Agência Nacional do Petróleo (Brasil) (ANP)

Top PDF Agência Nacional do Petróleo (Brasil) (ANP):

Petróleo, gás natural e capacidade institucional para o desenvolvimento: o caso da agência nacional do petróleo, gás natural e biocombustíveis (ANP)

Petróleo, gás natural e capacidade institucional para o desenvolvimento: o caso da agência nacional do petróleo, gás natural e biocombustíveis (ANP)

A presente tese busca compreender o papel da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), uma instituição considerada estratégica para o desenvolvimento do Brasil, na relação entre qualidade institucional, valores, dimensões culturais, atratividade e desenvolvimento econômico. Na tentativa de entender a natureza, a evolução e o funcionamento da ANP, utilizamos pressupostos teóricos combinados de correntes da chamada Economia Institucional e da Teoria das Dimensões Culturais, de Geert Hofstede. Para verificar até que ponto a ANP contribui, dentro da sua esfera de atuação, à promoção da atratividade do Upstream brasileiro e ao desenvolvimento econômico do Brasil, utilizou-se estratégia de pesquisa composta por cinco estudos independentes, considerando que a resposta do objetivo geral reside na triangulação dos dados obtidos. Essa abordagem abarcou análise documental da ANP, pesquisa quantitativa sobre os atributos de atratividade do Upstream, entrevistas em profundidade e duas pesquisas de levantamento, sendo uma com funcionários da ANP e outra com agentes externos à organização. As conclusões do método, que encerrou a realização de 2.290 entrevistas ao longo de oito anos, permitem concluir que a ANP é “institucionalmente adequada” e a configuram como uma instituição promotora da “atratividade” e do “desenvolvimento econômico” em sua esfera de atuação, embora apresente deficiências que despertam preocupação, como ausência de meritocracia, baixa proatividade e a existência de “ilhas de poder”.
Mostrar mais

275 Ler mais

Análise de impacto regulatório na Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP

Análise de impacto regulatório na Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP

Este trabalho pretende, em linhas gerais, estudar os principais aspectos da ferramenta de Análise de Impacto Regulatório - AIR e sua aplicação direta na Agência Nacional de Petróleo - ANP, especificamente se a mesma está sendo empregada na promoção da 11ª Rodada de Licitação da ANP. Para tanto, com a finalidade de proceder a uma abordagem ampla do tema, analisa-se brevemente o período de desenvolvimento da AIR, seu conceito e os principais elementos que a constituem. Constatados os feitios da AIR em termos gerais, pretende-se analisar a origem e a evolução de tal instrumento nas agências regulatórias brasileiras, particularmente na ANP. A partir do Relatório de Gestão de 2010 da ANP e de uma pesquisa empírica realizada através de uma entrevista com um membro da ANP que está recebendo treinamento sobre o tema em voga, e com um membro do Programa de Fortalecimento da Capacidade Institucional para Gestão em Regulação – PRO-REG, responsável por sua propagação e treinamento dos agentes reguladores, desenvolve-se a conclusão sobre a temática pretendida, canalizada através do problema principal acima manifestado.
Mostrar mais

75 Ler mais

←
				
											Voltar aos Detalhes do Artigo
									
				PANORAMA DA ATUAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS NA ECO ERA

← Voltar aos Detalhes do Artigo PANORAMA DA ATUAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS NA ECO ERA

A simples leitura do caput do art. 6º, da Lei de Política Nacional do Meio Ambiente, dar claros indícios de que a estruturação do SISNAMA, ocorrida nos incisos do mesmo artigo, não é exaustiva, fala-se numa composição de “órgãos e entidades da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territórios e dos Municípios, bem como as fundações instituídas pelo Poder Público”, ou seja, qualquer órgão ou entidade composta pelas pessoas jurídicas de direito público podem integrar o sistema, desde que sejam “responsáveis pela proteção e melhoria da qualidade ambiental”. Dessa forma, caso a agência reguladora tenha nas suas atribuições competências ambientais, será considerada órgão do SISNAMA, este é o caso da Agência Nacional do Petróleo, que tem como objetivo a proteção do meio ambiente, e a promoção da conservação de energia. 52
Mostrar mais

26 Ler mais

Impacto da Lei de Acesso à Informação: os casos da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis e das agências reguladoras federais

Impacto da Lei de Acesso à Informação: os casos da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis e das agências reguladoras federais

