Energia elétrica - História

Top PDF Energia elétrica - História:

Ref.: CONVITE PARA PARTICIPAR DA XVI OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA E ASTRONÁUTICA E DA

Ref.: CONVITE PARA PARTICIPAR DA XVI OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA E ASTRONÁUTICA E DA

d) Nível 4. Astronomia: Além dos conteúdos do nível 3: Lei da Gravitação universal, leis de Kepler, lei de Hubble, história da Astronomia, espectro eletromagnético, ondas, comprimento de onda, frequência, velocidade de propagação, efeito Doppler, calor, magnetismo, campo magnético da Terra, manchas solares, evolução estelar, estágios finais da evolução estelar (buracos negros, pulsares, anãs brancas), origem do sistema solar e do universo. Constelações e reconhecimento do céu. Astronáutica: Além dos conteúdos do nível 3: A Corrida Espacial e a Guerra Fria. Como os astronautas se comunicam no espaço. Quais velocidades atingem os veículos espaciais (foguete e satélite)? Velocidade de escape. Tipos de órbita de um satélite (circular, elíptica, polar, geoestacionária). O campo gravitacional terrestre. Como manter e controlar um satélite em órbita. Por que os corpos queimam ao entrar na atmosfera terrestre? Quanto da massa total de um foguete é combustível? Quais são os combustíveis utilizados nos foguetes e nos satélites? O uso de satélites meteorológicos e de sensoriamento remoto. Energia: Educação Ambiental, Sustentabilidade (social, ambiental e econômica), Cidadania e Responsabilidade Sócio-Ambiental. Formas e Fontes de Energia, Energia Elétrica, Formas de Geração de Energia Elétrica, Caminhos da Energia Elétrica (Geração, Transmissão e Distribuição), Considerações técnicas sobre a energia (tensão, corrente, potência), Cuidados com a Energia, Cálculo do Consumo Residencial, Selo Procel, Equipamentos eficientes em energia e água, leitura do medidor de consumo residencial, dicas de conservação de energia e água e prática dos 3 R: Reduzir, Reutilizar, Reciclar.
Mostrar mais

5 Ler mais

Repositório Institucional UFC: Da possibilidade jurídica e das delimitações à liberdade contratual de venda de produtos e serviços pelas concessionárias distribuidoras de energia

Repositório Institucional UFC: Da possibilidade jurídica e das delimitações à liberdade contratual de venda de produtos e serviços pelas concessionárias distribuidoras de energia

As mudanças ocorridas na Administração Pública brasileira quando tratamos da concessão de serviços públicos refletiram diretamente no setor elétrico. O atual modelo observado neste setor constitui resultado de um longo processo de reestruturação no oferecimento de serviços públicos ocorrido, principalmente na década de 1990. A venda de produtos e serviços pelas concessionárias de energia elétrica, relacionados ou não ao objeto da concessão tornou-se uma realidade. O estudo da história, do objeto e dos princípios que norteiam a concessão de serviços públicos ligados à energia elétrica serve ao objetivo central deste trabalho, que é refletir sobre a possibilidade jurídica para a venda de produtos e serviços relacionados ou não ao fornecimento de energia elétrica e as limitações normativas encontradas pelas concessionárias deste setor, especificamente as concessionárias de distribuição de energia elétrica, para o exercício de atividades tidas como complementares e adicionais ao serviço de distribuição e comercialização de energia elétrica.
Mostrar mais

