DECRETO Nº 173. O DOUTOR JOAQUIM DUVAL, Prefeito de pelotas, usando das atribuições que lhe confere a Lei Orgânica do Município.

Texto

(1)

DECRETO Nº 173

Aprova o Regulamento dos Serviços da Limpeza Pública

O DOUTOR JOAQUIM DUVAL, Prefeito de pelotas, usando das atribuições que lhe confere a Lei Orgânica do Município.

DECRETA:

Art. 1º - É aprovado e posto em execução, subordinado a Sub-Prefeitura da Séde, o regulamento dos Serviços da limpeza Pública que faz parte integrante deste Decreto.

Art. 2º - Revogam-se as disposições em contrário.

GABINETE DO PREFEITO DE PELOTAS, EM 25 DE AGOSTO DE 1949 Joaquim Duval

Prefeito

Registra-se e Publica-se Diretor Geral Confere com o Original

Escriturário padrão 20 Secretário de Gabinete

PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS SUB-PREFEITURA

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DA LIMPEZA PÚBLICA

Art. 1º - A limpeza das ruas e outros logradouros e a retirada do lixo domiciliar, são serviços executados privativamente pela Prefeitura Municipal, por intermédio da Seção da Limpeza Pública, sob o controle da Sub-Prefeitura da Sede.

Art. 2º - No desempenho de suas atribuições, cabe a Administração da Limpeza Pública:

a) - Proceder a coléta do lixo domiciliar a remoção ao destinado final;

b) - Manter varriadas, capinadas e lavadas as ruas e passeios da cidade na zona que for designada, removendo a varredura respectiva, evitando que a poeira seja

disseminada;

c) - Capinar as ruas inclusive os passeios, mantendo desobstruídas e limpas as calhas e entradas das bocas pluviais;

d) - Executar a limpeza dos terrenos não edificados;

1 - Por solicitação do proprietário, mediante pagamento correspondente;

2 - Compulsoriamente e as expensas do proprietário, quando o terreno estiver em abandono.

e) - Fazer a irrigação das ruas;

f) - Fiscalizar a limpeza da cidade, aplicando aos infratores as sanções deste REGULAMENTO;

(2)

g) - Retirar o lixo e os detritos excedentes dos domicílios particulares, das fábricas, do comércio e outros, mediante requisição e as expensas dos interessados;

h) - Retirar animais mortos da via Pública; i) - Promover a eliminação de cães vadios.

Art. 3º - Para efeitos de remoção, entende-se por lixo todo e qualquer objeto ou detrito encontrado nos logradouros públicos, bem como os detritos sólidos resultantes da vida doméstica e limpeza das casas comerciais e assemelhadas, ressalvadas as

exceções deste REGULAMENTO. Art. 4º - NÃO CONSTITUI LIXO

a) - Móveis, caixas , utensílios de relativo volume e objetos ou outros, de uso doméstico ou comercial;

b) - Resíduos vegetais da limpeza e póda de jardins e chácaras; c) - Resíduos industriais de qualquer natureza;

d) - Aterro, restos de materiais de obras, entulhos ou produtos de demolição; e) - Materiais que, por sua natureza, dimensões, quantidades e peso, não se adaptem aos recipientes usuais.

§ 1º - Os materiais e resíduos indicados nas alíneas “a” “c” e “e” do artigo anterior, não serão removidos ou transportados pela Administração da Limpeza Pública.

§ 2º - Os da alínea “b” e “d” serão removidos, mediante pagamento da taxa respectiva.

Art. 5º - Para efeitos da retirada do lixo, serão as vias públicas agrupadas, segundo as necessidades e conveniências, a juízo da Prefeitura.

Art. 6º - A retirada do lixo domiciliar terá início ás seis horas no verão e as sete e meia horas, no inverno. Na zona central, delimitada pelo Prefeito, estará terminada ás nove horas, e na zona periférica ás doze horas. Os serviço especial de remoção será atendido nos termos do artigo 2º.

§ Único - A Administração da Limpeza Pública organizará uma relação das casas onde for excessiva a quantidade de lixo.

Art. 7º - É obrigatório o uso de recipientes do tipo aprovado pela Municipalidade. § Único - O tipo de recipiente referido neste artigo deve ser estanque e coberto e com capacidade máxima de 25 decímetros cúbicos.

