Ensaios de Fadiga

Top PDF Ensaios de Fadiga:

Desenvolvimentos recentes em ensaios de fadiga em ligantes asfálticos

Desenvolvimentos recentes em ensaios de fadiga em ligantes asfálticos

Resumo: A resistência ao trincamento por fadiga afeta diretamente a vida útil dos pavimentos asfálticos e, no intuito de melhorar o desempenho das misturas asfálticas à fadiga, aditivos têm sido incorporados ao ligante asfáltico. O enrijecimen- to do ligante asfáltico provocado pelos aditivos, via de regra, aumenta a resistência à deformação permanente, mas, por outro lado, ainda não se sabe precisamente qual o efeito deles sobre a resistência à fadiga e ao trincamento térmico dos ligantes asfálticos. Um dos principais desafios atuais para os pesquisadores é o desenvolvimento de um procedimento rápido para a determinação da resistência à fadiga dos ligantes asfálticos em laboratório. Na linha do tempo do desenvol- vimento de ensaios de fadiga, Bahia et al. (2001) propuseram o ensaio de varredura de tempo (time sweep). Em seguida, Johnson (2010) desenvolveu o ensaio LAS (Linear Amplitude Sweep), no qual é ajustado um modelo que correlaciona a vida de fadiga do ligante asfáltico com a carga aplicada. Mais recentemente, Hintz (2012) propôs algumas mudanças no procedimento do ensaio LAS, estabelecendo o LAS modificado e um novo método de análise dos resultados. Tendo em vista tais desenvolvimentos recentes, este trabalho tem como objetivo apresentar os procedimentos de ensaio mais recen- tes (time sweep, LAS original e LAS modificado) para caracterização do comportamento à fadiga dos ligantes asfálticos, ilustrando a sua aplicabilidade na caracterização de ligantes asfálticos modificados.
Mostrar mais

14 Ler mais

Ensaios De Fadiga Mecânica Sobre Conexões Implante - Pilar

Ensaios De Fadiga Mecânica Sobre Conexões Implante - Pilar

A fadiga é uma transformação progressiva, localizada e permanente que ocorre num material submetido a uma tensão de tração repetitiva ou flutuante. Experimentalmente, três formas de carga podem ser empregues para provocar as falhas por fadiga: carga axial direta (a amostra é submetida a uma tensão uniforme através da sua secção transversal), flexão plana (a maior parte da amostra é submetida a uma tensão em flexão uniforme) e carga através de uma amostra rotacional (a amostra é girada de forma simétrica e submetida a uma carga através de um peso enquanto rolamentos giratórios permitem a rotação (Ritchie, 2000).
Mostrar mais

55 Ler mais

TÉCNICA DA IMPEDÂNCIA ELETROMECÂNICA PARA O MONITORAMENTO DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL

TÉCNICA DA IMPEDÂNCIA ELETROMECÂNICA PARA O MONITORAMENTO DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL

O ensaio de fadiga é um processo pelo qual se produz uma alteração estrutural permanente, progressiva e localizada, que ocorre quando um material é sujeito a condições que produzem tensões dinâmicas num ou vários pontos, e que pode culminar em trincas ou, em alguns casos, na fratura completa após um número suficiente de ciclos de carga (BRANCO,1994). A ruptura por fadiga é provocada pela nucleação e propagação de trincas que aparecem em uma peça submetida a tensões mecânicas e na maioria das vezes é súbita, ou seja, ocorre sem emitir algum sinal prévio, pois a trinca não é visível. Com o fim de seguir avaliando a sensibilidade do método de monitoramento de integridade estrutural baseado na impedância eletromecânica, aplicou-se o método em ensaios de fadiga, lembrando que a fadiga estrutural é uma ocorrência comum nos componentes estruturais. Assim, deseja-se observar a relação do número de ciclos com as métricas de dano propostas. Para tanto, foi criado um meta-modelo com o fim de prever o colapso por fadiga da estrutura (vida útil). Neste trabalho optou-se por trabalhar com corpos de prova tipicamente utilizados em ensaios de fadiga. As variações dos sinais de impedância foram monitoradas ao longo dos ensaios de fadiga.
Mostrar mais

133 Ler mais

Avaliação do comportamento em fadiga de juntas estruturais de ligas de Al2024T3 coladas com adesivo epóxi

Avaliação do comportamento em fadiga de juntas estruturais de ligas de Al2024T3 coladas com adesivo epóxi