78 Ler mais

Ref.: XIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA E ASTRONÁUTICA

Ref.: XIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA E ASTRONÁUTICA

d) Nível 4. Astronomia: Além dos conteúdos do nível 3: Lei da Gravitação universal, leis de Kepler, lei de Hubble, história da Astronomia, espectro eletromagnético, ondas, comprimento de onda, freqüência, velocidade de propagação, efeito Doppler, calor, magnetismo, campo magnético da Terra, manchas solares, evolução estelar, estágios finais da evolução estelar (buracos negros, pulsares, anãs brancas), origem do sistema solar e do universo. Constelações e reconhecimento do céu. Astronáutica: Além dos conteúdos do nível 3: A Corrida Espacial e a Guerra Fria. Como os astronautas se comunicam no espaço. Quais velocidades atingem os veículos espaciais (foguete e satélite)? Velocidade de escape. Tipos de órbita de um satélite (circular, elíptica, polar, geoestacionária). O campo gravitacional terrestre. Como manter e controlar um satélite em órbita. Por que os corpos queimam ao entrar na atmosfera terrestre? Quanto da massa total de um foguete é combustível? Quais são os combustíveis utilizados nos foguetes e nos satélites? O uso de satélites meteorológicos e de sensoriamento remoto. Energia: Educação Ambiental, Sustentabilidade (social, ambiental e econômica), Cidadania e Responsabilidade Sócio-Ambiental. Formas e Fontes de Energia, Energia Elétrica, Formas de Geração de Energia Elétrica, Caminhos da Energia Elétrica (Geração, Transmissão e Distribuição), Considerações técnicas sobre a energia (tensão, corrente, potência), Cuidados com a Energia, Cálculo do Consumo Residencial, Selo Procel, Equipamentos eficientes em energia e água, Leitura do medidor de consumo residencial, Dicas de Conservação de Energia e Água e Prática dos 3 R: Reduzir, Reutilizar, Reciclar.
Mostrar mais

7 Ler mais

Ref.: CONVITE PARA PARTICIPAR DA XV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA E ASTRONÁUTICA

Ref.: CONVITE PARA PARTICIPAR DA XV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA E ASTRONÁUTICA

d) Nível 4. Astronomia: Além dos conteúdos do nível 3: Lei da Gravitação universal, leis de Kepler, lei de Hubble, história da Astronomia, espectro eletromagnético, ondas, comprimento de onda, freqüência, velocidade de propagação, efeito Doppler, calor, magnetismo, campo magnético da Terra, manchas solares, evolução estelar, estágios finais da evolução estelar (buracos negros, pulsares, anãs brancas), origem do sistema solar e do universo. Constelações e reconhecimento do céu. Astronáutica: Além dos conteúdos do nível 3: A Corrida Espacial e a Guerra Fria. Como os astronautas se comunicam no espaço. Quais velocidades atingem os veículos espaciais (foguete e satélite)? Velocidade de escape. Tipos de órbita de um satélite (circular, elíptica, polar, geoestacionária). O campo gravitacional terrestre. Como manter e controlar um satélite em órbita. Por que os corpos queimam ao entrar na atmosfera terrestre? Quanto da massa total de um foguete é combustível? Quais são os combustíveis utilizados nos foguetes e nos satélites? O uso de satélites meteorológicos e de sensoriamento remoto. Energia: Educação Ambiental, Sustentabilidade (social, ambiental e econômica), Cidadania e Responsabilidade Sócio-Ambiental. Formas e Fontes de Energia, Energia Elétrica, Formas de Geração de Energia Elétrica, Caminhos da Energia Elétrica (Geração, Transmissão e Distribuição), Considerações técnicas sobre a energia (tensão, corrente, potência), Cuidados com a Energia, Cálculo do Consumo Residencial, Selo Procel, Equipamentos eficientes em energia e água, leitura do medidor de consumo residencial, dicas de conservação de energia e água e prática dos 3 R: Reduzir, Reutilizar, Reciclar.
Mostrar mais

5 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM USINAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM USINAS

