Apoio governamental

Top PDF Apoio governamental:

Apoio governamental à investigação em saúde pública: um perfil europeu

Apoio governamental à investigação em saúde pública: um perfil europeu

Este estudo foi um primeiro esforço para descrever e analisar o apoio governamental à investigação em saúde pública em 28 países da Europa. Os resultados têm que ser lidos à luz do número de respostas por- que, apesar da taxa de resposta ser de 75%, só 25 em 56 ministérios forneceram questionários completos (Tabela I). Apesar dos nossos melhores esforços não foi possível encontrar contactos chave em 14 minis- térios (6 correspondem a 3 países onde não foi encontrado nenhum contacto) (Tabela I). Responder ao questionário desenvolvido requeria um conheci- mento profundo do país e do ministério respectivo. Foi difícil encontrar estes peritos disponíveis, e, ape- sar de para todos os tópicos ser solicitada a referência aos documentos oficiais, nem sempre fica claro se as
Mostrar mais

10 Ler mais

Apoio governamental à inovação tecnológica: análise da indústria farmacêutica paraense

Apoio governamental à inovação tecnológica: análise da indústria farmacêutica paraense

estão associadas ao intenso avanço e expansão de novas tecnologias, forçando governos, pessoas, empresas e nações à introdução de novos padrões de comportamento, obrigando, desse modo, à renovação contínua de produtos e processos tecnológicos para manter a competitividade, tanto entre nações, como no mundo empresarial. Nesse particular, a inovação tecnológica é reconhecida como fator básico de competitividade econômica sustentável, sendo a responsável pelo rompimento e/ou aperfeiçoamento das técnicas e processos de produção, o que pressupõe a sistematização de variados arranjos institucionais que envolvem firmas, redes de interação entre empresas, agências governamentais, universidades, institutos de pesquisa, laboratórios de empresas e atividades de cientistas e engenheiros. Esses arranjos, ao se articularem com o sistema educacional, com o setor industrial e empresarial e, também, com as instituições financeiras, tomam a forma que Freeman (1987) cunhou de sistema nacional de inovação, promovido por meio de políticas públicas de CT&I, as quais visam induzir e apoiar iniciativas inovadoras nas empresas, como também estabelecer demandas e priorizar vocações e potencialidades regionais. Nesse contexto de apoio governamental à inovação tecnológica se insere este estudo, que buscou conhecer as razões da fragilidade inovativa na indústria farmacêutica paraense, apontada pela PINTEC 2005, a partir do ponto de vista do empresariado desse setor. Para tal, utilizou-se a abordagem qualitativa - com entrevistas semi diretivas e a técnica da análise de conteúdo. Os resultados da pesquisa apontaram que as fragilidades inovativas do setor se relacionam ao desconhecimento do apoio governamental à inovação tecnológica por parte do empresariado da indústria farmacêutica paraense.
Mostrar mais

107 Ler mais

Transnacionais Brasileiras: análise de incentivos e apoio governamental

Transnacionais Brasileiras: análise de incentivos e apoio governamental

O governo brasileiro tem despertado para este fator, observando os benefícios de possuir suas empresas crescendo no ambiente internacional. A criação de mecanismos de apoio reflete esta posição. Os financiamentos através do BNDES abriram portas para o setor privado, assim como também o fizeram os sistemas de assistência técnica e os sistemas de apoio informais. Entretanto, é preciso observar que estas políticas, ao ultrapassar certo ponto, podem favorecer o interesse de poucos, fazendo necessário que limites sejam observados. Os mecanismos de apoio informais, embora tenham se revelado eficazes em promover a internacionalização, devem ser avaliados com extrema cautela, pois podem gerar favorecimentos pessoais. Neste caso, as assimetrias entre o empresariado se aprofundam, com algumas empresas detentoras de contatos em órgãos do governo sendo beneficiadas em prejuízo de outras, que procuram os mecanismos “formais”.
Mostrar mais

