Força Expedicionária Brasileira (FEB)

Top PDF Força Expedicionária Brasileira (FEB):

REPOSITORIO INSTITUCIONAL DA UFOP: Um narrador de si e da guerra : testemunhos de um praça da força expedicionária brasileira.

REPOSITORIO INSTITUCIONAL DA UFOP: Um narrador de si e da guerra : testemunhos de um praça da força expedicionária brasileira.

A presente dissertação propõe um estudo acerca da participação dos praças brasileiros da Força Expedicionária Brasileira na Segunda Grande Guerra Mundial, a partir dos testemunhos do terceiro-sargento brasileiro Osmar Gomes de Oliveira. Não apenas como relato autobiográfico, mas no sentido da constituição e organização de um testemunho que apresenta sentidos e significados desse veterano, sobre si mesmo e também sobre a participação brasileira na guerra. Para esse sujeito, a criação e a organização de testemunhos sobre o passado se apresentam, sobretudo, com a constituição de um acervo documental, composto por coleções de fotografias comentadas, cartas, postais, diário entre outros, que, de alguma maneira, ajudam a compreender como esse veterano representa e dá sentido a sua trajetória durante o percurso da guerra. Contudo, não se pretende tratar somente do caráter singular e subjetivo desses testemunhos, mas também de suas implicações e desdobramentos no meio social: seja nas relações estabelecidas com testemunhos de outros veteranos da FEB, nos processos de formalização histórica e também nos embates para a constituição de memória pública acerca dos veteranos da FEB. Para tanto, se apresentam outros testemunhos de veteranos da FEB, não como contraposição aos testemunhos de Osmar Gomes de Oliveira, mas no sentido de compreender como as relações entre essa pluralidade de discursos testemunhais se estabelecem no meio social, sempre num campo de tensões e conformidades que, minimamente, buscam estabelecer uma memória pública dos veteranos da ANVFEB.
Mostrar mais

225 Ler mais

O cotidiano das enfermeiras do exército na força expedicionária brasileira (FEB) no teatro de operações da 2ª Guerra Mundial, na Itália (1942-1945).

O cotidiano das enfermeiras do exército na força expedicionária brasileira (FEB) no teatro de operações da 2ª Guerra Mundial, na Itália (1942-1945).

Trata- se de um estudo histórico, derivado da Disser t ação de Mest r ado int it ulada “ O Gr upam ent o Fe m i n i n o d e En f e r m a g e m d o Ex é r ci t o n a Fo r ça Expedicionária Brasileira durante a 2ª Guerra Mundial: um a abordagem sob o olhar fot ográfico ( 1942- 1945) ”. Os d a d o s p r i m á r i o s p r e f e r e n ci a i s f o r a m obtidos em docum entos fotográficos ( três fotografias) , p e r t e n ce n t e s a o a r q u i v o i co n o g r á f i co d o CML, a r t i cu l a d o s a o s d e p o i m e n t o s o r a i s d e n o v e enfer m eir as da FEB que at uar am no TO, na I t ália, por ocasião da 2ª Guerra Mundial. Tam bém ut ilizou- se d e d e p o i m e n t o s d e m i l i t a r e s q u e e st i v e r a m pr esen t es n esse con f lit o, con t r acen an do dir et a ou indiret am ent e com as enferm eiras ent revist adas para est e est u d o. Na ocasião, esses d ep oen t es f or am esclar ecidos qu an t o aos obj et iv os da en t r ev ist a e cederam por escrit o os seus depoim ent os e im agens film adas, gr av adas par a o Cent r o de Mem ór ia Dr ª Nalva Per eira Caldas da Faculdade de Enfer m agem da Universidade do Est ado do Rio de Janeiro ( FENF/ UERJ) , com o obj et ivo de fut uras pesquisas.
Mostrar mais

8 Ler mais

As enfermeiras da força expedicionária brasileira no front italiano.

As enfermeiras da força expedicionária brasileira no front italiano.

