Língua portuguesa - Estudo e ensino (secundário) - Moçambique

Top PDF Língua portuguesa - Estudo e ensino (secundário) - Moçambique:

Januário Língua O NEXO ENTRE CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DE ENSINO DA GEOGRAFIA EM MOÇAMBIQUE: Estudo de caso

Januário Língua O NEXO ENTRE CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DE ENSINO DA GEOGRAFIA EM MOÇAMBIQUE: Estudo de caso

Aconteceu que numa das aulas observadas, no âmbito deste estudo, um professor da 12ª classe, estava a leccionar um dos conteúdos de Geografia Humana (Factores de distribuição espacial da população), e durante a aula insistia que os alunos deveriam relacionar com os conhecimentos adquiridos na Geografia Física, em classes anteriores; mas o próprio professor em nenhum momento procurou estabelecer essa almejada relação. Este exemplo, constitui apenas uma pequena parte dum problema mais global sobre o ensino em Moçambique, em particular da Geografia no ensino secundário.
Mostrar mais

196 Ler mais

A LEXICULTURA NA LITERATURA E NO ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA EM MOÇAMBIQUE

A LEXICULTURA NA LITERATURA E NO ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA EM MOÇAMBIQUE

A literatura moçambicana tem se destacado nos últimos anos com obras interessantes no estudo literário e linguístico. A obra “Estórias abensonhadas” de Mia Couto é uma obra que nos leva a refletir sobre a ligação entre léxico, cultura e ensino e, assim, levantamos os seguintes problemas: quais são as caracterís- ticas léxico-culturais das obras literárias escritas por moçambicanos e como os professores de português têm trabalhado com esta questão em sala de aula? A pesquisa visa identificar aspectos léxico-culturais na obra de Couto. Utilizando dois dicionários como corpus de exclusão (Houaiss, 2009 e Dicionário Inte- gral da Língua Portuguesa, 2008) identificou-se várias formações lexicais e sintáticas que particularizam a obra de Couto. Da pesquisa se conclui que há necessidade de se trabalhar de forma multidisciplinar para melhor alcançarmos os efeitos que desejamos diante dos nossos alunos. O ensino deve valorizar a literatura independentemente da disciplina que estiver em causa. Os textos de Couto relatam aspetos da cultura moçambicana que podem ser ensinados aos alunos. Os neologismos revelam como a língua é um sistema aberto que permite a criação.
Mostrar mais

15 Ler mais

O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA EM MOÇAMBIQUE NO PERÍODO COLONIAL de 1940 a 1960: uma visão historiográfica MESTRADO EM LÍNGUA PORTUGUESA

O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA EM MOÇAMBIQUE NO PERÍODO COLONIAL de 1940 a 1960: uma visão historiográfica MESTRADO EM LÍNGUA PORTUGUESA

No que concerne às missões protestantes, o Método Laubach Português – Kimbundu por ter sido estruturado de forma eclética apresenta um avanço digno de nota por embargar o “espírito de época”. Os temas são extraídos do universo rural de Moçambique, mas podia ser livremente empregado no ensino de alunos da zona urbana. O sucesso do protestantismo em África deve sobretudo às ações sociais que se seguiam ao ensino da religião, da língua bantu e da Língua Portuguesa. Sobre o ensino missionário protestante não restam dúvidas de que os recursos didático-pedagógicos primam por qualidade e utilidade, mas também eles estavam organizados para o tipo de sociedade luso-moçambicana. Como visto, a imagem humana representada na cartilha é o africano (negro), entretanto a imagem do ambiente não é o ambiente natural do africano, embora estando em seu país natal. As imagens na cartilha do Método Laubach são modelos de aculturação, visto o africano (negro) estar movendo-se num ambiente ocidental.
Mostrar mais

194 Ler mais

Estudo dos fenômenos da gíria do funk como suporte para o ensino da Língua Portuguesa

Estudo dos fenômenos da gíria do funk como suporte para o ensino da Língua Portuguesa

