Fichas de avaliação L.P. 5 - 5º ano0001.pdf

Texto

(1)

Teste de avaliação 4.Grelhas de correção ecotações ..J ~ oo o T"" I -:!

.

o "li C'?

,

i

o N :l CI) <ri C\I -i C'? ~ M C'? C\i '<t ...: eo

i

o10 :l CI) M tOT""

I

C\i 'T<""t ...: tO T"" I (jJ' W

z.

OJ o ,('(5 CI) ~ ~ CI) o ~ ';: 'ca C1) ca

.•..

c:

••

a> ti) ca E E

t!

.•

ca

.

.

•...

i=

o c

o

(2)

Teste de avaliação 5 Versão A

Nome N.o Turma Data

l

Avaliação Professor(a)

~--~-- ---~.~ ~._

-~---Grupo I

Lê excertos de uma entrevista a um músico. Se necessário, consulta as notas.

Entrevista ao jovem clarinetista Diogo Ferreira

Diogo Ferreira é um jovem clarinetista que desde cedo demonst

r

ou grand

es aptid

õe

s

para este

instrumento. Ini

c

iou os seus estudos musicais aos

5

anos

c

om

o se

u pai (Ma

es

tr

o e

C

l

a

rinetista José

Carlos F

e

rr

e

ira) e atualmente é aluno do Professor António

Saio

t

e

, na ESM

A

E

1,

onde

foi admitido

c

om

16

anos excecio

n

almente. Foi premiado em diver

s

os

c

on

curs

os n

a

cionai

s e

,

mai

s

rec

e

ntement

e,

5

conquistou o

3.o

Pr

é

mio num concurso internacional

.

Diogo

F

e

rr

e

ira é, sem

d

ú

vid

a,

u

m promissor

clarin

e

tista. [...]

Porquê o clarinete? O que te fascina nesse instrumento?

Devo confessar que quando comecei com o clarinete não tinha nenhum gosto em

par-ticular por este instrumento. O clarinete surgiu mais como uma influência por parte do

10 meu pai, que também é clarinetista e atual Maestro da Banda de Melres. Desta forma,

este instrumento sempre fez parte do meu meio familiar. [...]

Nunca vacilaste" neste caminho? Nunca tiveste vontade de desistir ou de mudar

de instrumento?

Sim, já. Penso que todos nós passamos por fases complicadas que nos dão vontade de

15 desistir. Uns desistem, outros continuam ainda com mais "força". Quantas horas estudas por dia?

Sinceramente, não possuo nenhum tempo de estudo definido. Depende muito da

dis-ponibilidade, vontade e necessidade.

Que género de música gostas de ouvir? E de tocar?

20 Sempre gostei de todo o tipo de música e ouço de tudo um pouco. Confesso que não

tenho muita "paciência" para alguns géneros de música eletróníca, porém tento conhe-cer as mais diversas culturas musicais e estar minimamente atualizado [... ]. Penso que é

fundamental conhecer e/ou pelo menos experimentar tocar um pouco de tudo. [... ]

Em termos de futuro, quais os teus objetivos a curto e a longo prazo?

25 A curto prazo, fazer a licenciatura em Clarinete. A longo prazo, apenas posso afirmar o

meu interesse em aprofundar as diversas vertentes do meio musical e aminha ambição

de um dia me tornar um grande músico.

Obrigada, Diogo. Muitos parabéns e um Feliz Aniversário.

Entrevista realizada por RuteCruzem 10-12-2009, http://www.palaciodosmusicos.com

(consult. em 13-10-2015, com supressões)

1.ESMAE: Escola Superior de Música, Artes eEspetáculo, no Porto. 2.vacilar: hesitar; ter dúvidas.

(3)

Teste de avaliação 5 VersãoA

1. Assinala com X, de 1.1. a1.5., aopção que completa cada frase de acordo com o sentido dotexto.

1.1. A palavra "promissor" [linha 5]significa a.

O

que é um bom profissional.

b.

O

que se destaca de todos os outros.

c.

O

que tem todas as condições para ter sucesso.

1.2. Diogo Ferreira foi admitido na ESMAE "com 16 anos excecionalmente" [linha4]. Isto significa que a ESMAE o admitiu,

a. embora ele ainda não tivesse a idade mínima exigida. b.

O

pois ele é aluno do Professor António Saiote.

c.

