ensino de ciências

Top PDF ensino de ciências:

MESTRADO (ACADÊMICO) EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA: A PROPOSTA DO INSTITUTO FEDERAL DO CEARÁ (IFCE)

MESTRADO (ACADÊMICO) EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA: A PROPOSTA DO INSTITUTO FEDERAL DO CEARÁ (IFCE)

O presente artigo aborda o processo de concepção e construção de uma proposta, recente- mente aprovada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), de Mestrado Acadêmico (MA), do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PGECM) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE). Assim, a partir da constatação de um movimento de constituição da pesquisa acadêmica na área, demarcamos um perfil de formação, com influência na vertente francesa da Didática das Ciências e Matemática, buscando o entendimento necessário de uma constituição histórica de uma área de estudos que desenvolveu atenção explícita para os fenômenos de ensino e aprendizagem. O trabalho apresenta, após a indicação dos elementos que distinguem as orientações oficiais de formação em um Mestrado Acadêmico (MA) e um Mestrado Profissio- nal (MP), o perfil do primeiro, ensejado pelo PGECM. Nesse viés, alguns quadros resumidos atinentes à organização curricular, os títulos das dissertações defendidas e as produções correspondentes dos trabalhos publicados no período 2015/2016/2017 proporcionam um entendimento da evolução, contribuição e o comprometimento institucional do IFCE, tendo como escopo o aprimoramento das práticas educacionais no Estado do Ceará.
Mostrar mais

36 Ler mais

Pesquisa em ensino de biologia: características da produção acadêmica do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências da Universidade Federal Rural de Pernambuco, Brasil.

Pesquisa em ensino de biologia: características da produção acadêmica do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências da Universidade Federal Rural de Pernambuco, Brasil.

Abstract: This paper presents a study related to research in teaching of Biology, based on the description, analysis and characterization of dissertations in the Graduate Program in Science Teaching (PPGEC), University Federal Rural of Pernambuco (UFRPE). For this, 41 dissertations were analyzed in the pe- riod 2003-2009, taking into account descriptors proposed by Centro de Documentação em Ensino de Ciências (CEDOC) from Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP): the year of defense, author and supervisors, educational level, thematic focus and type of academic work. The results showed that the research in teaching of Biology in PPGEC/UFRPE presents common characteristics in this area at the national level, for instance, within the prevalence of research themes involving basic education. Also there are specific characteristics for academic production that reflect the process of implementation and consolidation of the Master course in the PPGEC/UFRPE.
Mostrar mais

21 Ler mais

O ESTÁGIO DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO DO MESTRE EM ENSINO DE CIÊNCIAS NA AMAZÔNIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O ESTÁGIO DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO DO MESTRE EM ENSINO DE CIÊNCIAS NA AMAZÔNIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Palavras Chaves: Estágio de Docência. Formação de professores. Ensino de Ciências. Abstract: Teaching internship is a curricular activity for students who attend post-graduation in masters’ in Science education, defined as participation at undergraduate teaching. This paper aims to present the experience in this activity through the discipline “Methodology of Teaching/Learning of Natural Sciences” and to analyze the evaluation made by students on this discipline. The content taught approached subjects about science teaching, teaching methodologies and educative practices in non-formal education. For assess on the impact of the discipline on student learning we applied a questionnaire consisting in open and closed questions, and reserving the right to reply. Through the analyzed information and description of experienced activities, we perceive the interest and changes in the student's training path. This experience becomes important in the training of the future Master in Science Teaching in the Amazon region, because the internship provides practical experience in teaching, and intellectual enrichment.
Mostrar mais

9 Ler mais

Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino de Ciências Naturais: Conhecimento e Ação Docente

Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino de Ciências Naturais: Conhecimento e Ação Docente

