Duas décadas de apoio ao mercado

Texto

(1)

sões referentes a 460 empresas e estoque de R$ 228 bilhões.

No decorrer desses 20 anos, a ANDIMA procurou atuar sempre em sintonia com as autoridades reguladoras, formulando pleitos e sugestões, tendo em vista a ampliação e o fortalecimento do mercado.

Resultam desse trabalho me- didas importantes como a Deci- são-Conjunta do BC e da CVM que reduziu os prazos mínimos para aplicações em debêntures e permitiu que ativos pudessem ser corrigidos também pela Taxa DI, seguindo as regras aplicáveis aos demais papéis negociados no mercado financeiro, e o retorno das operações compromissadas com o papel, que estimulou o alongamento de prazos, benefi- ciando o mercado secundário.

Da mesma forma, merecem ênfase iniciativas no campo re- gulatório, tais como a edição das Instruções 400, que representou grande evolução no que diz res- peito à regulação das ofertas de valores mobiliários nos merca- dos primário e secundário e às exigências de informações para os investidores, e 429, que ins- tituiu o registro automático de debêntures e outros valores mo- biliários, possibilitando uma co- locação mais ágil dos ativos em mercado.

No que diz respeito às ações empreendidas pela ANDIMA

Duas décadas de apoio ao mercado

para incrementar o mercado, cabe ressaltar, em especial, os Trabalhos de Orientação para Cálculos e Textos de Escritu- ras de Debêntures; o Guia de Consulta Rápida à Legislação;

o Caderno de Debêntures, hoje disponível em meio eletrônico; a elaboração de diversos estudos, com destaque para o que trata dos conflitos de interesses em processos de ofertas de valores mobiliários no Brasil, atendendo consulta formulada pela IOSCO;

e o lançamento do site debentu- res.com.br, o primeiro dedicado a um ativo financeiro no país, e que está completando dez anos em 2008. A precificação de de- bêntures e o desenvolvimento da ferramenta CONFERE também se inserem nas ações voltadas para ampliar a transparência e dinamizar o mercado.

Há muito o que celebrar nes- ses 20 anos, mas também mui- to a fazer adiante. Por isso, a ANDIMA realizará em 2008 uma série de atividades que in- cluem a divulgação de uma lo- gomarca comemorativa, lançada neste Boletim; a publicação de estudo sobre a trajetória do Sis- tema e do mercado de debêntu- res; e a implantação de melhorias no site, entre as quais a criação de uma área específica destinada ao investidor e de novas funcio- nalidades que visam a facilitar ainda mais a navegação.

ano XIV • nº 61 • JanEIRo/FEVEREIRo 2008 • www.debentures.com.br

O SND - Sistema Nacional de Debêntures completa, em 2008, duas décadas de fun- cionamento, período que pra- ticamente se confunde com a história do mercado de debên- tures no Brasil. Embora exista juridicamente desde o Império, esse importante instrumento de captação de recursos somente se consolidou a partir dos anos 80, tendo alternado, até então, momentos de alguma pujança com outros de estagnação, quase sempre relacionados a entraves de ordem tributária.

Um impulso significativo ocorreu em 1987, com a edição da Resolução nº 1.401, do CMN, que equiparou as debêntures às demais aplicações de renda fixa para efeito de incidência de Imposto de Renda. Naquela se- gunda metade da década de 80, com a CETIP recém-criada, a ANDIMA trabalhava para am- pliar a área de atuação de seus Associados, desenvolvendo sis- temas eletrônicos para efetuar o registro, a custódia e a liqui- dação financeira das operações realizadas com diversos ativos.

A idéia era garantir segurança, agilidade e transparência às ne- gociações.

O SND surgiu como resul- tado desse esforço conjunto.

Inaugurado em junho de 1988, o Sistema acumula volume total de US$ 162 bilhões, 844 emis-

100% Reciclado

(2)

Fotos Flávio Guarnieri

Recebido por Francisco Cláudio Duda (e) e Sergio Cutolo (d), José Antonio de Almeida Filippo apresentou números recentes

da companhia e analisou os rumos do mercado de capitais

Comitê se reúne com diretor da CPFL Energia O Comitê de Valores Mobi-

liários da ANDIMA reu- niu-se no dia 5 de março, em São Paulo, com a presença do diretor vice-presidente Financeiro e de Relações com Investidores da CPFL Energia, José Antonio de Almeida Filippo, que apresentou números recentes da companhia, além de avaliar a situação atual do mercado de capitais brasilei- ro. Filippo ressaltou o tempo e os custos elevados que as em- presas enfrentam quando estru- turam suas emissões, bem como

a reduzida liquidez do mercado secundário de debêntures. Ain- da assim, demonstrou otimismo quanto ao papel que o mercado de capitais brasileiro deve exer- cer nos próximos anos em termos de alternativas para o financia- mento das empresas em geral, e do grupo CPFL, em particular.

