• Nenhum resultado encontrado

uni > CONSELHO DA UNIVERSIDADE DE CABO VERDE

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "uni > CONSELHO DA UNIVERSIDADE DE CABO VERDE"

Copied!
11
0
0

Texto

(1)

UN'''',,",SICAO'' •

uni

>

CONSELHO DA UNIVERSIDADE DE CABO VERDE

Deliberação N° 003/CONSU/2015

Assunto: Que aprova o Regulamento d(IS provas de Ingresso nos Cursos de Graduão disponibilizados pela Universidade de Cabo Verde no ano letivo 2015-2016

Tornando-se necessário estabelecer as normas de procedimento a que deve obedecer a organização das provas de ingresso nos cursos de Graduação da Universidade de Cabo Verde no ano letivo de 2015-/2016, o Conselho da Universidade delibera o seguinte:

1. É aprovado o Regulamento anexo ao presente despacho, de que faz parte integrante e abaixo assinado pela Reitora.

2. O presente despacho entra em vigor imediatamente, conjuntamente com o regulamento que o integra.

Gabinete da Reitora da Universidade de Cabo Verde Praia, aos 08 dias de junho de dois mil e quinze.

(2)

2016

UNIY~:'IDAoe •

uni

CONSELHO DA UNIVERSIDADE DE CABO VERDE

Regulamento das provas de Ingresso nos Cursos de Graduação disponibilizados pela Universidade de Cabo Verde no ano letivo 2015­

Artigo 10

(Objeto)

o

presente regulamento estabelece as normas de procedimento a que deve obedecer a organização das provas de avaliação da capacidade e dos conhecimentos para a frequência dos cursos de Graduação oferecidos pela Universidade de Cabo Verde (Uni-CV), no ano letivo 2015-2016.

Artigo 20

(Finalidad )

As provas de ingresso aqui referidas, adiante designadas provas, visam a .

seriação dos candidatos à frequência de um curso de Graduação com base nos critérios definidos no artigo deste regulamento.

Artigo 3°

(Natureza e princípios)

1. As provas de ingresso para a frequência dos cursos de Graduação no ano letivo 2015-2016 têm a natureza de provas de conhecimento, nos termos previstos no artigo 120

dos Estatutos da Uni-CV, sendo esses conhecimentos aferidos em conformidade com os programas curriculares em vigor no 3o Cicio do Ensino Secundário.

2. As provas destinam-se a avaliar os conhecimentos e capacidades dos candidatos el11 áreas científica .diretamente relevantes para o ingresso nos cursos de Graduação.

3. As provas têrn caráter nacional e são aces íveis a qualquer candidata/o

que tenha concluído o en ino secundário ou que tenha habilitação equivalente.

(3)

UNIVER51D...Or;.

uni

CONSELHO DA UNIVERSIDADE DE CABO VERDE

4. A prestação de provas é obrigatória para os candidatos que pretendem

ingressar no I ° Ano dos cursos de Graduação da Uni-CV, excetuando os

candidatos habilitados com os cursos de estudos superiores

profissionalizantes (CESP).

5. Para os candidatos titulares dos CESP, o ingresso nos cursos de

Graduação na Uni-CV rege-se pelo regulamento estabelecido pela

Deliberação N° O16-CONSU/2012, de 30 de julho, sem prejuízo para a

aplicação de normas complementares especificas que vierem a ser

definidas pelo órgão próprio.

6. As provas podem ainda ter caráter especial, nos termos da alínea b) do

número I do artigo 15° do Decreto-Lei N° 22/2012, 07 de agosto, podendo

ser aplicadas aos candidatos com idade superior a 25 anos que, não tendo

a habilitação referida no nÚlTlerO 3, requeiram a verificação das suas

capacidades e competências para o ingresso no curso pretendido.

7. O processo de candidatura e as provas especiais para os candidatos

referidos no número anterior regem-se pelo regulamento próprio,

aprovado pela Deliberação N° 015-CONSU/2012, de 30 de julho, sem

prejuízo para a aplicação de normas complementares que vierem a ser definidas pelo órgão próprio.

8. Para os cursos de Educação Física e de Mestrado Integrado em

Medicina, as condições especificas de admissão dos candidatos são

estabelecidos em regulamento próprio, sem prejuízo para a aplicação das

normas gerais relativas às inscrições e às provas de ingresso estabelecidas no presente regulamento.

Artigo 4°

(Organização das provas)

I. A organização das provas é da competência da Uni-CV, através de uma

comissão de coordenação das provas, adiante designada Comissão de

Coordenação Central.