Esta pesquisa tem como objetivo principal elaborar uma proposta de intervenção que, partindo do gênero musical funk, possa propiciar condições para que o aluno se conscientize de que a linguagem do funk, com suas gírias e particularidades, pode dialogar com a variedade linguística priorizada na escola, ou seja, o aluno não precisa abrir mão da sua maneira de falar, porém, concomitantemente, deve desenvolver competência linguística eficiente na variante de prestígio, para utilizá-la em situações de comunicação que exijam um maior monitoramento da língua. Nesta pesquisa, buscamos desenvolver nos alunos a consciência sobre a adequação linguística nos seus mais variados contextos, respaldados pelas concepções de Coseriu (1979), Labov (1972), Bakhtin (2004), Preti (1984, 2000, 2004, 2006), Bagno (1999), Cristianini (2007), entre outros. Como os alunos demonstram por meio de opiniões e ações uma grande afinidade pelo gênero musical funk, estilo polêmico, sobretudo devido ao conteúdo das letras de algumas de suas vertentes e são influenciados por ele na fala e na escrita, propusemo-nos a fazer um estudo de elementos que caracterizam a linguagem do funk, a saber: a gíria, o palavrão, o vocabulário obsceno e erótico. Também utilizamos estratégias que valorizam a diversidade linguística dos alunos, aproximando-nos de um ensino aberto à reflexão, ao diálogo e à diversidade. Como produto, produzimos um compêndio didático sobre o tema, disponibilizado para consulta e aplicabilidade para toda a comunidade escolar e para quem porventura interessar. Esse material constituiu-se em um Blog contendo informações, fontes e sugestões para o trabalho com funk em sala de aula, tais como, entrevistas com especialistas, curiosidades, análise musical, vídeos humorísticos, atividades, entre outros. Com isso, pretendemos não só poder contribuir para o ensino de Língua Portuguesa, mas também, minimizar os estigmas da imagem pré-concebida pela comunidade escolar sobre o gênero musical funk, com o qual os jovens alunos tanto se identificam.
Mostrar mais

180 Ler mais

CONTRIBUIÇÕES DO ESTUDO DESCRITIVO PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: O VERBO PERDER

CONTRIBUIÇÕES DO ESTUDO DESCRITIVO PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: O VERBO PERDER

Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar uma discussão a respeito da importância de estudos descritivos de verbos para o ensino de Língua Portuguesa. Conforme o contexto de uso em que o verbo perder está inserido ele pode funcionar como o núcleo da predicação, ou como componente de uma sequência fixa, ou como verbo-suporte. As análises das estruturas com o verbo perder são feitas com base no modelo teórico-metodológico do Léxico- Gramática, postulado pelo linguista francês Maurice Gross (1975), que define critérios sintáticos formais para a descrição lexical em contextos linguísticos. O principal objetivo dessa análise é mostrar a importância da descrição lexical para o ensino de Língua Portuguesa. A partir das análises e da descrição verbal, concluímos que o verbo perder é muito produtivo como verbo suporte, e também como componente de expressão fixa. Essas noções não são colocadas nos manuais didáticos ou gramáticas tradicionais. A descrição lexical pode contribuir para um melhor ensino de língua portuguesa, uma vez que o professor, com posse desse estudo descritivo, poderá explorar melhor as noções lexicais, tendo em vista a correlação entre morfologia, sintaxe e semântica, além de despertar o interesse do aluno para as várias manifestações de produção de sentido do léxico, propondo reflexões sobre o funcionamento da língua.
Mostrar mais

13 Ler mais

Manuais e transversalidade da língua portuguesa na leitura: um estudo no ensino básico

Manuais e transversalidade da língua portuguesa na leitura: um estudo no ensino básico

