atitudes e práticas em saúde

Top PDF atitudes e práticas em saúde:

Percepção e atitudes maternas em relação às orientações de profissionais de saúde referentes a práticas alimentares no primeiro ano de vida.

Percepção e atitudes maternas em relação às orientações de profissionais de saúde referentes a práticas alimentares no primeiro ano de vida.

nas quanto a sua percepção e sugerem que, no âmbito da atenção primária à saúde na qual essa população é atendida, a adesão às orientações dos profissionais de saúde implicam em impacto positivo no comportamento alimentar desse grupo específico. Além disso, observaram-se, também, me- lhores práticas alimentares quando a mãe possui a percepção de que a alimentação é importante para a saúde da criança, o que vai ao encontro de estudos que indicam maior efeti- vidade em programas de intervenção focados nas crenças maternas, suas atitudes e norma subjetiva, contemplando discussões interativas preferencialmente com a presença da família, atuando na prevenção de possíveis dificuldades e focando em variáveis que possam ser modificáveis. 9,14,27-29
Show more

7 Read more

Conhecimentos, atitudes e práticas dos médicos pediatras em relação à saúde bucal.

Conhecimentos, atitudes e práticas dos médicos pediatras em relação à saúde bucal.

nais parece ter sido superestimado, pois um número considerável de médicos atuam nas duas instituições e, portanto, foram contados duas ve- zes. A falta de tempo relatada pelos profissionais e as dificuldades encontradas na distribuição dos questionários também parecem ter contribuído, demonstrando algumas das dificuldades ao se rea- lizar este tipo de estudo no atual sistema de saúde pública. Os resultados aqui observados demons- tram que os médicos pediatras que atuam no ser- viço público de Goiânia - GO apresentam atitudes e práticas positivas em relação à saúde bucal de
Show more

7 Read more

Atitudes, práticas, barreiras e conhecimentos sobre a avaliação e controlo da dor : eficácia de uma intervenção estruturada a profissionais da saúde

Atitudes, práticas, barreiras e conhecimentos sobre a avaliação e controlo da dor : eficácia de uma intervenção estruturada a profissionais da saúde

os profissionais de saúde por vezes estão desmotivados e pouco sensibilizados para o tema da dor (o que desencadeia barreiras…), pelo que a generalidade dos estudos deste campo mostra uma grande necessidade de formar, sensibilizar e sobretudo, organizar. Levin et al (1998) sugerem que o comportamento médico, no tratamento da dor oncológica é reflexo dos seus conhecimentos e atitudes. Os autores concluíram que os oncologistas utilizavam mais vias de administração de analgésicos, mais técnicas invasivas e com mais frequência tratavam a dor irruptiva, comparativamente com os médicos dos Cuidados Primários. Defendem, assim, que a formação deve ser dirigida a cada grupo profissional em particular e a cada faixa etária. (35) Também Green et al (2003) demonstraram que o adequado tratamento da dor pode ser influenciado pelas características do doente e a variabilidade dos médicos prescritores. Neste estudo, que comparou as respostas a nove casos clínicos diferentes, concluiu-se que era mais provável os médicos controlarem melhor a dor nos homens com dor aguda pós- operatória ou oncológica. (36) O estabelecimento de orientações clínicas para os profissionais de saúde e a formação e campanhas para o público em geral, parece serem mais eficazes a alterar práticas que a formação contínua habitual. (35)
Show more

136 Read more

Conhecimento, atitudes e práticas sobre tuberculose em prisões e no serviço público de saúde.

Conhecimento, atitudes e práticas sobre tuberculose em prisões e no serviço público de saúde.

