folículos primordiais

Top PDF folículos primordiais:

Influência da Artrite Encefalite Caprina sobre a expressão de RNAm para GDF9, BMP15 e BMPRIB em folículos ovarianos e ativação in vitro de folículos primordiais em meio suplementado com  e EGF

Influência da Artrite Encefalite Caprina sobre a expressão de RNAm para GDF9, BMP15 e BMPRIB em folículos ovarianos e ativação in vitro de folículos primordiais em meio suplementado com e EGF

O objetivo deste trabalho foi investigar os efeitos da artrite encefalite caprina (CAE) sobre a expressão de BMP-15, BMPR-IB e GDF-9 em folículos ovarianos, bem como os efeitos de fitohemaglutinina (PHA) e EGF na sobrevivência e ativação de folículos primordiais, e na expressão de genes para o sistema de TNF- α no tecido ovariano cultivado caprino. Os níveis de BMP-15, BMPR-IB e GDF-9 em folículos primordiais/primários e secundários, bem como em CCOs e parede folicular de folículos antrais foram avaliados por PCR em tempo real (experimento 1). Para os estudos in vitro, fragmentos de tecido ovariano foram cultivados por seis dias em α-MEM sozinho ou suplementado com EGF (100ug), PHA (10μg/mL) ou ambos (experimento 2). Antes e depois do cultivo, o tecido ovariano foi processado para análise morfológica ou armazenado para avaliar a expressão de RNAm para TNF-α e seus receptores. Os resultados mostraram que a expressão de BMP-15 e GDF-9 em folículos primordiais/primários de cabras infectadas foram significativamente maiores do que em animais saudáveis, mas a expressão de GDF-9 em folículos secundários de cabras infectadas foi significativamente menor. Além disso, a expressão de RNAm para BMP-15 na parede folicular de folículos antrais de cabras infectadas foi significativamente maior do que em cabras saudáveis. Após o cultivo dos fragmentos ovarianos em todos os meios testados, observou-se a redução nos percentuais de folículos primordiais, e aumento de folículos em desenvolvimento quando comparado ao grupo controle não cultivado. Além disso, houve um aumento significativo no diâmetro folicular após cultivo em meio suplementado com EGF. Após o cultivo de tecido ovariano de cabras infectadas em meio suplementado com PHA, os folículos primordiais apresentavam diâmetros maiores do que os de animais saudáveis. Além disso, observou-se um aumento nos níveis de RNAm para TNF- α após cultivo de tecido ovariano na presença de ambos EGF e PHA em animais saudáveis, mas este mesmo tratamento proporcionou uma redução de RNAm para TNF- α e aumento dos transcritos de TNFR-II em animais infectados. Pode-se concluir que a CAE influencia a expressão de RNAm para BMP-15 e GDF-9 em folículos ovarianos caprinos e a PHA e o EGF diferencialmente regulam a expressão de TNF- α e TNFR-II em tecidos ovarianos.
Mostrar mais

101 Ler mais

Efeito da lectina Concanavalina A (CON A) sobre a ativação in vitro de folículos primordiais caprinos

Efeito da lectina Concanavalina A (CON A) sobre a ativação in vitro de folículos primordiais caprinos