O

porque elecomeçou os seus estudos musicais aos 5anos.

1.3. Diogo Ferreira escolheu o clarinete devido a.

O

a uma decisão pensada.

b.

O

ainfluência familiar.

c.

O

aos prémios que foi recebendo.

1.4. Ojovem entrevistado defende que é importante que um músico

a.

O

se dedique exclusivamente ao seu instrumento. b.

O

contacte com diferentes instrumentos.

c.

O

conheça diferentes géneros musicais.

1.5. Otempo que Diogo Ferreira dedica ao estudo

a.

O

é muito intenso e diário. b.

O

é sempre o mesmo. c.

O

depende de vários fatores.

2. O parágrafo final [linha 28], que termina a entrevista, fornece uma nova informação sobre o entrevis

-tado. Qual?

(4)

Teste de avaliação 5 VersãoA

Grupo 11

Lê, com atenção, um excerto de umtexto dramático.

Toca a fugi

r!

A Banda, tocando com brio, sob a direção do MAESTRO PALHETA. Músicos da banda: C ELES-TINO da flauta transversa, MARIA BENAMOR do tambor (vestida de majorette'), MOURATO dos pratos e mais quatro executantes (clarinete, saxofone, trompete ebombardino"). [...]

Os músicos, diante das respetivas partituras, esmeram-se na execução. Grande

ex

uberãncia

'

5 musical, obviamente em playback" ... Os músicos no ensaio não estão

[ardados,

anão ser MARIA

BENAMOR, vestida de majorette.

MAESTRO PALHETA vai dar entrada àflauta transversa. Dá entrada, mas o flautista não cor-responde. Interrupção. Ospratos tocam a

âestempo

"

,

MAESTRO PALHETA: Alto, alto e mais alto. Então essa flauta vem ou não vem? Outra vez!

10 Do princípio. (Pausa.) Atenção! Um e dois e ... Arrancar!

Arranca de novo a música. Para dar entrada à flauta, o MAESTRO PALHETA imprime mais ênfase ao gesto. Oflautista esforça-se,mas não corresponde ao tempo. Interrupção. Ospratos, de novo, tocam a destempo. Outras estridências. Os músicos estão encabulados".

MAESTRO (batendo, furiosamente, com a batuta na estante): Irra, irra e mais irra! Urna escor-15 rega dela ainda vá, mas duas e seguidas ... já não tem explicação. Torna cuidado, Celestino,

que da próxima não perdoo. Atenção. Um e dois e ... Arrancar!

Arranca de novo a música. Ao chegar ao tempo da flauta, interrupção. O dos pratos suspende o gesto, no último instante.

MAESTRO (batendo desesperadamente com a batuta, que pode partir-se ...): Irra, irra e mais 20 irra! Mas o que é que se passa com essa maldita flauta? Não toca? Está entupida ou quê?

CELESTINO DA FLAUTA:Está entupida.

MAESTRO: O que é que eu ouvi? A flauta está entupida? O que queres dizer com isso? CELESTINO: Por mais que sopre, a flauta não toca.

[

..

.

]

MAESTRO: Irra e mais irra e mais irra, vezes trinta. Que di acho se está a passar na nossa 25 banda? Perderam todos o fôlego? Os instrumentos ganharam moléstia? Na Banda Filarmó-nica Harmonia & Progresso nunca tal se viu. Tenho vinte e cinco anos - vinte e cinco anos! - de regência de bandas e é a primeira vez que os músicos se recusam a tocar.

VÁRIOS (em coro desafinado): A culpa não é nossa.

CELESTINO (aflito): Maestro Palheta, Maestro Palheta! Olhe para os papéis, as partituras ...

30 As notas estão todas a desaparecer. Não se aguentam nas linhas.

MAESTRO (trocista): O quê? Não se aguentam nas linhas? Caíram para o chão, foi? MARIA BENAMOR: É verdade, Maestro Palheta. As notas estão adesaparecer.

(5)

Teste de avaliação 5 VersãoA

o

DA TROMPETE: Apagaram-se.

O DO BOMBARDINO: Fugiram.

35 CELESTINO: Amúsica está com doença.

O DO CLARINETE: Deu-lhe a peste.

MOURATO DOS PRATOS: E a peste pega-se.

(Deixa cairospratos, ruidosamente.)

O DO BOMBARDINO: Toca a fugir.