No encontro, o superintendente de Produtos e Relações Institu- cionais da ANDIMA, Luiz Ma- cahyba, apresentou o novo texto de orientação da cláusula de de- bêntures, enfatizando que o do-

Já está disponível, na opção Explore o SND/Emissões de Debêntures/Características, uma nova pesquisa que pode utilizar filtros como data de registro na CVM, alteração de data de vencimento e categorização como IPO - ou seja, se a emissão é o primeiro instrumento da companhia no mercado de capitais.

Os resultados obtidos podem ser consultados diretamente no site ou importados por download.

Também está disponível na opção Explore o SND/Consulta a dados/Emissões de Debêntures a consulta Prazo Médio, que possibilita ao usuário consultar e comparar os prazos das emissões de debêntures. Foram desenvolvidas ferramentas de busca por emissor, código do ativo, data de emissão, registro na CVM e prazos das emissões. A consulta pode ser feita, ainda, considerando a repactuação como vencimento do ativo. O sistema possibilita download das informações.

Dicas do site

cumento incorpora as principais

inovações apresentadas pelas es-

truturas mais recentes. Macahyba

solicitou aos presentes que enca-

minhassem, no prazo de uma se-

mana, críticas e sugestões ao do-

cumento, que posteriormente será

avaliado pelo Comitê Operacio-

nal e de Ética, a fim de que seja

atualizado no Código Operacio-

nal do Mercado. Participaram do

encontro o diretor da ANDIMA

responsável pelo Comitê, Sérgio

Cutolo, e o presidente do Comitê,

Francisco Cláudio Duda.

(3)

nantes e juristas. Por exemplo, o benefício da isenção de impostos para investidores estrangeiros em títulos da dívida pública ain- da não foi estendido ao investi- mento estrangeiro em títulos da dívida privada. É óbvio que uma simplificação da tributação sobre os títulos privados, em particular

no que cabe à pessoa física, seria muito benéfica para o mercado de debêntures. Há um conjunto de normas que privilegiam os títulos públicos em detrimento dos títulos privados que precisa ser revisto e amenizado em favor destes últimos. As regras de pru- dência dos fundos de previdên- cia, entre outros, são claramente

Mercado de debêntures:

desafios e oportunidades O Tesouro Nacional tem am-

pliado paulatinamente a participação de títulos prefixa- dos na dívida federal interna. O mercado de debêntures, porém, não acompanha esta tendência e continua a apresentar domínio absoluto dos títulos indexados à Taxa DI. Evidentemente, o buy side demanda e os emissores en- tregam. Mas quando será que os investidores institucionais pas- sarão a adotar outros padrões de desempenho que não seja a Taxa DI? Mudar esta cultura de pós- fixação me parece crucial para o futuro do mercado de debêntures e títulos privados em geral. Os economistas chamam de pecado original a dificuldade dos emis- sores de emitir títulos em sua própria moeda e por prazos lon- gos em seu país e no exterior. O Brasil tem conseguido superar o pecado original. O prazo médio das debêntures vem aumentando, não há dificuldade em se emitir em reais no país e algumas emis- sões em reais no exterior também vêm sendo feitas. Talvez um res- quício do nosso pecado original seja a relutância que ainda existe para se adquirir títulos prefixa- dos. No mercado de debêntures, este ainda é um obstáculo a ser vencido. Uma tarefa de grande importância, tanto do ponto de vista educacional quanto opera- cional, é estimular a adoção de novos padrões de desempenho prefixados.

Temos, ainda, que vencer certo preconceito que existe no Brasil contra o credor, particularmente por parte de legisladores, gover-

adversas aos títulos privados. Es- tas mesmas regras, definidas por diferentes autoridades para dife- rentes tipos de investidores ins- titucionais, poderiam ser harmo- nizadas com restrições menores para os títulos da dívida privada.

