Compostos de rutênio

Top PDF Compostos de rutênio:

Compostos de metais de transição neuroativos: investigações fotoquímicas, fotofísicas, físico-químicas e citotoxicidade para drogas neuroativas em fase III

Compostos de metais de transição neuroativos: investigações fotoquímicas, fotofísicas, físico-químicas e citotoxicidade para drogas neuroativas em fase III

Existem três principais propriedades que fazem dos compostos de rutênio serem utilizados em aplicações medicinais 5,12 : a) velocidade de troca de ligantes; b) os estados de oxidação acessíveis e c) a habilidade do rutênio em mimetizar o ferro (Fe) nas ligações com determinadas moléculas biológicas. Exemplificando: a) Alguns complexos de Ru tem sido avaliados em aplicações clínicas, particularmente no tratamento de câncer devido, em parte, complexos de Ru(II) e Ru(III) terem uma cinética de troca de ligantes similar aos complexos de Pt(II). Estas trocas são importantes na atividade biológica podendo assim interagir melhor com macromoléculas, como as proteínas. b) O Ru possui estados de oxidação acessíveis [Ru(II), Ru(III) e Ru(IV)] em condições fisiológicas e, nestes estados, o centro metálico é predominantemente hexacoordenado essencialmente com geometria octaédrica. O potencial redox do complexo pode ser modificado pela variedade de ligantes coordenados. c) a baixa toxicidade de complexos de Ru com aplicação farmacológica está relacionada com a habilidade deste metal em mimetizar o metal Fe em ligações com macromoléculas do organismo, como a trasferrina e a albumina 5 .
Mostrar mais

120 Ler mais

Novos compostos de paládio e rutênio com atividade antitumoral

Novos compostos de paládio e rutênio com atividade antitumoral

O complexo de rutênio NAMI-A pertence a uma classe de compostos de rutênio sintetizados com o objetivo de, seletivamente, atingir a massa de um tumor sólido e somente ser ativado no microambiente tumoral, reduzindo a toxicidade para os tecidos normais. Quando foi testado sobre linhagens tumorais in vitro, mostrou-se pouco efetivo. Apesar desta baixa atividade in vitro, NAMI-A apresenta atividade antitumoral bastante significativa in vivo (Pluim et al, 2004). Em estudo clínico de fase I, observou-se que a infusão de NAMI-A (300mg/dia; cinco dias durante três semanas) mostrou-se segura para 24 pacientes com câncer de pequenas células progressivo de pulmão, sendo que um paciente permaneceu estável por 21 semanas (Rademaker-Lakhai et al, 2004). Este efeito antitumoral é atribuído a propriedades anti-metastáticas deste agente, que in vivo, demonstra efeito antiangiogênico pela inibição do fator de crescimento para células endoteliais (VEGF), que pode ser resultado da inativação do óxido nítrico (Vacca et al, 2002).
Mostrar mais

182 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE QUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE QUÍMICA

(4) Compostos de rutênio mostram baixa toxicidade em seres humanos, possivelmente devido à sua semelhança metabólica com ferro. A mimetização do ferro pelo rutênio por meio da ligação com biomoléculas como proteínas do soro (albumina e transferrina) contribui para diminuir a toxicidade dos seus compostos e transportar alguns antitumorais à base de rutênio de maneira seletiva em células cancerosas. Considerando que as células tumorais apresentam um requerimento nutricional elevado, favorecido pela angiogênese, isto promove um aumento do fluxo sanguíneo resultando numa maior captação de nutrientes e, consequentemente, em um aumento do número de receptores para transferrina. Sendo assim, em tecidos saudáveis, a concentração da droga será mais baixa e menos ofensiva (K EPPLER ET AL ., 1990; A LESSIO ET AL ., 2001; K OSTOVA , 2006).
Mostrar mais

