Ludicidade no dia dos professores

Top PDF Ludicidade no dia dos professores:

AS QUATRO OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA APRENDIDA NA ESCOLA E SUA APLICAÇÃO NO DIA A DIA E A LUDICIDADE

AS QUATRO OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA APRENDIDA NA ESCOLA E SUA APLICAÇÃO NO DIA A DIA E A LUDICIDADE

Outra forma de obter a assimilação do conteúdo acima citado é com relação aos jogos, visto que o jogo é um dos instrumentos mediadores para promover a aprendizagem, porém muitos professores evitam o uso dos jogos na classe, pois temem que os alunos fiquem muito agitados e barulhentos, ou destinam os jogos para momentos esporádicos, como quando falta uma parte da turma, em dias chuvosos, final de atividade ou semana da criança, no entanto os jogos constituem uma forma interessante de propor problemas, permitindo que estes sejam apresentados de modo atrativo, favorecendo a criatividade na elaboração de estratégias de resolução e busca de soluções.
Mostrar mais

13 Ler mais

Palavras-chave: Letramento, Ludicidade, Aprendizagem, Formação de professores

Palavras-chave: Letramento, Ludicidade, Aprendizagem, Formação de professores

As mudanças ocorridas no cotidiano infantil nos dias atuais diminuem as possibilidades de lazer e descanso das crianças e consequentemente o tempo e espaço para leituras e brincadeiras. O Projeto Biblioteca para a Primeira Infância do Instituto Brasil Leitor em consonância com o artigo 31 da Convenção dos Direitos da Criança que reconhece o direito da criança ao descanso, lazer, e participação na vida cultural tem como objetivo propiciar um espaço em que a criança, desde os primeiros meses de vida, possa aprender a ouvir, interagir, pensar, investigar, comunicar-se e explorar o mundo ao seu redor a partir das vivências ocorridas no âmbito da leitura e do lúdico. Dessa forma, este projeto é pautado em dois conceitos: a associação do ler com o brincar e a leitura de mundo da criança pré-existente à palavra escrita. Leitura de mundo, aqui, implica a vivência do dia a dia do sujeito e as relações sociais que se estabelecem no seu contexto cultural, fator importante para o desenvolvimento das práticas sociais de leitura.
Mostrar mais

6 Ler mais

Professores de educação infantil: ludicidade, história de vida e formação incial

Professores de educação infantil: ludicidade, história de vida e formação incial

Gostei muito da entrevista, quero agradecer, fico feliz em você ter me convidado pra participar, gostei muito acho isso importante, porque toda essa preocupação com a EI, porque no dia-a-dia, até mesmo com colegas, professoras, coordenadoras, há muita queixa, não sei se você, como profissional já viu, que acham a EI assim (gesto de insignificância com as mãos e cabeça) que não tem nenhum valor. E a gente ainda resgata. Gente, ainda tem que ter investimento com educação infantil! ( e como se tivesse conclamando as colegas para o ânimo e revelando a resposta delas) Ah! EI, humm (imitando as pessoas novamente fazendo expressão de coisa pequena, sem importância). E se você observar, se for fazer uma pesquisa em bairros populares, vai ser difícil encontrar uma escola da Rede Municipal que ofereça EI. A maior parte só oferece vagas para 5 anos em diante... E a EI, está aonde? Quem é da classe popular, aquela pessoa que não tem condições de pagar uma determinada mensalidade, aquele valor, essas crianças vão ficar como, quer dizer, vai ter que esperar completar seis anos de idade pra ter que entrar no Ensino Fundamental sem passar na EI? Acho que a gente vai ter que rever, acho que a sociedade, nós educadores temos que ta indo em busca disso, porque a gente tem profissional no mercado, a gente tem Universidade, tem faculdade, a gente tem pesquisa (com ênfase) Então, ta faltando mobilização, a gente tem que arregaçar as mangas e ir atrás e ta faltando isso, isso me preocupa! (Mar – Entrevista)
Mostrar mais

209 Ler mais

Percepção de professores sobre a importância da ludicidade no processo de ensino-aprendizagem

Percepção de professores sobre a importância da ludicidade no processo de ensino-aprendizagem

