Heterogeneidade espacial

Top PDF Heterogeneidade espacial:

Heterogeneidade espacial e temporal de variáveis limnológicas no reservatório de Itupararanga associadas com o uso do solo na Bacia do Alto Sorocaba-SP.

Heterogeneidade espacial e temporal de variáveis limnológicas no reservatório de Itupararanga associadas com o uso do solo na Bacia do Alto Sorocaba-SP.

Conclui-se que o reservatório de Itupararanga apresenta heterogeneidade espacial e sazonal e que há influências dos usos do entorno na qualidade de suas águas, ocasionando principalmente o processo de eutrofização artificial. Este resultado é preocupante já que a eutrofização artificial pode causar perdas tanto econômicas e sociais quanto ambientais. Em linhas gerais a eutrofização promove aumento nos custos de tratamento de água e estimula a utilização de algicidas os quais podem comprometer o equilíbrio ecossistêmico. Há também problemas associados à perda dos usos múltiplos do reservatório como recreação, navegação, irrigação, pesca e perda da harmonia paisagística. Além disso, o aumento da população de cianobactérias causado pela eutrofização pode levar à liberação de hepato e neuro toxinas afetando assim tanto as comunidades biológicas quanto a saúde humana. Os resultados desta pesquisa indicam que a principal origem do processo de eutrofização encontra-se a montante do reservatório sendo também importante os impactos no seu entorno, especialmente no que diz respeito às entradas alóctones de nitrogênio e material particulado ocorrendo ainda alterações de pH e condutividade. Medidas corretivas são necessárias para se reverter o processo, já que o reservatório representa uma área de importância social e econômica para a sociedade que usufrui de seus usos múltiplos.
Mostrar mais

12 Ler mais

Padrões de estrutura e diversidade da vegetação lenhosa relacionados à heterogeneidade espacial de água no solo em cerrado do Brasil Central Joice Nunes Ferreira

Padrões de estrutura e diversidade da vegetação lenhosa relacionados à heterogeneidade espacial de água no solo em cerrado do Brasil Central Joice Nunes Ferreira

Este estudo expôs a forte heterogeneidade espacial, em escala fina, na água disponível para as plantas na área de estudo. Expressiva variação espacial em ADP foi observada, tanto em escala de paisagem (variação entre os três transectos) quanto em escala local (dentro de cada transecto de 275 m). A análise de padrões espaciais revelou que esta variabilidade em ADP foi, com freqüência, espacialmente estruturada e, especialmente, que os três transectos diferiram no padrão espacial de ADP (Fig. 3.5). Estes padrões distintos de disponibilidade e heterogeneidade de água no solo revelados no presente estudo consistiram em uma oportunidade ímpar para explorar as relações entre as propriedades estruturais da vegetação e a água disponível para as plantas, em nível de paisagem. O foco principal dos estudos nestas savanas tem sido sobre as variações fisionômicas (e.g. Oliveira-Filho et al. 1989), as quais são mais evidentes. Entretanto, este estudo expõe marcante variabilidade dentro da mesma fisionomia e, portanto, em menor escala espacial.
Mostrar mais

146 Ler mais

ALMIR PICANÇO DE FIGUEIREDO Novos métodos em Ecologia de Estradas: Correção da heterogeneidade espacial na análise de agregação de atropelamentos de fauna e definição da suficiência

ALMIR PICANÇO DE FIGUEIREDO Novos métodos em Ecologia de Estradas: Correção da heterogeneidade espacial na análise de agregação de atropelamentos de fauna e definição da suficiência

O atropelamento de fauna é considerado por diversos autores como a principal causa direta de morte de animais na natureza. No entanto, as intervenções necessárias para mitigar este efeito negativo das rodovias são geralmente onerosas e por isso é preciso ter confiabilidade na proposição de locais para as mesmas. As análises de agregação de atropelamento usadas em Ecologia de Estrada não corrigem o efeito da heterogeneidade de densidade de primeira ordem gerando uma autocorrelação espacial entre os atropelamentos maior do que a real. O primeiro capítulo desta dissertação apresenta um método de correção, denominado Windowned Method, o qual pondera os resultados obtidos em um raio de análise por uma janela de observação com menor heterogeneidade que a área total de estudo. O método proposto apresentou menores taxas de erro de classificação de hotspot e sofreu menos influência da heterogeneidade de distribuição dos eventos, quando comparado com dois outros métodos usados em Ecologia de Estradas. Esta dissertação também abordou a deficiência de uma análise de suficiência amostral para estudos de Ecologia de Estradas. No segundo capítulo desta dissertação foi verificado que existe relação positiva entre a precisão de classificação de hotspot e o tamanho da amostra. Por meio de simulações por reamostragem Bootstrap e por extrapolações utilizando Regressão Quantílica, esta relação foi utilizada para construção de uma Curva de Precisão com a qual é possível identificar o tamanho da amostra desejada para se atingir um grau de precisão determinado pelo pesquisador. Com este método a suficiência amostral pode ser determinada pelo acúmulo de registro permitindo protocolos de coletas diversos, permitindo ao pesquisador variar a velocidade de busca por carcaças e frequência de campanhas de coletas, conforme sua conveniência.
Mostrar mais