A Tabela 3 mostra os resultados do número de ciclos (Nf) dos ensaios de fadiga para diferentes níveis de carregamento realizados nos corpos-de-prova colados. A tensão máxima é obtida dividindo-se a carga máxima aplicada pela área de colagem do corpo-de-prova. Além disso, são apresentados os modos de falha, a amplitude do carregamento (A) e os valores máximos (Pmax), médios (Pmed) e mínimos (Pmin) das forças aplicadas. A tensão normalizada ( σ MAX / σ ULT ) é obtida pelo quociente entre a tensão máxima e a tensão de

12 Ler mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL A TEORIA DO DANO EM MEIO CONTÍNUO NO ESTUDO DA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL A TEORIA DO DANO EM MEIO CONTÍNUO NO ESTUDO DA

Figura 4.52 – Comparação das relações entre o fator de translação e a temperatura para a mistura TG4 não confinada. _____________________________________________________________________________ 121 Figura 4.53 – Comparação das Curvas Mestras do módulo de relaxação para as misturas abertas confinadas. _____________________________________________________________________________________ 121 Figura 4.54 – Cruzamentos dos dados de inclinação da parcela central das Curvas Mestras obtidas pelos valores de módulo dinâmico e de relaxação._________________________________________________________ 124 Figura 4.55 – Curva Mestra para a mistura BS7, ilustrando os resultados para as diversas temperaturas de ensaio. ________________________________________________________________________________ 125 Figura 4.56 – Curva Mestra para a mistura JR7, ilustrando os resultados para as diversas temperaturas de ensaio. ________________________________________________________________________________ 125 Figura 5.1 – Representação de um ensaio de fadiga a flexão em quatro pontos com amplitude de deslocamento constante e carregamento senoidal em uma vigota. ____________________________________________ 128 Figura 5.2 – Gráfico do sinal de força mostrando que rapidamente o sinal torna-se senoidal (modificado Pronk & Erkens 2001). ___________________________________________________________________________ 129 Figura 5.3 – Representação de um ensaio de fadiga a flexão em quatro pontos com amplitude de deslocamento constante e carregamento haversine em uma vigota. ___________________________________________ 130 Figura 5.4 – Comparação entre ensaios de fadiga para dois tipos de carregamentos: (a) critério de ruptura 50% da rigidez à flexão inicial; (b) critério de ruptura de Pronk. _______________________________________ 130 Figura 5.5 – Ilustração da resposta da deformação longitudinal na base da camada de um revestimento asfáltico de 3,81 cm (modificado – Al-Qadi 2007
Mostrar mais

287 Ler mais

Projeto e implementação de ensaio de fadiga por tração-compressão direta (uniaxial) para avaliação de dano em misturas asfálticas

Projeto e implementação de ensaio de fadiga por tração-compressão direta (uniaxial) para avaliação de dano em misturas asfálticas

As normas AASHTO T 321-07 [13] e ASTM D 7460-08 [14] descrevem o ensaio de fadiga de 4 pon- tos de vigas de misturas asfálticas, no Brasil ainda não se dispõe de uma norma para esse ensaio. As normas definem o parâmetro de rigidez à flexão da viga como sendo a relação entre a tensão máxima de tração e a deformação máxima da viga. A frequência estabelecida em normas para o ensaio é de 5 Hz a 10 Hz e tempe- ratura de 20°C, entretanto, os equipamentos permitem a variação destes parâmetros de ensaio para uma análi- se mais profunda do comportamento do material asfáltico. Para a realização do ensaio, necessita-se de um aparato servo-hidráulico capaz de aplicar cargas senoidais (tração/compressão) com frequência variável de 0,01Hz a 30Hz. As vigotas utilizadas como corpos de prova para ensaio de fadiga devem possuir comprimen- to de 380 ± 6 mm, largura de 63 ± 6 mm e altura de 50 ± 6 mm, e em função de seu formato, sua execução se torna mais difícil quando comparada a de outros ensaios. DI BENEDETTO et al. [15] discutem diferentes formas de ensaios de fadiga, bem como abordagens de interpretação.
Mostrar mais

14 Ler mais

Einstein (São Paulo)  vol.15 número1

Einstein (São Paulo) vol.15 número1

Este estudo mostrou que a suplementação oral de zinco por 45 dias antes e até 12 semanas após a quimio- terapia para câncer colorretal previne o agravamento dos sintomas de fadiga e preserva a qualidade de vida. Houve piora da fadiga nos pacientes que receberam placebo, considerando que diferenças de apenas 3 pon- tos na escala de fadiga resultam em repercussões clíni- cas importantes. (15)

5 Ler mais

Fadiga entre estudantes de graduação em enfermagem.

