Estação de Tratamento de Efluentes - ETE

Top PDF Estação de Tratamento de Efluentes - ETE:

Proposta de solução para os efeitos de subpressão em um decantador secundário de uma estação de tratamento de efluentes (ETE)

Proposta de solução para os efeitos de subpressão em um decantador secundário de uma estação de tratamento de efluentes (ETE)

O presente trabalho é uma análise de estabilidade geotécnica em Decantador Secundário presente em uma ETE de um município litorâneo situado ao norte do estado de Santa Catarina. Durante o estudo de caso foi verificado que em determinadas situações, como em momentos em que o nível do lençol freático estiver próximo à superfície e o decantador necessitar ser esvaziado, o mesmo poderá apresentar instabilidade, tendendo a ser soerguido. Este efeito é oriundo de tensões chamadas de Tensões de Subpressão. Além de analisar e determinar as situações em que ocorrerão instabilidade, este trabalho irá propor uma solução de estabilização através de tirantes passivos, buscando o equilíbrio estático. A solução de tirantes passivos do tipo monobarra proposta foi dimensionada baseada na resultante entre as cargas de empuxo hidrostático, peso próprio da estrutura, peso dos equipamentos e peso do efluente, onde no caso mais crítico, a situação apresentou uma carga de instabilização na ordem de 9x10³kN. Este trabalho foi realizado baseado em normas relevantes, referencial teórico em geotecnia, geologia, mecânica dos solos, e laudos SPT, onde também verificou-se a resistência ao cisalhamento dos elementos complementares do tirante, bem como a não necessidade de protensão devido ao alívio de tensões causado pelo recalque do solo.
Mostrar mais

76 Ler mais

Qualidade das águas do Rio Vieira após implantação da estação de tratamento de efluentes

Qualidade das águas do Rio Vieira após implantação da estação de tratamento de efluentes

na área urbana e apenas 4,8% na zona rural (IBGE, 2010). Esse município possui o Rio Vieira como principal rio receptor direto de esgotos sem tratamento. No dia 9 de fevereiro de 2010, a Companhia de Saneamento de Minas Gerais – COPASA inaugurou a Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), cujo investimento foi de R$ 150 milhões. Sua estrutura envolveu a implantação de 26 quilômetros de redes de interceptores e 50 quilômetros de redes coletoras ao longo dos rios e córregos que atra- vessam a cidade, impedindo a poluição ambiental, repercutindo a revitalização de seu corpo hídrico e a promoção da saúde da população, inclusive de outras cidades do norte de Minas Gerais, por onde passa a Bacia do Rio Verde Grande, principal receptor das águas do Rio Vieira.
Mostrar mais

9 Ler mais

Reúso da água como ferramenta de revitalização de uma estação de tratamento de efluentes.

Reúso da água como ferramenta de revitalização de uma estação de tratamento de efluentes.

O objetivo deste artigo foi avaliar o emprego do reúso de água como ferramenta de revitalização de uma estação de tratamento de efluentes (ETE). Para comprovação em um caso real, este estudo foi desenvolvido em uma indústria de embalagens de papelão ondulado, cuja ETE apresentava baixo desempenho. A identificação de oportunidades de reúso e a simulação matemática de seu impacto sobre a ETE, por meio do balanço de cargas, apontaram para o reúso do efluente de tratamento primário como oportunidade de revitalização. Por conseguinte, esse efluente foi reusado na produção de adesivo de amido, reduzindo em mais de 60% a carga de DBO 5 afluente ao processo de lodos ativados (59,14 para 22,15 kg/dia). Assim, a eficiência da ETE foi aumentada
Mostrar mais

10 Ler mais

Análise estrutural do conjunto de palhetas de um aerador da estação de tratamento de efluentes

Análise estrutural do conjunto de palhetas de um aerador da estação de tratamento de efluentes

