Humano e Não-Humano

Top PDF Humano e Não-Humano:

As tecnologias vestíveis de moda e a relação entre humano e não-humano

As tecnologias vestíveis de moda e a relação entre humano e não-humano

Ano 10, n.19, jan-jun 2017. ISSN 1982-615x Página 124 de 134 Os wearables, ao promover a convergência entre moda, design e tecnologia, possibilitam novas maneiras de interação com o usuário e, conseqüentemente, do sujeito com o mundo cada vez mais tomado por dados virtuais. No caso do Navigate, através de uma linguagem específica de toque (intensidade e seqüências de vibrações) o indivíduo mantém seu olhar para apreciar a cidade. Como abordado por Donati (2004), a principal característica do wearable é a liberdade de movimentação tanto do corpo quanto das mãos, permitindo que o usuário realize paralelamente uma tarefa distinta. Nesse ponto, o Navigate é o que mais se aproxima da idealização de uma tecnologia vestível de moda que permite o corpo explorar um espaço tanto físico quanto virtual, proporcionando uma hibridização das sensações naturais do corpo com os dados digitais. Pranav Mistry intitulou sua tecnologia vestível (composta por dispositivos rígidos) de Sixth Sense que evidencia um novo sentido do corpo pautado na virtualidade das tecnologias. A tecnologia vestível traz à tona as dualidades: orgânico e inorgânico, físico e virtual, soft (do tecido) e hard (do circuito eletrônico), corpo e tecnologia, natureza e cultura, enfim, humano e não-humano. Mas, ao invés de separar ou promover uma visão assimétrica (unidirecional), enfatiza o processo de hibridização ou hibridismo. Trata-se da possibilidade de mistura, combinações, aproximações e convergências entre os pares dicotômicos.
Mostrar mais

19 Ler mais

Fabricar o humano.

Fabricar o humano.

No esteio da assunção da incomensurabilidade entre diferentes paradigmas em psicanálise afirmada por Birman, a segunda parte do livro, intitulada “Identidades e modos de subjetivação”, apresenta um conjunto de ensaios que se dedicam à análise circunstanciada de diferentes formas de subjetivação contemporâneas. Desta forma, em um momento em que assistimos a um retorno da categoria “perversão” nas preocupações psicanalíticas atrelado às implicações do declínio do patriarcado, Eduardo Leal Cunha realiza, no texto intitulado “A dupla face do desmentido na atualidade: entre aniquilamento do outro e felicidade em simulacro”, uma disjunção entre desmentido e perversão, tomando duas figuras — o predador e o perdedor —, que dariam corpo a experiências subjetivas contemporâneas. Ao analisar as antípodas de novas modulações de subjetivação em sua relação com a alteridade, o autor nos aponta as aparições do desmentido tanto na crueldade do assassinato interminável a revelar as aparições da violência na pulp fiction do laço social contemporâneo, quanto na denegação da castração presente na “felicidade do simulacro” do perdedor. O trabalho abre, ainda, uma fresta para pensar as codificações contemporâneas da passagem do “ininteligível ao monstruoso”, sugestiva de um novo projeto de pesquisa que retome, por exemplo, a relação entre o humano e não-humano (máquina/ animal), bastante em voga em diferentes tradições na filosofia contemporânea (AGAMBEN, 2013; HARAWAY, 2000).
Mostrar mais

7 Ler mais

Mana  vol.17 número1

Mana vol.17 número1

Nas performances rituais notamos a importância que o “vínculo do corpo com o mundo” humano e não humano tem na constituição dos sujeitos toba e como ele opera por meio de sensaçõe[r]

4 Ler mais

As metamorfoses do monstro: imagens da coisa no cinema e na literatura popular / The Metamorphoses of the Monster: Images of the Thing in Film and Popular Literature

As metamorfoses do monstro: imagens da coisa no cinema e na literatura popular / The Metamorphoses of the Monster: Images of the Thing in Film and Popular Literature