Os objetivos deste estudo foram avaliar o efeito de diferentes concentrações de Concanavalina A (Con A) e do FSH sobre a ativação, sobrevivência e crescimento in vitro de folículos primordiais caprinos, bem como investigar os efeitos da Con A e do FSH sobre a expressão de RNAm para PCNA, KL, c-Kit, BMP-15 e GDF-9. Para isto, fragmentos de córtex ovariano foram cultivados in vitro por 1 ou 6 dias em α-MEM + suplementado com 0, 5, 10, 20 ou 40 μg/mL da lectina Con A (experimento 1). No final do período de cultivo, os fragmentos de córtex ovariano foram fixados para histologia clássica. Em seguida, avaliou-se a percentagem de folículos primordiais ou em desenvolvimento. Após a determinação da concentração de Con A mais eficiente ( 10 μg/mL), os fragmentos do córtex ovariano foram cultivados in situ por 6 dias em α-MEM + sozinho ou suplementado com 50 ng/mL de FSH, 10 μg/mL de Con A ou ambos (experimento 2). Os tecidos provenientes do controle não cultivado ou após cultivo nos diferentes tratamentos foram fixados para histologia clássica ou armazenados a -80 0 C para avaliar o perfil de expressão de RNAs mensageiros para PCNA, KL, c-Kit, BMP-15 e GDF-9. Os resultados do experimento 1 demonstraram que após 6 dias de cultivo, a percentagem de folículos em desenvolvimento foi significativamente maior nos fragmentos cultivados com α-MEM + suplementado com 10 e 40 μg/mL de Con A, quando comparado aos demais tratamentos (P <0,05). No experimento 2, a presença de FSH, Con A ou ambos promoveram uma redução na percentagem de folículos primordiais e aumento de folículos em desenvolvimento em relação ao meio controle ( α-MEM + ). Após 6 dias de cultivo, a presença de FSH promoveu um aumento nos níveis de RNAm para PCNA, mas este efeito foi bloqueado pela Con A. Por outro lado, a Con A aumentou os níveis de RNAm para c-kit em comparação ao controle não cultivado, mas Con-A ou ambos Con A e FSH reduziram os níveis de RNAm para KL. Além disso, uma redução dos RNAm para BMP-15 foi observado em folículos cultivados no meio controle, mas a presença de FSH inibiu esta redução. Além disso, a Con A promoveu um aumento nos níveis de RNAm para GDF-9 após cultivo in vitro . Em conclusão, a Con A sozinha ou em combinação com FSH promovem a ativação de folículos primordiais caprinos após 6 dias de cultivo in vitro e regulam a expressão de RNAm para PCNA, KL, c-Kit, BMP-15 e GDF-9.
Mostrar mais

91 Ler mais

Efeito da lectina jacalina (artocarpus integrifolia) sobre a sobrevivência e ativação in vitro de folículos primordiais caprinos

Efeito da lectina jacalina (artocarpus integrifolia) sobre a sobrevivência e ativação in vitro de folículos primordiais caprinos

Durante a formação dos folículos primordiais, o hormônio folículo estimulante (FSH) pode atuar regulando a ação de E-caderina e N-caderina, glicoproteínas do tipo transmembranárias que possuem relevante papel na formação dos folículos primordiais (WANG e ROY, 2010). Outros estudos têm revelado que o fator de transcrição em linhagem germinativa alfa (Figα) é expresso no oócito e participa na formação de folículos primordiais (SOYAL et al., 2000). Além disso, este fator coordena a expressão dos genes estruturais para os componentes da zona pelúcida (EPPIG et al., 2001). Após a sua formação, os folículos primordiais podem ter três destinos: (1) serem ativados e crescer, (2) sofrer atresia, ou (3) permanecer em quiescência. A quiescência é importante para promover a manutenção da reserva folicular ovariana, impedindo que todos os folículos sejam ativados simultaneamente, o que ocasionaria o esgotamento da reserva folicular (REDDY et al., 2008). Estudos in vitro têm demonstrado que várias substâncias, como por exemplo, o fator de crescimento semelhante à insulina 1 (IGF-1), o fator de crescimento epidermal (EGF), o fator de crescimento fibroblástico 2 (FGF-2), a BMP-4 e o fator de crescimento e diferenciação 9 (GDF-9) são extremamente importantes para a manutenção da viabilidade destes folículos (REYNAUD e DRIANCOURT, 2000; MARKSTRÖM et al., 2002; NILSSON e SKINNER, 2003).
Mostrar mais

89 Ler mais

Expressão do sistema interleucina 1  em folículos ovarianos bovinos e efeitos in vitro da il1β na ativação de folículos primordiais.

Expressão do sistema interleucina 1 em folículos ovarianos bovinos e efeitos in vitro da il1β na ativação de folículos primordiais.

