Formação docente - História

Top PDF Formação docente - História:

Educação histórica: possibilidades para a formação docente em história

Educação histórica: possibilidades para a formação docente em história

À guisa de conclusão, proporemos uma reflexão acerca de possibilidades para a formação docente. Não se trata de uma re- ceita de bolo; ao discutir propostas de formação docente, compre- endemos que devemos partir dos anseios e lacunas de formação que os licenciandos apresentam em sua formação. Analisando as matrizes curriculares dos cursos de licenciatura das principais uni- versidades cearenses, como exemplo, percebemos a ainda lacuna de disciplinas que se debrucem acerca da didática do ensino de História de forma mais detida; enquanto na Universidade Estadual do Ceará (UECE) existe uma disciplina obrigatória de Didática do Ensino de História (sem a obrigatoriedade de uma disciplina de Di- dática Geral), na Universidade Federal do Ceará (UFC) a disciplina geral existe, e uma específica está diluída em diversas disciplinas que, não necessariamente, apresentam concatenação para este fim. A inserção da temática da Educação Histórica é feita por iniciativas esporádicas em leituras pontuais, frutos de uma introdução recente da temática no estado, por conta da VIII Jornada Internacional em Educação Histórica, sediada em Fortaleza e co-organizada pelo de- partamento de História da UFC (em conjunto com outras universi- dades, como a Universidade Estadual de Londrina- hoje referência nacional para Educação Histórica).
Mostrar mais

15 Ler mais

Atualizando a Hidra? O estágio supervisionado e a formação docente inicial em História.

Atualizando a Hidra? O estágio supervisionado e a formação docente inicial em História.

, levadas a cabo por pesquisadores/as do Paraná, de São Paulo e de Minas Gerais, e que podem e devem ser incorporadas ao estágio supervisionado. Essas iniciativas informam, de modo contundente, que precisamos quebrar e redimensionar o paradigma da aula-conferência nos estágios, pois esta evoca velhos sentidos em que “o professor prepara suas aulas com o objetivo de medir os conteúdos aprendidos durante o curso”. Dessa forma, o estágio permaneceria como o lugar de utilização desses conhecimentos, reduzido à aplicação. Os cursos de História da UFSC e da Udesc seguem reafirmando tal paradigma no presente. Encontram-se, inclusive, entraves institucionais para fugir a esse esquema reducionista da formação, como resoluções e instruções normativas internas. Resistências ferrenhas também por parte de alguns colegas de curso, que consideram que discutir ensino de História, educação, formação docente é perder espaço político no departamento, é ceder o lugar da formação do bacharel, do historiador, para o do licenciado, do professor. Dualidades, dicotomias, relações de poder atualizando a Hidra.
Mostrar mais

26 Ler mais

A história encastelada e o ensino encurralado: reflexões sobre a formação docente dos professores de história

A história encastelada e o ensino encurralado: reflexões sobre a formação docente dos professores de história

de inúmeros professores e professoras. Nesse sentido, o artigo propõe-se a fazer uma reflexão sobre a História como ciência e seu ensino frente às relações de forças que se desenham nos dias atuais, e, por conseguinte, refletir sobre os desafios e as possibilidades que se apresentam em um cenário ambientado por dúvidas, inquietações e incertezas. Em seguida, as reflexões são direcionadas para analisar as Matrizes Curriculares dos Cursos de Licenciatura em História nas universidades federais do Nordeste do Brasil como uma opção para pro- blematizar a História como ciência, como lugar de saber/poder e como espaço de formação de professores. De maneira específica, deseja ampliar o debate sobre a formação docente e concentra a análise nas questões acerca do ensino de História e do livro didático como principal instrumento de trabalho dos docentes da educação básica.
Mostrar mais