Essas mudanças de perspectiva introduzidas pelo filme de Carpenter, na minha opinião, são essenciais para a revisão que Watts faz da história da Coisa e podem ser um dos motivos pelos quais o filme, e não o conto original de Campbell, seja a base para a narrativa do escritor canadense. A transformação do corpo humano em um objeto, o apagamento das fronteiras entre humano e animal, a externalização da interioridade e a ênfase na reprodução são elementos fundamentais para a narrativa de “The Things”, na qual a criatura vê todas as formas de vida como pedaços de biomassa equivalentes entre si. “The Things” parte da premissa, defendida por muitos autores contemporâneos, como Donna Haraway e Bruno Latour, de que as distinções entre cultura e natureza, mente e corpo, humano e não humano, masculino e feminino são produtos artificiais da cultura ocidental moderna. A imagem dos dois rostos fundidos no corpo do monstro é particularmente emblemática, pois ela resume o apagamento da fronteira entre os indivíduos que está no cerne da narrativa de Watts. A criatura em “The Things” encarna um tipo de subjetividade que não está ligada ao “eu” individual e que é essencialmente fluida. A sua identidade é o resultado de sua fusão contínua com outras formas de vida, num processo que não é apresentado como uma conquista agressiva, como no conto de Campbell e no filme de Carpenter, mas como uma espécie de “comunhão”, uma colaboração entre espécies diferentes que se tornam parte de um todo mais amplo (a criatura que cai na Terra é apenas o fragmento de um organismo que se estendia por mundos inteiros). A externalização da criatura no filme de
Mostrar mais

14 Ler mais

Open Desempenho humano e a contribuição para a qualidade do produto na percepção de operários e gestores: uma análise de empresa calçadista no estado da Paraíba

Open Desempenho humano e a contribuição para a qualidade do produto na percepção de operários e gestores: uma análise de empresa calçadista no estado da Paraíba

Os avanços tecnológicos e organizacionais estão diretamente conectados a alta competitividade do mercado em todos os setores. Neste modelo de alta competitividade, prioriza-se a qualidade absoluta e, por conseguinte, a gestão da qualidade. O termo qualidade nesse cenário não se restringe ao produto acabado, mas a todo o processo de transformação de insumos e a aplicação dos recursos transformadores do processo, incluindo diretamente o fator humano, cuja participação tende a ser mais significativa quanto mais intensivos são os processos. O presente trabalho tem como objetivo discutir como o desempenho humano contribui com a qualidade dos produtos em um setor reconhecidamente intensivo em mão de obra: o setor calçadista do Estado da Paraíba. Sua contribuição mais significativa abrange as organizações, pois as análises apresentadas visam mostrar aos seus gestores que tais fenômenos ocorrem e, mais importante, como eles ocorrem. Neste intuito, foi proposta uma adaptação da Escala de Likert, que permite a classificação de uma situação visualizada como: alarmante; preocupante; razoável ou regular; boa; e excelente ou ótima. Além disso, propõem- se dimensões, variáveis e indicadores que abordam os requisitos essenciais do objetivo (Qualidade, Desempenho Humano e Fatores de Influência sobre o Desempenho Humano) e questionários, que foram aplicados junto a gestores e operários pertencentes a uma empresa calçadista, localizada no município de Campina Grande – PB. Além deste instrumento, uma observação não participativa in loco foi utilizada como instrumento de coleta de informações adicionais. Os resultados encontrados demonstram que tanto operários como gestores compreendem a importância dos primeiros à qualidade, porém há diferenças expressivas de pensamentos. Isso denota a necessidade de alinhar mais precisamente pensamentos de gestores e operários, com a finalidade melhorar o desempenho no exercício de atividades; acarretando em última análise: em elevação da qualidade, produtividade, atendimento de prazos e lucratividade.
Mostrar mais

103 Ler mais

IDENTIFICAÇÃO DAS FONTES ALIMENTARES DE MOSQUITOS TRANSMISSORES DA MALÁRIA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA PELA TÉNICA DE BLOODMEAL ELISA

IDENTIFICAÇÃO DAS FONTES ALIMENTARES DE MOSQUITOS TRANSMISSORES DA MALÁRIA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA PELA TÉNICA DE BLOODMEAL ELISA

