Gabarito Comentado. As afirmativas II e IV são adequadas, em total acordo com a norma legal e a doutrina, a saber:

Texto

(1)

Disciplina:

Direito Previdenciário

Modelo de Prova:

INTERATIVAS

Tipo de Prova:

B2

Versão da Prova:

2

Código da Prova:

9320

Questão Respostacorreta Gabarito Comentado

1 B

Comentário: A alternativa correta é a alternativa B, uma vez que o artigo 194 da CF aduz que “a seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social”.

A alternativa A está incorreta, pois antes da Lei Eloy Chaves ja existiam legislações anteriores que abordavam o assunto.

A alternativa C está incorreta, pois antes a Previdência Social é a única que possui o caráter contributivo, conforme apontado no artigo 201 da CF.

A alternativa D está incorreta, pois de acordo com o artigo 196 da CF, a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.

A alternativa E está incorreta, pois de acordo com o artigo 201 da CF, a previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial.

2 E

O enunciado pede o julgamento e indicação da alternativa que contém afirmativas corretas, de acordo com o texto constitucional e o excerto doutrinário citados.

As afirmativas II e IV são adequadas, em total acordo com a norma legal e a doutrina, a saber:

CAPÍTULO II - DA SEGURIDADE SOCIAL - Seção I - DISPOSIÇÕES GERAIS:

Art. 194. A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à

assistência social.

(BRASIL. Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de outubro de 1988. Disponível em:

<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>).

"A seguridade social pode ser conceituada como a rede protetiva

(2)

formada pelo Estado e por particulares, com contribuições de todos, incluindo parte dos beneficiários dos direitos, no sentido de

estabelecer ações para o sustento de pessoas carentes, trabalhadores em geral e seus dependentes, providenciando a manutenção de um padrão mínimo de vida digna" (IBRAHIM, Fábio Zambitte. Curso de direito previdenciário. 19ª ed. Niterói: Impetus, 2014, pág. 5.)

As afirmativas I e III não são corretas porque não correspondem à classificação de gênero e espécie feita pela legislação constitucional.

3 A

Comentário: A alternativa correta é a alternativa A, pois salário de benefício é a base de cálculo da renda mensal inicial que define o valor final dos benefícios, sendo que a renda mensal inicial é sempre um percentual do salário de benefício.

A alternativa B está incorreta, pois de acordo com o artigo 29, I, da Lei nº 8.213/91 “para os benefícios de que tratam as alíneas b e c do inciso I do art. 18, na média aritmética simples dos maiores salários- de-contribuição correspondentes a oitenta por cento de todo o período contributivo, multiplicada pelo fator previdenciário”, ou seja, aposentadoria por idade e aposentadoria por tempo de contribuição.

A alternativa C está incorreta, pois de acordo com o artigo 29, II, da Lei nº 8.213/91 “para os benefícios de que tratam as alíneas a, d, e e h do inciso I do art. 18, na média aritmética simples dos maiores

salários-de-contribuição correspondentes a oitenta por cento de todo o período contributivo”, ou seja, aposentadoria por invalidez,

aposentadoria especial, auxílio-doença e auxílio-acidente.

A alternativa D está incorreta, pois de acordo com o artigo 29, § 2º, da Lei nº 8.213/91 “o valor do salário-de-benefício não será inferior ao de um salário mínimo, nem superior ao do limite máximo do salário-de- contribuição na data de início do benefício”.

A alternativa E está incorreta, pois de acordo com o artigo 29, § 3º, da Lei nº 8.213/91 “serão considerados para cálculo do salário-de- benefício os ganhos habituais do segurado empregado, a qualquer título, sob forma de moeda corrente ou de utilidades, sobre os quais tenha incidido contribuições previdenciárias, exceto o décimo- terceiro salário (gratificação natalina)”.

4 E

4. Aposentadoria por idade

A aposentadoria por idade será devida ao segurado que completar 65 (sessenta e cinco) anos de idade, se homem, e 60 (sessenta), se mulher (Lei nº 8.213/91, art. 48). Para tanto, deverá cumprir o período de carência exigido pelo artigo 25, inciso II da Lei nº 8.213/91, que é de 180 (cento e oitenta) contribuições mensais.

Para trabalhadores rurais, há normas e prazos específicos estabelecidos nos §§ 1º a 4º do artigo 48 da Lei nº 8.213/91.

O benefício será devido ao segurado empregado, inclusive o doméstico, a partir: a) da data do desligamento do emprego, quando requerida até essa data ou até 90 (noventa) dias depois dela; ou b) da data do requerimento, quando não houver desligamento do emprego ou quando for requerida após o referido prazo (art. 49, I). Para os demais segurados será devido a partir da data da entrada do requerimento (art. 49, II).

Quanto a valor, consistirá numa renda mensal de 70% (setenta por cento) do salário-de-benefício, mais 1% (um por cento) deste a cada grupo de 12 (doze) contribuições, não podendo ultrapassar 100% (cem por cento) do salário-de-benefício (art. 50).