Nesse cenário de luta, tais enfermeiras participaram do contexto turbulento de uma Guerra Mundial, como enfer- meiras de terceira classe do círculo de oficiais subalternos do Exército Brasileiro, (posto criado exclusivamente para elas, não existindo na hierarquia militar) em desigualdade com as enfermeiras brasileiras, formadas pela Escola de Enferma- gem Anna Nery, com posto hierárquico de tenentes da For- ça Aérea Brasileira (FAB), no contingente da FEB e as enfer- meiras norte-americanas que ocupavam diversos postos hi- erárquicos, com situação definida de soldo e graduações militares. Associada as situações anteriores, ainda se viram diante de barreira lingüística e de um clima adverso como o da Europa. Passaram a integrar uma equipe multiprofissional composta por brasileiros e estrangeiros, grupos com forma- ções técnicas e culturais diversificadas. Neste mundo mili- tar, com disciplina rígida, as mulheres tiveram que lutar para buscar auto- afirmação e respeito da comunidade militar da qual participavam.
Mostrar mais

7 Ler mais

Um duplo perigo: soldados judeus na Força Expedicionária Brasileira

Um duplo perigo: soldados judeus na Força Expedicionária Brasileira

legalizado em 1945. Foi sócio-fundador da Associação dos Ex-Combatentes do Brasil. Foi expulso do PCB em 1967, criando no ano seguinte o Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR), com Apolônio de Carvalho e Mario Alves. Em 1969, o partido ampliou as ações de guerrilha e seus membros ingressaram na clandestinidade. Ao longo de 6 anos, Gorender teve 30 esconderijos diferentes. Em 1970, foi preso pelo Delegado Sergio Paranhos Fleury e levado ao Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), no Presídio Tiradentes. Sua obra mais conhecida é Combate nas trevas – a esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada, considerado um clássico da história da esquerda durante o Regime de 1964. Em 16/1/2006, Gorender concedeu entrevista ao programa Roda Viva, 3 no qual, respondendo a Beatriz Kushnir,
Mostrar mais

14 Ler mais

As enfermeiras da força expedicionária brasileira e a divulgação de seu retorno ao lar.

As enfermeiras da força expedicionária brasileira e a divulgação de seu retorno ao lar.

“As enferm eiras do Brasil com preendem que a guer r a t ev e um sent ido, que seu esfor ço não se perdeu, e que foram com bat ent es pela liberdade, e que por isso contribuíram para[r]

7 Ler mais

O perfil do intendente do exército Brasileiro (1940-1950) / The Profile of the Quartermaster of the Brazilian ARMY (1940-1950)

O perfil do intendente do exército Brasileiro (1940-1950) / The Profile of the Quartermaster of the Brazilian ARMY (1940-1950)

A entrada do Brasil nas operações bélicas da Segunda Guerra Mundial provocou uma brusca mudança no perfil do Intendente. Com o intuito de seguir instruções dos manuais de logística do exército dos Estados Unidos e as diretrizes da seção de base peninsular sediada na Itália, foram detectadas características a fim de contribuir para essa reestruturação. A metodologia contempla uma análise documental sobre a mudança de sede da escola, e, de forma complementar, considerações sobre o ano em que houve a criação da Companhia de Intendência, bem como a formação de intendentes do Exército Brasileiro e da Força Aérea Brasileira (FAB). Ademais, o estudo dispõe dos registros de militares que atuaram na logística da Força Expedicionária Brasileira (FEB); e de operações da sessão de base peninsular na frente italiana na Segunda Guerra Mundial. A revisão bibliográfica contemplou as consequências da adoção da Missão Militar Francesa (MMF) por mais de 20 anos e a repentina mudança para a doutrina norte-americana a partir de 1943. Foram utilizadas para essa análise, além da bibliografia disponível, fontes primárias do acervo da FEB, existentes no Arquivo Histórico do Exército (AHEx) e as reportagens disponíveis na Biblioteca Nacional. Como resultados, foram observadas mudanças do perfil do intendente nas operações militares a partir de 1945.
Mostrar mais

21 Ler mais

Enfermeiras diplomadas para a aeronáutica: a organização de um quadro militar para a Segunda Guerra Mundial.

Enfermeiras diplomadas para a aeronáutica: a organização de um quadro militar para a Segunda Guerra Mundial.

