Bilhetagem Eletrônica.

Top PDF Bilhetagem Eletrônica.:

Determinação de matriz origem/destino utilizando dados do sistema de bilhetagem eletrônica

Determinação de matriz origem/destino utilizando dados do sistema de bilhetagem eletrônica

A caracterização da demanda no aspecto da distribuição espacial e temporal é fundamental no desenvolvimento de redes de transporte. Há inúmeros métodos para análise e estimativas da demanda de transporte, no entanto as metodologias convencionais apresentam custos e tempo de execução elevados, o que restringe a frequência de sua aplicação. Os sistemas de transporte vêm adotando tecnologias inteligentes para fins específicos, que geram uma infinidade de informações, e que poucas vezes são utilizadas para aprimorar os estudos e análises pertinentes como ocorre, por exemplo, com os dados do Sistema de Bilhetagem Eletrônica – SBE. Visando mitigar as deficiências dos métodos convencionais de pesquisa de transporte, principalmente prazos e custos de execução, este trabalho propõe uma metodologia para determinação de uma Matriz Origem/Destino (O/D) para passageiros do transporte público que utiliza o banco de dados do SBE baseada na experiência internacional. A metodologia é dividida em duas etapas. Na primeira é determinada uma matriz amostral que contempla parte dos passageiros usuários de cartão eletrônico, denominada matriz semente. Na etapa seguinte, a matriz semente é expandida através de um processo que utiliza contagens de fluxos de passageiros. As principais vantagens associadas a esta metodologia são: baixo custo e tempo de obtenção da matriz, elevada amostra e capacidade de se refazer a matriz com alta frequência. Este trabalho apresenta ainda a aplicação da metodologia para o sistema de transporte municipal da cidade de Maceió, capital do estado de Alagoas. Os resultados obtidos foram consistentes, no entanto, para se medir com maior exatidão a qualidade da matriz final sugere-se que, em um próximo trabalho, sejam realizados testes comparativos entre a matriz obtida pela metodologia proposta e uma matriz recente produzida através de uma metodologia já consolidada.
Mostrar mais

120 Ler mais

Metodologia de caracterização da problemática do sistema de transporte público de passageiros a partir dos dados da bilhetagem eletrônica

Metodologia de caracterização da problemática do sistema de transporte público de passageiros a partir dos dados da bilhetagem eletrônica

O Sistema de Bilhetagem Eletrônica (SBE) produz informações acerca das viagens realizadas no Sistema de Transporte Público. A armazenagem desses dados produz séries históricas que podem ser utilizadas para o cálculo de estatísticas, obtendo-se padrões de comportamento de viagens. De fato, o SBE produz dados de qualidade e de fácil reprodução. O uso desse sistema no Brasil já está consolidado nos sistemas de transporte público de várias cidades. No entanto, é constatada a utilização da bilhetagem eletrônica apenas para o controle do embarque e da arrecadação do transporte público. Dessa forma, observada a dificuldade de caracterização do Sistema de Transporte Público de Passageiros (STPP) decorrente da coleta de dados e face o potencial disponível para a utilização das informações da bilhetagem eletrônica, este trabalho propõe-se a averiguar a capacidade desse sistema em fornecer informações relevantes na etapa de caracterização, dentro do processo de planejamento de transportes. Por conseguinte, tem-se que o objetivo principal dessa pesquisa constitui-se em propor uma metodologia de caracterização da problemática do Sistema de Transporte Público de Passageiros a partir dos dados da bilhetagem eletrônica. Em complementação, buscou-se reconstituir a matriz origem-destino que congrega os fluxos observados. Utilizando a metodologia proposta nesse trabalho para a caracterização do STPP juntamente com dados de validações das viagens realizadas no transporte público na cidade de Fortaleza, obtivemos resultados específicos sobre o transporte público da cidade. Além disso, comprovamos a efetividade da metodologia, através da validação da matriz obtida pelo SBE. Dessa maneira, obtivemos os seguintes resultados: comportamento da demanda ao longo do tempo e do espaço; número de viagens realizadas por linha e por tipo usuário; comparativo da origem da viagem com domicilio do usuário; e recuperação da matriz origem-destino do transporte público.
Mostrar mais

100 Ler mais

Estimação da matriz origem-destino e da distribuição espacial da lotação em um sistema de transporte sobre trilhos a partir de dados de bilhetagem eletrônica

Estimação da matriz origem-destino e da distribuição espacial da lotação em um sistema de transporte sobre trilhos a partir de dados de bilhetagem eletrônica

