REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Integração no Contrato Individual de Trabalho

Texto

(1)

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I

Da Integração no Contrato Individual de Trabalho

Art. 1º: O presente Regulamento integra o contrato individual de trabalho. A ação reguladora nele contida estende-se a todos os Empregados, sem distinção hierárquica, e supre os princípios gerais de direitos e deveres contidos na Consolidação das Leis do Trabalho.

§ún.: A obrigatoriedade de seu cumprimento permanece por todo o tempo de duração do Contrato de Trabalho, não sendo permitido, a ninguém, alegar seu desconhecimento.

CAPÍTULO II Da Admissão

Art. 2º: A admissão de Empregado condiciona-se a exames de seleção técnica e médica, e mediante apresentação dos documentos exigidos, em prazo fixado.

Art. 3º: A admissão por prazo indeterminado só é efetiva após período experimental de 45 a 90 dias.

Art. 4º: É expressamente proibida a admissão de cônjuge e parentes.

CAPÍTULO III

Dos Deveres, Obrigações e Responsabilidades do Empregado

Art. 5º: Todo Empregado deve:

I. Cumprir os compromissos expressamente assumidos no contrato individual de trabalho, com zelo, atenção e competência profissional;

II. Obedecer às ordens e instruções emanadas de superiores hierárquicos; III. Sugerir medidas para maior eficiência do serviço;

(2)

V. Zelar pela ordem e asseio no local de trabalho;

VI. Zelar pela boa conservação das instalações, equipamentos e máquinas, comunicando as anormalidades notadas;

VII. Manter na vida privada e profissional conduta compatível com a dignidade do cargo ocupado e com a reputação do quadro de pessoal da Empresa;

VIII. Usar uniforme e equipamentos de segurança do trabalho (óculos, calçados, máscaras, avental, luvas etc.), que são fornecidos gratuitamente pela Empresa;

IX. Usar os meios de identificação pessoal estabelecidos;

X. Prestar toda colaboração à Empresa e aos colegas, cultivando o espírito de comunhão e mútua fidelidade na realização do serviço em prol dos objetivos Empresariais;

XI. Informar ao Departamento de Recursos Humanos qualquer modificação em seus dados pessoais, tais como: estado civil, compromisso militar, aumento ou redução de pessoas na família, eventual mudança de residência, etc.;

XII. Exibir, quando solicitado, os volumes ou pacotes portados;

XIII. Respeitar a honra, a boa fama e integridade física de todas as pessoas com quem mantiver contato relacionado ao seu emprego;

XIV. Responder por prejuízos causados à Empresa, quer por dolo ou culpa (negligência, imperícia ou imprudência), caracterizando-se a responsabilidade por: a) sonegação de valores e objetos confiados;

b) danos e avarias em materiais sob sua guarda ou sujeitos à sua fiscalização; e c) erro doloso de cálculo contra a Empresa.

§1º: A responsabilidade administrativa não exime o Empregado da responsabilidade civil ou criminal cabível.

§2º: As indenizações e reposições por prejuízo causado serão descontados dos salários.

(3)

CAPÍTULO IV Do Horário de Trabalho

Art. 6º: O horário de trabalho estabelecido deve ser cumprido rigorosamente por todos os Empregados, podendo, entretanto, ser alterado conforme necessidade de serviço.

§ún.: O horário básico da Empresa é de 44 (quarenta e quatro) horas semanais. Art. 7º: Os Empregados deverão estar nos respectivos lugares à hora inicial do trabalho, não sendo permitidos atrasos, exceto se as justificativas apresentadas estiverem em consonância com as normas internas da Empresa (Vide Cap. V, arts. 9º e 10º, e §§1º e 2º).

Art. 8º: Os trabalhos extraordinários deverão ser previamente autorizados por escrito pelo superior hierárquico, sendo pagos de acordo com o estabelecido em lei.

CAPÍTULO V Do Cartão de Ponto

Art. 9º: A entrada e saída observam o horário designado.

Art. 10º: O expediente é rigorosamente observado, cabendo ao Empregado, pessoalmente, marcar o cartão de ponto, no início e término da jornada, bem assim os intervalos para refeição e repouso.

§1º: É expressamente proibido marcar o cartão de ponto para a qualquer colega de trabalho, sujeitando o infrator às medidas administrativas cabíveis.

§2º: Os eventuais enganos na marcação de ponto deverão ser comunicados imediatamente ao Departamento de Recursos Humanos.