Sabe-se que a ludicidade é um instrumento facilitador no processo de ensino e aprendizagem. Nesse sentido, defendemos que os educadores devem estar em processo contínuo de aprendizagem, buscando diversificar suas práticas docentes. Neste artigo objetivamos refletir sobre a percepção de professores que lecionam no Ensino Fundamental quanto ao trabalho com o lúdico, no contexto escolar. De natureza qualitativa analítica, os dados gerados são respostas de 11 professores que lecionam em uma Escola Municipal de Ensino Fundamental, localizada no município de Campina Grande-PB, sobre o conhecimento lúdico e se as ações docentes realizadas em sala de aula, destacando se o lúdico contribui ou não, no dia a dia, para o desenvolvimento dos alunos. Para tanto, tomamos como pressupostos teórico-metodológicos as contribuições de Almeida (2015), Bezerra (2016) e Silva (2009). A análise demonstra que os professores têm uma percepção aguçada sobre a importância da ludicidade no processo de ensino e aprendizagem e que os jogos utilizados em sala de aula são de caráter mais educativos, porém, ainda não concebem outros procedimentos lúdicos como estratégias de apropriação de conhecimentos.
Mostrar mais

27 Ler mais

LUDICIDADE E IMAGINÁRIO ... 
... SUAS DIVERSAS POSSIBILIDADES DE INTERLOCUÇÃO
PARA REPENSAR A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

LUDICIDADE E IMAGINÁRIO ... ... SUAS DIVERSAS POSSIBILIDADES DE INTERLOCUÇÃO PARA REPENSAR A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

“Jogando, defrontamo-nos com uma situação de prova e esta pede uma organização de nossos meios pessoais. Mesmo no caso de retomar hoje o mesmo jogo de ontem, não estaria assegurado que atue da mesma forma. Avalio-me então por comparação a ontem e amanhã. Posso também jogar imaginando diferentes personagens que estão latentes em mim; engajo minhas possibilidades na formulação dos meus diversos desejos de tornar-me uma pessoa diferente. Por outro lado, posso também me colocar face a certos obstáculos: serei eu capaz de subir, de saltar, de evitar tal coisa? Então, tudo o que e objeto a minha volta torna-se um parceiro de jogo, permitindo muitas vezes uma confrontação comigo mesmo. (...) Por detrás do jogo projeta-se sempre uma idéia: será que me divirto, ou me aborreço? De fato, o único fracasso do jogo, e nos brinquedos, é de não se divertir e de ter que para-lo. Sendo o jogo, e os brinquedos, um convite ao divertimento (a única condição permanente que existe no jogo), no dia em que o jogo já não der mais alegria, não será mais um jogo. (DINELLO, 1994. p. 25)
Mostrar mais

178 Ler mais

A CONCEPÇÃO DA LUDICIDADE NA BNCC: DISCURSOS E PRÁTICAS DE PROFESSORES DA PRÉ-ESCOLA

A CONCEPÇÃO DA LUDICIDADE NA BNCC: DISCURSOS E PRÁTICAS DE PROFESSORES DA PRÉ-ESCOLA

Toda criança que participa de atividades lúdicas, adquire novos conhecimentos e desenvolve habilidades de forma natural e agradável, que gera um forte interesse em aprender e garante o prazer. Na educação infantil, por meio das atividades lúdicas a criança brinca, joga e se diverte. Ela também age, sente, pensa, aprende e se desenvolve. As atividades lúdicas podem ser consideradas, tarefas do dia a dia na educação infantil. O jogo ao ocorrer em situações sem pressão, em atmosfera de familiaridade, segurança emocional e ausência de tensão ou perigo proporciona condições para aprendizagem das normas sociais em situações de menor risco. A conduta lúdica oferece oportunidades para experimentar comportamento que, em situações normais, jamais seriam tentados pelo medo do erro ou punição (KISHIMOTO, 2003, p. 140).
Mostrar mais

12 Ler mais

LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DO DISTRITO DE SÃO DOMINGOS

LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DO DISTRITO DE SÃO DOMINGOS

