Avaliação educacional - escolas

Top PDF Avaliação educacional - escolas:

AVALIAÇÃO EDUCACIONAL DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NAS ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FORTALEZA

AVALIAÇÃO EDUCACIONAL DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NAS ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FORTALEZA

O Projeto Político Pedagógico (PPP) tem assim uma sig- nificação indissociável, pois atua como um processo perma- nente de reflexão e discussão dos problemas da escola, na busca de alternativas viáveis à efetivação de sua intencionalidade. Tem como objetivo propiciar a vivência democrática necessária para a participação de todos os membros da comunidade escolar e exercício da cidadania. Mas na realidade das escolas em análi- se o que se percebe é o não comprometimento com as metas pré-estabelecidas.

10 Ler mais

A produção científica sobre avaliação educacional e gestão de sistemas e de escolas: o campo da questão entre 2000 e 2008.

A produção científica sobre avaliação educacional e gestão de sistemas e de escolas: o campo da questão entre 2000 e 2008.

No escopo dos vinte e cinco trabalhos aqui analisados, quatro deles – agrupados no primeiro eixo -, tomam como referência dados de avaliações de larga escala - imple- mentadas pela esfera federal ou por governos estaduais - para realizar pesquisas base- adas em diferentes modelos estatísticos tais como o de regressão e de multiníveis de classificação cruzada, apenas para citar alguns. Abordam fatores de efetividade das escolas, ou seja, aqueles que podem incidir positivamente ou não no rendimento dos alunos e alertam para a relevância de pesquisas empíricas, ressaltando seu potencial de subsidiar iniciativas que se voltem à melhoria da qualidade da educação brasileira. Na ótica em que este primeiro agrupamento de trabalhos foi apreciado - considerando suas contribuições para trazer subsídios ao debate acerca de relações entre gestão e avaliação - o que se nota é que estes não focalizam diretamente a gestão escolar, mas consideram diversos elementos de contexto que têm efeitos na qualidade do ensino, induzindo, mesmo que indiretamente, a que se pensem alternativas de gestão pedagógica e admi- nistrativa capazes de promover a melhoria do ensino no âmbito da escola.
Mostrar mais

18 Ler mais

Avaliação educacional no Centro Educacional São Francisco

Avaliação educacional no Centro Educacional São Francisco

O adolescente que se encontra em privação de sua liberdade relata os muitos motivos que não gostam de estudar, a maioria absoluta, vem de situação de expulsão de escolas, não conseguem mais se matricular na escola regular por agressões físicas, dentro da escola com alunos ou funcionários. Sabe-se, no entanto, que a motivação é responsável pelo que essas pessoas decidem fazer alguma coisa, quanto tempo elas estão desejosas de sustentar ou expandir a atividade, e em que grau irá sustentar a atividade. Para sustentar esse desejo e motivação, temos a preocupação com o ambiente da sala de aula, planejamento pedagógico semanal, desenvolvimento das atividades, organização e principalmente a relação professor e aluno.
Mostrar mais

52 Ler mais

: Brapci ::

: Brapci ::

RESUMO: A avaliação educacional constitui um elemento chave para melhorar a qualidade de qualquer escola ou, em seu sentido mais amplo, a qualidade do sistema educacional como um todo. Uma avaliação educacional é importante não só para avaliar a qualidade da educação oferecida, mas também para identificar os pontos fortes e fracos, procurando garantir que todas as escolas ofereçam aos alunos uma educação de qualidade que atenda aos padrões de excelência alcançados nos países mais bem desenvolvidos na questão educacional. O Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA) é um programa internacional de testes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) realizado em mais de 60 países em todo o mundo. O banco de dados é de acesso aberto, e, portanto, oferece uma possibilidade para exploração científica e mineração de dados. A exigência de um estudo aprofundado dos dados educacionais pressupõe o emprego de tecnologias que possibilitem analisar uma vasta quantidade de dados e, por conseguinte, extrair informações e conhecimento relevante. A mineração de dados se apresenta como uma das técnicas que auxilia a descoberta de conhecimento em grandes bases de dados. Um estudo bibliométrico nessa área é relevante por fornecer informações e orientações para pesquisadores em relação ao andamento da produção cientifica. O objetivo dessa pesquisa é mapear a produção científica na área de avaliação educacional com foco no teste do PISA, utilizando técnicas de mineração de dados, com o intuito de apresentar uma visão mais ampla da produção científica nacional e internacional dentro deste contexto. Para tanto, foi realizado um estudo bibliométrico da produção científica indexada na base de dados Scopus, considerando o período dos últimos dez anos. Foi possível verificar que a área de avaliação educacional usando mineração de dados se destacou em termos de quantidade de publicações, apresentando uma produção crescente ao longo do período avaliado. Os resultados favoreceram ao conhecimento de um cenário mais abrangente sobre a produção científica sobre o tema e apontaram para a ausência de trabalhos que empregam
Mostrar mais