106 Ler mais

Apoio Governamental à Integração de Imigrantes e Refugiados Portugal como modelo para aplicação no Brasil

Apoio Governamental à Integração de Imigrantes e Refugiados Portugal como modelo para aplicação no Brasil

109 criou um gabinete no ACM sobre essa perspectiva interseccional, nós, nunca fomos nem sequer convidadas para sermos ouvidas, só somos a maior comunidade em Portugal de mulheres imigrantes. Nunca nos convidaram para perguntar o que a gente acha, do que vivem as mulheres brasileiras, nem isso ou aquilo. Então, no meu ponto de vista, é preciso, se optarmos por uma política de estado, tal como o ACM, no Brasil, tem que ter representações estaduais, eu acho, muito mais. Talvez, uma nacional como umbrella só que depois temos que ter focos estaduais porque, justamente nessa perspectiva interseccional, o que eu vivo no norte não é o que eu vou viver no sul. Em Portugal, pensando no lado positivo, eu acho que o ACM também é responsável por grande parte do sucesso das políticas de acolhimento. O CNAI, que é o one-stop-shop, é um bom exemplo até certo ponto. Eu acho que também, no início de quando foi criado o ACM e depois é criado o Centro Nacional de Apoio ao Imigrante, fazia sentido, não existia nada, precisávamos ter o serviço centralizado que as pessoas migrantes sentissem confortáveis para ir, mas não educamos os outros serviços. Então assim nós centralizamos… educamos é ótimo, não sensibilizamos. Nós colocamos todo mundo ali, mas esquecemos da importância de estarmos a formar todos os profissionais dos outros serviços. Todos os dias nós temos queixas de pessoas que vão nos serviços públicos, agora tivemos uma da segurança social, a mulher olha bem: ―vocês acham que vem pra cá e têm os mesmos direitos‖. Então assim, é muito grave quando não construímos um país, principalmente nos serviços públicos, são públicos, para multiculturalidade.E a burocracia, que onde …(Inaudível)...
Mostrar mais

126 Ler mais

O empresariado do agronegócio no Brasil: ação coletiva e formas de atuação política - as batalhas do açúcar e do algodão na OMC.

O empresariado do agronegócio no Brasil: ação coletiva e formas de atuação política - as batalhas do açúcar e do algodão na OMC.

Cabe ressaltar que o desempenho recente do agronegócio brasileiro, tanto como atividade eco- nômica quanto como ação coletiva, é fruto, entre uma série de razões, da criação e da manutenção de arenas de negociação e formulação de políticas compostas por Estado e empresariado. Com a crescente especialização da produção agropecuária, conjugada com o fim dos projetos mais gerais de política agrícola, com as restrições ao apoio governamental oriundas da crise fiscal do setor público, com a redemocratização da vida brasileira e com a desregulamentação das ativida- des do setor agropecuário, entre outros fatores, tornou-se imperioso ao empresariado rural atuar no sentido de (re)criar ou participar dos canais de interlocução oferecidos pelo Estado, por meio de fóruns de discussão e de formulação de políticas públicas específicas para cada cadeia produtiva, a fim de poder capacitar-se para a competição in- ternacional. Caso considere-se, a partir de uma perspectiva neocorporativista, que a atuação de câmaras setoriais é capaz de impulsionar a implementação de políticas públicas para os seto- res envolvidos, parece-nos que a experiência das câmaras setoriais da agropecuária tem sido bem- sucedida, notadamente a partir do momento em que a agropecuária brasileira é chamada à compe- tição no comércio mundial 19 . Como vimos anteri-
Mostrar mais