Finalmente, a aposentadoria por idade pode ser compulsória. É o que dispõe o artigo 51 da Lei nº 8.213/91, segundo o qual:

(3)

“A aposentadoria por idade pode ser requerida pela empresa, desde que o segurado empregado tenha cumprido o período de carência e completado 70 (setenta) anos de idade, se do sexo masculino, ou 65 (sessenta e cinco) anos, se do sexo feminino, sendo compulsória, caso em que será garantida ao empregado a indenização prevista na legislação trabalhista, considerada como data da rescisão do contrato de trabalho a imediatamente anterior à do início da aposentadoria”.

5 E

O valor do benefício garantido constitucionalmente por morte do segurado, ou seja, a pensão por morte será de 100% (cem por cento) do valor da aposentadoria que o segurado recebia ou daquela que teria direito como aposentado por invalidez na data do seu

falecimento, conforme institui o artigo 75 da Lei 8.213/91.

6 B

As afirmativas I, II, IV e V estão corretas e disciplinam corretamente a matéria relacionada a doença do trabalho e somente a afirmativa III é que está incorreta, pois não é considerado doença do trabalho, a doença degenerativa, a doença inerente a grupo etário e a que doença endêmica adquirida por segurado habitante de região em que ela se desenvolva, salvo comprovação de que é resultante de

exposição ou contato direto determinado pela natureza do trabalho.

7 C

O enunciado pede a indicação da alternativa correta no que se refere ao percentual do salário-de-benefício que correspondem,

respectivamente, às rendas mensais iniciais do auxílio-doença, do auxílio-acidente e da aposentadoria por invalidez.

Esta alternativa está correta, os respectivos percentuais são 91%, 50% e 100%, nos exatos termos das normas dos artigos 61, 86, parágrafo primeiro e 44 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, quais sejam:

Art. 61. O auxílio-doença, inclusive o decorrente de acidente do trabalho, consistirá numa renda mensal correspondente a 91%

(noventa e um por cento) do salário-de-benefício, observado o disposto na Seção III, especialmente no art. 33 desta Lei (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995).

Art. 86 (...)

1º O auxílio-acidente mensal corresponderá a cinquenta por cento do salário-de-benefício e será devido, observado o disposto no § 5º, até a véspera do início de qualquer aposentadoria ou até a data do óbito do segurado (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 1997).

Art. 44. A aposentadoria por invalidez, inclusive a decorrente de acidente do trabalho, consistirá numa renda mensal correspondente a 100% (cem por cento) do salário-de-benefício, observado o disposto na Seção III, especialmente no art. 33 desta Lei (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995).

8 E

"Seguiu-se, então, a evolução da Seguridade Social, didaticamente dividida por SOUZA (2011, p. 2-3) em quatro fases:

1ª. Fase: Período de formação: proliferação das normas sobre previdência social nas diversas nações europeias, verificada até o Tratado de Versalhes (1911).

2ª. Fase: Período de expansão geográfica: compreendido entre o Tratado de Versalhes (1911) e o final da Segunda Guerra Mundial (1945), corresponde à fase de aperfeiçoamento dos sistemas europeus e difusão de seus princípios para os demais continentes.

3ª. Fase: Transformação da Previdência Social: iniciado após o final da Segunda Guerra Mundial, é o período do Welfare State ou Estado do Bem- estar Social, caracterizado por um Estado mais intervencionista, com a ampliação dos regimes de previdência para regimes mais amplos de seguridade social, em que se transfere ao Estado a responsabilidade global de custeio do sistema.

4ª. Fase: Reformulação da Seguridade Social: após o final da Guerra Fria, a globalização econômica e o aumento na expectativa de vida forçam o surgimento de um Estado menos intervencionista, com um papel mais

(4)

reduzido na economia e na Seguridade Social. O Welfare State dá lugar ao Estado Neoliberal, o que reflete na Seguridade Social, com a redução da participação do Estado no seu custeio, bem como a diminuição da exigência de encargos sociais junto às empresas, que precisam reduzir custos para terem maior competitividade no mercado internacional."

9 C

O salário-família é devido ao segurado empregado , mensalmente, independente de prazo de carência, exceto ao doméstico e ao

segurado trabalhador avulso, nos termos da Lei 8.213/91 (artigos 66 a 70).

O âmbito da seguridade social no Brasil, é compreendido em Previdência, Saúde e Assistência Social e está previsto na Constituição Federal de 1988.

10 A

Os princípios da saúde são:

- acesso universal e igualitário;

- provimento das ações e dos serviços por meio de rede regionalizada e hierarquizada, integrados em sistema único;

- descentralização, com direção única em cada esfera de governo;

- atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas (exemplo: vacinação);

- participação da comunidade na gestão, fiscalização e acompanhamento das ações e dos serviços da saúde;

- participação da iniciativa privada na assistência à saúde, obedecidos os preceitos constitucionais.

Portanto, as afirmativas II e IV são falsas, pois se admite a participação da comunidade na gestão, fiscalização e

acompanhamento das ações e dos serviços de saúde, assim como a Constituição Federal admite a participação da iniciativa privada na assitência à Saude.

(5)

Imagem

Referências

temas relacionados :