Clareamento dental

Top PDF Clareamento dental:

Análise do clareamento dental caseiro realizado com diferentes produtos: relato de caso

Análise do clareamento dental caseiro realizado com diferentes produtos: relato de caso

Os tratamentos odontológicos estéticos são muito procurados atualmente. Entre eles, o clareamento dental ocupa lugar de destaque. Por esse motivo, muitos trabalhos são realizados a fim de avaliar seus efeitos clínicos sobre a estrutura dental. Este trabalho teve como objetivo relatar e discutir os aspectos relacionados à alteração de cor, bem como à sensibilidade causadas pelo clareamento dental caseiro, utilizando peróxido de carbamida ou hidrogênio em diferentes concentrações. O caso clínico apresentado, assim como a literatura atual, mostra que os produtos são igualmente eficazes para o clareamento de dentes vitais. No entanto, com relação à ocorrência de sensibilidade, a utilização de produtos a base de peróxido de hidrogênio gerou maior sensibilidade quando comparado ao peróxido de carbamida, com o qual este inconveniente raramente ocorre. Pequenas irritações gengivais também puderam ser observadas durante o tratamento com peróxido de hidrogênio a 6%. Concluiu-se que o clareamento com os produtos a base de peróxido de carbamida a 10% ou com peróxido de hidrogênio a 6% aplicados em moldeiras produzem resultados satisfatórios, proporcionando aumento na autoestima e devolvendo ao paciente o prazer em sorrir.
Mostrar mais

7 Ler mais

Clareamento dental interno: relato de caso

Clareamento dental interno: relato de caso

Os tratamentos de clareamento interno são conservadores, porém só atendem a necessidade de alterações cromáticas e não de forma dos elementos dentais. São procedimentos convenientes e de valor acessível em comparação a outras técnicas restauradoras como, resinas compostas, laminados e coroas de porcelana (LUCENA MTL, et al., 2015). Há séculos existe tratamento com clareamento dental em dentes não vitais, porém, não deixa de ser um grande desafio para os profissionais cirurgiões dentistas, devido aos resultados das técnicas utilizadas e sua manutenção a longo prazo não possuírem previsibilidade. De todo modo, o profissional não é capaz de assegurar ao paciente sucesso ao tratamento no dente envolvido ao tratamento (BADOLE GP, 2013).
Mostrar mais

8 Ler mais

Eficácia e sensibilidade dental resultante do clareamento dental de consultório com 6¢ H2O2/TiO_N. Estudo clínico randomizado controlado

Eficácia e sensibilidade dental resultante do clareamento dental de consultório com 6¢ H2O2/TiO_N. Estudo clínico randomizado controlado

Em 2010, Oteo Calatayud et al. 60 compararam a eficácia clínica de dois protocolos de clareamento dental após 1 e 2 semanas de tratamento com uma caneta aplicadora de gel contendo peróxido de hidrogénio à 6%. Dezesseis pacientes voluntários participaram deste ensaio clínico randomizado, cego, de único centro e 2 grupos utilizando um modelo de boca dividida. O produto foi aplicado na clínica para uma hemiarcada (Grupo I) em cada paciente em duas sessões de uma semana de intervalo, fazendo-se cinco aplicações em cada sessão, separadas por intervalos de 10 min. Os próprios pacientes aplicaram o produto uma vez por dia durante 10 dias na outra hemiarcada (Grupo II). A eficácia foi mensurada de acordo com a escala de cores Vita Classical no início e em uma e duas semanas. As diferenças entre os grupos foram testadas por ANOVA de medidas repetidas. Diferenças significantes (P<0,05) foram encontradas nos valores entre pré e pós clareamento, em ambos os grupos. Não foi encontrada diferença estatisticamente significante entre os grupos. O tratamento com gel de 6% peróxido de hidrogênio mostrou significativa eficácia clínica se aplicado no consultório ou pelos próprios pacientes.
Mostrar mais

126 Ler mais

Eficácia, segurança e percepção do impacto na saúde bucal do clareamento dental com peróxido de hifrogênio de baixa concentração com dióxido de titânio nitrogenado ativado por luz