A publicação da Lei 12.527 em 2011, a Lei de Acesso à Informação, cuja vigência se deu a partir de maio de 2012, uma vez que o texto previa 180 dias para implementação, veio ratificar a instituição da transparência como regra e do sigilo como exceção para todos os níveis e esferas da administração pública brasileira. A entrada em vigor da lei colocou o desafio de transformá-la em instrumento efetivo de apoio a um governo mais aberto e responsivo. Assim, a Lei teve repercussões importantes nas repartições públicas, quanto a novos procedimentos e desenhos institucionais para dar conta de sua amplitude e ambição. Este trabalho realiza uma análise explorativa desses desdobramentos para o primeiro ano e meio de aplicação, tanto do ponto de vista quantitativo quanto qualitativo, para a práxis cotidiana nas Agências Reguladoras Federais e na Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, em particular.
Mostrar mais

78 Ler mais

Ações para melhoria na qualidade dos dados sobre combustíveis disponibilizados pela ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

Ações para melhoria na qualidade dos dados sobre combustíveis disponibilizados pela ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP - possui, dentre suas atribuições, a de realizar o acompanhamento do mercado de combustíveis, divulgando dados estatísticos, boletins e estudos técnicos para a sociedade. Neste âmbito, diversos dados sobre o segmento são divulgados pela agência, como, por exemplo, a comercialização dos agentes econômicos, possibilitando o acompanhamento do suprimento do mercado e da previsão da demanda. O objetivo do presente trabalho é apresentar as ações adotadas pela agência para garantir a qualidade na divulgação dos dados oficiais sobre o setor. Tais ações incluem a realização de atividades de fiscalização e auditorias periódicas sobre os dados prévios obtidos do mercado. É imprescindível que os dados disponibilizados pela agência ao mercado e à sociedade sejam confiáveis e reflitam a realidade. As ações aqui retratadas mostraram-se eficazes para a consecução desse objetivo.
Mostrar mais

12 Ler mais

Política e Desenvolvimento no Brasil Contemporâneo: o caso da ANP (Agência Nacional do Petróleo)

Política e Desenvolvimento no Brasil Contemporâneo: o caso da ANP (Agência Nacional do Petróleo)

A ANP (Agência Nacional do Petróleo e Gás) foi criada pelo Decreto nº 2.455, de 14 de junho de 1998. Esse decreto é uma das medidas legais de iniciativa do Governo FHC com o objetivo de imprimir mudanças no setor. A Lei nº 9.478, de 6 de junho de 1997, a chamada Lei do Petróleo, cria também o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), vinculado ao Ministério de Minas e Energia (MME). A importância dessas medidas deve ser observada, uma vez que a formulação das políticas voltadas ao setor passa a contar com esses dois novos espaços de formulação e discussão de políticas para o país. A função do CNPE é assessorar a Presidência da República na formulação de políticas públicas para o setor enérgico. No caso da ANP, a lei estabelece uma série de funções fundamentais, tais como: a fiscalização das atividades setoriais, a promoção de iniciativas que visem ao estímulo setorial segundo o interesse nacional etc.
Mostrar mais

14 Ler mais

"Maldição do vencedor" (Winner's course)? Uma a análise das ofertas nos leilões da Agência Nacional do Petróleo, Gás natural e Biocombustíveis (ANP)

"Maldição do vencedor" (Winner's course)? Uma a análise das ofertas nos leilões da Agência Nacional do Petróleo, Gás natural e Biocombustíveis (ANP)

Leilões com grande número de participantes e com alto grau de incerteza sobre o valor do objeto leiloado tendem a apresentarem o fenômeno da maldição do vencedor, que ocorre quando o vencedor de um determinado leilão supervaloriza o preço do item leiloado e paga por este objeto um preço maior do que ele realmente vale, gerando prejuízo. Assim sendo, uma das propostas deste trabalho é verificar a presença da maldição do vencedor nas rodadas de licitação de arrendamento de licenças para exploração de petróleo e gás natural realizadas no Brasil desde 1999 até 2013. Também será investigada a presença de assimetria de informação entre os competidores deste leilão, uma vez que a Petrobras pode ser um participante com informação privilegiada por ter tido o monopólio dessa atividade no país por várias décadas. Para tal serão apresentadas as características da teoria dos leilões que possibilitarão tal estudo, bem como experimentos já realizados, a fim de viabilizarem uma melhor analise da base de dados dos leilões da ANP.
Mostrar mais