2. Tendo em vista a garantia das condições necessanas para o seu

funcionamento, a Comissão de oordenação Central é coadjuvada por

(4)

UNIYfJ:r.~'PAOII! •

uni

CONSELHO DA UNIVERSIDADE DE CABO VERDE

Subcomissões de Coordenação Local e ambas são assistidas superiormente por uma Comissão de Supervisão Geral.

3. A missão e a composição de cada uma das COlnlssoes referidas no número anterior são definidas em documento próprio, por despacho reitoral.

4. As provas são organizadas de acordo com o calendário em conformidade com o disposto no presente regulamento.

5. Compete à Comissão de Coordenação Central estabelecer o plano geral de organização das provas de ingresso e proceder à sua ampla divulgação. 6. A Comissão de Coordenação Central, após análise da demanda potencial dos cursos e das condições existentes, define os centros de realização das provas, que devem ser divulgados em conformidade com o plano de publicidade previsto.

Artigo 5°

(Composição das provas) As componentes das provas são as seguintes:

a) Os objetivos a serem avaliados, definidos em consonância com os do 3° Ciclo do Ensino Secundário,'

b) As orientações para a realização da prova, as quais explicitam os procedimentos a serem observados no ato de realização da prova,'

c) O enunciado da prova contendo as diferentes questões de aferição de conhecimentos e, eventualmente, as instruções especificas que a equipa de elaboração da prova julgar serem indispensáveis para a realização da prova,'

d) A grelha de correção contendo propostas e/ou cenários de respostas,' e) A grelha de classificação das respostas, com recurso à escala de Oa 20 valores, até às centésimas.

(5)

U,...lv ... SI04rrt.CO..

uni

CONSELHO DA UNIVERSIDADE DE CABO VERDE

(Equipas de laboração das provas)

1. As provas são elaboradas por equipas compostas por até três docentes do ensino superior da respetiva área científica, designados pela Comissão de Coordenação Central, ouvidos os Conselhos Diretivos das Unidades Orgânicas.

2. As equipas de elaboração das provas a que se refere o número anterior poderão integrar docentes do ensino secundário com perfis académicos adequados e com experiência relevante neste subsistema.

3. Os docentes referidos no número anterior são designados pela Reitora,

sob proposta da Comissão de Coordenação Central, ouvidos os Conselhos Diretivos das Unidades Orgânicas.

4. A cada equipa, cabe a elaboração de duas provas da área científica respetiva a serem aplicadas nas primeira e segunda épocas das provas de ingresso nos cursos de Graduação.

(Divulgação)

A lista das disciplinas abrangidas pelas provas, os objetivos das mesmas, a ficha de inscrição e, sendo possível, uma ou mais provas realizadas em anos anteriores, constituem o dossier a ser divulgado, para conhecimento dos interessados, segundo um plano de publicidade estabelecido.

Artigo 8°

(Inscrição)

1. No ato da inscrição, a/o candidata/o escolhe, em formulário próprio, a(s) prova(s) da(s) disciplina(s) indicada(s) como relevante(s) para o

ingresso no(s) curso(s) a que pretende candidatar-se, num máximo de três cursos, que deve indicar por ordem de preferência, tendo em conta a lista de cursos publicada no site da Uni-C V

(6)

UN1VERsID .... oe

uni

CONSELHO DA UNIVERSIDADE DE CABO VERDE

2.

o

formulário a que se refere o número anterior será disponibilizado no site da Uni-CV, pelos Serviços Académicos e demais estruturas de inscrição.

3. Para efeitos de inscrição da/o candidata/o, o formulário deve ser adequadamente preenchido e acompanhado dos seguintes documentos: a) Fotocópia de bilhete de identidade;

b) Original e cópia! do certificado de conclusão do ciclo do ensino secundário com classificação final e, quando necessário, da respetiva equivalência;

c) Original e cópia! do histórico escolar do ciclo do ensino secundário (J ]O e 12°);

d) Original do Comprovativo do pagamento da taxa de inscrição, conforme a tabela de taxas e emolumentos em vigor na Uni-C V (Deliberação N° 009/CONSU/2014, de 7 de agosto):

i) candidatos habilitados com o 12° Ano ou equivalente -o valor da taxa é de 1. 500$00 (mil e quinhentos escudos) por curso, com redução para 2.500$00 (dois mil e quinhentos escudos) se forem dois cursos, ou para 3.000$00 (três mil escudos) se forem três cursos;

ii) candidatos habilitados com curso CESP - 3.000$00 (três mil escudos);

iii) candidatos maiores de 25 anos, que requeiram a verificação das suas capacidades e competências para o ingresso no ensino superior -10. 000$00.

4. Os documentos referidos nas alíneas b) e c) do número anterior podem ser entregues posteriormente à data da inscrição, no prazo previsto no calendário.

