Acordo geral de tarifas e comércio

Top PDF Acordo geral de tarifas e comércio:

Contexto int.  vol.28 número1

Contexto int. vol.28 número1

R obert S. Strauss, um dos negociadores mais hábeis dos Estados Unidos no The General Agreement on Tariffs and Trade (GATT) (em português, Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio), afirmava, com a autoridade de sua experiência na Rodada Tóquio, que o cami- nho mais rápido para o fracasso em negociações comerciais interna- cionais é excluir as forças políticas domésticas desse processo. De fato, a necessidade de criar coalizões de constituintes para apoiar o processo negociador levou-o a devotar mais tempo negociando com o Congresso americano, empresários e trabalhadores do que nas ne- gociações internacionais. Strauss foi considerado um “animal polí- tico”, no sentido de que seu carisma e sua vasta rede de contatos pos- sibilitaram o sucesso das negociações, trabalhando na margem entre os constrangimentos internos à aceitação do acordo internacional e as necessidades externas de manutenção de um comércio internacio- nal menos susceptível a pressões protecionistas (Strauss,1987:ix-xi; Dryden, 1995:208).
Mostrar mais

8 Ler mais

A Frágil Gênese da Tutela Jurídica do Meio Ambiente no Sistema Multilateral de Comércio: uma análise do período de Bretton Woods à Rodada de Tóquio (1947-1979).

A Frágil Gênese da Tutela Jurídica do Meio Ambiente no Sistema Multilateral de Comércio: uma análise do período de Bretton Woods à Rodada de Tóquio (1947-1979).

Caberia àITO administrar a implementação da chamada “Carta de Havana”, documento de natureza multilateral a qual dispunha amplamen- te sobre o sistema regulatório de comércio internacional, visando à redu- ção de tarifas, quotas e preferências, além de disciplinar outros mecanis- mos deregulação ao comércio, inclusive com a previsão de um sistema de solução pacífica de controvérsias (VANGRASSTEK, 2013, p. 43-44). Essas disposições “materiais” (contendo obrigações sobre reduções tarifá- rias e outras medidas de liberalização de comércio) não estariam, contudo, propriamente dispostas na Carta da ITO, mas sim em um protocolo a ela anexo (IRWIN; MAVROIDIS; SYKES, 2008, p. 74). Esse protocolo, que viria a ser chamado de Acordo Geral sobre Tarifas Aduaneiras e Comér- cio (o já mencionado GATT 3 ), entraria em vigor antes e de maneira inde-
Mostrar mais

34 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ANA ISABELA DAS NEVES BELARMINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ANA ISABELA DAS NEVES BELARMINO

Noções eurocêntricas de propriedade e pirataria são as bases sobre as quais as leis de Direitos de Propriedade Intelectual do Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (Gatt)[r]

78 Ler mais

Preferências comerciais unilaterais: cooperação ou coerção? O caso do programa de preferências comerciais para os Andes

Preferências comerciais unilaterais: cooperação ou coerção? O caso do programa de preferências comerciais para os Andes

A proposição de Ricardo foi amplamente testada e validada, constituindo um ponto central das teorias do livre comércio (KRUGMAN; OBSTFELD, 2001; SALVATORE, 2001). O que passou a ser contestado, entretanto, foi o caráter estático das vantagens comparativas. À medida que as vantagens comparativas clássicas são determinadas de maneira endógena, ao se seguir a rota da especialização, não haveria lógica econômica para que os países comprometessem a alocação eficiente de recursos para desenvolver novas vantagens. No entanto, os problemas gerados com a dependência de exportações de produtos primários nos países em desenvolvimento, bem como a experiência bem sucedida em alguns países do Leste Asiático, com intervenções públicas para fomentar a competitividade em novos setores, trouxe novos elementos ao debate. Não se tratava apenas de adicionar fatores de produção ao modelo Ricardiano, mas de verificar a possibilidade de influir no padrão dado pela dotação desses fatores, dando às vantagens comparativas um caráter dinâmico (BRUNO, 1970; LALL, 2000). De fato, uma das grandes contribuições da análise dinâmica das vantagens comparativas foi explorar o papel de políticas públicas na área comercial.
Mostrar mais

