• Nenhum resultado encontrado

Faculdade FORTIUM Departamento de Administração - Disciplina: Economia Brasileira Contemporânea Prof.: Ailton Guimarães 1

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "Faculdade FORTIUM Departamento de Administração - Disciplina: Economia Brasileira Contemporânea Prof.: Ailton Guimarães 1"

Copied!
9
0
0

Texto

(1)

Faculdade FORTIUM

Departamento de Administração - Disciplina: Economia Brasileira Contemporânea Prof.: Ailton Guimarães1

NOTA DE AULA 7

Planos heterodoxos (parte I): Plano Cruzado.

1. Introdução

Os planos heterodoxos surgiram logo após o fim dos governos militares para tentar atender ao chamado de várias vozes que defendiam ações alternativas para debelar a inflação cujo combate com medidas ortodoxas não lograram êxito.

Esse debate entre ortodoxos (aqueles que, segundo o dicionário Houaiss, seguem os padrões, normas ou dogmas estabelecidos, tradicionais) e heterodoxos (aqueles que, segundo o dicionário Houaiss, contrariam padrões, normas ou dogmas estabelecidos) não era novo, mas ganhou força com a chegada da chamada Nova República que trouxe ainda, uma nova corrente de pensamento, a dos inercialistas.

Cada uma destas três correntes defendia pensamento distinto no que se refere à análise do processo inflacionário.

A primeira delas, a ortodoxa, identificava como principal causa da inflação o desequilíbrio orçamentário do governo que, ao forçar uma expansão exagerada da oferta de moeda, gerava pressões inflacionárias. Este processo induzia os agentes econômicos a formar expectativas inflacionárias elevadas.

A oposição a estas idéias era feita pelos heterodoxos. Para estes a inflação era resultado principalmente da incerteza dos produtores divididos em dois mercados: o dos oligopólios, formadores de preços (fix-price) e os de concorrência (flex-price). Em ambos, a influência dos desequilíbrios cambiais e das taxas de juros eram fatores determinantes das expectativas sobre os preços futuros, que em cenário de incerteza eram sempre ascendentes.

(2)

O último grupo, o dos “inercialistas” tinha como argumento principal sobre a inflação a idéia da inflação inercial. Este conceito referia-se à memória inflacionária, onde o índice atual é a inflação passada mais a expectativa futura.

Assim, a inflação se mantém no mesmo patamar sem aceleração inflacionária e é decorrente de mecanismos de indexação. Estes mecanismos podiam ser formais e informais.

2. Antecedentes aos planos heterodoxos

O I PND - Plano Nacional de Desenvolvimento, que proporcionou um rápido crescimento da economia no período 1969/1973, trouxe a tona alguns desequilíbrios que deram origem a pressões inflacionárias e problemas na balança comercial. A trajetória da inflação ao longo da década de 70 está explicitada a seguir.

O gráfico mostra o movimento altista da inflação. Se durante o milagre econômico a inflação média ficou em aproximadamente 19,0% com um nível máximo 24,5%, no período do II PND esses números passam para 45,0% e 79,4%.

Ao fim do período do milagre econômico, fica evidente que a manutenção dos níveis de crescimento daquela época dependia cada vez mais de condições externas favoráveis e estas expectativas não se confirmaram.

A 1a. crise do petróleo em 1973 trouxe aumento de custos, alta dos juros internacionais pela diminuição da disponibilidade de crédito e queima das reservas internacionais pela maior necessidade de pagamento das importações de petróleo.

A situação politica trouxe mais uma contribuição negativa. Em meio ao clamor por melhor distribuição de renda, assume, o novo presidente, Ernesto Geisel, que pertencia ao grupo dos militares defensores da idéia de que a politica monetária não poderia comprometer o crescimento econômico. Por outro lado, havia entre os militares defensores de uma politica de ajustamento para combater os desequilíbrios econômicos causadores da inflação.

(3)

I – Ajustamento para conter a demanda interna, gerando inclusive excedentes para exportação que ajudaria a gerar divisas suficientes para equilibrar as contas externas.

II – Financiamento do crescimento, mantendo este nos mesmos níveis do período anterior (milagre econômico). Quanto a inflação, haveria um combate gradual. Esta opção tinha como base o pensamento de que a crise externa era passageira e não traria grandes impactos a nossa economia.