16 Ler mais

ABNER NUNES EMERICH DE PAULA O INDICADOR DE DESENVOLVIMENTO DAS ESCOLAS ESTADUAIS E A CORREÇÃO PELO FATOR SOCIOECONÔMICO: A EXPERIÊNCIA DO ESPÍRITO SANTO

ABNER NUNES EMERICH DE PAULA O INDICADOR DE DESENVOLVIMENTO DAS ESCOLAS ESTADUAIS E A CORREÇÃO PELO FATOR SOCIOECONÔMICO: A EXPERIÊNCIA DO ESPÍRITO SANTO

This dissertation is developed in the scope of the Mestrado Profissional em Gestão e Avaliação da Educação (PPGP), of the Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd/UFJF). The management case studied will discuss the experience of correction by indicators external to the school, especially by socioeconomic status of students, in the composition of the quality indicator of the state schools of Espírito Santo, used by SEDU (State Secretariat of Education) due to a policy of bonus by performance. Therefore, we set as objectives for this study: describe the performance indicators of schools; identify a possible correlation between academic performance and socioeconomic status; and propose alterations that would allow greater equity in the design of the indicator. We assume the hypothesis that the correction by factors external to the school, despite being a positive influence to the quality indicators of the low socioeconomic level schools, may not be enough to allow the comparability between schools of similar socioeconomic levels, since, in schools of Grande Vitória (Vitória‟s metropolitan area), the effect of the external factors seems to be greater than in the state‟s countryside. The discussion was held from theoretical references in two axes of analysis: the correlation between socioeconomic status and performance of the student (BROOKE, 2013, SOARES, 2004; SOARES e ANDRADE, 2006; SOARES E ALVES, 2013) and the accountability policies based on evaluations (BONAMINO E SOUZA, 2012; PASSONE, 2014; BROOKE, 2006; 2011; 2013; FERREIRA, 2014; E TAVARES E PONCZEK, 2013). Through literature review of the results of performance, socioeconomic level and quality indicator of the state schools, was identified a strong correlation between the socioeconomic status of the student and academic performance only in Grande Vitór ia. In state‟s countryside, the correlation found doesn‟t seem to be strong. Moreover, in Grande Vitória‟s schools, there is a strong inverse correlation between external factors and those quality indicators used by SEDU, despite the relevance of this correction in the improvement of the indicators. From semi structured interviews with the Undersecretary of Management and Finances and a director from the Union of Workers in Education of Espírito Santo, were identified possibilities to explain the correlations found. Facing the research findings, the alteration of the indicator is suggested, with the addition of a variable for calculating and defining priority schools, on the suburbs of Grande Vitoria.
Mostrar mais

101 Ler mais

Educação a distância na modernidade líquida: uma análise descritiva

Educação a distância na modernidade líquida: uma análise descritiva

Na educação, analisa Bueno (2003), o neoliberalismo deixa de lado os referenciais de cidadania e a liberdade do sujeito, substituindo-os pelo consumo do serviço educacional à disposição dos consumidores. Reconhece o autor que a ideologia neoliberal legitimou a crescente concentração de renda no mundo nas mãos de pouquíssimos indivíduos e/ou organizações, evidenciando a miséria nos países do Terceiro Mundo ou em países onde o colonialismo deixou registradas suas marcas. Mas, o combate à pobreza e à miséria, há que se lembrar de que, na concepção neoliberal, é um dos campos, senão o único, que legitima a criação e a implementação de políticas públicas sociais focalizadas. Os benefícios focalizados reduzem custos, os setores no extremo da pobreza são conquistáveis com recursos limitados. Afinal, pobre custa pouco, muito pouco, afirma Moraes (2001). Ao contrário, expõe o autor, é altamente dispendioso, para os cofres públicos, preparar um profissional para atender as necessidades do mercado de trabalho neoliberal. Por tal razão, em vez de lutar por políticas públicas de educação, é altamente conveniente deixar que o indivíduo construa sua própria política educacional no mercado de serviços escolares; pouco importa se esses serviços são prestados na forma presencial, que privilegia a relação interpessoal dos atores no decorrer do processo educativo, ou no formato a distância, que privilegia a virtualidade. O preço pago por deixar o indivíduo a própria sorte, será um profissional muitas vezes mal formado e com baixa qualidade de ensino.
Mostrar mais