A intenção e os esforços de importantes agentes do merca- do, como o SND, a ANDIMA e a CETIP, no sentido de melhorar os sistemas de negociação, liqui- dação e custódia, bem como as práticas, a qualificação dos pro- fissionais e a transparência do segmento são fundamentais para o desenvolvimento do mercado secundário de debêntures. Ou- tros agentes precisam atuar mais no sentido de promover o mer- cado secundário, ativando sua liquidez e, quem sabe, em um futuro não muito distante, atrain- do os investidores pessoa física.

Além disso, a aproximação com diversos profissionais que atuam indiretamente no setor, como os juízes de Direito, deve ser tarefa contínua das instituições interes- sadas no mercado de debêntures.

Reduzir o preconceito contra o credor desses agentes é uma tarefa educacional importante.

Aumentar o conhecimento sobre o mercado de debêntures poderá ser muito importante para a fu- tura expansão que se deseja. O exemplo da aproximação do mer- cado de ações do investidor indi- vidual, embora em escala menor, pode servir de inspiração.

Ricardo Leal é professor titular de Finanças do Instituto Coppead de Administração (UFRJ)

Opinião - Ricardo Leal

Os economistas chamam de pecado original a dificuldade dos emissores de emitir títulos em sua própria moeda e por prazos longos, em seu país e no exterior.

O Brasil tem conseguido superar o pecado original

Ricardo Leal

(4)

Estatísticas do SND

Características dos Ativos Registrados no SND no Bimestre

Emissor Série/

Emissão Volume

(R$ milhões) Garantia/

Espécie Proposta do

Bookbuilding Remuneração Amortização Jan/08

Bradesco Leasing Única/5ª 5.000,00 Subordinada - 100% da Taxa DI -

BFB Leasing Única/8ª 10.000,00 Subordinada - 100% da Taxa DI -

Cyrela Participações 1ª e ª/ª 99,50 Quirografária Taxa DI + 0,65% Taxa DI + 0,65% -

Dibens Leasing Única/6ª 5.000,00 Subordinada - 100% da Taxa DI -

Even Construtora Única/ª 150,00 Quirografária - Taxa DI + 1,0% Anualmente a partir de 1/10/010 Fev/08

Even Construtora Única/ª 100,00 Quirografária - IPCA + 8,75% Anualmente a partir de 15/10/011

Energipe Única/1ª 7,8 Subordinada - US$ + 8,85% Anualmente a partir de 8/11/01

Usiminas Única/ª 500,00 Subordinada Taxa DI + 0,5% Taxa DI + 0,% Anualmente a partir de 1//01

0 50 100 150 200 250

2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008

DI Índices de preços US$ Outros

Volume (R$ bilhões)

Estoque por Tipo de Remuneração

- 20,00 40,00 60,00 80,00 100,00 120,00 140,00 160,00 180,00

Volume (R$ bilhões)

1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Ações

Debêntures Notas Promissórias FIDC

FIP

Outros (Certificado de Recebíveis Imobiliários, Quotas de Fundo Imobiliário, Certificado Audiovisual, Certificado de Depósito de Ações, etc.)

Evolução das Ofertas Registradas na CVM Emissões em Análise na CVM - Posição no Último Dia do Bimestre

Emissor Entrada na CVM Volume de Emissão (R$ milhões) Emissão Classe Coordenador Líder

American Banknote 9//008 165,00 1ª Não Conversível Banco Bradesco BBI

Light 1/1/008 00,00 6ª Não Conversível Banco Itaú BBA

Energisa 17/1/008 150,00 ª Não Conversível Banco Citibank

Inpar 8/1/007 0,00 1ª Não Conversível Banco UBS Pactual

Neoenergia 7/1/007 0,00 ª Não Conversível Banco Bradesco BBI

Duke Energy 1/11/007 750,00 1ª Não Conversível Banco Citibank

Serra do Facão Participações * 10/8/007 10,00 1ª Não Conversível Banco Santander

* Interrompida conforme artigo 10 da Instrução CVM nº 00, de 9/1/0.