40 O DO SAXOFONE: Salve-se quem puder.

António Torrado, Toca e Fogeou a Flauta sem Mágica, Ed.Caminho, 1992 (págs. 15-18, com supressões)

1. maiorette: jovem com uniforme de fantasia que desfila em festas públicas. 2.boinbardino: instrumento de sopro. 3.exuberân -cia: grande animação. 4.piayback: interpretação em que o cantor ou oatar fingem cantar uma canção previamente gravada.

5. adestempo: fora detempo. 6.encabulados: envergonhados.

1. Responde às perguntas do quadro abaixo a partir da leitura das indicações cénicas dos três primeiros

parágrafos.

a. Quantos atares são necessários para a representação deste excerto?

b. Que personagens representam os atares?

c. Como se devem apresentar os atares em palco?

d. Os atares não precisam de saber tocar os instrumentos. Justifica esta afirmação.

2. O maestro Palheta estava muito zangado e irritado. Explica porquê.

3. Por que razão, no final, os músicos fogem?

(6)

4. As indicações cénicas fornecem váriostipos de informações.

Associa cada uma das indicações cénicas transcritas (quadro A) à função que lhe corresponde

(quadro B), escrevendo oseu número na respetiva coluna do quadro A.

Teste de avaliação 5

A

Indicações cénicas

"Os músicos no ensaio não estão fardados, anão ser MARIA BENAMOR, vestida de majorette." [linhas 5-6]

"Os músicos, diante das respetivas partituras [...}."

[linha 4]

"Arranca de novo a música. " [linha 11]

"Para dar entrada àflauta, o MAESTRO PALHETA

imprime mais ênfase ao gesto. "[linhas 11-12]

"(aflito)" [linha 29]

"(Deixa cair os pratos, ruidosamente.)" [linha 38]

5. Indica um título diferente para o texto.

Grupo

11

1

1. Observa as palavras sublinhadas nas duas frases seguintes:

a. Lemos uma entrevista aojovem clarinetista Diogo Ferreira. b. Rute Cruz entrevista um jovem clarinetista.

a, ~

VersãoA

B

Funções das indicações cénicas

1 Indicar os adereços a utilizar pelas

personagens.

2 Indicar sentimentos ou reações das personagens.

3 Indicar gestos das personagens.

4 Dar indicações ao sonoplasta

(o técnico responsável pelo som).

I

5

I

Caracterizar personagens.

Livro aberto, 5oano Testes de avai.ação

b. _

2. Indica o modo em que se encontra a forma verbal sublinhada.

Diogo, por favor, explica por que razãooclarinete te atrai.

(7)

Teste de avaliação 5 VersãoA

3. Completa cada uma das frases com aforma do verbo apresentado entre parênteses, no tempo e no modo indicados.

a. Pretérito perfeito do indicativo

Oiogo Ferreira (contactar) com oclarinete muito cedo.

b. Modo imperativo

_______ (dizer) quantas horas por dia estudas, Oiogo.

c. Pretérito mais-que-perfeito composto do indicativo

Antes desta entrevista, omúsico (conquistar) um prémio internacional.

4. Indica a função sintática do elemento destacado na frase seguinte:

Oiogo, em termos de futuro, quais são os teus objetivos?

4.1. Reescreve a frase acima alterando a posição do elemento sublinhado.

5. Indica a função sintática dos elementos sublinhados nas frases da grelha.

Função sintática

a. A jornalista fez uma entrevista aum músico.

b. Oiogo Ferreira éum jovem clarinetista.

c. Oiogo respondeu com simplicidade àsperguntas.

d. Ele deu um conselho aos leitores.

e. Ouçam muita música, jovens leitores.

(8)

Teste de avaliação 5 VersãoA

Grupo IV

Escreve um texto no qual faças adescrição de uma pessoa àtua escolha. Pode seralguém real(um amigo, um familiar, um desportista, um músico ... ) ou imaginado.

Organiza o teu texto nos trêsmomentos seguintes:

•Introdução: informações gerais sobre a pessoa descrita (idade, nome, ocupação ...).

Desenvolvimento: principais características físicas e psicológicas da pessoa, apresentadas de acordo com uma ordem a definir.

J Conclusão: opinião pessoal sobre a pessoa descrita.

O teu texto deve ter um mínimo de 140 e um máximo de 200 palavras.