25 Ler mais

Dossiê: Gênero e Direitos Humanos: violências, resistências e movimentos sociais

Dossiê: Gênero e Direitos Humanos: violências, resistências e movimentos sociais

A reivindicação de políticas públicas, apoio governamental, promoção da educação para as relações de gênero, fortalecimento dos centros de direitos humanos, coletivos e movimentos sociais, assim como promoção de campanhas nacionais como outros países já fazem pela igualdade e equidade de gênero, são estratégias fundamentais para fortalecer as resistências, fazer enfrentamento às violências e superar as desigualdades sociais e de gênero. E nesse sentido, os trabalhos aqui apresentados certamente contribuem para a ampliação do debate social e científico e para a expansão do campo dos Estudos de Gênero e temas correlatos.
Mostrar mais

5 Ler mais

As ONGs e a responsabilidade governamental com a escola básica no Brasil.

As ONGs e a responsabilidade governamental com a escola básica no Brasil.

O programa Melhoria da Educação no Município, com apoio da Fundação Itaú Social, é uma iniciativa que se encaminha na perspectiva da mudança educacional, uma vez que sua realização aproxima práticas originadas em uma lógica de reforma de outras surgidas na lógica de inovação. Foi criado em 1999 e incentiva alianças de autoridades e técnicos dos órgãos públicos com proissionais que trabalham educando diretamente e com líderes de associações locais. É de responsabilidade conjunta da ONG Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), do Unicef e da União Nacional dos Dirigentes Muni- cipais de Educação (Undime) e visa a envolver, assessorar e fortalecer equipes governamentais e não-governamentais. Iniciou no estado de São Paulo, com 600 educadores(as) de 176 municípios, agrupados em 13 polos. A orientação colocada a cada um destes foi desenvolver parcerias e envolver as cidades de suas regiões em uma rede de ações (Fundação Itaú Social, 2007). Propôs-se “identiicar e motivar as lideranças educativas” (Fundação Itaú Social, 2007), de modo a planejar e de- senvolver projetos educacionais durante todo o ano letivo.
Mostrar mais

16 Ler mais

Memoriais culturais e históricos como promotores do desenvolvimento: os memoriais de Guiledje e Cacheu na Guiné-Bissau

Memoriais culturais e históricos como promotores do desenvolvimento: os memoriais de Guiledje e Cacheu na Guiné-Bissau

A Acção para o Desenvolvimento (AD) é uma Organização Não-Governamental para o Desenvolvimento (ONGD) guineense que tem como principais domínios de ação a Comunicação Comunitária, Escolas e Formação Profissional, Microcrédito, Saúde, Soberania Alimentar, Ambiente e Cidadania (AD, 2013). Recentemente, esta ONGD tem vindo a trabalhar na área da História e Cultura pela dinamização de memoriais histórico-culturais e de forma a promover a tão necessária identidade. Contudo, estes projetos, e dada a matriz de promoção ao desenvolvimento da ONGD, não são desligados dos paradigmas do desenvolvimento comunitário, procurando envolver as populações locais na dinamização destes memoriais e criar oportunidades de desenvolvimento social e económico.
Mostrar mais

14 Ler mais

A Sala de Imprensa no Esquema da Informação Governamental

A Sala de Imprensa no Esquema da Informação Governamental

. No campo específico da informação governamental, sabe- „ ° 8 Que êste esquema de Mac Luham atende mais a um jeux I Tiots filosófico que à realidade. Não foi para registrar o g ^Pinado com tôdas as suas tintas trágicas que se instituiu Sala de Imprensa. O sensacional alcança a emotividade; o c °tidiano sem tragicidade, mas positivo em seus efeitos, al- e nÇa a sensibilidade. Dizer que o produto bruto nacional está rjJ1 ritmo de 9% ao ano é mais saudável do que revelar a penú- in, de tantos Fabianos no Nordeste. E por ser saudável, como r ° rrnação econômica, não é menos notícia do que o trágico ^ - X o da sêca. Se a emotividade é instintiva, a sensibilidade
Mostrar mais

