Antonio Celso Marques Dornelles 1 RESUMO

Texto

(1)

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E O DESIGN APLICADO PARA UM MELHOR APROVEITAMENTO DAS PEDRAS PRECIOSAS, COMO ESTRATÉGIA NA PRODUÇÃO DE JOIAS DIFERENCIADAS PARA O

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

Antonio Celso Marques Dornelles 1

RESUMO

Sendo o Rio Grande do Sul rico em minerais e contendo várias empresas direcionadas ao aproveitamento e exportação de pedras preciosas, foi realizada uma pesquisa para melhor entender a realidade de produção dos artefatos em pedras preciosas e saber que tipos de produtos são comercializados pelas indústrias.

Tomou-se como base a cidade de Soledade, por ser o maior polo de transformação destes minerais e verificou-se que a maioria destes produtos é exportada em estado bruto, isto é, em estado natural, bem como que os artefatos existentes são carentes de design e que se encontram no mercado há vários anos. Portanto, o objetivo deste trabalho é propor projetos de design com a aplicação da inovação tecnológica, com a finalidade de obter novidades no uso de cortes, formas e lapidações aplicados às pedras preciosas para a elaboração de joias diferenciadas. Estes novos artefatos serão o instrumento estratégico e de grande importância para as empresas na implantação da competitividade, conquista de mercados e reconhecimento dos seus produtos no âmbito nacional e internacional.

Palavras-chave: Inovação tecnológica. Design. Pedras preciosas. Joias. Rio Grande do Sul.

1 INTRODUÇÃO

Há muito tempo, verifica-se que a inovação tecnológica é um instrumento fundamental no processo produtivo para as empresas que querem ter seus produtos inovadores e diferenciados dos demais concorrentes.

De acordo com Gonçalves (1994), a tecnologia é muito mais que apenas equipamentos, máquinas e computadores. A organização funciona a partir da operação de dois sistemas que dependem um do outro de maneira variada. Existe um sistema técnico, formado pelas técnicas e ferramentas e utilizadas para realizar

1

Mestrando no Programa de Pós-graduação em Design Uniritter RS. dornellesdesigner@hotmail.com

(2)

cada tarefa. Existe, também, um sistema social com suas necessidades, expectativas e sentimentos sobre o trabalho. Os dois sistemas são simultaneamente otimizados quando os requisitos da tecnologia e as necessidades das pessoas são atendidos conjuntamente. Assim, é possível distinguir entre tecnologia (conhecimento) e sistema técnico (combinação especifica de máquinas e métodos empregados para obter um resultado desejado).

Conway e Waage (2010) definem a inovação como um processo pelo qual as invenções são produzidas, o que pode envolver juntar as novas idéias e tecnologias ou descobrir novas aplicações para tecnologias existentes. Inovação significa desenvolver novas formas de fazer as coisas, novos produtos ou apenas pequenas mudanças, como por exemplo, uma modificação em algum produto existente que facilite seu uso.

As empresas que se destacam e se posicionam, hoje, no mercado nacional e internacional fazem uso do design como ferramenta estratégica para ganhar mercado, posicionamento e sucesso. O design diferencia um produto não só pelo seu lado estético, mas tornando-o mais econômico, de melhor aceitação e maior valor agregado.

Para Bonsiepe (2012, p. 65):

O design industrial só pode contribuir para um processo de desenvolvimento Quando é valorizado e aceito como item de investimento. Onde não se investe em design industrial como fator de inovação tecnológica, não se verão efeitos multiplicadores que podem ser gerados pelo design industrial.

A inovação tecnológica entrou muito tarde na agenda dos empresários e representantes do governo. A atenção do empresário é absorvida por outros problemas corriqueiros, tais como taxa de juros, volume de mercado, taxa de câmbio, quotas de importação de outros países e regulamentação trabalhista.

Verifica-se que o design é o método essencial para um melhor

posicionamento das empresas em questão de inovação, gestão e marketing. Em

nosso país ainda se faz pouco uso do design como estratégia de inovação. No caso

das empresas de pedras preciosas de Soledade, é raro o uso dessa ferramenta que

é fundamental para agregar valor e conquistar mercado. Segundo revisão

bibliográfica realizada, o Brasil possui grandes reservas de pedras preciosas, e a

região Sul do Brasil tem várias cidades voltadas para o beneficiamento desses

produtos, conforme cita o Relatório Técnico do SEBRAE:

(3)

[...] O Brasil possui uma das maiores reservas de pedras preciosas em exploração, sendo que os estados do Rio Grande do Sul e Minas Gerais concentram o maior número de empresas voltado à comercialização e o beneficiamento. O setor das pedras preciosas no Rio Grande do Sul é tradicionalmente um exportador e cerca de 95% da produção é destinada aos mercados americano, europeu e asiático (SEBRAEXPORT, 2002, p. 3).

