Abacate - cultivo

Top PDF Abacate - cultivo:

Ação dos reguladores de crescimento na abscisão, produção e matéria seca da variedade “HASS” de abacate (Persea americana Mill.) e viabilidade econômica do cultivo no estado de Minas Gerais.

Ação dos reguladores de crescimento na abscisão, produção e matéria seca da variedade “HASS” de abacate (Persea americana Mill.) e viabilidade econômica do cultivo no estado de Minas Gerais.

O ‘Hass’ é a variedade de abacate mais consumida no mundo, comumente chamada de avocado no Brasil. Tem alto nível de óleo; gorduras monoinsaturadas; além níveis elevados de vitaminas e antioxidantes, se tornando um dos frutos mais nutritivos. Dessa forma a cultura do abacate vêm crescendo muito nesses últimos anos no Brasil e no mundo, mas ainda é uma cultura que necessita de mais pesquisas cientificas quanto a sua fenologia e principalmente para o avocado que agora está aumentando as suas áreas de produção e seu consumo no Brasil. O presente trabalho procurou avaliar o uso de reguladores vegetais com o objetivo de diminuir alguns problemas que ocorrem na variedade ‘Hass’ do abacate, visando uma produção mais sustentável, economicamente viável, com melhor desempenho agronômico, e físico-químico ao cultivo sob condições de baixo impacto ambiental, além de projeção de custos mais reduzidos. O experimento foi conduzido em um pomar comercial de abacate, localizado em uma fazenda no município de Três Corações – Mg. Os tratamentos utilizados foram baseados em diferentes reguladores vegetais: sulfato de cobalto (Co); ácido salicílico (Ác. Sal.); ácido naftaleno acético (ANA) e no ácido 3,5,6-tricloro-2-piridil-oxiacético-3,5,6-(TPA) em diferentes concentrações e combinações entre eles, com objetivo de reduzir a abscisão dos frutos. O pomar de abacate é formado de plantas enxertadas da variedade ‘Hass’ indo para o terceiro ano de produção, as plantas apresentam bons sinais de sanidade e uniformidade. A partir das coletas de dados semanais foram avaliados a porcentagem de queda, queda acumulada e matéria seca. No ramo agrícola, toda produção de alguma cultura apresenta um dado risco econômico de não conseguir recuperar o investimento inicial ou demorar muito para conseguir. Seguindo essa ideia, o presente trabalho procurou analisar a viabilidade econômica da produção do abacate ‘Hass’ no estado de Minas Gerais, através dos indicadores econômicos: payback simples e descontado, VPL, TIR e índice de benefício-custo.
Mostrar mais

90 Ler mais

Fenólicos totais, polifenoloxidade e coloração em abacate 'Hass' submetido a radiação UV-C.

Fenólicos totais, polifenoloxidade e coloração em abacate 'Hass' submetido a radiação UV-C.

Constatou-se o decréscimo na atividade da PPO durante o período experimental sem diferença entre os tratamentos (Figura 2), com variação de 692,9 a 589,4 UAE/min/g (média geral dos dias), do início ao inal do armazenamento. Segundo Abreu et al. (1998), as variações na atividade da PPO são de- correntes das espécies, condições de cultivo e manejo das frutas. Por exemplo, em maçãs, há decréscimo da atividade da PPO com aumento da maturação (COSETENG; LEE, 1987), enquanto para pêssegos (BASSI; SELLI, 1990), assim como observado nos abacates, o comportamento foi contrário. No presente trabalho, a correlação entre fenólicos totais e PPO não foi signiicativa, sendo p= 0,397 e r=-0,099.
Mostrar mais

7 Ler mais

Ação de reguladores e inibidores de crescimento no manejo da abscição, níveis de nutrientes nas folhas, produção e qualidade de frutos de variedades de abacate (Persea americana Mill.)

Ação de reguladores e inibidores de crescimento no manejo da abscição, níveis de nutrientes nas folhas, produção e qualidade de frutos de variedades de abacate (Persea americana Mill.)

