K«MIM ANA Lk REDATOR.CHKr_!

Texto

(1)

'¦ ¦ ¦'• '^•^^^^mm^mmmmmmm

DtTH.TOR M. V \l Ml Ml lll.

'r Avenida Come» rrelrf, 411

.1lt

Correio

Fundador — E D M U N D O BITTENCOURT

Manhã

«IW WtlN'WWIX-tlT-1

ío». r, rnuTíld»

K« MIM — ANA Lk REDATOR.CHKr_!

Wl-! ALBBXTO BAHIA RIO DE JANEIRO, SÁBADO, 17 DE SETE.II.RO DE 1980

AI.INIO n_ . AI.I.M

Diplomatas soviéticos e tcheco-eslovacos

deverão deixar o Congo

LEOPOLDVILLE 16 — Todo o pessoal das Embaixadas, da Jlussia e Tchecoslová- quia no Congo deixarão o pais antes do meio dia de amanhã, segundo informam na própria Embaixada da União Soviética.

(F. P.)

LEOPOLDVILLE, 16—0 coronel Jo- seph Mpbutu, chefe do Estado-Maior do Exército congolês, anunciou hoje que or-

denará a prisão e a expulsão de todo o pessoal das Embaixadas da União Soviética e Tchecofilováquia se êsse pessoal não sair do Congo antes de amanhã ao meio-dia.

Mobutu, chefe do grupo militar que as- sumira o poder, fèz esta advertência quan- do a Embaixada' Soviética anunciou que não faria caso da ordem anterior de Mo- butu, de sair antes da meia-noite de hoje.

Falando aos . jornalistas, Mobutu disse quc enviaria tropas para ro- ilc.ii- as embaixadas da União So- viética e Tchcco-Eslováquia.

Acredita-se qur, por sua parle,

o embaixador soviético teve uma conferência com as autoridades congolesas.

Ao mesmo iempo que advertia o.s soviéticos e tchecos, Mobutu enviou

Noivado oficial do rei Balduino

BRUXELAS, 16 — Anunciou- se oficialmente hoje o compro- misso matrimonial entre o ca- tólico rei Balduino da Bélgica e a senhorita Fabiola de Mora Aragon, descendente de uma an- liga e nobre familia espanhola.

O anúncio do próximo casa- mento do rei de 30 anos e a jo- vem de 32, íoi íeito pelo pri- meiro-ministro Gaston Eyskens, numa transmisssão especial pe- lo rádio, pondo assim íim a íô- da década de conjeturas e ma- nobras casamenteiras a futura rainha dos belgas — uma das filhas de dom Gonzalo Mora Fernandez Riera Del Olmo, conde de Mora e marques de Riera, falecido em 1957. e Bran- ca de Aragon Carrillo Albonoz

— chegou hoje a Bruxelas em automóvel, acompanhada de sua Para Deputado 108 PSD

Hugo Ramos Filho

A PARTIR DE

19 DO

CORRENTE, 0

BANCO DE BOSTON

• •••••• •••

terá novo

endereço às suas ordens

••••••••••

R. Líb. Badaró, 487 e Parque Anhangabaú, 404

AGORA N0 CORAÇÃO DE SÃO PAULO SERVINDO MELHOR AOS PAULISTAS]

}j_m____uÊ ^k Mfl ^B

-____&_ -_____r^____P_H í ____¦

9r. BB^B^-mI H* fl _\\

Bgjl 1 ^^fl^tf. EB .'.'¦]

wBm. -^ ">'.__________i ______

br <íí ¦¦¦y ______[¦ ws^S_WWYW

''¦ EB

_____¦ . Ê. ^_-_________F -___Í__^_^«9_b[

mae e um irmão, para ser apre- sentada aos membros da Corte.

A senhora de Mora e Aragon será a primeira rainha dos bel- gas desde 1935. em que a raí- nha Astrid, mae de Balduino, morreu num acidente automo- bilístico.

A futura rainha, sua mãe e seu irmão, Gonzalo de Mora Aragon, conde Mora, almoça- ram hoje com Balduino e ou- tros membros da família real no Castelo de Ciergnon, na re- gião dos Montes Ardenas, antes de vir a Bruxelas para a recep- ção no Palácio de Laeken.