Este trabalho visa estudar os efeitos dos esforços submetidos pelo conjunto de palhetas da estação de tratamento de efluentes (ETE) de uma empresa química situada no Vale do Paraíba. Para tal, primeiramente são calculados os esforços solicitados pelos efluentes sobre a estrutura, bem como pesquisado o torque ideal dos parafusos da estrutura. A partir destes dados, são realizadas simulações estáticas utilizando software apropriado e o método de elementos finitos. Com os resultados da simulação, é proposta uma possível solução para diminuir o nível de tensão ao qual a estrutura está submetida. Este trabalho servirá de consulta para a empresa interessada.
Mostrar mais

52 Ler mais

Redimensionamento de uma estação de tratamento de efluentes de uma gráfica no sul de Santa Catarina

Redimensionamento de uma estação de tratamento de efluentes de uma gráfica no sul de Santa Catarina

Nesse contexto, mediante análises e pesquisas o presente relatório está inserido e aplicado a uma estação de tratamento de efluentes (ETE) de uma gráfica. O estudo visa a compreensão e otimização do funcionamento da ETE e seus principais processos, respectivamente: coagulação, floculação e decantação. A coagulação consiste na adição de produto químico, conhecido como coagulante no efluente bruto e agitação para homogeneização da mistura; a floculação consiste na formação de flocos através da mistura lenta, na qual as partículas (coágulos) desestabilizadas se agrupam e formam moléculas maiores; e a decantação compreende a separação dos sólidos sedimentáveis no líquido.
Mostrar mais

99 Ler mais

Controle Estatistico de Processo (CEP) aplicado na avaliação de uma estação de tratamento de efluentes

Controle Estatistico de Processo (CEP) aplicado na avaliação de uma estação de tratamento de efluentes

A contaminação dos corpos hídricos vem sendo um problema crescente nas últimas décadas. As indústrias são responsáveis por grande parte desta contaminação e cabe a elas a descontaminação dos resíduos gerados antes da disposição final. Neste âmbito torna-se necessário a realização do tratamento do efluente gerado para garantir a qualidade da água dos rios. Sabe se que os efluentes recebidos nas ETE dependem de diversas características da linha de produção da fábrica e do processo de fabricação, os tornando muitas vezes instáveis, levando a problemas quanto a eficiência do tratamento, sendo assim é importante a utilização de técnicas para a identifição de falhas no processo de modo a garantir a estabilidade do efluente. Neste contexto, é apresentado a avaliação do desempenho e a estabilidade de uma estação de tratamento de efluentes, por meio de técnicas de controle estatístico de processo. Foram utilizados os gráficos de medida individual de Shewhart e os gráficos de média móvel exponencial ponderada (MMEP). A ETE estudada tem como principal característica o tratamento do efluente gerado no processo de fabricação de snack de batata. Foram avaliados três pontos da ETE, efluente bruto, efluente após o tratamento físico-químico e efluente final, os parâmetros medidos foram demanda bioquímica de oxigênio (DBO 5,20 ), demanda
Mostrar mais

107 Ler mais

Proposta para o gerenciamento da estação de tratamento de esgotos Jarivatuba - ETE Jarivatuba, Joinville,SC

Proposta para o gerenciamento da estação de tratamento de esgotos Jarivatuba - ETE Jarivatuba, Joinville,SC

Os valores de DBO obtidos para o esgoto bruto apresentaram uma média de 149,5 mg/L; inferior às publicadas no site da CETESB para municípios do estado de São Paulo em 1994, superiores a 187 mg/L, o que pode estar sendo causado pela contribuição de águas pluviais, ainda que de forma clandestina, conforme discutido no capítulo 4, item 2. A remoção da matéria orgânica pelas lagoas anaeróbias sofreu variações entre os meses de amostragem, alcançando níveis satisfatórios para lançamento já no efluente das lagoas facultativas. No entanto, houve acréscimo da DBO nas lagoas de maturação devido à biomassa algal, uma vez que as amostras não foram filtradas. Apesar disso, os valores dos efluentes finais, exceto para o mês de novembro de 2003, e agosto e setembro/04; mantiveram uma média de 42,2 mg/L, com valores inferiores ao limite de 60 mg/L estabelecido pelo Artigo 19º do Decreto Estadual nº 14.250 de 1981. Entretanto, os dados da AMAE apresentaram valores acima de 60 mg/L em 25% das amostras e com eficiência inferior a 80% em 17% das amostras (anexo II).
Mostrar mais