Trata-se de um estudo histórico-social, de natureza qualitativa e documental, cujas fontes primárias constaram de documentos escritos lo- calizados no Centro de Documentação da Escola de Enfermagem Anna Nery, nas séries “A Missão: 1922-1931”, “As Pioneiras (Lays Netto dos Reys)”, “Socorristas Voluntárias de Guerra (1942-1945)” e “Curso de Graduação”. Nesta última série, foram encontrados dados sobre as enfermeiras que par- ticiparam do Quadro de Enfermeiras da Reserva da Aeronáutica, enquanto izeram parte do corpo discente da EAN. As duas fotograias aqui utiliza- das foram encontradas no Acervo Iconográico do centro de documentação referido e no Acervo da Força Expedicionária Brasileira (Palácio Duque de Caxias, Rio de Janeiro). Também foram aproveita- dos documentos oiciais, resumos biográicos, liv- ros raros, elogios publicados em boletins militares, estes, pertencentes ao acervo do Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial (Rio de Ja- neiro). No que diz respeito às fontes secundárias, o estudo valeu-se de referências que possuíssem nexos estreitos com a temática.
Mostrar mais

10 Ler mais

O MERCADO FORMAL DE TRABALHO CATARINENSE FRENTE ÀS MUDANÇAS NO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO NA DÉCADA DE 1990

O MERCADO FORMAL DE TRABALHO CATARINENSE FRENTE ÀS MUDANÇAS NO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO NA DÉCADA DE 1990

Ao longo da década de 1990 pode-se destacar que ocorreu no mercado formal de trabalho brasileiro e catarinense uma mudança de perfil e de comportamento. Essas mudanças são, por um lado, impostas pelas alterações das estruturas produtivas, como a inserção das inovações tecnológicas que mudaram os métodos e processos produtivos e, de outro lado, pela situação conjuntural da economia brasileira, que com um fraco e insuficiente crescimento econômico, não contribuiu para a geração de empregos e renda.

79 Ler mais

J. epilepsy clin. neurophysiol.  vol.14 número4

J. epilepsy clin. neurophysiol. vol.14 número4

Introdução: O texto que se segue é resultado da palestra proferida no dia 9 de setembro de 2008, no Evento “Dia Latino-Americano da Epilepsia”, organizado pela Associação Brasileira de Epilepsia, sob a presidência da Doutora Laura Guilhoto, e realizado no Anfiteatro Franco Monto, na Assembléia Legislativa de São Paulo. Métodos: Ao apresentar Machado de Assis a partir de alguns aspectos de sua vida, pretende-se compreender a configuração da sociedade brasileira do século XIX, bem como a força de revelação crítica de sua obra. Resultados: A biografia do escritor nos permite entrever um modelo de homem e artista, alguém que superou barreiras a ele impostas numa dada circunstância histórica, social e pessoal, incluída nesta as questões relativas à saúde. O esforço e a luta do homem Machado de Assis são muito significativos, se lembrarmos que até hoje não é “natural” vencer preconceitos, migrar de classe ou obter igualdade de oportunidades. Conclusão: A glória obtida por Machado de Assis ainda em vida é exemplar, jamais se entregando ele ao “descanso dos consagrados” que, comodamente instalados na fama, voltam as costas aos problemas da gente comum, rendendo-se ao conformismo.
Mostrar mais

4 Ler mais

UBIRATAN NELSON CRIVELARI A IMPORTÂNCIA DO PROFISSIONAL “CAPELÃO”: FORÇA VITAL NA CONSOLIDAÇÃO DO EXÉRCITO BRASILEIRO

UBIRATAN NELSON CRIVELARI A IMPORTÂNCIA DO PROFISSIONAL “CAPELÃO”: FORÇA VITAL NA CONSOLIDAÇÃO DO EXÉRCITO BRASILEIRO

Os evangélicos no Brasil tiveram um crescimento de 2,5 vezes maior que a população na década de oitenta e mais de 4 vezes acima da taxa do crescimento populacional na década de 90 e, pelo último censo realizado pelo IBGE, no ano de 2002, os evangélicos somam 26 milhões, 184 mil e 977 pessoas. Atualmente os evangélicos representam aproximadamente 18% da população brasileira. Somados a esta estatística temos que lembrar que as responsabilidades do Capelão vão além do quartel, pois como já foi mencionado, sua área de atuação se estende aos familiares dos militares, o que representa um aumento considerável de ovelhas a pastorear. Com isto, podemos perceber um crescimento grande nas atividades do Capelão e quando mencionamos que a evolução dos concursos para o Quadro de Admissão de Capelães no Exército é tímida é porque nos concursos realizados a média sempre foi de três por um, isto é, para cada três vagas abertas para os Padres só uma é para Pastor.
Mostrar mais

82 Ler mais

The political development of Brazil according to Celso Furtado.