118 Ler mais

Respostas de diferentes traços funcionais do fitoplâncton à heterogeneidade espacial e temporal em um extenso lago raso subtropical

Respostas de diferentes traços funcionais do fitoplâncton à heterogeneidade espacial e temporal em um extenso lago raso subtropical

Conclusions:  The functional structure of the phytoplankton community in Lake Mangueira, here accessed by functional traits and RFGs, was more conditioned by its environmental temporal[r]

15 Ler mais

Heterogeneidade espacial e temporal do zooplâncton em sistemas lóticos e lênticos...

Heterogeneidade espacial e temporal do zooplâncton em sistemas lóticos e lênticos...

O níquel não tem função biológica conhecida (ESTEVES, 1988) e, em altas concentrações, podem causar efeitos tóxicos às comunidades biológicas dos ambientes aquáticos, como em peixes, que pode causar asfixia e morte (ANDRADE, 2003). Altas concentrações desse elemento são encontradas em áreas de mineração, além dessa atividade, as principais fontes antrópicas do níquel são: queima de combustíveis, fundição de metal, fusão e modelagem de ligas, indústrias de eletrodeposição, fabricação de alimentos, artigos de panificadoras, refrigerantes e sorvetes aromatizados (CETESB, 2009). Apesar de não ter sido observada variação espacial na concentração de Níquel nos pontos de coleta da represa, os pontos de coleta R1 e R6 foram os únicos que não ultrapassaram os limites da concentração desse metal estipulado pelo CONAMA para ambientes de Classe II. Por outro lado, nos tributários os pontos de coleta RL1, RL2, L1, AB1 e AB/L2, estavam dentro do valor permitido.
Mostrar mais

164 Ler mais

Modelagem preditiva de distribuição de espécies pioneiras no Estado de Minas Gerais.

Modelagem preditiva de distribuição de espécies pioneiras no Estado de Minas Gerais.

Resumo – O objetivo deste trabalho foi determinar a distribuição potencial de 23 espécies pioneiras no Estado de Minas Gerias, além de identiicar as variáveis ambientais que inluenciam as suas distribuições. O algoritmo Maxent foi escolhido para relacionar a ocorrência de espécies às seguintes variáveis bioclimáticas: variação diurna de temperatura, isotermalidade, sazonalidade da temperatura, precipitação do mês mais seco, sazonalidade da precipitação (coeiciente de variação) e evapotranspiração real. Também foram avaliados índice de vegetação por diferença normalizada (NDVI), grau de conservação da lora e heterogeneidade espacial de itoisionomias, bem como erodibilidade (suscetibilidade do solo à erosão), disponibilidade de água subterrânea, textura do solo, teor de matéria orgânica, ocorrência mineral (espécies minerais existentes por unidade litológica), mapa pedológico simpliicado, declividade e altitude. A espécie Anadenanthera colubrina foi a mais indicada para o bioma Caatinga, seguida de Casearia sylvestris e Plathymenia reticulata, indicadas para o bioma Mata Atlântica e Cerrado, respectivamente. Recomenda-se utilizar o Maxent como ferramenta para orientar os planos de conservação que necessitam de indicação de espécies, para recuperar áreas de vegetação degradadas ou desmatadas.
Mostrar mais

8 Ler mais

Repositório Institucional UFC: Proposta metodológica de avaliação dos efeitos espaciais de dependência e heterogeneidade dos acidentes de trânsito em diferentes configurações de áreas com a incorporação da superdispersão

Repositório Institucional UFC: Proposta metodológica de avaliação dos efeitos espaciais de dependência e heterogeneidade dos acidentes de trânsito em diferentes configurações de áreas com a incorporação da superdispersão