A abacaticultura brasileira tem crescido bastante nos últimos anos, mesmo o Brasil estando entre os maiores produtores dessa fruta, o país ainda possui um enorme potencial de cultivo, ainda não explorado pelos produtores brasileiros. É também uma cultura que possui poucas pesquisas sendo desenvolvidas para as variedades nacionais disponíveis para o mercado brasileiro. Dessa forma, o presente trabalho teve como objetivo avaliar a fenologia do abacateiro ‘Hass’, ‘Margarida’ e ‘Breda’ cultivados na região do Alto Paranaíba (MG), quando submetidas à aplicação foliar de diferentes reguladores vegetais. As plantas de abacateiro avaliadas são cultivadas em pomar comercial. Foram realizados diferentes experimentos, com diferentes reguladores vegetais nas plantas de abacate desde inibidores da biossíntese de etileno como auxinas sintéticas ANA e 3,5,6-TPA associados ao cobalto e ácido salicílico, visando a redução da queda de frutos, como também a aplicação de um triazol , o uniconazole (UCZ) que é inibidor da biossíntese das giberelinas, visando a redução do crescimento vegetativo e melhoria da qualidade dos frutos das variedades avaliadas.
Mostrar mais

97 Ler mais

Capacidade antioxidante e qualidade pós-colheita de abacate 'Fuerte'

Capacidade antioxidante e qualidade pós-colheita de abacate 'Fuerte'

Atividade da enzima polifenoloxidase Constatou-se o decréscimo na atividade da PPO durante o período de armazenamento e valores superiores para os frutos mantidos em temperatura ambiente até o 9º dia (Figura 8). Houve interação dos tratamentos e dias de armazenamento, sendo p=0,03. A enzima é encontrada praticamente em todos os tecidos vegetais (CÔRREA et al., 2007), e sua ati- vidade depende da espécie, das condições de cultivo e do estádio de maturação (MARTINS et al., 2004). Dessa maneira, veriicou-se que a atividade da PPO decresceu ao longo dos 15 dias de armazenamento, independentemente da temperatura. Contudo, o com- portamento da enzima PPO é variável e dependente da matriz do fruto. Por exemplo, em maçãs, veriicou-se aumento na atividade ao longo do amadurecimento (COSETENG; LEE, 1987), enquanto para pêssegos, assim como observado nos frutos de abacate, o com- portamento foi contrário (BASSI; SELLII, 1990).
Mostrar mais

13 Ler mais

Características biológicas de Nipteria panacea Thierry-Mieg (Lepidoptera, Geometridae), desfolhadora do abacateiro, na região serrana do Espírito Santo, Brasil.

Características biológicas de Nipteria panacea Thierry-Mieg (Lepidoptera, Geometridae), desfolhadora do abacateiro, na região serrana do Espírito Santo, Brasil.

O abacateiro é uma planta originária da América, tendo como centro de origem o México e a América Central. Atualmente, o seu cultivo se estende a quase todas as zonas tropicais e subtropicais, porém, economicamente, só no sul dos Estados Unidos, África do Sul, Havaí, Israel, parte tropical da Austrália e Brasil. O maior produtor de abacate é o México, com 786 mil toneladas; o Brasil, ocupa a quarta colocação, com 112 mil toneladas (S IMÃO 1998). Embora existam plantações em quase

2 Ler mais

Métodos de proteção de mudas de abacate contra geada em diferentes cultivares.

Métodos de proteção de mudas de abacate contra geada em diferentes cultivares.

O zoneamento da cultura do abacate para o Planalto Norte Catarinense foi realizado com base em índices climáticos utilizados em São Paulo (1977) e posteriormente em Minas Gerais, elaborados por Silva (1982), considerando esta região como não recomendada para o cultivo de abacate das raças antilhana, guatemalense e mexicana. Entretanto, um zoneamento não pode basear-se somente em dados climáticos, sem antes introduzir e validar a espécie. Segundo Bergh & Lahav (1996), existe grande variabilidade de tolerância ao frio entre cultivares de abacate.

