Equilíbrio postural

Top PDF Equilíbrio postural:

Equilíbrio postural de atletas remadores.

Equilíbrio postural de atletas remadores.

A influência do condicionamento físico no equilíbrio postural por um período prolongado ainda não está esclarecida. O objetivo deste estudo foi comparar parâmetros estabilométricos em testes de longa duração entre atletas remadores e um grupo de indivíduos saudáveis, não-atletas, que permaneceram de pé sobre uma pla- taforma de força durante 31 minutos. A cada cinco minutos de teste era apresentada uma escala modificada de Borg para pon- tuar o nível de desconforto. Os parâmetros estudados foram: des- vio-padrão, velocidade média e freqüência média dos deslocamen- tos lateral e ântero-posterior, e a área elíptica do deslocamento do centro de pressão no plano da plataforma. O grupo dos atletas não apresentou diferenças significativas nos parâmetros durante todo o teste. O grupo controle apresentou valores significativa- mente mais elevados na área elíptica e a velocidade média da metade do teste em diante. Os atletas apresentaram valores sig- nificativamente menores para escala de Borg, representando maior resistência ao desconforto gerado pela atividade. Com base nos resultados, sugere-se que as alterações estabilométricas apresen- tadas pelo grupo de não-atletas sejam decorrentes de processos fisiológicos periféricos e que o condicionamento físico parece ser um fator importante na manutenção do equilíbrio estático por pe- ríodo prolongado.
Mostrar mais

4 Ler mais

Análise do equilíbrio postural de indivíduos diabéticos por meio de baropodometria

Análise do equilíbrio postural de indivíduos diabéticos por meio de baropodometria

A avaliação do equilíbrio postural estático e dinâmico foi realizada por meio de uma plata- forma de baropodometria eletrônica (Footwalk Pro, AM CUBE, France). Para avaliação estática foi utilizada a estabilometria, com mensuração do desvio do centro de pressão corporal. Para tal os indivíduos permaneceram em posição ortos- tática, com apoio bipodal e base de sustentação livre, com olhar localizado em um ponto imagi- nário à sua frente, sem contato oclusal (Miche- lloti et al., 2006). Com auxílio de Software Footwork Pro (versão 3.2.0.1) o deslocamento ântero-posterior (AP) e médio-lateral (ML) foi registrado, durante 30 segundos, por três vezes consecutivas e intervalos de um minuto relacionados ao diabetes (presença e tipo
Mostrar mais

10 Ler mais

Reabilitação do equilíbrio postural com o uso de jogos de realidade virtual

Reabilitação do equilíbrio postural com o uso de jogos de realidade virtual

As fontes bibliográficas pesquisadas para a temática deste estudo foram as publicações impressas em livros do acervo da Biblioteca Júlio Bordignon da Faculdade de Educação e Meio Ambiente – FAEMA, consulta de trabalhos indexados e publicados nas bases de dados da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) que abrange LILACS (Literatura latino- americana e do Caribe em Ciências da Saúde), SCIELO (Scientific Electronic Library on line), PubMed (US National Library of Medicine National Institutes of Health) e Google Acadêmico. Os Descritores em Ciências da Saúde (DECs) utilizados foram: Equilíbrio Postural/ Postural Balance; Terapia de Exposição à Realidade Virtual/ Virtual Reality Exposure Therapy; Fisioterapia/ Physiotherapy.
Mostrar mais

16 Ler mais

Avaliação da associação da osteoporose com o equilíbrio postural em mulheres pós...

Avaliação da associação da osteoporose com o equilíbrio postural em mulheres pós...

Guilherme Carlos Brech Em 2007, Madureira et al., realizam um ensaio clínico randomizado com sessenta e seis mulheres idosas com osteoporose. Dividem as pacientes em dois grupos, sendo que um grupo realizou exercícios de treino de equilíbrio por 12 meses e o outro não teve intervenção. As pacientes do grupo sob intervenção têm melhora funcional e do equilíbrio estático com diminuição do número de quedas. Burke et al. (2010a) estudam 33 mulheres idosas com osteoporose, randomizadas em dois grupos. Um grupo foi submetido a exercícios de equilíbrio postural e fortalecimento de membros inferiores por oito semanas, e o outro não praticou nenhum tipo de atividade física. As mulheres idosas com osteoporose, submetidas aos exercícios, melhoram o equilíbrio postural e a força muscular. Em outro estudo Burke et al. (2010b), estudam o equilíbrio postural de mulheres idosas com e sem osteoporose. Os autores concluem que as mulheres idosas com osteoporose apresentam maior velocidade e deslocamento do CP, e descrevem que a cifose torácica possivelmente desloca o CP posteriormente. Abreu et al. (2010) estudam 60 mulheres sedentárias com mais de sessenta anos, divididas em três grupos, conforme os valores de DMO de coluna lombar em: osteoporose, osteopenia e normal. Realizam a posturografia e concluem que as mulheres com osteoporose apresentam um equilíbrio postural pior que as demais mulheres.
Mostrar mais