Segundo Branco M. Pércio (2011), o Rio Grande do Sul é responsável pela extração de três minerais importantes, que são: a ametista, de cor lilás, o citrino, de cor amarela e a ágata, de cor acinzentada. O autor comentaque existem outras gemas gaúchas, menos valiosas, que são o cristal-de-rocha (quartzo incolor), abundante, mas aproveitado apenas como peça de coleção ou decorativa; jaspe (verde ou vermelho); cornalina (alaranjada a vermelha) e ônix (preto). Há ainda variedades de sílica de formas e arranjos exóticos, conhecidas entre produtores e comerciantes por nomes populares: conchinha de ágata (ou medalha), pratinho, flor de ametista, geodinhos, pedra d’água etc. Por fim, merecem ser citadas a calcita e a selenita, que são produzidas comercialmente em no estado para decoração e coleções.

No Rio Grande do Sul destacam-se duas cidades com grande extração de minerais, que são: Salto do Jacuí, de extração de ágata, e Ametista do Sul, onde se localiza a maior extração da gema ametista. A cidade onde é realizado o beneficiamento de maior parcela desses minerais é Soledade, considerada a Capital das Pedras Preciosas, onde esses são transformados em objetos e joias. Seria de grande importância, portanto, uma pesquisa neste campo, para saber a realidade do uso das pedras preciosas dessa região obtendo, assim, mais dados para a pesquisa.

2 GEMAS DO RIO GRANDE DO SUL E TRABALHOS COM GEMAS

2.1 Citrino

Conforme Schumann (2006), o nome citrino é derivado de sua cor amarelo-

limão (do latim citrus). Os citrinos de cor amarelo intenso chamados de "citrinos

madeiras" são raros e, muitas vezes, são chamados erroneamente de topázio

(4)

devido à semelhança de sua cor. As jazidas mais importantes de citrino estão no Brasil, Madagascar, EUA, Espanha e Montes Urais (Rússia).

Figura 1 - Geodo de citrino e citrino lapidado Fonte: Fotos realizadas pelo autor.

2.2 Ametista

Segundo Schumann (2006) a ametista é a pedra mais apreciada da família dos quartzos. A sua cor é violeta púrpura podendo, também, ser encontrada com faixas brancas de quartzos leitosos. Essa pedra ocupou destaque importante em ornamentos católicos ao longo dos séculos, sendo, inclusive, considerada a pedra de Bispos e Cardeais. No século XVIII era muito valorizada e, após a descoberta de jazidas no Brasil, tornou-se uma pedra de médio valor. Quando as ametistas têm formato de pirâmides, a cor mais intensa predomina nas pontas dos cristais. A ametista é encontrada em muitos países, mas os maiores depósitos estão no Sul do Brasil e no Uruguai.

Figura 2 - Geodo de ametista, bico de ametista e brincos com ametista Fonte: Fotos realizadas pelo autor.

2.3 Ágata

Salienta Schumann (2006), que a ágata é um agregado de quartzo finamente fibroso, do grupo da calcedônia, com estrutura variada e camadas concêntricas.

Essas pedras são encontradas em várias cores, mas as cores naturais são

geralmente pálidas e cinzentas. Por meios artificiais, adquirem colorações com

(5)

tonalidades brilhantes. A ágata é uma variedade translúcida da calcedônia, pertencente ao grupo dos quartzos criptocristalinos. Apresentam bandas curvas ou irregulares de diferentes cores, tons ou transparências da mesma cor, tais como marrom, vermelho, branco, cinza e azul acinzentado.

Figura 3 - Ágata lapidada cabochão e geodo de àgata Fonte: Fotos realizadas pelo autor.

As cores muito vivas são quase sempre resultado do tratamento para realçar a cor natural. As cores e formas são tão variadas que uma coleção de pedras de ágata parece uma coleção de muitas pedras diferentes. Entretanto, quase a maioria das ágatas coloridas comercializadas, atualmente, é tingida artificialmente.