De forma mais restrita e tendo em conta a problemática contemplada no nosso estudo, o manual escolar poderá contribuir para desenvolver nos alunos competências associadas à compreensão na leitura: ao promover o enriquecimento da competência comunicativa dos alunos em termos semânticos, lexicais, morfológicos, sintáticos e pragmáticos; ao desenvolver estratégias promotoras da ativação e aprofundamento dos seus conhecimentos prévios; ao contribuir para a aquisição e desenvolvimento de estratégias que permitam explorar a compreensão dos textos escritos a diferentes níveis (microestrutura – associada à apreensão das ideias veiculadas pelo texto –, macroestrutura – ligada à identificação das ideias principais do texto – e superestrutura – relacionada com a identificação da estrutura característica do texto); ao favorecer o envolvimento dos alunos em situações de leitura diversificadas, que tornem possível a realização de diferentes tipos de leitura, quer numa vertente informativa, quer numa vertente lúdica; ao fomentar uma abordagem transversal do ensino e da aprendizagem da língua portuguesa, envolvendo a área curricular disciplinar de Língua Portuguesa e as restantes áreas curriculares, disciplinares e não disciplinares, e ao contribuir para expandir o universo de leitura dos nossos alunos, pondo-os em contacto com toda a diversidade de textos que circula numa sociedade de informação como a nossa.
Mostrar mais

596 Ler mais

O ensino/estudo do léxico nas aulas de língua portuguesa no ensino médio

O ensino/estudo do léxico nas aulas de língua portuguesa no ensino médio

Observamos nesses planos e nas aulas pensadas pela professora que ela não tem como foco o estudo da sintaxe, porém isso não significa que durante o evento da aula o estudo da sintaxe não seja contemplado. O que afirmamos é que os dados (planos) nos mostram que a professora não centra suas aulas somente no estudo da sintaxe. Percebemos também que o ponto de partida de sua aula é o texto e as metodologias são a leitura e a análise do conto ‘Um capricho’. Isso está de acordo com Geraldi (1997), que defende que o texto deve ser o ponto de partida e de chegada para o estudo da língua portuguesa. Porém, não fica claro se a professora contempla o estudo/ensino do léxico, pois, nos planos, ela não faz referência explícita de um estudo lexical. Não obstante a situação registrada, fica subentendido que esse trabalho poderá ser realizado na quarta e quinta aula, pois, nas expectativas de aprendizagem, a professora lista que tem a intenção de “refletir sobre a variação linguística nos gêneros em estudo”. Sabemos que, para que haja uma boa reflexão no que se refere à variação linguística, deve haver na sala de aula uma reflexão sobre o léxico da língua, bem como uma possível ampliação lexical dos usuários da língua.
Mostrar mais

17 Ler mais

O ensino do gênero canção em aulas de língua portuguesa: um estudo de educação linguística

O ensino do gênero canção em aulas de língua portuguesa: um estudo de educação linguística

Assim, a temática, sobre gênero canção como estratégia de ensino de Língua Portuguesa, é abordada por meio da metodologia investigativa do estudo de caso, a partir da análise da coleção Português: linguagens (do 6º ao 9º ano), dos autores William Roberto Cereja e Thereza Cochar Magalhães. A escolha por esses livros didáticos justifica-se com base nos dados do PNLD 2011 (Programa Nacional do Livro Didático), apontando-os como os mais adotados por escolas da rede pública. Os critérios de observação giram em torno do contexto em que o gênero canção é abordado em cada volume da coleção e das atividades propostas a partir dele. Com base nas informações obtidas, apontam-se formas de usar a canção de modo significativo para o educando; para isso, seleciona-se uma canção de cada livro e propõe-se sequências didáticas, desenvolvendo atividades contextualizadas com o conteúdo do capítulo em que o gênero canção esteja inserido.
Mostrar mais

106 Ler mais

A África está em nós: contos africanos de Angola e Moçambique em Língua Portuguesa para o ensino de base intercultural

A África está em nós: contos africanos de Angola e Moçambique em Língua Portuguesa para o ensino de base intercultural

