controle inadequado da pressão arterial

Top PDF controle inadequado da pressão arterial:

Controle inadequado da pressão arterial em pacientes com diabete melito tipo 2.

Controle inadequado da pressão arterial em pacientes com diabete melito tipo 2.

A maior parte dos pacientes ambulatoriais com DM tipo 2 e HAS apresentam níveis inadequados de PA, mesmo quando atendidos em um centro especializado de um hospital terciário. Além de níveis elevados de PA, esses pacientes apresentam maior prevalência de outros fatores de risco cardiovascular e aparente utilização de um número menor de medicamentos anti-hipertensivos do que o esperado. Maior atenção deveria ser destinada para o controle adequado da PA, incluindo medidas que favoreçam maior adesão ao tratamento, como por exemplo, diminuição da frequência de administração das medicações, evitando mais que três doses por dia e utilização de associações de medicamentos em uma única pílula. Da mesma maneira, estudos prospectivos investigando as causas da ineficiência do tratamento devem ser realizados.
Mostrar mais

5 Ler mais

Fatores associados ao inadequado controle da pressão arterial de adultos hipertensos assistidos pelo Programa Médico de Família de Niterói, RJ

Fatores associados ao inadequado controle da pressão arterial de adultos hipertensos assistidos pelo Programa Médico de Família de Niterói, RJ

A Hipertensão Arterial Sistêmica é uma doença multifatorial e consiste em um dos principais fatores de risco para doenças cardiovasculares. É um problema de saúde pública e sua prevalência é elevada em todo o mundo. Apesar da evolução do tratamento anti- hipertensivo, as taxas de controle permanecem baixas. O objetivo deste estudo foi verificar os fatores associados ao controle inadequado da pressão arterial de hipertensos em tratamento medicamentoso assistidos pelo Programa Médico de Família de Niterói, particularmente o fator dietético. Trata-se de um estudo transversal. Foi aplicado questionário padronizado contendo questões relacionadas a características demográficas, socioeconômicas, comorbidades, estilo de vida, bem como Questionário de Freqüência Alimentar Semiquantitativo validado, adicionados de 11 perguntas qualitativas, para investigação dos hábitos alimentares. Os itens alimentares foram reunidos em 16 grupos de alimentos. Foi realizada consulta médica, mensuração da pressão arterial, coleta de sangue e urina e avaliação antropométrica e nutricional. Foi realizada análise bivariada para obtenção de razões de prevalência (RP) brutas. Foram consideradas associadas aquelas que apresentaram valores de p<0,10, e foram inseridas em modelos para análise multivariada. O presente estudo investigou 239 hipertensos em tratamento medicamentoso com 20 anos ou mais, sendo 126 (52,7%) mulheres e 113 (47,3%) homens. Indivíduos brancos (RP=1,28; IC95%=1,00- 1,65), sem companheiro (RP=1,42; IC95%=0,98-2,05), inativos fisicamente (RP=1,41; IC95%=1,02-1,96), obesos (RP=1,32; IC95%=1,04-1,68), com glicemia (RP=1,31; IC95%=0,99-1,72), e creatinina elevadas (RP=1,44; IC95%=1,02-2,04), mostraram-se associados significativamente com o controle inadequado da pressão arterial, com valores de p<0,10
Mostrar mais

143 Ler mais

Controle da Pressão Arterial em Hipertensos do Programa Hiperdia: Estudo de Base Territorial.

Controle da Pressão Arterial em Hipertensos do Programa Hiperdia: Estudo de Base Territorial.

