interações intermoleculares

Top PDF interações intermoleculares:

UMA PROPOSTA TEÓRICA-EXPERIMENTAL DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE INTERAÇÕES INTERMOLECULARES NO ENSINO DE QUÍMICA, UTILIZANDO VARIAÇÕES DO TESTE DA ADULTERAÇÃO DA GASOLINA E CORANTES DE URUCUM

UMA PROPOSTA TEÓRICA-EXPERIMENTAL DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE INTERAÇÕES INTERMOLECULARES NO ENSINO DE QUÍMICA, UTILIZANDO VARIAÇÕES DO TESTE DA ADULTERAÇÃO DA GASOLINA E CORANTES DE URUCUM

Um tema em potencial para aplicar o conteúdo de interações intermoleculares é corantes e pigmentos, pois quando estas substâncias entram em contato com outras, podem ocorrer diversos tipos de interações. Os corantes são geralmente substâncias solúveis ou dispersáveis no meio de aplicação. No tingimento, são adsorvidos e difundem para o interior da fibra, por meio de interações físico-químicas entre corante e fibra. Segundo Araújo e Castro (1987), corantes são substâncias que têm a propriedade de absorver somente determinadas radiações do espectro eletro-magnético, difundindo as restantes, provocando a sensação de cor. Já pigmentos são substâncias insolúveis em água. São aplicados na superfície da fibra e fixados mediante resinas sintéticas.
Mostrar mais

29 Ler mais

INTERAÇÕES INTERMOLECULARES EM COMPOSTOS DERIVADOS DA DIAMINOMETILENO TIOURÉIA

INTERAÇÕES INTERMOLECULARES EM COMPOSTOS DERIVADOS DA DIAMINOMETILENO TIOURÉIA

O reconhecimento de um sítio é determinado pela geometria e também pelas interações não covalentes, desta maneira, a química de reconhecimento torna-se objeto de estudo tendo o mesmo ponto de vista dos compostos supramoleculares. Nas estruturas supramoleculares do tipo hospedeiro-hóspede (do Inglês host-guest), as supermoléculas são capazes de reconhecer outra molécula específica, átomo ou íon de maneira a se ligar a esse de forma única a fim de maximizar o contato com sua superfície, como se fosse uma chave com o seu segredo (fig.9). Este encaixe complementar ocorre em sítios múltiplos de interações e seu reconhecimento é determinado pelas interações intermoleculares, como por exemplo, as interações do tipo ligação de hidrogênio.
Mostrar mais

74 Ler mais

Efeito do centro metálico nas interações intermoleculares dos complexos [M(CN)5NO]x- com o poli(óxido de etileno) em sistemas aquosos bifásicos

Efeito do centro metálico nas interações intermoleculares dos complexos [M(CN)5NO]x- com o poli(óxido de etileno) em sistemas aquosos bifásicos

associada a todas as interações intermoleculares para os pares potenciais dos componentes da fase α, excetuando aquelas formadas com o soluto particionante. Este termo é chamado de auto-energia da fase, neste caso, fase α. A diferença entre os somatórios duplos de todos os pares potenciais da fase superior e inferior, fornece a diferença de energia entre elas. Essa diferença energética está associada à formação da cavidade onde o soluto se alocará. Quanto mais elevada for a auto-energia de uma fase (menos negativa, ou mais positiva), menos energia será despendida para a formação de uma cavidade em seu interior e mais fácil será a inserção do soluto a ser particionado. Se um SAB tiver a auto-energia da fase superior maior, ou menos negativa, do que a da fase inferior, o soluto se concentrará na fase superior, na ausência da contribuição entrópica e das interações intermoleculares diretas entre o soluto e os constituintes do SAB.
Mostrar mais

99 Ler mais

Estratégias de inibição, mecanismos moleculares e interações intermoleculares em complexos macromoleculares

Estratégias de inibição, mecanismos moleculares e interações intermoleculares em complexos macromoleculares

The crystal structures of native and inhibited Agkistrodon contortrix contortrix protein C activator determined at 1.65 and 1.54 Å resolutions, respectively, indicate the pivotal roles p[r]

165 Ler mais

APLICAÇÃO DA ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR NA PREDIÇÃO DO COEFICIENTE DE EXPANSÃO TÉRMICA DOS LÍQUIDOS IÔNICOS IMIDAZÓLICOS [HMIM][PF6], [BMIM][TF2N] E [BMIM][PF6]