12 Ler mais

Participação eletrônica, efetividade governamental e accountability

Participação eletrônica, efetividade governamental e accountability

Com efeito, a possibilidade de maior acesso a informações e ao conhecimento, proporciona-do pelas novas TIC, permite um processo de tomada de decisão ao mesmo tempo mais disperso e mais transparente, aumentando o nível de responsabilização de políticos e de servidores públicos. Não obstante, essa possibilidade, em grande parte do mundo, ainda não se tornou algo concreto. Os governos, principalmente nos países em desenvolvimento, têm elevada responsabilidade no que tange à superação do chamado digital divide, proporcionando aos seus cidadãos oportunidades de desenvolvimento econômico e social (Braga, 2007; Compaine, 2001; Warschauer, 2006). Além disso, há, ainda, a necessidade de se avançar em questões relacionadas à dependência tecnológica, censura governamental e quebra de privacidade no espaço virtual (Basu, 2004; Braga, 2009; Cook; Horobin, 2006; Ferneda; Alonso; Braga, 2011; Petley, 2013).
Mostrar mais

34 Ler mais

As NICSPs e a Contabilidade Governamental de Países em Desenvolvimento

As NICSPs e a Contabilidade Governamental de Países em Desenvolvimento

A contabilidade governamental refere-se aos sistemas de informações financeiras e às práticas de evidenciação financeira. Seu estágio de desenvolvimento resulta da intera- ção entre a oferta e a procura por accountability e transparência financeira governamental. Dado que seja caro produzir e divulgar informações, os governos em todos os tipos de sistemas políticos carecem de incentivos econômicos para fazê-lo. No entanto, alguns sis- temas políticos apresentam uma maior demanda por accountability e transparência gover- namental do que outros, por exemplo, as democracias representativas são mais exigentes do que sistemas políticos autoritários e totalitários. Em uma democracia, o governo é obri- gado a ser mais sensível às demandas de informações que lhe são dirigidas. Este seria o caso dos países desenvolvidos e dos países em desenvolvimento. No entanto, o custo de oportunidade dos recursos usados na melhoria da informação financeira governamental é maior em países em desenvolvimento do que nos países desenvolvidos. Portanto, mesmo se os governos democráticos em países em desenvolvimento estiverem dispostos a empre- ender a reforma na contabilidade governamental, eles podem ser incapazes financiá-la; já os governos não democráticos de países em desenvolvimento podem ser tanto relutantes em realizá-la, quanto incapazes de financiá-la.
Mostrar mais

17 Ler mais

Moralidade e civismo nas histórias em quadrinhos: o controle governamental

Moralidade e civismo nas histórias em quadrinhos: o controle governamental

Resumo: O presente artigo tem por objetivo demonstrar como eram vistas a moralidade e o civismo pelos governos militares brasileiro. Uma disciplina foi instituída como obrigatória em todos os níveis da educação formal e uma instituição foi criada para conferir controle e legitimidade aos interesses do governo quanto à educação. Desse modo, o indivíduo deveria ser formado com ideias de civismo e moralidade apresentados pelos materiais pedagógicos aprovados pelo órgão do governo. A metodologia a ser utilizada para elaboração do artigo foi a análise de Histórias em Quadrinhos (HQ). Confere-se, com isso, a importância dada pela instituição governamental às HQ como instrumento didático importante e de uso nas escolas. Conclui-se que as HQs analisadas, aprovadas e utilizadas como de caráter moral e cívico nas escolas, eram principalmente de caráter histórico, conferindo à história do Brasil uma visão eurocêntrica e positivista, ideal maior de civilização.
Mostrar mais

18 Ler mais

Alguns aspectos da avaliação económica de uma Organização Não Governamental

Alguns aspectos da avaliação económica de uma Organização Não Governamental

O primeiro é o valor económico do trabalho dos voluntários que desempenham funções nos Bancos Alimentares em Portugal; outro aspeto é o impacto da redistribuição dos alime[r]

48 Ler mais

A importância da contabilidade de competência para a informação de custos governamental.