Resultados: A média de idade foi de 63 ± 10 anos, sendo a maioria mulheres, pertencentes à classe C, com baixa escolaridade, sedentários e com histórico familiar para HAS. O diabetes melito (DM) estava presente em 31%, a adesão ao tratamento anti-hipertensivo era de 54,3%, e 33,7% estavam com pressão arterial controlada. O DM mostrou-se fortemente associado com o controle inadequado da PA, com 15,7% dos diabéticos com PA considerada controlada. Conclusão: Mesmo com o cadastro no Programa Hiperdia, o controle da PA nos hipertensos não é satisfatoriamente alcançado e mantido, sendo os hipertensos diabéticos os que apresentam o controle mais inadequado. (Arq Bras Cardiol. 2014; 102(6):571-578)
Mostrar mais

8 Ler mais

A monitorização residencial da pressão arterial e o controle de um grupo de hipertensos.

A monitorização residencial da pressão arterial e o controle de um grupo de hipertensos.

têm mostrado fragilidades no conhecimento da equipe de enfermagem que envolve a assistência aos hipertensos. Os erros relacionados ao observador estão ligados a po- sição incorreta dos olhos, ao arredondamento dos valo- res para dígitos terminados em zero ou cinco, a pressão excessiva do estetoscópio deformando a artéria, inlar ex- cessivamente o manguito provocando dor ou delacionar rapidamente, mãos e equipamentos gelados, ideniica- ção incorreta dos sons sistólico e diastólico e a interação incorreta com o paciente. Para uma aferição idedigna, o equipamento deverá estar calibrado, a relação entre o ta- manho do manguito e o braço do paciente deverá estar adequada, caso contrário, na uilização de um manguito inadequado, pode acarretar valores subesimados ou su-
Mostrar mais

7 Ler mais

Conformidade da Prescrição Anti-Hipertensiva e Controle da Pressão Arterial na Atenção Básica

Conformidade da Prescrição Anti-Hipertensiva e Controle da Pressão Arterial na Atenção Básica

Com relação ao controle da PA, verificou-se que 44,9% dos pacientes apresentaram níveis de PA dentro da meta de níveis < 140/90 mmHg . Obviamente, houve menores taxas de controle da PA quando se reduziu a meta para < 130/80 mmHg nos hipertensos diabéticos. Uma pesquisa norte-americana 35 mostrou uma estimativa de controle pressórico de 50,1% em 2008. Por outro lado, um estudo com 5.023 adultos em 2003 em Portugal revelou controle pressórico em apenas 11,2% dos pacientes, 36 enquanto um estudo com mais de 120.000 pacientes entre 2005 e 2011 na Itália evidenciou uma taxa de controle de 33,6%. 37 Já no Canadá em 2009, o percentual de hipertensos com PA< 140/90 mmHg foi de 64,6%. 38 Os níveis de controle pressórico encontrados no presente estudo são compatíveis com outros estudos brasileiros. 8 Uma revisão recente mostrou grande variação nas taxas de conhecimento (22% a 77%), tratamento (11,4% a 77,5%) e controle (10,1% a 35,5%) da PA, dependendo da população estudada. 39 Cabe ressaltar que dentre todos os estudos de controle pressórico citados, apenas dois estudos brasileiros 8 incluíram participantes na faixa etária acima dos 45 anos, como no presente estudo. Sabendo-se que a manutenção da PA< 140/90 mmHg é mais difícil em idades mais avançadas, pode-se dizer que neste estudo a frequência de controle da PA atingiu valores próximos aos maiores já relatados no Brasil, apesar de ter estado abaixo de 50%.
Mostrar mais

8 Ler mais

Controle da Pressão Arterial e Fatores Associados em um Serviço Multidisciplinar de Tratamento da Hipertensão

Controle da Pressão Arterial e Fatores Associados em um Serviço Multidisciplinar de Tratamento da Hipertensão

A análise estatística foi realizada utilizando-se o programa STATA V14 (StataCorp., College Station, Texas, USA). O teste de Kolmogorov-Smirnov foi usado e confirmou que as variáveis contínuas apresentaram distribuição normal. As variáveis contínuas foram apresentadas em média e desvio padrão, e as variáveis categóricas em número e porcentagem. O teste t não pareado foi usado para comparar as variáveis contínuas e o teste do qui-quadrado para comparar as variáveis categóricas. O modelo de regressão logística foi construído para identificar variáveis com associação independente com o controle da pressão sanguínea. Diabetes, idade ≥ 60 anos, sexo feminino, consumo de bebida alcoólica, tabagismo, sedentarismo, tratamento medicamentoso, IMC, e tempo total de acompanhamento (anos) foram usados como preditores no modelo. O nível de significância adotado foi p<0.05. Resultados
Mostrar mais