Eficácia, segurança e percepção do impacto na saúde bucal do clareamento dental com peróxido de hifrogênio de baixa concentração com dióxido de titânio nitrogenado ativado por luz

estudaram a sensibilidade dos dentes, irritação gengival e outros efeitos colaterais do clareamento dental realizado no consultório com peróxido de hidrogênio a 5% e 7%, em comparação com peróxido de carbamida 10%, concluindo que os voluntários que utilizaram peróxido de hidrogênio ao 7% relataram significativamente menor sensibilidade e irritação gengival que o grupo utilizando peróxido de carbamida. Os autores observaram que existem diferenças entre os agentes utilizados 7 dias após o fim do clareamento.

15 Ler mais

Avaliação in vitro da eficácia da fotoativação no clareamento dental utilizando a técnica em consultório

Avaliação in vitro da eficácia da fotoativação no clareamento dental utilizando a técnica em consultório

interrupção do DNA, entretanto, o corpo tem mecanismos para reparar imediatamente pequenos danos. Em baixas concentrações não causa sérios problemas, a capacidade carcinogênica é causada por derivados do peróxido e o corpo usa as peroxidases como mecanismo regulador do peróxido de hidrogênio e no clareamento dental é considerado como oxidação, através de processo não muito bem conhecido. Parece que a oxidação remove material orgânico não muito retido no dente, sem dissolver a matriz do esmalte, podendo mudar a porção descolorida para um estágio de menos coloração. Longos períodos de uso podem resultar na dissolução da matriz do esmalte, porém não existe suporte científico para esta hipótese. Manchas de tetraciclina são mais resistentes à oxidação porque a molécula é firmemente aderida na porção mineral do esmalte durante a formação e por isso, menos acessível à ação imediata. Dentes manchados com tetraciclina necessitam de prolongado tempo de tratamento. Geralmente o clareamento é considerado um processo eletivo, entretanto algumas situações podem fazer do clareamento uma necessidade. Quanto ao uso do peróxido de carbamida os estudos revelam que seus efeitos são mínimos sobre o esmalte, não havendo mudanças significantes na morfologia, apesar de algumas pesquisas mostrarem discretas alterações na dureza do esmalte, porém o potencial remineralizador da saliva poderia reverter o quadro. Pesquisas também demonstram que com este agente clareador o processo de oxidação seria controlado sobre a fase orgânica do esmalte, sem causar ou provocar graves alterações sobre a topografia do esmalte. O cirurgião dentista deve ficar atento as mudanças dos tratamentos estéticos conservadores, para oferecê-las como opção aos seus pacientes, sempre indicando-as corretamente e com segurança.
Mostrar mais

120 Ler mais

Efeitos de diferentes sistemas de clareamento dental sobre a rugosidade e morfologia superficial do esmalte e de uma resina composta restauradora

Efeitos de diferentes sistemas de clareamento dental sobre a rugosidade e morfologia superficial do esmalte e de uma resina composta restauradora

Objetivo: Avaliar as alterações de rugosidade e morfologia supericial do esmalte e da resina composta após diferentes téc- nicas de clareamento dental. Material e método: incisivos bovi- nos íntegros foram selecionados, sendo que cavidades padroni- zadas foram confeccionadas na face vestibular, as quais foram restauradas com resina composta. Os dentes foram distribuídos em grupos, de acordo com o tratamento proposto: G1- clarea- mento com peróxido de carbamida (PC) 10%; G2 - clareamento com peróxido de hidrogênio (PH) a 38%; G3- clareamento com PH a 38% associado à foto-ativação com LED. Para G1, o agente clareador foi aplicado por 8 horas diárias durante 21 dias. Para G2 e G3, foram realizadas 3 sessões de clareamento, caracteri- zadas por 3 aplicações do gel clareador por 15 minutos, com intervalos de 7 dias entre as sessões, sendo que em G3 o gel cla-
Mostrar mais