O objetivo geral desta pesquisa consiste em investigar, no âmbito da interculturalidade, a leitura de contos africanos de Angola e Moçambique em Língua Portuguesa nas séries finais do Ensino Fundamental da Educação Básica, para a promoção do ensino intercultural previsto nas Leis nº 10.639/03 e 11.645/08. Quanto à estrutura, a pesquisa compõe-se de quatro capítulos. Nesse percurso metodológico, iniciamos objetivamente pelo levantamento documental acerca da legislação vigente que regulamenta a inserção da cultura africana no cotidiano escolar da Educação Básica, seguido da análise da bibliografia referente às práticas, processos e expressões socioculturais. Após observação do espaço da sala de aula de ambas as instituições de ensino e intervenção direta na proposta de leitura dos três contos africanos de Língua Portuguesa, quais sejam, um conto de Angola e dois de Moçambique, foi realizado o exame de dados a partir da análise dos questionários aplicados e o retorno dos sujeitos envolvidos na pesquisa. O levantamento de dados foi realizado por meio de questionários, nos quais investigamos o perfil social dos sujeitos da pesquisa e o hábito de leitura dentro e fora da escola. Os dados gerados pelas questões objetivas foram tratados com estatística simples. Quanto às questões subjetivas – referentes às relações de sentido elaboradas pelos discentes –, foram analisadas e descritas a partir das opiniões enunciadas, buscando alcançar o objetivo principal. Concluímos, assim, que se abrem novas perspectivas de pesquisa sobre as principais nuances que norteiam o estudo acerca do ensino de base intercultural face às práticas e projetos vinculados à legislação vigente, especificamente àquelas referentes à Educação Básica que garantem a formação intercultural isenta de estereótipos.
Mostrar mais

147 Ler mais

A FORMAÇÃO DE CONCEITOS DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO EXPERIMENTAL

A FORMAÇÃO DE CONCEITOS DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO EXPERIMENTAL

Em relação à motivação, explanamos no primeiro contato com os alunos a importância da pesquisa para nós, e como a participação do aluno e da professora regente se tornaria essencial. Explicamos ainda sobre a importância da autorização dos pais para a participação deles no experimento. Como vinte e quatro, dos trinta alunos, trouxeram o Termo de Consentimento (ANEXO VI) assinado no dia seguinte, percebemos a ansiedade por parte dos alunos e dos pais para o início do trabalho, e essa motivação se manteve durante as nove aulas, pois notamos que, em nenhum momento, houve demora na resolução das tarefas ou mesmo desânimo na participação nas aulas. Acreditamos que essa participação se deu devido à explicação que a pesquisadora deu aos alunos sobre a importância de compreendermos os textos na vida de cada um, o que favoreceu a participação na atividade de estudo. Notamos esse aspecto na resposta dos alunos – feita após as nove aulas – quando perguntamos se eles tinham gostado de participar das atividades no experimento e por quê? A maioria respondeu que tinha gostado porque gostava de aprender “coisas novas” e que os textos configuravam uma forma de comunicação entre as pessoas, além de reconhecerem que se comunicar com outros era importante para a vida deles.
Mostrar mais

112 Ler mais

Plataforma INTACT Estudo de caso no ensino da língua portuguesa em cursos profissionais

Plataforma INTACT Estudo de caso no ensino da língua portuguesa em cursos profissionais

Ferrés, citado por Gonçalves (2010), define as modalidades de utilização didática do vídeo como: vídeo-lição; vídeo-apoio, vídeo-processo, programa motivador, programa monoconcetual e vídeo interativo / programa interativo. A utilização didática do vídeo- lição destina-se a desenvolver as funções informativa e de investigação, pois age como transmissor de informação. A utilização didática do vídeo-apoio destina-se a desenvolver a função expressiva, destina-se a complementar o discurso do formador com recurso a imagens dinâmicas. A utilização didática do programa motivador destina-se a desenvolver as funções motivadora e de animação, podendo ser utilizado para introduzir uma temática ou para estimular a participação do formando. No caso do presente estudo de caso, o vídeo (figura 26) foi introduzido para explorar esta temática, tendo por objetivo motivar o formando para o conteúdo criado com a ferramenta eXe (figura 24), sobre relações semânticas. A utilização didática do programa monoconcetual destina-se a desenvolver a função expressiva e atua como um complemento à sessão. A utilização didática do vídeo interativo / programa interativo destina-se a desenvolver as funções de investigação, associado o vídeo ou a imagem a uma dinâmica interativa que permite ao formando construir conhecimento através da exploração de diversos recursos interligados. Esta utilização foi explorada recorrendo à criação de uma página web, na plataforma Wix. Os conteúdos que a plataforma permite integrar são: vídeos, Quick Time Virtual Reality (QTVR), flash, ou combinações entre eles, entre muitos outros. Para este estudo de caso foram criados de raiz conteúdos utilizando a plataforma Wix, para criar uma página web sobre pintura (figura 23) a ferramenta educativa open source eXe para criar um conjunto de exercícios sobre relações semânticas dentro do léxico português (figura 24) e o programa Microsoft PowerPoint, do sistema operativo Windows, para criar apresentações para introdução de tópicos (figura 25).
Mostrar mais