8 Ler mais

Determinantes da Pressão Arterial Elevada em Crianças: um Estudo de Caso-controle em Vitória-es

Determinantes da Pressão Arterial Elevada em Crianças: um Estudo de Caso-controle em Vitória-es

A Hipertensão Arterial (HA) se constitui em um dos maiores problemas de saúde pública em todo mundo pelo seu forte impacto na morbi-mortalidade cardiovascular. Estudos clínicos e epidemiológicos têm demonstrado que a HA tem alcançado fases precoces da vida e subsidiam a hipótese de que a elevação da pressão arterial realmente começa na infância. Diferentemente do adulto, no qual os determinantes para o desenvolvimento da HA estão bem estabelecidos, em crianças são pouco compreendidos e, por vezes, conflitantes nos diversos estudos presentes na literatura. Este trabalho teve como objetivo identificar fatores preditores da ocorrência da pressão arterial elevada em crianças de 7 a 10 anos. Foi realizado um estudo do tipo caso-controle a partir de uma amostra representativa de crianças de 7 a 10 anos da cidade de Vitória/ES. O grupo de casos foi constituído por 159 crianças com pressão arterial elevada (PA sistólica ou PA diastólica acima ou igual ao percentil 95) e o de controles por 636 crianças com PA em níveis normais (PA abaixo do percentil 90), perfazendo um total de 795 crianças. Foi realizado pareamento das crianças por idade e sexo. Foram estudadas variáveis sócio- demográficas (raça/cor, tipo de escola, classificação socioeconômica e escolaridade da mãe) e referentes às crianças (excesso de peso, peso ao nascer, idade gestacional, aleitamento materno exclusivo, tempo em atividades físicas sedentárias, tempo diário de atividade física, número de horas de sono por dia e exposição ao tabaco). Diferenças significativas entre casos e controles foram observadas para idade gestacional (RC= 1,8 IC 95% 1,0–3,0; p=0,038), tipo de escola (RC= 1,9
Mostrar mais

81 Ler mais

Conformidade da Prescrição Anti-Hipertensiva e Controle da Pressão Arterial na Atenção Básica

Conformidade da Prescrição Anti-Hipertensiva e Controle da Pressão Arterial na Atenção Básica

The aim of this study was to assess the quality of care of hypertensive patients aged 45 to 99 years enrolled in the Family Doctor Program (Programa Médico de Família, PMF) in Niterói[r]

8 Ler mais

Controle da Pressão Arterial em Hipertensos do Programa Hiperdia: Estudo de Base Territorial

Controle da Pressão Arterial em Hipertensos do Programa Hiperdia: Estudo de Base Territorial

Thus, the objective of this study is to describe the epidemiological profile of and to evaluate blood pressure control in patients enrolled in the Hiperdia Program, analyzing their as[r]

8 Ler mais

Relação entre a assiduidade às consultas ambulatoriais e o controle da pressão arterial em pacientes hipertensos.

Relação entre a assiduidade às consultas ambulatoriais e o controle da pressão arterial em pacientes hipertensos.