São poucos os estudos sobre o conhecimen- to da tuberculose (TB) entre os detentos, trabalhadores do sistema penitenciário e da rede pública de saúde (RPS), e aqueles realizados com outras populações apontam a falta do conhecimento sobre a doença como uma das principais barreiras para a percepção dos sintomas, diagnóstico preco- ce, adesão ao tratamento e cura. Objetivo: Analisar o conhecimento, atitudes e práticas sobre a TB em uma unidade prisional e na rede pública de saúde (RPS). Metodologia: Foi realizado estudo transversal com apli- cação do questionário KAP (knowledge, atittudes and practices) na coleta de dados. Participaram 141 detentos, 115 funcioná- rios do presídio e 158 da RPS. O programa Epi-Info versão 6.04 foi utilizado para com- paração de proporções com significância estatística para p < 0,05. Resultados: Foram observados conceitos equivocados sobre a doença entre os três grupos pesquisados. Na RPS foram detectados erros básicos sobre o conhecimento da TB, concluindo-se que há falhas nos treinamentos. O KAP mostrou-se eficaz na coleta de dados gerais sobre co- nhecimento, porém foi limitado e frágil nas informações sobre práticas e atitudes, não sendo aconselhável a sua utilização como instrumento único na coleta de dados sobre conhecimento, práticas e atitudes em TB. É sugerida sua utilização periódica como auxiliar nas atividades educativas e, consi- derando a elevada prevalência de TB entre detentos, aponta-se para a necessidade do envolvimento das Secretarias de Saúde na supervisão destas atividades educativas no sistema prisional
Show more

14 Read more

Diagnóstico em educação em saúde: um modelo para analisar as relações entre atitudes e práticas na área da saúde pública.

Diagnóstico em educação em saúde: um modelo para analisar as relações entre atitudes e práticas na área da saúde pública.

O enfoque da consistência contingente interpreta consistências entre atitudes e prá- ticas, não meramente a partir da atitude do educando em relação ao objeto (AO), como na abordagem ant[r]

6 Read more

Conhecimento, atitudes e práticas de mulheres brasileiras atendidas pela rede básica de saúde com relação às doenças de transmissão sexual.

Conhecimento, atitudes e práticas de mulheres brasileiras atendidas pela rede básica de saúde com relação às doenças de transmissão sexual.

Na s d u a s a m o stra s, q u a n d o p ergu n ta d a s acerca d a atitu d e d e con sid erar a p ossib ilid ad e de corrim en to vagin al com o DST, ap en as 29,5% e 11%, resp ectivam en te, os relacion aram . Nes- se asp ecto, n ão h ou ve variação n o qu e se refere à faixa d e id ad e. Desse m od o, coloca-se n ão so- m en te a d iscu ssão con cern en te à p ou ca in for- m ação recebida, m as a p ouca im p ortân cia dada às leu corréias tan to p ela p róp ria m u lh er com o tam bém p elos p rofission ais de saúde. Parece ser am p lam en te aceito qu e ter corrim en to vagin al é n orm al. É igu alm en te u su al ou vir-se a asserti- va, da p arte de colegas esp ecialistas, de que bas- ta ser m u lh er p ara ter dor p élvica ou leu corréia. Ap esar d e as m u lh eres n ão terem con h eci- m en to d e an teced en te p essoal d e DST e d e n ão co rrela cio n a rem o co rrim en to va gin a l a essa s in fecções, qu an d o lh es foi p ergu n tad o a resp ei- to d a a titu d e q u e tom a ria m fren te à p ossib ili- d ad e d e estarem com u m a DST, p raticam en te a totalid ad e d as m u lh eres resp on d eu qu e p rocu - ra ria u m m éd ico n o p ró p rio Cen tro d e Sa ú d e o u em u m h o sp ita l, e m a is d e 84% d ela s o fa - riam p or con fian ça n o m éd ico.
Show more

10 Read more

Atitudes Criativas Práticas Inovadoras Final

Atitudes Criativas Práticas Inovadoras Final

habitantes/km², sendo a sua composição de noventa e quatro (94) estabelecimentos de prestação de cuidados de saúde; a ULSAM (Unidade Local de Saúde do Alto Minho), criada no ano de 2008, com uma área de abrangência de 2,218Km² e uma densidade populacional de 113,1 habitante/km²; a ULSBA (Unidade Local de saúde do Baixo Alentejo), também do ano de 2008, tem uma área de influência de 8,543 km², uma densidade populacional de 14.8 habitantes/km² e é composta por oitenta e duas (82) unidades de prestação de cuidados de saúde; e, por fim, a ULSG (Unidade Local de Saúde da Guarda), que surgiu no ano de 2008, possui uma área de abrangência de 4.930 Km², uma densidade populacional de 31,7 habitante/km² e da qual fazem parte noventa e uma (91) unidades de prestação de cuidados de saúde (ERS, 2011). Mais recentemente surgiram, em 2010, a ULSCB (Unidade Local de Saúde de Castelo Branco) e, em 2011, a ULSN (Unidade Local de Saúde do Nordeste).
Show more

