Identificação de fatores de risco

Top PDF Identificação de fatores de risco:

Identificação dos fatores de risco em crianças com alteração fonoaudiológica: estudo piloto.

Identificação dos fatores de risco em crianças com alteração fonoaudiológica: estudo piloto.

Objetivo: Identificar os principais fatores de risco relacionados à criança e seus pais associados às alterações fonoaudiológicas. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo e prospectivo realizado com 170 crianças e seus respectivos pais atendidas em uma clínica-escola no período de março de 2010 a julho de 2012. Utilizou-se o Protocolo para identificação de fatores de risco para a alteração de linguagem e fala, desenvolvido para este estudo. Os dados foram tabulados e submetidos à análise descritiva e inferencial por meio do χ 2 e Teste t de
Mostrar mais

7 Ler mais

Ocorrência e fatores de risco associados à identificação da anemia infecciosa equina em equídeos de tração.

Ocorrência e fatores de risco associados à identificação da anemia infecciosa equina em equídeos de tração.

RESUMO O objetivo do presente trabalho foi determinar a ocorrência e os fatores de risco associados à identificação da anemia infecciosa equina (AIE) em equídeos de tração na Cidade de São Luís - MA. Amostras de sangue de 154 equídeos apreendidos em vias públicas, pelo Setor de Apreensão de Animais de Tração da Secretaria Municipal de Urbanismo e Habitação, foram coletadas no período de abril a agosto de 2011. Foram analisadas as fichas de atendimento individual para a determinação dos fatores de risco associados a esta enfermidade. Dos animais analisados, 5,20% (8/154) foram positivos. Dentre os fatores de risco avaliados, presença de insetos, permanência dos equídeos em aglomerações por mais de
Mostrar mais

6 Ler mais

IDENTIFICAÇÃO DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PROFISSIONAIS DA SAÚDE

IDENTIFICAÇÃO DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PROFISSIONAIS DA SAÚDE

algumas limitações. O QFA utilizado não avaliou informações a respeito da quantidade de alimentos consumida (tamanho das porções), além do fato de ser um instrumento retrospectivo, podendo ter ocorrido uma subestimação nos relatos de con- sumo de alimentos de risco pelos indivíduos com sobrepeso e obesidade. Além disso, a causalidade reversa pode ter sido um aspecto determinante para a maior prevalência do consumo de alimentos protetores pelos participantes com sobrepeso, tendo em vista que, os mesmos poderiam se encontrar em tratamento dietoterápico para controle do peso, não sendo possível estabe- lecer com segurança os vínculos causais entre os eventos. As limitações metodológicas no presente estudo estão relacio-
Mostrar mais

9 Ler mais

Abortamento Séptico: Identificação de Fatores de Risco para Complicações.

Abortamento Séptico: Identificação de Fatores de Risco para Complicações.

A ultra-sonografia é útil na identificação de restos ovulares, entretanto como já abordamos, preferimos indicar a curetagem uterina mesmo que o abortamento tenha sido completo pela ima- gem, como aconteceu em 19,1% dos casos. Rea- firmamos que o diagnóstico do abortamento sépti- co é clínico e não se deve aguardar o exame de imagem para iniciar a antibioticoterapia e indi- car a curetagem. Estas medidas contribuem mui- to na prevenção secundária e terciária no abortamento séptico.

5 Ler mais

Identificação de fatores de risco cardiovascular em pais/cuidadores de crianças cardiopatas.

Identificação de fatores de risco cardiovascular em pais/cuidadores de crianças cardiopatas.

Resultados: Foram avaliados 155 pais de crianças cardiopatas, predominantemente do sexo feminino, 91,6%; a média de idade foi 35,0 ± 10,6 anos. Os fatores de risco observados em maior prevalência foram sedentarismo (85,2%), obesidade (28%) e hipertensão (22,6%). Em relação aos hábitos alimentares foi identificada elevada frequência de consumo de carne vermelha, margarina, azeite, açúcar e baixo consumo de peixes. A comparação entre os gêneros apresentou diferença significativa em relação à obesidade, detectada pelo IMC, e hipertensão, e ambas foram mais presentes entre mulheres. A medida da circunferência da cintura também evidenciou maior risco cardiovascular nas mulheres.
Mostrar mais

8 Ler mais

Identificação de fatores de risco de desnutrição em pacientes internados.

Identificação de fatores de risco de desnutrição em pacientes internados.