Além da dependência espacial, os acidentes de trânsito estão sujeitos à heterogeneidade espacial, a qual refere-se às diferenças nas relações entre a variável dependente e as variáveis independentes em todas as unidades espaciais de uma região. Os modelos MLG estimam os coeficientes globalmente para toda a área de estudo com o pressuposto de que a relação entre a variável dependente e cada uma das variáveis independentes não varia ao longo da área geográfica (HADAYEGHI SHALABY; PERSAUD, 2010). Em se tratando de dados espaciais, essa suposição é pouco provável e padrões espaciais irão variar de acordo com as características locais de cada região. Conforme Matkan et al. (2011), desconsiderar a heterogeneidade espacial pode esconder alguns aspectos que afetam os acidentes, comprometendo a precisão de tais modelos para descrever as relações entre as variáveis dependente e independentes. É provável que, enquanto alguns fatores explicativos tenham forte poder de previsão sobre o número de acidentes em uma área, podem não ser tão suficientemente fortes em outra. Adicionalmente, o problema da distinção entre dependência espacial e heterogeneidade espacial é complexo. Nesses casos, uma abordagem espacial específica é necessária (ANSELIN, 1988).
Mostrar mais

111 Ler mais

Variação espacial como mecanismo promotor da coexistência em comunidades de insetos necrófagos.

Variação espacial como mecanismo promotor da coexistência em comunidades de insetos necrófagos.

RESUMO. A coexistência em comunidades locais pode ser mediada através de vários mecanismos tais como competição interespecífica e heterogeneidade espacial e temporal. Neste trabalho é analisada uma guilda de insetos necrófagos para se determinar o papel desempenhado pela agregação na estrutura da comunidade. Um experimento foi delineado para se testar as premissas derivadas do modelo de coexistência por agregação que, em resumo, requer que no balanço entre a competição intra e interespecífica, a primeira deva ser maior, para fazer com a coexistência seja possível. Os dados coletados compreendem dois protocolos: a coleta de adultos visitando a carcaça e a criação das larvas coletadas na carcaça. Os resultados demonstram que 21 espécies necrófagas foram criadas e 18 espécies coletadas. Todas as espécies mostraram-se distribuídas de forma agregada sobre os recursos e, embora vários valores negativos foram obtidos nos índice de associação, a tendência geral foi de uma covariação neutra entre as espécies. A análise confirma que a agregação pode manter a diversidade nesta comunidade.
Mostrar mais

11 Ler mais

O padrão espacial da atividade inovadora Brasileira: uma análise exploratória.

O padrão espacial da atividade inovadora Brasileira: uma análise exploratória.

O objetivo deste artigo é aplicar, de forma pioneira, análise exploratória de dados espaciais sobre dados de patentes per capita para analisar a distribuição da inovação em microrregiões geográficas brasileiras. Os resultados revelam que as patentes per capita são distribuídas de forma não aleatória, indicando au- tocorrelação espacial positiva. A heterogeneidade espacial constatada pelo método confirma a existência de um regime de polarização Norte-Sul em termos de atividade tecnológica. Indicadores locais de asso- ciação espacial e estatísticas de Moran bivariadas são calculados com intuito de determinar a influência da vizinhança sobre a performance tecnológica das microrregiões. Os resultados mostram que a ausência de industrialização, de alto grau de escolaridade da população adulta, de pesquisadores com doutorado, de trabalhadores em áreas de formação tecnológica e de diversidade industrial e tecnológica podem fun- cionar como barreiras espaciais e, dessa forma, inviabilizar o processo de difusão dos transbordamentos de conhecimento.
Mostrar mais

29 Ler mais

Repositório Institucional UFC: A heterogeneidade ambiental em angiospermas marinhas e os efeitos sobre a variação espacial da macrofauna associada

Repositório Institucional UFC: A heterogeneidade ambiental em angiospermas marinhas e os efeitos sobre a variação espacial da macrofauna associada

O estudo da heterogeneidade ambiental busca estabelecer padrões na distribuição e diversidade das espécies com base nas características ambientais biológicas e abióticas. Tais estudos são sustentados pela hipótese da heterogeneidade de habitat, que assume que ambientes mais hetero- gêneos são mais diversos e abrigam maiores números de espécies. O objetivo deste estudo foi avaliar a heterogeneidade espacial em uma pradaria de angiospermas marinhas e seus efeitos sobre a diversidade do macrobentos associado, em uma planície de maré do Complexo Estuarino Timonha-Ubatuba, Piauí. Para isso, foram demarcadas três subáreas: A (jusante), B (central) e C (montante), seguindo um gradiente ambiental horizontal da foz em direção a região superior do estuário. Em cada subárea em um gradiente ambiental vertical do tempo de exposição ao ar (praia em direção ao leito do rio), foram instalados três transectos com 30m de comprimento, paralelos a linha d’água, onde foram realizadas duas amostragens, uma no período seco (novembro de 2014) e outra no chuvoso (abril de 2015). Em cada amostragem, em seis pontos previamente sorteados, foram coletados dados ambientais (temperatura do solo, salinidade e amostras de sedimento) e amostras biológicas para a quantificação do percentual de cobertura, altura do dossel, morfométria, densidade e biomassa das plantas, além de amostras da macrofauna as- sociada. Dados de precipitação pluviométrica, temperatura do ar, insolação e velocidade dos ventos foram adquiridos na base de dados do INMET para a região. As angiospermas e as macroalgas foram separadas e identificadas. Das plantas, foram obtidos dados morfométricos, densidade (hastes · m −2 ) e biomassa (g · ps · m −2 ). E da fauna foram determinados descritores da
Mostrar mais