Círculos da Corte disseram que a jovem é uma nobre es- panhola alta e espigada, fã do tênis, da pintura e da música, entre cujos antepassados íigu- ram as famílias reais de.Na- varra e Aragon, assim como Fernando de Lesseps, o enge- nheiro francês que construiu o Canal de Suez, entre seus pa rentes imediatos figuram três irmãos e três irmãs.

Nascida no dia 11 de junho de 1928, a futura rainha é en- fermeira diplomada que traba- lhou num hospital militar na Espanha e dedicou boa parte de seu tempo ao cuidado dos enfêr mos e ao trabalho social e de caridade. .

Rene Le Fèbure, chefe do ga- binete de Balduino, declarou que não tinha" a menor idéia de quando conheceu o rei a sua noiva, porém destacou que ela havia vindo várias vezes de vi- sita à Bélgica e conhecia a fà- milia real belga desde há tempo.

Quanto à data dp casamento, Le Febure disse que "é impôs- sível fixar no momento uma da ta, porém, como todos sabem, os compromissos reais nunca duram muito tempo. s

Outros círculos expressaram a crença de que o casamento se- rá realizado em fim de novem- bro ou princípio de dezembro.

"A escolha do rei íoi aprova- da cordialmente pelo governo", disse Eyskens, ao íazer o anún- cio pelo rádio. .

Le Fabure disse que, além do espanhol a futura rainha fala corretamente o francês, o inglês e o alemão, e está agora estu- dando o flamengo. A língua da maioria dos belgas.

A reação produzida no públi- co pelo anúncio de Eyskens deixou claro que a frieza da?

relações produzidas entre a co- roa e o povo por causa, da guer- ra é coisa do passado. Aos pou- cos minutos do anúncio, a ban- dèira nacional apareceu em muitas casas particulares e em todos os edifícios públicos, en- quanto multidões começaram a concentrar-se frente' ao palácio real. Os jornais lançaram edi- ções especiais que foram arre- baladas pelo público nas ruas.

Balduino é rei dos belgas desde 1950, em. qué abdicou seu pai, o ex-rei Leopoldo III., Ainda que a familia real re- gressou do exílio, na Suíça, gra- ças a um voto majoritário do povo, algumas facções jamais perdoaram Leopoldo de ter ado- tado uma atitude "cooperativa"

com os nazistas, depois da ca- pltulação da Bélgica em 1940.

(U.P.I.)..

tropas à residência do deposto pri- meiro-ministro Patrice Lumumba e deteve vários colaboradores de Lu- mumba.

Mobutu declarou que não tem in- tençào de prender Lumumba. Lu- mumba sc encontra protegido por soldados ganesês da Força de Emergência das Nações Unidas.

Mobutu, o "homem forte" que apareceu esta semana no cenário político do Congo, trouxe tropas de reforço a Leopoidville dc outros lugares do pais.

Um porta-voz da embaixada so- viética declara que o ultimato de Mobutu não seria tomado a sério.

O porta-voz disse que a embaixada não havia recebido nenhuma noti- ficação oficial - para sair do pais e que, em todo caso, o embaixador estava acreditado ante o chefe de Estado, Joseph Kasavubu, e não an.

te Mobutu.

Mobutu disse que os soldados congoleses que ajudavam as tropas de Gana a montar guarda na resi- dência de Lumumba e os qúe ocuparam esta manhã o edifício do parlamento "são leais a mim".

Mobutu disse que tinha noticias não confirmadas de que aviões so- viéticos iriam trazer tropas de Stanleyville, baluarte político de Lumumba, e avisou ao comando das Nações Unidas que esses aviões não poderiam aterrissar nesta Capital se essas versões fossem verdadeiras.

Mobutu disse que os soldados do Exército "estão agora sob minha di reção" e que, sem êle, Lumumba

"não teria saído com vida" do acampamento Leopold quando foi ali, ontem, solicitar proteção.

"A maioria dos oficiais e subofi- ciais queriam prender Lumumba, mas não concordei com isso, por que havia anunciado que êle, o pre.

sidente Kasavubu e o Parlamento deveriam ser neutralizados à espe- ra de que amainem suas discrepfin cias — disse o coronel. Contudo, se Lumumba continuar. sua atividade política, será preso.