A energia elétrica em abundância é fundamental para o desenvolvimento de um país, ela é o motor que constrói a sua economia, fortalecendo desde as grandes indústrias, pequenos empreendimentos e consumidores residenciais, gerando emprego, renda e aumentando assim a qualidade de vida de seus cidadãos. Nesse contexto, emergiu o conceito de Qualidade de Energia (QEE), que tem por finalidade estudar a qualidade da energia que é fornecida pelas instalações elétricas como as de geração, buscando sempre soluções para que a eletricidade gerada chegue ao destino final isenta de perturbações, conforme exigências dos órgãos de controle. Este trabalho tem como ênfase a implantação de um sistema de monitoramento em qualidade de energia (SMQEE) na Usina Hidrelétrica (UHE) Coaracy Nunes da Eletrobrás Eletronorte no Estado do Amapá. Os constantes problemas em componentes auxiliares da geração bem como o número de eventos constatados pelos oscilógrafos da usina serviram de motivação para a implantação do SMQEE. Além da descrição do SMQEE desenvolvido para a UHE Coaracy Nunes, serão apresentados os resultados preliminares de levantamentos sobre a qualidade de energia da usina, sobretudo nos serviços auxiliares. Os dados das oscilografias dos oscilógrafos existentes e dos dispositivos de coleta de dados de tensão e corrente desenvolvidos e instalados no aterramento e nos serviços auxiliares, compõem o banco de dados do SMQEE, a partir do qual são feitas as consultas e extraídos os relatórios de QEE da Usina. Nesse sistema a oscilografia é decomposta pela técnica Wavelet para detectar o início e o fim das ocorrências que caracterizam os eventos de QEE que se deseja extrair. A proposta do SMQEE é a utilização da oscilografia para extração dos seguintes fenômenos: harmônicos de tensão, variações de tensão de curta duração (afundamentos e elevações de tensão, interrupção), desequilíbrios de tensão e transitórios. Também será processada pelo SMQEE a atuação do sistema de proteção, sendo disponibilizada para o analista a visualização dos estados dos dispositivos de proteção, para a análise e diagnóstico da ocorrência. Como principais resultados verificou-se que o SMQEE, ainda em fase de implantação, demonstra atender as demandas da rotina de trabalho da Hidrelétrica de Coaracy Nunes. Como conclusão, infere-se que o uso de programas computacionais para monitoramento e análise de QEE são importantes ferramentas para a prevenção de problemas em sistemas elétricos.
Mostrar mais

115 Ler mais

Comercialização de energia elétrica no Brasil

Comercialização de energia elétrica no Brasil

Pode-se dividir o desenvolvimento do setor elétrico brasileiro em cinco intervalos de tempo. O primeiro deles inicia-se a partir da proclamação da república em 1889 e segue até a década de 1930. Nesse período, também conhecido como República Velha, a nossa economia se baseava na produção e na exportação de produtos primários entre os quais: o café, a borracha, o açúcar e o algodão. E, como o crescimento das indústrias e o processo de modernização dos principais centros urbanos do país era relativamente pequeno naquela época, não houve grandes preocupações no que diz respeito à produção de energia, pois a demanda era singela sendo atendida pela principal fonte energética do período: o carvão vegetal.
Mostrar mais

75 Ler mais

QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA – NORMAS E REGULAMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO CONSUMIDOR

QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA – NORMAS E REGULAMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO CONSUMIDOR

A ampla disponibilização da energia elétrica trouxe grandes benefícios para a população, que passou a depender dos recursos oferecidos por esse serviço, que transpôs os limites do conforto, para se tornar uma necessidade básica. A partir do momento em que esse recurso passa a fazer parte do cotidiano da sociedade, que, de forma natural, passa a ser mais exigente com o produto, e a qualidade da energia elétrica torna-se alvo de diversas discussões: de um lado consumidores exigindo seus direitos e buscando indenizações sob os danos causados aos equipamentos ou interrupções nos processos produtivos, de outro, fornecedores sujeitos a regulamentações que buscam garantir a disponibilização e integridade do serviço ofertado, com qualidade. É neste cenário que se insere o estudo em pauta, objetivando nesta monografia elencar as principais regulamentações existentes no Brasil, sob a ótica da qualidade de energia, de forma a obter um apontamento único sobre o assunto, focando nos aspectos relacionados ao consumidor, seus direitos e deveres. A pesquisa realizada envolveu um inventário bibliográfico sobre o tema, que vai desde a sua concepção, quando da implantação do sistema elétrico brasileiro, ao estado atual da arte, através de levantamentos de relatórios, dos procedimentos de aferição, legislação e instruções normativas que permeiam, e buscam manter o equilíbrio de interesses dos atores que atuam nesse setor.
Mostrar mais

52 Ler mais

O MERCADO DE ENERGIA ... Expansão e racionalização do consumo de energia elétrica

O MERCADO DE ENERGIA ... Expansão e racionalização do consumo de energia elétrica