O objetivo deste estudo foi investigar a expressão do sistema interleucina 1 (proteínas e RNAm de ligantes e receptores) e sua distribuição nos ovários de vacas cíclicas, bem como avaliar os efeitos da IL- 1β na sobrevivência e ativação de folículos primordiais in vitro . Os ovários foram processados para a localização do sistema interleucina 1 em folículos pré- antrais e antrais utilizando as técnicas de imunohistoquímica, qPCR e análise de Western blot. Para os estudos in vitro, fragmentos ovarianos foram cultivados em α-MEM + suplementado com IL- 1β (0, 1, 10, 50 ou 100 ng/mL), e após 6 dias foram processados para análise histológica. Os resultados de imunohistoquímica mostraram que a proteína para os integrantes do sistema interleucina I (IL-1β, IL-1RA, IL-1RI e IL-1RII) foram detectados em diferentes compartimentos foliculares. Infelizmente, o anticorpo testado para localização de IL-1α não reagiu em ovários bovinos. Todas as proteínas testadas foram observados no citoplasma dos oócitos e nas células da granulosa de todas as categorias foliculares, e nas células da teca de folículos antrais, com a exceção da IL-1α, que não foi encontrada em nenhuma das célula analisados. Foram observados níveis variáveis de RNAm para o sistema interleucina 1 nas diferentes categorias foliculares analisadas. Após 6 dias de cultivo, a presença de IL-1β (10 ou 50 ng/mL) foi capaz de manter a percentagem de folículos normais e de promover a ativação dos folículos primordiais. Em conclusão, os componentes do sistema de interleucina 1 são expressos diferencialmente em células ovarianas de acordo com a fase do desenvolvimento folicular. Além disso, a IL- 1β promove o desenvolvimento de folículos primordiais in vitro . Estes resultados sugerem um importante papel do sistema interleucina 1 na regulação da foliculogênese em bovinos.
Mostrar mais

95 Ler mais

Ciclo estral, histomorfometria ovariana e uterina de camundongas após tratamento prolongado com acetato de medroxiprogesterona

Ciclo estral, histomorfometria ovariana e uterina de camundongas após tratamento prolongado com acetato de medroxiprogesterona

O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos do tratamento prolongado com o progestágeno acetato de medroxiprogesterona sobre a histomorfometria ovariana de camundongas. Foram utilizadas 24 fêmeas nulíparas, com 60 dias de idade, distribuídas nos seguintes grupos: 1- Controle (n=8) sem tratamento com acetato de medroxiprogesterona (MPA); 2- Tratado com 0,06 mg de MPA/animal (n=8); 3- Tratado com 0,12 mg de MPA/animal (n=8). Nos grupos tratados, cada fêmea recebeu uma dose de MPA, a cada 15 dias, por via subcutânea, sempre no período do diestro, totalizando 90 dias de experimento (6 doses). Após a última dose de MPA, as camundongas foram submetidas à eutanásia no período do diestro. Realizou-se a microtomia seriada do ovário esquerdo de cada camundonga, obtendo-se cortes com 4 μm de espessura que foram corados com azul de toluidina e borato de sódio a 1%. A análise morfométrica consistiu na avaliação quantitativa de folículos primordiais, primários unilaminares, multilaminares, pré-antrais, antrais e atrésicos, na determinação do diâmetro das diversas categorias de folículos e respectivos ovócitos, além da proporção volumétrica dos seguintes constituintes: folículos, estroma do córtex ovariano e região medular. A freqüência de folículos primários unilaminares e pré-antrais foi maior (P<0,05) nos grupos tratados, não havendo diferença entre os grupos para outras categorias de folículos, indicando que o tratamento com o MPA não prejudicou o recrutamento inicial de folículos primordiais. A proporção volumétrica da região medular ovariana foi maior nos grupos tratados, sugerindo uma possível reorganização entre as regiões cortical e medular em decorrência da inibição de ovulação pelo MPA.
Mostrar mais

80 Ler mais

Expressão gênica dos fatores de crescimento fibroblástico 7 e 10 (FGF-7 e FGF-10) ao longo do desenvolvimento folicular ovariano bovino

Expressão gênica dos fatores de crescimento fibroblástico 7 e 10 (FGF-7 e FGF-10) ao longo do desenvolvimento folicular ovariano bovino