19 Ler mais

CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO DOCENTE: O PROFESSOR DE HISTÓRIA E A  SALA DE AULA

CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO DOCENTE: O PROFESSOR DE HISTÓRIA E A SALA DE AULA

Nesse sentido, partimos da premissa de que há uma relação necessária entre as concepções teórico-históricas, as concepções pedagógicas e a prática docente em sala de aula. Para refletir o entrelaçamento das concepções históricas e pedagógicas no processo de formação na prática educacional, partimos das seguintes indagações: como as concepções de formação permeiam a ação docente no seu fazer cotidiano? São perceptíveis as confluências das inúmeras concepções de História que os professores adquirem na travessia da formação e sua relação com as teorias pedagógicas na prática docente? É nessa perspectiva que sugerimos a nossa discussão. A metodologia para a elaboração desse artigo parte de nossas leituras da historiografia acerca da temática da formação, das experiências em sala de aula como professores da educação básica, e dos relatos de estudantes licenciandos sobre suas preocupações com os estudos acerca da formação docente. Nossa reflexão é fruto de observações decorridas de alguns anos como professores na educação básica da rede de ensino pública e privada, de experiências como professores em cursos de licenciatura, e principalmente das observações como professores da prática docente no curso de licenciatura em História da FAFIDAM.
Mostrar mais

11 Ler mais

Formação docente no ensino fundamental: tessituras do ensino de história e cultura afrobrasileira

Formação docente no ensino fundamental: tessituras do ensino de história e cultura afrobrasileira

No contexto do Ensino Fundamental (anos iniciais) é primordial a discussão no campo do ensino de história sobre temática afro-brasileira e as questões relacionadas à formação docente e currículo escolar, visto que essas propiciam a inclusão dos sujeitos historicamente marginalizados da sociedade, dentre eles destacamos o negro. É importante salientar que a inserção desta temática se tornou obrigatória, a partir das determinações legais empreendidas pela Lei 10.639/2003. Desse modo, o presente trabalho tem como objetivo geral investigar como a temática da história e cultura afrobrasileira está sendo desenvolvida na prática docente de professoras dos anos iniciais nas aulas de história em uma Escola Municipal do Campo localizada no município de Campina Grande-PB e a partir das análises elaborar um Plano de Ações Pedagógicas abordando propostas metodológicas que possam subsidiar a prática docente destas. Os sujeitos da pesquisa são duas professoras que atuam na referida escola, respectivamente nas turmas do 4° e 5° ano. Esta pesquisa está respaldada teoricamente na perspectiva de Munanga (2005) na discussão sobre negritude, Gonçalves; Silva (2006) e Canen (2001) na compreensão de currículo e multiculturalismo, Bittencourt (2011) e Ribeiro (2004) na abordagem do ensino de história, Candau; Sacavino (2015) no debate sobre formação de professores, dentre outros. Fundamentamo-nos também em documentos oficiais que versam sobre a temática afrobrasileira e sua inclusão no contexto escolar. A abordagem metodológica se centra na pesquisa qualitativa, do tipo pesquisa-ação. Como instrumentos de pesquisa empregaremos as técnicas da observação participante e entrevista semi- estruturadas, visto que essas fontes nos permitirá uma melhor compreensão a respeito do objeto de estudo. Acreditamos que a formação docente é uma condição sine qua non para colocar em prática um trabalho crítico-reflexivo, com vista ao combate as discriminações e preconceitos ainda existentes no espaço escolar, portanto, conceber a escola através da perspectiva da diversidade requer mudanças de posturas, currículos e práticas pedagógicas, além da abertura por parte das instituições escolares e Secretárias de Educação para que os professores tenham condições materiais de formação docente.
Mostrar mais

178 Ler mais

Histórias que transformam: o PIBID em história e a formação docente

Histórias que transformam: o PIBID em história e a formação docente

O presente trabalho visa discutir as transformações e permanências ocorri- das na formação dos professores de His- tória entre o período da ditadura militar no Brasil e o processo de redemocratiza- ção do país, entre a década de 1960 e os anos 2000, em especial no que se refere à formação de professores, buscando entender em que medida o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) contribuiu para me- lhorar a formação docente, sobretudo no curso de História. Para tanto, recor- remos à revisão bibliográfica sobre o te- ma, à análise de conteúdo dos docu- mentos oficiais do referido Programa, além de adotarmos a metodologia da História Oral Temática em entrevistas realizadas com os participantes do Pro- grama (graduandos, professores univer- sitários e professores da rede pública de Ensino Básico), objetivando analisar como o Pibid contribuiu efetivamente para a formação acadêmico-profissional dos sujeitos envolvidos.
Mostrar mais