8 Ler mais

CLAREAMENTO DENTAL COM LUZ LED VIOLETA COM E SEM A ASSOCIAÇÃO DE GEL CLAREADOR: RELATO DE CASOS

CLAREAMENTO DENTAL COM LUZ LED VIOLETA COM E SEM A ASSOCIAÇÃO DE GEL CLAREADOR: RELATO DE CASOS

Entretanto, o efeito do clareamento sem gel é mais limitado quando comparado às técnicas que empregam o uso de géis clareadores. Uma alternativa, caso o paciente não esteja totalmente satisfeito com o resultado obtido, é usar maiores ou menores concentrações de hidróxido de hidrogênio ou hidróxido de carbamida em conjunto com o LED violeta, seguindo as recomendações do fabricante. Esse procedimento foi realizado no caso 1, que após 3 sessões de clareamento utilizando somente o LED violeta foi realizada uma quarta sessão associando essa mesma luz com o gel de peróxido de hidrogênio 35%. Portanto, essa associação pode resultar num sinergismo entre a ação física da luz e a ação química do gel. O equipamento foi considerado efetivo no clareamento dental, entretanto, não mostrou grande eficácia após a terceira sessão (caso 1).
Mostrar mais

13 Ler mais

Clareamento dental, aplicação em dentes vitais: uma revisão de literature

Clareamento dental, aplicação em dentes vitais: uma revisão de literature

Das recomendações a serem tomadas, deve-se deixar claro para o paciente a importância da inevitabilidade das possíveis modificações das restaurações estéticas logo após o tratamento feito por clareamento dental, visto que as restaurações já existentes antes do clareamento não sofrem alterações das tonalidades das cores quando o agente clareador é empregado como ocorre nos elementos dentários. Para que ocorra uma garantia nos tratamentos caseiros é crucial informar aos pacientes a importância do acompanhamento ao CD além de fazer todo o tratamento corretamente (JOINER A e LUO W, 2017). O tratamento caseiro pode variar de 1 a 6 semanas sendo as 3 primeiras semanas utilizado o peróxido de carbamida com sua concentração diversificada, de acordo com a etiologia de cada caso especifico do paciente, o que pode por sua vez acarretar ao paciente querer fazer um tratamento no consultório, visto que esse possui um resultado mais rápido em menor quantidade de tempo (SOETEMAN GD, et al., 2018).
Mostrar mais

10 Ler mais

SOLUÇÃO ESTÉTICA EM DENTES COM ALTERAÇÃO DE COR: CLAREAMENTO DENTAL X RESTAURAÇÕES LIVRES DE METAL

SOLUÇÃO ESTÉTICA EM DENTES COM ALTERAÇÃO DE COR: CLAREAMENTO DENTAL X RESTAURAÇÕES LIVRES DE METAL

Introdução: Dentes com alteração de cor são relativamente comuns. A etiologia é multifatorial, e causa comprometimento estético significante. A intensa procura do paciente por uma estética dental cada vez mais detalhada exige que o cirurgião-dentista tenha domínio de técnicas reabilitadoras que sejam capazes de restaurar a cor sem comprometer a estrutura dentária de forma eficaz e minimamente invasiva. Objetivo: O presente trabalho tem como objetivo apresentar um breve estudo com base na literatura, sobre as etiologias das alterações de cor, formas de diagnóstico e uma comparação de dois tipos de tratamentos: o clareamento dental e restaurações indiretas cerâmicas pelo sistema livre de metal, confrontando-as e discutindo qual tratamento atende melhor as necessidades estéticas do paciente. Revisão de literatura: Um adequado diagnóstico é importante para tomadas de decisões e desenvolvimento de um plano de tratamento apropriado para cada tipo de alteração de cor, esta fase é, provavelmente, uma das principais e indispensáveis para o alcance da excelência do tratamento. Assim, é imprescindível seguir protocolos já pré-definidos para realização de técnicas reabilitadoras de dentes escurecidos, a fim de evitar erros e ter resultados satisfatórios. Conclusão: Podemos concluir que o clareamento dental e as restaurações livres de metal são ótimas alternativas para a reabilitação de dentes com alteração de cor, e suas indicações devem ser analisadas de acordo com cada caso individualmente
Mostrar mais