Essa carência do uso de alternativas didáticas além do livro é percebida tanto por professores de ciências, quanto pelos alunos, conforme veremos mais adiante nos relatos dos estudantes. Naturalmente, tal situação favorece o tradicional ensino das ciências, baseado na transmissão linear do conteúdo, ignorando-se a dinamicidade do processo de construção do conhecimento, levando o aluno à passividade durante as aulas. Sem dúvida a falta do uso de laboratórios de ciências e informática percebida nas duas escolas em estudo tem contribuído para negligenciar o ensino e a aprendizagem das disciplinas científicas. Embora não seja o fator principal para um ensino de ciências significativo. Neste ponto, concordando com Maldaner (2000), ao se referir à experimentação e m aulas de química: “A existência de um espaço adequado, uma sala preparada ou um laboratório, é condição necessária, mas não suficiente, para uma boa proposta de ensino de Química. ” (p. 176).
Mostrar mais

152 Ler mais

Encontros possíveis: experiências com jogos teatrais no ensino de ciências.

Encontros possíveis: experiências com jogos teatrais no ensino de ciências.

Como sugerem Deleuze e Guattari (1997a), para cartografar, é necessário analisar a longitude e a latitude. A longitude está relacionada às partes do corpo: do que esse corpo se compõe? Que linhas compunham a experiência da oficina? Já a latitude refere-se ao grau de potência de um corpo: quais são os afectos desse corpo? Que afectos eram movimentados na oficina? Cartografar uma oficina de teatro é, pois, construir um mapa aberto dos seus segmen- tos, poderes e territórios, e dos seus pontos de desterritorialização, por onde foge e faz fugir. Com duração total de cinco meses, as atividades da Ciência inCena aconteciam duas vezes semanais, somando um mínimo de seis horas de aula. Nelas, o grupo de alunos escolheu um conteúdo específico do Ensino de Ciências para ser o tema da oficina, a partir do qual traba- lharíamos. Opção pelo conteúdo de peixes – e um espanto que, por um instante, tal escolha provocou. “Ah, o senhor quer moleza eh? Se vai fazer uma experiência que faça direito” – disse uma das alunas. Aceitamos, a partir daí, o risco para produzir “um campo de afectos não estruturados nem estruturáveis ou oficializados, consequentemente não fadados à repetição, ao tédio da experiência cooptada pela norma, pelo imaginário instituído” (LINS, 2005, p. 1239).
Mostrar mais

15 Ler mais

A projet of citizen science as a way of promoting public knowledge and awareness about dangers of invasive plants

A projet of citizen science as a way of promoting public knowledge and awareness about dangers of invasive plants

Enquadramento teórico: Autores [1] defendem que, ao aliar o imaginário do cinema com o cotidiano, o professor expõe cenários de diversidade cultural da sociedade aos alunos, para constituir possibilidades de discussão dos valores individuais e coletivos. Nessa perspectiva, o cinema pode ser considerado um instrumento pedagógico importante, uma vez que na abordagem histórico-cultural instrumento é um mediador das funções mentais superiores, o qual estimula e facilita o pensamento e a aprendizagem de ordem superior. Objetivo: Este trabalho pretende refletir e propor uma atividade pedagógica com o uso de filmes na sala de aula para promover discussões de questões, que perpassam os conhecimentos, valores e práticas, para o desenvolvimento da cidadania no Ensino de Ciências [2]. Dessa maneira, ao pensar o desenvolvimento de uma atividade que desenvolva a educação para saúde, em especial quanto ao envelhecimento populacional, propomos o filme comercial The Best Exotic Marigold Hotel (Reino Unido, 2012), que apresenta ao espectador a história de sete aposentados britânicos. Metodologia: Para o trabalho em sala de aula com este filme o professor pode eleger uma(s) temática(s) e selecionar algumas cenas que poderão contribuir com a discussão do tema a lecionar. Para tanto, o professor deve ter um conhecimento básico e alguns cuidados para utilizar o filme como instrumento pedagógico: escolher tema a ser tratado em aula; assistir previamente o filme que aborda o tema escolhido; elaborar um roteiro com as principais questões a serem debatidas e sistematizadas; avaliar as possibilidades técnicas e organizativas na exibição do filme para a classe. Análise: O filme The Best Exotic Marigold Hotel apresenta ao espectador elementos para refletir sobre a velhice na sociedade desde a: sexualidade; solidão; medo de mudanças; saúde; os modelos de saúde (biomédico, comportamental e biopsicossocial); doença; recuperação; ciclo vital, envelhecimento fisiológico, em que ocorre uma série de alterações nas funções orgânicas e mentais, reduzindo sua capacidade pela idade avançada. Conclusão: Propor o diálogo e a reflexão do envelhecimento populacional com filmes pode despertar nos alunos a motivação, o interesse, a curiosidade de ampliar o entendimento dessa temática. Ao desconstruir os estereótipos relacionados à velhice, no diálogo estabelecido, este instrumento pode ser um aliado do professor na discussão, problematização de assuntos relevantes do dia a dia, oportunizando aos atores (aluno e professor) um caminho alternativo para a promoção do conhecimento e aprendizagem.
Mostrar mais