165 Ler mais

Implementação da política pública do Acordo de Facilitação do Comércio
da Organização Mundial do Comércio pelos burocratas de linha de frente na Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Implementação da política pública do Acordo de Facilitação do Comércio da Organização Mundial do Comércio pelos burocratas de linha de frente na Agência Nacional de Vigilância Sanitária

O enfretamento de problemas de saúde relacionados à vida em sociedade estaria na origem da saúde pública, sendo que a prática da intervenção de autoridades em atividades produtivas que podem afetar a saúde das pessoas é recorrente em vários povos (ROSEN, 2006) Normas para construção civil, produção, comércio e circulação de pessoas e mercadorias foram desenvolvidas visando proteger as populações de doenças refletindo o conhecimento e relevância de determinado problema em cada época. Exemplo disso, a quarentena de embarcações desenvolvida em 1348 pelo povo de Veneza, visava impedir a entrada da peste, definindo que todos os navios deviam ser inspecionados por autoridades e, no caso de suspeita da doença, todos os passageiros e cargas ficavam detidos por quarenta dias. O autor registra como a necessidade dos Estados Nacionais de impedir a entrada de pessoas e mercadorias contaminadas no século XIX e XX, frente ao aumento do comércio, melhoria dos transportes e diferentes condições sanitárias, levaram a criação da Organização de Saúde da Liga das Nações em 1923 e depois da Organização Mundial de Saúde (OMS) em 1946 (ROSEN, 2006, p.343). Fruto da cooperação internacional, em 1951 foi aprovada na Assembleia Mundial de Saúde da OMS o Regulamento Sanitário Internacional – RSI estabelecendo regras globais para prevenir a disseminação de doenças quarentemáveis. A versão do RSI atualizada em 1969 ficou vigente até sua revisão e aprovação em 2005, sendo que a nova versão alinhada aos acordos da Organização Mundial do Comércio destaca a importância de que as medidas de saúde para evitar a disseminação de doenças sejam proporcionais aos riscos e evitem interferências desnecessárias com o tráfego e o comércio internacionais. (LIMA e COSTA, 2016).
Mostrar mais

82 Ler mais

Desenvolvimento e proposta de implementação de um programa de fidelização de acordo com o Regulamento Geral de Proteção de Dados

Desenvolvimento e proposta de implementação de um programa de fidelização de acordo com o Regulamento Geral de Proteção de Dados

Na pesquisa efetuada, são também apontados alguns pontos fracos. O menu de refeições pouco variado é apontado essencialmente por famílias e pessoas cujo objetivo é permanecerem no hotel para relaxar e que por isso não pretendem sair do hotel em busca de alternativas. Na zona de SPA são apontados três pontos: a dificuldade na utilização dos equipamentos na área de SPA – embora existam instruções de utilização junto de todos os equipamentos e o staff se prontifique a ajudar; o facto de ser necessário informar a receção sempre que o hóspede pretendem utilizar da sauna e banho do hotel - devido à politica de gestão de recursos energéticos; e a temperatura da água da piscina interior que aparentemente estará fria – esta situação deve-se à diferença térmica entre a temperatura da água da piscina e a temperatura ambiente que causa a ilusão de frio, contudo as duas temperaturas estão de acordo com as disposições legais em vigor nesta matéria. A insonorização dos quartos e as quebras de wi-fi são referidas essencialmente quando a ocupação do hotel é total e se verifica o pico de utilização dos acessos à internet. Dentro deste ponto, deve incluir-se ainda a falta de um programa de fidelização, que potencie o retorno dos hóspedes não corporativos, uma vez que se verifica que existe uma taxa de repetição de estadias que não está a ser potenciada no alojamento e nos serviços complementares – bar, restaurante e SPA.
Mostrar mais

154 Ler mais

Comércio Internacional, Patentes e Saúde Pública :: Brapci ::

Comércio Internacional, Patentes e Saúde Pública :: Brapci ::