An. darlingi foi a espécie mais encontrada dentro das casas quando analisada para todos os animais testados e apresentou alto grau de antropofilia, como esperado. Considerando o total de espécimes coletados, dos 41% de repastos identificados em humanos, 16,9% provavelmente ocorreram no intradomicílio (Ver figura 2). Esse aspecto é muito importante, visto que esta espécie é a principal transmissora da malária, e a mais encontrada dentro das casas, o que favorece a transmissão (Conn et al., 2006). O Índice de Sangue Humano (HBI) no intradomicílio para esta espécie foi de 0,71.
Mostrar mais

47 Ler mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP

Ao acompanhar um determinado indivíduo no seu processo de restabelecimento, o médico, no entender de Nietzsche, deve analisar não só a enfermidade física, mas o que circunda uma enfermidade. Talvez, a causa possa até ser uma patologia. Por isso, um conhecimento abrangente de diversas culturas se torna de extrema importância para o exercício do ofício do médico, pois, a causa de uma doença pode estar diretamente ligada a determinado (s) valor (es) cultural (is). Na busca por melhorias de viver, de forma mais saudável, questões geográficas, os males que cada região pode fornecer ao bem-estar, ou os benefícios para atingir esse fim, são informações que devem ser obtidas e levadas em conta. Outro fator a ser observado com maior atenção, é como o corpo reage perante as escolhas feitas, pois é ele quem deve dar o aval final 31 . As escolhas devem ser feitas levando em conta as condições em que o corpo se encontra e, quais as condições que melhor o favorecem. Uma boa saúde, ou, alcançar uma boa saúde, passa pela aceitação que o corpo tem ou não, de um espaço geográfico e cultural. Para Nietzsche, esses são fatores a serem conhecidos, estudados, com o intuito de levar o ser humano a viver com saúde, a obter uma boa saúde.
Mostrar mais

126 Ler mais

DIREITOS HUMANOS (PÓSHUMANOS)? APROXIMAÇÕES DE FUNDAMENTAÇÃO A PARTIR DA FILOSOFIA DA TECNOLOGIA  Eliseu Raphael Venturi

DIREITOS HUMANOS (PÓSHUMANOS)? APROXIMAÇÕES DE FUNDAMENTAÇÃO A PARTIR DA FILOSOFIA DA TECNOLOGIA Eliseu Raphael Venturi

O Pós-Humanismo, assim, pode ser delimitado como um campo teórico (BADMINGTON, 2010, p. 56), de convergência de múltiplos aportes interdisciplinares, vinculando dimensões de vida, poder e tecnologia e que se expressa em problemáticas de Tecnociência, Tecnocracia, Biopolítica – englobando as chamadas Infopolítica e Tecnopolítica (SANTOS, 2005, p. 161), assim como questões de Direito dos Animais – decorrentes dos questionamentos do Especismo Humano – e do Direito do Meio Ambiente, em razão de uma tônica da vida (LECOURT, 2005, p. 70) independentemente de sua forma de manifestação . De um modo muito geral, apenas com fins de se estabelecer um quadro indicativo em que se insere o problema deste artigo, tem-se que o espectro material envolvido no Pós-Humano, pensado no cenário da Filosofia do Direito , necessariamente envolve, de modo não exauriente:
Mostrar mais

25 Ler mais

O MUNDO ZOO EM CLARICE LISPECTOR

O MUNDO ZOO EM CLARICE LISPECTOR

Apesar de toda falácia sobre sermos evoluídos, superiores, racionais, justos e assim por diante, a verdade é que somos canibais (por vezes, de nós mesmos). Comemos sem remorso outros seres vivos e, para minimizar tal atitude, agarramo-nos ao fato de não ser um outro ser humano. Por mais que tentemos nos distanciar da ideia de nos assemelharmos aos animais – por julgar-lhes inferiores e/ou menos importantes – muito há que se apre- ender sobre o modo como esses vivem e conduzem, a despeito de nós, sua existência. Um animal não maltrata outro animal, escraviza ou exerce qualquer outro tipo de maldade ao seu bel prazer.
Mostrar mais