135 Read more

Vulnerabilidade, reconhecimento e saúde da pessoa idosa: autonomia intersubjetiva e justiça social.

Vulnerabilidade, reconhecimento e saúde da pessoa idosa: autonomia intersubjetiva e justiça social.

A concepção que defendemos se apoia na noção de que a autonomia da pessoa é ‘vulnerável a rupturas em suas relações com os outros’. Uma maneira consis- tente de pensar esse problema é colocar a vulnerabilida- de social dos agentes na dependência do apoio que en- contram durante a vida de relações de reconhecimento. Anderson e Honneth (2005, p. 131) defendem a ideia central de que as competências do agente, aquelas que compreendem a autonomia, requerem dele a capacida- de de sustentar certas atitudes com relação a si mesmo (em particular, autoconiança, autorrespeito e autoesti- ma) e que essas autoconcepções, afetivamente carrega- das (ou “relações práticas consigo mesmo”, em lingua- gem hegeliana), dependem, por sua vez, das atitudes de apoio de outros. Na leitura que Honneth (2003) realiza da tradição de Hegel e de George Herbert Mead (1950), esses três modos de se “relacionar praticamen- te consigo mesmo” são adquiridos e mantidos somente através do reconhecimento por parte daqueles que tam- bém reconhecemos.
Show more

13 Read more

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA INSTITUTO DE HIGIENE E MEDICINA TROPICAL MESTRADO EM CIÊNCIAS BIOMÉDICAS Especialidade de Biologia Molecular em Medicina Tropical e Internacional

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA INSTITUTO DE HIGIENE E MEDICINA TROPICAL MESTRADO EM CIÊNCIAS BIOMÉDICAS Especialidade de Biologia Molecular em Medicina Tropical e Internacional

Os indivíduos entre os 15 e os 24 anos de idade são os que se encontram em maior risco. Para além das suas consequências, a presença desta infecção sem tratamento pode potenciar até dez vezes a transmissão do vírus da imunodeficiência humana adquirida. Contribuindo a consciencialização sobre os vários aspectos da saúde sexual e o conhecimento sobre este agente e suas sequelas para que os jovens em risco se protejam e admitindo o Plano Nacional de Saúde lacunas no conhecimento dos profissionais da área sobre este tema, o presente trabalho teve como objectivos: 1) estudar o conhecimento sobre a infecção por C. trachomatis, sinais, sintomas, sequelas e vias de transmissão das IST; 2) conhecer as atitudes e práticas associadas à transmissão de IST e 3) avaliar a prevalência da infecção por C. trachomatis e Neisseria gonorrhoeae numa população de estudantes universitários das áreas da Saúde. Para tal, utilizou-se um questionário, cuja avaliação sugeriu que estes jovens possuem um baixo conhecimento sobre os sinais, sintomas e sequelas deste agente e das outras IST, sendo preocupante verificar que existem estudantes que não reconhecem os diferentes tipos de relação sexual como vias de transmissão destas infecções.
Show more

171 Read more

Conhecimento e atitudes da área da saúde frente ao risco de contaminação por hepatites ao fazer as unhas

Conhecimento e atitudes da área da saúde frente ao risco de contaminação por hepatites ao fazer as unhas