No inicio de 1974, o novo ministro da economia, Mario Henrique Simonsen, parece optar pela opção de ajustamento, mas devido a pressões políticas (crescimento do questionamento ao regime militar pelo MDB) e financeiras (quebra do banco Halles).

Neste cenário de debate entre a necessidade de ajustamento ou a continuação do crescimento via financiamento externo, nasce o II PND. O Plano tinha como proposta promover modificações na estrutura de oferta de longo prazo.

Em outras palavras, o II PND permitiria que no longo prazo o Brasil diminuísse a necessidade importações e fortalecesse a capacidade de vender bens para o exterior. Enquanto estes objetivos não fossem atingidos havia a necessidade de financiamento com recursos externos.

Os problemas principais do Plano, apoio político e financiamento externo, 1968 1969 1970 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 24,5 19,0 19,5 19,5 15,7 16,3 34,1 29,9 46,7 38,1 41,5 79,4 Fo nte: IP EA DA TA

(4)

a) A sustentação politica veio do apoio do capital financeiro nacional, das empreiteiras e das oligarquias. Para estas últimas o governo deu como contrapartida a execução de alguns projetos de investimento como, por exemplo: A construção de uma siderurgia em Itaqui (MA); prospecção de petróleo no litoral do Nordeste; petroquímica na Bahia e no Rio Grande do Sul, Fertilizantes em Sergipe e carvão em Santa Catarina.

b) A questão do financiamento foi solucionada com o Estado assumindo a captação de recursos externos, inclusive com o uso das empresas estatais, e o setor privado sendo financiado com créditos subsidiados, principalmente do BNDE.

As metas de crescimentos econômicos em torno de 10% ao ano e crescimento industrial em torno de 12%, não foram cumpridas muito embora a

variação média do PIB não tenha sido decepcionante (média de 6,8% no período).

3. A situação no final da década de 70

Ao fim da década de 70 o Brasil apresentava os seguintes fatos:

I) A 2a. crise do petróleo, em 1979, e o aumento das taxas de juros internacionais evidenciam novamente a condição de vulnerabilidade do país frente as crises externas. Os juros da divida comprometem mais de um quarto do valor das exportações e o saldo das reservas foi sendo consumido rapidamente;

II) As contas do estado apresentam fortes sintomas de desequilíbrios provocados pela redução da carga tributária;

aumento do pagamento de juros da divida interna; deterioração das contas das empresas estatais devido ao alto endividamento e uma politica tarifária desfavorável e descontrole orçamentário provocado pelos diversos mecanismos de incentivo ao capital nacional;

III) Elevação da inflação interna, principalmente pela pressão do 2o. choque do petróleo.

O último governo militar, sob o comando do general João batista de Figueiredo, começa em 1979 com a responsabilidade de aumentar a abertura politica, impulsionar a liberdade sindical e promover a reforma partidária.

(5)

Na economia o ministro Delfin Neto promove uma serie de medidas, visando repetir o crescimento econômico da época do milagre e ao mesmo tempo combater a inflação. Dentre estas medidas podemos citar:

a) Controle sobre as taxas de juros;

b) Expansão do crédito para a agricultura, visando aumentar a safra e controlar os preços;

c) Diminuição dos impostos sobre remessa de juros para estimular a captação externa;

d) Maxidesvalorização de 30% do cruzeiro em dez/79;

e) Alteração da lei salarial com reajustes semestrais diferenciados por faixa de salários;

f) Prefixação da correção monetária e cambial. Estas medidas produziram os seguintes resultados:

a) Aceleração da inflação com o aumento dos preços públicos; aumento semestral dos salários e maxidesvalorização cambial;

b) Crescimento da divida externa em função da ineficácia das medidas de estimulo a entrada de recursos externos e a crise internacional com o 2o. choque do petróleo;

c) Aumento do processo especulativo devido ao rompimento da regra de desvalorização cambial, de mini para maxi.

4. A crise da divida externa

A deterioração das contas do balanço de pagamentos colocou o país em um processo de ajustamento externo que começou voluntariamente, mas em 1982, com o agravamento da situação, passamos a tutela do FMI. A politica indicada por aquele órgão, que visava principalmente garantir o pagamento da divida externa, tinha como base:

1) Contenção da demanda agregada com a redução dos gastos públicos (principalmente investimentos); aumento da taxa de juros; restrição ao crédito e redução real dos salários.