A aplicação imediata do Acordo não foi realizada sem prejuízos à saúde pública, já que o Brasil não dispunha de uma sólida base tecnológica e industrial em medicamentos. Nessa condição, o Brasil passou à posição de dependência de fármacos indianos. A Índia não abriu mão do prazo transitório previsto em Trips e pode fabricar medicamentos sem a pressão da proteção patentária por um certo período de tempo até a plena aplicação de Trips. Por outro lado, o Brasil ficou sujeito a um tipo de proteção patentária polêmica – as patentes pipeline.
Mostrar mais

4 Ler mais

TARIFAS BANCÁRIAS E OS IMPACTOS FINANCEIROS NA ADMINISTRAÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE LATICÍNIOS

TARIFAS BANCÁRIAS E OS IMPACTOS FINANCEIROS NA ADMINISTRAÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE LATICÍNIOS

Esse estudo tem por objetivo apresentar o impacto financeiro da cobrança de tarifas bancárias na administração de uma empresa do ramo de laticínios. Após passar por uma auditoria interna no setor financeiro, constatou-se a falta de um acompanhamento mais preciso em relação as despesas bancárias da empresa. Com o intuito de atender as exigências dessa auditoria, foi desenvolvido um trabalho de acompanhamento mensal de todas essas despesas, em especial as com tarifas, uma vez que o seu volume e os valores cobrados eram bastante expressivos em relação aos gastos bancários. A pesquisa realizada neste trabalho é um estudo do caso aplicado, onde foram analisadas as planilhas de controle criadas e utilizadas pela empresa no ano de 2016, bem como os resultados financeiros obtidos e as medidas tomadas para que os gastos com as despesas com tarifas fossem reduzidos. Através desse controle concluiu-se que a empresa centralizava a maior parte da sua movimentação bancária no Banco Bradesco, fazendo com que 70 % das despesas anuais com tarifas fossem pagas à essa instituição. Pode-se perceber que os serviços mais utilizados e os que geravam maior ônus à empresa eram os serviços de cobrança de títulos e os de transporte de valores, além das tarifas com transferências interbancárias (TED), entre outras. Com isso, a empresa passou a ter um maior poder de negociação junto aos bancos, permitindo, inclusive, a opção por manter ou não a utilização de um determinado serviço com a respectiva instituição bancária. Foi o caso do serviço de cobrança, que antes era realizado através dos bancos Bradesco e Caixa Econômica, e passou a ser realizado através do banco Itaú, pois esse foi o que apresentou o menor custo de tarifa por título. Já o serviço de transporte de valores, que era intermediado pelo Bradesco, passou a ser contratado entre a empresa de laticínios e a transportadora, permitindo
Mostrar mais

20 Ler mais

Estrutura de tarifas de energia elétrica - análise crítica e proposições metodol...

Estrutura de tarifas de energia elétrica - análise crítica e proposições metodol...

Atualmente, o setor elétrico se prepara para o terceiro ciclo de revisões tarifárias das distribuidoras. Com o cenário regulatório mais consolidado em termos de definição da receita requerida, os agentes estão voltando suas atenções para a necessária adequação e correção da estrutura de tarifas. De fato, a ANEEL definiu temas para os projetos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) considerados estratégicos para o desenvolvimento do setor elétrico nacional, dentre eles, o de Estrutura Tarifária. Recentemente, a agência também divulgou consultas públicas que tratam da alocação dos custos de referência que formam as tarifas, dos sinais de preço e das tarifas para os consumidores atendidos em BT. Em sintonia com a discussão atual do setor de distribuição de energia elétrica, a tese defendida neste trabalho procura analisar a metodologia de cálculo das tarifas, sistematizando um conhecimento disperso em várias referências bibliografias. Para isso são discutidos os principais aspectos da teoria de precificação de ponta, abrangendo as abordagens americana, britânica e francesa, e pesquisada a conexão entre a lógica embutida na alocação horária dos custos e os critérios de dimensionamento do sistema de distribuição de energia elétrica. Visando refletir os custos decorrentes do atendimento de cada tipo de consumidor, indicando o melhor aproveitamento do sistema elétrico de distribuição, são apresentadas propostas de aprimoramentos e inovação cujos destaques são a mudança de paradigma da alocação dos custos de expansão somente no horário de ponta do sistema, a definição ex-post dos postos tarifários, a agregação média dos custos horários para formar as tarifas de referência dos postos tarifários e um estudo de caso com a aplicação da metodologia sobre as curvas de carga abstraídas do possível efeito do sinal tarifário existente. A tese defendida neste trabalho busca provar, então, que a metodologia atual, embora desenhada na época em que o setor elétrico era verticalizado, pode ser adaptada segundo os aprimoramentos e inovações propostas e, assim, aplicada ao ambiente atual no qual as empresas e as tarifas estão segregadas.
Mostrar mais