85 Ler mais

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE FORTALEZA

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE FORTALEZA

A experiência da realização da Auto-Avaliação Institucional vivenciada numa escola pública estadual do mu- nicípio de Fortaleza – na qual iremos chamar de Escola Espe- rança, para mantermos a integridade da escola – nos impulsionou a escrever este trabalho. Com o objetivo de mos- trar a toda comunidade como funciona o processo de Auto- Avaliação Institucional das escolas públicas estaduais como um todo, e em especial uma do município de Fortaleza, nos inte- ressa saber se há, de fato, legitimidade durante o processo da Auto-Avaliação, onde toda a comunidade, em tese, participa de sua elaboração.
Mostrar mais

7 Ler mais

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA GESTÃO ESCOLAR

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA GESTÃO ESCOLAR

Dentre essas concepções de gestão escolar destaca-se a democrático- participativa, que teve como marco a greve dos professores no estado do Rio Grande do Sul no ano de 1984, essa ação deu o direito aos professores a escolha do seu próprio líder por meio de votos no ano de 1985, tendo a primeira eleição democrática envolvendo a comunidade escolar na escolha do diretor no âmbito educacional.

9 Ler mais

QUALIDADE E EQUIDADE DAS CONDIÇÕES DE OFERTA NO ENSINO FUNDAMENTALi

QUALIDADE E EQUIDADE DAS CONDIÇÕES DE OFERTA NO ENSINO FUNDAMENTALi

Outra questão que chama a atenção é a proximidade espacial de escolas com melhor e pior condição de oferta. Para aprofundar essa análise, foram selecionados dois grupos nessa situação (círculos 1 e 2 da figura). No caso do primeiro círculo, as escolas com Icoe 3 e 4 são escolas municipais que oferecem Ensino Fundamental completo e aquela com Icoe 1 é escola estadual de anos finais. O fator que pode ter influenciado na diversidade do indicador é o percentual de turmas da instituição que atendem o número ideal estabelecido no Quadro 1, pois enquanto nas primeiras, 23% e 54% das salas respeitavam o número de alunos por turma, na última, não teve nenhuma turma, o que indica uma clara degradação da rede estadual de ensino, particularmente no que se refere às condições de trabalho docente.
Mostrar mais

16 Ler mais

Melhoria da qualidade educacional e redução da violência através de abertura de escolas públicas nos finais de semana: uma avaliação quantitativa.

Melhoria da qualidade educacional e redução da violência através de abertura de escolas públicas nos finais de semana: uma avaliação quantitativa.

negativo. O resultado leva a crer que a Comunidade Escola não logra sucesso na melhoria da qualidade do ensino, embora o ambiente se tenha tornado mais seguro devido à redução de certos tipos de violência. Por outro lado, o tempo de exposição ao programa pode não ter sido o suficiente para causar um impacto. Além disso, os resultados, no que tange a percepção da violência por parte dos diretores, mostram que o PCE aumentou os conflitos dentro do staff nas escolas participantes e, esse clima conflituoso pode ter prejudicado o desempenho dos estudantes. Outro ponto a destacar é que os professores coordenadores do programa das escolas participantes têm uma carga horária de trabalho muito maior, logo, isso pode prejudicar a qualidade das aulas, uma vez que o tempo de preparação e descanso mostra-se inferior.
Mostrar mais

28 Ler mais

Esquema da evolução do ensino agrícola no Brasil

Esquema da evolução do ensino agrícola no Brasil

Não tendo sido regulamentada, conforme fôra previsto, não chegou essa organização a ser executada em sua plenitude. Várias alterações e reformas parciais se sucederam em prazos curtos, dando-lhe instabilidade, estabelecendo a confusão e o caos no ensino agrícola então proposto. O ensino de grau supe­ rior, que teve um surto espontâneo em várias regiões do país, passou a existir fora dos dispositivos legais. O ensino profissional não conseguiu consolidar-se nos moldes estabelecidos, vivendo antes como ensino emendativo: eram enca­ minhados para as escolas ou patronatos agrícolas os menores indigentes ou marginais dos grandes centros urbanos.
Mostrar mais

6 Ler mais

Efeitos de escolas e municípios na qualidade do ensino fundamental.

Efeitos de escolas e municípios na qualidade do ensino fundamental.

