Gênero resumo

Top PDF Gênero resumo:

Open Os operadores de contraposição no gênero resumo acadêmico: perspectiva linguísticodiscursiva

Open Os operadores de contraposição no gênero resumo acadêmico: perspectiva linguísticodiscursiva

descritiva e quanti- qualitativa, visto que estaremos atentos não apenas ao funcionamento desses operadores, mas também à quantidade de ocorrência dos referidos elementos. O corpus, aqui em análise, é constituído por 300 resumos acadêmicos publicados em anais e revistas de caráter científico- acadêmico. Os resultados indicam para uma predominância do uso dos operadores de contraposição com função masPA, em detrimento dos operadores com função masSN. Além desse fato, é pertinente pontuar que esta pesquisa amplia o que é proposto por Ducrot (1988), quando das possibilidades de posicionamento do locutor frente aos enunciadores - este autor aponta apenas para o rechaço, a aprovação e a identificação – uma vez que constatamos a existência de duas espécies de rechaço: total e parcial. Ainda no tocante às análises, identificamos a presença marcante de topos e informação compartilhada nos resumos, acionada, ou não, pelos operadores de contraposição, o que demonstra que, além de estabelecerem relações entre os termos, no sentido de funcionarem como elementos coesivos, esses operadores, no gênero resumo acadêmico, são utilizados como estratégia argumentativa, pois orientam os enunciados para determinadas conclusões e materializam, nos próprios enunciados, vários pontos de vista e crenças que podem ser contestadas, ou não, pelo interlocutor.
Mostrar mais

201 Ler mais

A ESTRUTURA “ENTRETANTO” NO GÊNERO RESUMO ACADÊMICO:  DE CONJUNÇÃO ADVERSATIVA A ELEMENTO ATIVADOR DE POLIFONIA

A ESTRUTURA “ENTRETANTO” NO GÊNERO RESUMO ACADÊMICO: DE CONJUNÇÃO ADVERSATIVA A ELEMENTO ATIVADOR DE POLIFONIA

RESUMO: O presente trabalho tem o objetivo de analisar a estrutura linguística entretanto em quatro resumos acadêmicos. Para tal empreendimento, lançamos mão da Teoria da Argumentação na Língua postulada por Anscombre e Ducrot (1994) e Ducrot (1988), dentre outros. Nessa teoria, esse operador funciona como orientador dos discursos que possibilitam ao leitor produzir determinadas conclusões. A análise realizada no corpus constatou que o uso do operador argumentativo entretanto, no gênero resumo acadêmico, apresenta-se como principal estratégia argumentativa. Além disso, o operador analisado não funciona apenas como elemento de ligação de palavras e orações, mas também ativa pontos de vista diferentes, revelando o posicionamento do locutor responsável pelo texto.
Mostrar mais

17 Ler mais

←
				
											Voltar aos Detalhes do Artigo
									
									UMA PROPOSTA DE ENSINO DO GÊNERO RESUMO ESCOLAR EM UM CURSO TÉCNICO INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO

← Voltar aos Detalhes do Artigo UMA PROPOSTA DE ENSINO DO GÊNERO RESUMO ESCOLAR EM UM CURSO TÉCNICO INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO

Para explicar o alcance desse objetivo, este artigo subdivide-se em três partes além desta introdução. Na primeira, tecemos algumas considerações teóricas sobre os estudos retóricos de gênero e do gênero resumo. Na segunda, descrevemos os procedimentos metodológicos de coleta e geração dos dados. Na terceira, apresentamos uma seção de análise comparativa de dois resumos escritos em dois momentos diferentes: (1) antes do movimento retórico e (2) depois do movimento retórico de gêneros. Por fim, tecemos algumas considerações sobre as implicações dessa proposta de ensino pensada para contribuir com a integração do ensino técnico e a educação básica.
Mostrar mais