207 Ler mais

PROVÁVEIS IMPACTOS DE UM ACORDO PREFERENCIAL DE COMÉRCIO ENTRE O MERCOSUL E A UE PARA OS PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS BRASILEIROS

PROVÁVEIS IMPACTOS DE UM ACORDO PREFERENCIAL DE COMÉRCIO ENTRE O MERCOSUL E A UE PARA OS PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS BRASILEIROS

RESUMO: O presente estudo objetivou analisar os prováveis impactos de um acordo comercial entre Mercosul e UE para o comércio brasileiro, com foco nos produtos industrializados para o ano de 2014. A metodologia de cálculo utilizada para estimar a criação e o desvio de comércio empregou o modelo de equilíbrio parcial computável baseado em Laird e Yeats (1986). Consideraram-se duas situações, a primeira caracterizada pela hipótese de formação de uma área de livre comércio com tarifa zero para todo o fluxo comercial dentro do bloco e a segunda considerando plano de integração comercial com seus percentuais de liberalização tarifária de acordo com a proposta europeia encontrada em Kume et al. (2004). Os resultados apontam para o comércio líquido positivo no ano analisado, obtendo resultados negativos apenas em um grupo tarifário, o grupo de preferências fixas. Isso significa que o efeito criação de comércio foi maior que o desvio, então, nesses casos, o acordo preferencial aumentaria o bem-estar brasileiro.
Mostrar mais

17 Ler mais

A Advocacia-Geral da União e o Órgão de Apelação da Organização Mundial do Comércio

A Advocacia-Geral da União e o Órgão de Apelação da Organização Mundial do Comércio

“o mecanismo de solução de controvérsias funcionará no seio de um órgão específico – o Órgão de Solução de Controvérsias (OSC), composto por representantes de todos os Membros da OMC. Em realidade, trata-se aqui do Conselho Geral da OMC, órgão político da OMC, investido nesta função quando se mostrar oportuno. Não compete ao OSC julgar a controvérsia, função essa atribuída ao panel, em primeira instância e, se for o caso, ao órgão de Apelação. [...] Poderíamos dizer que o OSC é sobretudo um órgão executivo, cabendo-lhe, nos termos do art. 2 do Entendimento; estabelecer os panels quando solicitado por um dos Membros da OMC; adotar relatórios elaborados pelos panels e/ou pelo Órgão de Apelação; fiscalizar a implementação das decisões e recomendações formuladas; e autorizar a aplicação pela parte vencedora de medidas de retorsão contra a parte recalcitrante. Vale lembrar que o OSC funciona através do método do consenso negativo, de modo que uma decisão no sentido de bloquear qualquer uma das etapas do procedimento, somente poderá ser adotada se houver consenso de todos os seus Membros.”
Mostrar mais

137 Ler mais

As abusivas tarifas bancárias

As abusivas tarifas bancárias

De janeiro a setembro de 2007, os cinco maiores bancos (Bradesco, Itaú, ABN Real, Santander e Unibanco) anunciaram lucros líquidos de R$ 18,5 bilhões -alta de 90% ante o mesmo período de 2006. O aumento do volume de crédito e o maior número de pessoas utilizando os serviços bancários contribuíram para inflar os ganhos do setor, o que é bom. Mas um item que tem sido determinante para os resultados são as tarifas cobradas, que são abusivas e precisam ser coibidas. Se o setor bancário fosse plenamente competitivo, elas não teriam mostrado a evolução vista nos últimos anos.