As variáveis inicialmente associadas à desnutrição foram submetidas a um modelo de regressão logística múltipla e, apesar de idade não ter apresentado associa- ção signiicativa, permaneceu como variável de ajuste. As variáveis que se mantiveram associadas foram: perda de peso recente, ossatura aparente, redução de apetite, diar- reia, ingestão energética inadequada e gênero masculino. Observou-se que a perda de peso recente e involuntária foi a variável mais importante de risco de desnutrição (OR = 58,03; IC = 18,46 a 182,41; p < 0,001) (Tabela 2).

7 Ler mais

Identificação dos fatores de risco para depressão pósparto : importância do diagnóstico precoce

Identificação dos fatores de risco para depressão pósparto : importância do diagnóstico precoce

A pesquisa objetivou identificar os fatores de risco que podem contribuir para a Depressão Pós-parto (DPP), bem como identificar os sintomas que podem caracterizá-la no período puerperal imediato. Trata-se de uma pesquisa descritiva, com abordagem quantitativa, realizada entre abril e maio de 2008, com puérperas (n=95) de uma maternidade de Referência da cidade de Fortaleza-CE/Brasil. Como instrumentos utilizaram-se: um formulário com informações socioeconômicas e demográficas e a Edinburgh Postnatal Depression Scale (EPDS), para avaliação da DPP. A prevalência de depressão pós-parto encontrada foi de 24,2% (EPDS=13). Os achados sugerem que baixas condições socioeconômicas podem contribuir para o desenvolvimento de DPP e, apesar de ser uma enfermidade subdiagnosticada, os números encontrados revelam alto percen- tual de puérperas suscetíveis a desenvolver sintomas depressivos após o parto.
Mostrar mais

7 Ler mais

Identificação de comorbidades e fatores de risco cardiovascular em pacientes portadores de psoríase

Identificação de comorbidades e fatores de risco cardiovascular em pacientes portadores de psoríase

Outra ressalva a ser feita é que algumas medicações sistêmicas utilizadas no tratamento da psoríase podem causar alterações laboratoriais que poderiam superestimar o diagnóstico de comorbidades. Dentre elas, podemos citar a acitretina, um retinoide que possui como possível efeito adverso a alteração no metabolismo dos lipídios; a ciclosporina, que pode elevar a pressão arterial; e a corticoterapia sistêmica, que pode interferir no metabolismo da glicose, no ganho de peso e nos níveis pressóricos. No nosso estudo, tais interferências não foram significativas, e provavelmente não tiveram influência na análise estatística e no resultado final. No caso da ciclosporina, o único paciente em uso da mesma não apresentou elevação dos níveis pressóricos. Em relação à prednisona, os dois pacientes que faziam uso da mesma para controle da artrite psoriásica também não apresentavam alterações nos níveis pressóricos ou glicêmicos. Já no caso da acitretina, medicação utilizada por 27 pacientes, apenas cinco apresentavam dislipidemia confirmada ou alteração pontual dos lipídios séricos, o que provavelmente não interferiu na análise estatística final. Em relação ao metotrexato, já é reconhecida a redução significativa do risco de doença cardiovascular como o uso do mesmo na artrite reumatoide e psoríase, principalmente nos pacientes que receberam reposição de ácido fólico. 101 No presente estudo, 59 pacientes estavam em uso de metotrexato, o que pode ter contribuído inclusive para subestimar a prevalência de comorbidades cardiovasculares nestes pacientes.
Mostrar mais

94 Ler mais

Identificação dos fatores de risco para depressão pósparto: importância do diagnóstico precoce

Identificação dos fatores de risco para depressão pósparto: importância do diagnóstico precoce

Quando somamos esses achados ao da renda familiar e identificamos que mais da metade das par- ticipantes 63% (60), sobrevivem com até um salário mínimo, estes dados tornam-se relevantes, visto que há evidências do efeito causal da educação sobre a de- pressão. Entendemos que a educação reduz significa- tivamente o risco de depressão adulta, pois mulheres com escolaridade mais alta e melhor rendimento finan- ceiro apresentam menor risco para depressão (12-13) .

7 Ler mais

A problematização da queda e a identificação dos fatores de risco na narrativa de idosos.

A problematização da queda e a identificação dos fatores de risco na narrativa de idosos.