§3º: A tolerância máxima para marcação do cartão de ponto é de 5 (cinco) minutos, no que antecede o horário normal de entrada e saída ao serviço.

Art. 11: Todos os Empregados, obrigatoriamente, marcam o cartão de ponto, excetuados os gerentes, os encarregados e demais funcionários designados pela Empresa.

(4)

CAPÍTULO VI Das Ausências e Atrasos

Art. 12: O Empregado que atrasar ao serviço, sair antes do término da jornada ou faltar por qualquer motivo, deverá justificar, na primeira oportunidade, o fato ao superior hierárquico, preferencialmente por escrito.

§1º: A Empresa tolera atrasos ao início da jornada, de 15 (quinze) minutos semanais. §2º: Excedida esta tolerância, a entrada ao trabalho se condiciona à autorização da respectiva chefia.

§3º: À Empresa cabe descontar os períodos relativos a atrasos, saídas antecipadas, faltas ao serviço e consequente repouso semanal, excetuadas as faltas e ausências legais.

§4º: As faltas indevidas e aquelas não justificadas perante a correspondente chefia acarretarão a aplicação das penalidades prevista no Capítulo XIII.

§5º: As faltas com esteio em atestados médicos somente serão aceitas caso este documento seja apresentado ao superior hierárquico ou ao Departamento de Recursos Humanos em até 72 (setenta e duas) horas contados do evento.

CAPÍTULO VII Do Pagamento

Art. 13: A Empresa paga os salários no 5º (quinto) dia útil de cada mês.

Art. 14: Ao critério da Empresa os salários poderão ser pagos em dinheiro, cheque, ou depositado em conta corrente ou conta salário do Empregado.

Art. 15: Eventuais erros ou diferenças deverão ser comunicados ao Departamento de Recursos Humanos no primeiro dia útil após o correspondente pagamento. Art. 16: Os adiantamentos de salários são concedidos na base de 40% (quarenta por cento) do salário mensal.

(5)

CAPÍTULO VIII Das Férias

Art. 17: As férias serão gozadas, anualmente, em período a ser fixado segundo a conveniência da Empresa, ressalvadas as exceções legais.

CAPÍTULO IX Das Licenças

Art. 18: A Empresa concederá ao Empregado, além das legalmente previstas, licença de:

I. Até 3 (três) dias consecutivos em virtude de casamento;

II. Até 2 (dois) dias consecutivos em virtude de falecimento de cônjuge, ascendente, descendente, irmão ou dependente declarado na CTPS; e

III. até 5 (cinco) dias consecutivos no caso de nascimento de filho – licença paternidade.

§1º: O Empregado deverá comunicar ao Departamento de Recursos Humanos com antecedência mínima de 8 (oito) dias, por escrito, a contração de núpcias.

§2º: Em caso de morte e nascimento de filho, salvo absoluta impossibilidade, o Empregado comunicará o evento ao Departamento de Recursos Humanos no respectivo dia.

§3º: Em qualquer caso, exige-se comprovação mediante prova documental.

CAPÍTULO X Dos Benefícios

Art. 19: A Empresa poderá oferecer as seguintes vantagens, dependendo do cargo funcional do Empregado e demais condicionantes pessoais e temporais:

(6)

III. Reuniões de grupo;

IV. Palestras de aperfeiçoamento profissional e pessoal, inclusive motivacionais; V. Cursos de especialização profissional; e,

VI. Auxílio financeiro, por empréstimos diretos, em casos de comprovada necessidade e de acordo com a disponibilidade de caixa da Empresa.

CAPÍTULO XI Das Proibições

Art. 20: É expressamente proibido, sujeitando o Empregado infrator às penalidades legais, insertas, inclusive, do Capítulo XIII deste Regulamento Interno:

I. Ingressar ou permanecer em setores estranhos ao serviço, salvo por ordem expressa;

II. Ocupar-se de qualquer atividade que possa prejudicar os interesses do serviço; III. Promover algazarras, brincadeiras e discussões durante a jornada de trabalho; IV. Usar palavras de baixo calão ou gestos impróprios à moralidade e respeito, nas dependências da Empresa;

V. Fumar em locais proibidos;

VI. Retirar do local de trabalho, sem prévia autorização, qualquer equipamento, objeto ou documento;

VII. Fazer parte de empresas ou iniciativas que concorram com quaisquer atividades da Empresa;

VIII. Propagar ou incitar a insubordinação ao trabalho;

IX. Usar cartão de visita profissional não autorizado pela Empresa;

X. Introduzir pessoas estranhas ao serviço, em qualquer dependência da Empresa, sem prévia autorização;

(7)

