centro de gravidade

Top PDF centro de gravidade:

Arquimedes, o Centro de Gravidade e a Lei da Alavanca

Arquimedes, o Centro de Gravidade e a Lei da Alavanca

Heron apresenta uma definição do CG como dada pelo estóico Posidônio, que provavelmente viveu antes de Arquimedes: “O centro de gravidade ou de inclinação é um ponto tal que, quando o peso é dependurado por este ponto, ele fica dividido em duas porções equivalentes,” [Her88, Capítulo 24, pág. 93]. Heath já traduz esta frase para o inglês da seguinte forma: “É um ponto tal que, se o corpo é suspenso por ele, o corpo é dividido em duas partes iguais,” [Hea21, pág. 350]. Esta definição é vaga e problemática. Em primeiro lugar é difícil saber como um ponto, ou mesmo uma reta vertical passando por este ponto (se interpretarmos assim a frase de Posidônio), pode dividir um corpo volumétrico em duas partes. Mesmo se o corpo for uma figura plana, um ponto não vai dividi-lo em duas partes. E uma reta só vai dividir uma figura plana em duas partes se estiver no mesmo plano que a figura. Logo teríamos de imaginar um triângulo, por exemplo, dependurado em um plano vertical. E mesmo neste caso não são todas as verticais passando pelo CG que vão dividir o triângulo em duas áreas iguais ou em dois pesos iguais. Vamos supor um triângulo ho- mogêneo dependurado em um plano vertical. Já vimos anteriormente que uma reta passando pelo CG e por um dos vértices divide um triângulo em duas par- tes de mesma área e de mesmo peso. Já uma reta paralela à base e passando pelo CG não divide o triângulo em duas áreas iguais, ver a Figura 4.7. Apesar disso, o triângulo em um plano vertical permanecerá em equilíbrio ao ser solto do repouso se for dependurado pelo CG ou por qualquer outro ponto que esteja verticalmente acima do CG. O mesmo vai acontecer se supormos na definição de Posidônio que o corpo é dividido por um plano vertical passando pelo CG. Neste caso pode-se imaginar um triângulo equilibrado em um plano horizontal apoiado por um plano vertical colocado debaixo dele (na verdade o suporte ver- tical tem de ter uma pequena espessura, como a borda de uma régua). Caso o plano vertical passe por um vértice e pelo CG, o corpo vai ficar em equilíbrio e a projeção superior deste plano vai dividir o triângulo em duas áreas iguais ou em dois pesos iguais. Mas se o plano vertical for paralelo à base e passar pelo CG, ele não vai dividir o triângulo em duas áreas iguais nem em dois pesos iguais. Apesar disto, o triângulo também ficará em equilíbrio neste caso ao ser solto do repouso, como vimos na Experiência 4.5.
Mostrar mais

248 Ler mais

Optimização da posição do centro de gravidade de um avião comercial para minimização do consumo de combustível

Optimização da posição do centro de gravidade de um avião comercial para minimização do consumo de combustível

Recentes preocupações económicas e ambientais relacionadas com o uso de combustível levaram as companhias aéreas a tomar importantes medidas no que respeita a políticas de redução dos custos. Com o presente trabalho, pretende-se estudar a influência da posição do centro de gravidade de um avião comercial (C.G.) no consumo de combustível. O carregamento de um avião, i.e., carga, passageiros e combustível, tem especial interesse para o impacto da performance do posicionamento do CG. O correcto posicionamento do C.G. no envelope de voo do avião resulta numa considerável redução do arrasto aerodinâmico (Drag), e por conseguinte, um menor consumo de combustível e de emissões de gases poluentes para a atmosfera.
Mostrar mais

42 Ler mais

Altura percentual do centro de gravidade e número de quedas em idosos ativos e sedentários.

Altura percentual do centro de gravidade e número de quedas em idosos ativos e sedentários.