Estudos utilizando cultivo de folículos pré-antrais condizem com o envolvimento do FGF-7 no desenvolvimento folicular pré-antral, visto que esse fator estimulou a transição in vitro de folículos primordiais para primários, juntamente com outros fatores como o kit-ligante, FGF-2 e o BMP-4 (KEZELE et al., 2005). Além disso, o cultivo de folículos ovarianos pré-antrais desafiados com o FGF-7 indicou que ele pode atuar como um fator de diferenciação e sobrevivência, capaz de prevenir a apoptose e estimular a síntese protéica (HSUEH et al., 2000). Embora, os mecanismos de ação não tenham sido esclarecidos, esses efeitos são potencializados pela adição de FSH (HSUEH et al., 2000). De fato, BURATINI et al. (2005d) demonstraram que o FSH aumenta a expressão do FGFR-2b em células da granulosa em cultivo, o que condiz com a potencialização dos efeitos do FGF-7 pelo FSH. Não há relatos da investigação do FGFR-2b em folículos pré-antrais, porém a presença do FGF-7 nesta fase da foliculogênese sugere que ele esteja atuando através do seu receptor, regulando a proliferação e diferenciação das células da granulosa.
Mostrar mais

84 Ler mais

Desenvolvimento folicular em fragmentos ovarianos de cadelas (Canis lupus familiaris) cultivados em meios "MEM" suplementado com soro de cadela no proestro e cadela gestante

Desenvolvimento folicular em fragmentos ovarianos de cadelas (Canis lupus familiaris) cultivados em meios "MEM" suplementado com soro de cadela no proestro e cadela gestante

Segundo CALIMAN et al., 2014 o Hormônio Folículo estimulante humano (hFSH) é capaz de promover a ativação de folículos primordiais e manter a integridade ultraestrutural de folículos pré-antrais caprinos cultivados in situ por até sete dias. O FSH tem sido apontado como um hormônio fundamental no meio de cultivo, por apresentar atividades como a regulação da expressão de diversos fatores de crescimento que, por sua vez, participam da ativação e do crescimento folicular. Todos estes eventos são imprescindíveis para a obtenção de ovócitos competentes durante o cultivo in vitro, além disso, este hormônio promove a proliferação das células da granulosa, a formação do antro e a inibição da atresia folicular (CALIMAN 2014). De acordo com o mesmo autor, a adição de Fator de crescimento semelhante a insulina I (IGF- I) ao meio cultivo ativa os folículos em desenvolvimento com um dia de cultivo. Além disso, a utilização de Tiroxina (T4) é eficaz na manutenção da sobrevivência, ativação e crescimento de folículos caprinos cultivados in situ, durante sete dias, sendo que a algumas combinações destes fatores em acréscimo ao meio MEM de cultivo, favorecem os aspectos de desenvolvimento folicular e ovocitário in situ.
Mostrar mais

51 Ler mais

Efeito do resfriamento e da associação de crioprotetores, penetrantes, não penetrante e ácido ascórbico na qualidade de folículos pré-antrais bovinos vitrificados

Efeito do resfriamento e da associação de crioprotetores, penetrantes, não penetrante e ácido ascórbico na qualidade de folículos pré-antrais bovinos vitrificados

O folículo é considerado a unidade morfológica e funcional do ovário mamífero, sendo composto por um oócito circundado por células da granulosa e da teca, cuja função é proporcionar um ambiente ideal para o crescimento e maturação do oócito (CORTVRINDT & SMITZ, 2001). Durante a foliculogênese, processo de formação, crescimento e maturação folicular, a morfologia folicular é alterada, visto que o oócito cresce e as células circundantes se diferenciam (BRISTOL-GOULD & WOODRUFF, 2006). Os folículos podem ser classificados de acordo com seu grau de evolução, número de camadas de células da granulosa (CG), desenvolvimento das camadas de células tecais, posição do oócito dentro do cumulus oophorus circunjacente e presença do antro (FERREIRA, 2010). Comumente os folículos podem ser divididos em: 1) folículos pré-antrais ou não cavitários, que abrangem os folículos primordiais, transição, primários e secundários e 2) folículos antrais ou cavitários, compreendendo os folículos terciários, de De Graaf ou pré-ovulatório (HULSHOF et al., 1994). Os folículos primordiais contêm um oócito circundado por uma única camada de células com morfologia pavimentosa (FORTUNE, 2003). Estão localizados na região da periferia do córtex do ovário e correspondem a 95% de toda a população folicular presente no ovário (FIGUEIREDO et al., 2008). Durante a vida fetal, a formação dos folículos primordiais em ovários bovinos é observada aos 120 dias (RÜSSE, 1983). Segundo Munhoz e Silva (2008), o folículo primordial bovino possui em média 5,5 CG, diâmetro folicular de 36,5 µm e um diâmetro do oócito de 29,1µm. Após a formação dos folículos primordiais, alguns podem ser estimulados a crescer imediatamente ou, na maioria destes, as células da pré-granulosa param de se multiplicar e entram num período de quiescência até receberem sinais para entrar no pool de crescimento (McGEE & HSUEH, 2000).
Mostrar mais