3 Ler mais

DESENVOLVIMENTO DE SORVETE DE ABACATE À BASE DE LEITE DE VACA E DE EXTRATO HIDROSSOLÚVEL DE SOJA

DESENVOLVIMENTO DE SORVETE DE ABACATE À BASE DE LEITE DE VACA E DE EXTRATO HIDROSSOLÚVEL DE SOJA

As formulações de sorvetes de abacate à base de leite de vaca e à base de extrato de soja apresentaram diferença significativa (P<0,05) para todas as variáveis sensoriais analisadas. Observou-se que as maiores médias para todos os atributos analisados foram obtidas pelo sorvete de abacate à base de leite de vaca. Essa formulação ficou com valores, para os atributos analisados, na escala hedônica em torno de 7 pontos (gostei moderadamente); tendo a maior média para o atributo textura (7,86) e a menor para aroma (7,11).

5 Ler mais

CULICIDEOS (DIPTERA: CULICIDAE) DA COLEÇÃO ENTOMOLÓGICA DO INSTITUTO DE PESQUISAS CIENTIFICAS E TECNOLÓGICAS DO AMAPÁ

CULICIDEOS (DIPTERA: CULICIDAE) DA COLEÇÃO ENTOMOLÓGICA DO INSTITUTO DE PESQUISAS CIENTIFICAS E TECNOLÓGICAS DO AMAPÁ

Anopheles (Nyssorhyncus) braziliensis Chagas, 1907 BRASIL, AMAPÁ, Áreas úmidas no entorno da cidade de Macapá, Pedreira do abacate, Casa grande, Região dos Lagos nos municípios de Amapá, Pracuúba e Tartarugalzinho, Áreas úmidas no entorno da cidade de Macapá, Pedreira do abacate, Casa grande, município de Mazagão, São Raimundo do Pirativa.

6 Ler mais

Qualidade de solo sob diferentes usos e manejos no Perímetro Irrigado Jaguaribe/Apodi, CE.

Qualidade de solo sob diferentes usos e manejos no Perímetro Irrigado Jaguaribe/Apodi, CE.

O cultivo do solo reduziu os teores de carbono orgânico total (COT) e nitrogênio total (NT), nos primeiros 5 cm de profundidade (Tabela 3). Em geral, deu-se tendência de decréscimo nos teores desses elementos com a profundidade. Para CPBI, verificou-se que entre 0-5 cm de profundidade houve redução de 19% do COT em relação à VNBI. Na área de CAMI esta redução chegou a 40% quando comparada com VNMI. Fialho et al. (2006) verificaram, nesta mesma área de estudo, aumento do quociente microbiano nas áreas cultivadas com banana. De acordo com os autores, este incremento favoreceu o decréscimo do COT no solo quando comparado com os valores obtidos para área com vegetação natural. A redução do COT com o cultivo tem efeito negativo sobre a qualidade do solo, refletindo na ciclagem de Tabela 5. Médias de pH em água, Ca 2+ , Mg 2+ , Na + e K +
Mostrar mais

9 Ler mais

Composição mineral de frutos tropicais na colheita.

Composição mineral de frutos tropicais na colheita.

Para as análises químicas, os frutos foram divididos em casca, polpa e sementes (abacate e jaca); em casca + polpa e sementes (mamão e manga); em casca e polpa (abacaxi); em casca do f[r]

10 Ler mais

Composição nutricional de biscoitos biofortificados com farinha de batata-doce / Nutritional composition of biofortified cookies with sweet potato flour

Composição nutricional de biscoitos biofortificados com farinha de batata-doce / Nutritional composition of biofortified cookies with sweet potato flour