APLICAÇÃO DA ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR NA PREDIÇÃO DO COEFICIENTE DE EXPANSÃO TÉRMICA DOS LÍQUIDOS IÔNICOS IMIDAZÓLICOS [HMIM][PF6], [BMIM][TF2N] E [BMIM][PF6]

Os líquidos iônicos, em comparação com os líquidos moleculares convencionais, possuem estrutura mais organizada, apresentando regiões com características bastante distintas. São compostos com regiões polares e apolares, onde ocorrem interações intermoleculares dos tipos eletrostáticas, de hidrogênio e de van der Waals. Como exemplo, enquanto os líquidos moleculares convencionais possuem um arranjo estrutural somente a curta distância (primeiros vizinhos) e por um curto espaço de tempo; nos sólidos cristalinos, a organização estrutural pode ser vista a longas distâncias e por grandes períodos de tempo. Neste sentido, os líquidos iônicos representam um meio termo, pois apresentam arranjo estrutural a médias distâncias e por tempos relativamente longos para um líquido (Rodrigues, 2010).
Mostrar mais

9 Ler mais

Estudo e desenvolvimento de blendas ternárias biodegradáveis a partir de poli(ácido lático), poli(álcool vinílico) e quitosana

Estudo e desenvolvimento de blendas ternárias biodegradáveis a partir de poli(ácido lático), poli(álcool vinílico) e quitosana

A quitosana apresenta fortes interações intermoleculares resultantes das ligações de hidrogênio, de modo que sua transição vítrea é dificilmente observada por análises térmicas uma vez que as fortes ligações de hidrogênio inter e intra-moleculares reduzem a mobilidade molecular. Algo semelhante ocorre com a temperatura de fusão da quitosana que só pode ser observada em condições muito bem controladas em laboratório e sem fins práticos. Efeito similar ocorre com a celulose, outro polímero natural onde as ligações hidrogênio intermoleculares exercem papel fundamental. Dessa forma, a quitosana tem sido frequentemente processada em solução, em geral de ácido acético [1, 5, 6] o que limita sua aplicação.
Mostrar mais

90 Ler mais

Descrição das forças intermoleculares

Descrição das forças intermoleculares

Para finalizar com os exemplos, cabe salientar que as interações intermoleculares e seu entendimento ganham sua expressão máxima em sistemas biológicos. As moléculas da vida (DNA, RNA, proteínas etc.) são mantidas em suas estruturas tridimensionais através de interações intra e intermoleculares. Uma vez que a estrutura tridimensional molecular é responsável pela atividade bioló- gica específica destas moléculas, percebe-se então a importância do entendimento de tais interações. Um fato interessante, que até hoje não é bem entendido, é o porquê ou como estas moléculas biológicas adquirem sua estrutura tridimensional. Como exemplo, uma proteína é sintetizada como uma seqüência linear de ami- noácidos que se enovelam no espa- ço dando origem à sua estrutura tridi- mensional única, que irá ditar se esta proteína terá características estru- turais ou enzimáticas. Um outro fato interessante a ser mencionado é que todos os processos orgânicos vitais estão relacionados com o reconhe- cimento molecular específico inter e intramolecular. Estes processos po- dem ser definidos como sendo
Mostrar mais

6 Ler mais

Planejamento, obtenção e caracterização de novas formas sólidas do fármaco antirretroviral...

Planejamento, obtenção e caracterização de novas formas sólidas do fármaco antirretroviral...

algumas ligações específicas. Esta característica é um aspecto importante que define a orientação espacial dos grupos funcionais e, portanto, a orientação das entidades supramoleculares ou "synthons'', que posteriormente serão responsáveis pelos padrões de interações intermoleculares. Deste modo, as ligações passíveis de rotação nas unidades de 3TCH + , referem-se à ligação de N1 ─C1' que liga o anel da citosina com o anel da pentose modificada oxatiolano, 2',3'-didesoxi-3'-tiorribose. No entanto, a liberdade rotacional desta ligação encontra-se restringida por efeitos de impedimento estérico entre estes fragmentos. Como resultado, esta ligação orienta os anéis em uma conformação anti que permite minimizar os efeitos das forças de repulsão. Dita conformação anti esta referida pela orientação oposta e paralela, com certo desvio, entre o oxigênio intracíclico da ligação C1' ─O1' do anel oxatiolano e o grupo carbonílico C2=O2 do fragmento pirimidínico (veja Figura 15.(a)). Outra ligação susceptível de liberdade conformacional é a ligação de caráter σ, C4' ─ C5', que possui três estados rotacionais de 120° como consequência da geometria tetraédrica do carbono secundário C5'. Este átomo está ligado ao grupo hidroxílico ─O5'H, o qual é capaz de rotacionar em virtude dos graus de liberdade permitidos pela ligação C4' ─C5' sob um eixo de ordem terciário. Este efeito já foi observado nos casos dos sais de cloridrato e cloridrato monohidratado de lamivudina. 37 No caso dos sais 3TCH + -Br - e 3TCH + -F - HF,
Mostrar mais

