Flutter Atrial

Top PDF Flutter Atrial:

Alta dose de amiodarona em curto período reduz incidência de fibrilação atrial e flutter atrial no pós-operatório de cirurgia de revascularização miocárdica.

Alta dose de amiodarona em curto período reduz incidência de fibrilação atrial e flutter atrial no pós-operatório de cirurgia de revascularização miocárdica.

Para ser considerado desfecho primário, o episódio deveria ter duração de, no mínimo, 10 minutos ou, se inferior a este tempo, ter causado instabilidade hemodinâmica. Fibrilação atrial foi caracterizada no eletrocardiograma, por ausência de ondas P, antes de cada complexo QRS e uma freqüência ventricular irregular. Flutter atrial foi caracterizado, no eletrocardiograma, por ausência de ondas P, presença de ondas f bifásicas, podendo ser com bloqueio atrioventricular fixo ou variável. Tratamento para a taquiarritmia supraventricular não foi controlado pelo estudo. Todos os pacientes foram seguidos no período hospitalar.
Mostrar mais

5 Ler mais

Efetividade do metoprolol na prevenção de fibrilação e flutter atrial no pós-operatório de cirurgia de revascularização miocárdica.

Efetividade do metoprolol na prevenção de fibrilação e flutter atrial no pós-operatório de cirurgia de revascularização miocárdica.

Métodos - Ensaio clínico, randomizado e aberto, para tratar 200 pacientes submetidos à cirurgia de revas- cularização miocárdica isolada com circulação extracor- pórea, randomizados para receber metoprolol, por via oral, ou para não receber a medicação no pós-operatório. Os desfechos de interesse eram a detecção de fibrilação e flutter atrial sustentados, sintomáticos ou que requeres- sem tratamento. Excluídos do estudo os pacientes com fra- ção de ejeção basal do ventrículo esquerdo < 35%, fibri- lação atrial prévia, história de broncoespasmo, blo- queios atrioventriculares de 2 o e 3 o grau, baixo débito car-
Mostrar mais

5 Ler mais

Ablação do flutter atrial típico: estudo prospectivo e randomizado do cateter irrigado fechado versus cateter com eletrodo distal de 8 mm.

Ablação do flutter atrial típico: estudo prospectivo e randomizado do cateter irrigado fechado versus cateter com eletrodo distal de 8 mm.

Durante o período de janeiro de 2003 a março de 2004, foram selecionados 52 pacientes consecutivos (44 homens, idade média 56,5±12,9 anos) portadores de flutter atrial Ist-CT dependente, sendo referidos ao Laboratório de Eletrofisiologia da Unidade Clínica de Arritmias Cardíacas do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, para ablação com RF. O protocolo de pesquisa foi aprovado pela Comissão Científica do Instituto do Coração – HCFMUSP, pelo Comitê de Ética para Análise

6 Ler mais

Flutter atrial neonatal após inserção de cateter umbilical intracardíaco.

Flutter atrial neonatal após inserção de cateter umbilical intracardíaco.

Comentários: A relac ¸ão entre arritmias atriais e cateteres umbilicais mal posicionados tem sido descrita na literatura, mas, nesse caso, vale ressaltar o fato de o paciente ser filho de mãe diabética, o que consiste em outro fator de risco para as arritmias cardíacas. O flutter atrial isolado é uma taquiarritmia rara no período neonatal. O seu reconhecimento é fundamental para um tratamento precoce e para evitar complicac ¸ões sistêmicas e até mesmo fatais. © 2015 Sociedade de Pediatria de São Paulo. Publicado por Elsevier Editora Ltda. Este é um artigo Open Access sob a licença CC BY (http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/).
Mostrar mais

4 Ler mais

Fatores preditores de fibrilação atrial após ablação do flutter atrial típico.

Fatores preditores de fibrilação atrial após ablação do flutter atrial típico.

paciente se apresentava em ritmo sinusal, essa demonstração foi feita após indução do flutter atrial. O protocolo para indução do flutter atrial incluiu estimulação do átrio direito lateral e/ou do seio coronário proximal com ciclos regulares (S1-S1) de 600 a 200 ms, ou até o período refratário atrial, aplicados em pulsos de 10 a 30 batimentos, ou com até três extraestímulos aplicados durante ciclos básicos de 430 msg. Em quatro pacientes, o flutter atrial induzido não se sustentava e a participação do istmo cavo-tricuspídeo no flutter atrial espontâneo foi empiricamente admitida com base no aspecto da onda do flutter no ECG convencional 14 .
Mostrar mais

6 Ler mais

Ablação com radiofreqüência do flutter atrial tipo I. Importância do bloqueio bidirecional do istmo entre a veia cava inferior e o anel da valva tricúspide.