A última questão proposta aqui – a diferença entre escolas esta- duais e municipais – guarda relação com os estudos de Leme, Paredes e Souza (2009) e de Ceneviva (2012), que investigaram o impacto da municipalização do Ensino Fundamental no desempenho educacional. Os primeiros discutiram o processo de descentralização da gestão edu- cacional, estimulado por mecanismos legais introduzidos nos anos de 1990, tais como a LDB e o Fundef. Na análise empírica, os autores utiliza- ram dados do Saeb e da Prova Brasil até 2005; para construir painéis de escolas em dois pontos no tempo, fizeram a comparação entre escolas que passaram da gestão estadual para a gestão municipal e escolas que permaneceram sob a mesma gestão. Os resultados mostraram que o efeito da municipalização foi menosprezível, ou seja, os alunos que estu- davam em escolas que foram municipalizadas não tinham proficiências significativamente diferentes daquelas dos que estudavam em escolas que permaneceram sob a gestão estadual. Entretanto, para os autores, o fato de o estudo não ter encontrado efeito positivo da descentralização na proficiência não deve ser visto como negativo. A municipalização pode ter impacto em outros processos não analisados no estudo, por exemplo, o custo do sistema e a maior liberdade da gestão local para estabelecer metas e incentivos.
Mostrar mais

26 Ler mais

ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS AVALIATIVOS EM MATEMÁTICA: ASPECTOS RELEVANTES PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM

ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS AVALIATIVOS EM MATEMÁTICA: ASPECTOS RELEVANTES PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM

A elaboração de instrumentos avaliativos consiste em um trabalho de amplo esforço cognitivo, tendo em vista a importância dos mesmos no processo de avaliação de alunos, com inserção relevante no trabalho de planejamento do ensino. Com base em conteúdos estudados na disciplina Construção de instrumentos de avaliação do processo-ensino aprendizagem, ministrada no núcleo de avaliação educacional, do Programa de pós-graduação em Educação Brasileira da Universidade Federal do Ceará, planejou-se uma atividade experimental envolvendo alunos da graduação em Pedagogia e alunos da educação básica. À luz de uma experiência realizada com alunos da educação básica, em uma escola na cidade de Fortaleza, elaborou-se este relato com o objetivo de apresentar resultados da aplicação de duas questões de matemática. O objetivo da atividade experimental foi verificar as fragilidades e acertos da elaboração de duas questões, cujo conteúdo explorado foi a noção de fração, a partir das justificativas das resoluções apresentadas pelos respondentes. Apesar da similaridade entre as questões, foram destacadas diferenças em seus enunciados que, a depender da leitura e interpretação realizada pelo aluno esperava-se questionamentos variados sobre a elaboração dos enunciado dos instrumentos. As diferenças nos enunciados poderiam dificultar e deixar dubiedade quando da resolução e apresentação da justificativa das respostas dos alunos. Reflexões podem ser apresentadas ao final da realização da experiência: o ensino da noção de fração está sendo apresentado de forma repetitiva sem criatividade e sem aplicação, do conceito estudado, a situações concretas que se aproximem de experiências vividas pelo alunado; outro aspecto que se destaca é a falta de atenção na leitura e interpretação do enunciado das questões.
Mostrar mais

9 Ler mais

RELATÓRIO DAS PROVAS BIMESTRAIS 2017 BIM 4 V FINAL

RELATÓRIO DAS PROVAS BIMESTRAIS 2017 BIM 4 V FINAL

 As amost ras represent at ivas de t rabalho, as quais demonst ram avanços import ant es ou problemas persist ent es, devem servir de reflexão e de referência para a avaliaç[r]

173 Ler mais

Avaliação externa de escolas

Avaliação externa de escolas

A avaliação é fundamental para melhorar os serviços prestados e é essencial para melhorar a qualidade das escolas, sendo este um objetivo que todas as instituições desejam alcançar. Como defende Dias, (2009:194): “ A qualidade é, sem sombra de dúvida, um atributo que a maioria das organizações deseja ver associada a tudo aquilo que faz, e as escolas como instituições que frequentemente pretendem transmitir um ideário de qualidade não fogem à regra. Esta tendência nasceu, por um lado, da necessidade de satisfazer as expetativas crescentes dos alunos, pais, encarregados de educação e cidadãos em geral que encontram na globalização e na sociedade de informação desafios crescentes. Por outro lado, são também as próprias escolas que procuram conhecer-se a si próprias, identificando os seus pontos fortes e fracos, de modo a poderem implementar processos de melhoria contínua com vista à excelência.”
Mostrar mais

112 Ler mais

RELATÓRIO DAS PROVAS BIMESTRAIS 2017 BIM 1 (VERSÃO FINAL)