69 Ler mais

Vitrificação de folículos ovarianos pré-antrais de fêmeas bovinas com dimetilsulfóxido e sacarose acrescida de &#945;-tocoferol

Vitrificação de folículos ovarianos pré-antrais de fêmeas bovinas com dimetilsulfóxido e sacarose acrescida de &#945;-tocoferol

Dessa maneira, os crioprotetores DMSO E SAC têm um bom desempenho pós- vitrificação nos FOPA primários, coincidindo com os FOPA primordiais. De acordo com FUKU et al. (1992), DMSO, propanodiol e etilenoglicol possuem maior permeabilidade à membrana celular que o glicerol, levando a menores taxas de FOPA viáveis quando o último é utilizado. Com relação ao tipo de descongelamento nos tratamentos de vitrificação, os FOPA primários afetaram-se mais no tipo de descongelamento entre tratamentos que os FOPA primordiais. Observou-se que o SAC foi menos efectivo que quando se utilizou o MEM na maioria dos tratamentos, com exceção em SV2s (tabelas 5 e 6). Então, o meio de descongelamento com sacarose, dependendo de outros componentes na solução de vitrificação pode prejudicar a morfologia dos folículos primários, mas não prejudicam a morfologiados folículos primordiais.
Mostrar mais

71 Ler mais

Caracterização estrutural do fator de crescimento de fibroblasto-10 (FGF-10) e seu papel na fisiologia folicular ovariana

Caracterização estrutural do fator de crescimento de fibroblasto-10 (FGF-10) e seu papel na fisiologia folicular ovariana

Os FGFs são expressos no ovário e estão envolvidos em diferentes eventos fisiológicos locais, incluindo a ativação de folículos primordiais [52], o crescimento inicial do oócito [23] e a seleção de fo- lículos dominantes [7]. Especificamente em relação ao FGF-10, estudos detectaram a expressão do seu RNAm nas células da teca e no estroma ovariano em humanos [67]. Já em bovinos foi verificada a presença do RNAm para este fator de crescimento em oócitos e células da teca de folículos antrais e células luteais, bem como em folículos primordiais, primários e secundários [16,19]. Além disso, observou-se que a expressão do FGF-10 nas células da teca pode variar de acordo com a viabilidade folicular, diminuindo com o crescimento e aumento da capacidade esteroidogênica [16]. A expressão do FGF-10 em células da granulosa também foi confirmada pela localização da sua prote- ína nesse compartimento, embora o RNAm não tenha sido localizado. Essa discrepância pode ser explicada pela internalização do FGF-10 após ligação ao seu receptor, que é expresso nas células da granulosa [16].
Mostrar mais

12 Ler mais

Efeito do fator de necrose tumoral alfa (TNFα) e da interleucina1 beta (IL1β) sobre o  in vitro de folículos secundários bovinos isolados

Efeito do fator de necrose tumoral alfa (TNFα) e da interleucina1 beta (IL1β) sobre o in vitro de folículos secundários bovinos isolados