130 Ler mais

Padrões de diversidade, composição florística e estrutura de comunidades de plantas em afloramentos rochosos, Quadrilátero Ferrífero, Brasil

Padrões de diversidade, composição florística e estrutura de comunidades de plantas em afloramentos rochosos, Quadrilátero Ferrífero, Brasil

O que distingue as cangas da maioria dos sistemas rochosos conhecidos é sua heterogeneidade espacial subsuperficial que favorece uma relevante parcela da biomassa vegetal, repres[r]

160 Ler mais

Instituições ou heterogeneidade: o que determina o crescimento?

Instituições ou heterogeneidade: o que determina o crescimento?

Logo, quanto maior for a desigualdade nessa economia, maior a redistribuição caso a classe pobre chegue ao poder, e portanto maior a perda (resultante de taxação) para a elite. E quanto maior essa, maior a probabilidade da elite decidir não educar ninguém ou educar apenas uma parcela reduzida da população (de modo a manter a maioria de votos). Pode-se mostrar que educação aumenta a renda total no segundo período, mesmo que haja taxação distorciva, ou seja, a reforma de educação é e…ciente. Portanto, maior heterogeneidade implica em menor probabilidade de democratização e menor crescimento de longo prazo, um resultado consistente com a análise de Rajan e Zingales e com vários outros modelos apresentados abaixo 9 .
Mostrar mais

45 Ler mais

Heterogeneidade e enunciação: um exame do dicionário

Heterogeneidade e enunciação: um exame do dicionário

Resumo Tenho trabalhado nos últimos anos com dicionários e me dedicado, em particular, à leitura de verbetes e ao traçado de um percurso pela história de palavras enquanto entradas de obras da lexicografia monolíngue, na perspectiva dos estudos da enunciação, mais espe- cificamente no quadro da semântica do acontecimento. Apresentarei aqui a base teórico-metodológica deste trabalho, situando-o em uma determinada linha de reflexões no interior dos estudos enunciativos e destacando nele os modos de consideração da heterogeneidade. Ilustrarei o modo de trabalho que venho adotando por meio do verbete “cidade” no primeiro dicionário brasileiro do portu- guês, o Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, em algumas de suas edições ao longo do século XX.
Mostrar mais

16 Ler mais

Heterogeneidade neuropsicológica na esclerose múlipla.

Heterogeneidade neuropsicológica na esclerose múlipla.

A esclerose múltipla acarreta comprometimento em diferentes aspectos do funcionamento neuropsicológico (Thornton & Raz, 1997; Wishart & Sharpe, 1997; Zakzanis, 2000). A heterogeneidade das manifestações é uma ca- racterística peculiar da doença. Alguns pacientes per- manecem sem comprometimentos importantes durante anos (Amato, Zipoli, & Portaccio, 2006). Por outro lado, outras pessoas apresentam déficits cognitivos, motores e comprometimento psicossocial de magnitude alta já nos primeiros anos de evolução da esclerose múltipla (O’Connor, 2002). Na literatura neuropsicológica, diver- sos fatores têm sido apontados com o intuito de explicar a amplitude desta variação: a duração e a idade de início da doença, a forma clínica da esclerose múltipla, o número de lesões observadas em procedimentos de neuro-imagem, a idade, o número de anos de escolarização formal e ou- tros fatores relacionados ao status econômico e social dos indivíduos (Zakzanis, 2000).
Mostrar mais

10 Ler mais

Heterogeneidade cognitiva na doença de Alzheimer.

Heterogeneidade cognitiva na doença de Alzheimer.

A conclusão mostra que existem dois perfis cognitivos: o perfil não recorrente formado da maioria dos pacientes, o qual testemunha a heterogeneidade dependente dos fatores genéticos e am[r]

5 Ler mais

Variabilidade espacial e disponibilidade de cobre e zinco em solos de vinhedos e adjacências.

