Atitudes e comportamentos

Top PDF Atitudes e comportamentos:

Literacia em saúde e hábitos, atitudes e comportamentos de saúde em estudantes universitários

Literacia em saúde e hábitos, atitudes e comportamentos de saúde em estudantes universitários

No que diz respeito à amostra em estudo, participaram 157 estudantes que frequentam o primeiro ano de licenciatura da Universidade da Beira Interior, maioritariamente do sexo feminino, de nacionalidade portuguesa e com idades compreendidas entre os 18 e os 23 anos. Os participantes do estudo frequentam cursos ligados à saúde ou ciências sociais e humanas, o que tendo em conta a temática do estudo é de extrema relevância, atendendo ao papel fundamental que, por exemplo, futuros profissionais de saúde podem ter no que concerne à literacia em saúde e às atitudes e comportamentos de saúde. Relativamente às habilitações literárias dos pais dos participantes, observa-se uma distribuição por diferentes níveis de escolaridade (desde o ensino básico ao superior). Tal como é frequente nesta faixa etária, a maioria dos estudantes tem como domicílio habitual o contexto familiar, assistindo-se a uma alteração durante o período escolar, em que a maioria mora sozinha ou com colegas. Com efeito, esta é considerada como uma mudança natural no processo de transição para o ensino superior, em que a maioria dos alunos que ingressam no 1º ano de faculdade saem da casa dos pais e mudam de distrito ou de área de residência, passando a designar-se como estudantes “deslocados” (Sousa, 2015). Destaca-se o facto de a maioria dos estudantes percecionar o seu estado de saúde geral como bom, o que pode ser justificado pelo facto de a maioria não possuir uma doença de longa duração, o que promove a visão de que são saudáveis. A faixa etária dos participantes do estudo pode também justificar a autoavaliação que estes jovens fazem sobre a sua saúde, uma vez que segundo Pavão, Werneck e Campos (2013) a idade, o estado geral de saúde e a perceção do estado de saúde se encontram relacionados.
Mostrar mais

104 Ler mais

Atitudes e Comportamentos Sexuais de Estudantes Universitários

Atitudes e Comportamentos Sexuais de Estudantes Universitários

Antigamente existia a crença de que a sexualidade se aprendia com a própria vida quotidiana nas interacções amorosas, sendo desnecessária e indesejável a intervenção de profissionais. Contudo, nas últimas décadas, como resultado de um conjunto de profundas transformações na sociedade, a sexualidade humana tem vindo a acompanhar esta constante evolução. Actualmente, a sexualidade deixou de ser um tabu e é vista essencialmente como uma dimensão lúdica da vida, ou seja, não só como necessidade de satisfação física ou da descarga energética de que nos falava Freud ou Reich, mas como um campo de expressão da totalidade humana, no que diz respeito ao corpo, emoções, desejos, fantasias, significações e relacionamentos. Vivemos actualmente uma época de permissividade em matéria de moral sexual (Reiss, 1990), onde há uma maior liberalização dos costumes sexuais, o que consequentemente leva a uma modificação de atitudes e comportamentos dos jovens, que se tornam sexualmente activos cada vez mais cedo, adoptam estilos de vida de risco e pouco saudáveis.
Mostrar mais

84 Ler mais

Que tipo de Educação Ambiental e para quem? Fatores associados a atitudes e comportamentos ambientais

Que tipo de Educação Ambiental e para quem? Fatores associados a atitudes e comportamentos ambientais

No presente estudo nós verificamos a relação entre características sociodemográficas, contato recreativo com a natureza, atitudes e comportamentos pró-ambientais. De modo geral, nossos resultados apontam que indivíduos pró-ambientais tendem a ser mulher, cursar os primeiros semestres da graduação, participar regularmente em atividades de lazer em contato com a natureza, ter ideologia política de esquerda e idade mais avançada, independente da renda. Em adição, nós discutimos a teoria por trás de cada relação (p.ex., diferenças entre homens e mulheres). Educadores ambientais podem utilizar nossos resultados e discussão quando necessitarem estabelecer grupos de foco. Finalmente, a participação regular em atividades de lazer em contato com a natureza esteve associada a maior conexão com a natureza, crenças e comportamentos pró-ambientais. Com base em nossos resultados e em outros estudos, nós argumentamos que experiências agradáveis em contato com a natureza podem mudar positivamente o relacionamento das pessoas com o meio ambiente, e servir como ferramenta para Educação Ambiental.
Mostrar mais