120 Ler mais

Experimentação e educação ambiental: contribuições metodológicas

Experimentação e educação ambiental: contribuições metodológicas

Durante os últimos séculos, o ser humano tem se considerado o centro do Universo. O homem acreditou que a natureza estava à sua disposição. Apropriou-se de seus processos, alterou seus ciclos, redefiniu seus espaços. Hoje, quando se depara com uma crise ambiental que coloca em risco a vida do planeta, inclusive a humana, o ensino de ciências naturais pode contribuir para uma reconstrução da relação homem-natureza em outros termos. A transformação das práticas pedagógicas no ambiente escolar, no sentido de serem reflexivas, é ainda um processo que desafia a grande maioria dos professores. Como já foi apontado por Guerra (2004), entre outros autores, o modelo tradicional de ensino de transmissão de conteúdos ainda é muito forte e certamente mais profundamente inserido no ideário e nas atividades pedagógicas dos professores que se debruçam sobre a educação ambiental. Com isso, transformar a teoria e os discursos em ações pedagógicas crítico- reflexivas ainda é um grande obstáculo. Portanto, novas propostas para o ensino e para ações de formação continuada precisam ser formuladas e apresentadas a partir das características e necessidades existentes. Assim se propõem mudanças na forma de se ensinar, onde não há mais espaço para uma práxis unicamente teórica e nem com uma única verdade científica. O atual panorama da sociedade exige que o conhecimento seja construído de modo a se interligar todas as disciplinas, unindo-se teoria e prática para que possamos compreender o todo e suas relações de forma integrada. Propôs-se aqui um modo de construir e aplicar uma aula teórico-prática, envolvendo atividades experimentais e buscando atender os princípios da Educação Ambiental, visando a formação de cidadãos conscientes e críticos. Ao mesmo tempo em que se preocupa em utilizar
Mostrar mais

40 Ler mais

O uso de práticas laboratoriais de biologia no ensino médio : um estudo em torno das competências e habilidades

O uso de práticas laboratoriais de biologia no ensino médio : um estudo em torno das competências e habilidades

O ensino de ciências é carregado de preconceitos que foram se institucionalizando ao longo de décadas, como exemplo cita-se o estigma de que as disciplinas da área das ciências da natureza e a matemática são as que mais reprovam. Por essa razão professores em formação inicial e permanente precisam desenvolver estratégias que permitam a quebra desses paradigmas e proporcione o estabelecimento de novos conceitos, a fim de tornar o ensino de ciências e matemática, prazeroso e destituído de mitos, os quais provocam pavor e dificultam a aprendizagem das mesmas por parte dos alunos. Para Furió e Gil-Pérez, (1989) e Dumas- Carré et al., (apud Gil-Pérez e Carvalho 2006), é preciso que o professor rompa com visões simplistas do ensino de ciências, decorrentes da pouca familiaridade com as contribuições da pesquisa e inovação didática. O professor precisa abandonar a concepção de que para ensinar ciências basta bom conhecimento da matéria, alguma prática e alguns complementos psicopedagógicos.
Mostrar mais