76 Ler mais

Controle estatístico do processo de tratamento de efluentes domésticos em ETE com linhas de tratamento anaeróbio e aeróbio

Controle estatístico do processo de tratamento de efluentes domésticos em ETE com linhas de tratamento anaeróbio e aeróbio

A amplitude desses valores é de 11,6 mL.L -1 . Pode ser visualizado no Gráfico 2 sólidos com concentração superior a 6,0 mL.L -1 que são discrepantes, ou outliers. Contudo valores inferiores à mediana não são discrepantes, sendo o desvio padrão em torno da média de apenas 1,3 mL.L -1 , o que permite inferir que o esgoto bruto que adentra à Estação possui pouca concentração de sólidos sedimentáveis, entretanto, o coeficiente de variação é superior a 30%, ou seja há alta variabilidade dos dados (OLIVEIRA; SPERLING, 2007), uma possível explicação física para esse efeito está relacionada à atuação do tanque de equalização, que promove a decantação dos sólidos no fundo do tanque.
Mostrar mais

82 Ler mais

ANÁLISE DA INCORPORAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) NA MASSA CERÂMICA PARA PRODUÇÃO DE BLOCOS CERÂMICOS

ANÁLISE DA INCORPORAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) NA MASSA CERÂMICA PARA PRODUÇÃO DE BLOCOS CERÂMICOS

O CONAMA 357/05 determina as condições e padrões de emissão adotados para o controle de lançamentos de efluentes no corpo receptor. Os sistemas de tratamento de esgoto buscam diminuir o impacto do lançamento dos efluentes nos corpos d’água receptores, atendendo a esta Resolução. Por outro lado o lodo gerado nas estações de tratamento de esgoto tem se tornado um problema crescente sendo considerado como resíduo. Este trabalho busca verificar a viabilidade da incorporação do lodo de estação de tratamento de esgoto (ETE) na massa cerâmica para produção de blocos cerâmicos. Para isso, amostras de lodo foram coletadas na ETE Verde da SANEPAR no Município de Ponta Grossa-PR e de argila da Cerâmica São Gerônimo no Município de Prudentópolis-PR. O lodo na ETE Verde é submetido a um processo de higienização, reduzindo significativamente a concentração de patógenos no resíduo. O processo utilizado é a caleação, que promove a estabilização, desinfecção química e térmica através da adição e mistura da cal ao lodo numa porcentagem de 30% a 50% do peso seco de lodo. Para a caracterização do lodo e da argila foram realizadas análises de difração de raios X, análise térmica diferencial e termogravimétrica, espectroscopia de fluorescência de raios X e distribuição granulométrica. As composições estudadas foram feitas com adições de 5 a 50% em peso do lodo na massa cerâmica. Após a mistura do lodo com as argilas, as amostras foram conformadas por prensagem uniaxial e sinterizadas nas temperaturas de 900 o C, 1000 o C e 1100 o C. As amostras sinterizadas foram caracterizadas por medidas de densidade aparente, absorção de água, porosidade aparente, resistência mecânica, difração de raios X e microscopia eletrônica de varredura. Após verificar a viabilidade do uso do lodo de ETE na massa cerâmica, essas foram conformadas por extrusão e sinterizadas na Cerâmica São Gerônimo no Município de Prudentópolis-PR. Os resultados mostraram que a adição do lodo até 15% da massa da argila atende a todos os parâmetros preconizados pelas normas vigentes.
Mostrar mais

93 Ler mais

Otimização de uma estação de tratamento de efluentes de uma indústria de embalagens de papel.