Os folículos primordiais constituem a reserva de células germinativas durante todo o período da vida reprodutiva feminina e representam cerca de 95% do total de folículos pré- antrais presentes no ovário (ERICKSON, 1986). Estes folículos possuem diâmetro médio de 20µm em bovinos (HULSHOF et al., 1994). Após sua formação, cada folículo primordial tem três possíveis destinos: (1) permanecer quiescente; (3) ser ativado para o pool de crescimento (seguido pela atresia, em um estágio mais avançado de desenvolvimento, ou pela ovulação) ou (3) sofrer atresia diretamente no estágio de folículo quiescente (REDDY; ZHENG; LIU, 2010). Os sinais de ativação dos folículos primordiais incluem a retomada da proliferação das células da granulosa (VAN DEN HURK; BEVERS; BECKERS, 1997) e a mudança na morfologia dessas células de pavimentosas para cúbicas. O controle do mecanismo de ativação é feito por fatores inibitórios, que mantêm o folículo primordial em estado de dormência, e estimulatórios, responsáveis pela promoção da sobrevivência e ativação destes folículos (MONNIAUX et al., 2014). O kit ligand (KL), também conhecido como fator de células-tronco (Stem cell factor – SCF), e o fator de crescimento fibroblástico básico (bFGF), por exemplo, foram relatados como fatores necessários à ativação de folículos primordiais bovinos (bFGF: TANG et al., 2012). Além disso, gonadotrofinas, como o hormônio folículo estimulante (FSH), promovem a ativação de folículos primordiais, bem como o crescimento dos folículos ativados, uma vez que o FSH parece estar envolvido na proliferação e diferenciação das células da granulosa in vitro (MATOS et al., 2007a; MAGALHÃES et al., 2009; TANG et al., 2012). Assim, os fatores endócrinos (gonadotrofinas) e fatores intraovarianos (fatores de crescimento e peptídeos) são os principais responsáveis pelo controle dessa ativação e do crescimento desses folículos (PICTON et al., 2008).
Mostrar mais

83 Ler mais

Caracterização morfométrica e ultraestrutural e descrição do perfil lipídico de folículos ovarianos de suínos

Caracterização morfométrica e ultraestrutural e descrição do perfil lipídico de folículos ovarianos de suínos

Quando estes folículos são ativados, seus ovócitos iniciam crescimento, com aumento de volume, e as células da granulosa passam a ter um formato cubóide (Fair et al. 1997). Sabe-se que as células da granulosa além de se tornarem mais volumosas, também se multiplicam por mitose nesse estágio de desenvolvimento (Giomett, 2003). Alguns autores consideram como primordiais folículos que possuam algumas células da granulosa cubóides, geralmente localizadas em um dos pólos do folículo, juntamente com células da granulosa pavimentosas (van Wezel & Rodgers, 1996). Para Gougeon & Chainy (1987) esses folículos são tão numerosos quanto os folículos primordiais, possuem o mesmo tamanho, porém com maior número de células da granulosa quando observado nos cortes histológicos. Os termos “em transição” ou “intermediários” também são utilizados para classificar estes folículos (Westergaard et al. 2007; Rice et al. 2008). Dessa forma, folículos primários são aqueles cujos ovócitos são totalmente circundados por uma camada de células da granulosa de formato cubóide (Figura 4). Existe uma grande variação no diâmetro dos folículos primários assim como no número de células da granulosa que circundam o ovócito das diversas espécies já estudadas, como pode ser observado no Quadro 2.
Mostrar mais

74 Ler mais

Isolamento e caracterização ultraestrutural de folículos pré-antrais de vacas da raça Nelore (Bos taurus indicus)

Isolamento e caracterização ultraestrutural de folículos pré-antrais de vacas da raça Nelore (Bos taurus indicus)

Folículos pré-antrais de 41 vacas da raça Nelore foram quantitativa e ultraestruturalmente descritos neste estudo. Uma média de 35.539,20 folículos pré-antrais foram isolados mecanicamente (“Tissue Chopper”) por animal. Os folículos foram processados para microscopia eletrônica de transmissão. Os folículos primordiais apresentaram um oócito rodeado por uma camada de células granulosas (CGs) achatadas, com algumas tendendo à forma cuboidal. As demais fases de desenvolvimento foram classificadas como folículos primários, com uma camada de CGs cuboidais, e secundários, com mais de duas camadas de CGs cuboidais. Os folículos primordiais apresentaram oócito evidente, com núcleo excêntrico e nucléolo bem definido, cercado por regiões de cromatina condensada. As organelas ao redor do núcleo eram, predominantemente, mitocôndrias arredondadas. Folículos em desenvolvimento apresentavam organelas mais dispersas e numerosas, com mitocôndrias alongadas. As comunicações entre o oócito e as CGs mantinham-se por zonas de aderência, “coated pits” e vesículas de endocitose. A zona pelúcida (ZP) começava a aparecer em folículos primários, mostrando microvilos pequenos e vesículas penetrando na ZP. Os folículos secundários apresentavam aglomerados de grânulos corticais em associação a complexos de Golgi. Concluímos que o método mecânico de isolamento fornece quantidades suficientes de folículos pré-antrais de ovários de vacas da raça Nelore e, pela semelhança ultraestrutural com os folículos de outras raças, é possível a utilização dos mesmos protocolos de cultivo que vêm sendo estudados, desde que possibilitem a maturação meiótica dos oócitos.
Mostrar mais

9 Ler mais

Morfometria de folículos pilosos do couro cabeludo normal.