Este artigo apresenta os resultados de uma análise para estimar a lotação por trechos entre estações de um sistema metroferroviário, ao longo do dia, utilizando dados de bilhetagem eletrônica. É proposta uma adaptação da metodologia baseada no encade- amento de embarques no sistema de transportes, que infere o destino dos usuários, uma vez que não há bilhetagem nas estações de destino. Isso permitiu obter, de maneira rápida e eficiente, sem pesquisas de campo custosas, uma estimativa da matriz de ori- gem-destino no sistema de transporte de passageiros sobre trilhos da Região Metropo- litana de São Paulo (RMSP). A metodologia proposta também possibilitou obter o pa- drão espaço-temporal dos níveis de lotação para todas as linhas e sentidos da rede, as- sim como os volumes de transferências nas estações através da alocação da matriz ao longo de todo o período de operação e não apenas para os horários de pico, como usu- almente feito a partir de pesquisas de campo com base em entrevistas com usuários.
Mostrar mais

14 Ler mais

Estimativa de matriz origem/destino utilizando dados do sistema  de bilhetagem eletrônica: proposta metodológica

Estimativa de matriz origem/destino utilizando dados do sistema de bilhetagem eletrônica: proposta metodológica

Resumo: A caracterização da demanda é fundamental no desenvolvimento de redes de transporte, existindo inúmeros mé- todos para a análise da demanda, sendo que as metodologias convencionais apresentam custos e tempo de execução elevados, que restringem a frequência de sua aplicação. Visando mitigar as deficiências dos métodos convencionais de pesquisas de transporte, este artigo apresenta uma proposta metodológica de estimativa de uma Matriz Origem-Destino para sistemas de transporte público por ônibus usando informações do Sistema de Bilhetagem Eletrônica e do banco de dados das linhas em Sistema de Informação Geográfica (SIG). Tal proposta consiste na montagem da rede de transporte em SIG, na caracterização e tratamento dos dados de bilhetagem, na determinação da matriz semente e nos procedimentos para a estimativa da matriz final. A metodologia foi testada para o sistema de transporte municipal de Maceió/AL. Os resultados obtidos mostraram-se consistentes e indicam que a metodologia permite incorporar as mudanças ocorridas no sistema de transporte. Além disso, a aplicação da metodologia indicou que esta é simples, conveniente e prática, podendo ser utilizada para estudos relacionados a transporte público.
Mostrar mais

13 Ler mais

J. Transp. Lit.  vol.10 número4

J. Transp. Lit. vol.10 número4

Este artigo foca na análise de padrões de mobilidade urbana durante os dias de carnaval da cidade do Rio de Janeiro a partir de dados do Sistema de Bilhetagem Eletrônica do programa de subsídio ao transporte de passageiros do Governo do Estado do Rio de Janeiro, o chamado Bilhete Único Estadual. Os padrões em termos de quantidade de transações, de distribuição modal e horária e de distribuição espacial da origem são analisados de forma comparativa àqueles encontrados em dias típicos de semana e de fim de semana. O estudo conclui que a utilização de dados do Sistema de Bilhetagem Eletrônica permite aos agentes públicos responsáveis e às operadoras a melhor elaborar esquemas operacionais para grandes eventos como o carnaval. Recomenda-se para tanto, que o SBE seja de fato único entre todos os modos e categorias tarifárias.
Mostrar mais

5 Ler mais

Uma aplicação de análise de decisão com o método AHP Processo de hierarquia analítica: um estudo sobre adoção de Sistema eletrônico de cobrança no Transporte público urbano

Uma aplicação de análise de decisão com o método AHP Processo de hierarquia analítica: um estudo sobre adoção de Sistema eletrônico de cobrança no Transporte público urbano

Observa-se que o meio científico vem preocupando-se com a bilhetagem automática de transportes urbanos no Brasil. Observa-se também que há uma diversidade em termos de tecnologias disponíveis. Há também avaliações sobre o grau de importância que estas tecnologias estão tendo sobre o setor transportes urbanos, já que podem ser instrumentos para melhorar a fiscalização, incrementar a eficiência dos sistemas tarifários, melhorar o nível de serviços ao usuário beneficiando os operadores e o sistema de transporte coletivo como um todo. A bilhetagem eletrônica pode causar impactos no custo do transporte público e até mesmo influenciar no tempo de embarque. Os órgãos gestores (tomadores de decisão) devem estar no cerne destes projetos, desde os primeiros estudos até a gestão do banco de dados para desta forma estabelecer as condições para que todos os envolvidos no processo tenham acesso aos benefícios que este tipo de projeto pode aportar. Esses envolvidos têm interesses diversos, motivando que autores de trabalho neste sentido busquem a utilização de métodos Multicritérios.
Mostrar mais

101 Ler mais

EN 2602 – Fundamentos de Eletrônica

EN 2602 – Fundamentos de Eletrônica

Devido principalmente a um casamento imperfeito dos dispositivos de entrada, normalmente diferencial, a saída do amplificador operacional pode ser diferente de zero quando ambas entradas[r]