106 Ler mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA INFLUÊNCIA DO HALETOPSEUDOHALETO NA CATÁLISE DE HIDROGENAÇÃO POR COMPLEXOS DO TIPO CIS- [RU(A)2 (DPPB)(N-N)]

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA INFLUÊNCIA DO HALETOPSEUDOHALETO NA CATÁLISE DE HIDROGENAÇÃO POR COMPLEXOS DO TIPO CIS- [RU(A)2 (DPPB)(N-N)]

Catálise homogênea por complexos de metais de transição tem se tornado uma das maiores ferramentas sintéticas nos processos laboratoriais e industriais nos últimos anos. O potencial de tais reações catalíticas reside no fato que muitas dessas reações são seletivas, possui baixa energia de ativação e elevadas taxas de conversão e seletividade. Entre esses, o rutênio tem recebido atenção especial, devido basicamente à sua versatilidade catalítica, baixo custo frente aos metais do grupo da platina e caráter único apresentado frente a um amplo conjunto de grupos funcionais, tornando os compostos de rutênio uma versátil classe de catalisadores para importantes transformações sintéticas na química orgânica 15,16 .
Mostrar mais

98 Ler mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

Wohnrath. O perfil voltamétrico para estes compostos foi semelhante ao da literatura e com valores de potenciais próximos entre eles (TABELA 4.5), com isso as atribuições dos processos, bem como a proposta do mecanismo redox (FIGURA 4.4) 1,4,69,71 , estão de acordo com a literatura. A FIGURA 4.5 mostra como exemplo o voltamograma cíclico e de pulso diferencial do complexo 5. Observa-se uma redução em torno de -0,06 V no primeiro ciclo. No segundo ciclo, observa-se a formação de dois processos de oxidação com Epa em torno de 0,46 e 0,59 V. Esse comportamento eletroquímico pode ser explicado considerando que, com a redução do RuIII/RuII, em -0,06 V (no primeiro ciclo), as espécies [Ru 2 Cl 5 (dppb) 2 ] (equação 2), [Ru 2 Cl 4 (dppb) 2 (L)]
Mostrar mais

139 Ler mais

Sintese e propriedades de novas porfirinas polimetaladas

Sintese e propriedades de novas porfirinas polimetaladas

quatro complexos de rutênio periféricos, os quais agem como fonte de elétrons, melhorando a eficiência catalitica por meio de interações supramoleculares... Typical [r]

137 Ler mais

síntese, caracterização e estudo de reatividade dos complexos cis[ru(bpy)2(4bzpy)no]3 e cis[ru(bpy)2(4bzpy)co]2 (onde bpy = 2,2’bipiridina e 4bzpy = 4).

síntese, caracterização e estudo de reatividade dos complexos cis[ru(bpy)2(4bzpy)no]3 e cis[ru(bpy)2(4bzpy)co]2 (onde bpy = 2,2’bipiridina e 4bzpy = 4).

Durante muito tempo o NO (óxido nítrico) foi conhecido apenas como um gás tóxico que em grandes concentrações causava danos à saúde. Entretanto, na década de 1980, estudos demonstraram sua participação em diversos processos fisiológicos, incluindo sua atividade como mediação do sistema nervoso central, relaxação da musculatura lisa, participação na capacidade do sistema imunológico de destruir células tumorais e parasitas intracelulares, adesão e agregação plaquetária. Ao que tudo indica, o NO não está sozinho nesses processos biológicos. Recentemente o CO (monóxido de carbono) vem surgindo como uma importante molécula sinalizadora em vários destes processos. Apesar dos efeitos benéficos, é importante alertar para o perigo do tratamento direto com NO ou CO gasosos, uma vez que é difícil determinar até que ponto estes gases são terapêuticos, sem provocar efeitos tóxicos. Esse fato estimulou, recentemente, o estudo de alguns complexos metálicos capazes de liberar NO ou CO de forma controlada. Assim, neste trabalho realizou-se a síntese, caracterização e avaliação de compostos do tipo cis -[Ru(bpy) 2 (4-bzpy)NO](PF 6 ) 3 e cis -[Ru(bpy) 2 (4-
Mostrar mais