8 Ler mais

Efeito da microabrasão e do clareamento dental na rugosidade superficial e microdureza do esmalte dental: estudo longitudinal ‘in situ’

Efeito da microabrasão e do clareamento dental na rugosidade superficial e microdureza do esmalte dental: estudo longitudinal ‘in situ’

Estudos laboratoriais [32-34] têm apresentado indícios de redução da microdureza de esmalte após o procedimento de clareamento dental, alegando, entre outras considerações, que o gel clareador pode degradar ou desnaturar as proteinas de maior peso molecular presentes nas estruturas dentais, possibilitando, assim, a perda da matriz orgânica e mineral. Entretando, através de uma revisão, Attin et al., em 2009 [32], afirmaram que as condições laboratorias (in vitro) possivelmente não são favoráveis para avaliar os reais efeitos do clareamento dental e que estudos que mais se aproximam das condições intra-orais, como nos estudos in situ, têm demonstrado que as reduções de microdureza do esmalte após o clareamento dental parecem ser insignificantes [16], além de não afetar o esmalte dental em relação ao desgaste e a microdureza [35].
Mostrar mais

90 Ler mais

Avaliação da alteração de cor, difusão de peróxido de hidrogênio e citotoxicidade trans-amelodentinária causadas por diferentes técnicas de clareamento dental

Avaliação da alteração de cor, difusão de peróxido de hidrogênio e citotoxicidade trans-amelodentinária causadas por diferentes técnicas de clareamento dental

O grupo clareado com PH20% causou menor difusão que os dois protocolos de clareamento dental utilizando PH35%. Este comportamento pode ser explicado pelos diferentes coeficientes de difusão de cada produto, que é dependente da quantidade de peróxido disponível, da espessura a ser penetrada e do tempo de aplicação. Sendo assim, a difusão de peróxido para a câmara pulpar tende a ser proporcional à concentração do agente clareador utilizado 4 . Porém, esta diferença no total de PH que se difundiu pelos discos não interferiu de forma significativa na citotoxicidade in vitro. Em parte, esta discrepância dos resultados pode ser atribuída ao fato do teste empregado detectar apenas a difusão do PH. No entanto, sabe-se que o PH se degrada em outras EROs, as quais podem também ter se difundido e causado efeitos tóxicos para as células MDPC-23. Observações semelhantes foram encontradas por Sacono e colaboradores (2010) 10 , que também não observaram diferença significante na citotoxicidade trans-amelodentinária sobre células MDPC-23 para géis clareadores a base de PH 38% e 20%. Estes resultados nos leva a acreditar que todos os protocolos, no modelo experimental utilizado, são igualmente tóxicos para células MDPC-23.
Mostrar mais

76 Ler mais

Efeitos dos ascorbato de sódio e alfatocoferol na resistência à fratura, resistência de união e na interface adesiva na dentina de dentes tratados endodonticamente submetidos a clareamento dental com peróxido de hidrogênio

Efeitos dos ascorbato de sódio e alfatocoferol na resistência à fratura, resistência de união e na interface adesiva na dentina de dentes tratados endodonticamente submetidos a clareamento dental com peróxido de hidrogênio

0,05). A extensão intradentinária da formação da camada hibrida foi significantemente maior em G1 e G3, em relação a G2 e G4 (p < 0,05). Entre G1 e G3 e G2 e G4 não houve diferenças estatisticamente significantes (p > 0,05). No terceiro estudo, a superfície vestibular de cada espécime foi desgastada e incluída em resina acrílica autopolimerizável em cilindro de PVC. Os 40 espécimes foram distribuídos em quatro grupos (n=10), semelhante aos protocolos descritos no experimento 2. Foram confeccionados cilindros de resina composta e após a aplicação do sistema adesivo, aderidos à dentina subjacente. Após 24 horas, o teste de microcisalhamento foi realizado. Os dados obtidos foram analisados através dos testes de Kruskal-Wallis e Dunn (p = 0,05). Foi observado que a resistência de união demonstrada em G1 e G3 foi superior à demonstrada em G2 e G4 (p < 0,05). Entre G1 e G3 e G2 e G4 não foram observadas diferenças estatisticamente significantes (p > 0,05). Este estudo concluiu que os antioxidantes não aumentaram a resistência a fratura entretanto, o ascorbato de sódio gel a 10% foi eficiente na formação de camada híbrida e aumento da força de união em dentes tratados endodonticamente e submetidos a clareamento dental com peróxido a 38%.
Mostrar mais