3 METODOLOGIA

O presente trabalho consiste em analisar os tipos de artefatos existentes no mercado de pedras preciosas de Soledade, principal polo de beneficiamento da Região Sul, chamada de Capital das Pedras Preciosas, localizada no estado do Rio Grande do Sul. Tem por finalidade conhecer a realidade da produção existente,se o design aplicado aos artefatos é adequado ao mercado e se existe preocupação com a inovação.

Para a elaboração de um trabalho desta natureza, é fundamental um método que sistematize seu desenvolvimento. Sendo assim, traz-se à reflexão a citação de Bezerra (2008, p. 48): “geralmente o processo de design tem início com uma fase de entendimento do contexto. É necessário identificar o problema real, a verdadeira questão em jogo. A maneira mais eficiente para fazer isso é através da pesquisa”.

Este conceito, portanto, enfatiza a importância da elaboração de metodologia

de desenvolvimento e da análise do problema através do referencial levantado pela

pesquisa.

(6)

Como primeira fase do processo, define-se o objeto de estudo. Neste caso, ele contém dois enfoques complementares. O primeiro é identificar os produtos em pedras preciosas desenvolvido pelas empresas de Soledade e os comercializados na Feira Internacional de Pedras Preciosas – EXPOSOL – realizada na mesma cidade anualmente.O segundo enfoque é de caráter projetual, que complementa os dados levantados na primeira parte do trabalho. Nesta seção, é importante definir o objetivo a ser realizado, para que sua finalidade seja melhor entendida. Trata-se de uma proposta de projetos em joias com o uso do design aplicado às formas, cortes e lapidação de pedras preciosas com concepção tecnológica inovadora.

Para Strunk (2004, p. 66):

Os resultados dos projetos variam na razão direta da qualidade das informações de que dispomos para trabalhar. Quando desconhecemos um assunto ou não temos informações precisas sobre o problema a ser resolvido, podemos antever uma solução ‘sem alma’, bonitinha, mas que não vai funcionar, ou teremos que refazer as idéias até que possamos contemplar totalmente as necessidades existentes.

Portanto, o elemento fundamental para um planejamento de projeto é a pesquisa. Essa é tão importante quanto o desenvolvimento do produto, pois além de começar na fase inicial do projeto, é a base de dados que será utilizada como informação na formação do conhecimento de design que, por sua vez, será aplicado no decorrer de todo o projeto.

Baseando-se neste conceito de criação de produtos em pedras preciosas, evidencia-se a importância de projetos de design como ferramenta estratégica na criação de uma linha de produtos diferenciados. Esta pesquisa, consequentemente, deve contribuir para um levantamento de dados dos produtos em pedras preciosas desenvolvidos nessa região e verificar a realidade da transformação dos minerais e aplicação do design.

3.1 Dissertação-projeto

O método empregado é uma dissertação-projeto, que consiste em analisar a

situação atual de produção de artefatos em pedras produzidos na cidade de

Soledade/RS.

(7)

Para melhor entender o método de dissertação-projeto, é interessante traçar um mapa de desenvolvimento da pesquisa para a obtenção de um resultado coerente e objetivo.

Figura 4 - Mapa do método dissertação-projeto Fonte: Elaborado pelo autor.

O método será aplicado para coletar os dados a fim de se obter um diagnóstico da realidade, seu contexto, focalizando o problema de primeira ordem para definir ações e, finalmente, definir os objetivos.

4 PESQUISAS EFETUADAS NO MERCADO DE PEDRAS PRECIOSAS DE SOLEDADE

Foi realizada uma pesquisa catalogando os produtos produzidos por várias empresas de Soledade/RS que realizam a transformação de material bruto em artefatos destinados à comercialização no mercado interno e externo.

Foi, também, efetuada uma visita à Exposol 2014 de Soledade (maior Feira Internacional de Pedras Preciosas do Rio Grande do Sul) e a algumas empresas de beneficiamento da mesma cidade, objetivando colher dados sobre os artefatos produzidos.

SITUAÇÃO - PROBLEMA

ANÁLISE DE SITUAÇÃO

ESCREVER RESUMO

BUSCAR SOLUÇÕES SIMULARES (DOMÍNIO)

ESCREVER ESPECIFICAÇÕES

TRABALHAR POSSÍVEIS SOLUÇÕES

SELECIONAR SOLUÇÕES PREFERIDAS

PREPARAR ESBOÇO E PLANO DE TRABALHO

CONSTRUIR PROTÓTIPO

TESTAR E AVALIAR PROJETO

ELABORAR ARTIGO / RELATÓRIO 1

2

3

4

5

5

7

8

9

1O 6

DISSERTAÇÃO - PROJETO

(8)

Figura 5 - Feira Exposol 2014 e empresa de Soledade Fonte: Fotos realizadas pelo autor.