132 Ler mais

NANOPARTÍCULAS DE GRAFITE PARA CARREAMENTO DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS POR ESTUDOS DE DOCKING MOLECULAR ”

NANOPARTÍCULAS DE GRAFITE PARA CARREAMENTO DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS POR ESTUDOS DE DOCKING MOLECULAR ”

Os anti-inflamatórios não esteroidais são conhecidos há mais de 100 anos e vem sendo amplamente utilizados pela humanidade. No entanto, causam efeitos adversos, desde problemas gastrointestinais até complicações cardíacas, muitos desses sintomas relacionados com sua ação inespecífica nos sistemas biológicos. Dessa forma, a proposta de um sistema de drug delivery para o carreamento desses fármacos até o local da inflamação, poderia reduzir esses efeitos indesejados no organismo devido a limitação de alvos mais específicos além do seu local de ação. No presente estudo, foram utilizadas placas de grafeno e grafite como carreadores, uma vez que estudos demonstram a utilidade de outras estruturas conformacionais do carbono como carreadores de fármaco para o tratamento de câncer, por exemplo. Foram estudados dois modelos para as placas por meio de software de docking molecular: modelo sandwich, o qual engloba duas placas de carbono, com os ligantes entre elas, e o modelo surf, com uma placa de carbono comportando o ligante. Os compostos estudados foram obtidos dos bancos de dados como CSD, SD e PDB e as placas foram obtidas por modelagem molecular. A análise das interações intermoleculares, conhecimento essencial para o entendimento das estruturas obtidas, foi feita utilizando visualização molecular de alta resolução. Os resultados dos experimentos in silico mostraram que o modelo sandwich foi o mais favorável para esse sistema, posto que confere estabilidade e proteção ao ligante para que este não se desprenda das placas durante o caminho percorrido pelo organismo até o local desejado.
Mostrar mais

129 Ler mais

Aplicação da análise de regressão linear na estimativa do coeficiente de dilatação térmica dos ésteres palmitoleato de metila e oleato de metila doi: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrv.2013.111.512521

Aplicação da análise de regressão linear na estimativa do coeficiente de dilatação térmica dos ésteres palmitoleato de metila e oleato de metila doi: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrv.2013.111.512521

As moléculas dos ésteres apresentam certa polaridade devido à presença de dois átomos de oxigênio e ao ângulo formado entre as ligações dos átomos no grupo funcional. Essa polaridade é mais acentuada em ésteres de cadeia carbônica pequena, em que predominam as interações intermoleculares do tipo dipolo permanente-dipolo permanente. À medida que a cadeia carbônica aumenta, a polaridade vai se tornando menor e passam a existir interações intermoleculares do tipo forças de van der Waals (SOLOMONS e FRYHLE, 2009).
Mostrar mais

10 Ler mais

Interação entre irmãos: deficiência mental, idade e apoio social da família.

Interação entre irmãos: deficiência mental, idade e apoio social da família.

Além da contribuição científica que se pretende ofere- cer com este trabalho, é importante considerar a contri- buição prática do mesmo, à medida que ao se conhecer melhor a dinâmica das interações entre pares ou grupos de irmãos que contam com a presença de um membro com necessidades especiais, é possível entender melhor suas necessidades e, assim, aventar hipóteses acerca de atividades que possam ajudar a melhorar tais interações. Utilizando-se da afirmação de Nunes e Aiello (2004), a falta de conhecimentos nessa área talvez justifique a quase inexistência no Brasil de serviços dirigidos aos irmãos, já que por enquanto pouco se conhece sobre suas neces- sidades e interesses. Contudo, há uma dificuldade em sa- ber se serviços desse tipo receberiam a atenção da popu- lação, uma vez que a relação com outros membros da família, além de pai e mãe, como avós e irmãos, e que são importantes para o bom desenvolvimento das inter-rela- ções familiares, e dos próprios indivíduos, geralmente não recebem o merecido destaque. Assim, a partir dos resultados aqui relatados, o principal encaminhamento do presente trabalho é o desenvolvimento de um grupo de apoio a irmãos de indivíduos deficientes, visando o fortalecimento do vínculo neste subsistema familiar.
Mostrar mais