122 Ler mais

ABORDAGEM DE TEMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL SOB O ENFOQUE CTSA NO ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE BARUERI-SP

ABORDAGEM DE TEMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL SOB O ENFOQUE CTSA NO ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE BARUERI-SP

de uma experiência com o enfoque CTSA realizada em 2009, com 145 alunos do Ensino Médio da escola E. E. P. S. G. Dep. Caio Prado Junior, de Vila Morellato, na cidade de Barueri, São Paulo; onde abordamos o estudo das diferentes fontes de energia e outros temas referentes ao ambiente, vinculados à disciplina de Física. Visando contribuir com buscas de adequadas articulações metodológicas que contemplem o enfoque CTSA, este trabalho enfatiza a pesquisa orientada como prática da Educação Ambiental voltada para o Ensino Médio. Com base nos pressupostos do Educar pela Pesquisa e da Pesquisa- Ação, utilizamos a pesquisa e debates como prática de ensino, focalizando questões relacionadas ao Desenvolvimento Sustentável, Agenda 21 e Efeito Estufa para direcionar estudos sobre os temas: fontes de energia, lixo, água e problemas ambientais. Essa experiência constitui parte de uma Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências, desenvolvida na Universidade Cruzeiro do Sul.
Mostrar mais

13 Ler mais

A formação de professores de Ciências no Brasil como campo de disputas

A formação de professores de Ciências no Brasil como campo de disputas

Ao longo da década de 2000 as licenciaturas no país assumiram determinações, como as Diretrizes Nacionais para a Formação de Professores, sem muita resistência, resultando uma nova conciliação entre o grupo de pesquisadores em ensino de ciências e de educação e a esfera governamental. O aumento da carga horária dos estágios, em particular, foi saudada pelos pesquisadores da área de educação e do ensino de ciências, sobretudo pelo fato de que suas pesquisas já indicavam há tempos, que a aprendizagem do ofício de ensinar requer mais do que conhecer as teorias de aprendizagem; ao contrário percebeu-se que os conhecimentos tácitos que se originam na prática são fundamentais para o exercício do magistério e podem ser teorizados. Certamente, o aumento do período do estágio envolve um aumento da interação entre universidade e escola; além disso novas iniciativas como o programa institucional de bolsa de iniciação à docência – PIBID –, lançado pelo governo federal em 2009, reforçam a importância que vem sendo atribuída à escola na formação inicial de professores, já que outorgam parte dessa formação aos professores que já se encontram em serviço.
Mostrar mais

19 Ler mais

GOVERNO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

GOVERNO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

Temas que foram objeto de especulação e reflexão filosófica passaram daí por diante pelo crivo do olhar objetivador da ciência. [...] As ciências passaram a fornecer explicação sobre a estrutura do universo físico, sobre a constituição dos organismos e, mais recentemente, sobre o homem e a sociedade. A filosofia passou a abranger setores cada vez mais restritos da realidade, tendo, no entanto, se tornado cada vez mais aguda em suas indagações; se não lhe é dado mais abordar o cosmo, pois a física e suas leis e teorias o faz mais apropriadamente, o filósofo se volta para a situação atual e pergunta-se: o que faz de nós este ser que hoje somos? (o) que é o saber, (o) que é o conhecer e de como se dá a relação entre mente e mundo (ARAUJO, 2003, p. 24).
Mostrar mais

98 Ler mais

A IMPLEMENTAÇÃO E A OPERACIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO INOVADOR EM TRÊS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE MANAUS

A IMPLEMENTAÇÃO E A OPERACIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO INOVADOR EM TRÊS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE MANAUS