51 Ler mais

Intérprete e eletrônica: análise de Poucas Linhas de Ana Cristina de Silvio Ferraz para clarineta solo e com eletrônica ao vivo

Intérprete e eletrônica: análise de Poucas Linhas de Ana Cristina de Silvio Ferraz para clarineta solo e com eletrônica ao vivo

Após a transposição, as saídas dos harmonizers são enviadas para um reverberador cujo objeto central é o newverb que simula as reflexões de uma sala de concerto. O newverb é controlado por dois parâmetros: o tempo de duração do reverberador e o nível da saída. No anacris, estes parâmetros da reverberação podem ser controlados manualmente pelo usuário ou automaticamente, mas de acordo com Ferraz (2004), a variação do tempo de reverberação por saltos produz um ruído indesejado, problema que foi contornado com a criação do patch escorrega, um algoritmo que apresenta três funções: (1) controlar a variação do tempo de reverberação linearmente entre dois valores, evitando os saltos e os ruídos daí decorrentes; (2) zerar o volume geral no programa 10; e (3) desligar o volume do reverberador no final da peça. Para finalização do processo, os sons reverberados são enviados para um espacializador programado por Silvio Ferraz e Sérgio Freire. Este objeto simula uma situação onde os alto-falantes estão localizados em volta do ouvinte e apresenta três parâmetros: (1) velocidade do movimento, em milissegundos; (2) forma do movimento por figuras de lissajou e (3) raio do círculo que se afasta e se aproxima do ouvinte. A mistura de som direto e som processado no espacializador procura criar uma situação de ambigüidade espacial entre instrumento e eletrônica distinta da situação real em que o tamanho da sala e a posição do instrumento são fixas.
Mostrar mais

119 Ler mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

As FIGURAS 4.13 (a) e 4.14 (a) ilustram a formação de partículas com tamanho e forma irregulares em torno de 30 nm. Esse resultado mostra que sob essas condições reacionais, com tempo de síntese de 60 min, os dois solventes orgânicos não influenciaram de forma diferente no tamanho das partículas formadas. Pode-se sugerir, então, que com o aumento do tempo de síntese ocorreu a dissolução e recristalização das partículas e o solvente orgânico, tanto o etileno glicol quanto o 1,3 propanodiol, impediu o crescimento dessas partículas. As FIGURAS 4.13 (b) e 4.14 (b) ilustram as imagens de microscopia eletrônica de transmissão de alta resolução, evidenciando a formação de aglomerados. Devido a uma diminuição de energia de superfície, partículas pequenas de unem para formar partículas maiores 66 .
Mostrar mais

84 Ler mais

Desenvolvimento de catalisadores de rutênio coordenados a toluilfosfinas para polimerização...

Desenvolvimento de catalisadores de rutênio coordenados a toluilfosfinas para polimerização...

Com a finalidade de se conhecer a morfologia dos filmes poliméricos das amostras analisadas por GPC, foram realizadas análises de Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV). Os filmes dos materiais poliméricos foram preparados pelo método Casting. Para o polímero obtido na condição de 23°C por 5 minutos não se obteve um filme para análise, mas sim um material que virava pó, não sendo possível a realização do MEV para o poliNBE obtido nestas condições, a partir desse método.

78 Ler mais

Implementação em FPGA de módulo de efeito de reverberação

Implementação em FPGA de módulo de efeito de reverberação

Com o desenvolvimento da eletrônica para o processamento de sinais, e mais especifica- mente dos sistemas digitais, a primeira proposta de uma unidade eletrônica de reverberação foi feit[r]

79 Ler mais

Analogia eletrônica no ensino de física.

Analogia eletrônica no ensino de física.

Entretanto, a realiza¸c˜ao eletrˆonica direta de um sistema tamb´em apresenta algumas dificuldades intr´ınsecas, uma vez que determinados fatores devem ser considerados com o objetivo de [r]

8 Ler mais

EN 2602 – Fundamentos de Eletrônica

EN 2602 – Fundamentos de Eletrônica

O caso de um zero na origem é similar ao caso de um pólo na origem, exceto que a magnitude incrementa e a fase é positiva. Pólos conjugados complexos[r]

47 Ler mais

Liber: alternativa para publicação eletrônica

Liber: alternativa para publicação eletrônica

autor(es) pensará(ão) duas vezes antes de submeter à revista um trabalho vulnerável, ainda imaturo e pouco fundamentado. O risco agora não é mais o de não ser publicado, mas o de ficar exposto a uma crítica fulminante. Assim, o elemento diferencial da publicação eletrônica passa a ser outro: ele não está simplesmente na difusão mais rápida dos artigos e na facilidade de busca instantânea (search) em toda a literatura científica disponível. A essência mesma do meio eletrônico reside no feedback imediato, na estrutura bidirecional e na conseqüente possibilidade de diálogo, em uma palavra, na potencialidade de comunicação...”
Mostrar mais

6 Ler mais

Por uma agenda de pesquisa em democracia eletrônica.