2) Politica de preços favorável ao setor externo com grande desvalorização real do cruzeiro; elevação do preço dos derivados do petróleo e estimulo a

(6)

competitividade da industria por meio da contenção de preços públicos e incentivos fiscais a exportação.

As conseqüências negativas da politica de ajustamento foram recessão em 1981 e 1983; baixo crescimento em 1982; queda na renda per capita e aumento da inflação. Pelo lado positivo tivemos a melhora no saldo das contas externas com aumento das exportações e redução das importações. Este sucesso no lado externo pode ser creditado a recessão econômica, que produziu queda nas importações, e ao sucesso do II PND no que se refere ao processo de substituição das importações e na melhora da competitividade externa.

Faltava resolver o problema das contas internas. O aumento na geração de divisas beneficiou o setor privado, mas o setor mais endividado, e que, portanto necessitava mais de divisas, era o público. Assim, para comprar moedas estrangeiras necessárias ao pagamento de seus compromissos o governo deveria

gerar superávit fiscal, emitir moeda ou endividar-se internamente. As duas primeiras alternativas mostravam-se inviáveis, sobrando a última, o endividamento

interno. Este processo de transformação da divida externa em divida interna se deu em condições bastante desfavoráveis, com juros mais altos e prazos mais curtos.

No que se refere a inflação, esta se mostrava resistente a “remédios” ortodoxos, reforçando a opinião daqueles que defendiam medidas alternativas. Assim terminou a era dos governos militares.

5. Governo Sarney

Os superávits comerciais obtidos, principalmente nos anos de 1981, 1983 e 1984, trouxeram equilíbrio às contas do balanço de pagamentos. Em 1981 e 1983, a melhora foi proporcionada pela redução das importações e em 1984 o impulso veio do aumento das exportações, sendo este movimento derivado da recuperação da economia mundial, dos incentivos fiscais e cambiais ao setor exportador e a contribuição positiva dos investimentos feitos no II PND. Como conseqüência, o PIB experimentou crescimento de 5,3% em 1984.

Diante deste quadro, o controle a inflação, que alcançou índices superiores a 200,0% entre 1983/85 (conforme gráfico a seguir), tornou-se o objetivo principal.

(7)

Feita a escolha pelo combate a inflação, faltava definir o tipo de tratamento a ser utilizado. Considerando que os instrumentos ortodoxos não conseguiram debelar o processo inflacionário, surgiu a necessidade de algum método alternativo. Surgem então, duas correntes com novas explicações para o processo de perda do poder aquisitivo: Os Inercialistas ligados a PUC/RJ e os Pós-Keynesianos da Unicamp/SP. Vale lembrar que antes a corrente predominante era a dos monetaristas ligada a USP e a FGV/RJ.

Cada uma destas idéias representava um tipo de tratamento. Os inercialistas defendiam a idéia de que o processo inflacionário tem um componente inercial onde o índice de um período é determinado pelo índice do período imediatamente anterior. Esse comportamento defensivo dos agentes de tentar preservar sua renda real usando como previsor futuro o índice de inflação passada, segundo os inercialistas pode ser combatido com as seguintes propostas:

a) Congelamento de preços (choque heterodoxo) durante seis meses e a seguir aumento de até 1,5% ao mês por 18 meses;

b) Indexação total da economia durante certo em intervalos bastante curtos de modo que a taxa de inflação não se refletisse nos preços relativos. Após determinado período, quando os preços estivessem alinhados, haveria a troca da

(8)

Para os Pós-Keynesianos o processo inflacionário é causado principalmente pela incerteza na previsão dos preços. No Brasil, a incerteza teve origem na crise da divida externa e no desequilíbrio das contas publicas. Então, a solução viria da estabilidade da politica cambial e de juros, sendo ambas proporcionadas por:

I) Renegociação da divida externa; II) Um ajuste patrimonial do Estado.

