Alucinações

Perda de audição (normalmente reversível quando a terapêutica é descontinuada) Hepatite

(5)

APROVADO EM 27-06-2014 INFARMED Icterícia (amarelecimento da pele e olhos causado por problemas sanguíneos ou hepáticos)

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. 5. COMO CONSERVAR CLARITROMICINA LABOSUAN

O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação. Uma vez reconstituída a solução pode ser conservada por 24 horas a temperatura não superior a 25ºC ou por 48 horas no frigorífico (2-8ºC).

Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não utilize Claritromicina Labosuan após o prazo de validade impresso na embalagem. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.

Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente.

6. OUTRAS INFORMAÇÕES

Qual a composição de Claritromicina Labosuan A substância activa é a claritromicina.

O outro componente é o ácido lactobiónico

Qual o aspecto de Claritromicina Labosuan e conteúdo da embalagem

A Claritromicina Labosuan é um pó cristalino de cor branca e encontra-se acondicionado em frascos para injectáveis transparentes com cápsula verde.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante Titular de Autorização de Introdução no Mercado

Labosuan Investigación y Desarrollo S.L. Calle Einstein, 8

28108 Alcobendas Spain

Fabricante

Idifarma Desarrolo farmacéutico, S.L.

Polígono Industrial Moncholi, c/ Noáin, nº 1, 31110 Noáin Navarra

Espanha

Figure

Updating...

References

Related subjects :