Otimização de uma estação de tratamento de efluentes de uma indústria de embalagens de papel.

Este trabalho versa sobre a utilização de uma estratégia de otimização de uma estação de tratamento de efluentes de uma indústria de embalagens de papel, com problemas de “foaming”. Os resultados do diagnóstico inicial mostraram que o tratamento primário alcançou uma eficiência superior a 70% na remoção de sólidos suspensos. As modificações operacionais realizadas foram limpezas das caixas de gordura, redução da geração de óleos e graxas nos pontos de geração. As modificações no processo na ETE foram à implementação da equalização da vazão de alimentação do tanque de aeração, adição de hipoclorito de sódio na entrada do sedimentador secundário, adição de ácido fosfórico para equilibrar a relação entre nutrientes e DBO 5 e a manutenção de uma concentra- ção e idade do lodo constante durante o processo.
Mostrar mais

7 Ler mais

Avaliação operacional da estação de tratamento de efluentes de uma indústria de papel

Avaliação operacional da estação de tratamento de efluentes de uma indústria de papel

A ETE SANTHER foi construída em 1991 e iniciou suas operações em 1992, para o tratamento de todos os efluentes líquidos do processo. A ETE foi construída considerando vazão de projeto de 6033 m³/d, efluente bruto com carga orgânica de 1263 kg/d de DBO, sólidos suspensos de 3619 kg/d, pH neutro e teores de nitrogênio e fósforo satisfatórios. O sistema foi projetado com as seguintes unidades de tratamento: elevatória de efluente bruto, decantador primário, lagoa aerada N1, lagoa aerada N2, lagoa de decantação e sistema de desidratação de lodo. As duas lagoas de aeração foram projetadas com as mesmas dimensões, porém com número de aeradores distintos, sendo nove na lagoa N1 e seis na lagoa N2 com a mesma potência. A modernização dos equipamentos acarretou redução do consumo de água e consequentemente a vazão gerada na fábrica, sendo a lagoa N1 desativada.
Mostrar mais

87 Ler mais

Identificação da ecotoxicidade do lodo de estação de tratamento de efluentes sanitários

Identificação da ecotoxicidade do lodo de estação de tratamento de efluentes sanitários

A crescente demanda por estações de tratamento de efluentes (ETE) tem gerado novas perspectivas no gerenciamento do lodo, com o desafio em equilibrar os aspectos e impactos ambientais, a otimização da produtividade dos processos de tratamento de efluentes em termos qualitativo e quantitativo e o benefício ambiental e socioeconômico. A reciclagem agrícola do lodo tratado (biossólido) apresenta grande potencial por associar esses aspectos, porém é imprescindível que as características químicas e biológicas do biossólido atendam aos requisitos de segurança sanitária e ambiental. O objetivo desse trabalho foi realizar uma abordagem complementar ao previsto na legislação brasileira para reciclagem agrícola do lodo, por meio da avaliação ecotoxicológica do elutriato do lodo de uma ETE, para quantificar e identificar a(s) substância(s) que confere(m) efeitos ecotóxicos agudos ao organismo-teste Daphnia similis. Para tanto, foi utilizada a ferramenta “Avaliação e Identificação da Toxicidade” (AIT). Após a remoção de aproximadamente 40% do teor de sólidos totais no elutriato, confirmou-se que a amônia não ionizada foi, predominantemente, um dos principais responsáveis pela ecotoxicidade aguda do lodo. A resina zeólita (proporção 180g / 200mL de elutriato) mostrou-se eficiente na remoção da amônia. O critério de ‘razão ≥ 2’, utilizado para avaliar as diferenças significativas na ecotoxicidade das amostras, permitiu uma comparação mais eficiente dos resultados obtidos.
Mostrar mais

116 Ler mais

Reaproveitamento do lodo da estação de tratamento de efluentes de uma indústria cerâmica