Inovador (ProEMI), cuja principal finalidade é promover indução de rearranjos curriculares por meio do apoio técnico-financeiro do MEC. O objetivo foi compreender como se deu o processo de implementação e operacionalização dessa política em três escolas da Rede Estadual de Ensino de Manaus/AM. Em decorrência deste estudo, organizamos este texto em três capítulos. No Capítulo I, realizamos a descrição do presente caso de gestão, a partir dos estudos dos documentos oficiais que contribuíram para o entendimento do programa, em especial seus Documentos Orientadores, e da caracterização dos atores e das escolas que constituem o universo dessa investigação. Desse primeiro momento, foi possível perceber as inúmeras dificuldades na operacionalização do ProEMI. No Capítulo II, traçamos o percurso metodológico da pesquisa qualitativa, seus instrumentos de coleta de dados (a entrevista semiestruturada com a Coordenadora Institucional, e questionários aplicados aos gestores escolares, professores articuladores e professores regentes das escolas selecionadas). Para fundamentar este estudo, a primeira análise do ProEMI teve como suporte o modelo de avaliação de políticas públicas proposto por Condé (2011). As análises do Projeto de Redesenho Curricular (PRC) das três escolas pesquisadas tiveram como suporte teórico os estudos de Mainardes (2006). Por sua vez, os estudos do ProEMI como política de currículo e a análise dos dados da pesquisa de campo tiveram suporte teórico de autores que discutem políticas de currículo, tais como: Lopes (2008, 2010), Lopes e Macedo (2011), Silva (2009, 2014), Krawczyk (2003) e Schneckenberg (2000). Foi possível perceber que, no contexto da prática, o programa é pouco compreendido pelos atores escolares e que os PRC das escolas pesquisadas existem apenas no aspecto formal. As escolas apenas realizam as compras de materiais, mas não conseguem inovar o trabalho pedagógico. Além disso, foi possível identificar que algumas diretrizes do programa são negligenciadas pela SEDUC. No Capítulo III, tendo em vista a falta de conexão entre o discurso oficial e a operacionalização do programa, propusemos um Plano de Ação Educacional, constituído de 13 estratégias, a serem consideradas pelas escolas que executam o ProEMI. Por fim, trazemos uma sucinta reflexão sobre as fragilidades da política e sobre os principais desafios a serem superados para que esse programa consiga de fato mudar a realidade do Ensino Médio público.
Mostrar mais

142 Ler mais

O URBANO COMO UMA COMUNIDADE ECOLÓGICA

O URBANO COMO UMA COMUNIDADE ECOLÓGICA

Esta, então, é a fonte da confusão a que nos referimos anteriormente, entre a comunidade como uma categoria empírica, e como um construto analítico. Para Park, a comunidade deveria ser algo que tanto poderia ser observado diretamente, e uma força na organização humana, acerca da qual se poderia teorizar com base em tal observação. O conceito de área natural é pressionado a desempenhar essa dupla função, tanto como um objeto observável, quanto como uma manifestação de uma força e não-observável. Uma vez que nós reconhecemos essa perturbadora tensão na metodologia de Park, entre o positivismo que o realismo, a análise das comunidades, e a teorização acerca das forças bióticas que estão em ação dentro delas, é que podemos compreender como a ecologia humana a cabo por apresentar uma dupla identidade; de um lado opera um método sociológico para estudar a cidade, e do outro se apresenta como uma disciplina distinta e inconfundível, no âmbito das ciências humanas. A ecologia humana de Park foi, desde seus primeiros momentos, construída sobre duas bases. Seria apenas uma questão de tempo, até que os críticos arrebentassem com esse raciocínio.
Mostrar mais

32 Ler mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - FAUUnB

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - FAUUnB

3 - Garantir a estrutura das unidades de vizinhança do Eixo Rodoviário - Residencial, mantendo a entrada única nas Superquadras, a interrupção das vias que lhes dão acesso — para evitar tráfego de passagem — bem como ocupando devidamente as Entrequadras não comerciais com instalações para esporte e recreio e demais equipamentos de interesse comunitário, sobretudo escolas públicas destinadas ao ensino médio. Proibir a vedação das áreas cobertas de acesso aos prédios (pilotis) e dos parqueamentos — cobertos ou não.