Ablação com radiofreqüência do flutter atrial tipo I. Importância do bloqueio bidirecional do istmo entre a veia cava inferior e o anel da valva tricúspide.

Embolia arterial pulmonar ou sistêmica após ablação com RF do flutter não foram descritas na literatura. Em nos- sa casuística, embolia arterial sistêmica ocorreu em um por- tador de miocardiopatia dilatada e flutter crônico. O proce- dimento transcorreu sem intercorrências, obtendo-se uma linha de bloqueio bidirecional no istmo VCI-AT; 36hs após o procedimento (após a alta hospitalar), o paciente apresen- tou embolia cerebral evoluindo com hemiparesia. Como esse paciente não apresentava comunicação interatrial, in- ferimos que a embolia fora devida à reversão do flutter atrial. Não se pode afastar a origem ventricular esquerda, principalmente por ser portador de cardiomiopatia dilatada, porém a relação temporal do evento, com a reversão do flutter para ritmo sinusal, sugere fortemente a câmara atrial esquerda como origem da embolia.
Mostrar mais

7 Ler mais

Ablação por cateter do flutter atrial. Caracterização eletrofisiológica da interrupção da condução pelos istmos posterior e septal.

Ablação por cateter do flutter atrial. Caracterização eletrofisiológica da interrupção da condução pelos istmos posterior e septal.

Purpose - Evaluate the different types of conduction blocks obtained between inferior vena cava-tricuspid annulus (posterior isthmus) and between tricuspid annulus-coronary sinus ostium (septal isthmus) after radiofrequency (RF) catheter ablation of atrial flutter (AFL) Methods - In 16 procedures, 14 patients (pts), 9 male, with type I AFL underwent RF ablation. Atrial activation around tricuspid annulus was performed with a 10-bipole "Halo" catheter (H1-2; H19-20). In sinus rhythm, isthmus conduction was evaluated during proximal coronary sinus (PCS) and low lateral right atrium (H1-2) pacing, before and after linear ablation. According to the wave front of impulse propagation we assessed absence of block (bidi- rectional conduction); incomplete block (bidirectional conduction with delay in one front of impulse propagation) and complete block (absence of conduction). The PCS/H1- 2 interval was measured before and after ablation.
Mostrar mais

11 Ler mais

Uso Ininterrupto de Anticoagulantes Orais na Ablação de Flutter Atrial Istmo-Cavotricuspídeo Dependente: Coorte Unicêntrica de 154 Pacientes

Uso Ininterrupto de Anticoagulantes Orais na Ablação de Flutter Atrial Istmo-Cavotricuspídeo Dependente: Coorte Unicêntrica de 154 Pacientes

1. Doherty JU, Gluckman TJ, Hucker WJ, Januzzi JL, Ortel TL, Saxonhouse SJ, et al. 2017 ACC Expert Consensus Decision pathway for periprocedural management of anticoagulation in patients with nonvalvular atrial fibrillation: a Report of the American College of Cardiology Clinical Expert Consensus Document Task Force. J Am Coll Cardiol. 2017;69(7):871-98. doi: 10.1016/j.jacc.2016.11.024.

6 Ler mais

Rev. paul. pediatr.  vol.34 número1

Rev. paul. pediatr. vol.34 número1

Comentários: A relac ¸ão entre arritmias atriais e cateteres umbilicais mal posicionados tem sido descrita na literatura, mas, neste caso, vale ressaltar o fato de o paciente ser filho de mãe diabética, o que consiste em outro fator de risco para as arritmias cardíacas. O flutter atrial isolado é uma taquiarritmia rara no período neonatal, sendo o seu reconhecimento fundamental para um tratamento precoce e para evitar complicac ¸ões sistêmicas e até mesmo fatais. © 2015 Sociedade de Pediatria de São Paulo. Publicado por Elsevier Editora Ltda. Este é um artigo Open Access sob a licença CC BY (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt).
Mostrar mais

4 Ler mais

Diferenças Clínicas entre Subtipos de Fibrilação Atrial e Flutter: Registro Transversal de 407 Pacientes.

Diferenças Clínicas entre Subtipos de Fibrilação Atrial e Flutter: Registro Transversal de 407 Pacientes.

Diferentemente de outros registros, a população de nosso estudo foi composta exclusivamente por pacientes que buscaram o setor de emergência em virtude da fibrilação atrial ou flutter atrial. Considerando que a maior parte dos gastos diretos e indiretos com essa patologia ocorre justamente no ambiente intra-hospitalar, acreditamos que o conhecimento das características clínicas dos pacientes com fibrilação atrial neste ambiente deve auxiliar a implementação de medidas para melhorar o atendimento dos pacientes no sistema de saúde pública. A prevalência de pacientes anticoagulados encontra-se aquém do desejado e representa possivelmente o primeiro fator que deve ser abordado, por meio de medidas de facilitação do acesso a ambulatórios especializados em anticoagulação e de melhora na comunicação entre os setores primário e terciário.
Mostrar mais

8 Ler mais

Distrofia miotônica: análise clínico-genética de uma família.