Reaproveitamento do lodo da estação de tratamento de efluentes de uma indústria cerâmica

resíduos que provocam a necessidade de investimentos em vários equipamentos de tratamento e/ou destinação adequada. Os efluentes são tratados em ETE, de onde resulta o lodo que, após prensado em filtro-prensa, é compactado em blocos chamados comumente de torta de lodo ou apenas torta. Devido à ausência de estrutura adequada ou dos altos custos para deposição final em locais previamente preparados, os lodos geralmente são depositados em locais inadequados. Isso provoca um aumento de perdas e dos custos de produção e além da geração de impactos ambientais significativos. Essas análises e informações contribuem com o aumento da tendência de buscas de reaproveitamento de resíduos visando a redução de custos industriais e agressões ao meio ambiente.
Mostrar mais

90 Ler mais

Projeto de automação da estação de tratamento de efluentes em Bertioga - São Paulo

Projeto de automação da estação de tratamento de efluentes em Bertioga - São Paulo

A preocupação com o saneamento e o tratamento dos dejetos ao longo da história esteve na maioria das vezes relacionada à transmissão de doenças e à poluição do meio ambiente. Com o aumento exponencial da população e das indústrias (principalmente de grande porte) houve um aumento no consumo e, consequentemente, na produção dos dejetos. A história apresenta leis e normas que foram criadas a partir das ultimas décadas para regularizar o tratamento da água e dos efluentes, a canalização de esgotos domésticos e industriais, a criação de estações de tratamento de esgotos (ETE's) e a preservação do meio ambiente. Este trabalho tem como finalidade apresentar, através de revisão bibliográfica, os processos e meios de tratamento de efluentes, além de descrever a automatização dos processos e integração de equipamentos de uma obra de grande porte realizada na ETE Bertioga. Inicialmente foram apresentados dados históricos relacionados à poluição das águas, às leis regulamentadoras e à gestão ambiental. Em seguida foram descritos os tipos de tratamentos de efluentes existentes, conceitos sobre automação, equipamentos e instrumentos utilizados, execução e finalização da obra da ETE Bertioga.
Mostrar mais

142 Ler mais

Tratamento de lodo primário de estação de tratamento de efluentes e aplicação de protocolo de avaliação.

Tratamento de lodo primário de estação de tratamento de efluentes e aplicação de protocolo de avaliação.

realizada como alternativa de codisposição de lodo da indústria de curtume. A fração orgânica putrescível dos resíduos sólidos urbanos foi inoculada com lodo primário de ETE de curtume, ocorrendo um processo de bioestabilização do resíduo. Os resultados mostraram significativa transformação de massa de demanda química de oxigênio e carbono total, como também atenuações significativas de metais pesados como cromo, ferro, zinco, níquel, cobre e cobalto, indicando que o composto formado poderia ser aplicado em solo, com restrições apenas com relação ao cromo, cujo teor no composto bioestabilizado, encontrava-se acima do limite máximo legalmente recomendado.
Mostrar mais

108 Ler mais

Efeitos da disposição de lodo de estações de tratamento de efluentes (ETE) de indústria alimentícia no solo: estudo de caso.

Efeitos da disposição de lodo de estações de tratamento de efluentes (ETE) de indústria alimentícia no solo: estudo de caso.

As estações de tratamento de efluentes (ETE) têm por objetivo a remo- ção dos poluentes, nutrientes e matéria orgânica presentes nas águas residuárias antes que retornem ao meio ambiente. O lodo produzido em uma ETE corresponde a cerca de 1 a 2% do volume do efluente tratado, entretanto o tratamento e a disposição final desse resíduo represen- tam de 30 a 50% do custo operacional da estação (SANEPAR, 1999). As características do lodo gerado em ETEs são muito variáveis. Lodos de esgoto sanitário podem apresentar alta concentração de patógenos
Mostrar mais