15 Ler mais

Abertura à experiência, atitudes e comportamentos sexuais em jovens do ensino superior

Abertura à experiência, atitudes e comportamentos sexuais em jovens do ensino superior

O comportamento sexual e as atitudes sexuais resultam da interacção de aspectos biológicos, cognitivos e afectivos, por sua vez influenciados por dimensões da personalidade como a Extroversão. Considerando que a dimensão de personalidade Abertura à Experiência tem impacto na sexualidade (nomeadamente: na atractividade sexual; na maternidade precoce e início precoce da actividade sexual nos homens; na procura de uma vida sexual mais variada e nas fantasias eróticas e atitudes menos conservadoras em relação à sexualidade; procura de prazer e na tomada de decisões de risco) o objectivo deste trabalho é analisar a relação entre Abertura à Experiência, atitudes e comportamentos sexuais. Assim, tenciona-se compreender melhor as suas eventuais relações e o peso que podem exercer entre si.
Mostrar mais

187 Ler mais

Atitudes e comportamentos de adolescentes em relação à ingestão de bebidas alcoólicas.

Atitudes e comportamentos de adolescentes em relação à ingestão de bebidas alcoólicas.

Pesquisa descrii va qualitai va que teve como objei vo analisar as ai tudes dos ado- lescentes diante da ingestão de bebidas al- coólicas. Foram realizadas entrevistas com 40 adolescentes vinculados a uma insi tui- ção de apoio no Pará. A análise de conte- údo temái co levou à seguinte categoria: ai tudes e comportamentos em relação à ingestão de bebidas alcoólicas. O consumo da bebida alcoólica está associado a diver- são, mas também signifi ca um modo de não pensar nos problemas. Os adolescen- tes ui lizaram outros i pos de drogas em alguns momentos, porém o uso do álcool é unanimidade. Concluiu-se que, para o ado- lescente, o álcool favorece a socialização e o prazer e que isso pode levar ao uso abu- sivo e contato com drogas ilícitas, como a maconha, a cocaína e o í ner.
Mostrar mais

7 Ler mais

Atitudes e comportamentos sexuais na adolescência

Atitudes e comportamentos sexuais na adolescência

A  sexualidade,  tal  como  a  afectividade,  a  sensibilidade,  a  criatividade  ou  a  espiritualidade,  é   uma   dimensão   do   ser   humano   que   embora   presente   desde   o   nascimento,   tem   que   ser   educada  ao  longo  de  toda  a  vida,  implicando  uma  aprendizagem  e  um  trabalho  constantes   (Puerto,  2009).  A  sexualidade  é  a  forma  como  cada  ser  humano  se  relaciona  consigo  e  com   os  outros  pelo  facto  de  ser  homem  ou  mulher.  De  acordo  com  uma  publicação  da  OMS  "A   sexualidade   humana   forma   parte   integrante   da   personalidade   de   cada   um.   É   uma   necessidade   básica   e   um   aspecto   do   ser   humano   que   não   pode   ser   separado   de   outros   aspectos  da  vida.  É  uma  energia  que  nos  motiva  para  encontrar  o  amor,  contacto,  ternura  e   intimidade;   ela   integra-­‐se   no   modo   como   nos   sentimos,   movemos,   tocamos   e   somos   tocados.   A   sexualidade   influencia   pensamentos,   sentimentos,   acções   e   interacções   e   portanto,   a   saúde   física   e   mental   "   (Langfeldt   &   Porter,   1986).   É   pois,   algo   muito   mais   abrangente   do   que   a   genitalidade.   Já   Masters,   Johnson   e   Kolodny   (1987)   faziam   esta   distinção   entre   acto   sexual,   manifestação   de   carácter   essencialmente   genital,   e   comportamento   sexual,   compreendendo   não   só   o   acto   sexual   mas   todo   o   sistema   de   valores,  atitudes  e  condutas  relativos  à  sexualidade.  A  sexualidade  consiste  na  expressão  e   comunicação   de   pensamentos   e   sentimentos   através   de   um   corpo   sexuado,   implicando   componentes   cognitivos,   emocionais,   relacionais,   éticos   e   até   jurídicos   e   por   isso   mesmo   pode   ser   abordada   numa   vertente   biológica,   clínica,   psicológica,   ética,   historico-­‐cultural,   social  e  legal  (Puerto,  2009).  Trata-­‐se  pois  de  um  conceito  complexo  e  de  difícil  abordagem,   a  qual  requer  o  contributo  de  diferentes  áreas  como  a  medicina,  a  psicologia,  a  sociologia,  a   antropologia,  o  direito  e  a  ética.  
Mostrar mais