Entretanto, não apenas a disponibi­ lidade dos meios — equipamentos, tec­ nologia, recursos financeiros — é neces­ sária. É preciso que os preços da energia sejam representativos de seu custo para a sociedade, para que esta seja adequa­ damente orientada por tais preços, em seu comportamento. E é necessária uma atitude, que pode ser institucionalmente promovida e tornar-se um componente cultural, no sentido de priorizar a con­ servação. Esse elemento é importante, mormente face à tendência dos consu­ midores privados de escolherem seus equipamentos em função do custo in i­ cial dos mesmos. Até mesmo em socie­ dades mais ricas e que vêm sendo orien­ tadas em relação à conservação, a "taxa de desconto.jm plicita"(6) do sobrepre- ço de equipamentos, atribuível ao ganho de eficiência, apresenta valores significa­ tivamente mais elevados do que a taxa de juros do mercado, exceto para com ­ pradores de rendas mais elevadas, prova­ velmente menos afetados pela economia proporcionada pela conservação do que pelo seu conteúdo sócio-cultural.
Mostrar mais

7 Ler mais

O uso da energia elétrica , 29

O uso da energia elétrica , 29

O BEN é fruto de extensa pesquisa, constituindo-se como base de dados ampla e sistematizada, atualizada em ciclos anuais. De suma importância para os estudos relacionados ao planejamento energético nacional, o BEN também tem se mostrado como importante instrumento de pesquisa para estudos setoriais, na medida em que apresenta estatísticas confiáveis, muitas vezes reveladoras de tendências, da oferta e do consumo de energia. O documento é tido como referência para os dados de energia do país.

61 Ler mais

Energia elétrica e inovações energéticas

Energia elétrica e inovações energéticas

Um indicador relevante para a segurança de fornecimento – que se refere ao conjunto da capacidade instalada no sistema – é a margem de reserva de geração, que sinaliza se a capacidade de geração é suficiente para atender à demanda. Essa medida se define como a percentagem de capacidade instalada que excede a capacidade necessária para atender à ponta do sistema, de modo a cobrir eventuais falhas no fornecimento ou súbitos acréscimos na demanda, sendo considerada satisfatória quando atinge de 15% a 20%. Em muitos países, essa reserva de geração é considerada dentro de um mercado de capacidade e utilizada juntamente com o mercado spot para aumentar a confiabilidade do sistema. Como todo mecanismo de seguro, essa reserva implica um custo adicional e deve ser comparada aos prejuízos econômicos e sociais da falta de energia ou de sua drástica redução no caso de racionamento preventivo. Do mesmo modo, aumentar a redundância do sistema de transmissão implica gasto adicional que deve ser avaliado em comparação com o risco de apagões por não ampliar as opções de acesso de grandes blocos de energia aos centros de consumo. Esse aspecto deve ser considerado com preocupação estratégica, pois, embora com baixa probabilidade, eventos dessa natureza são de grande impacto sobre o conjunto das atividades no país.
Mostrar mais

37 Ler mais

O MERCADO DE ENERGIA ... Conservação de energia elétrica: conceitos e experiências

O MERCADO DE ENERGIA ... Conservação de energia elétrica: conceitos e experiências

No entanto, talvez já se possa afirmar que a concepção destes programas deve­ rá obedecer a uma série de regras (Saw- yer, 1985). Primeiramente, informações generalizadas (do tipo panfleto) atingem apenas os consumidores, cuja tendência pela adoção de uma inovação é marcada. Portanto, os programas que visem a grande maioria de consumidores, cujo processo de aceitação de uma inovação é mais demorado, devem-se fazer mais convincentes. Isso requer que haja mais especificidade nas informações veicula­ das, com contatos pessoais e produção de documentos técnicos voltados para as necessidades de cada tipo de consumi­ dor. Segundo, deve-se fazer uso do inter­ câmbio de informações e experiência dos próprios consumidores, o que ten­ derá a proporcionar uma veiculação de informações de caráter mais "te rra a ter­ ra", além de garantir mais credibilidade à informação e importância ao proble­ ma. Terceiro, deve-se estudar priorida­ des de atuação que levam em conta clas­ ses de consumidores, a concentração do consumo de energia, ou ainda o tipo de equipamento/prática/método de con­ servação, cuja penetração de mercado fo r mais promissora, ou que garanta maiores resultados.
Mostrar mais

11 Ler mais

A demanda por energia elétrica no Brasil.

A demanda por energia elétrica no Brasil.