24 Ler mais

NOÇÕES FUNDAMENTAIS DE ACÚSTICA Introdução

NOÇÕES FUNDAMENTAIS DE ACÚSTICA Introdução

O Volume ou Intensidade Sonora é a qualidade pela qual um som é julgado mais forte ou mais fraco. O volume sonoro que chega ao ouvido é função do nível emitido pelo locutor, pela atenuação sofrida no percurso entre a boca e o ouvido e da sensibilidade auditiva. Quando os sons são da mesma freqüência, a intensidade sonora é proporcional somente à potência acústica. Quando as freqüências são diferentes, a intensidade sonora varia também com a freqüência pois a sensibilidade do ouvido humano varia com a mesma.

6 Ler mais

AgroecologiA e o Direito HumAno à AlimentAção ADequADA relatório de olivier de Schutter, relator especial da onu Para Direito à Alimentação, apresentado ao conselho de Direitos Humanos Décima sexta sessão - Item 3 da agenda “Promoção e proteção de todos o

AgroecologiA e o Direito HumAno à AlimentAção ADequADA relatório de olivier de Schutter, relator especial da onu Para Direito à Alimentação, apresentado ao conselho de Direitos Humanos Décima sexta sessão - Item 3 da agenda “Promoção e proteção de todos o

II. D����������: ���� ��������� ��� �������� ����������� 5. Garanti r o direito à alimentação signifi ca garanti r a possibilidade de se alimentar diretamente de terras produti vas, ou através de outros recursos naturais ou comprar alimentos. Isto implica asse- gurar que o alimento esteja disponível, acessível e seja adequado. Disponibilidade está relacionada com a existência de alimento sufi ciente no mercado para suprir as demandas. Acessibilidade implica acesso tanto fí sico quanto econômico: acessibilidade fí sica signifi ca que o alimento deve estar aces- sível a todas as pessoas, inclusive aos fi sicamente vulnerabilizados como crianças, idosos ou pessoas com defi ciência; acessibilidade econômica signifi ca que o alimento deve ser economicamente aces- sível sem comprometer outras necessidades básicas como educação, assistência médica ou habita- ção. Adequação requer que os alimentos sati sfaçam as necessidades nutricionais (levando em conta a idade, condições de vida, saúde, profi ssão, sexo etc., de uma pessoa), sejam seguros para consumo humano, isentos de substâncias adversas e culturamente aceitáveis. A parti cipação de grupos em situação de insegurança alimentar e nutricional na elaboração e implantação das políti cas que mais os afetam é também uma dimensão essencial do direito à alimentação.
Mostrar mais

32 Ler mais

Breve história do pós-humanismo: elementos de genealogia e criticismo

Breve história do pós-humanismo: elementos de genealogia e criticismo

William Gibson cunhou o termo em seus contos de ficção-científica do início dos anos 1980 e, assim, transmitiu-nos a idéia de ciberespaço. Arthur Clarke escreveu sobre a descarga da mente em computadores no livro The city and the stars (1956). Em Marooned in Realtime (1986), Vernor Vinge elaborou plasticamente a expressou singularidade tecnológica, que hoje motiva os interessados no desenvolvimento de uma inteligência supra-humana. Reencontramos esse fenômeno ao tratarmos do movimento pós-humanismo. Em 1952, Van Vogt sugeriu o termo pós-humano, para designar uma outra raça criada pelo ser humano em seu conto Slan. Bruce Sterling empregou a expressão em Schizmatrix (1985), relançando-a em novo contexto de desenvolvimento tecnológico. Em bases ensaísticas, o sentido que o termo passou a ter em seguida parece, porém, ter sido explorado pela primeira vez por James Bernal, em 1929 (The World, the Flesh and the Devil: An Enquiry into the Future of the Three Enemies of the Rational Soul)
Mostrar mais

17 Ler mais

O consumo e o consumismo na sociedade contemporânea: diálogos para se pensar a formação de professores