106 Ler mais

Estudo comparativo do equilíbrio postural entre sedentários e jogadores de futebol...

Estudo comparativo do equilíbrio postural entre sedentários e jogadores de futebol...

Os achados no BBS, que mostram que os sedentários e o lado operado são “mais estáveis” que os atletas, podem sugerir que este equipamento não mede, na verdade, “o equilíbrio postural”, mas sim demonstra que o deslocamento do centro de gravidade, medido na plataforma, é maior nos atletas sem lesão e no joelho não operado dos atletas, e que este maior deslocamento pode significar que há maior equilíbrio postural ao contrário do que se espera. Os atletas têm mais estratégias de equilíbrio e devem ser capazes de deslocar mais o seu centro de carga pelos sucessivos deslocamentos, mudanças de direção, atividade específica de carregar a bola, etc. Na verdade seria esperado que os atletas sem lesão tivessem um teste mais equilibrado que o joelho operado (menos informação proprioceptiva e menos informações de ajustes) e dos sedentários (ligamentos menos treinados e com menos informação proprioceptiva), pois os atletas são capazes de ter uma resposta proprioceptiva e se equilibrarem, mesmo na presença de grandes deslocamentos.
Mostrar mais

91 Ler mais

Comparação do equilíbrio postural estático entre sujeitos saudavéis e lombálgicos.

Comparação do equilíbrio postural estático entre sujeitos saudavéis e lombálgicos.

Objetivo: Comparar o equilíbrio postural estático entre portadoras de lombalgia crônica e indivíduos saudáveis, através do deslocamento do centro de pressão. Métodos: Participaram do estudo 15 mu- lheres com lombalgia (Grupo lombalgia) e 15 mulheres saudáveis (Grupo saudável). Elas foram orientadas a permanecer em posição ortostática sobre a plataforma de força durante 30 segundos. Foram analisadas a área e a velocidade de deslocamento do centro de pressão de ambos os grupos. A análise dos dados foi realizada através do Teste t de Student, com significância de 5%. Resultados: Os indivíduos com lombalgia crônica apresentaram maior área de deslocamento do centro de pressão em relação aos saudáveis, porém não houve diferença significativa em relação à velocidade de deslocamento do centro de pressão. Conclusão: Indivíduos com lombalgia crônica apresentam alteração do equilíbrio estático em re- lação a saudáveis. Nível de evidência III, Estudos Prognósticos.
Mostrar mais

3 Ler mais

Comparação do equilíbrio postural entre grupos de mulheres com diferentes faixas etárias.

Comparação do equilíbrio postural entre grupos de mulheres com diferentes faixas etárias.

RESUMO | O envelhecimento compromete a habilidade do sistema nervoso central (SNC) de realizar o processamento dos sinais dos sistemas sensoriais, os quais são responsáveis pela manutenção do equilíbrio corporal, diminuindo a capacidade de modificações dos reflexos adaptativos. Este estudo objetivou comparar o equilíbrio postural entre mulheres de diferentes faixas etárias. Participaram da pesquisa 60 indivíduos do sexo feminino, sendo 20 do grupo jovem (GJ), 20 do grupo adulto (GA) e 20 do grupo idoso (GI). Os dados do centro de pressão (COP) foram coletados por meio de uma plataforma de força AMTI OR6-6. As variáveis analisadas foram amplitudes de deslocamento do COP nos eixos anteroposterior (COPap) e médio-lateral (COPml). Foram realizadas três tentativas de olhos abertos (OA) e três tentativas de olhos fechados (OF), com duração de 30 segundos cada. Os resultados apontam diferenças estatisticamente significativas no COPml na condição de OA entre GJ e GI (p=0,10). Na variável COPap não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas. Conclui-se que há um aumento da oscilação postural nas idosas neste estudo, quando comparadas a mulheres jovens. Descritores | Equilíbrio Postural; Mulheres; Envelhecimento.
Mostrar mais

6 Ler mais

Comparação do equilíbrio postural entre adolescentes do sexo feminino e masculino.