RELATÓRIO DAS PROVAS BIMESTRAIS 2017 BIM 1 (VERSÃO FINAL)

As Provas Bimest rais foram est abelecidas em documento oficial, a Resolução SM E nº 1123, de 24/ 01/ 2011, e são elaboradas por professores da Rede que fazem part e da equipe da Gerência de Ensino Fundamental, responsável t ambém pelo mat erial pedagógico que as escolas recebem bimestralment e. Todo est e mat erial é validado por professores das onze Coordenarias Regionais da Rede. Essa avaliação t em sido de fundament al import ância para a diagnose da aprendizagem na Rede M unicipal de Educação do Rio de Janeiro.
Mostrar mais

134 Ler mais

RELATÓRIO DAS PROVAS BIMESTRAIS 2017 BIM 3

RELATÓRIO DAS PROVAS BIMESTRAIS 2017 BIM 3

Abrindo o debat e a part ir dos result ados oriundos de avaliações ext ernas, em mat emát ica, no Programa Int ernacional de Avaliação de Est udant es (Pisa), realizado, em 2015, pela Organização para a Cooperação e Desenvolviment o Econômico (OCDE), o Brasil apresent ou a primeira queda desde 2003. Além disso, foi possível const at ar que set e em cada dez alunos brasileiros, com idade ent re 15 e 16 anos, est ão abaixo do nível básico de conhecimento.

154 Ler mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Educação Subsecretaria de Ensino Coordenadoria de Educação Gerência de Avaliação

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Educação Subsecretaria de Ensino Coordenadoria de Educação Gerência de Avaliação

Ela precisa mudar inst it ucionalment e. O desenvolviment o pessoal e profissional depende muit o do cont ext o em que exercemos nossa at ividade. Todo professor deve ver a escola não soment e como o lugar onde ele ensina, mas onde aprende. A at ualização e a produção de novas prát icas de ensino só surgem de uma reflexão part ilhada ent re os colegas. Essa reflexão t em lugar na escola e nasce do esforço de encont rar respost as para problemas educat ivos. Tudo isso sem cair em meras afirmações ret óricas. Nada vai acont ecer se as condições mat eriais, salariais e de infraest rut ura não est iverem devidament e asseguradas. O debat e sobre a formação é indissociável das políticas de melhoria das escolas e de definição de uma carreira docent e digna e prest igiada.
Mostrar mais

143 Ler mais

IV – QUADRO RESUMO DA SITUAÇÃO DO MUNICÍPIO – 1º COC DE 2017 61

IV – QUADRO RESUMO DA SITUAÇÃO DO MUNICÍPIO – 1º COC DE 2017 61

As indagações sobre o papel da avaliação, a partir do papel da educação na sociedade atual, destacam a concepção de avaliação sob a ótica da inclusão, do diálogo, da autonomia e da construção da responsabilidade com o coletivo. Uma escola democrática preconiza as inúmeras possibilidades de aprendizagem. Desta forma, podemos depreender que a perspect iva da avaliação seletiva e classificatória pode, muitas vezes, ser facilitadora na criação dos espaços da exclusão, do “ refúgio” . Deparamo-nos em nosso cotidiano escolar com os inúmeros “ refugiados” do aprendizado... Assim, cumpre-nos compreender as diferent es concepções de avaliação que norteiam o processo educativo.
Mostrar mais

65 Ler mais

IV – QUADRO RESUMO DA SITUAÇÃO DO MUNICÍPIO – 2º COC DE 2017 63

IV – QUADRO RESUMO DA SITUAÇÃO DO MUNICÍPIO – 2º COC DE 2017 63

Todo aluno tem o direito de ser avaliado. Só assim as suas necessidades são conhecidas. Nos últimos anos, junto com a crítica à avaliação tradicional, classificatória e punitiva, difundiu-se a negação da avaliação. No ent anto, a avaliação da aprendizagem do aluno, enquant o estrat égia pedagógica, é necessária em qualquer escola. Isso esclarece por que o t ema recebe, merecidamente, tamanha atenção na literatura pedagógica. Perrenoud (1999) afirma que a avaliação só faz sent ido quando facilita o desenvolvimento do educando. Ou seja, a avaliação do aprendizado é um instrumento precioso de reflexão dos docent es sobre as ações escolares. Utilizando uma nomenclatura comum, a avaliação formativa deve t er a primazia. De forma geral, o uso rotineiro dos resultados da avaliação é muito mais important e do que sua forma de organização. (Soares, 2004)
Mostrar mais

68 Ler mais

Show all 10000 documents...