O consumo e o consumismo na sociedade contemporânea: diálogos para se pensar a formação de professores

As necessidades humanas, segundo teóricos da Economia Neoclássica (PINDYCK; RUBINFELD, 2006), possuem duas características centrais: são diversificadas e insaciáveis 3 . Nessa perspectiva, a escassez e finitude dos recursos geram um grande problema para a humanidade. Por outro lado, considerando as Ciências Ambientais, na perspectiva da Educação Ambiental Crítica 4 (EAC) (LOUREIRO, 2012; TOZONI-REIS, 2008), afirma-se que as necessidades humanas sempre existiram, mas não se deve pensar que a tendência ilimitada à produção e ao consumo é um atributo natural do ser humano, mas foi construído pelo sistema capitalista. Os sujeitos sempre consomem, mas a quantidade do que é consumido, baseada em uma vontade insaciável, deve ser questionada. No contexto da Educação Ambiental (EA) nos cursos de formação de professores consumo e consumismo são temas importantes de serem pesquisados, pois esses atuarão na Educação Básica, na formação dos estudantes. Entretanto, nos deparamos com uma realidade em que os professores não são formados para serem educadores ambientais
Mostrar mais

22 Ler mais

FATORES DETERMINANTES DO DISCLOSURE DO CAPITAL HUMANO

FATORES DETERMINANTES DO DISCLOSURE DO CAPITAL HUMANO

Constituem limitações desta pesquisa, entre outras, a métrica das variáveis utilizadas, a população constituída somente por empresas listadas na BM&FBovespa que publicaram o relatório anual e/ou de sustentabilidade, conforme já mencionado, além do curto período de análise. Assim, para futuras pesquisas, sugere-se a amplia- ção do universo das empresas componentes da base amostral, utilizando-se documentos obrigatórios, como o relatório de administração, assim como a ampliação do intervalo temporal de investigação. Além disso, sugere-se a utilização de uma métrica que avalie as características qualitativas e quantitativas do capital humano. Por fim, recomenda-se, ainda, a análise em diferentes contextos culturais, para, assim, verificar-se a influência da cultura do país ou mesmo a cultura da empresa no disclosure do capital humano.
Mostrar mais

26 Ler mais

Resgatando a dignidade através da prática dos princípios da economia solidária e catando o lixo

Resgatando a dignidade através da prática dos princípios da economia solidária e catando o lixo

Os princípios convergentes da Economia Solidária, conforme FBES (2014) são: valorização social do trabalho humano – o ser humano não é tratado como uma mercadoria que recebe um salário de acordo com o seu trabalho, e sim é tratado com humanidade; satisfação das necessidades como eixo da criatividade tecnologia e da atividade econômica, o reconhecimento do lugar fundamental da mulher numa economia fundada na solidariedade, a busca de um intercâmbio respeitoso com a natureza e os valores da cooperação e da solidariedade. Considera-se que estes princípios devem ser postos em prática para que se viva em um mundo melhor, com menos injustiças, desigualdades e não haja destruição do meio ambiente.
Mostrar mais

24 Ler mais

Vânia Catarina Cruz Sá

Vânia Catarina Cruz Sá

lactâmicos. Em estudos anteriores, verificou-se que em Portugal encontramos Enterococcus spp resistentes à ampicilina em vários nichos ecológicos, nomeadamente nos hospitais, onde esta resistência tem mais expressão. Uma vez que se conhece muito pouco sobre a disseminação horizontal de pbp5, constituíram objectivos principais do presente trabalho: (i) a avaliação da sua transferência (por conjugação) entre Enterococcus spp oriundos de vários nichos ecológicos (humano, animal e ambiental) e estirpes receptoras de laboratório e (ii) a detecção molecular (PCR) de possíveis elementos genéticos móveis responsáveis pela sua dispersão. Do total de 86 bactérias incluídas no estudo não produtoras de β-lactamases, apenas 2 oriundas de suiniculturas foram capazes de produzir transconjugantes que possuíam pbp 5 . Para além da ampicilina, nenhuma resistência a outra família de antibióticos foi co-
Mostrar mais