Morfometria de folículos pilosos do couro cabeludo normal.

Comparando os cortes hipodérmicos do Grupo 2 (sexo feminino) observou-se diferença esta- tisticamente significativa entre os diâmetros mínimos dos folículos. Isso pode sugerir uma modificação estrutural daqueles folículos. Folículos ovalados ou elípticos (associados a cabelos ondulados ou cres- pos) têm diâmetros mínimos menores do que aque- les circulares (associados a cabelos lisos). Foi consi- derada a possibilidade de haver alguma relação com o tipo da haste do cabelo. Retornando às anotações iniciais de fato, seis indivíduos do Grupo 2 (sexo feminino) apresentavam cabelos crespos ou ondula- dos contra apenas dois do Grupo 1 (sexo masculi- no). As secções transversais da haste folicular de cabelos crespos são ovaladas ou reniformes (nos cabelos negróides); pouco se conhece, entretanto, sobre essas diferenças foliculares. 8 Essa avaliação é
Mostrar mais

7 Ler mais

Avaliação histológica da viabilidade de folículos ovarianos suínos submetidos a diferentes condições de transporte

Avaliação histológica da viabilidade de folículos ovarianos suínos submetidos a diferentes condições de transporte

165 Figura 03: Fotomicrografias de tecido ovariano de suínos armazenado em diferentes temperaturas por 2 horas. (A e B) armazenamento a 4 °C. (C e D) armazenamento a 35,5 °C. Ambos os casos apresentando folículos normais, com células da granulosa (CG) organizadas, com várias camadas, aderidas à lâmina basal (LB) e oócitos (Ooc) normais com citoplasma regular e sem retração. Possível diferenciação das tecas internas (TI) e externa (TE) e visualização da zona pelúcida (ZP). AF = antro folicular; Co = córtex; CL = corpo lúteo; VS = vaso sanguíneo. Fonte: autoral.
Mostrar mais

9 Ler mais

Avaliação histológica da viabilidade de folículos ovarianos suínos submetidos a diferentes condições de transporte

Avaliação histológica da viabilidade de folículos ovarianos suínos submetidos a diferentes condições de transporte

Resumo: A maioria dos oócitos utilizados em biotecnologias reprodutivas são provenientes de ovários obtidos em locais geograficamente distantes de laboratórios especializados. Assim, este trabalho teve como objetivo avaliar a viabilidade de folículos ovarianos em diferentes condições de transporte para identificar qual melhor se adequa ao sucesso do tratamento. Ovários suínos (32) foram obtidos em abatedouro, sendo um par utilizado como grupo controle prontamente fixado em formol 10%. Os demais pares foram imersos em solução salina 0,9% e mantidos nas temperaturas de 4 e 35,5 °C pelos períodos de 2, 16 e 24 horas. Após os referidos tempos de armazenamento, os ovários foram fixados em formol 10% por 24 horas e submetidos à realização de rotina histológica com impregnação em parafina. As secções foram analisadas com microscopia de luz avaliando a morfologia dos folículos antrais sendo analisados no máximo 30 folículos por secção. Após a análise pôde-se verificar que folículos antrais dos ovários conservados a 4 e 35,5 °C pelo período de 2 horas não apresentaram diferença significativa do grupo controle (p>0,05), bem como os tratamentos de 4 °C durante 16 e 24 horas. Porém, os tratamentos a 35,5 °C por 16 e 24 horas apresentaram significativa redução da frequência de folículos normais em comparação com os tratamentos de mesmo período de conservação a 4 °C e com o grupo controle (p<0,05). Em conclusão, o armazenamento ideal ovário suíno para torná-lo viável para experimentos de reprodução pode ser realizado a 35,5 °C por 2 horas ou a 4 °C por 24 horas.
Mostrar mais