Matheus da Silva Santos 1 RESUMO: O presente estudo buscou traçar um olhar reflexivo sobre a importância da ludicidade na educação infantil e a forma como a educação física integra-se a educação infantil através do ato lúdico, o que facilita a prática do professor em repassar o conhecimento através da brincadeira. O objetivo geral foi investigar a relação da brincadeira e a educação infantil no processo de aprendizagem a partir da perspectiva docente. Para a fundamentação teórica, contamos com a colaboração dos seguintes autores: Vygotsky (1998); Benjamin (1984); BRASIL (1998); RCNE entre outros. Dessa forma analisamos a brincadeira dentro da educação infantil sobre o olhar dos professores que atuam na primeira etapa da educação básica. A metodologia do estudo tratou-se de uma abordagem qualitativa, uma vez que se pretendeu conhecer a realidade das práticas dos professores da área da educação infantil de São Domingos, distrito da cidade de Caridade. O estudo demonstrou que os (n=8) professores concordam que a brincadeira é fundamental para o conhecimento das crianças, e que a utilização de várias brincadeiras feitas por eles facilita o conhecimento, também concordam que a ludicidade é um dos pilares da educação infantil e que suas práticas pedagógicas giram em torno da mesma, proporcionando as crianças um aprendizado simples, eficaz e principalmente alegre. Dessa forma compreendemos que é preciso que o educador tenha conhecimento sobre a utilização das brincadeiras como uma prática docente de seu dia a dia, e que suas ações possam objetivar, realmente suas práticas através da ludicidade. Palavras-chave: Brincadeira, Ludicidade, Educação Infantil, Ensino- Aprendizagem.
Mostrar mais

23 Ler mais

Se der a gente brinca: crenças de professores sobre ludicidade e atividades lúdicas

Se der a gente brinca: crenças de professores sobre ludicidade e atividades lúdicas

Para comemorar o Dia do Estudante, na Escola Aquarela, no turno matutino, a direção escolheu dois filmes para serem projetados. O escolhido pela direção para as turmas que pesquisei foi Dumbo. Assim, ele foi passado em dois horários, dividindo os alunos por séries. Foi interessante notar que, no início da projeção, algumas crianças conversavam, mas estavam atentas e, entre mais ou menos sessenta alunos, somente um disse já haver assistido a esse filme. Foram as professoras presentes, com exceção de Mariazinha, no entanto, que mais conversavam. Chegando perto do horário do término das aulas, mas também de encerrar a atividade, a “turma de trás” começou a fazer barulho, estimulados pelos pais, que se encontravam no portão, apressando os filhos para irem embora. Antes de encerrar o filme, a direção distribuiu balas e pirulitos para os alunos e liberou os que queriam ir. Alguns alunos ficaram com Mariazinha até o final. Com esse fato percebi que pela carência das crianças que freqüentam as escolas públicas, não é difícil proporcionar-lhes experiências novas, mas o que realmente falta é que elas sejam valorizadas e incorporadas ao papel educativo dos/das professores/as, de forma a participarem mais efetivamente, criando um espaço adequado e desenvolvendo nas crianças o prazer de as vivenciarem. Se as atitudes das professoras, porém, frente às crianças, não demonstram essa valorização, como esperar que elas criem uma imagem positiva dessas atividades?
Mostrar mais

251 Ler mais

Um olhar na ludicidade infantil

Um olhar na ludicidade infantil

Além de compreender a criança como sujeito integral, o professor precisa conhecer cada criança, saber lidar com os seus limites para que possa desenvolver uma consciência da necessidade de mediação, em que as ações superem as atividades, ao mesmo tempo que necessita humanizar os espaços e sua vivencias infantis, assegurando um dia-a-dia interessante, bonito e gostoso de viver. Educar crianças é uma tarefa exigente, demorada e requer uma eficiente formação dos professores, pois não necessariamente o motivo deveria ser pela quantidade de tempo que os mesmos passam com a criança, mas também por alimentar uma atitude de curiosidade pelo mundo por meio do envolvimento com a própria formação cultural. (SALOMÃO, MARTINI e JORDÃO, 2007)
Mostrar mais