Durante as visitas, foram catalogados os tipos de produtos existentes, analisando como estes se comportavam comercialmente, seu design e por quanto tempo estes objetos estão no mercado sem alteração.

4.1 Produtos catalogados desenvolvidos pelas empresas de Soledade

Figura 6 - Produtos catalogados

Nota: (A) Árvore de pedra, (B) cachos de uva em pedra, (C) porta-velas; (D) encosto de livros; (E) porta-copo em ágata; e (F) relógio em ágata; (G) pingentes em pedras; (H) Anel em pedra.

Fonte: Fotos realizadas pelo autor.

5 RESULTADOS OBTIDOS

Verificou-se que poucas transformações aconteceram na área de criação, embora, ultimamente, a produção de joias tenha crescido enormemente, segundo a reportagem de Belles (2010, p. 1), que descreve:

De tradicional produtor de pedras preciosas, Soledade avançou para uma

categoria mais qualificada de negócios. Antes conhecido principalmente

como fonte de matéria-prima, o município lapidou sua marca no segmento

joia, hoje, pelo menos 78 empresas se dedicam à fabricação de joias. Há

cinco anos, eram apenas sete.

(9)

Mesmo com o aumento em número de empresas, observou-se que os produtos são similares e, alguns, até mesmo iguais, embora produzidos por empresas distintas, conforme as figuras abaixo:

Figura 7 - Produtos de empresas de Soledade: colares, brincos, anéis e pingentes em ágata Fonte: Fotos realizadas pelo autor.

Constatou-se, além disso, outro fator preocupante: muitas empresas estão perdendo mercado para os chineses, coreanos e vários outros países que adquirem as pedras em bruto e as transformam em produtos diferenciados.

Devido à grande riqueza mineral do Rio Grande do Sul, pode-se dizer que existe uma carência de variedade de artefatos em pedras preciosas e uma necessidade de evolução e aplicação de tecnologia para reverter esta situação e favorecer uma maior comercialização desse produto, abundante no estado. É pertinente, portanto, traçar um projeto para a realização de uma linha de novos artefatos com o uso de design, para que seja possível competir no mercado nacional e internacional dos artefatos em pedras preciosas.

6 PROPOSTAS DE PROJETOS

São apresentados, nesta seção, protótipos de estudos de projetos para melhor aproveitamento das pedras preciosas do Rio Grande do Sul.

Nas propostas de projetos, observa-se que existe renovação, adequação às

tendências e que é possível realizar várias intervenções nas pedras com o

aproveitamento de peças já existentes, através de cortes, furos, incisões, entre

outras práticas, ou seja, um redesign. São criados, assim, novos objetos com

produtos rejeitados, por apresentarem pequenas imperfeições. Os novos produtos

(10)

eliminariam o acúmulo de produtos descartados e gerariam mais uma fonte de renda para as empresas.

Segundo o Manual de Oslo (OCED, 2004, p. 350):

Inovação tecnológica de produto ou processo compreende a introdução de produtos ou processos tecnologicamente novos e melhorias significativas em produtos e processos existentes. Considera-se que uma inovação tecnológica de produto ou processo tenha sido implementada se tiver sido introduzida no mercado (inovação de produto) ou utilizada no processo de produção (inovação de processo). As inovações tecnológicas de produto ou processo envolvem uma série de atividades científicas, tecnológicas, organizacionais, financeiras e comerciais. A firma inovadora é aquela que introduziu produtos ou processos tecnologicamente novos ou significativamente melhorados num período de referência.

Para Barbieri (1997), as inovações tecnológicas podem se apresentar das seguintes formas:

a) novo processo produtivo ou alteração no processo existente, isto é, alterações em máquinas, equipamentos, instalações, métodos de trabalho etc., geralmente introduzidas com o objetivo de reduzir custos, melhorar a qualidade ou aumentar a capacidade de produção;

b) modificação no produto existente ou a substituição de modelo por outro, que cumpra a mesma finalidade básica, muitas vezes, acrescidas de outras complementares;

c) introdução de novos produtos integrados verticalmente aos existentes, ou seja, fabricados a partir de um processo produtivo comum ou afim;

d) e introdução de novos produtos que exigem novas tecnologias para a empresa (BARBIERI, 1997, p. 68).