The political development of Brazil according to Celso Furtado.

As contribuições de Furtado à ciência política decorrem em larga medida de sua tentativa de interpretar as consequências das distintas matrizes socioeconômi- cas para a formação das respectivas estruturas do poder nos dois países. O artigo “Trajetória da democracia na América”, uma das primeiras publicações de Furtado (1946-47), escrita antes mesmo de iniciar na década de 1950 sua vasta obra inte- lectual como economista, constitui o ponto de partida para investigar a sua relexão sobre a política na segunda seção. A seguir se discute o tratamento por Furtado do patriarcalismo brasileiro, formulado em dois trabalhos por ele elaborados em Paris em períodos distintos: sua tese de doutorado na Sorbonne em 1948 e sua contri- buição ao número especial dedicado ao Brasil da revista Temps Modernes em 1967, editada por J.-P. Sartre. Finalmente, na quarta seção se considera o argumento de Furtado (1964, 1965) de que o colapso da experiência democrática brasileira em 1964 decorreu em boa parte da crise causada pela fragilidade do populismo como arranjo político. A produção de Furtado sobre a “teoria da dependência”, que abrange aspectos econômicos e políticos, não será tratada aqui por ir além dos li- mites deste artigo (ver Bresser-Pereira, 2011). da mesma forma, não será abordada a obra de Furtado como ator político, representada, por exemplo, por seu livro de 1962 A Pré-Revolução Brasileira (ver Vieira, 2007).
Mostrar mais

14 Ler mais

Percurso histórico-estético da ideia de formação

Percurso histórico-estético da ideia de formação

contra” — não deixa de estar implícita (ainda que não nomeada) e, assi- nale-se, no mesmo movimento, uma posição a favor. Contra o estilo elegante, a convenção da verossimilhança realista, a lógica narrativa, a pró- pria ordem social em tempos de violência urbana. E a favor da atomização do “ímpeto narrativo”, do “ritmo acelerado”, do “Impacto produzido pela Habilidade ou a Força”, do “realismo feroz”, “da visão fulgurante”, da inovação como rotina (os clichês da moda), dos competentes exibicionis- mos temáticos e técnicos, da aposta no provisório dos achados formais, do engate na aceleração do tempo, da estética do choque, do “envolvimento agressivo” do leitor e sua leitura apressada. Uma conjugação do contra e do “a favor”, portanto (se for possível ler desse modo), numa ficção que não traz “afirmação explícita de ideologia”, mas expõe na própria ence- nação do procedimento técnico, com vistas a um pretenso encurtamento da distância entre narrador e matéria narrada, o lugar social do ponto de vista narrativo (além de excitar uma argúcia crítica e abalar critérios de avaliação). De modo que as indagações do crítico se voltam também para o desafio dos critérios estéticos que não se limitem a descrever técnicas narrativas. A pergunta final alcança toda a reflexão que ali se ensaia, já costurando uma possibilidade de sistematização histórico-estética: “Seria um acaso? Ou seria um aviso?” (CANDIDO, 2006, p. 246-59, 260)
Mostrar mais

16 Ler mais

A Heterogeneidade e suas Implicações para as Políticas Públicas no Rural Brasileiro.

A Heterogeneidade e suas Implicações para as Políticas Públicas no Rural Brasileiro.