12 Ler mais

A EMERGÊNCIA DO GÊNERO “RESUMO EXPANDIDO” SOB A ÓTICA DA TEORIA DA COMPLEXIDADE

A EMERGÊNCIA DO GÊNERO “RESUMO EXPANDIDO” SOB A ÓTICA DA TEORIA DA COMPLEXIDADE

RESUMO: Esta pesquisa objetiva relacionar alguns pressupostos da Teoria da Complexidade (LAR- SEN-FREEMAN, 2008; MORIN, 2011) com a noção de gêneros textuais – na perspectiva dialógica da linguagem de Bakhtin –, identificando, por meio dos elementos constitutivos dos gêneros – con- teúdo, estilo e construção composicional –, em que condições o gênero textual secundário “resumo expandido” emerge na esfera acadêmica. Para tanto, realizamos uma breve discussão sobre os Gêne- ros Textuais e a Teoria da Complexidade, abordando algumas questões substanciais para a compre- ensão dessas duas abordagens teóricas como convergentes a partir da discussão dos seguintes tópicos: os gêneros na visão bakhtiniana; o gênero textual secundário “resumo expandido”; a emergência sob a ótica da complexidade; e a emergência do gêneroresumo expandido”. Nesse sentido, entendemos que são as condições de uso e a necessidade de mudança que abrem espaço para que um gênero possa emergir, de modo que ao analisarmos o gêneroresumo expandido” sob a ótica do pensamento complexo, tanto a abertura como a plasticidade dos gêneros se tornam evidentes. Assim, percebemos que o tripé constituído por conteúdo, estilo e construção composicional evidencia a natureza multi- dimensional e complexa dos gêneros textuais, por meio da relação existente entre esses elementos e a esfera da comunicação na qual os gêneros se ancoram.
Mostrar mais

23 Ler mais

GÊNERO RESUMO

GÊNERO RESUMO

O método de análise deste artigo possui natureza comparativa, e para a constituição do seu corpus, extraímos do Anais do XIX Congresso de Iniciação Científica (CONIC) da UFPE, seis resumos expandidos publicados no ano de 2011, dentre os quais três são da área de Ciências Biológicas (Ecologia) e três da área de Letras (Literatura). A metodologia comparativa utilizada neste trabalho visa a encontrar convergências e divergências disciplinares ao comparar o gênero resumo para congressos em diferentes áreas de conhecimento, tomando como base o conceito de letramento disciplinar, o qual confirma o caráter heterogênico da escrita acadêmica. Os aspectos analisados serão a estrutura retórica dos sumários dos resumos expandidos da área de Letras e de Ecologia e a forma como a intertextualidade é utilizada por ambas as disciplinas.
Mostrar mais

18 Ler mais

Práticas de letramento na iniciação científica e tecnológica: um estudo do gênero resumo acadêmico no CEFET/RJ

Práticas de letramento na iniciação científica e tecnológica: um estudo do gênero resumo acadêmico no CEFET/RJ

Os textos dos resumos – mais especifi camente no que tange ao relato de ativi- dades desenvolvidas pelos alunos ao longo de suas trajetórias como participantes de projetos de iniciação científi ca ou tecnológica – constroem discursivamente um posicionamento no processo de “tornar-se pesquisador”; isto é, atuam na produção de saberes e refl etem a construção da subjetividade de pesquisador. O movimento de relatar as atividades desenvolvidas demonstra a compreensão da produção do texto acadêmico no gênero resumo como um momento de dar visibilidade ao processo de pesquisa desenvolvido em diversas etapas. Desse modo, é possível asseverar que tal movimento também constitui uma forma, construída por meio de um letramento, de construir participação em uma comunidade acadêmica, alinhando os pesquisadores a uma tendência contemporânea de produção de conhecimentos em ciências sociais e humanas que rompe com a epistemologia positivista de pesquisa. Os fragmentos nos quais identifi camos tais características são:
Mostrar mais

18 Ler mais

Uma breve análise comparativa entre exemplares do gênero textual “resumo acadêmico”

Uma breve análise comparativa entre exemplares do gênero textual “resumo acadêmico”