73 Ler mais

O impacto da inteligência emocional nas atitudes e comportamentos dos colaboradores

O impacto da inteligência emocional nas atitudes e comportamentos dos colaboradores

16 investigação de Bibi e Karim (2014), que se baseou numa amostra de 160 professores universitários em sete universidades do Paquistão do setor público e privado, também concluiu haver evidência para uma correlação negativa entre IE e CCP. Aqui, mostrou-se que os colaboradores emocionalmente inteligentes não têm sucesso nas cinco dimensões de CCP, envolvendo-se em tais comportamentos com menor frequência, ao contrário dos restantes. Para estes, os autores recomendaram formação em IE, melhorando as suas capacidades de duas formas: abstraindo-se do envolvimento em comportamentos desviantes e lidando com as experiências e condições de trabalho stressantes. Por outro lado, vários estudos têm mencionado que a idade e o género não estão relacionados com os CCP (Bibi & Karim, 2014), tal como foi argumentado por Bukhari e Ali (2009), que defenderam que os resultados obtidos foram idênticos em ambos os géneros. No entanto, o seu estudo baseou- se numa amostra de indivíduos relativamente jovens (entre os 16 e os 24 anos de idade).
Mostrar mais

121 Ler mais

Sobrequalificação no trabalho e sua influência sobre atitudes e comportamentos .

Sobrequalificação no trabalho e sua influência sobre atitudes e comportamentos .

Por consequência, a explicação para a variação da satisfação com o trabalho desloca-se para outros fatores, no caso do presente estudo, mais especificamente para a dimensão[r]

21 Ler mais

O consumo de alimentos funcionais – atitudes e comportamentos

O consumo de alimentos funcionais – atitudes e comportamentos

Seguidamente foi solicitado que se manifestassem até que ponto acreditavam na eficácia deste tipo de produtos. Estes resultados demonstram uma elevada crença na eficácia destes [r]

111 Ler mais

A influência do perfecionismo e da supressão de pensamento nas perturbações do comportamento alimentar numa população de jovens adultos

A influência do perfecionismo e da supressão de pensamento nas perturbações do comportamento alimentar numa população de jovens adultos

Num estudo de Johnston, Bulik e Anstiss (1999), foi solicitado a um grupo de participantes para suprimirem o pensamento acerca de chocolate, e noutro grupo não foi dada nenhuma indicação. Após o período de supressão, o grupo que tinha tentado suprimir o pensamento acerca de chocolate, demonstrava muito mais desejo por este alimento. Os autores concluíram com este estudo que os indivíduos que recorrem a estratégias de supressão do pensamento evidenciaram uma maior procura por comida ou um aumento da ingestão de alimentos, o que contribui para a manutenção das PCA (Johnston et al., 1999). No mesmo sentido, Alves (2003) a supressão do pensamento apresenta-se fortemente correlacionada com as atitudes e comportamentos face às perturbações alimentares, o que vai de encontro aos resultados obtidos.
Mostrar mais

78 Ler mais

Uma experiência vivida por uma cuidadora, como paciente, utilizando a narrativa literária.

Uma experiência vivida por uma cuidadora, como paciente, utilizando a narrativa literária.