25 Ler mais

Formação docente para a inserção da história e filosofia da ciência no ensino: textos histórico-pedagógicos em discussão

Formação docente para a inserção da história e filosofia da ciência no ensino: textos histórico-pedagógicos em discussão

A presente dissertação tem como foco problemas específicos no contexto educacional: os desafios na construção de narrativas histórico-pedagógicas, bem como a difícil tarefa de utilizá-las em sala de aula. Nesse contexto, busca-se atuar na formação docente para a inserção didática da História e Filosofia da Ciência (HFC), sendo as narrativas histórico-pedagógicas elementos para mediação do diálogo com esse público específico. Essa iniciativa vem ao encontro de uma preocupação recorrente na literatura da área: um dos principais desafios relacionados à transposição didática da HFC seria a falta de preparação do professor. Conteúdos históricos, filosóficos e sobre a Natureza da Ciência ainda são pouco presentes em salas de aula. A insegurança e o desconhecimento do assunto pelos professores costumam ser apontados como fatores que contribuem para essa situação. Torna-se importante, portanto, que docentes (atuantes e em formação) participem de reflexões sobre a inserção da HFC em sala de aula, conheçam exemplos de propostas de cunho histórico-filosóficas para a abordagem de conteúdos de ciência e sobre a ciência, desenvolvam competências que lhes permitam adaptá-las aos seus contextos específicos, bem como elaborar suas próprias propostas. Acredita-se que essas questões sejam significativas para que realizem iniciativas conscientes de inserção da HFC em suas salas de aula. Considera-se que adaptar propostas didáticas a contextos educacionais particulares depende de se compreender de fato o que representam essas propostas e quão flexíveis elas podem ser. A fim de contemplar esses objetivos, elaborou-se produto educacional que se configura como um material didático voltado para a formação docente, o qual foi aplicado em minicurso de extensão na UFRN. O material discute sobre o papel da HFC no Ensino, a Natureza da Ciência e questões historiográficas. Traz uma sequência de atividades dialógicas sobre aspectos da transposição didática da HFC, especialmente significativos no que diz respeito às narrativas históricas. Utiliza-se como elemento de mediação nas discussões um conjunto de textos histórico-pedagógicos sobre a História do Vácuo e da Pressão Atmosférica. Abordam-se potencialidades, possibilidades e limitações desse tipo de material. Para a realização do curso tomou-se como referência considerações metodológicas da chamada pesquisa-ação. Almejaram-se transformações, modificações e ações efetivas no próprio material didático de formação a partir da vivência do pesquisador-ministrante em interações com os participantes do curso de extensão e das impressões relatadas pelos participantes. Os desdobramentos nesse sentido foram incorporados ao material didático.
Mostrar mais

240 Ler mais

As disciplinas de história da educação nas instituições de ensino superior brasileiras e o impacto na formação docente

As disciplinas de história da educação nas instituições de ensino superior brasileiras e o impacto na formação docente

O artigo de Saviani e Lombardi (2000) ressalta as singularidades dos objetos de estudo da história da educação e da importância da dimensão da investigação científica no âmbito do ensino de história da educação no Brasil. Os autores evidenciam os avanços das pesquisas nacionais acerca dos processos de escolarização nos diferentes tempos históricos, contudo existem lacunas referentes a socialização de tais pesquisas para a formação docente e organização escola. Esse campo de conhecimento sofre ainda, com a fragmentação e recortes específicos dos objetos de estudos e dos fenômenos históricos que podem minimizar as relações dos conhecimentos construídos no campo acadêmico e suas implicações com a escola.
Mostrar mais