6.1 Projeto de joias com modificação da pedra preciosa rolada

Este projeto é realizado com as pedras roladas, que são pedras produzidas pelas indústrias, obtidas através do desgaste dos cascalhos de pedras preciosas, mercadoria que é vendida e exportada por quilograma (kg).

Figura 8 - Empresa de pedras roladas

Nota: Rolos para obter as formas roladas – operárias catalogando as pedras

Fonte: Fotos realizadas pelo autor.

(11)

O projeto visa utilizar estas pedras, que são de baixo valor, e, através da associação com outros elementos, agregar valor. Verifica-se na Figura 9 e 10 que como a interferência do design aplicado à pedra rolada agrega valor a mesma.

Pode-se alcançar, em alguns casos, em apenas uma peça, um retorno financeiro maior que o preço do quilo da pedra rolada. Esse tipo de inovação, com a aplicação do design faz surgir produtos inéditos, invenções que no mercado são essências para sair da normalidade da produção, fugir do commodity e procurar nova forma de geração de renda.

Figura 9 - Apresentação dos protótipos com modificação das pedras preciosas roladas Nota: Protótipos de colares em pedra rolada com interferência de lapidação diferenciada

Fonte: Fotos realizadas pelo autor

Figura 10 - Apresentação do projeto com pedras preciosas roladas Fonte: Fotos realizadas pelo autor.

6.2 Projeto de joias com aproveitamento de lapidações existentes com intervenção de cortes e furos redesign

O projeto visa utilizar pedras com cortes já existentes, muitas destas descartadas pelos compradores, com Interferência de redesign, através denovos cortes, furos aplicados as mesmas, formando uma novas peças.

Figura 11 - Apresentação do projeto redesign em ágata

Fonte: Fotos realizadas pelo autor.

(12)

6.3 Projeto com cortes e lapidação livre em pedras preciosas

Este projeto utiliza cortes e lapidações não convencionais, cortes livres em ágata para o desenvolvimento de joias com estilos florais.

Figura 12 - Apresentação do projeto em ágata cortes livre Fonte: Fotos e desenhos realizados pelo autor.

Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos (IBGM, 2009), na sua página de apresentação, destaca: Os modelos de lapidação diferenciada se constituem em importante inovação, ao produzirem novas técnicas, formas, texturas e brilhos, hoje uma nova tendência no mercado internacional, que demanda produtos originais e exclusivos.

6.4 Projeto de joias com aproveitamento da parte interna do geodo da ágata, chamada de drusa ou brilhos

A parte interna do geodo da ágata é de grande beleza, porém pouco aproveitada para a criação de artefatos e joias.

Este projeto baseia-se no aproveitamento desta parte da ágata, objetiva agregar valor aos produtos e, também, utilizar material normalmente comercializado em estado bruto.

Figura 13 - Apresentação do projeto com drusa: anéis e colares

Fonte: Fotos realizadas pelo autor.

(13)

6.5 Projeto invenção-inovação com o uso das pedras preciosas

Neste projeto, houve a uniãodas pedras preciosas aos aromas para ambiente.

Em cada frasco de aroma foram colocadas (7) pedras, número correspondente aos chacras (energia do Yoga) unido ao poder atribuído pelo misticismo de cada tipo de pedra preciosa. Foram escolhidas pedras representativas do mundo místico:

ametista (paz, harmonia), água-marinha (alma, paixão), cristal de rocha (luz, energia), citrino (sucesso, realização) e quartzo rosa (amor, sensualidade).O nome dado, PODER, nada mais é do que a força das pedras preciosas aliada à energia dos aromas, pois aos aromas são atribuídos significados na Aromaterapia - ramo da fitoterapia estuda o efeito que os aromas de plantas provocam no indivíduo.

Schumann (1971, p. 8) descreve as influências que as pedras preciosas adquiriram devido ao seu mito e poder:

Devido aos atributos do poder natural das gemas, formou-se uma ligação com a astrologia e as gemas foram distribuídas de acordo com os signos do zodíaco e também as demais, como pedra do mês, pedra do dia etc. As gemas sempre fascinaram a humanidade e era reservada somente para classes dominantes, hoje a gema na maioria das vezes está despojada de todo simbolismo e esteticismo e é vista como um investimento de capital.

Utilizam-se pedras roladas, comumente vendidas a quilo, criando um produto com atribuições místicas, inovador e inexistente no mercado.