O cálculo dessas medidas de localização do plano que contém o centro de gravidade envolveu a soma dos torques que atuaram ao redor do apoio da plataforma de mesma altura da superfície de pe- sagem da balança. Os valores da leitura da balança, a massa corporal do voluntário e a distância entre os apoios são levados a uma fórmula, na qual o soma- tório de todos os torques foi igual a zero (equilíbrio estático). A distância entre a força de reação do ponto referencial (apoio) situado sobre a balança e o apoio da plataforma (eixo) será sempre zero, o que isicamente corresponde à origem dos pontos.
Mostrar mais

6 Ler mais

A IDEIA DA CATEGORIA ÉTICOJURÍDICA DOS DIREITOS HUMANOS COMO CENTRO DE GRAVIDADE GLOBAL: reflexões sobre o futuro do Estado  Gustavo Vettorazzi Rodrigues

A IDEIA DA CATEGORIA ÉTICOJURÍDICA DOS DIREITOS HUMANOS COMO CENTRO DE GRAVIDADE GLOBAL: reflexões sobre o futuro do Estado Gustavo Vettorazzi Rodrigues

A IDEIA DA CATEGORIA ÉTICO-JURÍDICA DOS DIREITOS HUMANOS COMO CENTRO DE GRAVIDADE GLOBAL: REFLEXÕES SOBRE O FUTURO DO.. ESTADO.[r]

23 Ler mais

Salto em profundidade: análise dos deslocamentos em queda livre do centro de gravidade em quatro alturas de banco de lançamento

Salto em profundidade: análise dos deslocamentos em queda livre do centro de gravidade em quatro alturas de banco de lançamento

Portanto, os objetivos deste estudo foram comparar os deslocamentos em queda livre do CG das quatro alturas de banco de lançamento testadas (20, 30, 40 e 50 cm) para verific[r]

48 Ler mais

Otimização da localização do centro de gravidade para a poupança de combustível

Otimização da localização do centro de gravidade para a poupança de combustível

Through the analysis of the data obtained with the proposed model, it was also possible to verify that the alteration of center of gravity position leads to a significant variation of t[r]

7 Ler mais

Um Elemento Finito para Barras Esbeltas Baseado numa Teoria Geometricamente Exacta

Um Elemento Finito para Barras Esbeltas Baseado numa Teoria Geometricamente Exacta

Neste capítulo apresentam-se alguns exemplos de aplicação da formulação desenvolvida, com o objectivo de a validar e ilustrar as suas potencialidades. Em todos os casos considera-se uma viga em consola de aço (E = 200 GPa, ν = 0,3), com 2 metros de comprimento e uma secção transversal quadrada com 0, 1 metros de lado (ver figura 4.1). Consideram-se apenas cargas pontuais, aplicadas no centro de gravidade da extremidade livre. Como cada elemento finito possui quatro graus de liberdade por nó (o deslocamento perpendicular ao eixo da viga r 1 , a derivada do deslocamento perpendicular ao eixo da viga r ′ 1 , o deslocamento segundo o
Mostrar mais

69 Ler mais

Análise da Interação Via-Estrutura num Viaduto Ferroviário

Análise da Interação Via-Estrutura num Viaduto Ferroviário

Pretende-se tirar ilações sobre os efeitos da variação da distância entre o centro de gravidade do carril e os apoios da estrutura. Para o estudo da influência do parâmetro da variação da distância entre o centro de gravidade do carril e os apoios da estrutura na interação via-estrutura foram analisados 3 modelos com diferentes alturas H, como está representado na Figura 4.17. Estes modelos tiveram por base as indicações da ficha UIC774-3-R e foram modelados recorrendo-se ao programa de cálculo automático SAP2000 versão 18. A secção transversal do tabuleiro está representada na Figura 4.17. O modelo base é o caso E1-3 que neste parâmetro apresenta uma altura total de 6 metros é vais ser designado de Modelo 7. Os modelos apresentam as mesmas características descritas no capítulo 3, excetuando o parâmetro em análise em cada subcapítulo, neste caso a distância entre o centro de gravidade do carril e os apoios da estrutura. Cada um destes modelos foi sujeito separadamente ás ações de variação de temperatura uniforme (+35ºC), de frenagem (20 kN/m) e da carga distribuída do modelo LM 71 (80 kN/m). As alturas selecionadas para esta análise foram de 3,6 e 9 metros de distância entre o carril e os apoios da estrutura. Como está referido no Quadro 4.10, o modelo com altura de 3 metros é designado por Modelo 6 e o modelo com altura de 9 metros é designado por Modelo 8. Para os três modelos, embora apresentando diferentes alturas, foi considerado igual valor de EI, logo apresentando a mesma resistência à flexão.
Mostrar mais