Nesse sentido ressalta-se que a abordagem sobre as hepatites pelos meios de comunicação deve ser mais efetiva, tendo em vista ser um meio importante de divulgação de informação para a população. Esse assunto também deve ser mais discutido entre os profissionais de saúde, que precisam ser sensibilizados desde a sua formação acadêmica para que exerçam as práticas de cuidados na sua vida. Além de disseminarem o conhecimento sobre a doença, devem abordar temas difíceis, impregnados de valores, como a percepção dos riscos e as questões que envolvem a confiança, o compartilhamento entre familiares, que determinam a adoção de comportamentos preventivos.
Show more

136 Read more

Conhecimentos, atitudes e práticas sobre contracepção para adolescentes

Conhecimentos, atitudes e práticas sobre contracepção para adolescentes

Considerando que o senso comum acredita que os contraceptivos hormonais podem prejudicar a saúde da adolescente, foi buscado evidências na literatura e, excetuando-se as contra-indicações comuns dos contraceptivos hormonais, não exclusivas aos adolescentes, foi verificado que apenas o impacto sobre a massa óssea das adolescentes usuárias destes métodos de contracepção seria um questionamento a ser investigado. Neste sentido, uma revisão sistemática da literatura foi realizada e gerou artigo publicado na Revista da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia - Femina (Apêndice III), a qual evidenciou que o único método que teria impacto negativo sobre a massa óssea de adolescentes corresponde ao acetato de medroxiprogesterona de depósito muscular usado trimestralmente. Entretanto, é válido salientar que esse efeito só se verifica quando utilizado por mais de um ano contínuo, havendo uma recuperação posterior à suspensão do uso. Além disso, faz-se necessário considerar que a gravidez e a lactação também têm impacto negativo sobre a massa óssea.
Show more

104 Read more

Conhecimentos, atitudes e práticas acerca da detecção do câncer de próstata.

Conhecimentos, atitudes e práticas acerca da detecção do câncer de próstata.

A média de idade dos participantes foi 61,5 anos (desvio padrão (DP)=8,0 anos). Em relação à cor/etnia, 40,6% se autodeclararam brancos; 20,0%, negros e 39,4%, pardos. A grande maioria era constituída de casados (69,4%). Identi- ficou-se baixa escolaridade entre os entrevistados, sendo que 66,9% informaram possuir apenas o ensino fundamental incompleto, e 16,8% informaram não ter freqüentado escola. A respeito da renda familiar per capita, a média de salário do mês anterior foi de R$ 308,00 (DP=276,4). A grande maioria (76,9%) declarou não ter plano de saúde e 88,8% dos entrevistados informaram ter filhos. Em relação à religião, 76,9% dos homens afirmaram ser católicos; 21,3%, de outras religiões e 1,9% não ter religião. Em relação às práticas relacionadas à saúde avaliadas, 28,1% referiam fumar cigarros, 56,6% utilizar bebidas alcoólicas e 31,4% fazer exercícios físicos (Tabela 1).
Show more

6 Read more

Exposição ocupacional de trabalhadores rurais a agrotóxicos.

Exposição ocupacional de trabalhadores rurais a agrotóxicos.

Objetivos: Avaliar o perfil dos trabalhadores rurais do município de Picos, no Estado do Piauí e suas práticas e atitudes quanto à utilização de agrotóxicos. Métodos: A coleta dos dados (n=159) foi realizada em Picos com levantamento de dados socioeconômicos, utilização de equipamentos de proteção individual (EPIs), armazenamento e destino das embalagens de agrotóxicos, toxicidade e risco ambiental. Resultados: A maioria dos agricultores era do sexo feminino (63%), não concluiu o ensino fundamental (55,6%), tinha entre 31 e 50 anos (55,3%), com renda de até um salário mínimo (66%) e possuía água encanada (84,3%). Quanto ao uso, 64,1% (102) utilizavam agrotóxicos, principalmente na agricultura (86,3%). Eles obtiveram informações sobre essas substâncias com vizinhos (44,2%), liam o rótulo para utilizar o produto (64,8%), usavam agroquímicos devido à ação rápida (81,4%), compravam em casas agropecuárias (87,4%), sem receituário agronômico (92%) e armazenavam embalagens dentro da própria casa (33,6%). Mais da metade não usava EPIs (56,8%), embora considerassem os agrotóxicos prejudiciais à saúde humana (94,1%) e ao meio ambiente (80,4%), além de 15% (24 pessoas) terem sentido algum sintoma de envenenamento. Conclusões: Os entrevistados, em sua maioria, usavam agrotóxicos inadequadamente, tinham baixa escolaridade e conheciam sobre os riscos individuais e coletivos aos quais estavam expostos, mas não usavam EPIs.
Show more

7 Read more

Vacina contra influenza: conhecimentos, atitudes e práticas de idosos em Teresina.