108 Livro aberto, 5.° ano - Testes de avaliação

(9)

Teste de avaliação 5 Versão B (NEE)

---J

Nome _

Avaliação _

N.O _ Turma _ Data

Professor(a)

Grupo I

Vais ler excertos de uma entrevista a Diogo Ferreira, que é um jovem clarinetista, isto é, um músico

que toca clarinete.

1. Liga cada uma das perguntas da coluna A à resposta correspondente da coluna B.

Segue o exemplo.

Coluna A - Perguntas

1. Porquê O clarinete? O que te fascina nesse instrumento?

\

2. Nunca tiveste vontade de desistir ou de mudar de ins

-trumento?

3. Quantas horas estudas por ,

dia? <:»:

4. Que género de música gostas de ouvir?

5. Em termos de futuro, quais

\

os teus objetivos a curto e a longo prazo?

Coluna B - Respostas

a. Sim, já. Penso que todos nós passamos por fases

complicadas que nos dão vontade de desistir.

Uns desistem, outros continuam ainda com

mais "força".

b. Sempre gostei de todo o tipo de música e ouço de tudo um pouco. Confesso que não tenho

muita "paciência" para alguns géneros de

mú-sica eletrónica, porém tento conhecer as mais diversas culturas musicais [... ]. Penso que é fun -damental conhecer [... ] um pouco de tudo.

c. Acurto prazo, fazer a licenciatura em Clarinete.

Alongo prazo, apenas posso afirmar omeu i

nte-resse em aprofundar as diversas vertentes do

meio musical e a minha ambição de um dia me tornar um grande músico.

d. Devo confessar que quando comecei com o cla

-rinete não tinha nenhum gosto em particular

por este instrumento. O clarinete surgiu mais

como uma influência por parte do meu pai, que também é clarinetista e atual Maestro da Banda

de Melres. Desta forma, este instrumento s

em-pre fez parte do meu meio familiar.

e. Sinceramente, não possuo nenhum tempo de

, estudo definido. Depende muito da disponib

ili-dade, vontade e necessidade.

Entrevista realizada por Rute Cruz em 10-12-2009,

http://www.palaciodosmusicos.com (consult. em 13-10-2015, adaptado e com supressões)

(10)

Teste de avaliação 5 Versão B(NEE)

2. Vais ler, agora, a introdução que faz parte da mesma entrevista (ver página anterior), àqual foram retir

a-das as palavras abaixo. Copia-as para os respetivos lugares.

admitido José Carlos Ferreira

estudos ( diversos jovem

concurso

1

Gstrumento

1

Diogo Ferreira é um clarinetista que desde

de-monstrou grandes aptidões para este Iniciou osseus _

musicais aos 5 anos com oseu pai (Maestro eClarinetista )eatualmente é

aluno do Professor António Saiote,na ESMAE\ onde foi com 16anos e

x-cecionalmente. Foi premiado em concursos nacionais e, mais rece

nte-mente, conquistou o3.oPrémio num internacional.

1. ESMAE: Escola Superior de Música, Artes eEspetáculo, no Porto.

3. Uma entrevista costuma terminar com um parágrafo final de agradecimento. Escreve as palavras que a jornalista poderia ter dito ao Diogo Ferreira.

(11)

Teste de avaliação 5 Versão B(NEE)

G

r

upo

11

1. Completa a frase com um adjetivo da família de música.

Eles foram ver um espetáculo _

2. Reescreve as frases abaixo com os verbos indicados entre parênteses, de acordo com o modelo.

Hoje,os alunos fazem uma entrevista. Ontem, os alunos fizeram umaentrevista. Amanhã, os alunos farão uma entrevista.

a. Hoje, eu [fazer] anos.

Ontem, eu [fazer] anos.

Amanhã, eu [fazer] anos.

b. Hoje, tu [ver] um filme.

Ontem, tu [ver] um filme.

Amanhã, tu [ver] um filme.

3. Inventa um sujeito para esta frase.

____________ foia um concerto.

4. Completa a frase com um complemento direto.

A banda tocou _

5. Assinala a única frase em que o elemento sublinhado desempenha a função sintática de vocativo.

'-

..--a.

O

ORui convidou oJorge para iraum concerto.

b.

O

ÓJorge, queres ir vero concerto?

c.

O

OJorge aceitou oconvite.