10 Ler mais

HISTÓRIA E MEMÓRIA DA FORMAÇÃO DOCENTE EM ITUIUTABA-MG

HISTÓRIA E MEMÓRIA DA FORMAÇÃO DOCENTE EM ITUIUTABA-MG

de formação de professores do município compreendendo o contexto e o processo de formação de cada uma delas; e refletir sobre a cultura escolar disseminada nessas instituições compreendendo o processo de formação de cada uma delas. A metodologia utilizada para realização da pesquisa foi a da História Oral uma vez que a mesma nos permite deixar de conceber a história como única, ou de uma identidade nacional, para reconhecer a existência de múltiplas histórias, memórias e identidades em uma sociedade. Nessa perspectiva, realizei os seguintes procedimentos: levantamento bibliográfico e documental, realização de entrevistas orais com alunas, professores e gestores das escolas e transcrição das narrativas. Esse estudo evidenciou que o município de Ituiutaba teve cinco instituições de formação de professores, permanecendo vinte anos com apenas uma escola particular que oferecia a formação docente, e mais vinte anos até contar com uma escola de ensino gratuito, somente em 1969 foi criada uma escola pública de formação de professores.
Mostrar mais

227 Ler mais

A FORMAÇÃO DOCENTE NA TEMÁTICA DAS CULTURAS E HISTÓRIA DOS POVOS INDÍGENAS::

A FORMAÇÃO DOCENTE NA TEMÁTICA DAS CULTURAS E HISTÓRIA DOS POVOS INDÍGENAS::

Resumo: O presente texto relata a experiência de uma formação conti nuada denominada Formação de Professores na Temáti ca das Culturas e História dos Povos Indígenas que ocorreu no mês de abril de 2016 e com previsão de término em setembro de 2016. O curso, cujo público-alvo era composto de professores da educação básica da rede pública de todas as áreas do conhecimento, teve como objeti vo central contribuir para o cumprimento da Lei 11.645 – que garante o ensino de história e cultura indígena nas escolas brasileiras –, por intermédio da formação docente. A proposta do curso foi planejada em cinco módulos com ati vidades a serem realizadas na plataforma Moodle e com cinco encontros presenciais na Universidade Federal de Minas Gerais. Como um dos requisitos de avaliação fi nal do curso foi sugerida a elaboração de uma proposta didáti co- pedagógica para o nível de atuação do docente, a qual deveria ser relatada em formato de arti go.
Mostrar mais

8 Ler mais

Formação docente em história: o retrato dos números

Formação docente em história: o retrato dos números

Atualmente a Universidade Estadual do Ceará (UECE) é uma Instituição de Ensino Superior constituída em forma de Fundação. É organizada pelo Campus do Itaperi e Centro de Humanidades lo- calizados na Capital e pelas Faculdade de Educação, Ciências e Le- tras do Sertão Central – FECLESC, Faculdade de Educação de Itapi- poca – FACEDI, Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Iguatu – FECLI, Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos – FAFIDAM e Faculdade de Educação de Crateús – FAEC, no interior, os quais favorecem os Cursos voltados para a formação de professores. Pelo motivo da UECE priorizar os cursos de formação docente, que esti- mulou o estudo dos cursos de licenciatura que fazem parte da Uni- versidade, em nosso artigo, consideramos em especial o curso de História, após o reconhecimento da UECE .
Mostrar mais

13 Ler mais

Lei  10.639/2003: desafios para o ensino da cultura afro-brasileira na formação docente em história

Lei 10.639/2003: desafios para o ensino da cultura afro-brasileira na formação docente em história

ambiente de luta e reivindicações à medida que se incorpore à de- manda por educação de qualidade, que desenvolva um projeto vol- tado para a inclusão daqueles que foram privados de receberem a educação formal para seus interesses de origem e para a valorização da História e da cultura dos quais são originários. Desse modo, torna- -se imperativo o debate sobre o papel desempenhado pela escola e se faz oportuna a inclusão da temática étnico-racial nos currículos de formação docente por incorporação de leis garantindo aos alunos do ensino superior o acesso ao conhecimento sistematizado e valorativo da cultura e da História dos africanos e afrodescendentes. É possível, a partir dessa proposta, fortalecer a discussão em torno das diferen- ças como elemento central na formação cultural do Brasil, exercer o não preconceito e perceber as pessoas pelos seus potenciais, dando- -lhes oportunidades iguais de acesso ao conhecimento.
Mostrar mais

14 Ler mais

A formação docente e o ensino de história nos anos iniciais do ensino fundamental.

A formação docente e o ensino de história nos anos iniciais do ensino fundamental.