5. A inscrição, que decorrerá no período definido no edital de concurso para o ingresso nos cursos de graduação para o ano letivo 2015/2016, é

Os originais dos documentos scrão devolvidos após autenticação das respetivas cópias no ato da

inscrição.

(7)

uni

CONSELHO DA UNIVERSIDADE DE CABO VERDE

efetuada de forma presencial, nos seguintes locais, sem prejuízo para outras formas de candidatura definidas no presente regulamento:

a) Praia: - no Campus do Palmarejo;

b) S. Vicente: no campus da Ribeira de Julião (DECM) e no Liceu Velho­ Mindelo (DCSH e ENG);

c) Outros Concelhos: nas Delegações do Ministério da Educação e Desportos ou nas Escolas Secundárias.

6. A inscrição pode ainda ser efetuada através das seguintes vias:

a) Por correspondência postal registada, com aviso de receção, fazendo fé sobre a data de expedição a constar do carimbo da estação de Correios de abo Verde, endereçada aos Serviços Académicos da Universidade de Cabo Verde, contendo, no interior do envelope, os documentos referidos no nO 3, e, no exterior do envelope, o nome e o endereço postal do remetente; b) Por correio eletrónico, através do endereço candidatura2015@adm.unicv.edu.cv, com anexação de todos os documentos previstos no número 3 do presente artigo, devendo os documentos estar no formato indicado na área de inscrição.

7. A inscrição só se torna efetiva mediante a comprovação do recebimento do formulário, devidamente preenchido, e dos demais documentos exigidos.

8. A lista dos candidatos inscritos é publicada no sUe da Uni-CV, no prazo que consta do calendário das provas.

Artigo 9°

(Realização e supervisão das provas)

1. As provas de uma mesma disciplina são efetuadas à mesma hora em todos os centros de realização das mesmas.

(8)

!,.JNIVERSIO-",OE

uni

CONSELHO DA UNIVERSIDADE DE CABO VERDE

2. Cabe à Comissão de Coordenação Central estabelecer e divulgar, com a antecedência necessária, o calendário, o plano de vigilância e de supervisão das provas, designando as respetivas equipas.

3. Compõem as equipas de vigilância das provas dois docentes da Uni-C V ou, em alternativa, dois docentes do ensino secundário que atuam sob a supervisão de um ou mais docentes da Uni-CV

4. Integram as equipas de supervisão, os membros das equipas de elaboração das provas ou docentes das respetivas áreas cientificas.

5. A Comissão de Coordenação Central, consoante os casos, nomeará um júri constituido por dois a três docentes da área cientifica, para a realização de provas especificas aos candidatos referidos no número 6 do artO

3o do presente regulamento ou aos candidatos que tenham

necessidades especiais devidamente comprovadas.

6. As equipas de vigilância e de supervisão deverão encontrar-se no local de realização das provas até 30 minutos antes do inicio da prova, para recolher todas as informações necessárias, verificar as condições existentes e tomar as providências que para o efeito se tornarem necessárias.

7. Os candidatos à prestação das provas devem apresentar-se 20 minutos antes da realização da mesma, munidos dos respetivos documentos de identificação (bilhete de identidade ou passaporte).

8. No ato de realização da prova, as equipas de vigilância devem estar na posse do número de inscritos na disciplina e da lista nominal dos candidatos por sala, devendo a identidade de cada candidato ser verificada mediante o respetivo documento de identificação.

9. A lista nominal dos candidatos deve ser devidamente assinada pelos mesmos e pelos elementos da equipa de vigilância.

10. No inicio do ato de realização das provas os candidatos devem preencher corretamente todos os campos indicados nas respetivas folhas.

11. Todas as folhas de realização das provas preenchidas devem ser entregues, mesmo em caso de desistência.

(9)

UfolIVt:.ASIP...OE

uni

CONSELHO DA UNIVERSIDADE DE CABO VERDE

Artigo 10°

(Correção e classificação das provas)

1. A Comissão de Coordenação Central nomeia as equipas de correção das provas distribuindo-as por dois centros, um na Praia e outro no Mindelo.

2. A organização interna e o modo de funcionamento das equipas de correção são da competência destas.

3. A classificação das provas é atribuída na escala numérica de Oa 20, até às casas centesimais.

4. Para os candidatos referidos no número 3 do ArtO

3~ os resultados das provas são válidos apenas para o ano letivo 2015-16, enquanto para os candidatos referidos no n° 6 do referido artigo, o certificado que for conferido é válido durante três anos, nos termos do número 4° do ArtO

da Deliberação N° 015-CONSU/2012, de 30 de julho.