Fadiga entre estudantes de graduação em enfermagem.

Além de depressão, diferentes alterações de humor e outros fatores podem causar ou agravar a fadiga. A realiza- ção de atividade excessiva ou por tempo prolongado pode gerar desgaste tanto físico como mental. Sabe-se que mui- tos cursos de graduação em enfermagem, como o da Esco- la de Enfermagem da USP, ocorrem em período integral e exigem do estudante dedicação às diversas matérias exis- tentes no currículo, gerando desgaste físico e psicológico. Somado a isso, muitos desses alunos desem- penham atividades extracurriculares, o que lhes demanda esforço extra, ou moram sozi- nhos, implicando em ter que executar ativi- dades do lar.
Mostrar mais

7 Ler mais

A fadiga influencia a resposta dos músculos eversores após a simulação de uma entorse do tornozelo?.

A fadiga influencia a resposta dos músculos eversores após a simulação de uma entorse do tornozelo?.

liarizar com o protocolo de fadiga adotado. Cada sessão foi composta por quatro séries de treinamento divididas na seguinte sequência: 1) Posicionamento 2) Determinação da Contração Isométrica Voluntária Máxima (CIVM) e 3) Indução da fadiga. Sendo descritas cada uma dessas a seguir: 1) Posicionamento: sedestação sobre um banco sem encosto, com as articulações de quadril e joelho em 90º de flexão, e o quadril do membro induzido a fadiga deveria permanecer em máxima rotação interna. Foram utilizadas duas cintas para atar os membros inferiores, sendo uma próxima ao quadril e outra acima do joelho, de forma a estabilizar as articulações proximais. Os pés foram fixados a plataforma por meio de cintas de nylon e couro que foram dispostas sobre a região de médio-pé. 2) Determinação da CIVM: nesta posição os sujeitos foram orientados a realizar a eversão máxima sob estímulos verbais e 3) Indução da fadiga: as voluntárias foram orientadas a realizar a eversão, com o membro inferior direito, e manter a força exercida a 70% da CIVM, com feedback visual ofe- recido pelo transdutor analógico. A fadiga era deflagrada quando ocorria a queda da força abaixo de 60% da CIVM ou na presença de exaustão da voluntária.
Mostrar mais

4 Ler mais

Aula 17   Ensaios Cerâmicos 2018

Aula 17 Ensaios Cerâmicos 2018

1. Lavar os corpos de prova durante 5 minutos com água quente, em seguida secar superfície com um pano;.. 2. Realizar limpeza manual com produto de limpeza fraco, com uso de esponja maci[r]

8 Ler mais

Ensaios em Produto Acabado

Ensaios em Produto Acabado

• Para cada estágio do ensaio de abrasão é necessário um corpo de prova, e três corpos de prova não abrasionados para servirem como referência1. • Procedimento.[r]

6 Ler mais

Ensaios em Produto Acabado

Ensaios em Produto Acabado

• Se largura do corpo de prova for maior que 4,8 cm o ensaio deverá ser realizado em 7 corpos de prova; para medidas inferiores em 10 corpos de prova. Placa 20 cm x 40 cm[r]

6 Ler mais

Aula 03   Ensaios Cerâmicos 2018

Aula 03 Ensaios Cerâmicos 2018

(Utilizado como recipiente para conter líquidos ou soluções, ou mesmo, fazer reações com desprendimento de gases. Pode ser aquecido.. sobre o Tripé com Tela de Amianto).[r]

8 Ler mais

Equipamento de medição: Paquímetro Algarismos significativos

Equipamento de medição: Paquímetro Algarismos significativos

No uso destas duas operações aritméticas, o número de dígitos a direita da vírgula no resultado calculado deve ser o mesmo do número com menor dígitos dos números somados ou subtraídos. [r]

6 Ler mais

Avaliação dos efeitos sobre os estimadores eletromiográficos de diversos métodos de filtragem da interferência da rede elétrica

Avaliação dos efeitos sobre os estimadores eletromiográficos de diversos métodos de filtragem da interferência da rede elétrica