(12)

Teste de avaliação 5 VersãoB(NEE)

Grupo

111

Escreve um texto no qual faças adescrição de uma pessoa à tua escolha. Pode ser alguém real(um amigo, um familiar, um desportista, um músico ... ) ou imaginado.

Organiza o teu texto nos três momentos seguintes:

•Introdução (1 parágrafo): informações gerais sobre a pessoa descrita (idade, nome, ocupação ...).

•Desenvolvimento (1 ou 2 parágrafos): principais características físicas (estatura, cabelo, olhos, nariz,

boca ... )e maneira de ser(calmo, nervoso, falador, tímido...). ,.Conclusão (1 parágrafo): opinião pessoal sobre a pessoa descrita.

O teu texto deve ter um mínimo de 80 e um máximo de 110 palavras.

(13)

Teste de avaliação 5 Versão A Grupo I

1.1.c.; 1.2.a.; 1.3. b.; 1.4.c.; 1.5. c.

2. No parágrafo final, fica-se a saber que Diogo Ferreira

faz anos nodia em que deu a entrevista, ou seja, no dia 10 de dezembro (verreferência daentrevista).

Grupo 11

1. a. São necessários oito atores.

b. Os atores representam as seguintes personagens:

Maestro Palheta, Celestino, Maria Benamor, Mourato dos pratos, O da trompete, O do bombardino, O do clarinete, Odosaxofone.

c. Os atores devem vestir-se sem qualquer fato

especial; Maria Benamor estávestida de majorette ("Os músicos no ensaio não eso fardados, anão

ser MARIA BENAMOR, vestida de majorette. ",

linhas 5-6).

d. Eles não precisam de saber tocar os instrumentos,

porque a música surge emplayback [linha 5].

2. O maestro estava zangado e irritado porque aflauta

transversa e,a seguir, outros instrumentos deixaram

de tocar.

3. Os músicos fogem porque receiam que a"doença"

que deu aos instrumentos e às partituras seja contagiosa eosatinja também aeles.

4. 5 - 1- 4-3 - 2 - 3.

Grupo 111

1.1. a. nome; b.verbo.

2. Modo imperativo.

3. a. contactou; b.Diz; c. tinha conquistado.

4. Vocativo.

4.1. Por exemplo: Em termos de futuro, quais são os

teus objetivos, Diogo?

I

Em termos de futuro, Diogo, quais sãoos teus objetivos?

5. a. complemento indireto; b. sujeito; c. predicado; d. complemento direto; e. vocativo.

Livro aberto, 5.° ano - Testes de avaliação

LAB5DP·8

Teste de avaliação 5 . Soluções

Teste de avaliação 5 Versão B (NEE)

Grupo I

1.2. - a., 3.- e., 4. - b.,5. - c.

2. jovem, cedo, instrumento, estudos, José Carlos Ferreira, admitido, diversos, concurso.

Grupo 11

1. musical.

2. a. faço, fiz,farei. b. vês, viste, verás.

3. Por exemplo: A Rita. 4. Por exemplo: várias músicas.

5. b.

(14)

-I. -I. .j:::. r-~. d Q) o-.~ ~o tu ::J o I rol fi) f.fJ o, (]) tu < ~ 1ij' <>O e» o

Teste 5

Versão A '~Il ~~' ~

j

~ir.'

..J ~ , ~o 1. 2. 1. 2. 3. 4. 5. ::l 1.1. 2. 3. 4. 4.1. 5. ::l l-(/) (/) Data 5.° 15 5 8 5 5 6 6 50 2 3 6 2 2 5 20 30 100 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

C~OI!P·d QllOdo"!VAVJ.-dUSH \11

(

;I

(/) S-Q. (1) !ll < !ll iii· 'o !lll o 0'1 G')

ª- :::s-!ll (/) Q. (1) o o

...

~ o() !lll o (1) o o ...•. !ll o() o' (1) (/)

(15)

Teste de avaliação 5 Grelhas de correção e cotações I I I I ...J I I ~ oo I o

•..

I I-I

I

I I

I

I o M

)

o(\j :::l (/) Ifi M -i "" c? ""

I

i I I N (l) ..: M I ~ o :E 10 :::l (/) c? ""

•..

..

N (l)

•..

..: o(\j I I W LU ~ CD o 'CCl (/) •.... ~ (/) o LC) .;;:'lU

a>

lU

.•..

e

-

Q) U) lU E E

t!

.

•..

lU

.

.

.=

o C U

Imagem

Referências