Este trabalho teve como objeto de estudo a formação docente e o ensino de história nos anos iniciais do ensino fundamental. O estudo teve por objetivo principal a análise sobre a formação do professor que leciona o ensino de História nos anos iniciais do ensino fundamental, com o intuito de conhecer e compreender as práticas desenvolvidas por esse profissional. Para isso, os objetivos específicos foram mapear a importância do ensino de história nos anos iniciais; caracterizar os processos de formação e competências profissionais docentes para o ensino de História e desvelar aspectos relevantes sobre a formação docente e o ensino de História no ensino fundamental. Para o desenvolvimento teórico-metodológico deste estudo, foram empregados recursos bibliográficos através de pesquisas já publicadas na área (GATTI, 2010; BARREIRO; 2006; PIMENTA, 2002; SCHIMIDT, 2004; SILVA, FONSECA, 2010; PEREIRA, 2012; NASCIMENTO, 2010; BRZEZINSK, 2008; RICHARDSON, 2010; MOURÃO, ESTEVES, 2013) e outros que abordam a formação inicial de professores para atuarem especificamente no ensino de história, e também, o uso de documentos legisladores da educação nacional (CF,1988; LDBEN, 1996; PNE, 2014; Lei Nº 11.645/08; Lei Nº 11.274; PCN, 1997; DCN, 2006; DCNEB, 2013; UFCG, Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, 2009) que tecem o ordenamento legal acerca do objeto deste estudo. Trata-se de um trabalho que se insere na abordagem da pesquisa qualitativa, de cunho descritivo. Para a coleta de dados foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 5 (cinco) professoras que ensinam do 1º ao 5º ano do ensino fundamental I em uma escola da rede estadual de ensino, situada no município de Cajazeiras-PB. Os dados foram analisados através do conjunto de técnicas da Análise de Conteúdo (AC). A partir deles, percebeu-se que a formação docente se configura como o elemento primordial para um adequado desempenho profissional. Além disso, pôde-se constatar nos enunciados das entrevistadas que o processo formativo do professor para o ensino de história nos anos iniciais do ensino fundamental é muito frágil, ainda assentado na perspectiva de ensino tradicionalista voltado para a “decoreba”. As entrevistadas apontaram ainda as grandes dificuldades que têm para ensinar história nos anos iniciais, fato que acaba deixando os conhecimentos da disciplina para segundo plano, por dar destaque apenas para o ensino de português e matemática.
Mostrar mais

97 Ler mais

A história da formação docente em Ensino Religioso no Brasil no período de 1995 a 2010

A história da formação docente em Ensino Religioso no Brasil no período de 1995 a 2010

cussões, estudos e refl exões nacionais envolvendo as questões pertinentes à formação de professores (MEC, CNE, ANPED, ENDIPE, FONAPER, entre outros); orga- nização do histórico de estudos e refl exões envolvendo a formação de professores para o Ensino Religioso como área de conhecimento, coordenada pelo FONAPER; seminários nacionais para capacitação de docentes para o Ensino Religioso como área de conhecimento nas IES, promovidos pela Comissão de Formação Docente do FONAPER; construção da proposta para as Diretrizes Curriculares dos Cursos Superiores na área do Ensino Religioso, encaminhadas ao MEC em 1998; acom- panhamento pelo FONAPER dos projetos de Curso de Licenciatura de Graduação Plena em Ensino Religioso (autorizados e/ou reconhecidos), oriundos dos diferentes Estados; pesquisa sobre o Ensino Religioso desenvolvida pelo FONAPER em Es- tados em 2001 e 2002; reuniões nacionais das universidades brasileiras envolvidas com a formação continuada de professores de Ensino Religioso e particularmente com as licenciaturas de graduação plena em Ensino Religioso com o FONAPER; reunião com o presidente em exercício do Conselho Nacional de Educação, Prof. Francisco Aparecido Cordão, em 2004, em São Paulo; elaboração de um dossiê sobre a formação de professores no Brasil em 2004, encaminhado para o Conselho Nacional de Educação; discussão de uma nova versão para as Diretrizes de Formação de Professores para o Ensino Religioso, iniciada em 2008 no X Seminário Nacio- nal de Formação de Professores, realizado na Universidade Católica de Brasília, com rediscussão do texto em 2009 no V Congresso Nacional de Ensino Religioso com o tema “Docência em formação e Ensino Religioso: contextos e práticas”, na Pontifícia Universidade Católica de Goiânia (texto encaminhado ao Conselho Nacional de Educação).
Mostrar mais