56 Ler mais

Características Físico-Químicas do Biodiesel conforme Especificações da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

Características Físico-Químicas do Biodiesel conforme Especificações da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

A glicerina é um coproduto da reação de transesterificação de óleos e gorduras. A determinação da glicerina residual serve como parâmetro para avaliar a eficiência do processo de purificação do biodiesel. Altas concentrações de glicerina no biodiesel provocam problemas de armazenamento, pois quando o biodiesel é misturado com o diesel de petróleo, observa-se a separação da glicerina nos tanques de estocagem. Problemas como formação de depósitos, entupimento dos bicos injetores do motor e emissões de aldeídos também estão relacionados com a alta concentração da glicerina no biodiesel. A glicerina livre residual pode ser facilmente eliminada através de lavagens do biodiesel (MARQUES et al., 2011).
Mostrar mais

11 Ler mais

Potencial do Pré-Sal. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Magda Chambriard

Potencial do Pré-Sal. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Magda Chambriard

Todos os testes que mostraram boa Todos os testes que mostraram boa produtividade foram em reservat.. produtividade foram em reservat ó ó rios rios carbon.[r]

27 Ler mais

Qualidade de vida no serviço público: um programa para a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP

Qualidade de vida no serviço público: um programa para a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP

foram utilizados para este estudo e se encontram na Figura 46.. 2º lugar) Fator Organização do Trabalho. 3º lugar) Fator Saúde. 4ºlugar) Condições de Trabalho. Verificou-se dentre as res[r]

140 Ler mais

Processo de gestão na Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa

Processo de gestão na Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa

No caso da área da saúde, as idéias reformadoras do aparelho de Estado surgem nos anos oitenta com o processo constituinte e com a criação do SUS. Paralelamente, estudos financiados pelo Banco Mundial subsidiavam políticas dessa agência internacional. Tais políticas buscavam fortalecer a capacidade de implementação de reformas de Estado em países receptores de empréstimos e entravam como parte das negociações que envolviam os ajustes macro- econômicos. Com os fracassos desses processos reformadores e a ocorrência de críticas, correções de rumos foram feitas, mas sempre seguindo as prescrições econômicas (Brasil, 1998). Nos anos noventa as políticas de saúde e o SUS foram atropelados pelo processo de Reforma de Estado. As reflexões acadêmicas sobre a temática nesse período voltaram-se para a influência da reforma de Estado na formulação e realização de políticas de saúde (GERSHMAN E VIANNA, 2003) e para impactos da Reforma sobre o SUS e na dimensão regulatória da saúde (RIBEIRO, COSTA e SILVA, 2000, COSTA, 2001; COSTA 2002). Entretanto, o debate nas instituições e na sociedade civil foi incipiente.
Mostrar mais

192 Ler mais

Dia Publicações Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS a

Dia Publicações Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS a

O Chefe do Núcleo da ANS São Paulo/SP, no uso das atribuições que lhe foram delegadas através da Portaria nº 140, de 30/10/2012, publicada no DOU de 08/11/2012, seção 1, fl 42, pelo Diretor de Fiscalização da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS, e tendo em vista o disposto no art. 57, V da Resolução Normativa - RN nº 197/2009, e no parágrafo único do art. 22, no art.15, inc. V c/c art. 25, todos da RN nº 48, de 19/09/2003, alterada pela RN nº 155, de 5/6/2007, vem por meio deste dar ciência às Operadoras, relacionadas no anexo, da decisão proferida em processos administrativos.
Mostrar mais

5 Ler mais

O governo Médici pelas lentes da Agência Nacional (1971-1974)

O governo Médici pelas lentes da Agência Nacional (1971-1974)