(5)

5

Estatísticas do SND

Vencimentos Programados no SND para o Próximo Bimestre

Emissor Ativo Data do Vencimento Estoque em 29/02/2008(R$ milhões)

Ampla AMPL1 1//008 06,80

Ultrapar Participações UGPA11 1//008 1,91

Ultrapar Participações * UGPA1/ //008 916,71

Petróleo Ipiranga PTIP11 6//008 ,0

* Resgate antecipado

Ratings da Emissões de Debêntures

Atribuições

Emissor Emissão Agência Classificadora de Risco Rating Atual Data

Eletrometrô ª Austin AA- 8/1/008

Dibens Leasing 5ª Moody’s Aaa.br 16/1/008

BV Leasing 5ª Standard & Poor’s brAA 18/1/008

Usiminas ª Standard & Poor’s brAA+ 1/1/008

Usiminas ª Moody’s Aa1.br 1//008

Usiminas ª Fitch Ratings AA (bra) 8//008

Energipe 1ª Fitch Ratings A(bra) 7//008

Even Construtora ª Fitch Ratings A-(bra) 11//008

Prazo Médio das Emissões - Sem Leasing

Ano Repactuação Como Vencimento Apenas Vencimento

00 ,08 ,6

00 5,17 5,7

005 ,96 5,7

006 5,59 5,59

007 5,91 5,91

008 5,00 7,1

55%

4%

36%

5%

Metalurgia e siderurgia Energia

elétrica Construção Civil

Intermediação financeira

Volume Registrado na CVM em 2008 por Ramo de Atividade

4

6

1

2

26 31

IGP-M

IPCA

Prefixado ComercialUS$

% DI DI + Spread

Número de Ativos Registrados por Indexador - 2007/2008

Obs.: Não foram consideradas as empresas de arrendamento mercantil.

(6)

6

Usiminas - Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais S/a – Registrou sua quarta emissão, em série única, composta por cinco mil debêntures escriturais, no montante de R$ 500 milhões. Os recursos serão direcionados a propósi- tos gerais da emissora, entre os quais expansão e modernização de sua planta industrial. A Usiminas é a líder do

Sistema Usiminas - formado por empresas que atuam em siderurgia e em negócios onde o aço tem importância estratégica - que se destaca como o maior complexo siderúrgico de aços planos da América Latina e um dos 0 maiores do mundo.

Emissões do bimestre Volume supera os R$ 20 bilhões

Energipe - Empresa Energética de Sergipe S/a – É a primeira emissão da empresa, em série única com- posta por mil debêntures escriturais, totalizando R$ 7,8 milhões. Os recursos serão destinados inte- gralmente ao alongamento da dívida de curto prazo da emissora. Fundada em 1959, a Energipe é uma das cinco distribuidoras do grupo Energisa/Sistema Cataguazes-Leopoldina (SCL) existentes no país. Atende a 50 mil consumidores, espalhados por 6 municípios, abrangendo 96%

do território do Estado de Sergipe.

Even Construtora e Incorporadora S/a – Registrou sua segunda emissão em janeiro e a terceira em fevereiro, em séries únicas compostas por 15 mil e 10 mil debêntures escriturais, totalizando R$ 150 milhões e R$ 100 mi- lhões, respectivamente. Os recursos da segunda emissão destinam-se ao pagamento de passivos financeiros, e os da terceira, à incorporação de novos empreendimentos. A colocação das debêntures da ª emissão foi reali- zada nos termos da Instrução CVM nº 9, de //006. A Even resulta da união de duas empresas do setor da

construção civil do país: a ABC Investimob e a Terepins & Kalili, que desde 197 de- senvolvem diversos empreendimentos nas áreas residencial, comercial e hoteleira, com mais de 60 mil m² de área construída em aproximadamente 1.800 unidades.

ANDIMA cria nova Área de Educação

E m sintonia com o objetivo de aprimorar a educação finan- ceira dos participantes do mer- cado financeiro e capacitar pro- fissionais que desejam atualizar seus conhecimentos, a ANDIMA está ampliando e modernizando suas atividades de treinamento, que passarão a ser coordenadas pela nova Área de Educação da Associação. Entre as novidades da nova área, está o lançamento do Programa de Educação Con- tinuada em Renda Fixa, que visa

a capacitar profissionais, pre- parando-os para o desempenho de atividades no mercado finan- ceiro. Os temas são ordenados estrategicamente em diferentes níveis – básico, intermediário e avançado –, de forma a construir um processo evolutivo de conhe- cimentos. Além das mudanças no conteúdo programático, a ANDIMA Educação também está concentrando sua atuação no Rio de Janeiro em um único es- paço, que, após ampla reforma,

passou a contar com recursos

tecnológicos e de infra-estrutura

mais modernos, além de labora-

tórios especializados. Oferecen-

do cursos em três turnos – manhã,

tarde e noite –, o novo espaço

pode treinar até 150 alunos si-

multaneamente. Mais informa-

ções sobre as atividades desen-

volvidas pela ANDIMA podem

ser obtidas no site da Associação

(www.andima.com.br/educacao)

ou pelo e-mail educação@andi-

ma.com.br.