31 Ler mais

A LUDICIDADE NA EDUCACAO - IBPEX_DIGITAL.pdf

A LUDICIDADE NA EDUCACAO - IBPEX_DIGITAL.pdf

A disciplina, termo que resiste a uma rigidez no comportamen- to, embora os valores tenham se modificado, é um dos elementos que mais diferenciam os educandos na sala de aula. Acho interessante, para não dizer decepcionante, quando ouço algum professor ou professora declarar tranquilamente que está satisfeito porque em dado dia o aluno, que vou chamar de Juca, não compareceu à aula. Além disso, a profes- sora ainda afirma abertamente que nesse dia ela conseguiu desenvolver os conteúdos com maior qualidade, tranquilidade e diz em termos dis- tintos que se sentiu competente. O professor desabafa seus sentimentos em relação ao aluno sem nenhuma culpa, termo que não costumo uti- lizar, pois acredito que as pessoas têm responsabilidade sobre os con- textos nos quais estão inseridos, mas que no momento interpreto como pertinente. É desestimulador quando vejo tal cena, comum na sala de professores, em diálogos que mais parecem terapias de grupo, sem que- rer reduzir tal técnica a um falatório inconsistente. É desanimador! Não apenas pelo desabafo do professor, cujas razões eu compreendo, já que a educação atualmente está desvalorizada por falta de vontade política. Lamento também pelo educando, que procura encontrar um espaço de integração e formação na escola, mesmo que inconscientemente.
Mostrar mais

249 Ler mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA LUDICIDADE ELABORADA POR PROFESSORES

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA LUDICIDADE ELABORADA POR PROFESSORES

O presente estudo teve como objetivo principal identificar o núcleo central das representações sociais da ludicidade construídas por professores das creches, da educação infantil e do ensino fundamental ligado à rede pública e privada do município de Coremas/PB. A teoria das representações sociais serviu como aporte teórico e metodológico, tendo como referencial teórico Serge Moscovici e Denise Jodelet e Abric. A amostra desta pesquisa foi formada por 64 docentes com idades de 18 e 54 anos, a maioria do sexo feminino (86%) e 26% possuem pós-graduação. Os integrantes da amostra responderam a um questionário sócio demográfico e à técnica de associação livre de palavras, cujos estímulos indutores foram “ludicidade”, “educação infantil”, “como poder trabalhado a ludicidade em sala de aula”. Os dados provenientes da associação livre foram processados e analisados por dois softwares Tri-Deux-Mots e IRAMUTEQ. Os resultados obtidos evidenciaram que as representações sociais elaboradas pelos professores ancoraram a “ludicidade” como: «ensinar, diversão, brinquedos, jogos e alegria», a “educação infantil” como: «descobertas, alegria, socialização, conhecimento» e o estímulo no seu cotidiano como trabalha a ludicidade em sala de aula como: «carinho, abraço, dinâmica, lúdico». Diante da riqueza de significados existentes acerca da ludicidade, essas representações resultam e refletem as experiências e características do grupo pesquisado. Vale ressaltar que a importância da ludicidade deve ser mais bem compreendida pelos professores, pois estes profissionais são os mediadores entre a criança e o brinquedo, brincadeira ou jogos, e que quando a ludicidade é usada pedagogicamente, ela tem um valor ainda maior na aprendizagem das crianças.
Mostrar mais

23 Ler mais

O sentido da ludicidade por professores na educação infantil.

O sentido da ludicidade por professores na educação infantil.

Este estudo sobre “O Sentido da Ludicidade por Professores na Educação Infantil, foi realizado na cidade de Ipaumirim– CE teve como objetivo geral: Apreender e analisar o sentido do lúdico para professores na Educação Infantil; e objetivos específicos: Identificar se os professores consideram o lúdico como um relevante recurso didático para o processo de ensino e aprendizagem das crianças; Conhecer a frequência de atividades lúdicas na prática pedagógica; Verificar se os professores participantes da pesquisa vivenciaram a ludicidade na sua vida escolar. Esse tema foi escolhido devido a sua importância no processo de Educação Infantil, já que aprofundar a discussão sobre essa temática é de extrema necessidade para a prática docente dentro da sala de aula. A fundamentação desse trabalho teve como base teórica a contribuição de vários autores, entre eles: Almeida (1995). Borba (2006); Chizzotti (2003); Fortuna (2004); Freire (2001); Garanhani (2010); Lopes (2006); Maranhão (2015); Rau (2011); Santos (2011); Vygotsky (1991). Esse estudo teve como procedimento metodológico uma pesquisa bibliográfica e de campo. Posteriormente para a coleta de dados foi aplicada como instrumento um questionário composto por oito questões relacionadas à temática. Participaram da pesquisa 18 professoras de três creches do município de Ipaumirim- CE. Pode-se concluir que a Educação Infantil requer dos professores novos olhares, os resultados da pesquisa mostram o quanto o lúdico contribui para o processo do desenvolvimento do ensino-aprendizagem, além de atender as necessidades das crianças. Diante disso, inserir dentro da sala de aula metodologias que possam facilitar e melhorar a qualidade da aprendizagem dos alunos por meio de atividades lúdicas, só tem em engrandecer o andamento do processo de desenvolvimento da criança bem como torna a busca pelo conhecimento um momento prazeroso.
Mostrar mais