Comparação do equilíbrio postural entre adolescentes do sexo feminino e masculino.

Acredita-se que as adolescentes deste estudo tenham apresentado melhor equilíbrio postural que os do sexo masculino devido às diferenças nas características an- tropométricas existentes. Outra hipótese seria o ritmo de desenvolvimento maturacional, que ocorre geral- mente mais cedo no gênero feminino. Porém, o nível maturacional não foi avaliado, configurando-se como a maior limitação do presente trabalho. Também podem ser citadas como limitações a amostra pequena e o nú- mero diferente de indivíduos em cada grupo.

5 Ler mais

Influência do gênero no equilíbrio postural de crianças com idade escolar.

Influência do gênero no equilíbrio postural de crianças com idade escolar.

14. Gobbi LTB, Menuchi MRTP, Uehara ET, Silva JJ. Inluência da informação exproprioceptiva em tarefa locomotora com alta demanda de equilíbrio em crianças. Rev Bras Ciênc Mov. 2003;11(4):79-86. 15. Roggia B. Estudo da postura e do equilíbrio corporal em escolares com respiração oral com idades entre 8 e 12 anos.[Dissertação]. Santa Maria (RS):Universidade Federal de Santa Maria; 2010. 16. Lemos LFC. Desenvolvimento do equilíbrio postural e desempenho motor de crianças de 4 aos 10 anos de idade. 2010. 94 p Dissertação (Mestrado em Educação Física)-Universidade de Brasília, Brasília, 2010.
Mostrar mais

10 Ler mais

Equilíbrio postural: investigação com crianças, adultos e idosos

Equilíbrio postural: investigação com crianças, adultos e idosos

O controle postural ou a preferência por formas específicas de recrutamento da estabilidade dependem da idade dos indivíduos e da natureza do desafio postural (HEDBERG et al., 2005; NU- NES; FONSECA; SCHEICHER, 2013; CIGNETTI et al., 2013). Crianças em idade escolar, por exemplo, não mostram uma preferência clara para a manuten- ção da estabilidade (CIGNETTI et al., 2013). Já os adolescentes mostram-se, muitas vezes, com o equilíbrio postural semelhante a adultos (DE GRAAF- -PETERS et al., 2007). Essas indicações ocorreram, conforme ilustrou a Tabela 1, na qual as crianças não diferiram dos adultos quando todas as fontes senso- riais estavam disponibilizadas para a utilização, como por exemplo, no TOS I. O mesmo ocorreu, quando apenas o sistema visual foi suprimido, TOS II, no qual as crianças mostraram-se com o mesmo equilíbrio dos adultos. Esses
Mostrar mais

13 Ler mais

Equilíbrio postural e risco para queda em idosos da cidade de Garça, SP

Equilíbrio postural e risco para queda em idosos da cidade de Garça, SP

Objetivos: Avaliar o equilíbrio postural e o risco de quedas em idosos institucionalizados e não-institucionalizados. Métodos: Foram incluídos no estudo 45 idosos institucionalizados e 43 idosos não-institucionalizados. O equilíbrio e o risco de quedas foram avaliados através da Escala de Equilíbrio de Berg. A comparação do equilíbrio entre os grupos foi feita por meio do teste de Mann- Whitney. Foi avaliado o risco para queda entre as populações. Adotou-se um valor de p ≤ 0,05 como significante. Resultados: Houve diferença entre os escores da Escala de Berg nas populações estudadas (p < 0,0001). Os resultados mostraram que a população institucionalizada apresenta nove vezes mais risco de cair do que idosos da comunidade (p=0,0001). Conclusões: Os resultados indicam que o equilíbrio postural é menor na população institucionalizada, aumentando seu risco de cair.
Mostrar mais

6 Ler mais

Efeito da terapia hormonal sobre o equilíbrio postural em mulheres na pós-menopausa

Efeito da terapia hormonal sobre o equilíbrio postural em mulheres na pós-menopausa