Participaram da investigação idosos do sexo masculino e feminino, com idade superior a 60 anos de idade, não institucionalizados, da cidade de Porto Alegre (RS) e com habilidade de deam- bular em posição ortostática, com auxílio ou não de órtese. Este critério de inclusão foi adotado, pois idosos cadeirantes ou acamados apresentam fatores de risco e quedas diferentes daqueles que caminham. A busca por esses interlocutores se deu em dois locais específicos e momentos dis- tintos. Primeiramente, os idosos que frequen- tavam os Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) Leste e Parthenon foram convida- dos, de forma voluntária, a participar do estudo. Depois de realizadas as entrevistas, detectou-se que estes idosos apresentavam um baixo nível de escolaridade, então a busca por outros com um nível educacional maior foi realizada em univer- sidades, com o intuito de atingir um grupo hete- rogêneo, conforme se caracteriza essa população. O número reduzido de participantes advindos das universidades se justifica pela falta de novas informações nas narrativas, comparando com as entrevistas realizadas anteriormente nos CRAS, já que o número final de sujeitos da pesquisa foi determinado pela saturação das informações.
Mostrar mais

10 Ler mais

Identificação e avaliação dos fatores clínicos da gestação de alto risco .

Identificação e avaliação dos fatores clínicos da gestação de alto risco .

Este terceiro grupo permitirá identifi- car gestantes de alto risco como também avaliar a evolução do risco em gestantes que já foram assim identificadas, após a aplicação dos fatores do[r]

9 Ler mais

A Avaliação Global da Pessoa Idosa como Instrumento de Educação Médica: Relato de Experiência.

A Avaliação Global da Pessoa Idosa como Instrumento de Educação Médica: Relato de Experiência.

O programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) fomentou a integração ensino-serviço por meio da inserção de alunos de graduação nos cenários de prática, permitindo o desenvolvimento de compe- tências no mundo do trabalho. Este relato analisa a experiência de estudantes de Medicina no “Projeto de Avaliação da Pessoa Idosa”, desenvolvido ao longo do PET-Saúde em dois semestres do curso de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto. A análise situacional de saúde revelou a necessidade de um acom- panhamento individualizado ao idoso. Estudantes do segundo e terceiro ano de Medicina foram capacitados a desenvolver a avaliação global de idosos, realizando avaliações domiciliárias de saúde que alcançaram 20% dos idosos da comunidade. As alterações mais prevalentes na população idosa foram avaliadas e analisadas por estatística descritiva, e as conclusões foram encaminhadas à equipe de saúde. O projeto foi relevante para os idosos, com a identificação de fatores de risco de perda de capacidade funcional, para os médicos das equipes de Saúde da Família, devido à identificação de problemas não relatados nas consultas, para os agen- tes comunitários de saúde, que estreitaram o relacionamento com a população idosa, e para os estudantes, que ampliaram os conhecimentos, entendendo o trabalho em equipe e desenvolvendo competências na área de saúde do idoso.
Mostrar mais

7 Ler mais

Salmonella enterica: isolamento e soroprevalência em suínos abatidos no Rio Grande do Sul.

Salmonella enterica: isolamento e soroprevalência em suínos abatidos no Rio Grande do Sul.

A associação de dados de prevalência sorológica e de isolamento de Salmonella sp., base do monitoramento dos rebanhos, tem sido útil para a identificação de fatores de risco para a infecção em lotes de suínos (Mousing et al., 1997; van der Wolf et al., 2001; Lo Fo Wong et al., 2004). Os resultados obtidos em testes sorológicos indicam exposição prévia à Salmonella sp. (Nielsen et al., 1995). As amostras de conteúdo intestinal e linfonodos mesentéricos, submetidas a protocolos de isolamento, demonstram a presença de Salmonella sp. no trato gastrintestinal dos animais (Lo Fo Wong et al., 2004).
Mostrar mais

7 Ler mais

Risco Moral no Contexto de Perda da Cobertura de Seguro Ana Carolina Maia Monica Viegas Andrade Flavia Lúcia Chein Feres

Risco Moral no Contexto de Perda da Cobertura de Seguro Ana Carolina Maia Monica Viegas Andrade Flavia Lúcia Chein Feres

A estratégia de identificação do exercício empírico se baseia, portanto, na hipótese de que o motivo da perda do benefício é exógeno ao estado de saúde, de modo que a variação do uso decorre da expectativa de perda do benefício, e não de uma mudança no estado de saúde individual. Além disso, por se tratar de um painel longitudinal, com o registro de todos os usos de cuidados médicos de cada indivíduo, é possível controlar fatores não observados específicos, incluindo o estado de saúde passado, que pode ter efeito sobre o uso. Nesse sentido, mesmo no caso da saída por aposentadoria, pode-se afirmar que a variação no uso observada no período que antecede a saída da carteira decorre de uma variação exógena ao estado de saúde. A aposentadoria por invalidez requer um período mínimo de dois anos de afastamento do empregado, e, neste estudo, construímos o painel longitudinal de modo a ter observado pelo menos 13 meses antes da data da saída da carteira. Analisamos dois tipos de cuidados ambulatoriais: número de consultas médicas e número de exames de diagnose. Combinada com o detalhamento das informações administrativas acerca do uso dos serviços de saúde, a possibilidade de acompanhar os indivíduos durante esse período oferece uma perspectiva rara na literatura, sobretudo no que diz respeito ao Brasil.
Mostrar mais