147 Ler mais

Rev. IBRACON Estrut. Mater.  vol.10 número4

Rev. IBRACON Estrut. Mater. vol.10 número4

Este trabalho utiliza uma metodologia simpliicada de análise dinâmica para o estudo das vibrações em pontes ferroviárias produzidas pela pas- sagem da composição de um trem de passageiros, ou TUE (Trem Unidade Elétrico) típico. Parte-se de um modelo do veículo com quinze graus de liberdade, referentes aos deslocamentos verticais (bounce) e horizontais (sway) e rotações em torno dos eixos longitudinal (roll), transversal (pitch) e vertical (yaw). Nesta metodologia, os modelos dinâmicos do trem e da ponte são tratados de forma inicialmente desacoplada, sendo conectados pelas forças de interação trem-ponte. Desta forma, são calculados os carregamentos provenientes do trem modelado sobre tabuleiro rígido, considerando irregularidades geométricas, diferentes em cada trilho, nos planos vertical e horizontal, e nas rodas. De acordo com esta metodologia, as forças de interação são condensadas estaticamente no centro de gravidade do veículo e aplicadas em um modelo estrutural simpliicado (uniilar) da ponte. Para representar a passagem do comboio sobre a ponte, são utilizadas funções que descrevem as forças de interação trem-ponte em cada nó do modelo uniilar, em cada instante. Com isso, é possível identiicar a resposta dinâmica proveniente das irregularidades geométricas e, ainda, avaliar a ampliicação dinâmica obtida para cada esforço, a qual é comparada com o valor do coeiciente de impacto utilizado em análises quase-estáticas prescrito na norma brasileira para projeto de pontes ferroviárias (NBR 7187). A título de ilustra- ção, foi considerada uma ponte de concreto de seção celular, com vão de 36,0m de comprimento. Foi realizado um estudo a im de encontrar os parâmetros das funções das irregularidades que levassem à condição mais desfavorável para a ampliicação de esforços solicitantes na ponte.
Mostrar mais

10 Ler mais

ALTERAÇÕES DA POSIÇÃO PLANTAR INFLUENCIAM O COMPLEXO CRÂNIO-CÉRVICO-MANDIBULAR EM INDIVÍDUOS PORTADORES DE DISTÚRBIOS TEMPOROMANDIBULARES?

ALTERAÇÕES DA POSIÇÃO PLANTAR INFLUENCIAM O COMPLEXO CRÂNIO-CÉRVICO-MANDIBULAR EM INDIVÍDUOS PORTADORES DE DISTÚRBIOS TEMPOROMANDIBULARES?

Introdução: A postura representa a posição que o corpo humano adota e as relações espaciais entre os segmentos anatómicos que o constituem, para que haja equilíbrio, tanto em condições estáticas como dinâmicas. O uso de sapatos de salto alto provoca um deslocamento para superior e anterior do centro de gravidade, que por sua vez desencadeia desequilíbrios posturais, que são compensados. Quando se calça estes, a cabeça adota uma posição mais anterior, que provoca uma distalização da mandíbula, tendo os côndilos que adotar uma posição mais póstero-superior, gerando-se consequentemente uma carga adicional nos tecidos retrodiscais da articulação temporomandibular. Supõe-se que a postura da cabeça pode causar distúrbios temporomandibulares ou predispor os indivíduos a este tipo de distúrbios.
Mostrar mais