Art. 8º - Cada economia predial tem direito á retirada diária do conteúdo de um recipiente de capacidade máxima.

§ Único - A retirada do excesso do previsto neste artigo será remunerada nos termos previstos neste regulamento.

Art. 9º - Os recipientes de lixo deverão ser colocados na soleira da porta de entrada dos prédios ou em ponto visível e facilmente acessível. A colocação dos recipientes sobre os passeios, quando não seja possível coloca-los na soleira, só será permitida no

momento da passagem do veículo coletor.

§ Único - Serão multados em Cr$ 20,00 os moradores que deixarem ficar as latas vasias na frente dos prédios, trinta minutos após a coléta e em Cr$ 50,00 os que depositarem o lixo após a passagem do veículo da limpeza e deixarem permanecer o recipiente na rua.

Art. 10º - É proibido lançar papéis, aterro, lixo, restos, varreduras, detritos, águas servidas ou não, caixas usadas ou qualquer material nos passeios e nas ruas, sob pena de multa de Cr$ 50,00 e o dobro na reincidência.

§ Único - Nas ruas, onde existirem coletores apropriados, neles deverão ser lançados os papéis, carteiras, pontas de cigarro, etc., ficando os infratores sujeitos a multa de Cr$ 10,00.

Art. 11º - É proibido colocar nos recipientes materiais infectos, infectantes ou por qualquer forma perigosos. A infração deste artigo fará o infrator incorrer a multa de Cr$ 50,00.

(3)

Art. 12º - Tem caráter permanente o serviço de varredura das ruas e praças, a coléta e remoção dos detritos, bem como a raspagem de terra nas calhas e de grama nascida nos interstícios dos calçamentos, abrigos e passeios.

§ 1º - Este serviço será feito diariamente entre 7 e 17 horas, na zona central e mais espaçadamente nas ruas da periferia, de conformidade com a escala a Administração da Limpeza Pública organizar.

§ 2º - É proibido depositar lixo, varreduras, detritos de industrias e de jardins em terrenos não edificados. O infrator será multado em Cr$ 100,00 e em dobro na reincidência.

§ 3º - Aos seladores permanentes é proibido retirar lixo domiciliar, varreduras de jardins ou detritos de industrias.

SERVIÇO DE CAPINAÇÃO

Art. 13º - A capinação e limpeza de calhas, valetas e passeios das ruas serão executadas por turmas volantes em número tal que possam manter limpa a cidade na zona periférica.

§ 1º - O trabalho das turmas obedecerá ao plano previamente e estabelecido pela Administração da Limpeza Pública, de forma que toda a zona seja repassada sempre que necessário.

§ 2º - É permitido aos encarregados das turmas da capina cederem gratuitamente a particulares, para aterro, quando solicitados, a terra, grama, ou entulhos retirados desde que para utilização em lugar próximo. É proibido o transporte para lugares distantes, salvo quando feito pelo interessado.

§ 3º - Poderá a Administração da Limpeza Pública utilizar, em cooperação com a Diretoria de Obras e Saneamento, para reparação das ruas não calçadas. o aterro retirado das calhas e valetas.

SERVIÇO DE LAVAGEM E IRRIGAÇÃO

Art. 14º - A lavagem das ruas centrais da cidade se fará permanentemente por turmas para este fim destacadas.

§ 1º - Será organizado um plano de lavagem de ruas, de modo que todas sejam periodicamente atendidas.

§ 2º - Esse trabalho, que será executado á noite, após a terminação do movimento deverá ser precedido de raspagem e varredura, sempre que possível mecânica, da chapa de rodagem, calhas e passeios, de modo a ficarem absolutamente isentos de areia e detritos.

LIMPEZA DE TERRENOS NÃO EDIFICADOS

Art. 15º - Os proprietários de terrenos não edificados são obrigados a mante-los capinados, limpos e drenados. Os que não o fizerem, serão intimados pela Prefeitura, por edital ou memorandum, a faze-lo dentro de prazo determinado. Findo o prazo e não atendida a intimação, a Prefeitura fará executar pelo seu pessoal o serviço de capina e limpeza cobrando o proprietário a despesa respectiva, e mais a multa de Cr$ 100,00, elevada ao dobro na reincidência.