93 Ler mais

A contribuição da sociolinguística para ao ensino de língua portuguesa

A contribuição da sociolinguística para ao ensino de língua portuguesa

Resumo: O presente estudo delimita-se a apresentar reflexões sobre a importância da sociolinguística para contribuição para o ensino da língua portuguesa. O objetivo geral é a análise das reflexões sobre o tema e fundamentar sua importância e contribuição para língua portuguesa. Os objetivos específicos remetem a concepção da língua portuguesa, identificação de um caminho mais produtivo na aresta portuguesa de ensino, sua importância e a análise do professor de língua portuguesa. Justifica-se pela relevância do estudo na necessidade de responder como a sociolinguística é benéfica ou não á educação, especificamente na disciplina de língua portuguesa. Esta pesquisa bibliográfica teve como aporte autores como Lima e Mioto (2007). Durante os levantamentos o estudo foi colaborado com trabalhos de Bagno (2003; 2007), Bortoni-Ricardo (2005; 2009; 2011), Lobov (1969; 1972) e outros autores. Conclui-se que é importante que os professores de uma forma geral tenham maior acesso aos conhecimentos fornecidos pela abordagem sociolingüística do ensino da língua materna, de modo a possibilitar aos seus alunos uma aprendizagem mais efetiva da língua padrão falada e escrita, sem desvalorizar ou negar sua linguagem espontânea. Essa visão se justifica uma vez que a linguagem constitui um dos mais poderosos instrumentos de ação e transformação social, sendo a aquisição da norma- padrão fundamental para o exercício da cidadania.
Mostrar mais

7 Ler mais

Ensino de língua portuguesa : desafios e encantamentos

Ensino de língua portuguesa : desafios e encantamentos

Creio que o estudo da Língua Portuguesa, no seu enfoque mais formal e gramaticalmente correto, auxiliou-me a ter uma visão mais ampla e abrangente dos mais variados tipos de texto, facilitando na interpretação e melhor entendimento dos mesmos. Além disso, o estudo da língua faz com que se abra um leque de opções para a escrita de redações, tanto na estruturação do texto, quanto na utilização correta das palavras, além de uma melhor argumentação dos temas, embasada na leitura de diversos livros e na utilização de uma linguagem mais culta. Por este amor às letras, ao universo das palavras e às aulas da professora Cristina, decidi cursas Letras na Universidade. Creio que o enfoque que terei em um curso superior abrirá grandes caminhos na minha jornada profissional e cultural. Além disso, creio que a minha dedicação pelo Português fará com que os grandes conceitos da escrita sejam simplificados no grande amor que eu tenho pela palavra.
Mostrar mais

96 Ler mais

O ensino da língua portuguesa e o uso das tecnologias

O ensino da língua portuguesa e o uso das tecnologias

A relação das áreas do conhecimento declaradas pelas pesquisas denota que essas 10 (dez) áreas, salvo melhor juízo, podem ser agrupadas em apenas 3 (três) áreas principais, quais sejam: Língua Portuguesa (que agruparia as áreas de Ciências Humanas Comunicação Linguística Letras e Artes, a área de Letras Língua Portuguesa e a área de Língua Portuguesa propriamente dita); a segunda área abrangente seria a área de Educação (que agruparia Currículo Ensino-Aprendizagem Tópicos Específicos de Educação, Educação Permanente Ensino-Aprendizagem, Ensino-Aprendizagem Língua Portuguesa, Ensino-Aprendizagem Tecnologia Educacional e Educação propriamente dita); e a terceira área principal seria a de Linguística Aplicada (que agruparia Linguística e Linguística Aplicada propriamente dita). Esse entendimento não altera significativamente o resultado quantitativo anteriormente apurado, mas serve para ratificar a relevância dessas 3 (três) áreas para as pesquisas em estudo.
Mostrar mais