XII. Veicular material promocional sem o conhecimento da Diretoria da Empresa; XIII. Utilizar-se, para fins pessoais, dos programas (softwares) instalados nos equipamentos (hardwares) de propriedade da Empresa, ficando consignado que esta poderá verificar, a qualquer tempo e sem prévio aviso, todo e qualquer conteúdo dos arquivos gravados nos equipamentos (hardwares) de sua propriedade, ou trafegados por sua rede e servidores internos ou externos, inclusive e-mails e redes sociais das mais diversas, sem que isso configure invasão de privacidade ou intimidade, ou mesmo quebra de sigilo de correspondência e dados dos seus Empregados; e,

XIV. Utilizar-se, para fins pessoais, dos meios de telecomunicação disponibilizados pela Empresa ao desenvolvimento das atividades profissionais de seus Empregados, tais como aparelhos de fac simile, telefones e celulares, rádios comunicadores e sistema de postagens, ficando consignado que a Empresa poderá verificar o conteúdo das correspondências, ou mesmo gravar o áudio e/ou vídeo das telecomunicações, a qualquer tempo e sem prévio aviso, e sem que isso configure invasão de privacidade ou intimidade, ou mesmo quebra de sigilo de correspondência e dados dos seus Empregados.

CAPÍTULO XII Das Relações Humanas

Art. 21: Todos os Empregados, sem distinção, devem colaborar de forma eficaz à realização dos fins da Empresa.

Art. 22: Harmonia, cordialidade, respeito e espírito de compreensão devem predominar nos contatos estabelecidos, independentemente de posição hierárquica. Art. 23: O sentido de equipe deve predominar na execução de tarefas à realização dos objetivos da Empresa.

Art. 24: A diretoria da Empresa, via Departamento de Recursos Humanos, procurará, sempre que solicitada e julgar conveniente, colaborar na solução de problemas e questões de ordem pessoal, familiar e moral dos Empregados, com respeito e absoluto sigilo.

Art. 25: A Empresa adota nas relações com os Empregados os seguintes princípios, dentre outros:

(8)

II. Reconhecer o mérito do Empregado e premiá-lo condignamente, sendo que as promoções se regulam segundo a capacidade, iniciativa, frequência, encargos de família e tempo de serviço (quanto melhor o conceito do Empregado, tanto maior a possibilidade de promoção).

CAPÍTULO XIII Penalidades

Art. 26: Aos Empregados transgressores das normas deste Regulamento, aplicam-se as penalidades seguintes:

I. Advertência verbal; II. Advertência escrita; III. Suspensão; e,

IV. Demissão por Justa Causa.

Art. 27: As penalidades serão aplicadas segundo a gravidade da transgressão e/ou reincidência.

Art. 28: As respectivas chefias, caso necessário, poderão elaborar relatório escrito e circunstanciado, relacionados aos casos de demissão por justa causa.

CAPÍTULO XIV Das Disposições Gerais

Art. 29: Ao Empregado é garantido o direito de formular sugestões ou reclamações acerca de qualquer assunto pertinente ao serviço e às atividades da Empresa.

Art. 30: As sugestões, queixas ou reclamações deverão ser enviadas à apreciação pela diretoria, via caixa de sugestões localizada ao lado do relógio de ponto, na oficina mecânica.

Art. 31: As sugestões adotadas premiam o autor, a critério da Administração da Empresa.

(9)

Art. 32: Os Empregados devem observar o presente Regulamento, circulares, avisos, comunicados internos e outras instruções expedidas pela direção da Empresa.

Art. 33: Cada Empregado receberá um exemplar do presente Regulamento, declarando por escrito, tê-lo recebido, lido e estar de acordo com todos os seus preceitos.

Art. 34: Os casos omissos ou não previstos serão resolvidos pela Empresa, à luz da CLT – Consolidação das Leis do Trabalho e dos acordos coletivos das Categorias dos Empregados.

Art. 35: O presente Regulamento pode ser substituído por outro, sempre que a Empresa julgar conveniente, ou em consequência de alteração na legislação social.

Pindamonhangaba, ** de ** de ****.

Gerson Britto Ataíde

Ciente:

*** ** **.

Imagem

Referências

temas relacionados : Contrato individual de trabalho