12 Ler mais

um estudo bibliométrico :: Brapci ::

um estudo bibliométrico :: Brapci ::

É fato que o planejamento, a programação, a elaboração e a avaliação de projetos físicos de EAS são primordiais para a prestação de assistência de qualidade, ta[r]

21 Ler mais

Avaliação histológica da viabilidade de folículos ovarianos suínos submetidos a diferentes condições de transporte

Avaliação histológica da viabilidade de folículos ovarianos suínos submetidos a diferentes condições de transporte

Figura 05: Fotomicrografias de tecido ovariano de suínos armazenado por diferentes tempos à 4 ° C. (A e B) armazenamento por 16 horas. (C e D) armazenamento por 24 horas. Tecido apresentando em sua maioria de folículos normais, com células da granulosa (CG) organizadas, oócitos (Ooc) com núcleos (Nu) normais,, tecas interna (TI) e externa (TE) diferenciadas, porém presença em parte de folículos danificados, com CG retraídas da lâmina basal (LB) e alguns Ooc com retração citoplasmática (seta). AF = antro folicular; Cco = células do cumulus oophorus; Co = córtex; EG = epitélio germinativo; FS = folículos secundário. Fonte: autoral.
Mostrar mais

8 Ler mais

Caracterização do crescimento folicular, ovulação e atividade lútea após tratamento com progestágenos de borregas pré-púberes Santa Inês portadores de gene FecGe

Caracterização do crescimento folicular, ovulação e atividade lútea após tratamento com progestágenos de borregas pré-púberes Santa Inês portadores de gene FecGe

É evidente a partir de estudos morfológicos que folículos em algumas mutantes amadurecem e ovulam com diâmetros significativamente menores e com menor número de células da granulosa do que no tipo selvagem. Apesar da mutante homozigótica ovular 5-9 mais folículos em comparação com 1-2 nas do tipo selvagem, as taxas globais de secreção de esteróides e inibina podem ser semelhantes entre esses genótipos. Outra importante e relativamente sutil diferença é que os oócitos em homozigotas, ovelhas FecBB, atingem seu diâmetro maduro de 130 μm durante a fase pré-antral de desenvolvimento e os oócitos no tipo selvagem não atingem este diâmetro até depois da formação do antro. Evidências in vitro sugerem que as células da granulosa de mutantes FecBB desenvolvem antecipada responsividade ao FSH (em relação à síntese de AMP cíclico) e LH em células da granulosa do que em ovelhas selvagens (SCARAMUZZI et al., 2011).
Mostrar mais

134 Ler mais

Compatibilização de projetos e gerenciamento de resíduos como condições primordiais para a sustentabilidade das construções

Compatibilização de projetos e gerenciamento de resíduos como condições primordiais para a sustentabilidade das construções

Este trabalho tem como objetivo avaliar a compatibilização de projeto e o gerenciamento de resíduos como aspectos primordiais para a sustentabilidade das construções. A compatibilização foi analisada através de estudos de casos onde a necessidade de intervenção na edificação se deu em etapas distintas: fase de projeto, fase de execução, fase de manutenção preventiva e fase de manutenção corretiva. Os resultados obtidos demonstram que a compatibilização ainda na fase de projeto é fundamental, sendo a solução mais segura e de menor custo. Quanto mais tarde é verificada a necessidade de intervenção maior o número de pessoas envolvidas, o prejuízo financeiro e a produção de resíduos, comprovando a necessidade de se investir na fase inicial de elaboração de projeto. O gerenciamento de resíduos foi estudado a partir da produção de uma argamassa de referência e outras com a substituição do agregado por escória de alto-forno nas seguintes proporções 35, 50 e 100%. Foram realizados ensaios de índice de consistência, resistência à compressão e de absorção de água por imersão. No que se refere aos resultados, as argamassas com substituição de areia por escória nas porcentagens de 35 e 50% apresentaram desempenho satisfatório em relação à argamassa de referência. A pesquisa realizada permite comprovar a eficiência da compatibilização de projetos e da reutilização de resíduos na construção civil, reduzindo o custo do empreendimento e favorecendo a sustentabilidade das construções.
Mostrar mais

86 Ler mais

Show all 240 documents...