96 Ler mais

Avaliação toxicogenética e atividade antitumoral in vitro de complexos heterolépticos de Rutênio(II): Atividades citotóxicas, genotóxicas e interação com biomoléculas

Avaliação toxicogenética e atividade antitumoral in vitro de complexos heterolépticos de Rutênio(II): Atividades citotóxicas, genotóxicas e interação com biomoléculas

Os ensaios de toxicologia genética são utilizados como base no desenvolvimento de novos fármacos, uma vez que podem identificar rapidamente agentes que causam danos ao material genético. Agências regulatórias preconizam a utilização de ensaios que identificam danos genotóxicos, de forma que possam servir como triagem de processos que levam à carcinogênese. Na busca por novos fármacos, a química inorgânica medicinal representa um campo de grande promessa, com potencial de expansão devido a diversidade química e reatividade dos metais. Especialmente, os complexos de rutênio, têm recebido destaque no tratamento de doenças como o câncer e a tuberculose multi-droga resistente (TB-MDR). Neste contexto, este trabalho teve como objetivo, avaliar os efeitos toxicogenéticos e antitumorais de três complexos de rutênio(II), com promissora atividade anti-TB-MDR, denominados de SCAR 4, SCAR 5 e SCAR 6 e, diante da importância do conhecimento farmacocinético de novos fármacos, outro objetivo foi avaliar a permeabilidade in vitro desses complexos. A avaliação toxicogenética foi realizada por meio dos ensaios de mutação gênica reversa com Salmonella typhimurium (Teste de Ames) e pelo ensaio do micronúcleo citoma com bloqueio da citocinese (CBMN-cit) em ausência e em presença do sistema de metabolização. Ensaios de sobrevivência clonogênica foram utilizados para avaliar a viabilidade das células CHO-K1 e HepG2, utilizadas no ensaio do CBMN-cit. A avaliação da atividade antitumoral foi investigada por meio de ensaios de citotoxicidade frente às linhagens tumorais humanas Caco-2, DU-145, HeLa, HepG2 e MDA-MB-231, pela capacidade de inibição da topoisomerase I humana (Top IB) e por ensaios físico-químicos de interação com o calf thymus DNA (ct-DNA). A permeabilidade foi analisada por meio do ensaio in vitro
Mostrar mais

100 Ler mais

Efeitos de promotores no desempenho catalítico do cobalto suportado em nanofibras...

Efeitos de promotores no desempenho catalítico do cobalto suportado em nanofibras...

A síntese de Fischer-Tropsch a baixas temperaturas, geralmente conduzidas entre 200°C e 240°C, usando ferro ou cobalto como catalisador, é mais aplicada à produção de hidrocarbonetos de cadeias longas, favorecendo a formação de frações líquidas e sólidas (graxas). A temperatura, neste caso, depende do tipo de catalisador usado (Fe ou Co), mas sempre inferior a 250°C, a fim de minimizar a produção de metano e maximizar a seletividade em hidrocarbonetos de cadeias mais longas. O processo LTFT favorece a produção de óleo diesel, sendo este de alta qualidade e com baixíssimas quantidades de impurezas. Além disso, os hidrocarbonetos produzidos pela síntese de Fischer- Tropsch apresentam alta linearidade e, consequentemente, a fração diesel tem número de cetano elevado, de aproximadamente 75. Atualmente, o número de cetano para o diesel, exigido pelo mercado norte americano, é 40 (DRY, 1999). Testes realizados com óleo diesel produzido pelo processo SASOL (Suid Afrikaanse Steenkool en Olie - Carvão e Óleo Sul-Africanos) mostraram que este é biodegradável. Os compostos aromáticos ficaram em torno de 2%, em massa, contra 32% do diesel combustível utilizado nos USA (SCHWABERG et al., 1998).
Mostrar mais