O presente estudo avaliou a ocorrência de quedas em mulheres usuárias e não usuárias de TH e encontrou que as usuárias apresentaram significativamente menor risco para quedas quando comparadas ao grupo controle. Contudo, as usuárias de TH apresentaram menor faixa etária e tempo de menopausa, o que poderia interferir nos resultados, mas após corrigir o risco em relação a essas variáveis influenciadoras, este se manteve significativamente inferior entre as usuárias demonstrando o importante papel da TH sobre esse resultado. Na avaliação do equilíbrio postural por meio de testes funcionais como o Romberg, o alcance funcional e o agachamento, empregados neste estudo, não foram constatados diferenças significantes entre as usuárias e não usuárias de TH. Os testes funcionais ou de campo apesar de não demandarem alto custo financeiro e sim treinamento especializado, são subjetivos e podem sofrer influência externa. Desta forma, podem não ser indicadores efetivos do risco de quedas 44 . Não foram encontrados na literatura científica estudos que avaliam as respostas de testes funcionais e o uso de TH em mulheres na pós-menopausa para a comparação dos resultados.
Mostrar mais

83 Ler mais

Alterações de equilíbrio postural e qualidade de vida em mulheres no ciclo gravídico puerperal

Alterações de equilíbrio postural e qualidade de vida em mulheres no ciclo gravídico puerperal

42 com mulheres não grávidas, grávidas e seguimento no pós-parto. Os autores do referido estudo encontraram que houve aumento da oscilação corporal na direção ântero-posterior (AP) no período da gestação, diminuindo os valores de oscilação após o parto. Explicações para esse aumento podem ser as alterações biomecânicas da gestante, no que se refere ao deslocamento de peso na direção AP, na alteração em sentido ântero-superior do centro de gravidade (Inanir et. al., 2014) ou, ainda, ações hormonais, como da relaxina que promove frouxidão articular, podendo interferir no sistema de retroalimentação do controle postural, promovendo ainda, maior instabilidade nessa mulher (Ribas e Guirro, 2007). Talvez no nosso estudo o tamanho amostral não tenha sido suficiente para detectar diferenças significativas com relação aos dados de equilíbrio postural nessas mulheres.
Mostrar mais

107 Ler mais

Análise da pressão plantar e do equilíbrio postural em diferentes fases da gestação.

Análise da pressão plantar e do equilíbrio postural em diferentes fases da gestação.

Nesse contexto, e dada à escassez literária sobre o assunto, a proposta deste estudo foi analisar o comportamento da distribuição da pressão plantar e do equilíbrio postural frente às alterações ocorridas no corpo feminino nos diferentes trimestres da gestação, bem como verificar a relação entre características antropométricas das voluntárias com as variáveis analisadas. Os resultados obtidos poderão aperfeiçoar as formas de intervenção fisioterapêutica frente às mudanças musculoesqueléticas adaptativas e suas conseqüências durante o período gestacional.
Mostrar mais

6 Ler mais

Estudo longitudinal do equilíbrio postural e da capacidade aeróbica de idosos independentes.

Estudo longitudinal do equilíbrio postural e da capacidade aeróbica de idosos independentes.

Na prática fisioterapêutica, diversos testes podem ser uti- lizados para a avaliação do equilíbrio postural e da capacidade aeróbica, com diferentes graus de sofisticação. No entanto, sa- be-se que a avaliação do desempenho físico por meio de ferra- mentas laboratoriais, que consideram apenas um determinado parâmetro, nem sempre reflete de forma global as atividades funcionais realizadas no dia a dia dos idosos. Dessa forma, a Escala de Equilíbrio de Berg (EEB) 8,9 e o Teste de Caminhada

6 Ler mais

Análise do equilíbrio postural estático utilizando um sistema eletromagnético tridimensional.

Análise do equilíbrio postural estático utilizando um sistema eletromagnético tridimensional.

Atualmente, existem várias ferramentas capazes de quantificar o equilíbrio postural, como plataformas de for- ça, baropodômetro e sensores eletromagnéticos tridimen- sionais. Sua aplicação, no entanto, muitas vezes envolve custo elevado, tempo e mão de obra especializada, tanto para a aquisição quanto para a análise dos dados, o que faz com que exista uma carência do emprego dessas ferra- mentas na prática clínica e por alguns grupos de pesquisa. O Teste Clínico de Integração Sensorial e Equilíbrio (CTSIB), cuja realização emprega a posturografia dinâmica computadorizada, foi desenvolvido com objetivo de iden- tificar a contribuição dos três principais sistemas sensoriais envolvidos no equilíbrio (visão, vestibular e somatossen- sorial) 16-18 . O teste busca isolar as diversas contribuições
Mostrar mais