Quanto ao ex-comandante do Exército, general Victor Lundula, partidária e parente. de Lumumba, Mobutu disse que o general foi des- tituído pelo presidente Kasavubu e se encontra sob proteção dc tro- pas das Nações Unidas.

Mobutu deu enérgicas instruções a suas tropas para impedir què Lu mumba, Kasavubu e ós demais po litic-os se comuniquem com seus partidários do resto do- pais.

Um po!rta-voz das Nações Unidas salientou hoje que Lumumba se en contra protegido "por tropas das Nações Unidas, a seu próprio pedi- do, e que as Nações Unidas o pro- tegerão contra toda tentativa dc dano físico ou de prisão "ilegal".

Kasavubu proferiu ordem de pri- são contra Lumumba, mas o que ninguém sabe agora é j se essa or- dem terá valor.

Enquanto isto, Kasavubu distri- buiu hoje uma comunicação is em- baixadas estrang-erias para expli- car as razões de sua decisão de afastar Lumumba do governo.

A comunicação diz que Lumum ba agravou, com sua falta de tato, o problema de Katanga, a provin- cia qu* se separou do Congo, _ que ademais trouxe só Congo 15 aviões e 100 caminhões soviéticos sem con- sultá-lo. (U.P-I.).

I

Nikita Kruchev falaria antes

de Ike na ONU

NAÇÕES UNIDAS, Nova York 16 — A questão de quem abrirá o fogo na A. sembléia Geral das Nações Uni- das — Nikita Kruchev contra o presidente Eisenhower, ou vice-versa — é especulada nas esieras da organização mundial-, .

O "Baltika", navio que traz o primeiro-ministro russo a Nova York, chegará a êste porto segunda-feira,

um dia depois da chegada do primeiro-ministro cubano Fidel Castro, e um dia antes da chegada do presidente da Iugoslávia, marechal Tito.

O presidente Sukarno, da Indonésia; o da República Árabe Unida, Gamai Abdel Nasser; o líder comunista po- lonês, Wladislaw Gomulka, e várias outras personalidades do cenário político internacional chegarão a Nova York no mesmo período, de modo que Kruchev terá um audi- tório de primeira ordem para descarregar sua primeira saraivada propagandística contra os Estados Unidos.

Eisenhower falará à. Assembléia Geral quinta-feira, de- pois de dois dias de sessões usualmente dedicadas ai questões de procedimento.

LEOPOLDVILLE — O líder congolês Joseph Mobutu fala aos jornalistas, após uma cn- trevista coletivn à imprensa, nesta cidade. As tropas chefiadas pelo coronel Mobutu

cercaram o parlamento e impediram os deputados e senadores de realizar uma reunião. (Radiofoto UPI)

Brasil abrirá

debate na ONU

NAÇÕES UNIDAS. 16 — O debate geral será aberto quinta-leira próxi- ma, na sessão da manhã pelo minis- tro do Exterior do Brasil, Horácio Lafer.

O Brasil sempre abre o debate geral na assembléia-geral da ONU.

É uma tradição que começou com ai Nuções Uunidús e não tem explica- ção alguma, embora niguém tenha pretendido modificá-la.

O presidente dos Estados Unidos, Swight D. Eisenhower, falará ante?

de Lafer, talvez às 11 horas da nu nhã.

O porta-voz da delegação soviética) ao ser perguntado hoje se o primei- ro-mlnistro soviético Nikita Kruchev falaria sexta-feira próxima,' limitou - se a dizer que não podia negá-lo nem afirmá-lo. Os círculos informado*

acham que Kruchev falará nesse dia.

O primeiro-ministro de Cuba, se não, houver modificação,. na lista de oradores que participarão do debate girai, falará no> plenário da assem- bléla, no próximo dia 26.

O chefe eta missão permanente de Cuba, Manuel Bisbe, havia solicita- do inscrição, em principio, para * sessão de sexta-feira próxima e para a do dia 26.