6. O Plano Cruzado

O aumento progressivo da inflação no final de 1985 e inicio de 1986 levou ao lançamento do Plano Cruzado em 28/02/1986. O cruzeiro foi substituído por uma nova moeda, o cruzado e foram definidas regras de conversão de preços e salários, visando evitar efeitos de transferências de renda de um setor para outro. As principais medidas foram:

- Conversão dos salários pela média dos últimos seis meses mais um bônus de 8% (para o salário mínimo o bônus foi de 16%);

- Introdução do mecanismo de gatilho salarial que seria acionado toda vez que a inflação atingisse 20%;

- Congelamento de preços ao nível de 28/02/1986 por prazo indeterminado. Exceção para a energia elétrica que foi reajustada em 20%;

- Fixação da taxa de câmbio no nível de 27/02/1986 sem previsão de flexibilização;

- Substituição das ORTNs pelas OTNs com valor fixo para 12 meses;

- Os novos contratos pós-fixados somente sofreriam reajustes de indexadores após 12 meses;

- Sobre os antigos contratos prefixados foi aplicado um fator de desconto (a tablita com fator diário de 0,45%), visando retirar a previsão inflacionária inserida em suas taxas nominais;

- Não foram estabelecidas metas para a politica monetária e fiscal.

No primeiro momento o plano foi um sucesso tendo provocado queda significativa da inflação e crescimento econômico. Estes resultados levaram alguns componentes do governo a acreditar em um cenário de inflação zero e então, o congelamento de preço virou o principal item do plano.

(9)

Em seguida verificou-se que o próprio sucesso do plano em relação a continuidade do crescimento econômico traria pressões ao congelamento de preços, dificultando sua manutenção. Diante disso, junho de 1986 o governo tentou conter a demanda através do estabelecimento de empréstimos compulsórios sobre o consumo de gasolina, automóveis e passagens aéreas internacionais. Acrescente-se que os aumentos de preços decorrentes destas medidas não foram considerados nos índices de preços, causando desconfiança nos agentes econômicos.

As contas externas também sofreram significativa piora com o aumento de remessas de lucros, evasão de capital e redução dos investimentos diretos.

A manutenção do congelamento foi providencial para o governo que na eleição de 15 de novembro de 1986 obteve expressiva maioria. Logo a seguir em 21/11/1986 foi lançado o Plano Cruzado II com o principal objetivo de aumentar a arrecadação em 4% do PIB. Este aumento de receita causou mais inflação que o governo queria retirar dos índices, recuando por pressões de diversos setores da sociedade.

Em janeiro de 1987 a inflação atingiu 16,8% e o gatilho salarial foi disparado. No mês seguinte o controle de preços foi retirado, as OTNs foram corrigidas e a indexação voltou ainda mais forte, principalmente pela desconfiança nos índices calculados pelo governo.

Para tentar reduzir a inflação o governo passou a praticar uma politica monetária restritiva com a elevação dos juros reais e restrição ao crédito. O resultado foi a queda da demanda e o desaquecimento da economia.

As contas externas pioraram fortemente com a perda de reservas, levando ao pedido de moratória em fevereiro de 1987. Em abril daquele ano a inflação bateu 20%, levando a queda do ministro da economia Dílson Funaro. Chegava ao fim a primeira experiência heterodoxa na economia.

Bibliografia:

Vasconcellos, Marcos Antonio Sandoval; Gremaud, Amaury Patrick; Toneto, Rudnei Junior. Economia Brasileira Contemporânea. São Paulo: Editora Atlas, 7ª ed. 2007. Capítulos. 15, 16 e 17.

Referências

Documentos relacionados

In chapter III I analyze the female characters In William Faulkner's As X Lay Dying (Addle Bundren, Dewey Dell, and Cora Tull) and in Light in August (Joanna Burden,

Além disso, esse indicador pode ser desdobrado com a apuração dos custos comprometidos de cada empreendimento (CTE – FTE), tendo assim o gestor a informação de

A two-way (eccentric versus concentric training) repeated measures (pre-training versus post-training) ANOVA, with a 5% significance level, was used to compare:

123 Tabela 5: Prevalência e razão de prevalência (RP) de sobrepeso e obesidade no primeiro mês após o parto, segundo fatores dietéticos, tipo de aleitamento e nível de

a Coordenação Pedagógica a Coordenação Pedagógica e Coordenação de Curso, e Coordenação de Curso, cronograma de atividades cronograma de atividades para complementação de

b) Três vogais devem ser professores, investigadores ou especialistas de reconhecido mérito, nacionais ou estrangeiros, docentes em áreas do conhecimento relevantes para o exercício

Atualmente, o BOLDRINI é considerado como serviço de referência para o tratamento de neoplasias de crianças e adolescentes, e de acordo com informações fornecidas pelo RCBP de