13 Ler mais

ARNALDO FERNANDES CORRÊA ESTUDO DE CASO: O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA DIRETORIA DE PESSOAL NA REGIONAL DE ENSINO DE UBÁMG

ARNALDO FERNANDES CORRÊA ESTUDO DE CASO: O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA DIRETORIA DE PESSOAL NA REGIONAL DE ENSINO DE UBÁMG

Cientes disso, e, considerando as competências estabelecidas nos parágrafos: I ao XXV, do referido documento, bem como da Nota Técnica de junho de 2011 e do Ofício Circular DPOC/SPS nº 472/2011, a equipe de colaboradores passou a atuar em todas as áreas em que permeiam a Gestão de Pessoal da SRE/Ubá, conforme relatos fornecidos por funcionários da área de pessoal do órgão, e que pode ser também melhor visualizados através da figura 4, a saber: A Diretoria de Pessoal é gerenciada por um gestor com subordinação técnica à Subsecretaria de Gestão de Recursos Humanos do Órgão Central, além de uma subordinação administrativa, ao Superintendente Regional de Ensino. Suas atribuições estão relacionadas ao planejamento, coordenação, acompanhamento, avaliação e execução de todas as ações de administração de pessoal no âmbito regional, as quais envolvem as duas divisões: Gestão de Pessoal e Direitos e Vantagens, além do Setor de Pagamento, NTE e Arquivo, todos diretamente vinculados à DIPE.
Mostrar mais

167 Ler mais

FABIANO VIEIRA TITO FLUXO INFORMACIONAL DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE UBÁMG

FABIANO VIEIRA TITO FLUXO INFORMACIONAL DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE UBÁMG

Essas ações deverão envolver também possíveis intervenções nas instituições de ensino, intervenções essas condicionadas à autonomia das instituições e à realidade pública. Campanhas de convencimento e educacionais serão os focos das iniciativas. Para a questão da infraestrutura, foi solicitado ao NTE que realizasse um levantamento atualizado de demandas para os equipamentos mínimos necessários às instituições. A resposta, encaminhada em 25 de agosto de 2017 (anexo IV), trouxe uma relação de impressoras, scanners e conexões com a internet existentes nas escolas estaduais da SRE/Ubá pormenorizada mais adiante. Na concepção do pesquisador, a proposta de ação que melhor resolveria os problemas encontrados com a pesquisa desenvolvida seria a criação de um software de suporte para o preenchimento do RP1. Tal proposta, contudo, é de difícil implementação nesse momento por ter um custo significativo em vista as atuais condições financeiras do estado. Devido a isso, considera-se essa Ação na dimensão do desejável, do ideal; e não do real, do possível.
Mostrar mais

157 Ler mais

Um percurso de um professor "quanti"

Um percurso de um professor "quanti"

Em 2002, após uma interrupção de três anos, quando retornei à Amiens: o software havia mudado e o ensino havia se tornado mais “semestral”, mas o público permaneceu de forma geral semelhante em suas características (maioria de meninas, alunos de origem popular ou média, com formação secundária ES - econômica e social, L - literária, às vezes S - científica e, muitas vezes, técnicas "terciárias" ou "médico-sociais", menos familiarizadas com o vocabulário abstrato das ciências sociais) . Agora usávamos o software Sphinx e um colega demógrafo, Ronan Balac, assegurava os Trabalhos Dirigidos comigo na sala de informática. O programa, no entanto, estava muito próximo: iniciação ao software, realização de uma pesquisa desde a elaboração do questionário até o comentário nas tabelas de contingência. Os alunos trabalhavam em grupos independentes, inclusive ao nível dos assuntos, o que resultava em amostras menores para as pesquisas e uma divisão de temas (e também em assuntos mais “pessoais”). Trabalhávamos sempre em uma sala de computadores equipada e bem organizada. Mas não sendo o objetivo de atingir grandes amostras, isso produzia trabalhos muito interessantes, sobre assuntos que variavam da sociologia da educação, até a família e o trabalho, passando pela sexualidade etc.
Mostrar mais

8 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd- CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd- CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