A partir das medidas de produção da agro- pecuária e do uso de insumos, os trabalhos do José Garcia Gasques e associados (GASQUES et al., 2012) demonstram que, entre 1975 e 2011, a produção cresceu a taxas médias anuais de 3,7% e teve como componentes um aumento de 3,5% na produtividade dos fatores e 0,2% ao ano no uso de insumos. Daí se conclui que 90% do aumento da produção poderiam ser creditados à PTF e apenas 10%, ao aumento nos insumos nesses 37 anos. As variações na PTF podem ser atribu- ídas, por sua vez, a dois fatores: incorporação de progresso tecnológico e à inovação institucional. Alguns estudos dos autores mostram inclusive que, no que se refere ao progresso tecnológico, a atividade de pesquisa seria responsável por 30% do crescimento observado. A distribuição da pro- dutividade entre os diversos estados da federação é um fator distintivo no que tange a heterogenei- dade da agricultura brasileira. De fato, se anali- sarmos os dados da PTF no comparativo dos dois últimos Censos Agropecuários para os estados, vamos perceber enormes diferenças: O estado do Espírito Santo teve crescimento de 9,5% a.a, Rondônia, 4,6% a. a., mas Tocantins cresceu nega- tivamente: 3,6% a.a. tendo como base os anos do Censo Agropecuário (GASQUES et al., 2010).
Mostrar mais

22 Ler mais

Desafios dos movimentos sociais em tempos de globalização — Outubro Revista

Desafios dos movimentos sociais em tempos de globalização — Outubro Revista

A alteração da estrutura agrária promoveria a rearticulação do perfil da estrutura econômica brasileira como um todo, pois pressionaria também, inclusive, para a redefinição da composição social do poder. Isso coloca o MST como a principal força sócio-política da transformação sócio-econômica do país. Tal posição do MST no cenário político nacional decorre de sua postura que transcende a simples luta pela posse da terra, para se estender ao plano de mudanças estruturais, 26 diante de uma conjuntura política que

14 Ler mais

DEFESA NACIONAL, TEORIAS DE GUERRA E DOUTRINA BÁSICA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

DEFESA NACIONAL, TEORIAS DE GUERRA E DOUTRINA BÁSICA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

A Força Aérea Israelense bombardeou o Líbano, em julho de 2006, atingindo alvos em todo o país. Os ataques destruíram sedes do Hezbollah, depósitos de armazenamento de mísseis e armas, além de linhas de comunicação e de locais de lançamento de foguetes. Mais de 1.800 alvos foram atingidos nas operações aéreas de Israel no Líbano. O ministro da Defesa, Amir Peretz, admitia a probabilidade de uma ampla ofensiva terrestre. O então secretário- geral da ONU, Kofi Annan, dizia que uma ação terrestre de Israel significaria uma "escalada muito séria" no conflito. Foi em vão.
Mostrar mais

22 Ler mais

IDENTIDADE E CULTURA DE DEFESA – ALGUNS APONTAMENTOS SOBRE A FORÇA AÉREA BRASILEIRA

IDENTIDADE E CULTURA DE DEFESA – ALGUNS APONTAMENTOS SOBRE A FORÇA AÉREA BRASILEIRA

O Exército brasileiro, força que gerou maior influência no modelo e pensamento que estruturou a FAB no momento da sua criação, passou a desenvolver o pensamento sobre o emprego da aviação e, em 1917, enviando à França três oficiais aviadores para se aperfeiçoarem nos estudos. Logo após o envio dos oficiais, foram solicitadas as instalações do Campo dos Afonsos, até então cedidas ao AeroClub do Brasil, para o que viria a ser a Escola de Aviação Militar. Diante da declaração de guerra aos alemães durante a Primeira Guerra Mundial, o Exército buscou inspiração no exército francês e iniciou os estudos sobre a implantação de uma escola própria. Em meados de 1918 chegou ao Brasil uma missão francesa e iniciaram-se os treinamentos, sendo em 29 de janeiro de 1919, publicado o decreto que criou a Escola de Aviação Militar e inaugurada em 10 de julho daquele ano (LAVANÈRE-WANDERLEY, 1975, p.73).
Mostrar mais

19 Ler mais

ESTUPRO MARITAL

ESTUPRO MARITAL

Ainda segundo os entendimentos de Carvalho, Ferreira e Santos (2010) é notório que a Lei Maria da Penha, conferiu um maior aparo às mulheres proporcionando com que elas se sintam mais seguras para denunciarem qualquer tipo de violência vivenciada, com a introdução da Lei nº 11.340/2006 algumas medidas protetivas foram inseridas com o objetivo de assegurar o bem-estar das mulheres sendo elas casadas ou solteiras. No que se refere ao agressor, também foram inseridas medidas punitivas. Ainda assim, existem mulheres que mantêm-se sofrendo algum tipo de violência e se sentem atemorizadas, sem força, para procurarem ajuda ou apoio, principalmente quando essa violência é sexual.
Mostrar mais