9 Ler mais

CORRENTES PERMANENTES EM ANÉIS MESOSCÓPICOS

CORRENTES PERMANENTES EM ANÉIS MESOSCÓPICOS

As figuras 8 e 9 mostram as correntes obtidas para U / t = 0.80, na fase LL, e U / t = 3.00, na fase CDW, respetivamente, para vários valores do defeito, ambas para anéis com N = 26 sítios. Como se pode observar, na ausência de defeito, ρ = 1.00, as correntes são descontínuas em , tornando-se contínuas nestes valores do fluxo quando a impureza é introduzida. O defeito diminui a amplitude da corrente e, quanto mais forte é a impureza, maior é a respetiva redução da corrente. De notar ainda que a corrente assume um maior valor para U / t = 0.80 (figura 8) do que para U / t = 3.00 (figura 9), o que reflete o facto de no primeiro caso o sistema ser melhor condutor que no segundo. Na figura 10 pode constatar-se que a corrente, tal como no caso sem interações (15), permanece invariante para a transformação ρ J 1 / ρ na intensidade do defeito, i.e., verifica, para anéis suficientemente grandes,
Mostrar mais

17 Ler mais

A teoria da complexidade na aprendizagem de espanhol em Teletandem

A teoria da complexidade na aprendizagem de espanhol em Teletandem

Lucas e Dani realizaram suas interações em Laboratório de Teletandem da universidade (Lucas somente em áudio e Dani somente em chat). Apesar de não terem realizado a sessão de Teletandem prototípica (com uso de áudio e vídeo), os dados revelam que o fato de terem os aparatos disponíveis às interações possibilitou que não houvesse os variados problemas tecnológicos enfrentados por Elen. Esses fatos, ao mesmo tempo em que revelam o andamento do Teletandem enquanto projeto acadêmico investigativo, denotam também as nuanças de cada parceria. Isso porque eram dadas as “mesmas condições iniciais”: leitura de uma cartilha explicativa, estabelecimento da parceria por meio de um professor/ pesquisador do projeto, atribuição de um mediador para sessões regulares (que, nos casos ora analisados, foram todas por mim realizadas), diretrizes de preparação de temas prévios e cumprimento dos princípios da autonomia, separação de línguas e reciprocidade. No entanto, as diferenças mínimas no início, assim como ocorreu com Lorenz (1963), levaram a grandes variações entre os pares analisados.
Mostrar mais

203 Ler mais

Interações com os pares

Interações com os pares

O presente relatório pretende investigar qualitativamente as interações de amizade numa turma de 4º ano do 1º ciclo do Ensino Básico de uma Instituição privada em Lisboa. Para tal foram utilizadas duas técnicas de recolha de informação, a observação e os inquéritos por questionário que permitiram analisar a forma como se organizam estas interações. Numa primeira instância foram recolhidas 12 observações ao longo de três semanas, estas incluem três espaços de observação que permitem perceber com quais colegas os alunos se costumam diariamente relacionar e com que frequência. Na segunda etapa de investigação foram elaborados 24 questionários com o intuito de perceber as conceções que estes têm acerca da amizade e quais os seus amigos mais e menos próximos priorizando as suas perspetivas em relação aos seus pares.
Mostrar mais

178 Ler mais

e interações entre os alunos

e interações entre os alunos

Relativamente à escolha do tema este deve-se ao meu interesse por jogos e nos interesses das crianças, dado que, as novas tecnologias estão desde cedo integradas no quotidia[r]

76 Ler mais

Liderança do enfermeiro: elemento interveniente na rede de relações do agente comunitário de saúde.

Liderança do enfermeiro: elemento interveniente na rede de relações do agente comunitário de saúde.