76 Ler mais

Ciênc. saúde coletiva  vol.16 número12

Ciênc. saúde coletiva vol.16 número12

Esta questão se torna ainda mais relevante quando lembramos que se no início do processo da Reforma o tema da loucura e suas formas de exclusão eram o centro de gravidade em torno qual girava o questionamento da cultura mani comial e suas instituições, hoje o cenário é outro. Diagnósticos psiquiátricos perderam grande par te de seu peso estigmatizante, sendo cada vez mais requisitados e exibidos na vida social comum. O estímulo ao consumo de medicamentos, o uso crescente do vocabulário psiquiátrico, a multi plicação de terapêuticas, expressam a força do processo de medicalização da vida cotidiana atu al, que é progressivamente inclusivo. Com o fim dos manicômios, e com os psicofármacos e as novas biotecnologias, a psiquiatria se volta cada vez mais para a gestão da vida normal, para além do tratamento da doença mental, ou controle da loucura. A reflexão em torno da Reforma precisa lidar com esse fenômeno.
Mostrar mais

3 Ler mais

Procedimentos de cálculo, verificação e detalhamento de armaduras longitudinais na seção transversal em elementos protendidos

Procedimentos de cálculo, verificação e detalhamento de armaduras longitudinais na seção transversal em elementos protendidos

Para o exemplo utiliza-se 5 cabos de 12,7 mm, complementando com armadura passiva, para o dimensionamento no ELU no tempo infinito (imaginando o centro de gravidade das du[r]

193 Ler mais

Equilíbrio estático e dinâmico no indivíduo com espondilite anquilosante: revisão da literatura.

Equilíbrio estático e dinâmico no indivíduo com espondilite anquilosante: revisão da literatura.

Com o objetivo de analisar as alterações musculoesqueléticas dos indivíduos com espondilite anquilosante (EA) e suas repercussões sobre o controle postural, realizou-se uma revisão bibliográfi ca nas bases de dados da BIREME e EBSCO HOTS e no site Pubmed com as palavras-chave: “ankylosing spondylitis”, “postural balance” e “posture”. Foram sele- cionados artigos envolvendo seres humanos e que analisavam o controle postural e a biomecânica dos indivíduos com EA, nos idiomas inglês e português, publicados no período entre 1999 e 2010. Do total de artigos encontrados, apenas quatro preencheram os requisitos. Desses, três compararam os resultados de pacientes com EA com os dados obtidos de indivíduos saudáveis, e um analisou apenas indivíduos com EA. Nenhum artigo continha o mesmo método de análise postural. Para avaliação do equilíbrio foram utilizadas a Escala de Equilíbrio de Berg, a Plataforma de Força e a Magnometria. Os principais desvios posturais encontrados foram aumento da cifose torácica e fl exão do quadril, que levam a uma anteriorização do centro de gravidade corporal, apresentando fl exão do joelho e plantifl exão do tornozelo como compensação para manter o equilíbrio. Apenas um autor encontrou piora do equilíbrio funcional nos sujeitos com EA. Todos os métodos de avaliação utilizados foram considerados capazes de mensurar o equilíbrio, não havendo uma escala específi ca para pacientes com EA.
Mostrar mais

4 Ler mais

O direito à privacidade: uma reflexão acerca do anteprojeto de proteção de dados pessoais

O direito à privacidade: uma reflexão acerca do anteprojeto de proteção de dados pessoais

[...] cada vez mais frágil a defi nição de “privacidade” como o “direito a ser deixado só”, que decai em prol de defi nições cujo centro de gravidade é representado pela possibilidade [r]

15 Ler mais

Trauma e utopia em Sigalit Landau

Trauma e utopia em Sigalit Landau

creio que a menção à dança do ventre feita por Sigalit Landau traz para o centro de gravidade de sua obra certa solidariedade com as diversas formas de violência extrema con[r]