8 Ler mais

Análise do custo do ciclo de vida de uma estação de tratamento de esgoto - ete Bombinhas, SC

Análise do custo do ciclo de vida de uma estação de tratamento de esgoto - ete Bombinhas, SC

A aplicação da Análise do Custo do Ciclo de Vida como ferramenta para auxiliar a tomada de decisão dentro do domínio ambiental é significativa apenas a partir de 2000. Rebitzer, Hunkeler e Jolliet (2003) destacam a importância da abordagem sistêmica em uma análise econômica para uma estação de tratamento de efluentes, em que processos a montante – produção de materiais auxiliares – e a jusante – tratamento e transporte de lodo – devem ser levados em consideração em função da geração de poluição e de custos adicionais. Os autores concluem ainda que a sustentabilidade só pode ser atingida se as soluções propostas e implementações ambientais e sociais forem economicamente viáveis, destacando a ACCV como um poderoso método para expandir a visão econômica, incluindo-se todos os elementos importantes do sistema e as inter-relações no ciclo de vida do produto.
Mostrar mais

75 Ler mais

Viabilidade de utilização do lodo de estação de tratamento de efluentes industriais em materiais cerâmicos

Viabilidade de utilização do lodo de estação de tratamento de efluentes industriais em materiais cerâmicos

Para Aquino (2015) após os testes das características da matéria prima, o lodo da ETE foi adicionado na massa de argila nas proporções de 2%, 4%, 6%, 8% e 10%, e feito o teste em todas as temperaturas de queima, 950ºC, 1050ºC e 1150ºC, e constatou que houve alteração nas propriedades físicas e químicas dos corpos de provas produzidos. Quanto à perda ao fogo, o corpo de prova apresentou-se um aumento com maior percentual de lodo adicionado na massa, após queima a retração linear diminuiu com a adição de lodo, a absorção de água cresceu com a adição de lodo, proporcionando peças mais porosas e portanto menos resistentes.. Deste modo, com base no estudo apresentado é possível utilizar 2% de lodo em massas argilosas utilizadas pelas indústrias de cerâmica.
Mostrar mais

42 Ler mais

Caracterização e alternativas para melhoria operacional da estação de tratamento de efluentes de uma indústria alimentícia

Caracterização e alternativas para melhoria operacional da estação de tratamento de efluentes de uma indústria alimentícia

A determinação da vazão da ETE foi feita através do método volumétrico e da análise das contas de água disponíveis, uma vez que o empreendimento não possui outros tipos de monitoramento de vazão. Para a determinação desta variável, pelo método volumétrico, foi utilizado um recipiente metálico graduado (volume máximo de 15L), e um cronômetro para determinar o tempo gasto em seu enchimento até 10 litros. O ponto escolhido para monitoramento da vazão foi o A4 e como esta medida pode apresentar grandes variações, foram feitas cinco medidas diárias, instantâneas e no mesmo horário (entre 14:00 e 15:00) ao longo da semana, para posteriormente ser obtida a média diária e média semanal. As avaliações de vazão foram feitas ao longo da semana operacional do empreendimento, considerando o período de segunda a sábado.
Mostrar mais

68 Ler mais

Estudo locacional para a implantação de uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) no município de Atalanta/SC

Estudo locacional para a implantação de uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) no município de Atalanta/SC

Em confronto a este artigo temos a poluição dos recursos hídricos, a qual muitas vezes é ocasionada pela falta de tratamento de efluentes domésticos e industriais nos centros urbanos, gerando malefícios diretos a saúde da população e ao meio ambiente. Segundo pesquisa realizada pelo Trata Brasil, opus cit. Seroa e Mendonça (2004), na literatura são encontradas estimativas que evidenciam que a relação entre gastos de saneamento e saúde em termo de efetividade de custo-benefício varia de 4 para 1 até pouco menos de 1,5 para 1, que representa quanto se poupa de saúde gastando em saneamento.
Mostrar mais

82 Ler mais

Show all 10000 documents...