Vacina contra influenza: conhecimentos, atitudes e práticas de idosos em Teresina.

Apesar do conhecimento insuficiente, a maioria dos idosos (89,1%) apresentou uma atitude favorável com relação à vacina. Isso representa um dado importante, pois demonstra que o modo de pensar é que influencia na aceitação da vacina, e este nem sempre guarda coerência com o conhecimento cientificamente correto. Com relação à prática, foi adequada em 82,4% da população estudada. Dessa forma, conclui-se a importância do estudo para a saúde pública, pois permitiu conhecer as indagações dos idosos, contribuindo para esclarecer suas dúvidas e ajudar os profissionais da saúde a abordarem melhor o assunto.
Show more

5 Read more

Conhecimentos, atitudes e práticas de enfermeiros e médicos sobre a transmissão vertical da hepatite B.

Conhecimentos, atitudes e práticas de enfermeiros e médicos sobre a transmissão vertical da hepatite B.

Com esta pesquisa foi possível detectar a situação dos conhecimentos atitudes e práticas dos médicos e enfermeiros envolvidos na prevenção e tratamento da transmissão vertical da hepatite B. Detectaram- se diferenças importantes tanto entre os proissionais (médicos e enfermeiros) quanto entre os locais de trabalho (maternidade e Estratégia Saúde da Família). Tais resultados chamam a atenção, pois se o manejo da gestante não for adequado, não se conseguirá o controle da transmissão vertical, a qual, se transmitida ao recém- nascido, aumenta em muito o potencial de croniicação desse importante problema de saúde pública no Brasil, que é a hepatite B.
Show more

9 Read more

Atitudes das equipes dos serviços de atenção psicossocial em álcool e drogas

Atitudes das equipes dos serviços de atenção psicossocial em álcool e drogas

Estudo realizado com profissionais de nível médio também observou a falta de preparo destes para atuar junto aos usuários de álcool e outras drogas (Vargas et al, 2014). Entretanto, esta modalidade profissional também foi sujeito da transformação das práticas em saúde, no movimento da história que foi imprescindí- vel para a Reforma Psiquiátrica. (Aranha e Silva, 2003) Resultados do presente estudo revelaram que os profissionais que relataram realizar intervenções que objetivavam alertar acerca dos riscos e perigos do con- sumo do álcool e, desenvolver consciência crítica com relação às questões para além do consumo de álcool, apresentaram atitudes mais positivas frente ao álcool, ao alcoolismo e à pessoa em uso problemático do que aqueles que relataram a realização de intervenções que objetivavam o estímulo à abstinência.
Show more

10 Read more

Associação entre os hábitos de atividade física e as atitudes de aconselhamento de exercício físico em estudantes finalistas de medicina da Universidade da Beira Interior

Associação entre os hábitos de atividade física e as atitudes de aconselhamento de exercício físico em estudantes finalistas de medicina da Universidade da Beira Interior

Pelo fato de se terem recolhido dados apenas dos alunos finalistas do MIM e apenas da UBI, não se pode generalizar estes achados para outros estudantes da mesma instituição em outros anos e outras populações de estudantes em outras escolas médicas. No entanto, os achados deste trabalho estão na linha de outros estudos semelhantes feitos em faculdades de medicina de outros países, com realidades académicas, sociais e de saúde pública muito distintos de Portugal. Assim, parecem existir alguns pontos comuns entre os hábitos de saúde dos estudantes de medicina e as suas práticas de aconselhamento de estilos de vida saudáveis.
Show more

47 Read more

Implantação da reforma psiquiátrica no município de volta redonda: implicações para a enfermagem.