20 Ler mais

Risco e resiliência em escolares : um estudo comparativo com múltiplos instrumentos

Risco e resiliência em escolares : um estudo comparativo com múltiplos instrumentos

Numa revisão da literatura, Luthar e Cushing (1994) analisaram criticamente as vantagens e limitações quanto à metodologia utilizada por diferentes pesquisadores. As autoras apontaram que há dois constructos principais envolvidos no estudo da resiliência: fatores de risco e adaptação ou competência que devem ser averiguados por meio de múltiplos indicadores. Para avaliação do grau de adaptação comportamental, social e cognitivo das crianças é necessário usar várias fontes de medida, tais como: relatos de pais, professores, colegas e da própria criança; testes de aproveitamento escolar e desempenho comportamental; checklists sobre: eventos de vida negativos, sintomatologia dos pais, qualidade das relações familiares, presença ou ausência de psicopatologia na criança, diversos aspectos de ajustamento psicológico ou escolar e levantamento de índices de risco, tais como pobreza e tamanho da família (Kinard, 1998). A utilização de vários instrumentos aplicados a muitas pessoas certamente demanda tempo, tanto para a coleta, quanto para a análise dos dados; entretanto, o universo de informações obtido parece favorável à compreensão de processos e mecanismos de risco e proteção e não meramente à identificação de situações ou eventos isolados (Santos, 2002; Santos e Graminha, 2006).
Mostrar mais

166 Ler mais

Parasitoses intestinais e saneamento básico no Brasil: estudo de revisão integrativa / Intestinal parasites and basic sanitation in Brazil: an integrative review study

Parasitoses intestinais e saneamento básico no Brasil: estudo de revisão integrativa / Intestinal parasites and basic sanitation in Brazil: an integrative review study

Por meio do Plano Nacional de Vigilância e Controle das Enteroparasitoses, o Brasil traçou em seus objetivos a identificação dos principais fatores de risco associados às parasitoses intestinais, assim como o conhecimento sobre o comportamento epidemiológico das doenças quanto ao agente etiológico, pessoa, tempo e lugar, hospedeiro e meio ambiente (BRASIL, 2005). Aliado ao plano, no ano de 2011, o Ministério da Saúde definiu um conjunto de doenças para ações estratégicas de enfrentamento e controle com a criação do Plano Integrado de Ações Estratégicas (BRASIL, 2012).
Mostrar mais

24 Ler mais

Fatores de risco cardiovascular nas Forças de Segurança Pública

Fatores de risco cardiovascular nas Forças de Segurança Pública

A SM está identificada desde há algumas décadas, no entanto só nos últimos anos se instalou a controvérsia relativamente à sua definição e significado. Apesar de o conceito estar bem definido, os critérios diagnósticos não têm sido coincidentes, todavia esforços têm sido feitos para juntar os parâmetros da Federação Internacional de Diabetes (IDF), WHO, e National Cholesterol Education Program Third Adult Treatment Panel (NCEP-ATPIII). A IDF propõe uma definição consenso, onde deixa de existir um valor limite obrigatório de CC, sendo possível utilizar valores específicos de cada região. Esta definição mais específica oferece um modo rápido de identificação daqueles em risco e também a possibilidade de comparar o impacto entre diferentes nações e etnias (69,70).
Mostrar mais