RESUMO: Trata-se do relato de uma experiência vivida por uma cuidadora, como paciente, em uma capital do Sul do Brasil. O evento narrado abrangeu o período de dezembro de 2009 a abril de 2010. Objetivou-se desvelar comportamentos e atitudes de cuidado ou humanização por parte de proissionais de saúde (cuidadores), assim como de pessoas leigas. Utilizou-se a narrativa literária como estratégia metodológica, e a análise interpretativa evidenciou, por parte dos cuidadores, atitudes e comportamentos considerados como de não-cuidado (desinteresse, indiferença e até grosseria), enquanto que, por parte dos leigos, observou-se interesse, gentileza, solidariedade, preocupação, que levaram ao seguinte questionamento: “quem cuida, ainal?” A experiência mostra que, apesar da implementação da política de humanização, proissionais de saúde não conseguem expressar sensibilidade, limitando-se em desenvolver ações de ordem técnica, ou seja, dando prioridade ao enfoque curativo, em detrimento de uma atenção centrada no paciente. DESCRITORES: Humanização da assistência. Assistência centrada no paciente. Narração. Cuidados de enfermagem.
Mostrar mais

9 Ler mais

Alterações corporais como fenômeno estético e identitário entre universitárias.

Alterações corporais como fenômeno estético e identitário entre universitárias.

Ressaltam-se mudanças nas percepções, atitudes e comportamentos subjacentes às diferentes esferas da vida social, entendi- das pelas universitárias como aumento da autoestima em decorrência dos resultados positivos advindos da cirurgia estética para implantação de silicone nos seios. Ainda que devam ser considerados, dentro das devidas proporções, os riscos envolvidos numa in- tervenção cirúrgica, as alterações corporais são percebidas pelas informantes como um investimento pessoal e, para a sua manuten- ção, há adesão de hábitos saudáveis como frequência diária a academias, aumento da preocupação com a alimentação e outros cuidados visando à estética. s
Mostrar mais

10 Ler mais

Força das práticas de gestão de recursos humanos e liderança transformacional: impacto na performance organizacional

Força das práticas de gestão de recursos humanos e liderança transformacional: impacto na performance organizacional

Em contexto organizacional, os significados relacionam-se com os objectivos organizacionais definidos, a forma como os colaboradores desempenham a sua actividade profissional, as práticas de gestão operacional e a percepção sobre os comportamentos que os líderes esperam, apoiam e recompensam (Bowen & Ostroff, 2004). Neste sentido, compreende-se que a percepção do clima psicológico seja mais semelhante ao nível intra-departamento que ao nível inter-departamentos (Takeuchi et al., 2009), tendo em consideração a teoria da identidade social em que os membros de um grupo tendem a distinguir, a valorizar a justificar as suas atitudes e comportamentos comparativamente a outros (Nauta & Sanders, 2001). Assim, é essencial que as práticas organizacionais tenham em consideração estas mesmas diferenças na medida em que facilmente os objectivos organizacionais são percebidos de forma diferenciada (e.g. dep. produtivo vs dep. comercial), conduzindo à orientação para diferentes objectivos e a situações de conflitos de interesses (Nauta & Sanders, 2001).
Mostrar mais

150 Ler mais

Relações entre tipos de interesse ocupacional e bases psicológicas de comprometimento organizacional.

Relações entre tipos de interesse ocupacional e bases psicológicas de comprometimento organizacional.

considerável, influências ambientais/contextuais mais do que características pessoais/disposicionais foram abordadas até o momento. No entanto, Erdheim, Wang e Zickar (2006) destacaram o número crescente de pesquisas sobre as fontes disposicionais de atitudes de trabalho. Entre estas, as preferências ou interesses ocupacionais têm se mostrado um fator potencialmente relevante para explicar as características dos vínculos entre o trabalhador e a organização. Os interesses ocupacionais já se revelaram correlatos importantes de comportamentos e atitudes relacionadas à carreira, tais como estilo de tomada de decisões (Wright, Reardon, Peterson & Osborn, 2000), empregabilidade e estratégias de busca de emprego (De Fruyt & Mervielde, 1999), planejamento e comprometimento com a carreira (Magalhães & Gomes, 2007). Esta pesquisa investigou a relação entre interesses ocupacionais e as bases psicológicas dos vínculos do indivíduo com a organização. A seguir será apresentado um breve panorama das pesquisas sobre precursores disposicionais de atitudes e comportamentos no trabalho, com ênfase nos vínculos do trabalhador com a organização, e na sequência os construtos enfocados no presente estudo, a saber: o modelo de interesses ocupacionais de Holland (1997) e o modelo tridimensional das bases do comprometimento organizacional de Meyer e Allen (1991).
Mostrar mais

9 Ler mais

Educação escolar e resiliência: política de educação e a prática docente em meios adversos.