73 Ler mais

Eficácia de dois métodos de clareamento dental e sua influência sobre as propriedades físico-químicas e sobre a resistência à união de sistemas adesivos

Eficácia de dois métodos de clareamento dental e sua influência sobre as propriedades físico-químicas e sobre a resistência à união de sistemas adesivos

A avaliação do efeito de diferentes técnicas de clareamento dental na microdureza da superfície e sub-superfície do esmalte foram estudadas por Teixeira et al. (2004). Seis grupos foram testados, a saber: G1 Peróxido de Hidrogênio (PH) 6% (Crest Whitestrip); G2 PH 6,5% (Crest Professional Whitestrip); G3 PH 7,5% (Day White Execel 3); G4 PH 9,5% (Day White Excel 3); G5 PH 10% (Opalescence) e G6 sem tratamento. Nos grupos 1, 2, 3 e 4 os respectivos agentes clareadores eram aplicados por 30 min, duas vezes ao dia, enquanto no grupo 5, era aplicado por 6 h. Após as aplicações os espécimes eram lavados e estocados em saliva artificial, a 37ºC, sendo que estes procedimentos foram realizados por 14 dias. O teste de microdureza Knoop (KHN), para 50g de carga e 15 segundos, foi realizado no 1º, 7º e 14º dia na superfície dos espécimes (esmalte) e depois do 14º dia os espécimes foram seccionados para expor a subsuperfície do esmalte e, então, serem avaliados também pelo teste de KHN. Os autores não encontraram diferenças significativas nem entre os agentes clareadores, nem com o grupo controle em nenhum tempo testado, nem nas diferentes profundidades do esmalte testadas após 14 dias. Notaram uma tendência de aumento, para a maioria dos grupos, dos valores de KHN com o passar do tempo. Os autores sugeriram que os resultados encontrados nesta pesquisa tenham ocorrido em função da ação mineralizadora da saliva.
Mostrar mais

90 Ler mais

Composição para clareamento dental

Composição para clareamento dental

(57) COMPOSIÇÃO PARA CLAREAMENTO DENTAL. E descrita a invenção de uma composição para clareamento dental que compreende entre 6,0 a 38,0% de um agente clareador convencional associado a fosfatos inorgânicos ou orgânicos com ação anti-desmineralizante na concentração entre 0,1 a 10,0% e que, em contato com os minerais do esmalte, impedem a perda de cálcio e fosfato durante a ação clareadora, bem como a redução do fluxo de ions do substrato dental para o meio bucal, não causando sensibilidade dental temporária.

1 Ler mais

Clareamento dental com perôxido de hidrogênio contendo nano partículas de óxido de titânio como semicondutor: efeito de concentrações, tempos e formas de ativação

Clareamento dental com perôxido de hidrogênio contendo nano partículas de óxido de titânio como semicondutor: efeito de concentrações, tempos e formas de ativação

solução, estudaram o efeito da aplicação de luz no clareamento dental a fim de entender seu mecanismo de ação e a vantagem de sua utilização. Para tal, primeiramente quantificaram o coeficiente de absorbância de uma solução de café na concentração de 600 ml de água para 55g de pó. Esta foi dividida em recipientes contendo 0,8 ml de solução que, por sua vez, foram randomicamente distribuídos nos grupos experimentais G1 (LED azul), G2 (sem luz), G3 (LASER infravermelho próximo) e G4 (controle sem tratamento). Um feixe de laser de diodo, regulado para 5mW e 660 nm, foi colimado para incidir perpendicularmente a superfície lateral do recipiente a fim de atravessar padronizadamente a solução e incidir sobre os sensores de leitura. Com exceção do G4 todos os demais grupos receberam peróxido de hidrogênio a 35%. Os autores comprovaram o efeito da foto aceleração no processo de clareamento, validaram a metodologia utilizada como forma de mensuração da ação do peróxido sobre soluções pigmentadas e demonstraram que o clareamento dental, no estudo, foi um processo dependente da variação de temperatura e comprovaram ainda o efeito da fotocatalisação no processo de clareamento.
Mostrar mais