11 Ler mais

Rev. Bras. Hist.  vol.33 número66

Rev. Bras. Hist. vol.33 número66

Em “O Partido Comunista Brasileiro e o governo João Goulart”, Jorge Ferreira examina a evolução do posicionamento da principal força política da esquerda brasileira durante um conturbado período caracterizado, de um lado, por mobilizações de massas em defesas de reformas e, de outro, pela desestabilização da ordem democrática. Distanciando-se dos rótulos simpli- ficadores que pretendem desqualificar a atuação dos comunistas com bases

4 Ler mais

Paradigmas para a modelagem da Força Terrestre Brasileira para enfrentar os desafi os geopolíticos do Século XXI

Paradigmas para a modelagem da Força Terrestre Brasileira para enfrentar os desafi os geopolíticos do Século XXI

A cotação do nióbio e derivados tem sido mantida re- lativamente estável, apesar da sua importância estratégica, da existência de monopólio de exportação, e de 92,84% (em 2000) da produção mundial integrada (óxido de ni- óbio e ferro-nióbio) ser brasileira. A participação brasi- leira em 1988 era de 81%. É comercializado na forma de liga de ferro-nióbio, FeNb, e óxido de nióbio, NbO2. A tonelada da liga de férro-nióbio foi cotada a US$ 11,034.00 (1988), alcançou o valor de US$ 13,952.00 (1998), e decaiu para US$ 13,333.00 em 2000 (DNPM, 2001). O óxido de nióbio tem sido exportado a US$ 12,576.00/t (1988), US$ 17,138.00/t (1998), e US$ 17,340.00/t (2000). Em março de 2010 a liga Fe-Nb chegou a cerca de US$ 23.20/kg, com a produção brasileira 2,1 vezes superior no período janeiro a março de 2010, em relação ao mesmo período de 2009 (Tex Reports, março 2010), então de 15.565 toneladas. A exploração é de quase monopólio, com 84,95% de parti- cipação nacional privatizada nos anos 1990-2000 para a CBMM, Companhia Brasileira de Mineração e Metalurgia, desde a lavra e mineração até a exportação, passando pela industrialização das ligas de nióbio.
Mostrar mais

13 Ler mais

Fatores de risco cardiovascular e consumo alimentar em cadetes da Academia da Força Aérea Brasileira.

Fatores de risco cardiovascular e consumo alimentar em cadetes da Academia da Força Aérea Brasileira.

Resumo O objetivo deste artigo é investigar a prevalência de fatores de risco cardiovascular e inadequações de consumo alimentar em cadetes da Academia da Força Aérea Brasileira e a asso- ciação com sexo e ano de formação. Estudo trans- versal com 166 cadetes da Academia da Força Aé- rea Brasileira, em Pirassununga – SP, entre junho e dezembro de 2013. Foram avaliadas medidas antropométricas, parâmetros bioquímicos e clíni- cos, nível de atividade física, tabagismo e consumo alimentar. Testes de Qui-Quadrado de Pearson ou Exato de Fisher foram utilizados. A prevalência de excesso de peso (IMC >25,0 kg/m²) foi de 29,7% nos homens e de 16,7% nas mulheres. Hipertensão arterial foi prevalente em 15,2% dos homens. Veri- ficou-se hipercolesterolemia em 50,7% dos cadetes; 24,3% apresentaram valores elevados de lipopro- teína de baixa densidade e, 11,2%, lipoproteína de alta densidade baixa. Houve associação entre tempo de permanência na Academia e lipoproteí- na de alta densidade baixa. Observou-se consumo elevado de gorduras saturadas (87,2%) e de co- lesterol (42,7%). A ingestão inadequada de fibras foi verificada em 92,7% da amostra. Observou-se considerável prevalência de fatores de risco cardio- vascular entre os cadetes, principalmente hiperco- lesterolemia e consumo alimentar inadequado. Palavras-chave Adulto, Doenças cardiovasculares, Dislipidemias, Consumo de alimentos, Militares Abstract This article aims to investigate the
Mostrar mais

10 Ler mais

Show all 10000 documents...