Outra questão proposta aos gestores relacionou-se às atividades gerenciadas pela equipe gestora em função dos resultados das avaliações. Trata-se de ações relacionadas à prática de sala de aula e de ações que manifestam a reflexão sobre os resultados gerais atingidos pelos alunos da escola, com vistas a melhorá-lo. A resposta comum das gestoras foi tratar o momento pós-aplicação como uma ação que finda no sistema, já que a resposta corrente se referiu à inserção de resultados, impressão de gráfico, etc. Mesmo com a reiteração do questionamento de que a ação se referia ao fazer da gestão em função dos desempenhos alcançados nas avaliações diante da pergunta “A escola programa algum tipo de capacitação de professores em função dos resultados observados no PAAE? ”, que tornava incisivo o teor das questões em verificar a administração do programa sob a ênfase da gestão feita pelo diretor, os gestores reafirmaram que a ação feita era o planejamento com vistas ao trabalho em sala de aula ou confirmaram a inatividade da gestão. As respostas à questão da capacitação indicam que não existe nenhuma ação voltada a melhorar as condições que tornam a administração do ensino mais eficiente. Nenhuma escola projeta ações em função dos resultados e com vistas a melhorar a atuação docente. As justificativas dadas atribuem a dificuldade de contemplar todas as disciplinas, a falta de pessoas, tempo e recursos. Apenas um
Mostrar mais

146 Ler mais

Aspectos emocionais de procedimentos de ensino de professores de ciências do ensino médio

Aspectos emocionais de procedimentos de ensino de professores de ciências do ensino médio

Tornar-se um professor de Ciências não é mais apenas uma questão de erudição na disciplina ensinada ou de eficiência em usar métodos e técnicas de ensino (BORGES, 2006; MONTEIRO, 2005). A categorização da diversidade de conhecimentos docentes é amplamente tratada na literatura de pesquisa educacional e, a esse respeito, NERY (2007: 53- 63) faz uma síntese interessante. Essas categorizações não abrangem aspectos específicos do conhecimento da dinâmica emocional da sala de aula. Entretanto, o trabalho dos professores vem sendo reestruturado de muitos modos diferentes. Por exemplo, espera-se mais ênfase nos cuidados com a pessoa, o atendimento mais diversificado de estudantes com diferentes níveis de conhecimento em uma mesma turma, a obtenção do engajamento, da motivação e da cooperação dos alunos de turmas mais numerosas e mais diversas do ponto de vista sócio- cultural. Professores que acreditam na capacidade de seus alunos aprenderem e que sintam-se capazes de ensinar a esses alunos são cruciais para melhoria do ensino.(TORRES, 1998).
Mostrar mais

257 Ler mais

Uma proposta para o ensino progressivo da relatividade restrita no nível médio

Uma proposta para o ensino progressivo da relatividade restrita no nível médio

Há muitas críticas quanto à organização do currículo escolar, pois este ainda contempla de forma excessiva o ensino da física produzida até o final do século XIX, negligenciando o ensino da física produzida a partir daí. Em alguns países o currículo secundário já sofreu mudanças. De acordo com (OSTERMAN, apud SANCHES, 2006, p. 3) “em vários países desenvolvidos já foi superada a etapa de „levantamento de justificativas‟ para a inserção da FMC e seus sistemas escolares contemplam nos currículos, quase sem exceção, o tratamento de tópicos modernos”. Segundo (CANATO, apud SANCHES, 2006, p. 3) a Inglaterra e alguns países do Reino Unido sofreram, em 2000, mudanças curriculares nas quais a FMC aparece como parte fundamental. No Brasil, entretanto, esse processo está ocorrendo de forma bem lenta, sendo que existem algumas iniciativas, mas nada de concreto ainda foi realizado. De acordo com as orientações curriculares dos PCNs, é uma das tarefas do professor, decidir quais temas são relevantes para a formação do aluno e a partir disso elaborar seu plano de forma a contemplar esses assuntos.
Mostrar mais

100 Ler mais

Show all 10000 documents...