2 Ler mais

O impacto do TTIP no sistema multilateral de comércio da OMC e em países terceiros ao acordo: o caso dos BRICS

O impacto do TTIP no sistema multilateral de comércio da OMC e em países terceiros ao acordo: o caso dos BRICS

no TTIP, estimam-se ganhos altamente significativos para a maioria dos setores agrícolas do Brasil. Os autores concluíram que a possibilidade de incluir o Brasil como parte do TTIP apresenta um ganho substancial para a agricultura brasileira, mas como esperado, perdas para vários setores industriais devido à sobrevalorização das taxas de câmbio e ao consequente aumento das importações industriais. Assim, por forma a viabilizar a concretização deste cenário para o Brasil, os autores estão em linha com o sustentado por Braga (2015), ao defenderem que a indústria brasileira deve melhorar a sua competitividade, e o governo brasileiro deve desempenhar o seu papel através de políticas económicas ativas. Em suma, numa época de cadeias de valor globais, a integração do Brasil nessas duas grandes economias seria fundamental para a sobrevivência da indústria brasileira. A conclusão do TTIP sem integração brasileira representará uma ameaça para o Brasil, visto que o país perderá quotas de mercado em mercados internacionais, como será deixado para trás nas negociações das regras de comércio internacional. Contudo, e dado que de momento as negociações do TTIP se encontram estagnadas e nada indica a sua reforma num cenário de “arquitetura aberta”, sobretudo numa fase inicial, o Brasil deve considerar outras alternativas, nomeadamente acordos bilaterais de comércio com os EUA e com a UE, para promover a liberalização mútua, de modo a que o risco de desvio de comércio possa ser minimizado. Nesse sentido, as negociações com a UE no âmbito do MERCOSUL também são importantes por forma a suavizar o impacto da discriminação decorrente do TTIP, sobretudo se na agenda estiver incluído um acordo de comércio com a UE (Thorstensen e Ferraz, 2014; Braga, 2015).
Mostrar mais

106 Ler mais

A INAPLICABILIDADE DAS EXCEÇÕES DO ART. XXIV, GATT AO ACORDO DE COMPRAS PÚBLICAS (ACP) DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO (OMC)

A INAPLICABILIDADE DAS EXCEÇÕES DO ART. XXIV, GATT AO ACORDO DE COMPRAS PÚBLICAS (ACP) DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO (OMC)

Desse modo, a afirmação de que os ACR’s promovem a discriminação ao comércio internacional, flexibilizando ou até mesmo limitando o princípio da nação mais favorecida, deve ser moderada, pois os benefícios para os países, tanto num caráter nacional, quanto internacional, podem ser maiores que a discriminação causada. A posição adotada no presente trabalho é a de que os acordos regionais estão mais direcionados para promover a concorrência do que a discriminação. Neste sentido pode-se afirmar que a visão discriminatória dos ACR’s nas compras públicas ainda vem carregada do peso negativo ou contraditório ao sistema multilateral, que foi dado ao surgimento/explosão do regionalismo em concomitância com o multilateralismo, entendimento que não se coadunou com a realidade existente (DAWAR; EVENETT, 2011, p.371).
Mostrar mais

28 Ler mais

O discurso do jornal O Estado de S. Paulo sobre o Mercosul

O discurso do jornal O Estado de S. Paulo sobre o Mercosul

posicionamento que levou Júlio Mesquita, então único proprietário, à prisão (MAYRINK, 2011). Conforme relata Lisboa (2012, p. 36), em 1926, o jornal apoiou oficialmente a fundação do Partido Democrático em São Paulo, em oposição ao Partido Republicano Progressista (PRP), então detentor do governo estadual e federal. Quatro anos depois, em 1930, defendeu a Aliança Liberal e a candidatura de Getúlio Vargas, pelo que se tornou alvo de críticas anos depois. Após dois anos de governo, entretanto, Pontes (2004) afirma que o jornal e o Partido Democrático, “inconformados com o autoritarismo e o tratamento hostil de Getúlio Vargas e os ‘tenentes’ a São Paulo” 26 , se opõem à ditadura e se aliam a alguns setores do PRP contra o governo federal. Segundo o autor, com a derrota da Revolução Constitucionalista, que eclodiu no dia 9 de julho de 1932 em defesa de eleições livres e de uma constituição, Júlio de Mesquita Filho e Francisco Mesquita foram presos e, depois, exilados em Lisboa. Ambos conseguiram retornar no ano seguinte, com ajuda de Armando de Salles Oliveira, que era genro do então já falecido Júlio Mesquita. De acordo com Pontes (2004), Salles, que foi nomeado pelo próprio Getúlio Vargas como interventor federal em São Paulo, “só aceitou o posto sob a condição do ditador conceder anistia aos revolucionários de 32 e convocar eleições para o ano seguinte, o que acabou sendo feito” 27 .
Mostrar mais