58 Ler mais

Doente coronário agudo, um retrato global

Doente coronário agudo, um retrato global

2 realizados corroboram a hipótese de que estes, juntamente com fatores denominados não- tradicionais, como por exemplo fatores psicológicos, dieta e exercício físico, são os principais desencadeantes de DCA. O estudo INTERHEART (5) foi realizado a uma escala mundial de modo a permitir identificar de acordo com o género, a idade e a localização geográfica quais os fatores de risco que contribuíam para o desenvolvimento de doenças coronárias cardíacas. Aos fatores tradicionais acrescentou a obesidade, a dieta, o consumo de álcool, a atividade física e fatores psicológicos (depressão, stress apercebido, eventos de vida stressantes e locus de controlo) e concluiu que a estes nove fatores mesuráveis e modificáveis se pode atribuir cerca de 90% do risco de ocorrência de um evento inicial de enfarte agudo de miocárdio (EAM). Para além disso, demonstrou-se que pessoas com níveis ótimos de fatores de risco cardiovascular tradicionais e que mantinham um estilo de vida saudável até aos 50 anos, tinham uma taxa de sobrevivência maior e apenas 5% (homens) e 8% (mulheres) de risco de vir a desenvolver uma doença cardíaca nos restantes anos de vida (6). Assim, verifica-se que um maior enfoque na identificação dos fatores de risco presentes numa população, não só a nível orgânico mas também psicológico e social, e nos estilos de vida adotados que os originam, é fundamental para conhecer qual o seu nível de risco de desenvolver um evento coronário agudo e como se deverá atuar de modo a preveni-lo bem como a todas as consequências que dele advêm.
Mostrar mais

40 Ler mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE – CEFID PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO MOVIMENTO HUMANO – PPGCMH ANA PAULA KRÜGER

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE – CEFID PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO MOVIMENTO HUMANO – PPGCMH ANA PAULA KRÜGER

disfunções do AP em mulheres de meia idade e idosas, sendo classificado como nível de evidência 2, ou seja, existem bons estudos de corte referentes a essa informação, que evidenciam que a atividade física promove um fortalecimento destas estruturas. No entanto, a prática de exercícios físicos extenuantes tem sido indicada como um fator de promoção de disfunções do AP (BØ, 2004; WILSON et al., 2005). Para Kikuchi et al. (2007), atividades físicas vigorosas podem levar ao aumento da pressão intrabdominal, tornando-se um importante fator associado com a ocorrência de IU e disfunções sexuais. Nygaard et al. (1997) e Bø (2004) ainda afirmam que a prática esportiva profissional constitui um risco adicional ao AP, principalmente quando relacionada à atividades de alto impacto. Entende-se como atividade de alto impacto aquela que ocasiona aumento excessivo da pressão intrabdominal, sobrecarregando os órgãos pélvicos e empurrando-os para baixo como, por exemplo, atividades com saltos e aterrissagens e, também, corridas (CAETANO; TAVARES; LOPES, 2007).
Mostrar mais

97 Ler mais

PROJETO ESTRATÉGICO EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: ANÁLISE DE SUA GESTÃO EM UMA ESCOLA MINEIRA QUE ATENDE ALUNOS DE ÁREA DE RISCO E EM VULNERABILIDADE SOCIAL

PROJETO ESTRATÉGICO EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: ANÁLISE DE SUA GESTÃO EM UMA ESCOLA MINEIRA QUE ATENDE ALUNOS DE ÁREA DE RISCO E EM VULNERABILIDADE SOCIAL

Este estudo analisa o processo de implementação do Projeto Estratégico Educação em Tempo Integral (PROETI) em uma escola de Minas Gerais que atende alunos de área de risco, em vulnerabilidade social e que apresentam baixo desempenho escolar. Para sua realização, optamos pela pesquisa qualitativa a partir da análise documental, da revisão bibliográfica e de entrevistas semiestruturadas, que muito nos auxiliaram na interpretação e compreensão da realidade pesquisada. Tendo como referência a análise empreendida, o estudo nos mostra que a escola de tempo integral enfrenta alguns desafios que influem diretamente na sua qualidade, tais como: dificuldades na organização (tempo e espaço) das atividades ofertadas; descontinuidade do trabalho causada principalmente pela forma de contratação dos profissionais de educação no estado; e formação incipiente dos professores para atender às demandas formativas do tempo integral. Entretanto, mesmo com alguns percalços, a escola de tempo integral constitui uma alternativa para melhoria da qualidade da educação e, na atualidade, uma política educacional para todo o Brasil. O estudo teve respaldo teórico em Anísio Teixeira, precursor da educação integral no Brasil, e em estudiosos da atualidade como Cavaliere (2002; 2007), Moll (2012), Guará (2009), Coelho (2002; 2004), Lück (2009; 2010), entre outros. No último capítulo, apresentamos a proposta do Plano de Ação Educacional (PAE), que pontua ações que podem subsidiar a escola e a Superintendência Regional de Ensino na implementação do PROETI, de forma a contribuir para melhoria da educação dos alunos que frequentam o projeto. As proposições do PAE alcançam a formação e a carreira dos profissionais envolvidos no projeto. No âmbito da escola, devem fazer parte do Plano de Desenvolvimento da Escola. As demais proposições devem ser levadas pela regional de ensino à Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais e estarão sujeitas à sua apreciação para viabilização.
Mostrar mais

118 Ler mais

Show all 10000 documents...