Resumo: A rotina acadêmica é permeada pela produção e circulação de gêneros discursivos fundamentais para o sucesso de práticas sociais e para a preservação, transformação e ensino/aprendizado de tradições culturais. O gênero resumo acadêmico é um de tais gêneros que costuma ocorrer junto a outros gêneros discursivos como artigo acadêmico, dissertação, tese e comunicação oral. A im de comparar a coniguração retórica de exemplares de três modalidades do gênero resumo acadêmico (BIASI- RODRIGUES, 2009), a saber: resumos de anais de congresso, resumos que acompanham o gênero artigo acadêmico e resumos que acompanham dissertações e teses, analisamos os exemplares à luz da proposta metodológica de Biasi- Rodrigues (1998) e das considerações teóricas de Motta-Roth e Hendges (2010) e Biasi-Rodrigues (2009). A investigação sugeriu distinções na descrição retórica das três modalidades do gênero resumo acadêmico analisadas e suscitou novas possibilidades de abordagem do que é descrito por Biasi-Rodrigues (2009).
Mostrar mais

21 Ler mais

Padrões de organização textual e lexicogramatical do gênero acadêmico resumo de tese: um estudo de caso.

Padrões de organização textual e lexicogramatical do gênero acadêmico resumo de tese: um estudo de caso.

Nestes termos, a descrição dos padrões de organização textual e a análise lexicogramatical dos resumos de tese que compõem o corpus permitiu não só mapeá-lo como um gênero particular, como também registrou características predominantes em cada domínio do saber. Entretanto, é preciso reiterar que não se pode falar de “modelo” de análise em termos normativos ou prescritivos, pois, como pode ser verificado, a elaboração do gênero resumo de tese admite considerável flexibilidade, dada a variedade de estratégias disponíveis para a escolha dos pesquisadores/produtores do texto – o que não esgota, desse modo, todas as possibilidades de realização concreta deste gênero.
Mostrar mais

14 Ler mais

Proposta tipológica de resumos: um estudo exploratório das práticas de ensino da leitura e da produção de textos acadêmicos

Proposta tipológica de resumos: um estudo exploratório das práticas de ensino da leitura e da produção de textos acadêmicos

Partindo do princípio de que o ensino da produção e compreensão de tex- tos deve ser orientado pelo ensino de gêneros, pretendemos, neste trabalho, descrever o gênero resumo, considerando-o como uma atividade discursiva produzida e con- sumida em diferentes esferas das atividades sociais, as quais, como lembra Bakhtin (1999), elaboram os seus próprios gêneros. É preciso definir, tanto para o aluno quanto para o professor, as características do gênero resumo, determinadas pelo seu contexto de produção, fornecendo, assim, subsídios teórico-metodológicos para a construção de intervenções didático-pedagógicas mais eficientes.
Mostrar mais

11 Ler mais

Homoerotismo feminino, juventude e vulnerabilidade às DSTs/Aids.

Homoerotismo feminino, juventude e vulnerabilidade às DSTs/Aids.

das categorias sobre práticas, desejos e identidades sexuais. O autor problematiza a escassa explicitação dos modos de classificação das identidades sexuais e de gênero dos sujei- tos das pesquisas, por exemplo, se são autoatribuídas ou inferidas com base nos relatos dos sujeitos. Uma análise da produção acadêmica da última década, localizada na mesma base (PUBMED), indica que tem havido uma maior distinção entre identidade e práticas sexuais nas pesquisas sobre orientação sexual, bem como uma ampliação da con- cepção dicotômica heterossexual/homossexual a partir do uso de um gradiente de opções na autoclassificação identi- tária. 28 Outros estudos abordam as interpretações dos próprios
Mostrar mais

22 Ler mais

Diferenças entre gênero e perfil sócio-econômico no exame nacional de desempenho do estudante.

Diferenças entre gênero e perfil sócio-econômico no exame nacional de desempenho do estudante.

Também Carvalho (2000) destaca que, tradicionalmente, tem-se atribuído a responsabilidade à família, pelo sucesso e fracasso escolar dos estudantes. Desta forma, entende-se que o sucesso escolar tem dependido, em grande parte, do apoio direto e sistemático da família que investe nos filhos, com- pensando tanto dificuldades individuais quanto deficiências escolares. Porém, essa autora ressalta que para isso acontecer, é necessário que a família seja dotada de recursos econômicos e culturais, dentre os quais se destacam o tempo livre para dedicação aos filhos e o nível de escolarização desses pais. Entretanto, por ser considerada como natural essa expressão de dever dos pais, o apoio da família ao sucesso escolar ainda permanece mais implícito do que explícito na pesquisa e política educacional, bem como na prática es- colar. Igualmente implícitas permanecem as relações de classe e, sobretudo, de gênero, que compõem os modelos de família, que assim conduzem ao sucesso ou ao fracasso escolar, e que os estudantes carregam ao longo de seu percurso acadêmico e profissional.
Mostrar mais

18 Ler mais

Gênero ilimitado: a construção discursiva da identidade travesti através da manipulação do sistema de gênero gramatical.