90 Ler mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

Na natureza, as enzimas mononucleares de ferro não-heme executam uma variedade de funções biológicas importantes para manter o ciclo do carbono. Biodegradação de ocorrência natural de moléculas aromáticas por bactérias do solo envolve a clivagem oxidativa de catecol e outros di-hidroxi-aromáticos, que são fontes de carbono para seu crescimento (QUE & HO, 1996; SOLOMON et al., 2000). Entre eles está a família de enzimas mononucleares não-heme catecol dioxigenases, os quais catalisam a clivagem oxidativa de catecol ou seus derivados, com inserção de ambos os átomos de oxigênio do dioxigênio no anel aromático do substrato e convertem os compostos aromáticos em compostos alifáticos. Enzimas catecol dioxigenase podem ser classificadas em dois tipos, catecol dioxigenase intradiol que utiliza um centro de ferro(III) não-heme para catalisar a clivagem da ligação carbono-carbono entre os dois grupos hidroxila formando um anidrido mucônico e catecol dioxigenase extradiol, que utiliza um centro de ferro(II) não-heme para catalisar a clivagem da ligação carbono-carbono adjacente aos dois grupos hidroxila para formar 2-hidroximucônico semialdeído como produto (COSTAS et al., 2004; ABU-OMAR et al., 2005; BRUIJNINCX et al., 2007; SANKARALINGAM et al., 2014; BALAMURUGAN et al., 2014).
Mostrar mais

112 Ler mais

Modificação da MOF UiO-67 pelo complexo de rutênio

Modificação da MOF UiO-67 pelo complexo de rutênio

aproximam a base de Schiff coordenada ao rutênio dos ligantes 4,4’-bisfenildicarboxilicos (BPDC) que conectam os clusters de zircônio, favorecendo as interações das nuvens eletrônicas dos anéis aromáticos desses ligantes. As interações π -π dos ligantes ENAPY – BPDC, por efeito indutivo de corrente de anel, diminuem a densidade eletrônica ao redor do centro metálico, estabilizando os níveis dπ do rutênio(II) e, consequentemente, deslocando a banda MLCT do complexo de rutênio.

7 Ler mais

Síntese e caracterizacão de novos  de complexos polipiridínicos de rutênio

Síntese e caracterizacão de novos de complexos polipiridínicos de rutênio

Estudos de interação de DNA com complexos polipiridínicos de rutênio (II) tem sido o foco em muitos grupos de pesquisa em bioinorgânica 51-53 . Complexos polipiridínicos de rutênio possuem excelentes propriedades fotofísicas e redox, baixa toxicidade e maior eficácia frente a tumores primários. Todas essas características torna viável seu uso como drogas contra o câncer 53 . Na quebra de DNA fotoinduzida ativada por complexos polipiridínicos de rutênio (II), onde nenhuma reação química direta (tal como transferência de elétrons) ocorre entre complexo e DNA, a espécie 1 O 2 é gerada através de transferência de energia do estado 3 MLCT dos complexos. Acredita-se que esse processo inicia a quebra da fita de DNA 54,55 .
Mostrar mais

79 Ler mais

Estudo de um complexo trinuclear de rutênio como potencial liberador de óxido ní...

Estudo de um complexo trinuclear de rutênio como potencial liberador de óxido ní...