13 Ler mais

Disciplina de Cálculo Integral e Diferencial - ESALQUSP Parte 4 Material Modificado do Curso de Cálculo para Engenharia Civil da Puc do Paraná

Disciplina de Cálculo Integral e Diferencial - ESALQUSP Parte 4 Material Modificado do Curso de Cálculo para Engenharia Civil da Puc do Paraná

Momento de uma área “A” em relação ao eixo x é por definição o produto da área pela distância até o eixo x. Seja (x, y) as coordenadas do centro de gravidade de uma reg[r]

29 Ler mais

A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AO TRIPULANTE DE NAVIO DE CRUZEIRO: UMA ANÁLISE DO PRINCÍPIO DA FORÇA DA GRAVIDADE

A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AO TRIPULANTE DE NAVIO DE CRUZEIRO: UMA ANÁLISE DO PRINCÍPIO DA FORÇA DA GRAVIDADE

Ementa: TRABALHO EM NAVIO ESTRANGEIRO - EMPREGADO PRÉ- CONTRATADO NO BRASIL - CONFLITO DE LEIS NO ESPAÇO - LEGISLAÇÃO APLICÁVEL. 1. O princípio do centro de gravidade, ou, como chamado no direito norte-americano, most significant relationship, afirma que as regras de Direito Internacional Privado deixarão de ser aplicadas, excepcionalmente, quando, observadas as circunstâncias do caso, verifica-se que a causa tem uma ligação muito mais forte com outro direito. É o que se denomina "válvula de escape", dando maior liberdade ao juiz para decidir que o direito aplicável ao caso concreto. 2. Na hipótese, em se tratando de empregada brasileira, pré- contratada no Brasil, para trabalho parcialmente exercido no Brasil, o princípio do centro de gravidade da relação jurídica atrai a aplicação da legislação brasileira. Processo: ED-RR - 12700- 42.2006.5.02.0446 Data de Julgamento: 06/05/2009, Relatora Ministra: Maria Cristina Irigoyen Peduzzi, 8a Turma, Data de Publicação: DEJT 22/05/2009.
Mostrar mais

21 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP INSTITUTO DE FILOSOFIA, ARTES E CULTURA Programa de Pós-Graduação em Filosofia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP INSTITUTO DE FILOSOFIA, ARTES E CULTURA Programa de Pós-Graduação em Filosofia

O segundo volume de Humano, demasiado humano é, assim, porta-voz de um deslocamento do centro de gravidade da filosofia de Nietzsche sobre a arte – a passagem[r]

132 Ler mais

Fundamentos biomecânicos da postura e suas implicações na performance da flauta.

Fundamentos biomecânicos da postura e suas implicações na performance da flauta.

Como já mencionado no item anterior quando definimos postura, o corpo é continuamente atraído pela gravidade. Para que ele possa se sustentar em qualquer postura, é necessária uma força anti-gravitacional, feita pelos músculos. A resultante entre estas duas forças opostas chama-se centro de gravidade corporal. A posição do centro de gravidade do corpo humano depende da posição do corpo. Em posição ereta, o centro de gravidade pode ser representado por um eixo central, que divide o corpo em 2 partes, quando visto de frente; já quando o corpo é visto de perfil, o centro de gravidade pode ser representado por uma linha vertical que passa pelo osso mastóide, imediatamente atrás da orelha e pelo tornozelo. Posturas inadequadas deslocam o centro de gravidade e representam sobrecarga muscular.
Mostrar mais

22 Ler mais

Influência da suspensão na segurança e no conforto de um pulverizador autopropelido.

Influência da suspensão na segurança e no conforto de um pulverizador autopropelido.

Os cursos da suspensão dianteira e traseira são próximos. Isto ocorre devido à boa distribuição de peso, uma vez que o centro de gravidade se localiza no ponto médio da distância entre eixos. Embora próximos, quanto maior a relação de rigidez, maior é a diferença entre os cursos dianteiro e traseiro.

8 Ler mais

Show all 10000 documents...