Na manhã de hoje, na lista de ora- dores do departamento de imprensa das Nações Unidas,, o nome dó pri- meiro-ministro cubano aparecia no esp. ço correspondente à sessão do di;

26. -

A delegação de Cuba-pediu a .T.

Santos Quijano, diretor dos «erviços (de rádio e televisão da ONU, que se faça uma película da intervenção de Castro no debate geral.

A película ecrã enviada por via aérea a Havana e projetada pela te- levisão na capital cubana horas depois de pronunciado o discurso na ONU.

As palavras de Castro serão grava- das também numa fita magnetofónica para radiodifusão na capital cubana,

(UPJ).

E.U.A. apoiam ação da ONU no Congo

NAÇ0E§ UNIDAS, 16 — As Nações pequenas se encontram empenhadas hoje em evitar um choque entre a Rússia e os Es- tados Unidos sobre o papel das Nações Unidas no Congo, porém seus esforços iniciais não íoram satisfatórios.

O embaixador do Ceilão, Clau- de Coréa, propôs a íormação de um Comitê das Nações Unidas

México comemora aniversário da

independência

CID AM! DO MÉXICO.-16— O pre- sidente Adolfo Lopez' Mateos regrei- sou esta madrugada à capital, pro- cedente de Dolores, Hidalgo, depois de rspetir ali, pouco antes da meia- noite passada, o histórico grito de

"Viva o MéxicoI", com que o padre Miguel Hidalgo desatou a guerra da Independência mexicana, há 150 anos.

Embaixadas especiais de 53 nações assistiram à cerimônia ontem á noite em Dolores, Hidalgo, antes de regres- sar à Cidade do México, com Lopez Mateos, para presenciar o grande des- file militar com que íoi comemorado hoje na capital • sesquicentenário da Independência.

Lopez Mateos lançou o tradicional de -Viva os rebeldes, viva a Inde- pendência e viva o México 1" das gra- des da' mesma igreja da qual o pa- dre Hidalgo lançou os mexicanos con- tra o domínio espanhol, às 23 horas do dia 15 de setembro de 1810.

Depois da cerimônia, houve uma demonstração de fogos de artificio, enquanto Lopez Mateos oferecia a seus convidados uma recepção no edifício da Prefeitura. Entre o» pre- sentes figuravam o secretário de Es- tado americano. Chriatian A, Herter;

o secretário de Defesa, Thomas Ga- tes; Milton Eisenhower, irmão do presidente dos Estados Unidos; o mi- nistro das Relações Exteriores da Ale- manha Ocidental, Henrich von Bren- tano; e Nikolai N. Organov, vice- presidente do Supremo Soviete da União Soviética.

Na capital, a cerimônia do "grito"

foi realizada na mesma hora que em Dolores. O prefeito de Cidade do México, Arnesto P. Uruchurtu, lançou o grito das sacadas do Palácio Na- cional como representante de Lopez Mateos e a seguir ofereceu uma re cepção a seis mil convidados, no mesmo lugar.

Milhares de mexicanos e turistas presenciaram hnji o desfile militar entre o Palácio Nacional e o monu mento aos heróis da Independência.

Neste desfile, ato culminante dos festejos da Independência, participa- ram cadetes militares de doze nações mais 17.000 soldados do Exército c unidades da Marinha do México, Os Estados Unidos se fizeram represen- tar por cadetes da Academia Militar de West Point, da Academia Naval de Anápolis e ds Academia da Força Aéret.tUPI»

que se encarregaria de recon- ciliar as facções antagônicas con- golesas. Também'pediu à União Soviética e aos Estados Unidos que retirassem seus projetos de resolução e estudassem a manei- ra de abordar o problema do Congo.

O embaixador americano decla- róu, contudo, no Conselho:

"Os Estados Unidos são par- tidários de que contiuem os es- forçõs' das Nações ' Unidas, no Congo.

O representante da Rússia tor- nou cisto-que a União Soviética manlém-seu projeto de resolução, que pede a saída '

do' comarído das Nações'Unidas do Congo e o fim da "intervenção" dás Nações Unidas nos assuntos congoleses.' O projeto equiyale. a. uma mq- ção de censura- ao secretário-ge- ral Dag Hammarskjold e a.sua

política no Congo:

A menos que as nações pe- quenas tenham êxito em suas gestões conciliatórias,, é seguro que a União Soviética vetará o projeto americano, que- expressa pleno apoio a Hammarskjold e pede a todas as nações que se abstehham de prestar ajuda mi- litar direta como a què a Rússia vinha prestando ao destituído primeiro-ministro Patrice Lu- mumba.