A importância da contabilidade de competência para a informação de custos governamental.

de diferentes stakeholders. A cidadania se realiza através da garantia dos direitos individuais, especialmente o direito à informação. Os fluxos financeiros isoladamente não representam o consumo de recursos, nem seu comprometimento no longo prazo, evidenciando ao cidadão o impacto imediato do uso de recursos públicos e pouco dizendo sobre o aumento de encargos no futuro. Um regime mais abrangente pode evidenciar uma cifra de longo prazo intergerações, contribuindo para a tomada de decisão política fiscal e operacional. Essa possibilidade suscita ajustes metodológicos na informação contábil governamental. Este artigo discute os mecanismos de pressão por melhores informações e suas diferentes expressões, apresentando um caso fictício para exemplificar parte dos argumentos teóricos.
Mostrar mais

18 Ler mais

Relações perigosas: o imaginário freyriano no discurso governamental.

Relações perigosas: o imaginário freyriano no discurso governamental.

Neste ensaio, pretendo demonstrar que as obras freyrianas têm um lugar crucial na articulação discursiva do regionalismo na atualidade. Isto será feito mediante uma análise do discurso governamental pernambucano entre os anos 1983 e 1998. As formações discursivas tra- dicionalista liberal e democrático-popular, que polarizam o campo polí- tico investigado, instalam uma disputa pela elaboração de um imaginário legitimador para suas demandas de poder. Tal disputa se dá por meio da mobilização de referenciais históricos de pertencimento comunitário. É possível perceber que as obras freyrianas acerca do nordeste constituem um imaginário de representação que informa os enunciados dos governa- dores, o que evidencia o concurso da sua obra na produção discursiva da regionalização do espaço político brasileiro.
Mostrar mais

24 Ler mais

PADRÃO DE COMUNICAÇÃO ENTRE PACIENTES NUM HOSPITAL GOVERNAMENTAL BRASILEIRO.

PADRÃO DE COMUNICAÇÃO ENTRE PACIENTES NUM HOSPITAL GOVERNAMENTAL BRASILEIRO.

O grupo da enfermagem poderia suprir esta necessidade de infor- mação e apoio no pré-operatório se estivesse mais presente, mais próximo do paciente. Ressalta a autora, que a incorpora[r]

10 Ler mais

A crítica da razão governamental em Michel Foucault.

A crítica da razão governamental em Michel Foucault.

Examinarei, pois, num primeiro momento, a maneira pela qual Fou- cault define a noção de crítica a partir de uma certa leitura de Kant, articulada ao projeto de uma “ontologia do presente”. Ver-se-á assim que a crítica se define como uma atitude, um ethos, uma maneira de agir, inseparável do di- agnóstico de uma crise. Examinarei em seguida o lugar singular que o libera- lismo ocupa neste procedimento crítico: de que modo se inscreve no seio da racionalidade governamental moderna ao mesmo tempo em que a contesta e como Foucault se situa em relação ao mesmo liberalismo. Tentarei mostrar que esta problemática escapa à imputação de reformismo, sem cair por isto no impasse da negação radical. Em parte, apoiar-me-ei sobre materiais não reto- mados em Dits et écrits, e mesmo em materiais inteiramente inéditos, como os cursos ministrados no Collège de France em 1978 e 1979. São territórios do pensamento foucaultianos que precisam a ser explorados.
Mostrar mais

14 Ler mais

Tendências da auditoria governamental e suas repercussões na Marinha do Brasil

Tendências da auditoria governamental e suas repercussões na Marinha do Brasil

organizações vinculadas à Marinha do Brasil para remessa ao Tribunal de Contas da União. As auditorias são efetuadas de acordo com o Plano Anual de Atividades de Auditoria,. elab[r]

115 Ler mais

Uma avaliação do ordenamento territorial no processo de planejamento governamental:...