Para avaliar o efeito da interferência de 60 Hz nas inclinações das retas de regressão usadas para avaliar fadiga muscular, foi necessário o uso de um sinal em que ocorra fadiga. Foi escolhido um sinal do bíceps braquial em que ocorre fadiga muscular ao longo do tempo, com uma quantidade muito pequena (não observada) de interferência de 60 Hz. O sinal foi fornecido por Soares (2007). Para este sinal, foram calculados os mesmos estimadores descritos na seção 4.1.1, ao longo do tempo. Foram também determinadas as retas de regressão normalizadas para cada estimador, e calculados os coeficientes angulares para cada estimador. Para os testes das variáveis eletromiográficas ARV, RMS, MNF e MDF, foi utilizado o canal 5, e para o teste com a variável eletromiográfica CV foram utilizados os canais 5, 6 e 7.
Mostrar mais

85 Ler mais

Fadiga na forma remitente recorrente da esclerose múltipla.

Fadiga na forma remitente recorrente da esclerose múltipla.

doença, em meses, foi maior no grupo com fadiga (75,3 ± 50,2) que no grupo sem fadiga (37,6 ± 37,0). Acreditamos que estes dados devam ser melhor analisados, pois esta informação além de nos ser fornecida pelo paciente, é submetida à interpretação do médico, podendo não ser precisa. As controvérsias observadas na literatura, quanto à influência do tempo de aparecimento da doença e a presença de fadiga, devem-se provavelmente à dificuldade em determinar o início da doença, devido as características peculiares da EM 4,12 .

5 Ler mais

Pictograma de Fadiga: uma alternativa para avaliação da intensidade e impacto da fadiga.

Pictograma de Fadiga: uma alternativa para avaliação da intensidade e impacto da fadiga.

O objetivo foi validar o Fatigue Pictogram para uso no Brasil. Os dados foram coleta- dos em quatro ambulatórios de oncologia de São Paulo (SP) e na Escola de Enferma- gem da USP. A amostra de conveniência envolveu 584 pacientes com câncer, 184 acompanhantes e 189 estudantes de gra- duação enfermagem, que responderam ao Pictograma de Fadiga, ao Inventário de Depressão de Beck (IDB) e Escala de Karnofsky (KPS). Foram feitos testes de va- lidade e confiabi-lidade. O Teste-reteste mostrou que o instrumento tem boa esta- bilidade. O primeiro item do Pictograma de Fadiga discriminou estudantes de cuida- dores de pacientes, mas não pacientes de cuidadores. O segundo item discriminou todos os grupos. Observou-se adequada validade convergente (fadiga e depressão) e divergente (fadiga e Karnofsky). O Picto- grama de Fadiga é válido, confiável e fácil de usar para avaliar fadiga em câncer, mas necessita ajustes para uso em pessoas saudáveis.
Mostrar mais

8 Ler mais

Aspectos relacionados à fadiga durante o ciclismo: uma abordagem biomecânica.

Aspectos relacionados à fadiga durante o ciclismo: uma abordagem biomecânica.

A média da potência máxima e o torque reduziram-se significan- temente da primeira (957,1 ± 217,3W; 65,8 ± 13,3N∙m) para a 13ª re- petição (849,3 ± 199,3W; 61,8 ± 12N∙m). Com relação ao sinal EMG, foi observada diferença no valor RMS apenas no BF (213 ± 93µV – 185 ± 93µV) e no GL (221 ± 66µV – 183 ± 51µV). Foi observado aumento na razão EMG/torque em detrimento da queda da força produzida pelos músculos sem mudança na atividade elétrica. Os autores atri- buem a ocorrência de fadiga periférica a deficiência na capacidade de geração de força dos músculos, provavelmente decorrente de falha no acoplamento excitação-contração e falha na transmissão neuromuscular.
Mostrar mais

6 Ler mais

Fadiga e esclerose múltipla: estudo preliminar de 15 casos através de escalas de auto-avaliação.

Fadiga e esclerose múltipla: estudo preliminar de 15 casos através de escalas de auto-avaliação.

Na EFCm o escore total encontrava-se maior ou igual a 13 em 5 dos pacientes com EM e em 3 dos pacientes do grupo controle, sendo que todos eles referiam fadiga. Quando analisamos separadamente os escores obtidos nos sub-itens fadiga física e fadiga mental, observamos que dos 9 pacientes com EM que referiam fadiga, 8 obtiveram escore elevado no item fadiga física e apenas 1 no item fadiga mental. No grupo controle, os 2 pacientes com queixa clínica de fadiga apresentavam escore elevado nos 2 sub-itens.

4 Ler mais

Show all 8749 documents...