Tal yiito obrigaria a levar o problema congolês a uma reu- nião de emergência da Assem- bléia Geral' das Nações Unidas;

provavelmente durante o fim-de- semana. O què muitos temem é que isso signiK-H.^ «òmente

CUBA

Rebeldes atacam guarnição militar

NOVA YORK, 16 — Um porta-voz da Aliança de Libertação Cubana disse esta noite que as forças rebeldes, que operam na Serra do Escambray, deram morte a deze- nove soldados do Exército de Fidel Castro e feriram vá- rios outros, em um ataque à guarnição militar de Mani-

caragua. , -1

Luis Conte Aguero disse que as baixas do Exército foram levadas em caminhões a Santa Clara, capital da província de Las Villas, perto de Mani caragua.

Conte Aguero acrescentou que não podia precisar a data do ataque, mas que êste havia ocorrido em princípios desta semana.

O portavoz da Aliança, que diz patrocinar a írente ãnticastrista em. Cuba Central, declarou que o ataque foi lançado depois que unidades navais cubanas desembar- caram tropas num pequeno porto da Costa Sul de Las Villas.

Conte Aguero disse que essas tropas eram a vanguarda da ofensiva iniciada pelo governo cubano contra os x°.- beldes da Serra do Escambray, . ..-. • .

O ataque a Manicaragua íoi dirigido pêlo capitão Fi- necio Watt, anteriormente apresentado como um coman- dante de zona em Escambray. — (UPI).

WASHINGTON, 16 — O porta-,das restritivas.impostas pelo go- voz do Departamento de Estado.de-

clarou que as autoridades cubanas informaram ao embaixador amerl- cano em- Havana, Philip Bonsal, que uma .secretária da Embaixada dos Estados Unidos, Marjorie Len- nox, ontem detida pelos serviços de Segurança, foi objeto "de sérias acusações de entromissfio' em assun- tos internos cubanos" e "de ter realizado atividades irreggjares".

Aduziu o porta-voz que a senho- ra Lennox, detida ontem à noite em seu apartamento, continua er«.

podei' da Polícia secreta, que náo a autorizou a entrar em comunica- ção com a Embaixada.

O embaixador Bonsal, afirmou o porta-voz, protestou, a respeito, junto ao governo cubano. O portu- voz qualificou de "muito vagas"

as acusações dirigidas contra, a se-

«'etária que está naquele posto de..- de novembro de 1958, tendo decla- rado que, serão feitos todos os es- forços possíveis, para que seja ob- tida sua liberdade.

O~'protesto do embaixador foi ini- cialmente íeito de modo verbal, e a seguir por escrito.

Êsse novo Incidente, que ocorre apenas dois dias antes da chegada de Fidel Castro a Nova York, che- fiando a delegação do seu país, à Assembléia Geral das Nações Uni- das, provoca nova tensão entre os dois países.

Não afastam, a possibilidade de que a prisão da senhora Lennox, bem como a busca realizada em seu apartamento pela Polícia .cuba- na, tenham relação com:as ,medi-

Grã-Bretanha e a Assembléia da ONU

LONDRES, 16 — O governo bri- tânico deseja reatar _ série de Con- ferências de Cúpula, interrompidas pelo fracasso da de Paris. Essa<a li- nha geral adotada pelo gabinete britânico, às vésperas do início-dos debates da Assembléia. Geral da ONU, indicam- em alta fonte • go- vernamental. '

Para ir, pessoalmente a Nova York, espera MacMillan algumas provas, concretas da sinceridade'de Kruchev, no que se refere à sua política de coexistência. Essas pro- vás poderiam ser:

1) Instruções dadas pelo chefe do governo- russo, a seus delegados, para que retomem às negociações na Comissão dos Dez, para o de- sarmamento. Salientam, na mesma fonte que os princípios soviéticos ,c ocidentais, quanto ao desarmamen- to, manifestados, nos respectivos planos, sao idênticos, salvo quanto aos pontos da vista relativos as- eta- pas do' desarmamento, nessas con- dições, julga-se aqui, que podem, e devem- ssr retomadas as negocia- ções construtivas; ...