92 Ler mais

Avaliação dos efeitos causados por diferentes sistemas de clareamento dental sobre a estrutura superficial do esmalte e resina composta restauradora

Avaliação dos efeitos causados por diferentes sistemas de clareamento dental sobre a estrutura superficial do esmalte e resina composta restauradora

efeito de duas marcas comerciais de agentes clareadores à base de 10% PC a sobre a microdureza do esmalte dental, em função do tempo de clareamento. Os géis foram aplicados por 8 horas diárias durante 42 dias e durante o período restante os espécimes foram armazenados em uma solução remineralizadora similar à saliva humana. Foram realizados ensaios de microdureza Knoop antes e após 1, 7, 14, 21, 28, 35 e 42 dias de tratamento. Os valores de dureza obtidos demonstraram um aumento estatísticamente significante na microdureza dos fragmentos dentais tratados com um dos agentes clareadores, a partir do 7º dia de tratamento com um pico de dureza após 21 dias de tratamento, quando diminuiu, tornando-se similar ao grupo controle. O grupo controle permaneceu com a mesma média de dureza durante todo o experimento. O outro agente avaliado, cuja literatura indica ter um baixo pH, sofreu uma queda nos valores de microdureza, que foi estatisticamente significante a partir do 21º dia de tratamento em relação ao grupo controle. Os resultados sugeriram que o pH dos agentes clareadores pode influenciar na perda de mineral. Entretanto, pode-se esperar que in vivo essa perda de mineral não ocorra, ou mesmo seja menor em função da presença da saliva.
Mostrar mais

96 Ler mais

Eficácia de protocolo de clareamento dental de consultório em função do tempo de contato e uso de fotocatalização

Eficácia de protocolo de clareamento dental de consultório em função do tempo de contato e uso de fotocatalização

CL15),   e   o   grupo   4   recebeu   clareamento   e   foi   ativado   com   um   emissor   de   luz   de   diodo   (LED)  (By  White  Accelerator,  Ensodent)  de  acordo  com  as  recomendações  dos  fabricantes.   A   cor   foi   avaliada   com   um   guia   de   cores   Vita   guia   classical   (Vita   Zahnfabrik)   e   um   espectrofotômetro   digital   (Vita   EasyShade,   Vident).   A   cor   dos   dentes   foi   mensurada   no   baseline  e  1  semana  após  o  clareamento.  Os  efeitos  sobre  dentes  ou  gengiva  foi  medida   por  escala  visual  analógica.  Os  resultados  foram  analisados  estatisticamente,  por  meio  da   análise   de   variância   (ANOVA),   Kruskal-­‐Wallis   e   Mann-­‐Whitney   U   testes   com   correção   de   Bonferroni.   Não   houve   diferenças   significantes   de   cor   quando   mensuradas   pelo   método   visual   entre   os   quatro   grupos,   já   na   mensuração   com   o   espectrofotômetro,   houve   diferença  significativa.  Os  valores  de  mudança  de  cor  expressa  como  DL,  Da,  Δb,  DE  para  o   grupo   2   foi   significativamente   maior   do   que   os   dos   outros   grupos   (P   <0,05).   O   Grupo   2,   também   apresentou   clareamento     inferior   e     maior   pontuação   de   sensibilidade   gengival   em   relação   aos   demais   grupos.   (p   <0,05).   Clareamento   ativado   com   laser   de   diodo   foi   efetivo   igualmente   ,   mas   demonstrou   menor   sensibilidade   dental   e   irritação   gengival   do   que   os   outros   sistemas   de   clareamento.   Os   autores   concluíram   que   o   claremento   de   consultório   utilizados   com   ou   sem   luz,   conduziu   a   uma   alteração   de   cor.   Como   clareamento   com   laser   de   diodo   resultou   em   menor   sensibilidade   dental   e   irritação   gengival,  pode  ser  o  de  escolha  entre  os  sistemas  de  ativação  do  procedimento  clareador.  
Mostrar mais