(7)

7

A

ssociAção

N

AcioNAldAs

i

Nstituiçõesdo

M

ercAdo

F

iNANceiro

PresideNte - Alfredo Neves Penteado Moraes; Vice-PresideNtes - Aldo Luiz Mendes e Edgar da Silva Ramos; diretores - Daniel Luiz Gleizer, José Roberto Machado Filho, Marco Antonio Sudano, Marcos Albino Francisco, Regis Lemos de Abreu Filho, Reinaldo Le Grazie, Robert John van Dijk, Saša Markus e Sergio Cutolo dos Santos; suPeriNteNdeNte GerAl - Paulo EduardodE Souza SamPaio; suPeriNteNdeNtede Produtose relAções iNstitucioNAis - Luiz Macahyba

Elaborado pela Assessoria de Comunicação em conjunto com a Gerência Operacional

ANdiMA rJ: Av. Chile, 0/1º e 1º - Tel.: (1) 81-800 • SP: Rua Líbero Badaró, 77/º - Tel.: (11) 115-11 GerêNciA coMerciAl: (21) 3814-3888 • www.andima.com.br • www.debentures.com.br

100% Reciclado

Sistema divulga marca registrada

Dando continuidade ao processo de formalização, junto aos públicos de interesse, da política de uso de suas marcas registradas no INPI, a ANDIMA está divulgando os padrões relativos à marca do SND – Sistema Nacional de Debêntures. O manual de utilização e os logotipos em formato adequado podem ser consultados e obtidos por download no site da Associação na internet e na RTM.

Cyrela Brazil Realty S/a Empreendimentos e Participações – Registrou sua segunda emissão - dividida em duas séries -, composta por 7 mil debêntures escriturais, totalizando R$ 70 milhões. Os recursos serão direcionados à formação de capital de giro da companhia e aquisição de terrenos localizados em São Paulo e no Rio de Janeiro. A Cyrela atua no setor de incorporação de edifícios residenciais de alto padrão em ambas as ca-

pitais; na incorporação, locação e comercialização de lajes corporativas de padrão e tecnologia elevados; e, de forma menos representativa, na locação e administração de shopping centers.

Bradesco Leasing S.a. arrendamento Mercantil – Registrou sua quinta emissão, em série única, composta por 50 milhões de debêntures escriturais, no montante de R$ 5 bilhões. Os recursos destinam-se a lastro para a realização de novas operações de arrendamento mercantil, alongamento de planos de operações e reforço do caixa da companhia. A Bradesco Leasing atua, em todo o território nacional, com ênfase nas regiões Sul e Sudeste, nos mercados de arrendamento mercantil e alongamento de planos de operações de arrendamento mercantil de veículos leves e pesados, aeronaves, embarcações, instalações, móveis e utensílios, máquinas e equipamentos de informática.

Dibens Leasing S/a arrendamento Mercantil – Registrou sua sexta emissão, em série única, composta por 50 milhões de debêntures escriturais, no montante de R$ 5 bilhões. Os recursos serão utilizados no financiamento das operações de arrendamento mercantil, bem como na composição de caixa da emissora. Em junho de 005, o Unibanco, que já possuía 51% das ações do Banco Dibens, passou a deter 100%. A nova estrutura permitiu a consolidação das operações da Unibanco Financeira e do Banco Dibens. A marca Dibens passou a ser utilizada no financiamento de veículos pesados, enquanto a Unibanco Financeira direcionou-se ao segmento de veículos leves e motos.

BFB Leasing S.a. arrendamento Mercantil – Registrou sua quinta emissão, em série única, composta por um milhão de debêntures escriturais, totalizando R$ 10 bilhões. Cem por cento dos recursos destinam-se ao capital de giro da empresa. Constituída em 197 sob forma de sociedade por ações,

com registro de capital aberto, a companhia tem como objetivo a realização de opera-

ções permitidas às sociedades de arrendamento mercantil no país.

(8)

Imagem

Referências

temas relacionados :