Compostos como NAMI-A (imidazolium trans-[tetrachloro (dimethylsulfoxide) (1H-imidazole)ruthenate(III)]) e KP1019 (indazolium trans-[tetrachlorobis(1H- indazole) ruthenate(III)]), são exemplos de complexos de rutênio que estão em fase de testes clínicos para o tratamento de câncer. Outro exemplo de aplicação para complexos de rutênio é no tratamento de pessoas com tuberculose. O tratamento convencional além de ser longo e caro, apresenta efeitos colaterais severos e a bactéria responsável pela doença tem demonstrado resistência. Desse modo, pesquisas estão sendo desenvolvidas para encontrar um tratamento alternativo. Compostos a base de rutênio e ouro têm sido estudados e se mostraram bastante promissores, quando comparados a drogas já utilizadas nesse tratamento (NASCIMENTO, et al., 2008; PAVAN et al., 2010, 2011; SANTOS, et al., 2013).
Mostrar mais

125 Ler mais

Síntese e caracterização de novos corantes  de células solares

Síntese e caracterização de novos corantes de células solares

O aumento da demanda energética mundial têm impulsionado o desenvolvimento de fontes alternativas de energia renováveis, como as células solares sensibilizadas por corantes (DSSCs). Na tentativa de contribuir para esse propósito, quatro novos complexos bipiridínicos de rutênio, contendo ligantes quinonóides substituídos foram sintetizados e caracterizados para utilização como corantes sensibilizadores eficientes em DSSCs. Os complexos foram purificados por meio do uso de técnicas cromatográficas e caracterizados por meio do uso de técnicas espectroscópicas. Os resultados de UV-vis obtidos experimentalmente foram comparados com os obtidos a partir de estudos de DFT. Os espectros de UV-vis dos compostos apresentaram bandas em aproximadamente 524 nm, atribuídas a transições do tipo MLCT. A investigação teórica dos complexos sintetizados neste trabalho confirma que as bandas observadas nos espectros de UV-vis dos compostos são similares às observadas experimentalmente, sugerindo que as bases utilizadas nos cálculos de DFT são capazes de descrever o perfil eletrônico dos complexos. Os espectros vibracionais na região do infravermelho exibiram bandas características da presença de ligantes bipiridínicos e quinonóides. Os espectros de RMN de 1 H e COSY
Mostrar mais

66 Ler mais

ELETRODO MODIFICADO COM HEXACIANOFERRATO DE ÓXIDO DE RUTÊNIO PARAA DETECÇÃO SELETIVA DE SULFITO”

ELETRODO MODIFICADO COM HEXACIANOFERRATO DE ÓXIDO DE RUTÊNIO PARAA DETECÇÃO SELETIVA DE SULFITO”

Foram realizadas adições de sulfito em batelada utilizando meio ácido, e primeiramente, foi feita uma comparação nas respostas obtidas com CV puro e CV modificado com RuOHCF. O eletrodo modificado com RuOHCF não é compatível com soluções alcalinas e mesmo em soluções com pH 4,0, devido à formação de óxido de rutênio e instabilidade do filme sob o eletrodo. Este efeito também foi observado com eletrodos modificados com AP, onde ocorre a formação de óxidos de ferro levando à remoção do filme em solução com pH maior que 7,0. Foram analisadas as correntes de picos e os deslocamentos de potencial. Em nenhuma análise houve a necessidade de remover O 2 da solução, pois foram realizados alguns estudos com e sem O 2 em solução
Mostrar mais

93 Ler mais

Interaction of ruthenium complex with bovine serum albumin for amperometric detection of ascorbic acid.

Interaction of ruthenium complex with bovine serum albumin for amperometric detection of ascorbic acid.

Nas condições experimentais deste trabalho, a BSA apresentou uma banda relativamente intensa e larga na região de 350 nm, quando excitada em 280 nm. A adição de alíquotas de solução do complexo de rutênio levou a uma diminuição gradativa da intensidade dessa banda, conforme ilustrado na Figura 2. Esta variação de intensidade é atribuída às mudanças conformacionais do microambiente proteico próximo aos resíduos de aminoácidos, em especial, aos fragmentos de triptofano.