60 Ler mais

Representações sociais acerca da ludicidade por professores

Representações sociais acerca da ludicidade por professores

O presente estudo apreendeu as representações sociais acerca da ludicidade entre professores da creche, da Educação Infantil e do Ensino Fundamental do município paraibano de Coremas. A teoria das representações sociais serviu como aporte teórico e metodológico, tendo como referencial teórico Serge Moscovici e Denise Jodelet. A amostra desta pesquisa foi não-probabilística e de conveniência, formada por 64 professores docentes com idades de 18 e 54 anos, a maioria do sexo feminino (86%) e 26% possuem pós-graduação. Os integrantes da amostra responderam a um questionário sócio demográfico e à técnica de associação livre de palavras, cujo estímulos indutores foram “ludicidade”, “educação infantil”, e “no seu cotidiano como trabalha a ludicidade em sala de aula?”. Os dados provenientes da associação livre foram processados e analisados pelo software Tri-Deux-Mots, por meio da análise fatorial de correspondência. Os resultados obtidos evidenciaram que as representações sociais elaboradas pelos professores ancoraram a ludicidade como sinônimo: «ensinar, diversão, brinquedos, jogos e alegria», a educação infantil como sinônimo: << descobertas, alegria, socialização, conhecimento>>, e o estímulo no seu cotidiano como trabalha a ludicidade em sala de aula como sinônimo: <<carinho, abraço, dinâmica, lúdico>> Diante da riqueza de significados existentes acerca da ludicidade, essas representações resultam e refletem as experiências e características do grupo pesquisado. Vale ressaltar que a importância da ludicidade deve ser mais bem compreendida pelos professores, pois estes profissionais são os mediadores entre a criança e o brinquedo, brincadeira ou jogos, e que quando a ludicidade é usada pedagogicamente, ela tem um valor ainda maior na aprendizagem das crianças.
Mostrar mais

42 Ler mais

Baú de memórias: representações de ludicidade de professores de educação infantil

Baú de memórias: representações de ludicidade de professores de educação infantil

Esta pesquisa se insere no campo epistemológico de didática e prática pedagógica, tendo como objeto de estudo as representações de ludicidade dos professores de Educação Infantil de uma escola da rede municipal de Jequié/BA. A investigação teve por objetivos: descrever os significados do lúdico a partir das memórias desses professores, identificar de que forma o lúdico esteve presente em sua formação inicial/contínua e como vem repercutindo em suas práticas pedagógicas. Os subsídios teóricos estão baseados nos pressupostos dos autores Dewey (1967), Nóvoa (1995, 2002), Kishimoto (1999, 2007, 2008), Kramer (1996, 2005), Formosinho (2007), Brougère (1998, 2004), Benjamin (1984, 1994), Huinziga (2004), Luckesi (2000, 2007) e outros, que se dedicam ao estudo da formação do professor da educação infantil sob variados enfoques. A metodologia esteve centrada no estudo de caso, e os procedimentos de pesquisa foram: observação, entrevistas, análise de documentos e escritos autobiográficos. Na tentativa de responder à nossa problemática, nos valemos de três questões norteadoras: quem sabe e de onde sabe? o quê e como sabe? sobre o que sabe e com que efeitos? O referencial teórico/metodológico selecionado para a condução da pesquisa e análise dos dados foi o das Representações Sociais e a técnica de análise de conteúdo, respectivamente, tendo sido realizada uma triangulação dos dados encontrados. As representações encontradas entre os professores são diversificadas, carregadas de uma concepção de ludicidade, ora romântica, ora cognitivista, ou sociocultural, frutos de uma construção histórica, eivada de representações culturais, sociais e políticas. Esperamos que esse trabalho contribua para uma ressignificação do papel da ludicidade no processo de aprendizagem na educação infantil.
Mostrar mais

170 Ler mais

Comemorar ou não do Dia dos Professores?

Comemorar ou não do Dia dos Professores?