Educação escolar e resiliência: política de educação e a prática docente em meios adversos.

A promoção da resiliência no âmbito escolar, em resumo, pode contribuir para: (a) o estabelecimento de vínculos de sociabilidade, atitudes e comportamentos positivos entre professores e alunos, evitando o isolamento social que poderia gerar a violência e a discriminação; (b) o fortalecimento de uma estratégia essencial frente à rapidez com que surgem as informações, os avanços tecnológicos, as mudanças sociais e o estresse que atestam as necessidades e dificuldades da vida moderna, exigindo do docente um desenvolvimento profissional para responder aos variados e crescentes desafios que enfrentam; (c) uma posição favorável do professor para identificar e ajudar os alunos enfrentarem problemas e dificuldades, evitando consequências pre- judiciais à saúde e ao bom desempenho na escola; (d) criar meios de fortalecer a saúde dos estudantes e professores, desenvolvendo o lado positivo de seu desempe- nho e a sua proteção; (e) criar estratégicas para valorizar uma atuação dialógica e de negociação de conflitos, o que é altamente significativo em relação à prevenção da violência interpessoal (HANDERSON; MILSTEIN, 2005).
Mostrar mais

13 Ler mais

Atitudes de condutores de atividades de aventura e a perspectiva de disseminação da sensibilização ambiental

Atitudes de condutores de atividades de aventura e a perspectiva de disseminação da sensibilização ambiental

Este estudo, de natureza qualitativa, teve como objetivo investigar as atitudes e comportamentos ambientais de condutores de atividades de aventura e as perspectivas de disseminação de valores sobre sensibilização ambiental para os praticantes, durante as intervenções, com base nas atividades de aventura. O estudo foi desenvolvido por meio da união de pesquisas bibliográfica e exploratória. Foram utilizados para a coleta de dados os instrumentos referentes ao questionário para caracterização da amostra, à Escala de Ecocentrismo e Antropocentrismo (idealizada em 1994 por Thompson e Barton e traduzida para o idioma português por Pinheiro et al., em 2005), e à Escala de Intervenção sobre Sensibilização Ambiental (EISA) - para Condutores de Atividades de Aventura, elaborada especificamente para este estudo. Esses instrumentos foram aplicados a uma amostra intencional, composta por 24 condutores de atividades de aventura de vivências em terra, gelo e neve (montanhismo), água (rafting) e ar (paraglider), de cidades consideradas polos constantes de oferta dessas modalidades. Os dados foram analisados descritivamente, por meio da Técnica de Análise de Conteúdo e ilustrados numericamente, de modo percentual. Os resultados indicam que a maioria dos condutores possui atitude ecocêntrica e está consciente do seu compromisso no que se refere à disseminação da Educação Ambiental e à sensibilização ambiental dos praticantes, utilizando diversas estratégias pedagógicas. Entretanto, pode-se constatar também profissionais que não são tão positivos quanto a esta perspectiva, havendo, ainda, um predomínio pela utilização de estratégias de conteúdos racionais. Torna-se necessária maior atenção na formação desse profissional, para ampliar sua contribuição efetiva na dinâmica social.
Mostrar mais