2) Poderia Kruchev dar instru- ções semelhantes, para superar, os últimos obstáculos quanto a um acôrdo para a-suspensão dc provas

°! nucleares.

inicio do espetáculo .proR3gan-| n„ entanto, frisam, na mesma dístico, que se antecipa por mo- fonte, que os debates ria ONU vão tivo da próxima chegada do li- iniciar-se com o caso congolês, que der russo Nikita.Kruchev e sua será o pano de fundo. O governo comitiva de dirigentes comunis- >

las. (UPI) (Contínua na 7.» jpiíJ.

vêrno dos Estados Unidos quanto aos deslocamentos do primeiro-mi- nistro cubano, quando de sua per- manência em Nova York.

Também parece evidente que o governo cubano procu; % reunir íal- sas razões,, para empreender nova campanha, contra os Estados Uni- dos, no momento em que se vai ini- ciaa- a assembléia da ONU, em' No- va York. (FP)

CAIRO, 16 — "Os ameridanos querem assassinar Fidel Castro", eis o quç declarou o presidente da República Cubana, Oswaldo Dorti- cós, ao correspodente do jornal

"Gumhurya" em Cuba.

Acentuou o presidente Dorticos:

"Estou certo de que os americanos procuram a forma de fazer desapa- recer Fidel Castro e mandarão a.s- sassiná-lo caso não o consigam.- O mesmo tentarão fazer com Gueva- ra.

O presidente Dorticos concluiu afirmando ao jornalista que ó.go- vêrno cubano estava a par das maquinações secretas do governo americano com o clero católico de Cuba, pois que ambos desejam fa- zer guerra a Fidel Castro por to- dos os meios possíveis. (FP)

HAVANA, 16 — O governo cuba- no decidiu controlar a indústria do tabaco e cigarros, intervindo ontem à noite em todas as fábricas ¦_&

fumo do país e acusando os fabrl- cantes e armazenistas de "franca hostilidade ao desenvolvimento eco- nõmico da nação". A intervenção abrange todos os' armazéns de fu- mo em rama de todo o país. A resolução do Ministério do Traba- lho-' 'que- ordena a intervenção, acusa as. empresas de desistirem em aumentar a colheita, em com- prar matérias-primas e négarem-se a multiplicar os próprios recursos econômicos para o desemvolvlmenr to das suas atividades. (FP)

Até agora, acreditava-se que e o Departamento de Kruchev falaria depois do pre-

sidente — isto é, colocado em posição defensiva — porém, em esferas diplomáticas. Assinalou- se hoje, que, sendo Kruchev o chefe <de sua delegação • por- tanto, automaticamente um vi- ce-presidente da Assembléia e membro da comissão de iniciar tiva. E* bem possível que apro- veite a oportunidade de adian- tar-se ao presidente tomando a palavra para propor a já roii- neira questão da admissão da China Comunista na organiza- ção quando a comissão de ini- ciativa discutir, quarta-feira, o temário do décimo-quinto perío- do de sessões da Assembléia- Geral.

As medidas de segurança fo- ram reforçadas no edifício da Organização Mundial. Os guar- das começam desde hoje a exi- gir "passe" na entrada. Os tu- ristas terão oportunidade de percorrer o edifício em grupos

dirigidos-por guias da organiza-ibaixador de Cuba, Manuel Bis- Estado, porém estes estão não menos preocupados com a possibilida- de de violências contra Fidel Castro.

Em Washington, o Departa- mento de Estado revelou hoje que havia advertido as embai- xadas de Cuba e União Sovié*

tica que os guarda-costas par- ticulares de Castro e Kruchev não poderão portar armas nos Estados Unidos.

A polícia encara seriamente a possibilidade de que haja distúr- bios e mesmo tiroteio, e hoje expediu a seguinte ordem:

Os oficiais (policiais) encarte- gados de qualquer ato nos lo- cais que possam ser visitados pelas delegações oficiais, Inspe- cionarão os edifícios na zona imediata, para estabelecer a lo- calização de refúgios públicos ou de quaisquer outros possi- veis refúgios que houver na zo- na." (U.P.I.).