Implantação da reforma psiquiátrica no município de volta redonda: implicações para a enfermagem.

RESUMO: O estudo teve como objeto a intervenção na Casa de Saúde Volta Redonda e suas implicações para a enfermagem psiquiátrica. As fontes históricas estão constituídas de documentos escritos e orais. Os dados foram organizados, classiicados e analisados, conforme o método histórico, com o apoio dos conceitos de habitus e campo de Pierre Bourdieu e da literatura sobre a Reforma Psiquiátrica no Brasil. As mudanças na política de Saúde Mental exigiram novas práticas e atitudes consoantes com o processo de implantação da Reforma Psiquiátrica naquele município, tendo como pilar a inserção do paciente psiquiátrico na comunidade e o resgate de sua cidadania. Estas medidas faziam parte de um projeto político partidário mais abrangente, com experiências acumuladas em outros municípios brasileiros. A enfermagem conquistou espaços de poder e visibilidade capazes de assegurar sua participação em diferentes espaçõs decisórios no campo da assitência psiquiátrica no município.
Show more

10 Read more

Situações relacionadas ao uso indevido de drogas nas escolas públicas da cidade de São Paulo

Situações relacionadas ao uso indevido de drogas nas escolas públicas da cidade de São Paulo

Perguntas e brincadeiras em sala de aula sobre sexo apareceram nos relatos como questões que incomo- dam ao professor, tanto pelo seu despreparo como pelo tabu do tema. Os entrevistados têm consciência da importância da reação do educador frente a estes assuntos diante do aluno e procuram lidar com a situ- ação de forma mais construtiva, entretanto, reconhe- cem que, às vezes, são tomadas atitudes repressivas. “É mais em relação a preservativo que eles brincam bastante e eu ainda acho que a escola não apresenta muito para eles as possibilidades de prevenção, a dis- cussão sobre virgindade, então para eles é algo um pouco fantasioso, um pouco mágico, é fora um pouco da discussão do currículo da escola. (...) Tem profes- sor que pede para que pare, que esconde o preservati- vo e que trata aquilo de uma forma também muito preservada. Tem professor que aproveita a oportuni- dade e leva uma discussão para o grupo, é aprofunda e aproveita até para trabalhar aquele tema. Isso va- ria, dependendo da postura do professor”. (CP8)
Show more

8 Read more

Políticas da existência no campo da saúde : o público como um dispositivo

Políticas da existência no campo da saúde : o público como um dispositivo

Com isso apareceram estratégias de implantação das políticas de saúde, que se voltam para o trabalhador da rede pública de saúde, enquanto foco de investimentos para a qualificação da atenção do SUS. Os hospitais públicos seriam espaços procurados na medida em que não fossem suficientes os serviços e programas oferecidos pelas Unidades Sanitárias. O que acontece é que a população continua usuária dos hospitais como modelo de atenção básica, buscando nas emergências dos mesmos os suportes para “a vida depauperada”. No que tange especificamente ao Hospital Nossa Senhora da Conceição, a Gestão 2003-2006 articula em suas diretrizes a inseparabilidade de um modelo de Gestão, da Atenção à Saúde e a Formação de Pessoas (PORTAL, 2005). Com base nessas diretrizes, a Gestão 2003-2006 delineia quatro eixos de implementação, capacitação e investimentos: integralidade da atenção; democratização da gestão; operação sistêmica interna e externa; transformação em pólo de educação e pesquisa. Isso implica uma negociação de estratégias administrativas internas, bem como externas na medida em que o Hospital entra na esteira de investimentos políticos como modo de qualificação e sustentação da excelência de um modelo de atenção à saúde como o SUS. O setor de Emergência do Hospital é utilizado como uma das portas de entrada de grande parte da população na rede de saúde bem como instrumento de qualificação da atenção. A questão de pesquisa, então, é retomada. Não se tratava apenas de pensar os modos de subjetivação na saúde, mas focalizar a produção de trabalhadores e modos de trabalhar na rede pública de saúde, frente a essas transformações.
Show more

135 Read more

Show all 10000 documents...