A total of 245 medical records from patients followed up at the Unidade Clínica de Hipertensão Arterial (Clinical Unit of Arterial Hypertension) HCFMRP-USP for a period of one year were randomly and retrospectively reviewed. The patients were classified as assiduous (A) and as regularly absent to scheduled appointments (F), with the second group being defined as those who failed to appear longer than 30 days after the scheduled appointment. The mean of three measurements prior to the date of the scheduled appointment was calculated to determine the rate of patients with controlled BP. Compliance with the treatment was inferred through a questionnaire applied by the nurse team before the appointment.
Mostrar mais

5 Ler mais

Controle da Pressão Arterial e Fatores Associados em um Serviço Multidisciplinar de Tratamento da Hipertensão

Controle da Pressão Arterial e Fatores Associados em um Serviço Multidisciplinar de Tratamento da Hipertensão

10. Carter BL, Rogers M, Daly J, Zheng S, James PA. The potency of team-based care interventions for hypertension. Arch Intern Med. 2009;169(19):1748-55. 11. Malachias MVB, Franco RJ, Forjaz CLM, Pierin AMG, Gowdak MMG, Klein MRST, et al. 7th Brazilian Guideline of Arterial Hypertension: chapter 6 - non- pharmacological treatment. Arq Bras Cardiol. 2016;107(3 supl 3):30-4. 12. Leung AA, Nerenberg K, Daskalopoulou SS, McBrien K, Zarnke KB,

8 Ler mais

Controlador preditivo generalizado multi-modelo aplicado ao controle de pressão arterial

Controlador preditivo generalizado multi-modelo aplicado ao controle de pressão arterial

Em 1990, James Martin apresentou em seu trabalho [Martin et al. 1992] uma aborda- gem dual para controle adaptativo da pressão arterial utilizando o nitroprussiato de sódio. Para evitar possíveis reações excessivas, mantendo, ao mesmo tempo, uma boa resposta ao degrau. Um controlador adaptativo agressivo foi desenvolvido para alcançar a resposta ao degrau desejada, e um supervisor foi desenvolvido em torno do controlador para limitar reações excessivas na presença de pertubações. Este supervisor foi capaz de desempenhar diversas funções, como por exemplo, modificar ganhos do controlador, limitar taxas de infusão e taxas de variação de infusão, parar/iniciar a adaptação e manter a taxa de infu- são constante. Foram realizadas simulações para demonstrar o desenvolvimento de um supervisor especificamente concebido para um controlador adaptativo multi-modelo. Em todas as simulações o supervisor limitou as reações excessivas do controlador na presença de grandes pertubações. Os autores destacam, que esta técnica pode também ser aplicada a outros sistemas em malha fechada, como dopamina e débito cardíaco, e que mostra-se promissora para controle multi-variável. Os autores continuaram desenvolvendo a téc- nica do SAC (supervisory adaptive control), levando-a para o cenário clínico [Martin et al. 1982].
Mostrar mais

61 Ler mais

Avaliação do controle da pressão arterial de indivíduos acompanhados por um serviço de atenção psicossocial

Avaliação do controle da pressão arterial de indivíduos acompanhados por um serviço de atenção psicossocial

controle da pressão arterial durante os atendimentos na unidade ........................................ 37 Tabela 5 - Distribuição de dados quanto às anotações referentes ao peso, altura e IMC .... 38 Tabela 6 - Classificação do IMC segundo a OMS .............................................................. 39 Tabela 7 Distribuição de respostas positivas quanto ao uso de álcool, tabaco e outras

13 Ler mais

Controle da pressão arterial em idosas hipertensas em uma Unidade de Saúde da Família e fatores associados.

Controle da pressão arterial em idosas hipertensas em uma Unidade de Saúde da Família e fatores associados.

Para apresentar as características das pacientes e os valores da PA foram realizadas estatísticas descritivas. Para análise estatística, a comparação entre as médias das pressões sistólica e diastólica entre as pacientes com PA controlada e não controlada foram realizadas pelo Teste de Mann Whitney após análise de histogramas e Teste de Kolmogorov-Smirnov para verificação de gaussianidade. Calculou-se a razão de prevalência e o intervalo de confiança de 95% para o controle ou não da PA, segundo a associação das variáveis sociodemográficas, clínicas, de tratamento e comorbidades. As análises multivariadas foram conduzidas por meio de regressão logística, para identificar as possíveis variáveis associadas. Foram incluídas no modelo as variáveis com valor de p < 0,20 na análise bivariada, calculando-se odds ratio e respectivos intervalos de confiança de 95%. Os dados foram processados no banco de dados Excel 2010. A análise estatística foi realizada com auxílio do programa Statistical Package for Social Science, versão 16.0. O nível de significância utilizado foi de 5%. O protocolo de pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual de Ponta Grossa sob número 282.640.
Mostrar mais

7 Ler mais

Adesão ao tratamento e controle da pressão arterial por meio da monitoração ambulatorial de 24 horas.