35 Ler mais

O PERCURSO DE GRAMATICALIZAÇÃO DOS VERBOS INDICADORES DE CESSAMENTO

O PERCURSO DE GRAMATICALIZAÇÃO DOS VERBOS INDICADORES DE CESSAMENTO

Há ainda a possibilidade de o primeiro argumento apresentar-se com traços [+concreto] [-animado] [-humano] e com o segundo complemento de origem [+concreto] [-animado] [-humano], caso em[r]

16 Ler mais

A Transvaloração dos valores em O nascimento da tragédia

A Transvaloração dos valores em O nascimento da tragédia

O perigo da existência e a forma pela qual o ser humano o encara é uma das temáticas mais importantes para se compreender a filosofia de Nietzsche. Desde sua primeira obra esse assunto é abordado com tamanha avidez e coragem, haja visto o caráter urgente que O nascimento da tragédia traz consigo. Esta obra, em seu mais profundo intuito busca, inspirado na cultura grega trágica, avaliar a cultura moderna impregnada pelo espírito racional socrático. Nietzsche observou que a sociedade alemã dava sinais de profunda transformação. Para ele o período trágico emitia seus primeiros sinais de ressurgimento na vida moderna graças à filosofia de Kant e de Schopenhauer e à música de Wagner. A primeira já trazia em si um novo tipo de conhecimento o qual mostra o limite do conhecimento racional, negando uma pretensa validade universal da ciência. A segunda, Nietzsche considera à própria ressurreição da tragédia, pois a música wagneriana, segundo o filósofo, detinha o poder de unificar o mundo da poesia com o mundo da música, destacando a primazia desta sobre aquela. Munido desses
Mostrar mais

116 Ler mais

Relig. soc.  vol.28 número2

Relig. soc. vol.28 número2

O fio que atravessa e aproxima estes artigos entre si pode ser aquele das relações que os sujeitos religiosos estabelecem com certos objetos: entre o humano e o não-humano no caso dos em[r]

2 Ler mais

A controvérsia em torno da atribuição de cultura a animais não humanos: uma revisão crítica.

A controvérsia em torno da atribuição de cultura a animais não humanos: uma revisão crítica.

Por outro lado, as últimas décadas viram acumular evidências de que outras espécies animais também exibem diversidade comportamental entre populações, e que essa diversidade precisa ser explicada em termos de aprendizagem em contexto social. O termo cultura vem sendo utilizado para descrever esse fenômeno, especialmente em chimpanzés (Whiten et al., 1999), orangotangos (Van Schaik et al., 2003), cetáceos (Rendell & Whitehead, 2001) e aves Grant & Grant, 1996). Se aceitarmos que cultura não é um fenômeno exclusivo de nossa espécie, o comportamento humano estaria ainda mais próximo do arcabouço epistemológico utilizado pelas ciências biológicas para estudar o comportamento animal em geral. Além disso, ao menos alguns comportamentos de certos animais não humanos estariam também mais próximos do arcabouço epistemológico utilizado pelas ciências sociais. Mas, se o termo cultura descreve aquilo que torna os humanos únicos, qual seria o sentido de dizer que outros animais também possuem cultura? Como poderemos distinguir aquilo que nos singulariza, ao mesmo tempo em que reconhecemos nossa condição animal? Seria o caso de abandonar – ou talvez reconstruir – a velha separação acadêmica? Será possível encontrar um fundamento comum para as ciências naturais e sociais? O argumento clássico é que os humanos apresentam capacidades que os distinguem qualitativamente das demais espécies. Nesse sentido, o uso de símbolos e a construção cultural de significados poderiam ser entendidos como um comportamento típico da espécie humana. Não há dúvidas de que todas as espécies apresentam características próprias e, nesse caso, cabe distinguir o que há de semelhante e diferente entre a cultura humana e a “cultura” de outras espécies. Ainda assim, deve ser possível encontrar um fundamento epistemológico comum para compreender esses fenômenos - ao menos, esta é nossa aposta atual.
Mostrar mais

9 Ler mais

Show all 10000 documents...