16 Ler mais

Oportunidades do ensino de língua portuguesa em São Paulo

Oportunidades do ensino de língua portuguesa em São Paulo

Este trabalho analisa as oportunidades educacionais ofertadas por meio do ensino de Língua Portuguesa no 3º ano dos anos iniciais do fundamental e final do ciclo de alfabetização em uma escola da rede privada de ensino do município de São Paulo, no bairro dos Jardins, considerado um território de baixa vulnerabilidade social, cotejando a análise com estudo feito em escola de território de alta vulnerabilidade, no mesmo município, com os mesmos referenciais teóricos e metodológicos. A metodologia utilizada foi a pesquisa qualitativa com base em entrevista e protocolo de observação. Nesta pesquisa foi possível observar que na escola-campo, de baixa vulnerabilidade social, há uma boa gestão do tempo de sala de aula, com as aulas observadas mantendo uma adequada estrutura organizacional, com abertura, desenvolvimento e conclusão, conforme indica a literatura. Há um intenso trabalho de produção de escrita por meio da realização de sequências didáticas, atividades relativas à leitura, padrões da escrita e gêneros discursivos quando cotejado com estudo similar realizado em escola de território de alta vulnerabilidade indicando situação diversa na escola dessa localidade, sobretudo no que tange ao ensino da escrita. Esta pesquisa traz indícios de fatores internos à escola que podem estar fazendo diferença entre escolas de diferentes territórios, com vantagens para a escola de contexto mais favorável, indicando que, por meio do ensino, é possível ampliar ou reduzir a desigualdade escolar.
Mostrar mais

24 Ler mais

Letramento e argumentação no ensino de língua portuguesa

Letramento e argumentação no ensino de língua portuguesa

Ribeiro (2015) assumiu o debate regrado como um gênero discursivo oral e estabeleceu como objetivo desenvolver a argumentação dos estudantes e, ao mesmo tempo, o letramento literário. Embora tenha assumido como referência as orientações de Dolz, Schneuwly e Pietro (2004), implementou adaptações consideradas necessárias para que o estudo da argumentação oral acontecesse de modo sistematizado, estimulasse a localização de lugares discursivos que pudessem favorecer a constituição de argumentos direcionados à defesa de um ponto de vista e a discussão das questões retóricas a serem discutidas em grupos. Nesse sentido, o debate tornou-se o meio para o desenvolvimento de competências argumentativas, visto que, na sondagem, os estudantes demonstraram saber fundamentar suas opiniões apenas a partir de ilustrações, selecionar de maneira limitada as informações pertinentes à temática em discussão e pouca desenvoltura na sustentação e negociação das ideias.
Mostrar mais

18 Ler mais

CLÍTICOS ACUSATIVOS E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

CLÍTICOS ACUSATIVOS E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Analisou-se a 37.ª edição de abril de 2009 da “Moderna Gramática Portuguesa”, de Evanildo Bechara. Essa edição é vista como praticamente uma obra nova, comparando-a com as edições anteriores, considerando que o autor busca uma renovação da tradição da gramática. Essa gramática está dividida da seguinte forma: apresenta uma breve história da língua portuguesa, da teoria gramatical. Em seguida, trata da linguagem e das suas dimensões universais, a norma a fala e o tipo linguístico, âmbitos de estudo da gramática. Posteriormente é dividida nos sistemas da língua e na explicação de cada classe gramatical, desde a fonética e fonologia à sintaxe, pontuação, noções de estilística e noções de versificação. O autor divide a seção de morfologia em classes gramaticais e, dentro delas, encontra-se a unidade dos pronomes, classificação de cada tipo de pronome e seus empregos. Nessa unidade dos pronomes, encontram-se os pronomes pessoais do caso reto e do caso oblíquo.
Mostrar mais