Adesão ao tratamento e controle da pressão arterial por meio da monitoração ambulatorial de 24 horas.

Para estimar a concordância entre os dois métodos de aferição da PA, foi considerada uma probabilidade de controle da PA de 30% e 10%, respectivamente, para a MAPA e a medida convencional. O intervalo de confiança foi de 95% e o poder de 80%. O tamanho estimado da amostra foi de 142 pacientes. A amostra foi considerada representativa do serviço de APS do município de Antônio Prado (RS) por ter sido selecionada de maneira aleatória nos dois postos de saúde que possuem ambulatórios do Programa Hiperdia de um total de 646 pacientes cadastrados nesse sistema.

7 Ler mais

A pressão arterial está sendo medida?.

A pressão arterial está sendo medida?.

Considerando os resultados da presente investigação reforça-se o fato de que a pressão arterial está sendo medida numa parcela muito pequena da população. Apesar da amostra incluir prontuários da Liga de Hipertensão, nos quais necessariamente devem ser incluídos dados da medida da pressão arterial. Este fato é preocupante, dada a relevância que acompanha o tema, o alto índice de morbi-mortalidade por doenças cardiocirculatórias e correlação direta com hipertensão arterial e conhecendo-se os prejuízos que esta doença traz, tanto em qualidade de vida quanto em custo sócio- econômico para o país e para a população. Conhecendo- se hoje os métodos, farmacológico e não farmacológico, para o tratamento da hipertensão; a importância e os benefícios do diagnóstico precoce; e a relativa facilidade em executar a medida da pressão arterial, os dados aqui apresentados merecem atenção de todos os profissionais da área da saúde.
Mostrar mais

7 Ler mais

O óxido nítrico (NO) no controle neural da pressão arterial: Modulação da transmissão glutamatérgica no NTS

O óxido nítrico (NO) no controle neural da pressão arterial: Modulação da transmissão glutamatérgica no NTS

RESUMO: O efeito neuromodulatório do óxido nítrico (NO) sobre a transmissão glutamatér- gica no NTS relacionado ao controle cardiovascular tem sido bastante investigado. A ativação de receptores glutamatérgicos no NTS estimula a produção e liberação de NO e outras substâncias nitrosotióis de propriedades neurotransmissoras/neuromoduladoras. A presença da enzima NOS, incluindo a proteína NOS neuronal (nNOS) e seu mRNA nos terminais das aferências vagais no NTS, além de células do gânglio nodoso sugerem que o NO possa atuar na transmissão gluta- matérgica. Nossos estudos mostraram que a aplicação iontoforética do inibidor da NOS (L- NAME) em neurônios do NTS que respondem à estimulação das aferências vagais diminuiu significantemente o número de potenciais de ação causados pela aplicação iontoforética de AMPA. Em contrapartida, a iontoforese do doador de NO (papaNONOate) aumentou significante- mente os disparos espontâneos e o número de potenciais de ação causados pela aplicação iontoforética de AMPA, sugerindo uma facilitação pelo NO da transmissão neuronal mediada pelos receptores AMPA no NTS. As alterações da atividade nervosa simpática renal causadas pela ativação dos barorreceptores e dos receptores cardiopulmonares envolvem a estimulação dos receptores AMPA e NMDA no NTS, e estas respostas são atenuadas pela microinjeção de L-NAME no NTS de ratos anestesiados e não anestesiados. As respostas cardiovasculares obtidas com a aplicação de NO no NTS são muito similares àquelas obtidas após a estimulação das aferências vagais, e o L-glutamato é o principal neurotransmissor dessas aferências. Nesta revisão nós buscamos discutir os possíveis mecanismos neuromodulatórios do NO formado e liberado centralmente sobre a tranmissão glutamatérgica no NTS.
Mostrar mais