§ 1º - Deste serviço serão incumbidas as turmas volantes de que trata o artigo 13º, que para isso receberão instrução expressas da Administração da Limpeza Pública.

§ 2º - A fiscalização da Limpeza arrolará os terrenos abandonados fornecendo a relação respectiva ao encarregado do serviço da limpeza e remetendo cópia á Sub-Prefeitura. O encarregado do serviço da limpeza é responsável pela execução deste serviço.

(4)

§ 3º - Os arbustos, a grama, o lixo e os detritos retirados dos terrenos, baldios, serão removidos “incontinenti” pelos veículos da Administração da Limpeza Pública e

transportados para a Séde da Administração.

Art. 16º - São proibidas escavações nas ruas, passeios e logradouros públicos, salvo quando necessárias aos serviços de utilidade pública. Neste caso as escavações só poderão se abertas pelas repartições da Prefeitura ou pelas Companhias

Concessionárias de serviços públicos, devidamente autorizadas.

§ 1º - As empresas que executarem as escavações colocarão o aterro e materiais de construção em recipientes adequados, cuidando para que não se espalhem e removendo as sóbras imediatamente, após a terminação das obras respectivas.

§ 2º - O lixo e o produto da póda, capinação, limpeza e varredura efetuadas, pelas repartições municipais, estaduais e federais, serão reunidos em montes e colocados em lugares de fácil acesso aos veículos da Seção Limpeza. Os das praças serão

depositados em lugares adequados e acessíveis com facilidade.

§ 3º - É proibido deixar lixo, aterro, varreduras, ou detritos abandonados nas vias públicas.

Art. 17º - A remoção do lixo e detritos dos estabelecimentos públicos, como quartéis, prisões, colégios, asilos e semelhantes, será feita pela Administração da Limpeza Pública em condições e horas estabelecidas de comum acordo.

Art. 18º - A remoção dos animais mortos encontrados nas vias e logradouros públicos, bem como a de resíduos de hospitais e congêneres, será feita em condições apropriadas de modo a resguardar a salubridade pública.

§ Único - Os animais e detritos acima indicados serão obrigatoriamente cremados ou enterrados a profundidades convenientes.

Art. 19º - O produto da limpeza de matadouros, entrepostos e mercados, será

depositados em recipientes metálicos apropriados e removidos em horários determinados pela Administração da Limpeza Pública, as expensas dos interessados, quando não se tratar de serviço público.

Art. 20º - A Prefeitura estabelecerá um serviço especial de remoção noturna do lixo e detritos dos hotéis, bares, cafés, restaurantes, que será feita mediante o pagamento das respectivas taxas.

Art. 21º - A Prefeitura colocará nas principais artérias coletores para papéis, cujo tipo será idealizado e aprovado pela municipalidade.

Art. 22º - As casas de varejo terão obrigatoriamente, junto a caixa ou próximo a porta de saída, cestas para coléta de papéis e detritos. Os infratores estarão sujeitos a multa de Cr$ 50,00 e o dobro em caso de reincidência.

Art. 23º - Os engraxates localizados em logradouros manterão, também, recipientes do tipo aprovado pela Prefeitura para recolher detritos. Na falta de pagarão a multa de Cr$ 50,00 e o dobro na reincidência.

Art. 24º - É proibido o forrageamento de animais na via pública. Aquele que incorrer nessa infração, pagará a multa de Cr$ 50,00.

Art. 25º - É proibido transportar, areia, aterro, entulho, lixo, serragem, cascas de cereais e semelhantes em veículos carregados em excesso ou não apropriados para tal fim. Aquele que incorrer nessa infração, pagará a multa de Cr$ 50,00, cobrados em dobro na reincidência.

Art. 26º - Não serão permitidos montes de lenha ou carvão na via pública, a todos cumprindo fazer direta descarga de transporte para o depósito interior, sob pena de multa de Cr$ 200,00 e o dobro na reincidência.

Art. 27º - Revogam-se as disposições em contrário.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS, EM 25 DE AGOSTO DE 1949. JOAQUIM DUVAL

(5)

Imagem

Referências

temas relacionados :