Distrofia miotônica: análise clínico-genética de uma família.

há flutter atrial, com variado grau de bloqueio. A transaminase glutâmico-oxalacética estava um pouco aumentada em relação ao normal. A atividade da transaminase pirúvica mostrou-se de[r]

8 Ler mais

Arq. Bras. Cardiol.  vol.93 número5 es a08v93n5

Arq. Bras. Cardiol. vol.93 número5 es a08v93n5

Cuando el paciente se presentaba en ritmo sinusal, esta demostración se hizo tras inducción del flutter atrial. El protocolo para inducción del flutter atrial incluyó estimulación del atrio derecho lateral y/o del seno coronario proximal con ciclos regulares (S1-S1) de 600 a 200 ms, o hasta el período refractario atrial, aplicados en pulsos de 10 a 30 batimentos, o con hasta tres extraestímulos aplicados durante ciclos básicos de 430 msg. En cuatro pacientes, el flutter atrial inducido no se sostenía y la participación del istmo cavotricuspídeo en el flutter atrial espontáneo se admitió empíricamente con base en el aspecto de la onda del flutter en el ECG convencional 14 .
Mostrar mais

6 Ler mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO AMORTECIMENTO VISCOELÁSTICO NO FENÔMENO AEROELÁSTICO DE FLUTTER

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO AMORTECIMENTO VISCOELÁSTICO NO FENÔMENO AEROELÁSTICO DE FLUTTER

No que diz respeito a amortecimento passivo, poucos trabalhos são encontrados na literatura, em comparação com o número de estudos de enfoque ativo. No trabalho de Reed; Cazier Jr; Fougner Jr (1980), propõe-se a introdução de um sistema chamado pilone desacoplado (decoupled pylon). Aeronaves militares muitas vezes têm como requisitos de missão o carregamento externo de cargas acopladas às asas, em diversas configurações (reservatórios de combustível, armamento, por exemplo). Essas cargas têm potencial de diminuir a velocidade de flutter da aeronave, e com isso reduzir efetivamente seu desempenho. A proposta do pilone desacoplado é, então, associar uma suspensão, com amortecimento e rigidez assistidos por um sistema de controle ativo retroalimentado em baixa frequência. Essa suspensão isola dinamicamente a asa dos efeitos de inércia das cargas ali colocadas, aumentando a faixa de estabilidade da aeronave.
Mostrar mais

148 Ler mais

Oclusão do apêndice atrial esquerdo com o Amplatzer Cardiac Plug em pacientes com fibrilação atrial.

Oclusão do apêndice atrial esquerdo com o Amplatzer Cardiac Plug em pacientes com fibrilação atrial.

6. Blackshear JL, Odell JA. Appendage obliteration to reduce stroke in cardiac surgical patients with atrial fibrillation. Ann Thorac Surg. 1996;61(2):755-9. 7. Healey JS, Crystal E, Lamy A, Teoh K, Semelhago L, Hohnloser SH, et al. Left Atrial Appendage Occlusion Study (LAAOS): results of a randomized controlled pilot study of left atrial appendage occlusion during coronary bypass surgery in patients at risk for stroke. Am Heart J. 2005;150(2):288-93. 8. Park JW, Bethencourt A, Sievert H, Santoro G, Meier B, Walsh K, et al. Left atrial appendage closure with Amplatzer cardiac plug in atrial fibrillation: initial European experience. Catheter Cardiovasc Interv. 2011;77(5):700-6. 9. Hart RG, Pearce LA, Aguilar MI. Meta-analysis: antithrombotic therapy to prevent stroke in patients who have nonvalvular atrial fibrillation. Ann Intern Med. 2007;146(12):857-67.
Mostrar mais

9 Ler mais

Arq. Bras. Cardiol.  vol.93 número6 suppl.1 v93n6s1a18

Arq. Bras. Cardiol. vol.93 número6 suppl.1 v93n6s1a18

9) FA ou flutter crônicos: para controle da frequência ventricular, usar digoxina, bloqueador beta-adrenérgico, diltiazem ou verapamil (IC) e manter com anticoagulante contínuo. Usar uma das heparinas durante toda a gestação ou no primeiro trimestre e duas semanas antes do parto, e anticoagulante oral nos demais períodos (IIbC).

4 Ler mais

Clinics  vol.68 número10

Clinics vol.68 número10

13. Deniz A, Sahin DY, Kanadasi M, Demir M, Berk IG, Akkus O, et al. Conduction characteristics in atrial fibrillation: Predictive value of tissue Doppler echocardiography. Herz. 2013 Apr 17. [Epub ahead of print]. 14. Weijs B, de Vos CB, Limantoro I, Cheriex EC, Tieleman RG, Crijns HJ.