O objetivo do presente trabalho ´e estimar, por cointegra¸c˜ ao, as elasticidades, pre¸co e renda, de longo prazo da demanda por ener- gia el´etrica nas trˆes classes de consumo: residencial, comercial e industrial. Os resultados obtidos est˜ ao de acordo com outros re- sultados emp´ıricos de que a elasticidade-renda deve ser igual ou superior `a unidade e que a elasticidade-pre¸co deve ter uma magni- tude inferior a um, em m´odulo. Al´em disso s˜ ao realizadas previs˜ oes para o consumo de energia el´etrica para o per´ıodo de 2001 a 2005. The purpose of the present study is to estimate, by cointegration, the long-run elasticities, mainly the price and income, of the de- mand for electric energy in the three consumption categories: re- sidential, commercial and industrial. The obtained results support the premise that the income elasticity should be near or beyond a unity, and that the magnitude of price-elasticity should be lower one, in terms of absolute value. Predictions for the electric energy consumption for the 2001-2005 period are also made.
Mostrar mais

32 Ler mais

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM CONVERSOR MONOFÁSICO EM PONTE H MULTICELULAR ENTRELAÇADO PARA GERAÇÃO FOTOVOLTAICA E EÓLICA DE PEQUENO PORTE

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM CONVERSOR MONOFÁSICO EM PONTE H MULTICELULAR ENTRELAÇADO PARA GERAÇÃO FOTOVOLTAICA E EÓLICA DE PEQUENO PORTE

No trabalho [3] é estudada uma Nano-rede em corrente contínua conforme apresentado na Figura 2.2 que foi modelada, simulada e otimizada para um sistema híbrido composto das energias fotovoltaicas, eólica além do armazenamento de energia em baterias e um gerador diesel de back-up para o distrito de Umzinyathi na província KwaZulu-Natal, África do Sul. Para realização do trabalho, foi realizado um levantamento dos índices de radiação solar e velocidade do vento, para efeito de previsão de carga e modelagem do sistema. Os custos dos componentes do sistema, além dos parâmetros de radiação solar e velocidade do vento medidos a cada hora foram utilizados como entradas no programa de simulação. Com base nos resultados da simulação, o sistema otimizado final seria composto por 100 kW de painéis fotovoltaicos, treze turbinas eólicas de 7,5 kW, gerador diesel de 20 kW, e 96 baterias Trojan T-105. Tomando como base os custos atuais da energia elétrica na região, o sistema se pagaria em quatro anos.
Mostrar mais

165 Ler mais

Desenvolvimento de um modelo fuzzy para otimização da energia gerada por um sistema híbrido (solar-fotovoltaico e eólico)

Desenvolvimento de um modelo fuzzy para otimização da energia gerada por um sistema híbrido (solar-fotovoltaico e eólico)

Características da energia eólica e da energia solar, resumo da geração de energia elétrica pelo sistema híbrido eólico-fotovoltaico e geração com controle fuzzy para o mês de junho d[r]

117 Ler mais

A REDE DE TELECOMUNICAÇÕES E O USO CORPORATIVO DO TERRITÓRIO: O CASO DA TELEFONIA E DAS FIBRAS ÓTICAS NO TERRITÓRIO PARANAENSE

A REDE DE TELECOMUNICAÇÕES E O USO CORPORATIVO DO TERRITÓRIO: O CASO DA TELEFONIA E DAS FIBRAS ÓTICAS NO TERRITÓRIO PARANAENSE

In this article we make an analysis of the telephone network and fiber optics in the State of Paraná, in the sense to present the asymmetry caused by the privatization process occurred in 1998. In this case, the Telecomunicações do Paraná S/A – Telepar was divided into lots on the corporations, presenting, since then, low level of excellence established normatively through the General Telecommunications Law. On the other hand, fiber optics is regulated by state-owned Companhia Paranaense de Energia Electrical - Copel, responsible company also by operating in the field of electricity, presenting a great expansion in recent years, in order the circulate and accumulate capital. From this, we propose analyze spatial inequalities deriving of corporate use of the territory and not resolved by brazilian legislation, starting from secondary data collection the site of Copel and of Anatel and interview in Copel. We see this with, what's negligence in regulating telephony and great interest in accumulating capital in order to benefit the company, and not the society.
Mostrar mais

15 Ler mais

SECRETARIA DE ENERGIA DEPARTAMENTO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO COORDENAÇÃO GERAL DE INFORMAÇÕES ENERGÉTICAS

SECRETARIA DE ENERGIA DEPARTAMENTO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO COORDENAÇÃO GERAL DE INFORMAÇÕES ENERGÉTICAS