Uma avaliação do ordenamento territorial no processo de planejamento governamental:...

No contexto das ambições presidenciais do Ministro do Interior Mario Andreazza, muitos recursos foram levantados com as instituições financeiras mundiais para as intervenções do governo federal na cidade com o apoio inicial do governador Chagas Freitas 65 . No contexto das discussões da habitação para fins sociais e a consolidação das favelas no espaço urbano da cidade a partir da atuação do BNH e da participação da SERSE, o Projeto Rio conhecido por PROMORAR, em 1979, 66 consistiu na urbanização local, com a construção de moradias de baixo custo em substituição das palafitas e a implantação de uma infra-estrutura local. Tal programa demonstrou maior flexibilização das normas estritas do BHN com relação ao ordenamento do espaço e o tipo de moradia financiada pelo banco. A Fundrem – Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana tomou o projeto com a intenção de recuperação da área alagadiça pela drenagem do solo, o ordenamento urbanístico da região e o aterramento de parte de uma área próxima à Baía de Guanabara para alocar os habitantes dos barracos construídos sobre pilotis.
Mostrar mais

287 Ler mais

Transparência governamental e accountability: uma análise comparativa da evolução...

Transparência governamental e accountability: uma análise comparativa da evolução...

candidatos  compareceram.  Essa  constatação,  feita  ao  longo  da  entrevista,  aconteceu  no  momento   em  que  ele  mesmo  fazia  uma  comparação  entre  as  políticas  de  transparência  da  sua  gestão  com  a   de   seu   sucessor   na   presidência,   vereador   José   Américo   (PT)   –   a   qual   considera   ter   retrocedido   nessa  questão.  “São  eleitores  diferentes,  os  deles  (José  Américo)  e  os  meus.  Os  deles  não  tão  nem   aí   se   ele   diminuir   a   transparência   na   Câmara,   mas   votam   nele   se   ele   conseguir   uma   creche   pro   bairro.  Já  o  meu  é  o  contrário.  No  fundo,  a  questão  eleitoral  conta  sim.  É  colocada  na  balança.”   A  conclusão  que  pode  ser  retirada  dessa  conversa,  portanto,  é  de  que  o  processo  de  tomada  de   decisões  relativas  à  transparência  governamental  nesse  caso  teve  incentivos  positivos.  Entre  eles,   pode-­‐se   enumerar   os   ganhos   eleitorais   diretos   e   indiretos 10   por   se   tomar   essa   causa   como   bandeira  relativa  à  maior  moralidade  e  racionalidade  nos  gastos  públicos,  a  pressão  dos  órgãos  de   controle  externo  sobre  o  gestor  e  a  capacidade  de  se  usar  a  publicidade  como  maneira  de  justificar   ou   facilitar   mudanças   internas   ao   vencer   resistências   de   certos   grupos   corporativos.   Um   quarto   incentivo  decorrente  desses  anteriores  é  o  voltado  a  aumentar  a  racionalidade  do  gasto  público  –   o  que,  em  cargos  eletivos  como  o  dele,  pode  ser  uma  maneira  de  abrir  espaço  orçamentário  para   outras  prioridades  da  administração  que  podem  servir  depois  como  nova  bandeira  eleitoral.   O  mesmo  raciocínio  também  explicaria  a  diferença  entre  a  transparência  na  Câmara  Municipal  e   na  Prefeitura,  conforme  encontrado  na  análise  quantitativa.  Em  relação  ao  Executivo,  o  peso  dessa   bandeira  pode  ser  ainda  maior  para  o  prefeito  que  deseja  se  reeleger,  já  que  essa  eleição,  por  ser   majoritária,  conta  com  um  grau  de  personalismo  maior.  Além  disso,  a  Prefeitura  é  o  órgão  mais  
Mostrar mais

68 Ler mais

Show all 4971 documents...

temas relacionados