Os biscoitos obtiveram boa intenção de compras pelos avaliadores. Houveram maiores percentuais de respostas de intenção de compra positiva ‘’certamente compraria’’ e ‘’provavelmente compraria’’. O biscoito doce (BD40%) apresentou maior percentagem de resposta para ‘’certamente compraria’’ com 47,14%, seguido do biscoito tipo raivinha (BR40) com 39,57% e 11,43% para biscoito salgado (BS40). Para intenção de compra “provavelmente compraria” o biscoito salgado se destacou com 74,28% seguido do biscoito tipo raivinha com 52, 85% e 44,29% para biscoito doce. Carvalho et al. (2017) houveram também boa intenção de compra para cookies de mandioca. Em biscoito tipo cookies do bagaço, Fantona (2018) observou uma boa intenção de compra, que corroboram com os resultados de Southgate e Aplevicz (2016) em cookies de farinha de trigo sarraceno. Os resultados na Figura 1 mostraram que não houve intenção de compra negativa (certamente e provavelmente não compraria) para o biscoito doce, isso a maioria dos avaliadores era adolescente. Para biscoito salgado (4, 29%) e biscoito tipo raivinha (2,86%) dos avaliadores marcaram que provavelmente não os comprariam. Uma pequena parte dos avaliadores ficaram na duvida de se compraria o biscoito salgado e tipo raivinha, 4,29% e 2,86% respectivamente. Silva et al. (2019) houveram até 35,71% de rejeição (certamente não compraria) em biscoito com acréscimo de 20% da farinha do caroço de abacate durante a analise sensorial.
Mostrar mais

16 Ler mais

Identificação de espécies de Fusicoccum causadoras de podridão em frutos de abacate.

Identificação de espécies de Fusicoccum causadoras de podridão em frutos de abacate.

Todos os isolados que mostraram características culturais e morfológicas típicas de Fusicoccum tiveram sua patogenicidade confirmada através de inoculação em frutos sadios de abacate ‘Hass’. Utilizou-se como inóculo disco de meio BDA com 6 mm de diâmetro contendo estruturas do fungo proveniente das extremidades de colônias Fungos do gênero Fusicoccum são conhecidos por causarem podridão

3 Ler mais

O choro em Belo Horizonte: aspectos históricos, compositores e obras

O choro em Belo Horizonte: aspectos históricos, compositores e obras

Sarau Brasileiro, Clube do Choro, Flor de Abacate 14 e Waldir Silva e Grupo.. SILVA (2004), que afirma ter gravado mais de vinte discos de cavaquinho solo,.[r]

51 Ler mais

Cinética de inativação da polifenoloxidase e peroxidase de abacate (Persea americana Mill.).

Cinética de inativação da polifenoloxidase e peroxidase de abacate (Persea americana Mill.).

Tanto para a peroxidase e peroxidase ionicamente ligada, analisadas apenas em uma variedade, o Choquete, observou-se que quanto maior a temperatura menor o tempo necessário para o declínio da atividade delas. Esse comportamento apresentou-se bem mais visível para a PIN, pois na polpa de abacate Choquete verde e maduro, após dez minutos de aquecimento a temperatura de 60 ºC

8 Ler mais

Tolerância a baixas temperaturas de cultivares de abacate (Persea americana Mill.).

Tolerância a baixas temperaturas de cultivares de abacate (Persea americana Mill.).

Platt (1975) estabeleceu os limites de tolerância ao frio sob as condições californianas, para as cultivares híbridas de mexicana x guatemalense: Fuerte, que foi de –2,8°C, Bacon, -3,3°C e Zutano, -4,4°C. Toohill & Alexander (1979) ponderam que a fixação de limites exatos de tolerância ao frio é de difícil demarcação, visto que os danos causados a uma dada cultivar são influenciados pelo grau e duração do frio e pelas condições fisiológicas da planta no momento da ocorrência das baixas temperaturas. Esses autores avaliaram a tolerância relativa de 19 cultivares de abacate submetidas a uma severa geada, durante a qual a temperatura permaneceu abaixo de 0°C por 3h8 horas e alcançou um mínimo de –2,3°C, com a mínima na relva de -8°C. Somente duas cultiva- res, Anaheim e Millicent, foram seriamente danificadas, enquanto as demais, incluindo-se a Fuerte e a Hass, sofreram danos desprezíveis.
Mostrar mais

3 Ler mais

Qualidade do abacate 'HASS' frigoarmazenado submetido a atmosferas modificadas ativas.