Artigo 11 0

(Seriação e Seleção)

1. Para os candidatos referidos no número 3 do ArtO

3° do presente regulamento, a nota de candidatura a p artir da qual é feita a seriação resulta da conjugação dos seguintes elementos:

a) Média da classificação final no ciclo do Ensino Secundário; b) Classificação na prova de seleção (Prova de Ingresso);

2. A fórmula para o cálculo da nota de candidatura é a seguinte:

Média do ciclo (25%) + média das disciplinas Ilucleares do ciclo (25%) + classificação na

prova de ingresso (50%)} 100

(10)

UNIVERSIDADE

un

CONSELHO DA UNIVERSIDADE DE CABO VERDE

3. Os candidatos que realizarem as provas nacionais nas disciplinas

previstas pelo MESCI, poderão ficar dispensados das provas de ingresso nas disciplinas correspondentes, mediante solicitação, em formulário próprio, de isenção e autorização à Uni-C V para ter acesso à nota da prova nacional, devendo o candidato ficar ciente de que a nota obtida na prova nacional terá influência na pontuação da candidatura ao ingresso no curso pretendido.

4. A dispensa da prova de ingresso fica dependente da possibilidade de a classificação da prova nacional ser passível de ponderação na fórmula de cálculo da nota de candidatura.

5. Para os candidatos aos cursos de Educação Física e de Mestrado Integrado em Medicina os critérios de seriação e de seleção são estabelecidos em regulamento próprio.

6. Para os candidatos referidos no número 6 do artOdo presente regulamento, a nota de candidatura corresponde à nota obtida nos termos do regulamento especifico (artO da Deliberação N° 015-CONSU/2012), sem prejuízo para a ponderação de outros elementos de avaliação, em caso de empate entre dois ou mais candidatos da mesma categoria.

Artigo 12°

(Publicação dos resultados)

Cabe aos Serviços Académicos da Uni-CVa publicação dos resultados da seleção com respeito estrito ao calendário publicado.

Artigo 13° (Prazo de reclamação)

1. Alo candidata/o pode reclamar, por escrito, junto dos Serviços Académicos da Uni-CV, da classificação obtida na(s) prova(s), até 48 horas após a publicação dos resultados, mediante o pagamento de uma taxa de 3.000$00 (três mil escudos), por cada prova.

(11)

~

~ina do }l

UNtVER5!DADf:

uni

CONSELHO DA UNIVERSIDADE DE CABO VERDE

2. A taxa a que se refere o número anterior será reembolsada à/ao candidata/o, caso a reclamação tiver despacho favorável do órgão competente.

Artigo 14°

(Segunda época)

I. Caso se mostrar conveniente, a Reitora poderá determinar a organização de uma segunda época de provas de ingresso nos cursos a que se refere o presente regulamento.

2. As provas realizadas ao abrigo do número anterior obedecerão ao disposto no presente regulamento, com as necessárias adaptações, e a um calendário especifico, a ser aprovado pela Comissão de Coordenação Central.

Artigo 15°

(Dúvidas e casos omissos)

As dúvidas e os casos omissos suscitados no processo de organização e realização das provas são resolvidos pela Comissão de Coordenação Central, com recurso para a Reitora.

Conselho da Universidade de Cabo Verde, aos 08 dias do mês de junho de

2015.

/Judite

80 V~__

Reitora aciu niCV

..

1 I

Referências

Documentos relacionados

Foram analisados a relação peso-comprimento e o fator de condição de Brycon opalinus, em três rios do Parque Estadual da Serra do Mar-Núcleo Santa Virgínia, Estado de São

O objetivo do curso foi oportunizar aos participantes, um contato direto com as plantas nativas do Cerrado para identificação de espécies com potencial

O valor da reputação dos pseudônimos é igual a 0,8 devido aos fal- sos positivos do mecanismo auxiliar, que acabam por fazer com que a reputação mesmo dos usuários que enviam

Esta pesquisa discorre de uma situação pontual recorrente de um processo produtivo, onde se verifica as técnicas padronizadas e estudo dos indicadores em uma observação sistêmica

No código abaixo, foi atribuída a string “power” à variável do tipo string my_probe, que será usada como sonda para busca na string atribuída à variável my_string.. O

de lôbo-guará (Chrysocyon brachyurus), a partir do cérebro e da glândula submaxilar em face das ino- culações em camundongos, cobaios e coelho e, também, pela presença

• The definition of the concept of the project’s area of indirect influence should consider the area affected by changes in economic, social and environmental dynamics induced

5 “A Teoria Pura do Direito é uma teoria do Direito positivo – do Direito positivo em geral, não de uma ordem jurídica especial” (KELSEN, Teoria pura do direito, p..