20 Ler mais

PRÁTICAS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA COM AS TDICS

PRÁTICAS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA COM AS TDICS

RESUMO:O objetivo desta pesquisa foi investigar o processo pedagógico que envolvia as práticas das professoras de Língua Portuguesa (doravante LP), especificamente, como elas utilizavam as novas Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (doravante TDICs) no ensino-aprendizagem de LP, nos anos finais do Ensino Fundamental. Realizamos um estudo qualitativo no qual observamos as aulas de três professoras de LP pertencentes a redes de ensino diferentes: federal, estadual e privada. Estabelecemos categorias de análise, que emergiram da observação da práxis das professoras. Em seu marco teórico, a presente pesquisa se inscreve nos estudos sobre transposição didática, transposição informática, multiletramentos e letramento digital, assumindo como perspectiva teórica a linguagem em sua natureza social e dialógica, produzida como ação humana. Constatamos que as três professoras possuíam práticas diferenciadas no que concerne ao uso das TDICs. Os resultados sinalizaram para a falta ou carência na formação de algumas professoras para a utilização da tecnologia digital como meio de aprendizagem e revelaram a sua utilização como fator motivacional na maior parte das aulas de LP. Acreditamos que há necessidade de a instituição escolar modificar seus currículos de LP e assumir, em seu projeto político-pedagógico, as TDICs na qualidade de elementos estruturantes de novos processos educativos.
Mostrar mais

17 Ler mais

REDES ENUNCIATIVAS NO ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA

REDES ENUNCIATIVAS NO ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA

O conceito de rede enunciativa tem sido desenvolvido no âmbito do Grupo de Estudos da Enunciação da UFMG nos últimos anos, e tem como ponto de partida o texto de Dias (2006), no qual criticamos a prática da exemplificação na escola efetuada por meio de exemplos isolados no estudo dos conhecimentos linguísticos. Nomeamos ‘exemplo- ilha’ esse tipo de exemplo. Propomos então trabalhar com o conceito de ‘exemplo-colmeia’ como metáfora para se conceber uma integração de diversas ocorrências da língua, no sen- tido de apoiar conceitos apresentados didaticamente aos alunos.
Mostrar mais

16 Ler mais

Para uma didáctica mais eficiente da língua portuguesa em Moçambique: como ensinar a língua portuguesa a jovens e adultos do curso nocturno da Escola Secundária da Maxaquene - Maputo

Para uma didáctica mais eficiente da língua portuguesa em Moçambique: como ensinar a língua portuguesa a jovens e adultos do curso nocturno da Escola Secundária da Maxaquene - Maputo

Como resultados dessas experiências, constata-se que houve ganhos na área da alfabetização e educação de adultos, a saber: a taxa de analfabetismo passou de 61,3% para cerca de 25%, segundo o censo de 2000. Na faixa etária dos 15 a 35 anos, grupo prioritário de intervenção, a taxa de analfabetismo é de 7,6%, estando a maior parte dos analfabetos na faixa etária dos 49 e mais anos, isso resultado do analfabetismo de retorno, hoje o objectivo da alfabetização e educação de adultos e a universalização da educação de base de jovens e adultos equivalente a 6 anos de escolaridade obrigatória e não a simples alfabetização, articulação da formação geral (académica) com a formação de base através de micro-projectos, com vista a integração dos educandos no tecido socio-económico do país; integração das actividades de alfabetização e educação de adultos no contexto do desenvolvimento local e comunitário, edição mensal de um jornal “Alfa” virado para a formação dos alfabetizados, grande capacidade descentralizadora com centros concelhios de alfabetização e de educação de adultos em todos os concelhos e com grande autonomia; experiências em vários concelhos do país a nível de tronco comum, (7º e 8º anos de escolaridade) para adultos que terminaram a 3ª fase com vista a que, num futuro próximo, se possa adaptar a proposta curricular de adultos às novas exigências quer do mercado quer dos intervenientes directos no processo educativo, utilização de metodologias de ensino à distância, que articula aulas radiofónicas, materiais didácticos próprios e sessões presenciais de tutória, para cursos de formação ocupacional, formação de professores e de animadores, e outros. 67
Mostrar mais

291 Ler mais

Show all 10000 documents...