23 Ler mais

EXPERIÊNCIAS DE ENSINO DE HISTÓRIA DA AMÉRICA E HISTÓRIA INDÍGENA NA AMAZÔNIA ORIENTAL: ENTRE DEMANDAS ACADÊMICAS E FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS DE ENSINO DE HISTÓRIA DA AMÉRICA E HISTÓRIA INDÍGENA NA AMAZÔNIA ORIENTAL: ENTRE DEMANDAS ACADÊMICAS E FORMAÇÃO DOCENTE

Entre as mudanças no PPC, ressalta-se a alteração no título da nucleação que passou de “História Americana” para “História das Américas”. Essa mudança é consequência de uma necessidade de evidenciar a multiplicidade daquelas sociedades que se desenvolveram nos períodos anteriores ao do estabelecimento de diferentes sistemas coloniais. Ainda que a produção historiográfica recente, bem como os estudos de arqueologia amazônica, compreendam as sociedades ameríndias pela lente do contato entre elas, é inegável que as construções simbólicas dessas inúmeras culturas variem muito, tanto nas vastas extensões do continente como em diferentes momentos históricos. As mudanças realizadas foram fundamentadas na concepção pedagógica, por meio da qual se interpreta os processos históricos do Brasil e da região amazônica, em uma perspectiva de histórias conectadas com outras sociedades americanas.
Mostrar mais

21 Ler mais

Notas sobre a formação docente o saber histórico escolar nos cursos de formação de professores de história

Notas sobre a formação docente o saber histórico escolar nos cursos de formação de professores de história

A reflexão está organizada em dois momentos. No primeiro deles, nos ocupamos com os saberes que concorrem para a docência em História. Nosso objetivo é demarcar as três competências que o professor, qualquer professor, deve compreender: o saber de referência, o saber sobre os processos de ensino-aprendizagem e sobre os sujeitos com os quais interage e conformam o fim último de sua função social e política o aluno. No segundo momento, apresentamos um ensaio de quantificação do espaço dispensado a cada um destes domínios Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 de dezembro de 1996. Nesse período, o Conselho Nacional de Educação elaborou duas reformulações importantes. A primeira, consubstanciada em dois instrumentos: Resolução CNE/CP N. 01, de 18 de fevereiro de 2002, instituindo as diretrizes para os cursos de formação de professores. E Resolução CNE/CP N. 02, de 19 de fevereiro de 2002, definindo a carga horária para os mesmos cursos. A segunda, alterando as duas resoluções anteriores, conforme Resolução CNE/CP N. 02, de 01 de julho de 2015, propondo novas diretrizes curriculares para os cursos de formação de professores.
Mostrar mais

24 Ler mais

O perigo da história única: a lei 10.639/2003 e a incorporação da disciplina história da África na formação docente em história

O perigo da história única: a lei 10.639/2003 e a incorporação da disciplina história da África na formação docente em história

Para tanto, o texto dá ênfase à Lei 10.639/2003 por determinar a obrigatoriedade da temática africana em sala de aula. Realidade que justifica a incorporação da disciplina História da África e instiga aos debates em torno das questões étnico-raciais, da formação acadêmica dos professores e do papel da escola no processo de conhecimento e reconhecimento das cores que formam a cultura brasileira. Nesse sentido, o texto tem como objetivo geral apresentar uma discussão sobre a incorporação da disciplina História da África nos cursos de formação em História, de modo a contemplar a proposta da lei, as reivindicações sociais, em especial do Movimento Negro, e o desconhecimento secular da história dos negros e dos seus descendentes.
Mostrar mais

15 Ler mais

Formação docente e o Pibid: a importância da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão para a formação de professores de história

Formação docente e o Pibid: a importância da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão para a formação de professores de história