6 Ler mais

Desempenho muscular e equilíbrio postural em idosas frágeis residentes na comunidade

Desempenho muscular e equilíbrio postural em idosas frágeis residentes na comunidade

A análise dos dados foi realizada através do programa SPSS 15.0 (Statistical Package for the Social Science) atribuindo-se o nível de significância de 5% ( =0,05) para todos os testes. Para verificar a normalidade dos dados foi utilizado o teste de Kolmogorov-Smirnov. Para a estatística descritiva foi observadas as freqüências absolutas e relativas e as medidas de tendência central e dispersão. Para verificar a associação entre as medidas do equilíbrio postural e o desempenho dos músculos do membro inferior utilizou-se a correlação de Pearson. No sentido de avaliar a magnitude da associação das medidas do equilíbrio postural medido pela BBS, com as variáveis sócio-demográficas e clínicas, o torque dos músculos do membro inferior e os dados da baropodometria utilizamos a Regressão Linear Múltipla. Para avaliação das diferenças entre as medidas das idosas frágeis e pré-frágeis foi utilizado o teste t de Student.
Mostrar mais

80 Ler mais

Efeito da equoterapia no equilíbrio postural de idosos.

Efeito da equoterapia no equilíbrio postural de idosos.

Visando um estímulo tridimensional do cavalo mais intenso em membros inferiores e cintura pélvica, foram sele- cionados cavalos que transpistam, ou seja, que possuem uma passada mais ampla e consequentemente, de baixa frequência. Utilizaram-se estribos mais baixos, de modo que as articula- ções da cabeça, da coluna vertebral, ombros, quadris, joelhos e tornozelos ficassem alinhadas, facilitando, pois, o enfoque do tratamento na melhora do equilíbrio postural em ortostatismo. Como material para montaria, utilizou-se sela.

6 Ler mais

Equilíbrio postural em idosos praticantes de hidroginástica e karatê.

Equilíbrio postural em idosos praticantes de hidroginástica e karatê.

idosos que praticavam hidroginástica com adultos jovens sedentários, analisando o equilíbrio postural por meio do deslocamento do centro de pressão, na plataforma de força, manipulando a base de suporte e a informação visual. Os resultados mostraram o desempenho semelhante de idosos e adultos jovens, na manipulação das bases de suporte, apresentando diferenças significativas, apenas com a oclusão visual, com menor oscilação postural do grupo de adultos jovens. Concluiu-se, dessa maneira, que apesar da importância da informação visual para os idosos, eles apresentaram desempenho no equilíbrio postural semelhante ao de adultos jovens.
Mostrar mais

9 Ler mais

Efeito da Kinesio Taping no equilíbrio postural de idosos.

Efeito da Kinesio Taping no equilíbrio postural de idosos.

RESUMO | O processo de envelhecimento provoca alte- rações no equilíbrio, as quais podem aumentar o número de quedas. A Kinesio Taping é uma técnica com a pro- posta de melhorar a fisiologia muscular, a propriocepção, a coordenação e o equilíbrio. O objetivo do estudo foi veri- ficar o efeito da Kinesio Taping no equilíbrio postural de idosas. Foram avaliadas 62 idosas, do sexo feminino, com média de idade de 68±5 anos, divididas em dois grupos: Kinesio Taping, com idosas (n=31) que foram submetidas ao protocolo de aplicação da Kinesio Taping para os múscu- los gastrocnêmio e do mediopé, e o Controle (n=31), com aquelas que receberam uma fita placebo (Micropore 3M). Para a análise do equilíbrio postural, utilizou-se uma plata- forma de força para o registro dos sinais estabilométricos. Ambos os grupos foram avaliados pós-aplicação e com intervalo de 48 horas. As variáveis utilizadas foram deslo- camento total, amplitudes anteroposterior e mediolateral, área e velocidades anteroposterior e mediolateral. Os resul- tados demonstraram que a Kinesio Taping não provocou modificações significativas em relação ao Grupo Controle, pós e 48 horas após a aplicação. Os achados apontam que a Kinesio Taping não foi capaz de alterar o equilíbrio postu- ral de idosos do sexo feminino.
Mostrar mais

6 Ler mais

Show all 2199 documents...