Professores elegem nova direção para Sismmar Confira aqui como e onde votar. Nas páginas 4 e 5 você conhece detalhes das chapas concorrentes • Urnas Fixas CAE Padre Anusz, EM Aleixo Grebos, EM Archelau de A Tor- res, EM Arnaldo Maia, EM Ayrton Senna, EM Azuréa B. Bel- noski, EM Balbina Pereira de Souza, EM Ceci Cantador, EM Delani Ap Alves, EM Egipciana SP Carrano, EM Eglé Cordei- ro M Pinto, EM Elírio A Pinto, EM Gen. A Celso, EM Ibraim A Mansur, EM Irmã Elizabeth Werka, EM João Leopoldo Jaco- mel, EM Juscelino K de Oliveira, EM Marcelino L de Andrade, EM Maria Ap S Torres, EM Nadir A Nepomuceno, EM Pedro Biscaia, EM Rosa Picheth, EM Sebastião Tavares, EM Silda Sally W Ehlke, Sismmar.
Mostrar mais

8 Ler mais

Concepções de ludicidade por professores da Educação Infantil no interior do oeste do Paraná

Concepções de ludicidade por professores da Educação Infantil no interior do oeste do Paraná

A ludicidade na Educação Infantil contribui para a socialização e desenvolvimento integral das crianças. Distinguem-se nesta etapa, duas formas de ludicidade: como recurso pedagógico permeando o fazer docente, e como componente da brincadeira de papéis, atividade-guia no desenvolvimento psíquico da criança entre 4 a 6 anos. O estudo envolveu os professores da Educação Infantil, em um município paranaense, aplicando-se um questionário para identificar suas concepções, atividades e obstáculos no uso da ludicidade. A Análise de Conteúdo revelou que a concepção docente de lúdico resume-se a jogos e brinquedos como recursos metodológicos, sem reconhecer a importância psíquica dos jogos protagonizados. Foram apontadas dificuldades como falta de materiais pedagógicos e de tempo. Destaca- se a importância da inserção da temática na formação docente inicial e continuada, contribuindo significativamente na ação pedagógica docente possibilitando à criança avançar a patamares mais elevados do desenvolvimento humano.
Mostrar mais

18 Ler mais

A ludicidade na formação de professores de matemática: Um olhar sobre teorias e práticas educativas

A ludicidade na formação de professores de matemática: Um olhar sobre teorias e práticas educativas

Já Berlak & Berlak (1981), citado por Wassermann (1990, p. 61), afirmam que o controle das atividades “[...] é partilhado pelos alunos e pelo professor.” Impor limites vai depender se o professor é flexível ou não. Nessa estratégia “jogo-análise-novo jogo” como é o professor que propõe a atividade, ele controla a seqüência dos trabalhos por meio do jogo que propôs, observando os interesses das pessoas sem impor uma regra predeterminada, que diga o que deve ser feito e o que deve ser aprendido. Numa aula em que utilize essa estratégia, o professor não corrige os alunos no momento em que eles estão dando expressão ao jogo, e nem inicia a elaboração de um trabalho remediativo. Segundo Wassermann isso causa muita ansiedade nos professores. Como deixar os alunos seguirem pensando de maneira errada, equivocada? Para aplacar essa ansiedade, os professores precisam se lembrar de que os conceitos são aprendidos por meio da experiência, e é através dela que o entendimento conceitual se processa. Dar informação para que as pessoas memorizem não significa promover aprendizagem, pois a informação não substitui a experiência e, por si só, não proporciona o entendimento e atribuição de significados. Quanto aos resultados nessa estratégia, pretende-se que o professor nos jogos de investigação observe e acompanhe seus alunos à distância. Para poder promover adequadamente a segunda fase, ele irá observar e não controlar a atividade. Ele não irá controlar a quantidade de observações que serão feitas em um determinado tempo. Entretanto, quando for para manter ou ceder para os alunos o controle sobre o tempo, as atividades e os resultados, a decisão será sempre do professor, que agirá sempre de acordo com o contexto. O contexto envolverá os acontecimentos, as atitudes, as condições, a disposição, dentre outros fatores que o influenciam.
Mostrar mais

134 Ler mais

A percepção dos professores de educação infantil em relação à contribuição da ludicidade no processo de ensino-aprendizagem

A percepção dos professores de educação infantil em relação à contribuição da ludicidade no processo de ensino-aprendizagem