Com relação ao Programa de Desestatização do Setor Elétrico, prosseguem os trabalhos junto aos governos estaduais para privatização de outras distribuidoras, tais como: a CEAL, de Alagoas; a CEPISA, do Piauí; a ELETROACRE, do Acre; a CERON, de Rondônia; a CEMAR, do Maranhão; a SAELPA, da Paraíba; a CELPE, de Pernambuco; CESP - Paraná, de São Paulo e a COPEL, do Paraná, com uma expectativa de que, em futuro próximo, 70% do mercado brasileiro de energia elétrica esteja atendido por concessionárias privadas. No âmbito do MME e BNDES estão em andamento os estudos com vistas à transferência dos controles acionários das subsidiárias da ELETROBRAS (FURNAS, com 7.842 MW - CHESF, com 10.705 MW; e ELETRONORTE, com 5.703 MW ).
Mostrar mais

20 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA RODRIGO PEREIRA CARDOSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA RODRIGO PEREIRA CARDOSO

Um sistema FV é constituído por módulos FV, o cabeamento que o interliga à rede de energia elétrica e a estrutura de suporte. A segunda parte do sistema é constituída pelo inversor, dispositivos de proteção e também, quando existentes, controladores de cargas e baterias, caso houver. Um módulo é geralmente identificado pela sua potência elétrica de pico, mas deve-se considerar suas outras características no projeto. A sua potência de pico é definida considerando os padrões STC (Standart Test Conditions), com uma irradiância de 1000 W/m², massa de ar (AM) de 1,5 e temperatura de célula de 25ºC. Desse modo, a curva característica Corrente x Tensão do módulo é feita seguindo esses padrões de ensaio. As principais informações dessa curva são a corrente de curto-circuito, a tensão de circuito aberto, a tensão de máxima potência, a corrente de máxima potência e o produto dessas duas últimas, o ponto de máxima potência. Essas informações são necessárias para o dimensionamento das proteções na parte de corrente contínua (CC) do circuito, como fusíveis e Dispositivo de Proteção contra Surtos (DPS) CC, assim como as informações do inversor são necessárias para o dimensionamento das proteções da parte de corrente alternada (CA) do circuito, como disjuntores e DPS CA. Os dados de ensaio dos módulos utilizados nesse projeto se encontram no datasheet em anexo.
Mostrar mais

84 Ler mais

PRODUÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL A PARTIR DE ÁRVORES ARTIFICIAIS INDUZIDAS PELO VENTO

PRODUÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL A PARTIR DE ÁRVORES ARTIFICIAIS INDUZIDAS PELO VENTO

Uma das áreas de pesquisa do processo de geração e armazenamento de energia elétrica a partir de fontes renováveis que vem crescendo consideravelmente abrange a energia proveniente de vibrações mecânicas baseados em materiais piezoelétricos aplicados nas áreas de construção civil, sistemas mecânicos, eletromecânicos, dentre outras. Modelos diversos de materiais piezoelétricos por possuírem a capacidade de gerar eletricidade ao serem deformados são estudados por meio analítico e experimental (ANTON; SODANO, 2007; COOK et al., 2008; ERTURK; HOFFMAN; INMAN, 2009; ERTURK; INMAN, 2009; PRIYA; INMAN, 2009).
Mostrar mais

13 Ler mais

Estudo analise e exemplo de aplicação de geração eólica

Estudo analise e exemplo de aplicação de geração eólica

As medidas eram aumentar fornecedores para a importação de petróleo, utilização de outras fontes de energia e o consumo consciente da energia elétrica, ou seja, a racionalização da mesma. Os aerogeradores que tinham apenas uso acadêmico, sem interesse comercial, ganharam nova força no cenário causado pelos sucessivos choques do preço do petróleo, com isso o investimento na geração de energia eólica foi retomado com vigor. Novas pesquisas e investimentos foram realizados nesta época e faziam referencia ao uso de aerogeradores conectados as redes elétricas operadas por usinas termelétricas. Devido a elevação de preço do petróleo, o custo da energia gerada em usinas termelétricas era justificada economicamente, e isso fez com que a sociedade visse a geração de energia eólica como um investimento que deveria ser retomado o mais rápido possível.
Mostrar mais

60 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados