Indústria de Defesa

Top PDF Indústria de Defesa:

A revitalização da indústria de defesa brasileira: uma contribuição ao processo decisório

A revitalização da indústria de defesa brasileira: uma contribuição ao processo decisório

No começo dos anos 90, a si- tuação começou a mudar radical- mente. O gasto militar mundial reduziu-se a um terço em termos reais entre 1989 e 1996. No plano mais estritamente militar, verificava-se que o ce- nário de conflito não mais demandava grandes arsenais de armas tradicionais, e sim novos e inovadores sistemas de armas capazes de rápida mobilização e deslocamento, e ex- trema precisão. Além disso, novas práticas comerciais pas- saram a ser utilizadas no âmbito dos grandes produtores de armas. Incorporações, fusões, acordos de compartilha- mento de risco, alianças estratégicas (consórcios, joint ven- tures) etc, passaram a ser adotadas para enfrentar os novos desafios. A dimensão da mudança ocorrida na indústria de defesa norte-americana pode ser avaliada pelo fato de que das 100 maiores empresas existentes em 1990, 28 haviam abandonado o mercado até 1998. E que aquelas que so- braram só se mantiveram graças a um intenso processo de fusão. Uma outra estimativa indica que mais ou menos no mesmo período o número de empresas independentes de primeiro nível (prime contractors) caiu de 20 para apenas quatro (Hayward, 2001). E uma outra mais (Driessnack e King, 2004) estimava que, nas duas décadas anteriores, as 75 maiores empresas norte-americanas especializadas na produção de material de defesa tinham se consolidado em apenas cinco conglomerados.
Mostrar mais

13 Ler mais

A indústria de defesa como componente da estratégia genética nacional (1994-2010)

A indústria de defesa como componente da estratégia genética nacional (1994-2010)

R: As Indústrias de Defesa não são chamadas a participar no processo de planeamento que leva ao estabelecimento da grande matriz do reequipamento das Forças Armadas que é o sistema de forças e portanto isso é feito nos Estados Maiores, no EMGFA e depois com o processo de decisão política no MDN (...). Em nenhuma etapa desse processo, que é um processo burocrático que leva à tomada de decisão sobre quais são os meios e equipamentos das Forças Armadas, não existe nenhuma intervenção da indústria. Essa indústria intervém à posteriori, depois de definidos os meios, ela muitas vezes concorre a esse projectos, apresenta propostas. Mas não há aqui uma ligação directa, até porque eu julgo que do ponto de vista legal não é possível. A Direcção Geral de Armamento e Equipamento de Defesa (DGAED), abre um concurso para a a aquisição de material militar, essas indústrias concorrem e apresentam as suas propostas. Eu acho que não é possível face às leis nacionais ou comunitárias, fazer adjudicações directas para esse tipo de coisas. Portanto eles (a indústria) não participam nesse processo de decisão, muitas vezes colaboram, desenvolvem equipamentos, por exemplo: os equipamentos da Marinha, os sistemas integrados de comunicações dos nossos navios, foram todos desenvolvidos pela Indústria de Defesa Nacional, são vendidos para outras marinhas e para outros países, mas como é que aquilo surgiu? Aí foi um processo de desenvolvimento tecnológico, que começou na Marinha e depois quando é preciso industrializar, o processo passa para as Indústrias de Defesa do Estado.
Mostrar mais

119 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE ECONOMIA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS A POLÍTICA DE OFFSET NA INDÚSTRIA DE DEFESA BRASILEIRA: ESTUDO DO CASO KC-3901

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE ECONOMIA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS A POLÍTICA DE OFFSET NA INDÚSTRIA DE DEFESA BRASILEIRA: ESTUDO DO CASO KC-3901

Com o intuito de fomentar suas indústrias nacionais, os governos utilizam a Política de Compras Governamentais para incentivar e privilegiar empresas nacionais, sendo, portanto, um dos principais instrumentos de desenvolvimento industrial e econômico de um país. Atreladas a essa política, os governos usam compensações, ou offsets, por meio de contratos nos quais se exige que o vendedor transfira benefícios econômicos ao comprador, com o objetivo de incentivar o desenvolvimento local e obter independência tecnológica. Neste artigo, são estudados os efeitos desta política, bem como sua regulamentação nacional e internacional, especialmente os offsets usados na indústria de defesa. Ao analisarmos o desenvolvimento da aeronave militar brasileira KC-390, podemos identificar a atual estrutura da indústria nacional de Defesa, suas falhas e seu programa de reaparelhamento, sustentado principalmente pela realização de offsets, com o objetivo principal de adquirir conhecimento e capacidade para produções futuras.
Mostrar mais

30 Ler mais

Indústria de defesa: uma análise da rede nacional a partir da teoria da dependência de recursos

Indústria de defesa: uma análise da rede nacional a partir da teoria da dependência de recursos

A pesquisa tem como objetivo apresentar o estágio atual da rede produtiva de materiais e serviços de defesa. Inicialmente, é elaborada uma sucinta contextualização histórica que situa o leitor em relação ao problema de pesquisa. O sistema produtivo é analisado segundo três abordagens complementares. Primeiro, são identificados os recursos mais importantes aos componentes do sistema, destacando-se, principalmente, a dependência resultante. Posteriormente, por meio de uma análise de redes sociais, são explorados os elementos estruturais dos relacionamentos. Finalmente, os EUA são empregados como um referencial para fins de comparação e diagnóstico. Por conseguinte, visando atender aos diferentes requisitos da pesquisa, foram consultadas organizações envolvidas na atividade, entrevistadas pessoas com conhecimentos específicos do setor e realizada uma abrangente consulta bibliográfica e documental. Portanto, o relatório identifica os fatores que mais impactam a indústria de defesa nacional, um segmento produtivo ainda pouco explorado pela Academia.
Mostrar mais

121 Ler mais

Defesa e controle: uma análise da presença civil no ministério da defesa brasileiro

Defesa e controle: uma análise da presença civil no ministério da defesa brasileiro

Estas evidências, em contato com a literatura, permitem discutir temas como os destacados por David Pion-Berlin (2007; 2005b), como a pouca atenção dada ao tema da Defesa na América Latina como um todo. No Brasil, ainda há um baixo nível de interesse dispensado ao tema, como destacam Amorim Neto (2010) e Flemes (2005). Entretanto, nesta pesquisa, foi possível observar que existem esforços para que o tema seja difundido e passe a ocupar lugar de destaque no debate político nacional. Podemos, então, classificar como crescente o interesse pelo tema, com programas de pós- graduação e de apoio à pesquisa com temas relacionados a Defesa, sendo criados e expandidos por todo o país. Neste ponto, podemos dizer que estamos observando a constante redução no déficit de atenção descrito e debatido por Bruneau (2005) e Pion-Berlin (2007; 2005b). Esta crescente no interesse pelo tema, tem levado à formação de novos especialistas que poderão vir a compor o corpo de especialistas destacados por Barany (2012) e Cleary e McConville (2006). Cabendo ressaltar que a capacitação dos funcionários civis apresenta-se como condição necessária, porém não suficiente, para o estabelecimento total do controle civil.
Mostrar mais

89 Ler mais

A representação, o afeto e a defesa no Projeto de uma Psicologia (1895).

A representação, o afeto e a defesa no Projeto de uma Psicologia (1895).

Não é raro a lembrança de uma experiência causar emoções mais fortes que a própria experiência. No caso das experiências sexuais, a justifi cativa para isso era a instalação tardia da puberdade. “Todo adolescente é receptáculo de traços mnêmicos que só se tornam compreensíveis após o aparecimento de suas próprias sensações sexuais” (Freud, 1981, p. 404). Pois o fator ativo no trauma sexual é a liberação de afeto, e, os pacientes histéricos, devido a experiências e possivelmente a fatores sexuais “são predispostos a des- cargas sexuais precoces” (Freud, 1981, p. 404). Enfi m, os acúmulos de excitação causam desprazer, sobretudo quando há difi culdade em descarregar a excitação. E assim esse acúmulo de excitação, com a recordação pós-pubertal da experiência da infância, induz a defesa.
Mostrar mais

5 Ler mais

O uso da força no Direito Internacional Público Use of force in Public International Law

O uso da força no Direito Internacional Público Use of force in Public International Law

• subjetivamente: a legítima defesa pode ser levada a cabo pelo próprio Estado que seja destinatário do ataque armado, o que bem se explica no conceito de defesa, legítima defesa que neste caso é própria, como também pela possibilidade de ser protagoni- zada por Estados terceiros, que assim realizam uma legítima defesa alheia, até podendo vir a suceder institucionalmente no seio de organizações interna- cionais militares que têm o objetivo de estruturar uma legítima defesa coletiva, como é o que se passa com a Organização do Tratado do Atlântico Norte, 78
Mostrar mais

52 Ler mais

Do CD ao MP3  : a sociedade da informação, os novos media e a indústria musical

Do CD ao MP3 : a sociedade da informação, os novos media e a indústria musical

A indústria musical é uma das indústrias que têm tido mais dificuldade em manter o seu volume de negócios e fazer crescer os seus lucros ao longo do processo de transição para o digital. O advento das tecnologias digitais veio interromper radicalmente a natureza dos modelos de negócio tradicionais, o que afecta particularmente a indústria musical. O surgimento da Internet e das novas tecnologias de comunicação tem tido um forte impacto nos consumidores de música e na forma como esta é consumida, impondo uma quebra inevitável na cadeia de valor, mas a indústria ainda não possui o capital cultural para fazer uma transição bem sucedida para um novo modelo de negócios na era da sociedade de informação. Estas mudanças no cenário dos media vêm impor novas oportunidades e ameaças para a indústria e também para a própria cultura musical em si. A presente dissertação procurará analisar as transformações tecnológicas e o modo como estas afectam o sector, tentando percepcionar os comportamentos e hábitos de consumo da população portuguesa e de que modo estes poderão forçar o sector a renovar-se e procurar novos canais de distribuição de forma a manter-se a par da evolução, num momento em que a balança do poder parece começar a pesar mais do lado do consumidor.
Mostrar mais

63 Ler mais

Transferência de tecnologia na indústria de processo contínuo

Transferência de tecnologia na indústria de processo contínuo

Resumo: Este trabalho trata da transferência de tecnologia na indústria de processo contínuo com estudos de caso na indústria vidreira e na indústria de papel e celulose.. Define a trans[r]

173 Ler mais

Open Efeito de variáveis e tipos de secagem na eficiência de secagem de blocos cerâmicos de vedação

Open Efeito de variáveis e tipos de secagem na eficiência de secagem de blocos cerâmicos de vedação

As indústrias de cerâmica vermelha têm um papel importante no campo da construção civil, pois são responsáveis pela produção de diversos produtos utilizados nesse mercado, tal como o bloco de vedação. Para atender melhor esse mercado as indústrias preocupam-se em melhorar os produtos com responsabilidade ambiental, e diminuir o custo nas etapas de produção, etapas essas que são divididas em preparação da matéria-prima, extrusão, secagem e queima. A etapa de secagem destaca-se por ser importantíssima para o processo, uma vez que a qualidade do produto está também relacionada com essa etapa. Sendo assim, esse trabalho tem como objetivo analisar a influência do tipo de secagem e suas variáveis, como, temperatura, tempo e condições de ventilação, na eficiência de secagem de blocos cerâmicos, visando propor método e condição de secagem mais eficiente e de baixo custo operacional para indústria de cerâmica vermelha. Para tanto, caracterizou-se a matéria-prima quimicamente e mineralogicamente, adaptou-se uma estufa elétrica que possibilitou o controle de todos os fatores, seguiu-se as combinações de fatores que a matriz de planejamento experimental sugeriu e por fim acompanhou-se a mudança da secagem artificial para a secagem solar natural com convecção forçada na indústria em estudo. Os produtos confeccionados com as matérias-primas caracterizadas, quando estão na etapa de secagem em estufa elétrica, sofrem influência tanto dos fatores individuais como da temperatura, do tempo de secagem e da velocidade do ar quanto da interação entre esses fatores. A temperatura e o tempo de secagem foram as variáveis de maiores influências na eficiência de secagem. Aplicaram-se os conhecimentos obtidos nos resultados anteriores, na linha de produção de uma indústria cerâmica, onde a eficiência de secagem média na indústria cerâmica, com produção de 70 mil blocos diários, foi de aproximadamente 85%, deixando assim os blocos com um teor de umidade residual em torno de 3%, valor aceitável para entrada em fornos intermitentes.
Mostrar mais

81 Ler mais

Atlas dos impactos da

Atlas dos impactos da

Nesse ponto, este Atlas vem chamar atenção para o fato de que, mesmo se pressupondo que os dados coletados pelo empreendedor sejam corretos e confiáveis, sem um mapeamento dos a[r]

65 Ler mais

Uma defesa do aborto.

Uma defesa do aborto.

Suponho que podemos considerar como um dado que, no caso de gestação decorrente de estupro, a mãe não tenha dado à pessoa ainda não nascida o direito ao uso de seu corpo para sua alime[r]

20 Ler mais

Os livros brancos e outros documentos de defesa: fontes da difusão e da orientação doutrinária

Os livros brancos e outros documentos de defesa: fontes da difusão e da orientação doutrinária

O presente trabalho tem por finalidade apresentar uma contribuição teórica para os estudos de defesa, tendo como objeto de análise os livros brancos e também demais documentos oficiais relacionados ao tema. Inspirado no realismo neoclássico e nos conceitos estruturalistas empreendeu-se uma pesquisa quantitativa da dinâmica dos processos de elaboração da política declarada de defesa e seu correspondente alinhamento na construção ou desconstrução das estruturas de defesa no Pós-Segunda Grande Guerra, com vistas a compreender os novos caminhos que os sistemas de defesa selecionaram nesse início de século. Os documentos oficiais de defesa surgiram com escopo principal de promover a estabilidade e reduzir as incertezas no ambiente internacional, e pôde ser verificado que a difusão, desses documentos, ocorreu por ondas, durante o período da Guerra Fria, no Pós-Guerra Fria e depois dos atentados de 11 de setembro. A pesquisa também teve por escopo apresentar fatores domésticos e externos que contribuíram ou não para a difusão da documentação e também para a orientação doutrinária de defesa, usando como método de pesquisa o teste de Wald e a técnica implementada por Benoit, Laver e Garry, que desenvolveram uma forma de análise de textos políticos com auxílio de programa de computador, para estimar o posicionamento de cada documento por meio da contagem de palavras. Em que pese à pesquisa ser basicamente quantitativa, foram produzidos dois capítulos essencialmente qualitativos que tiveram o objetivo de prover os instrumentos quantitativos com um necessário arcabouço teórico, sendo feita uma análise mais qualitativa em 52 documentos de defesa e uma discussão teórica entre as principais correntes de pensamento que tratam do tema defesa. E por fim buscou-se atestar a validade desses documentos de defesa quanto aos propósitos que se destinam.
Mostrar mais

191 Ler mais

A Diretiva Europeia sobre Aquisições em Segurança e Defesa: Impactos na Logística de Defesa

A Diretiva Europeia sobre Aquisições em Segurança e Defesa: Impactos na Logística de Defesa

Todavia, a União Europeia possui uma política única de aquisição em assuntos de segurança e defesa que está incorporada nas leis dos países membros (TRYBUS, 2014). Essa política está consubstanciada na Diretiva Única 2009/81/EC da União Europeia (UNIÃO EUROPEIA, 2009). As diretivas são instrumentos jurídicos, pelos quais as políticas da União Europeia são aplicadas nos Estados membros. Para que elas tenham efeito no âmbito nacional, os países têm de transpô-las para o seu direito nacional. Portanto, pode-se dizer que as diretivas estabelecem uma política comum a ser seguida pelos países, mas deixam margem para que os Estados elaborem legislação própria para determinar como as regras serão aplicadas. As diretivas têm prazos máximos para serem transpostas nacionalmente. Tais prazos são determinados quando da adoção da diretiva pela União Europeia. Os países que não cumprirem o prazo estipulado para transposição sofrem processos de infração junto ao Tribunal de Justiça da União Europeia (EUROPEAN UNION, 2015).
Mostrar mais

25 Ler mais

Capoeira nas aulas de educação física: alguns apontamentos sobre processos de ensino-aprendizado de professores.

Capoeira nas aulas de educação física: alguns apontamentos sobre processos de ensino-aprendizado de professores.

À medida que o repertório gestual era ampliado, a complexidade da demons- tração dos exercícios a serem executados era aumentada, como por exemplo, a do mestre demonstrar um golpe e a pesquisadora um contragolpe ou defesa. Essa lógica de ensino-aprendizado prosseguia com a execução de um golpe (realizado pela pesquisadora ou pelo mestre), uma defesa, um contragolpe, outra defesa ou uma acrobacia. Os professores-alunos, ao verem a execução dos gestos, no caso das interações gestuais, como perguntas e respostas, tentavam, em duplas, reproduzir o que viram. Enquanto os professores-alunos exercitavam-se, o Mestre acompanhava-os e corrigia a execução dos gestos das duplas. Esse exercício das interações gestuais é um dos caminhos para o aprendizado do jogo da capoeira, pois a partir de algumas seqüências, predeterminadas pelo Mestre, os professores percebiam que é possível combinar os diferentes gestos e elaborar jogadas. Desse
Mostrar mais

15 Ler mais

Mudança de cultura e apoio da tecnologia dão base à transformação digital na construção civil no enfrentamento à crise do Covid_19 / Culture change and technology support based on digital transformation in civil construction in coping with the Covid crisi