Por uma agenda de pesquisa em democracia eletrônica.

Em segundo lugar, estão os fóruns abertos, nos quais qualquer um é convidado a dizer o que pensa, em geral sobre questões genéricas, mas definidas (não se pode dizer qualquer coisa sob[r]

24 Ler mais

CONSTRUÇÃO DE UMA BENGALA ELETRÔNICA PARA DEFICIENTE VISUAL

CONSTRUÇÃO DE UMA BENGALA ELETRÔNICA PARA DEFICIENTE VISUAL

O tema abordado neste projeto consiste na construção de uma bengala eletrônica para auxiliar deficientes visuais em sua locomoção, através de diversas pesquisas realizadas, notou-se que o crescente número de pessoas, portadoras de tal deficiência em nosso país é cada vez maior e com isso, maiores são as dificuldades que estes enfrentam no seu dia-a-dia. Sendo assim, com o intuito de auxilia-los em sua locomoção, o protótipo a ser desenvolvido consiste em acoplar sensores de obstáculos e motores de vibração a uma bengala, utilizando-se meios de tecnologia de hardware e software livre que proporcione um custo mais acessível para estas pessoas.
Mostrar mais

19 Ler mais

BASES DE DADOS NO CONTEXTO DA INFORMAÇÃO ELETRÔNICA

BASES DE DADOS NO CONTEXTO DA INFORMAÇÃO ELETRÔNICA

A abordagem do preço é sempre comple- xa, devido às diversidades comentadas. Isto porque os sistemas onde estão dispo- níveis as informações têm preços diferen- tes e o custo das telecomunicações depen- derá do tempo gasto em cada consulta, no caso das bases de dados. Daí, a dificulda- de de previsão do preço de uma consulta previamente. Além disso, mais complexo ainda é estimar o valor de uma informa- ção, ao considerar o impacto da mesma em relação à utilidade que possa ter em um ambiente de pesquisa ou negócios, sem contar que, no caso brasileiro, os usu- ários do setor de informação estão acostu- mados a obter informação gratuitamente. Preço e marketing são interdependentes. Não é possível afirmar que o marketing de um produto/serviço esteja correto, se o pre- ço não estiver adequado ao mercado. Se o preço não estiver compatível com o mer- cado, o produto/serviço não será vendido. Além disso, se a informação não for consi- derada necessária pelo usuário, o produto não será vendido, mesmo se o preço for baixo. Evidentemente não se pode negli- genciar a qualidade do produto/serviço, pois isto prejudicará tanto o estabelecimen- to do preço, quanto as demais técnicas mercadológicas. Muito pouco tem sido es- crito sobre o estabelecimento de preço para informação eletrônica, embora o assunto possa ser considerado uma arma podero- sa no estudo do marketing.
Mostrar mais

7 Ler mais

Estudo da estrutura eletrônica de compostos mesoiônicos

Estudo da estrutura eletrônica de compostos mesoiônicos

39 Hückel utilizou a teoria dos orbitais moleculares para esclarecer muitas questões acerca da estrutura eletrônica de compostos orgânicos e de aspectos da aromaticidade. Sua teoria serviu de base para a síntese de diversos compostos que vieram a corroborá-la - sendo eventualmente incorporada no próprio conceito de aromaticidade. Contudo, apesar de sua grande utilidade prática, a teoria de Hückel falha para alguns compostos. Entre eles, encontram-se os isômeros de [10]-anulenos, que possuem o número apropriado de elétrons, mas não as demais propriedades dos aromáticos. A não-aromaticidade desses compostos é atribuída à falta de planaridade, que impede uma boa conjugação do sistema . Posteriormente, esse critério (planaridade) foi agregado à regra de Hückel em si.
Mostrar mais

100 Ler mais

Desafios da arbitragem eletrônica no âmbito internacional

Desafios da arbitragem eletrônica no âmbito internacional

A fim de se aprofundar na temática dos desafios a serem enfrentados pela arbitragem eletrônica no âmbito mundial, faz-se necessária a utilização de um arcabouço doutrinário que fundamenta a própria arbitragem internacional, quais sejam: obras jurídicas sobre arbitragem internacional dos mais renomados juristas, como Gary Born, Margaret L. Moses, William Ury, Jacob Dollinger, Paulo Henrique Gonçalves Portela, dentre outros. Afinal, apesar da arbitragem eletrônica na seara internacional ser relativamente nova, ela ainda é somente uma modalidade de processo arbitral comum.
Mostrar mais

63 Ler mais

Show all 1590 documents...

temas relacionados