2 Ler mais

Estudo dos efeitos da estimulação atrial temporária na prevenção da fibrilação atrial...

Estudo dos efeitos da estimulação atrial temporária na prevenção da fibrilação atrial...

Diferentes mecanismos eletrofisiológicos podem explicar a ação do marcapasso atrial na prevenção da FA: o controle da freqüência cardíaca previne as conseqüências arritmogênicas da bradicardia; a sobreestimulação pode prevenir batimentos prematuros, particularmente com supressão do foco automático; há supressão das pausas compensatórias; o marcapasso multissítio corrige o assincronismo e a ativação não uniforme resultante de bloqueios de condução orgânicos ou funcionais contribuindo para a prevenção da ocorrência de macro-reentrada e favorecendo o aumento do intervalo de fusão de batimentos prematuros no substrato anormal; e, finalmente os estudos sugerem que qualquer tratamento que previna a FA participa do processo de remodelação do substrato eletrofisiológico e aumenta o efeito preventivo do tratamento original 67 .
Mostrar mais

114 Ler mais

Efeitos da associação da estimulação atrial dinâmica em duplo sítio atrial com atenolol na prevenção da fibrilação atrial recorrente.

Efeitos da associação da estimulação atrial dinâmica em duplo sítio atrial com atenolol na prevenção da fibrilação atrial recorrente.

Methods: Twenty-five patients with recurrent episodes of paroxysmal AF and sinus node disease had dual-site atrial and ventricular pacemakers implanted, and were started on atenolol, 100 mg/day. Next, they were randomized to two groups: GROUP I: first three months with OAS and the specific pacing algorithm (DAO) turned on, and three more months with the algorithm off. GROUP II: the inverse sequence to GROUP I. The pacing mode chosen was DDDR, and after three months patients underwent clinical and electronic evaluations of the stimulation system by: automatic mode switch (AMS), 24-hour Holter monitoring, Doppler echocardiogram, and SF-36 questionnaire. Following, a crossover comparison took place, and a new assessment was performed six months later.
Mostrar mais

7 Ler mais

Função Atrial Esquerda Prejudicada Associada com a Fibrilação Atrial Paroxística na Hipertensão.

Função Atrial Esquerda Prejudicada Associada com a Fibrilação Atrial Paroxística na Hipertensão.

A FEPAE e o VEPAE não aumentaram significativamente em pacientes hipertensos quando comparados com o grupo hipertenso sem FAP. Como mencionado acima, o início do enchimento do ventrículo esquerdo é afetado pela pressão do AE, função sistólica e diastólica ventricular esquerda. Em nosso estudo, não houve diferença significativa na fração de ejeção do ventrículo esquerdo, na pressão arterial sistólica e diastólica. A massa ventricular esquerda foi maior no grupo hipertenso com FAP que no grupo de hipertensos sem FAP. Em termos de disfunção diastólica, a relação E/A representa a disfunção diastólica no grupo de hipertensos sem FAP e seu valor aumenta no grupo de hipertensos com FAP, porque a onda E aumenta e a onda A diminui nesse grupo. À medida que a câmara atrial esquerda dilata, sua função contráctil começa a deteriorar-se e a velocidade A, que está relacionada com a contração auricular,diminui, e a velocidade E aumenta, resultando na ‘normalização’ da razão E/A.
Mostrar mais

10 Ler mais

Proposta conceitual de excitador de "flutter" alternativo para ensaios em vôo

Proposta conceitual de excitador de "flutter" alternativo para ensaios em vôo

Os novos materiais utilizados nas estruturas de aeronaves, mais leves e flexíveis, tornam estas estruturas mais sujeitas a fenômenos aeroelásticos, sendo que o mais sério deles é o flutter, que deve ser cuidadosamente investigado com uma boa campanha de ensaios em vôo durante o desenvolvimento e certificação da aeronave. Este trabalho propõe um projeto conceitual de um excitador de flutter que atenda às necessidades dos ensaios, tentando resolver problemas encontrados nos modelos utilizados comumente. Para isso, é feita uma revisão da literatura pertinente, apresentando conceitos de ensaios em vôo e do fenômeno em questão, além de apresentar um histórico dos ensaios e modelos de excitadores utilizados ao longo da história. Em seguida, são apresentados alguns conceitos de excitadores, que são dimensionados e analisados segundo suas vantagens e desvantagens para finalmente escolher o modelo mais pertinente visando no futuro um projeto detalhado, construção e testes em túnel de vento.
Mostrar mais

111 Ler mais

Show all 642 documents...