Esta dissertação foi dividida em três capítulos. O primeiro capítulo apresenta a Agência Nacional, buscando identificar seus objetivos, estrutura e funcionamento, dando destaque para o período de que trata este trabalho, a ditadura militar. Para tanto, este capítulo foi dividido em cinco partes que abordam alguns aspectos da Agência Nacional: inicialmente é feito um breve histórico da Agência Nacional desde a sua criação, à época subordinada ao Departamento Nacional de Informações, até sua extinção em 1979, destacando seus objetivos e funções, expressos principalmente em documentos oficiais, como leis e decretos. Será mostrado como a Agência Nacional estruturava suas divisões e quais eram suas atribuições, destacando as principais atividades de seus diretores-gerais a partir de 1964. São relatadas também algumas críticas feitas pela imprensa à Agência Nacional a partir da instauração do regime militar. E, por fim, apresenta-se um panorama dos documentos produzidos pela Agência Nacional que hoje constituem um importante acervo da visão do governo da história depositado no Arquivo Nacional. Devido à escassez de bibliografia sobre a Agência Nacional, para o desenvolvimento do capítulo foram usadas a legislação relacionada à sua criação e funcionamento, informações dispersas em boletins e publicações diversas e documentos produzidos pela própria Agência Nacional.
Mostrar mais

146 Ler mais

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária e a pesquisa clínica no Brasil.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária e a pesquisa clínica no Brasil.

A pesquisa clínica no Brasil vem apresentando um grande cresci- mento nos últimos dez anos. Por motivos históricos, para se realizar ensaios clínicos com medicamentos neste país faz-se necessária, parti- cularmente quando se quer estudar produtos fabricados no exterior, a aprovação do protocolo de pesquisa por dois órgãos governamentais, a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP), que é ligada ao Conselho Nacional de Saúde (CNS), e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Esta necessidade de dois fóruns de aprovação é confusa para muitos investigadores e patrocinadores de ensaios clínicos. Neste artigo, após um breve histórico da legislação sobre pesquisa clínica no Brasil, discute-se a visão da ANVISA quanto ao seu papel regulador dos ensaios clínicos, e enumera-se as medidas que vêm sendo propostas para regulamentá-la.
Mostrar mais

3 Ler mais

O modelo de avaliação de desempenho da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

O modelo de avaliação de desempenho da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

à sistemática de avaliação, identificaram-se três fases: 1) estruturação do novo modelo de gestão (1999-2000): caracterizada por incipiente discussão sobre indicadores e predomínio de metas de estruturação da Agência; 2) Legitimação frente ao segmento produtivo (2001-2004): caracterizada por adaptação e utilização dos critérios do Balanced Scorecard e por predomínio de indicadores e metas de prazos para resposta às demandas do segmento produtivo; 3) Ampliação da legitimação (2005): caracterizada por adaptação e utilização dos critérios do Prêmio Nacional da Qualidade, metas e indicadores abarcando segmento produtivo, cidadãos e Sistema Nacional de Vigilância Sanitária. A Anvisa demonstra crescente capacidade de adquirir recursos, pelo aumento da arrecadação da Taxa de Fiscalização de Vigilância Sanitária ano após ano. Considerando a utilização de artifícios no cálculo do desempenho (metas parcialmente cumpridas computadas como integralmente cumpridas e desconsideração de metas que não puderam ser apuradas), a melhor performance foi observada em 2002 (93,60%) e a pior em 2005 (64%), quando a metodologia foi ampliada. Conclui-se que o modelo de avaliação deve ser revisto pois, embora modificado, pouco avançou em direção à finalidade institucional e aferição da efetividade das ações realizadas, muitas delas nem sendo consideradas no cálculo do desempenho final.
Mostrar mais

14 Ler mais

A discricionariedade no processo decisório da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL

A discricionariedade no processo decisório da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL

A nona ordem de contrapartidas correspondeu aos investimentos em pesquisa e desenvolvimento, com a imposição de três obrigações principais à Brt-Oi: a realização de investimentos em valores anuais correspondentes a até 100% do total recolhido ao Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (FUNTTEL), respeitado o compromisso mínimo de 50% do total incondicionalmente; o dever de ceder capacidade de transmissão em fibras óticas, para uso não comercial, pela Rede Nacional de Pesquisas (RNP), que viabilize a interconexão nacional entre universidades e seus campi, centros de pesquisa, laboratórios, hospitais de ensino e museus; e a obrigação de estabelecer, nas aquisições de equipamentos e sistemas de elevado valor monetário ou de importância estratégica, padrões ou índices de nacionalização para aquisição no médio e longo prazo no mercado local, promovendo iniciativas de fabricação local, observadas as diretrizes do Processo Produtivo Básico (PPB) do Governo Federal.
Mostrar mais

296 Ler mais

Os sentidos de segurança sanitária no discurso da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Os sentidos de segurança sanitária no discurso da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