Gênero ilimitado: a construção discursiva da identidade travesti através da manipulação do sistema de gênero gramatical.

Para finalizar, gostaríamos de sugerir que, para que aprofundemos a compreensão sobre as ligações entre gênero, sexualidade e linguagem (especificamente no caso dos/as transgêneros, mas não restrito a eles/as), consideremos como usuários/as da língua incorporam discursos locais sobre gênero e sexualidade em seus corpos e como essa corporificação os/as capacita a moldar seu uso de língua de acordo com as ideologias circundantes sobre esses construtos. Assim, concordamos com Keith Walters quando afirma “que sociolingüistas [deveriam] reconhecer que o corpo de cada falante, também socialmente construído, simultaneamente permite e regula os padrões de uso de língua dos sujeitos de maneiras complexas”. 51 Como foi
Mostrar mais

24 Ler mais

Primeiro relato de Trichogramma bruni Nagaraja (Hymenoptera: Trichogrammatidae) parasitando ovos de Urbanus proteus (L.) (Lepidoptera: Hesperiidae) em feijão-vagem.

Primeiro relato de Trichogramma bruni Nagaraja (Hymenoptera: Trichogrammatidae) parasitando ovos de Urbanus proteus (L.) (Lepidoptera: Hesperiidae) em feijão-vagem.

reduzir o uso de agrotóxicos, tem-se os inimigos naturais, como os parasitóides de ovos do gênero Trichogramma. Estes estão entre os mais importantes e utilizados, principalmente, por estarem presentes em quase todas as regiões biogeográicas do mundo, e serem produzidos escala massal e econômica (Haji et al . 2002). Por esta razão, objetivou-se averiguar a presença de parasitóides do gênero Trichogramma, em ovos de U. proteus , através de amostragens em surtos dessa praga, nos cultivos de feijão-vagem.

2 Ler mais

RESUMO.- As infecções causadas por bactérias do gênero

RESUMO.- As infecções causadas por bactérias do gênero

em todos os países que possuem cultivo de tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus). O presente trabalho descreve o desenvolvimento de uma nova multiplex PCR (mPCR) para diagnóstico de Aeromonas spp. e identificação do gene aerolisina (aerA). Para padronização da mPCR foram utilizadas cepas de referência de várias espécies do gênero Aeromonas e de outros gêneros. Também foram usadas cepas de campo de A. hydrophila oriundas de cultivos de peixes pacamãs (Lophiosilurus alexandri) e Aeromonas spp. de tilápias do Nilo. Os primers foram desenhados com base na região 16S rRNA e aerA . Para verificar a melhor temperatura de anelamento foram utilizados gradientes entre 59°C a 61°C com 40ng de DNA molde. Os produtos da amplificação da região 16S rRNA e do gene aerA apresentaram 786 e 550pb, respectivamente. A mPCR apresentou melhor temperatura de anelamento a 57,6°C ABSTRACT.- Kim F.J.P., Silva A.E.M., Silva R.V.S., Kim P.C.P., Acosta A.C., Silva S.M.B.C., Sena M.J.
Mostrar mais