Qualidade do abacate 'HASS' frigoarmazenado submetido a atmosferas modificadas ativas.

O abacate é fruto climatérico que amadurece rapidamente após a colheita (SEYMOUR; TUCKER, 1993) e o comportamento pós-colheita pode ser influenciado pela temperatura e pelo tempo de armazenamento (TEIXEIRA et al., 1991). A literatura aponta estudos relacionados ao aumento do período de conservação de abacate, como avaliação da temperatura de armazenamento, uso de atmosfera modiicada com aplicação de cera, irradiação gama, UV-C e tratamento térmico (VIEITES et al., 2012), sendo o armazenamento em baixas temperaturas, logo em seguida à colheita, a técnica mais utilizada para prolongar a conservação dos frutos.
Mostrar mais

10 Ler mais

Fenologia e produtividade do Abacate (Persea americana Mill.) na Amazônia Central1.

Fenologia e produtividade do Abacate (Persea americana Mill.) na Amazônia Central1.

ecológicos e de produtividade de algumas fruteiras cultivadas na Amazônia,Wo\. II. .. Univ. do Amazonas, Manaus. 97 p. .[r]

6 Ler mais

Elaboração de pão com casca de abacate hass: valor nutricional e aceitabilidade

Elaboração de pão com casca de abacate hass: valor nutricional e aceitabilidade

Podemos concluir que os pães confeccionados com adição de 50g e 100g de casca de abacate „Hass‟ obtiveram maior aceitação pelos consumidores de acordo com os atributos citados anteriormente, do que os pães elaborados com 150g de casca de abacate „Hass‟. Portanto, para a realização do Experimento II (tempo de fermentação dos pães), dentre as duas amostragens com maior aceitação, apenas uma formulação foi escolhida para dar seguimento nas análises do projeto. Os pães elaborados com 100g de casca (amostra TT2) foram selecionados, visto que o objetivo do projeto é elaboração de uma massa de pão com adição da casca do abacate „Hass‟ em sua formulação, criando uma alternativa para a indústria alimentícia utilizar a casca do abacate de modo a valorizar o potencial inovador, funcional e nutricional desse fruto. Desse modo, um pão que tenha maior quantidade de casca de abacate proporcionará maior uso de casca e consequentemente reduzirá o desperdício dessa parte não convencional do fruto.
Mostrar mais

93 Ler mais

Taxa respiratória de abacate ‘Hass’ submetido a diferentes tratamentos físicos

Taxa respiratória de abacate ‘Hass’ submetido a diferentes tratamentos físicos

abacate  (Persea  americana  Mill.)  destaca‐se pelo seu valor nutritivo, sendo rico  em vitaminas e destacando‐se a quantidade de  lipídeos  com  alto  teor  de  ácidos  graxos  insaturados  que  trazem  benefícios  à  saúde  (Berrgh,  1992  citado  por  Gómez‐López,  2002;  Salgado et al., 2008). É cultivado em países de  regiões tropicais e subtropicais (Teixeira,1991)  e  as  variedades  mais  valorizadas  para  exportação  são  Hass  e  Fuerte,  frutos  de  calibres menores ( Daiuto e Vieties, 2008).    Existem  entraves  à  comercialização  do  abacate. É um fruto climatérico que apresenta  alta  taxa  respiratória  e  produção  elevada  de  etileno após a colheita, o que lhe confere alta  perecibilidade  sob  condições  ambientais  (Kader,  1992),  portanto,  o  controle  do  amadurecimento  é  fundamental  para  o  aumento  da  vida  útil  após  colheita,  visando  mercado interno e exportação de frutas (Kluge  et al., 2002).  
Mostrar mais

10 Ler mais

Show all 2960 documents...