A análise do processo de formulação da mis- são evidencia que a incorporação da expressão SS suscitou divergências. Havia o argumento de que seria impossível garantir a segurança; a este argumento somava-se outro de que a expressão “garantindo a segurança sanitária” implicaria re- passar responsabilidades ao SNVS, reduzindo a obrigação do segmento regulado de responder pela segurança, qualidade e eficácia dos produ- tos e serviços ofertados à população. Discutia-se que a expressão poderia suscitar na população e em profissionais de saúde uma distorção quanto ao papel da Agência. Assim, o grupo que defen- dia esses argumentos sugeriu o uso de expressão do tipo “por meio do controle sanitário” em subs- tituição a “garantindo a segurança sanitária”.
Mostrar mais

10 Ler mais

As sanções administrativas aplicadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL : um estudo sobre a regulamentação e as práticas da agência

As sanções administrativas aplicadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL : um estudo sobre a regulamentação e as práticas da agência

113 XVII – der causa o agente, por ação ou omissão, ao descumprimento, pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, das etapas do cronograma de contabilização e liquidação financeira das transações efetuadas; XVIII – deixar de efetuar o pagamento ou recolhimento, conforme o caso, na data do respectivo vencimento, de qualquer das obrigações e/ou encargos setoriais relativos à compra de energia elétrica mediante contratos regulados ou oriunda de Itaipu Binacional; às quotas da Conta de Consumo de Combustíveis - CCC dos Sistemas Interligados ou Isolados; às parcelas da Conta de Desenvolvimento Energético - CDE; às quotas da Reserva Global de Reversão - RGR; às parcelas dos Juros sobre o Fundo de Reversão aplicado; às parcelas do Uso de Bem Público - UBP; às parcelas da Taxa de Fiscalização dos Serviços de Eletricidade - TFSEE; aos valores da Compensação Financeira pela Utilização de Recursos Hídricos; ao rateio correspondente ao Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica - PROINFA; às parcelas do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FNDCT; e ao repasse do Encargo de Capacidade Emergencial, assim como de outros encargos que venham a ser estabelecidos por lei.
Mostrar mais

125 Ler mais

O trabalhismo de Jango em imagens: os cinejornais da Agência Nacional (1963-1964)

O trabalhismo de Jango em imagens: os cinejornais da Agência Nacional (1963-1964)

desta forma, o presidente João Goulart, através das propostas de reformas de base, vai incorporar também o homem do campo como ator social igualmente relevante no ideário trabalhista. a reforma agrária, questão chave para seu governo, foi uma das principais bandeiras políticas levantadas por Goulart e pelas esquerdas trabalhistas, como leonel Brizola (GRYNSZPAN, 2006). Aliás, a radicalização política em torno do debate dos projetos de reforma agrária apresentados no Congresso Nacional tem sido considerada pela recente historiografia como uma das causas que provocaram o golpe civil-militar de 1964. Entre 1940 e 1960, intelectuais e políticos debruçaram-se sobre a questão do campo, enfatizando a necessidade de sua modernização através da reforma agrária. No campo, crescia a mobilização dos trabalhadores rurais contra as expulsões promovidas pelos grandes proprietários. O tema ganhou amplo espaço na imprensa; as lutas reivindicatórias dos camponeses, cada vez mais organizados e atuantes, intensificaram-se (GrYNsZPaN, 2006).
Mostrar mais

17 Ler mais

O lobby na regulação da publicidade de alimentos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

O lobby na regulação da publicidade de alimentos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

A despeito da importância atribuída à participação nas consultas públicas, o empresariado sabia de antemão da dificuldade que teria para conseguir conces- sões da Anvisa nessa arena. Evidentemente, os grupos poderiam optar por não participar do processo, tentando deslegitimá-lo. No entanto, esse tipo de ação para esvaziar o papel da agência poderia ser contraproducente a esses mesmos grupos que queriam alterar a proposta da Anvisa, pois eles poderiam ser surpreendidos com ações futuras da agência, uma vez que não estariam acom- panhando o processo. A seguinte frase de um representante do setor regulado resume bem o paradoxo enfrentado pela indústria: “É um jogo que você já sabe o resultado, mas você não pode deixar de participar porque aí você vai legitimar muito mais” 10 . Além disso, a tomada de posição dos grupos e a produção de
Mostrar mais

25 Ler mais

Show all 10000 documents...