Mudança de cultura e apoio da tecnologia dão base à transformação digital na construção civil no enfrentamento à crise do Covid_19 / Culture change and technology support based on digital transformation in civil construction in coping with the Covid crisis_19

Segundo dados de 2014 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, o ramo da construção civil representou cerca de 9% do Produto Interno Bruto – PIB brasileiro. Ou seja, apesar de inúmeros eventos como crises internacionais, crises políticas, assim como, desaceleração do setor ao longo dos últimos anos, a Construção Civil continua sendo um dos domínios mais importantes para a economia do país e, de acordo com a Câmara Brasileira da Indústria da Construção – CBIC, é um ramo que atualmente emprega cerca de três milhões de trabalhadores, tendo assim, também um importante papel social (SOUSA, 2015).
Mostrar mais

20 Ler mais

Aspectos socioculturais do desenvolvimento produtivo urbano em angola

Aspectos socioculturais do desenvolvimento produtivo urbano em angola

O próprio contexto nacional impôs uma série de condicionalismos comuns aos diversos pólos de desenvolvimento industrial. A dicotomia criada e acentuada, após a independência, entre o sector petrolífero e mineiro e os outros sectores produtivos levou a que, a partir dos anos 90, se tenha gerado uma incapacidade de redinamizar esses outros sectores. Esta incapacidade deveu ‑se, essencialmente, a cinco razões interligadas: o estado de insegurança, a falta de mão ‑de ‑obra qualificada, a instabilidade/incerteza macroeconómica, as políticas governamentais e estruturas de mercado que distorciam a atribuição de recursos e limitavam a concorrência, a grave e prolongada deterioração das infra‑ ‑estruturas físicas e dos serviços (Hodges, 2002: 144 ‑145). Aparece, portanto, clara a conjugação de factores de diversas ordens como condicionante e configuradora das evoluções que a indústria angolana registou nas últimas décadas. Neste conjunto de factores, os diversos analistas incluem recorrentemente uma série de factores de cariz social ou cultural sobre os quais, neste texto, se tentará desenvolver uma reflexão.
Mostrar mais

22 Ler mais

De Boulainvilliers a Tocqueville: da liberdade como defesa de privilégios à liberdade como defesa de diferenças.

De Boulainvilliers a Tocqueville: da liberdade como defesa de privilégios à liberdade como defesa de diferenças.

Quando o gosto pelas fruições materiais se desenvolve num desses povos [democráticos] mais rapidamente do que as luzes e os hábitos da liberdade, chega um momento em que os homens ficam arrebatados e como que fora de si, ao verem esses novos bens de que estão prestes a se apoderar. Preocupados unicamente com fazer fortuna, não percebem mais o vínculo estreito que une a fortuna particular de cada um deles a prosperidade de todos. O exercício de seus de- veres políticos lhes parece um contratempo incômodo que os distrai de sua indústria. [...] Essa gente crê seguir a doutri- na do interesse, mas só têm dela uma idéia grosseira e, para zelar melhor pelo que chamam seus negócios, negligenciam o principal, que é permanecer donos de si mesmos (Toc- queville, 2000, p. 172).
Mostrar mais

23 Ler mais

TII Cor Cortez   Sistemas não Tripulados   desafio nacional de investigação

TII Cor Cortez Sistemas não Tripulados desafio nacional de investigação

2008-2015: O PITVANT foi apresentado em 2007 como proposta de Investigação e Tecnologia (I&T), tal como exigido pelo Ministério da Defesa Nacional (MDN), concorrendo com mais catorze iniciativas apresentadas pelos Ramos. No PITVANT desenvolvem-se, o controlo cooperativo de várias plataformas com iniciativa mista, a fusão de dados e os sistemas de navegação. O PITVANT arrancou em 24 Novembro de 2008 e resulta de uma colaboração entre a Academia da Força Aérea e a Universidade do Porto (FEUP – Faculdade de Engenharia, Observatório Astronómico Prof. Manuel de Barros/Faculdade de Ciências e INEGI – Instituto de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial). O PITVANT agrega ainda a colaboração da Universidade da Califórnia em Berkeley, da Universidade das Forças Armadas de Munique, da Agência de Defesa Sueca, da Honeywell (empresa norte-americana de aeronáutica) e da Embraer (empresa brasileira de aeronáutica).
Mostrar mais

93 Ler mais

Show all 10000 documents...