Assim, buscou-se, enfatizar, que o professor não deve prescindir do reconhecimento do seu campo de atuação já que, o processo de construção do conhecimento, exige que este “[...]reflita acerca da realidade na qual está inserido e tente amalgamar a multipli cidade de saberes que o cerca, objetivando, com isso, pensar sua prática, orientar e reorientar suas ações[...]” (COSTA; SALIS, 2012, p. 33). Dentro dessa lógica, o acadêmico é estimulado a participar da dinâmica do ambiente escolar, buscando ressignificar seu espaço. A ideia é que este passe a entendê-lo enquanto detentor de uma cultura escolar. Para isso, os pibidianos são inseridos na escola, realizando observações de todos os aspectos que compõe esse universo (observações da prática docente, da infraestrutura e análise do Projeto Político Pedagógico e diretrizes vigentes). No entanto, Caimi ressalta que a preposição de ações significativas no processo de ensino aprendizagem exige, também, o cumprimento de outras demandas, tais como:
Mostrar mais

6 Ler mais

Uma história de educação feminina: a formação docente das mulheres no Brasil no século XX

Uma história de educação feminina: a formação docente das mulheres no Brasil no século XX

Nessas escolas, todo o conhecimento era transmitido em alemão. Pode-se dizer que devido a isso muitos tiveram problemas linguísticos, tendo muita dificuldade em aprender o português, problema que perdura até os dias atuais, uma vez que pessoas mais idosas encontram dificuldade em entender a língua portuguesa. Aos poucos, escolas foram sendo criadas para atender a demanda, sendo que em 1850, Feliz contava com duas escolas paroquiais, e também algumas comunidades do interior começaram a ter suas escolas com professor da própria comunidade. Em 1863, houve a implantação de escolas católicas nas capelas do interior. Com as modificações sociais, novos imigrantes alemães, com maior formação, vieram para a região, impulsionando, assim, a educação na cidade. Aos poucos, foram sendo implantadas escolas do governo, surgindo, assim, os grupos escolares nos centros maiores e escolas rurais nas comunidades do interior. Muito se fez pela educação desde então, tanto que, em 2002, Feliz ficou entre os dez municípios do país com menor índice de analfabetismo e, atualmente, conta com duas escolas estaduais, sendo uma de ensino médio com habilitação para o magistério, além de seis escolas municipais, sendo que a Escola Alfredo Spier, no
Mostrar mais

46 Ler mais

Experiências formadoras e habitus musical no Cariri cearense: a História de Vida desvelando minha formação docente

Experiências formadoras e habitus musical no Cariri cearense: a História de Vida desvelando minha formação docente

O que Galdino expõe é recorrente nos agentes entrevistados. O fato é que o habitus familiar atua como uma “estrutura” determinante, ainda mais quando somos crianças. Desse modo, existe uma série de saberes que nos são “inculcados” involuntariamente e que são decisivos para a nossa formação. Ressalto que dos quatro aos oito anos não frequentei nenhuma forma sistematizada ou “formal” de ensino musical. Aprendia através das experiências vivenciadas no habitus familiar; e, mais do que isso, ressalto haver sido também esse habitus que me fez iniciar os estudos em uma escola especializada em Música, pois, um dia, em uma das apreciações musicais para onde o meu pai gostava de me levar, conheci o músico Hugo Linard - um grande acordeonista e pianista do Cariri cearense que dava aulas na SCAC e que ainda hoje é referência para todos os músicos da região. Hugo Linard representa o capital simbólico que Bourdieu descreve. Destarte, por conhecer esse músico e ter a oportunidade de ser seu aluno, comecei a estudar na SCAC. Fiquei de 1987 a 1994 nessa escola e estudei piano e teclado. Vivi momentos de muita aprendizagem ao seu lado! Ele se tornou meu mestre e amigo, influenciando em muito a minha maneira de tocar. Lembro-me dos recitais no fim do semestre! Aquilo era um momento de “encantamento” para mim! Saía de lá extasiado, tamanha era a emoção em poder tocar no palco do Teatro Rachel de Queiroz (que pertencia àquela escola de Música) e, ao lado de Hugo Linard. Foi assim, que, aos poucos, fui me constituindo músico e me inserindo como agente, lutando por minha afirmação e reconhecimento dentro do campo musical do Cariri cearense.
Mostrar mais

83 Ler mais

Show all 10000 documents...