5 Ler mais

RESUMO.- Bactérias do gênero Aeromonas são patógenos

RESUMO.- Bactérias do gênero Aeromonas são patógenos

Quantificação. Não foi possível caracterizar nenhuma cepa como forte ou moderada produtora de biofilme. Apenas 35% dos isolados (n=6) foram classificados como fracos formadores de biofilme, os quais foram submetidos aos ensaios de interferência, por representarem os isolados passíveis de avaliação mais precisa. Os autores Li et al. (2011) relataram que o gênero Aeromonas tem a capacidade de forte aderência quanto à sua quantificação em 24h. Porém, isso não foi observado nesse presente estudo, uma vez que nenhum dos isolados apresentou-se como forte produtor de biofilme. Isso pode ser explicado pelo estudo feito por Jacques et al. (2010) que evidencia que a formação de biofilme frente as diferentes condições ambientais, pode influenciar em várias funções biológicas. Dessa forma, como as bactérias não sofreram nenhum tipo de ameaça à sua viabilidade, assim como não encontraram nenhuma condição favorável para sua multiplicação, não tiveram a necessidade de formar biofilme. Já no estudo realizado por Santos et al. (2011), 18% das cepas de A. caviae foram classificadas como formadoras de biofilme fracas a moderadas. Segundo esses autores, estruturas como flagelo e pili, também desempenham um papel significativo na formação de biofilme por várias espécies bacterianas.
Mostrar mais

9 Ler mais

RESUMO E ABSTRACT   resumo em ingles meu

RESUMO E ABSTRACT resumo em ingles meu

“Gestão dos comportamentos agressivos na criança em transição para a adolescência”. ABSTRACT[r]

2 Ler mais

“TENHO DIFICULDADES EM LIDAR COM ESSA SITUAÇÃO”: NARRATIVAS, GÊNERO E SEXUALIDADE  NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES/AS

“TENHO DIFICULDADES EM LIDAR COM ESSA SITUAÇÃO”: NARRATIVAS, GÊNERO E SEXUALIDADE NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES/AS

Em primeiro lugar, o caráter perturbador da heteronormatividade, principalmente no que tange às infrações de uma masculinidade esperada: nos chama atenção que estes relatos, assim como outros produzidos no decorrer dos encontros com docentes de educação básica, trazem os meninos como personagens principais. É a partir de uma avaliação da performance de gênero dos meninos que surgem “preocupações” quanto às respectivas sexualidades, sempre entendidas de forma linear. Qualquer infração às normas de gênero acaba tornando-se justificativa para ações de acusações e violências. Ao menos nestas narrativas, a feminilidade ou a performance de meninas não emergiu, o que pode significar um silenciamento a respeito da pedagogia que se exerce sobre meninas.
Mostrar mais

9 Ler mais

"Gosta de flor?”

"Gosta de flor?”

Em 2018, a SEMED ofertou a oficina “Corpo, gênero e sexualidade na educação”, durante a semana formativa dos/as seus/suas professores/as. O tema foi sugerido pelo setor responsável pelo PSE (como informado, equipe de Ciências 6º ao 9º ano) pelos motivos já citados. Assim, esse artigo analisa a experiência da referida oficina, realizada pela LAMSA, com professores/as de escolas públicas municiais, a convite da Prefeitura Municipal de Campo Grande. O objetivo da oficina “Corpo, gênero e sexualidade na educação” foi analisar as questões que envolvem corpo, gênero e sexualidade na educação em uma perspectiva comprometida com a garantia dos direitos sexuais e reprodutivos. A Oficina foi executada três vezes, nos dias 23, 25 e 29 de outubro de 2018. A carga horária foi de 08h (4h de manhã e 4h à tarde) e o número máximo estipulado foi de 40 inscrições. No total, foram 67 professores/as que participaram das oficinas ofertadas, sendo, respectivamente, os seguintes números de presentes por dia:11, 34 e 22. Eles/as são de 28 escolas municipais. A condução do trabalho foi feita pelos autores desse artigo, com apoio dos Técnicos Cristiane Miranda Magalhães Gondin e Gilson da Rocha Santos, além do acadêmico de Enfermagem Higor Lopes Bernal, nas dependências do Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN).
Mostrar mais

18 Ler mais

A educação e o processo de inclusão: exclusão social da mulher: uma questão de gênero?.

A educação e o processo de inclusão: exclusão social da mulher: uma questão de gênero?.

RESUMO: Utilizando a categoria analítica gênero, este trabalho mostra como se dão historicamente as relações sociais (de poder) entre homens e mulheres e como os valores femininos[r]

9 Ler mais

Resumo da matéria - Física e Química A na ESO

Resumo da matéria - Física e Química A na ESO

• Num sistema aberto, as concentrações de reagentes e produtos da reação podem, a partir de certo instante, manter-se constantes sem se atingir um estado de equilíbrio químico. Diz-se[r]

16 Ler mais

Show all 10000 documents...