O presente trabalho acadêmico tem como temática a ludicidade na Educação Infantil, ressaltando a realidade pedagógica de uma escola da rede municipal de ensino da cidade de Serafina Corrêa, RS, na percepção dos professores que atuam na Educação Infantil. Utilizou- se uma pesquisa de campo de caráter exploratório, qualitativo, bem como uma pesquisa bibliográfica, tendo como instrumento de coleta de dados a elaboração de um questionário, com questões abertas, aplicado aos professores da Escola Municipal Infantil Pedacinho de Céu, de Serafina Corrêa, RS. Verificou-se a utilização de técnicas lúdicas no decorrer da atuação docente. Entretanto, cabe mencionar que os professores apresentaram contradições entre o pensamento (teoria) e as ações vivenciadas no decorrer de sua prática pedagógica, deixando os jogos e as brincadeiras (lúdico) de fora do processo de ensino-aprendizagem, usando-os apenas em alguns momentos e de maneira limitada. A ludicidade é sugerida em muitas propostas pedagógicas da Educação Infantil, como um instrumento para o ensino de conteúdos. Mas, quando os jogos e as brincadeiras são compreendidos apenas como recursos pedagógicos, assumem um caráter instrumental, porque perdem o sentido da brincadeira e servem somente para a sistematização de conhecimentos, isto é, são usados para atingir resultados preestabelecidos. É importante ressaltar, que os educadores precisam estar atentos para o fato de que as crianças, facilmente dão preferência ao lúdico essencial. A criança brincando, terá oportunidades de desenvolver capacidades indispensáveis, como afetividade, concentração e até mesmo habilidades psicomotoras, onde serão explorados diferentes aspectos especiais, sendo eles nos jogos, nas atividades lúdicas e nas brincadeiras.
Mostrar mais

42 Ler mais

Os Ateliês Biográficos de Projeto e os processos formativos de professores: diálogos, (auto) biografia e ludicidade

Os Ateliês Biográficos de Projeto e os processos formativos de professores: diálogos, (auto) biografia e ludicidade

Dessa forma, as histórias de vida tomam um rumo importante na área de formação de professores, pois através delas as narrativas das experiências da vida pessoal ou profissional dos docentes são reveladas; também porque abrange a dimensão de projeto constitutivo da história de vida e do processo de formação. A narrativa se constitui o meio pelo qual a história de vida é reconstruída (DELORY-MOMBERGER, 2006). Para a autora, a narrativa de vida é uma “matéria instável, transitória, viva, que se recompõe sem cessar no presente do momento em que ela se anuncia” (p. 362). Essa narrativa se reconstrói e juntamente com ela, o sentido da história que se anuncia. Cabe ressaltar que, as histórias de vida, não são, portanto, a própria vida, “mas as construções narrativas que os participantes do grupo de formação elaboram, pela fala ou pela escrita, quando são convidados a contar suas vidas”. Assim, está a importância das narrativas nas histórias de vida, que não se constituem por si só. Para Souza (2006, p. 16), “a construção e o conhecimento de si propiciados pela narrativa inscreve-se como um processo de formação porque remete o sujeito numa pluralidade sincrônica e diacrônica de sua existência, frente à análise de seus percursos de vida e de formação”.
Mostrar mais

12 Ler mais

Percepção dos professores de educação física e pedagogia com relação à ludicidade no processo de ensino e aprendizagem

Percepção dos professores de educação física e pedagogia com relação à ludicidade no processo de ensino e aprendizagem

João Paulo da Silva Maciel* Resumo O objetivo do presente texto foi de analisar a percepção dos professores de Educação Física e Pedagogia com relação à ludicidade no processo de ensino e aprendizagem decrianças na educação infantil. Sendo assim esta pesquisa foi realizada por meio de um levantamento de abordagem quan- titativa e qualitativa, de campo, pelo método descritivo exploratório com delineamento de corte transversal. A amostra foi constituída de (n=12) professores de Educação Física e Pedagogia. Foi utilizado como instru- mentos um questionário sociodemográfico e um questionário estruturado elaborado pelo orientador e pesquisador, contendo alguns dados pesso- ais e informações sobre o estudo. Conclui-se que a ludicidade nas aulas da Educação da Infantil é de suma importância no desenvolvimento da criança, pois através das atividades lúdicas e recreativas aplicadas, con- segue ajudar a desenvolver o ensino e aprendizagem da criança, como também os aspectos cognitivos, afetivos e motores.
Mostrar mais

18 Ler mais

Show all 10000 documents...