Este estudo teve como objetivo compreender as contribuições do enfermeiro na rede de relações e interações dos agentes comunitários de um município localizado ao sul do país. Utilizou-se a Teoria Fundamentada nos Dados como referencial metodológico. Foram entrevistados vinte sujeitos, dentre profi ssionais de saúde e usuários do centro de saúde, distribuídos em três grupos amostrais. O profi ssional enfermeiro é reconhecido como um elemento importante na rede de relações e interações do ACS com a comunidade, sendo visualizado como liderança. Embora apresente sinais de uma liderança autoritária, promove a interlocução e age como um facilitador do trabalho em equipe na promoção da saúde. Conclui-se que os enfermeiros da Estratégia Saúde da Família fornecem suporte clínico, na organização do cuidado, e gerencial, ao fomentar boas relações, direcionar as atividades e conduzir o fl uxo de informações.
Mostrar mais

7 Ler mais

Estudos da lesão ao DNA por corantes têxteis e da capacidade protetora de flavonóides empregando biossensor eletroquímico: Carolina Venturini Uliana. -

Estudos da lesão ao DNA por corantes têxteis e da capacidade protetora de flavonóides empregando biossensor eletroquímico: Carolina Venturini Uliana. -

As comparações das intensidades de corrente normalizadas para a guanina e para a adenina antes das interações e após interações com os corantes, com os chás e as misturas correspondent[r]

153 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

A Tabela 8 resume os dados cristalográficos do composto PtIDp. As distâncias e ângulos de ligação são dados nas Tabelas 9 e 11, respectivamente. A Tabela 10 mostra as interações intra e intermoleculares presentes no empacotamento cristalino deste complexo. Na Figura 21 está representada a unidade assimétrica do complexo PtIDp. Nesta representação é possível perceber que o composto cristaliza com uma molécula de água e que possui alguns anéis com desordem ocupacional, ou seja, que a posição de alguns átomos nos anéis C(2) a C(8), C(9) a C(14) e C(27) a C(32) variam em algumas celas unitárias. A molécula de água também apresenta desordem ocupacional, possuindo três posições para o átomo de oxigênio. As posições desordenadas foram indicadas por (‘) e (*). O refinamento de cada átomo desordenado foi conduzido de tal maneira que o somatório dos fatores de ocupação fosse igual a um.
Mostrar mais

90 Ler mais

Laura Cristina Teixeira Pacheco

Laura Cristina Teixeira Pacheco

Os instrumentos utilizados para a recolha dos dados foram cinco câmaras de vídeo e foram recolhidos os trabalhos realizados pelos alunos para efetuar a digitalização dos mesmos. É de salientar que, em cada grupo, existia uma câmara de vídeo, a qual tinha a função de captar imagens e sons, nomeadamente, do trabalho realizado pelos alunos e das interações dos mesmos. Na primeira aula, as filmagens foram efetuadas por uma colega que estava disponível, sendo que este tipo de metodologia não foi possível ser aplicada nas restantes aulas. Ao longo das sessões, foram efetuadas discussões em grande e pequeno grupo, as quais visavam promover a comunicação matemática e ver de que forma a mesma era utilizada pelos alunos. Desenvolvia-se, assim, o poder comunicativo e argumentativo dos alunos, bem como a partilha de ideias e estratégias. No decorrer das sessões, foram recolhidas notas de campo, as quais foram basicamente o meu diário pessoal, onde foram registadas as minhas impressões sobre os vários momentos das aulas e sobre o meu comportamento no decorrer das mesmas. Esta preocupação em analisar o meu desempenho e comportamento foi para avaliar se houve influências indiretas no trabalho dos alunos e, sobretudo, para progredir na minha aprendizagem.
Mostrar mais

112 Ler mais

Da condição docente: primeiras aproximações teóricas.

Da condição docente: primeiras aproximações teóricas.

Além disso, enquanto na sala de aula o professor está geralmente solitário, as crianças, adolescentes e jovens estão em seus grupos de pertencimento, desejosos uns dos outros, em meio às dinâmicas e interações, aos entendimentos e desentendimentos próprios às situa- ções grupais. Nesse sentido, há nas aulas o risco e a incerteza. Sua di- nâmica e relações de poder, embora formalmente centradas no docen- te, podem apresentar surpresas, novidades, imprevisibilidades, transitando entre obediência e recusa, entre um e outro sujeito e agru- pamentos; deslizando-se e deslocando-se entre subserviência e trans- gressão; entre participação e ausência de interesse e envolvimento. Nela podem ocorrer tensões e conflitos, tendo em vista a diversidade e pos- sibilidades de ações instituintes dos sujeitos estudantes, de seus gru- pos e subgrupos.
Mostrar mais

18 Ler mais

Show all 1772 documents...

temas relacionados