Figura 14 - Projeto aromas para ambientes com pedras preciosas

Fonte: Fotos realizadas pelo autor.

(14)

7 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Devido ao potencial de pedras preciosas existente no Rio Grande do Sul, é fundamental que as empresas beneficiadoras encontrem um caminho para diminuir a exportação desses minerais em bruto. É necessário suprir a carência da inserção do design como ferramenta para competir no mercado. Conseguindo transformar as pedras preciosas em diversos produtos competitivos e inovadores, será possível garantir seu justo lugar no mercado mundial e evitar que outros países comprem essas riquezas em bruto e a baixo preço – a mesma mercadoria que, após beneficiada, muitas vezes, retorna em forma de produto final aos nossos próprios consumidores com menor preço, competindo com o produto nacional.

Verifica-se, no mercado mundial, um crescimento na produção de joias, folheados e bijuterias. O Brasil está se consagrando e se tornando reconhecido pelo design brasileiro das joias, com premiações nacionais e internacionais.

Considerando, também, que surgiu no mercado em novo nicho de consumo das pedras preciosas, que é a aplicação das pedras na área de moda: no setor da indústria têxtil e na área calçadista.

Portanto, cabe às indústrias de pedras preciosas procurar novos caminhos para a introdução de seus produtos, sendo fundamental a diversificação, a aplicação do design e a inovação tecnológica favorecendo o desenvolvimento e o crescimento do setor e, por consequência, da economia do país.

REFERÊNCIAS

BARBIERI, J. C. A contribuição da área produtiva no processo de inovações

tecnológicas. Revista de Administração de Empresa REA, v. 37, n. 1, p. 66-77, jan./mar. 1997.

BELLES, Leandro. Soledade começa a investir em joias no lugar de pedras.

2010. <http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/economia/noticia/2010/06/soledade-comeca- a-investir-em-joias-no-lugar-de-pedras-2951475.html>. Acesso em: 07 ago. 2012.

BEZZERRA, Charles. O designer humilde. São Paulo: Edições Rosari, 2008.

BONSIEPE, G. Design como pratica de projeto. São Paulo: Blucher, 2012.

(15)

CONWAY, G.; WAAGE, J. Science and innovation for development. London: UK Collaborative on Development Sciences, 2010.

GONÇALVES, José Ernesto Lima. Os impactos das novas tecnologias nas

empresas prestadoras de serviços. RAE, São Paulo, v. 34, n. 1, p. 663-681, jan./fev.

1994.

IBGM. Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos. Manual de lapidação de gemas. Brasília: Athalaia, 2009.

OCED. Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta de interpretação de dados sobre inovação tecnológica. São Paulo: FINEP, 2004.

PÉRCIO, Branco M. Dicionário de mineralogia e gemologia. Cabo Verde: Editora de Texto, 2011.

SCHUMANN, W. Gemas do mundo. Rio de Janeiro: Livro Técnico, 1971.

SCHUMANN, W. Gemas do mundo. Rio de Janeiro: Livro Técnico, 2006.

SEBRAEXPORT. Pedras. Porto Alegre: SEBRAE, 2002. (Relatório Técnico) STRUNCK, Gilberto. Viver de design. Rio de Janeiro: 2AB, 2004.

TECHNOLOGICAL INNOVATION AND APPLIED DESIGN FOR BETTERIMPROVEMENT OF PRECIOUS STONES, AS A STRATEGY

FOR FASHIONABLE JEWELRY PRODUCTION AT THE STATE OF RIO GRANDE DO SUL

ABSTRACT

Given that Rio Grande do Sul is rich of minerals, and that the state holds a number of companies dedicated to the improvement and exportation of precious stones, a research was conducted aiming to comprehend the reality of production of artifacts with precious stones, and learn what sort of products is commercialized by these industries. It was based on the county of Soledade for being that the reference region for processing industry of such minerals, and it could be noticed that the majority of these stones is exported brute, which means, as found in nature, as well as that the current artifacts are poor in design and have been out in the market for many years.

Therefore, the target of this work is to present design projects with employment of

technological innovation, with the purpose of reaching novelties in the use of cuts,

(16)

shapes and lapidary techniques applied to precious stones, for elaboration of fashionable jewelry. These fresh artifacts shall be the strategic instrument and greatly important to the companies for increasing competitiveness, market share, and national and international acknowledgement of their production.

Keywords: Technological innovation. Design. Precious stones. Jewelry. Rio Grande

do Sul.

Imagem

Referências

temas relacionados :