Variabilidade espacial e disponibilidade de cobre e zinco em solos de vinhedos e adjacências.

Houve semelhança no comportamento espacial dos teores de cobre e zinco nas duas profundidades (Figura 3 a, b, c e d), indicando que o aumento da concentração dos elementos está ocorrendo nas duas camadas. Os teores de cobre e zinco mais elevados coincidem com as áreas sob vinhedos (Figura 3e), principalmente na profundidade de 0,0 a 0,15 m. Em virtude desta semelhança verificou-se a correlação espacial entre o cobre e o zinco nas duas profundidades por meio da construção do semivariograma cruzado do cobre como variável principal e zinco como secundária (Figuras 4a e 4b). Houve correlação espacial positiva e dependência espacial para a correlação entre o cobre e o zinco na profundidade de 0,15 a 0,30 m (Figura 4b), com ajuste gaussiano, r 2 =0,80 e alcance 759 m, visto que não foi possível ajustar o semivariograma cruzado entre cobre e zinco na camada de 0,0 a 0,15 m como mostra a figura 4a. O grau de dependência espacial também foi maior na
Mostrar mais

10 Ler mais

Heterogeneidade do desempenho de empresas em ambientes turbulentos.

Heterogeneidade do desempenho de empresas em ambientes turbulentos.

Pesquisas empíricas sobre a heterogeneidade do desempenho das firmas geralmente modelam os efeitos do ano, da indústria ou setor, e das características da empresa. Neste artigo, são utilizados três indicadores para compor uma medida multivariada da performance das firmas que operam no Brasil. Argumenta-se que somente um indicador talvez não seja capaz de captar os efeitos de um ambiente turbulento. Dados sobre uma amostra representativa de firmas de capital aberto, atuantes em 15 setores da economia, foram coletados por um período de cinco anos (1998-2002). Os resultados convergem para estudos anteriores ao atribuírem maior importância aos fatores associados às características da firma. Contudo, os efeitos transientes da indústria apresentam maior contribuição na heterogeneidade do desempenho do que seus efeitos estáveis. Isso sugere que os setores mais atrativos “amortecem” os impactos negativos da turbulência ambiental e que características da estrutura de capital das empresas parecem estar associadas à eficácia desse “amortecimento”.
Mostrar mais

10 Ler mais

Heterogeneidade do diabetes melito tipo 1

Heterogeneidade do diabetes melito tipo 1

O diabetes melito tipo 1 (DM1) caracteriza-se pela deficiência de insulina por causa da destruição das células-beta pancreáticas. O DM1 atualmente é clas- sificado em dois subtipos: um auto-imune (DM1A) e outro não auto-imune (DM1B). O DM1A poligênico (isolado ou associado a outras doenças auto- imunes) é a forma mais prevalente. O DM1A pode fazer parte de síndromes raras em virtude de alterações monogênicas [gene regulador da auto-imuni- dade (AIRE)] e mutações no gene FOX-p3. O DM1B corresponde de 4% a 7% do DM1 e pode incluir formas não clássicas, como o diabetes fulminante e o DATC. Jovens com DM1A e sinais de resistência à insulina associados têm sido denominados de diabetes duplo (DD), tipo 1 e tipo 2. Nessa revisão são discutidas as patofisiologias e as características clínicas das formas raras de DM1A, o DM1B, as formas atípicas de DM1 não auto-imune e as inter-rela- ções entre a inflamação subclínica da obesidade e o processo auto-imune do DM1A no DD. Em resumo, apresentamos o conceito de heterogeneidade do DM1. (Arq Bras Endocrinol Metab 2008;52/2:205-218)
Mostrar mais

14 Ler mais

O PNEF e a Heterogeneidade da Prestação Motora  IHelderLopes

O PNEF e a Heterogeneidade da Prestação Motora IHelderLopes

2. Parece-nos útil e necessário estudar também consequências de adoção de uma ou outra possibilidade de resposta apresentadas (em que normalmente, a bibliografia enfatiza a heterogeneidade, não excluindo a hipótese, através de outras alternativas, de obter resultados positivos no processo de E-A) de modo a que os profissionais desta área obtenham mais ferramentas que lhes permitam orientar a sua atividade;

13 Ler mais

Heterogeneidade entre Leitores Julgados Competentes pelas Professoras.

Heterogeneidade entre Leitores Julgados Competentes pelas Professoras.

Tomando a extensão do dano como referência, Seymour (1987) distinguiu dois subtipos principais de inabilidade, o fonológico e morfêmico , e atribuiu a esses subtipos definições operacio[r]

15 Ler mais

Show all 3110 documents...