104 Ler mais

Avaliação da rugosidade superficial e da alteração de cor do esmalte humano submetido ao clareamento dental e/ou refrigerante a base de cola, em função de escovação simulada

Avaliação da rugosidade superficial e da alteração de cor do esmalte humano submetido ao clareamento dental e/ou refrigerante a base de cola, em função de escovação simulada

Sabe-se que irregularidades na superfície do esmalte favorecem a retenção de manchas (LEE; POWERS 75 , 2005). O fato dos dentes terem sido aplainados nesta.. pesquisa pode ter levado a [r]

124 Ler mais

Short-Form 36, Escala de Autoestima Rosenberg-UNIFESP/EPM e Oral Health Impact Profile em pacientes submetidos ao clareamento dental

Short-Form 36, Escala de Autoestima Rosenberg-UNIFESP/EPM e Oral Health Impact Profile em pacientes submetidos ao clareamento dental

Eu, __________________________________, R.G.: ___________, autorizo, de livre e espontânea vontade, que seja feita documentação científica do meu caso clínico, para o protocolo “Qualidade de vida e auto- estima em pacientes submetidos ao clareamento de dentes vitais”, por meio de fotos e filmes. Permito, ainda, que a Dra. Milene Russo Brankovic, responsável pelo protocolo, faça uso dessa documentação para divulgação científica deste trabalho em congressos, simpósios, jornadas, bem como qualquer evento científico de interesse. Permito ainda a utilização desta documentação para publicação científica em revistas, jornais e periódicos, especializados no assunto desde que de forma impessoal e anônima sem qualquer ônus para a Dra. Milene Russo Brankovic.
Mostrar mais

81 Ler mais

Efeito da ativação química do gel de peróxido de carbamida a 10% no clareamento dental

Efeito da ativação química do gel de peróxido de carbamida a 10% no clareamento dental

Camargo et al. (2007), compararam a penetração do peróxido de hidrogênio a 38% na câmara pulpar de dentes humanos e bovinos submetidos ao clareamento pela técnica ambulatorial. Foram utilizados 140 dentes, sendo 70 terceiros molares humanos (grupo A) e 70 incisivos bovinos (grupo B). Os dentes foram subdivididos em A1 e B1 (restaurados com resina composta), A2 e B2 (restaurados com cimento de ionômero de vidro), A3 e B3 (restaurados com cimento de ionômero de vidro modificado por resina), A4, B4, A5 e B5 não foram restaurados. Uma solução tamponante de acetato foi colocada na câmara pulpar, e o agente de clareamento foi aplicado por 40 min, como se segue: A1-A4 e B1-B4, exposição ao peróxido de hidrogênio a 38% e A5 e B5, imersão em água destilada. A solução tampão foi transferida para um tubo de vidro com solução de leuco-cristal violeta e uma peroxidase foi adicionada, produzindo uma solução azul. A densidade óptica da solução azul foi determinada por espectrofotometria e convertida em microgramas equivalentes de peróxido de hidrogênio. Os resultados mostraram um alto nível de penetração de peróxido de hidrogênio na câmara pulpar de dentes bovinos e humanos no grupo restaurado por cimento de ionômero de vidro. A penetração dos agentes clareadores na câmara pulpar foi maior nos dentes humanos em todas as situações experimentais. Os autores concluíram que, a penetração dos agentes clareadores depende do material restaurador, e sob as condições do estudo, os dentes humanos foram mais susceptíveis à penetração dos agentes clareadores na câmara pulpar que os dentes bovinos.
Mostrar mais

107 Ler mais

Show all 2422 documents...