118 Ler mais

PROTECAO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL E A TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA NO AMBITO DA ORGANIZACAO MUNDIAL DO COMERCIO E SEUS EFEITOS NOS PAISES EM DESENVOLVIMENTO

PROTECAO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL E A TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA NO AMBITO DA ORGANIZACAO MUNDIAL DO COMERCIO E SEUS EFEITOS NOS PAISES EM DESENVOLVIMENTO

signatários, entre eles o Brasil. O GATT de 1947 objetivava a eliminação do tratamento discriminatório e a redução das tarifas alfandegárias no comércio internacional. No âmbito do GATT, realizaram-se oito rodadas de negociações tarifárias: Genebra, Suíça (1947); Annecy, França (1949); Torkay, Reino Unido (1950-51); Genebra, 1956; “Dillon”, Genebra, (1960- 62); “Kennedy”, Genebra (1964-67); Tóquio, Japão, (1974-79); e, finalmente, a Rodada Uruguai (Punta del Este, 1986-93), que estabeleceu a criação da Organização Mundial do Comércio - OMC. Nesta última rodada, o tema relacionado com a concorrência foi incluído nos trabalhos preparatórios, porém, não houve consenso para sua inclusão na agenda da Rodada, sendo em consequência excluído, mas alguns dispositivos relacionados foram incluídos em vários dos acordos da Rodada de Uruguai, como serão mencionados posteriormente.
Mostrar mais

99 Ler mais

Barreiras comerciais sobre os produtos agroindustriais brasileiros na União Euro...

Barreiras comerciais sobre os produtos agroindustriais brasileiros na União Euro...

Em verdade, é preciso reconhecer que a Política Agrícola Comum só foi possível enquanto pilar de consolidação da atual União Européia por conta da aceitação de uma função-chave para a agricultura européia no esforço de reorganização física, produtiva e social dos países europeus líderes pós Segunda Guerra Mundial. Esse processo, segundo Abramovay (1999), passa pela leitura de quão importante é a agricultura nas sociedades francesa e alemã nos primórdios da Comunidade. Para esse autor, nenhum país europeu foi tão longe na adoção de práticas protecionistas quanto a França e a Alemanha, seja pela estruturação de barreiras tarifárias e não tarifárias como pela criação de agências governamentais com poder monopolista sobre o comércio de cereais.
Mostrar mais

174 Ler mais

Estud. av.  vol.31 número89

Estud. av. vol.31 número89

Após a Segunda Guerra Mundial, poucos países conseguiram escapar da chamada armadilha da renda média e entraram para o rol dos países desen- volvidos – mas todos eles o fizeram com base numa participação crescente no comércio internacional. Coreia do Sul, Hong-Kong, Israel, Singapura e Taiwan fizeram a transição com base em exportações industriais; Espanha, Grécia, Ir- landa e Portugal o fizeram com base na exportação de serviços inclusive mão de obra; Austrália, Nova Zelândia e Noruega o fizeram com base na exportação de recursos naturais. A natureza dos produtos exportados diferiu; a característica unificadora desses países é se terem valido das trocas internacionais para elevar seu patamar de produtividade. O Brasil é grande e diversificado o suficiente para
Mostrar mais

5 Ler mais

Sistemas de incentivos salariais no setor industrial

Sistemas de incentivos salariais no setor industrial

cessidade de um novo sistema. Aumentando o pagamento do prêmio.. Verificando as tarifas, pois algumas são mui to altas. Aumentando as horas prêmio. Com tarifas mais [r]

144 Ler mais

As tarifas de importação no Plano Real

As tarifas de importação no Plano Real

Até aqui os dados foram apresentados com base nas alíquotas simples (isto é, médias ponderadas apenas por prazo de vigência), e de forma agregada. É sabido, no entanto, qu[r]

49 Ler mais

Show all 10000 documents...