NOVA YORK, 16 — 0 em- ção e, a seguir, n sede ficará fe

chada para todos, exceto para os diplomatas, funcionários e jorna- listas credenciados.

Todas as embarcações do porto receberam hoje ordem de man- ter-se afastadas pelo menos uns 65 metros do "Baltika"

quando o navio chegar a Nova York, segunda-feira.

Kruchev e o lider comunista húngaro János Kadar são o maior problema para a polícia

be, anunciou hoje que num ho- tel "próximo às Nações Unidas"

foram feitas reservas para o pri- meiro-ministro de Cuba, Fidel Castro, e "a maioria de sua eo- mitiva". O embaixador cubano recusou dar a conhecer o nome do hotel. (U.P.I.).

NAÇÕES UNIDAS, 16 — O ministro do Exterior da Repú*

blica Dominicana, Poríírio Her- vera Baez, presidirá à delega*

(Continua na lia. páaina) I

Diverqênc ias na Organização dos

Estados Americanos

WASHINGTON, 16

Morales, ex-chefe' da Divisão de Economia da Organização dos Estados Americanos (OEA), es- tá preparando, segundo se in- íorma, uma severa acusação contra o secretário-geral da

"OEA", José A. Mora.

Morales, economista argenti- no cuja dispensa da Organização foi anunciada, ontem, pretende acusar Mora, segundo fontes diplomáticas, de não considerar os peremptórios problemas eco- nômicos e sociais do continente.

Sabe-se que Morales julga que a secretaria da "OEA" ao entabular querelas pessoais com seus assessores técnicos, está so- lapando a "operação pan-ame- ricana", o amplo plano de de- senvolvimento da América La- tina proposto pelo presidente do Brasil, Juscelino iKubitschek.

Fontes diplomáticas informa- ram que Morales conta para suas queixas com o apoio dos governos argentino e brasileiro.

Essas fontes insinuaram que o choque entre Mora e Morales pode dar lugar a uma extensa investigação da eficiência da secretaria da "OEA". Informou- se que as autoridades dos Esta- dos Unidos são partidárias de tal investigação, que viria com- pletar a. reorganização do Con- selho Interamericano Econômi- Ir o e Social, decidida pela re cente Conferência Econômica da "OEA", em Bogotá.

A divulgação das divergên- cias entre o secretário-geral da

Cecílio "OEA" e Morales, uma das mai»

destacadas autoridades econô- micas do hemisfério, fêz surgir à luz uma longa ¦_ inflamada si*

tuação no seio da organização.

Muitos diplomatas latino-ame*

ricanos consideram que a si- tuação está > comprometendo a aplicação eficiente dos amplos programas econômicqs - c sociais adotados em Bogotá, para os quais os Estados Unidos autori*

zaram a inversão de ...

500.000.000 de dólares.

Crêeip que, se o Conselho Eco- nõmico e Social pretender assu*

mir um papel preponderante na administração dos fundos, antes terá de sofrer uma reorga-

hizaçlo, ' .

O embaixador do Uruguai, Carlos Clulow, presidente do Conselho, expressou sua com- pleta conformidade com a reor- ganização e a esperança de que cada governo membro nomeia altos funcionários com pleno»

conhecimentos técnicos para es- tudat os meios de fortalecer o Conselho. Prevê-se uma coníe- rência em Bogotá, no curso do»

dois próximos meses, para rc- examinar a estrutura do Con- selho.

A suspensão de uma sessão extraordinária do Conselho por falta de "quorum" proporcionou ontem um exemplo da atitudt de alguns membros do Conselho que foram censurados. A. sessão deverá estudar um programa da trabalho para o próximo exer*

cício econômico. (U.P.I.). i '.

CLARA A SITUAÇÃO NA ÁFRICA...

| ,;.;¦ . v,; ,;;" __

£ $ g r

—- ¦- '••¦ ¦¦•¦'¦¦ j --•»¦-' ¦-

Imagem

Referências

temas relacionados :