14 Ler mais

Adesão ao tratamento e controle da pressão arterial por meio da monitoração ambulatorial de 24 horas

Adesão ao tratamento e controle da pressão arterial por meio da monitoração ambulatorial de 24 horas

Background: Although systemic arterial hypertension (SAH) is an important cardiovascular risk factor, blood pressure level control often remains inadequate. Assessment of adherence to antihypertensive treatment through 24-hour ambulatory blood pressure monitoring (ABPM) may represent an important aid in the search for BP control targets. Objective: To assess adherence to antihypertensive treatment and its association with BP values at 24-hour ABPM in hypertensive patients treated in primary health care (PHC) centers.

7 Ler mais

Controle da pressão arterial na Universidade Aberta à Universidade: Reflexões para promoção da qualidade de vida

Controle da pressão arterial na Universidade Aberta à Universidade: Reflexões para promoção da qualidade de vida

Esse trabalho surgiu, então, da experiência junto a pessoas idosas pertencentes à Universidade Aberta à Maturidade (UAMA). A partir de experiências vivenciadas em um projeto de extensão sobre o Controle da Pressão Arterial, nesse grupo de idosos, foi permitido vivenciar a necessidade de educação em saúde do grupo trabalhado em prol da prevenção da hipertensão entre idosos visando o envelhecimento ativo e a qualidade de vida. Considerando que a UAMA tem por meta atender a ação educativa dos idosos, contribuindo para a melhoria das capacidades funcionais e inserção social. O controle da pressão arterial (PA) torna-se uma ação de prevenção e promoção da saúde na vida desses indivíduos.
Mostrar mais

31 Ler mais

Pressão arterial entre trabalhadores de curtume.

Pressão arterial entre trabalhadores de curtume.

A pressão arterial foi medida em três ocasiões, pela manhã, com intervalo mínimo entre elas de 15 min, em sala de espera silenciosa, antes da anamnese e do exame clínico serem realizados, e após um mínimo de 30 min de repouso relativo. As medidas foram feitas sempre no braço direito, estando o trabalhador sentado. Utilizou-se um mesmo esfigmomanômetro de coluna de mercúrio da marca Takaoka, modelo 203, devidamente calibrado, com manguito de 26 por 12 cm, e um estetoscópio. Os trabalhadores fornam orientados a esvaziarem a bexiga antes das medidas, bem como não fumarem e não tomarem café ou qualquer outro tipo de estimulante a partir de 2 horas antes da primeira medida e até o término da terceira. As pressões foram todas medidas por um mesmo auxiliar de enfermagem, que recebeu treinamento específico. Ao medir-se a pressão arterial, o manguito era inflado rapidamente até a coluna de mercúrio atingir a marca de 200 mm. Se neste ponto houvesse ainda sons de Korotkow audíveis, o manguito era inflado até a altura de 260 mm. A partir daí começava-se a desinflação do manguito. O valor da pressão sistólica correspondia à altura da coluna de mercúrio ao perceber-se ao estetoscópio o primeiro batimento re gular. O valor da pressão diastólica corr espondia à altura da coluna de mercúrio ao perceber- se a fase V dos sons de Korotkow, isto é, no ponto em que as bulhas se tornavam inaudíveis. Os registros foram feitos em milímetros, com aproximação para o valor mais próximo indicado pela escala do esfigmomanômetro, que era graduada de 2 em 2 milímetros. Das três medições feitas em cada trabalhador, utilizou-se nas análises sempre a menor pressão diastólica, acompanhada por sua respec-
Mostrar mais

11 Ler mais

Show all 10000 documents...