7 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA JUNAI CARVALHO DE SOUZA LOPES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA JUNAI CARVALHO DE SOUZA LOPES

A oportunidade de explorar alternativas de ação antitumoral com centros metálicos diferentes da platina sugere vantagens por oferecerem características como sítios adicionais de coordenação, especialmente pelos complexos octaédricos e alterações na afinidade do ligante pelo metal (CLARKE, ZHU, FRASCA, 1999). Dessa forma, ampliam-se as possibilidades de que novos medicamentos possam ser desenvolvidos e estimulam-se pesquisas com diferentes metais de transição. Dentre esses metais, os de rutênio têm se destacado, principalmente, por características que serão descritas a seguir.
Mostrar mais

96 Ler mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

congelada foi utilizada no início do ensaio na concentração de 10 5 UFC/mL para que no final do experimento fosse obtido população de 10 7 UFC/mL. 100 μL da diluição de 10 5 UFC/mL foi inoculada em cada um dos orifícios contendo os compostos em análise e a isoniazida. A microplaca foi selada com parafilme e incubada a 37 ºC. Após 6 dias de incubação foi adicionado no orifício de controle de cepa microbacteriana e no orifício de controle de meio um volume de 30 μL da resazurina 0,01 % diluída em água estéril. A microplaca foi reincubada a 37 ºC por 24 h, após isso foi realizada a leitura visual. Obtendo-se o desenvolvimento de cor rósea no orifício controle de cepa bacteriana, foram adicionados 30 μL da solução da resazurina nos demais orifícios, sendo as microplacas reincubadas a 37 ºC por 24 h (Figura 3.6). Em caso de não haver mudança para cor rósea, a placa era incubada por mais 24 h. Após este período, foi realizada leitura final baseada na interpretação da fluorescência no leitor de microplacas SpectraFluor Plus (TECAN), onde utilizou- se filtros de excitação e emissão nos comprimentos de onda de 530 e 590 nm, respectivamente.
Mostrar mais

333 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA ANALÍTICA E FÍSICO-QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA ADRIANO FREITAS DE SOUSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA ANALÍTICA E FÍSICO-QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA ADRIANO FREITAS DE SOUSA

Especificamente para catalisadores monometálicos de rutênio que é um dos catalisadores mais ativos em reações de hidrogenação, JAE, et al., (2014) estudando a reação de hidrodeoxigenacão do HMF para DMF sobre catalisadores de óxido de rutênio, observaram através de técnicas como DRX, TEM, XPS, XANES, que o processo de desativação tinha relação com a mudança no estado de oxidação das amostras. Ao misturar óxido de rutênio (sítios ácidos de Lewis) com rutênio reduzido (sítios metálicos) perceberam um grande aumento no rendimento de DMF (10% no catalisador oxidado, 30% no catalisador reduzido, para 70% na amostra levemente oxidada), mantendo a taxa de conversão de HMF. Os autores sugerem que o Ru metálico e o óxido (RuO 2 ) estejam atuando em sinergia para a
Mostrar mais

101 Ler mais

Complexos de platina e rutênio candidatos ao tratamento da doença de Chagas.

Complexos de platina e rutênio candidatos ao tratamento da doença de Chagas.

aos demais complexos testados durante o experimento (FARRELL et al., 1984). Os primeiros relatos do uso de metais de transição no tratamento da DCH foram mencionados por Brener, ao utilizar sais de ouro, cobre e zinco em ensaios empíricos realizados na fase II (BRENER et al., 1993). Como mencionado anteriormente, a partir da década de 1980, alguns complexos antitumorais foram utilizados como tripanocidas, especialmente compostos de platina (SANCHEZ- DELGADO, ANZELLOTTI, 2004). Dentre os compostos de platina (II) mais promissores, podemos destacar os derivados terpiridínicos (2,2':6'2''-terpiridina) e pentamidínicos, os quais foram eficazes in vitro contra as formas amastigotas e tripomastigotas do T. cruzi (LOWE et al., 1999).
Mostrar mais

17 Ler mais

Show all 7635 documents...