156 Ler mais

A ESCOLA PARA O JOVEM: REPRESENTAÇÕES DE ALUNOS EM SITUAÇÃO DE DISTORÇÃO IDADE-SÉRIE NO MUNICÍPIO DE AREIA BRANCA-RN

A ESCOLA PARA O JOVEM: REPRESENTAÇÕES DE ALUNOS EM SITUAÇÃO DE DISTORÇÃO IDADE-SÉRIE NO MUNICÍPIO DE AREIA BRANCA-RN

Porém, se as representações sociais sobre a escola são fundamentais para atitudes e comportamentos futuros, como afirmei anteriormente, pode-se considerar que o fato desses alunos estarem “fora de faixa”, e até alguns permanecerem assim há anos seguidos, mesmo que eles demonstrem entender o importante papel da escola para a sua formação, isso só pode ser compreendido se levarmos em consideração outros aspectos que apresentam-se como fortes obstáculos para esses alunos e que os forçam, inconscientemente, a viver nessa situação de defasagem e a não avançar junto com os seus colegas. Seriam estes: a situação econômica precária em que vivem, a falta de uma estrutura familiar sólida, a falta de momentos de lazer, o meio social em que estão inseridos, a falta de melhorias na estrutura física da escola pesquisada, a necessidade de uma reforma no sistema escolar de forma que envolva a escola com as questões sociais a sua volta, dentre outras razões.
Mostrar mais

19 Ler mais

Avaliação da educação física na escola: análise de uma proposta de intervenção

Avaliação da educação física na escola: análise de uma proposta de intervenção

De acordo com essa concepção, a avaliação detém-se enfaticamente nas ações do sujeito, nas suas atitudes e comportamentos, que interferem no processo de aprendizagem.[r]

153 Ler mais

A dimensão política de avaliar no feminino: um estudo de caso na administração pública

A dimensão política de avaliar no feminino: um estudo de caso na administração pública

35 a experiência que a pessoa detém no papel avaliador/a e as suas características pessoais constituem melhores preditores de possíveis diferenças de atitudes e comportamentos para com avaliados a avaliadas (Daniel & Moudic, 2010; Eagly, Johannesen-Schmidt, & van Engen, 2003). De salientar, também, que o número de mulheres na APP é consideravelmente maior em relação ao dos homens, pelo que o destaque negativo dado as avaliadas, pode apenas ser o resultado de as MPL terem equipas com maior percentagem de mulheres. Porém, ressalve-se que a presença feminina em cargos de chefia está positivamente relacionada com a integração de género, pelo que a ascensão das mulheres na gestão tende a corroer a diferença entre os sexos e a segregação (Huffman, Cohen, & Pearlman, 2010). Neste sentido, é importante que o Estado Português mobilize esforços no sentido de assegurar igualdade entre os indivíduos (Silva, 2010), pelo que a APP se assume como um órgão que “promove ativamente uma política de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no acesso ao emprego e na progressão profissional, providenciando escrupulosamente no sentido de evitar toda e qualquer forma de discriminação” (Despacho Conjunto n.º 373/200 da Constituição da República Portuguesa). Talvez por esta razão o foco no trabalho surja aqui como primordial, considerando que, segundo Eagly e Johnson (1990), as mulheres estarão mais concentradas em gerir eficientemente o seu trabalho do que em representar características diferenciadoras de sexo dos papéis de género. No entanto, não é de todo descurado que as MPL são alvo de uma descriminação que as impele a abdicarem da sua identidade “feminina”, de forma a serem percecionadas como líderes de sucesso (Toegel & Barsoux, 2012).
Mostrar mais

89 Ler mais

Perturbações da alimentação e da ingestão: estudo de prevalência em São Miguel

Perturbações da alimentação e da ingestão: estudo de prevalência em São Miguel

A presente investigação teve como objetivos estimar a ocorrência de atitudes e comportamentos alimentares disfuncionais, estimar a prevalência das Perturbações da Alimentação e da Ingestão e identificar possíveis casos de diagnóstico em jovens do Ensino Secundário. A amostra foi constituída por 650 estudantes do Ensino Secundário Regular (10º ao 12 ano) de cinco instituições de ensino da Ilha de São Miguel da Região Autónoma dos Açores, de ambos os sexos (423 do sexo feminino e 226 do sexo masculino) com idades compreendidas entre os 14 e os 25 anos. Este estudo de prevalência consistiu em duas fases, numa primeira fase os instrumentos aplicados foram: dados
Mostrar mais

40 Ler mais

Show all 8884 documents...