Método de dosagem

Top PDF Método de dosagem:

Desempenho de concretos avançados para a construção civil, formulados a partir do método de dosagem computacional.

Desempenho de concretos avançados para a construção civil, formulados a partir do método de dosagem computacional.

A busca por materiais com desempenho mecânico e durabilidade cada vez superiores tem sido o alvo dos pesquisadores da tecnologia dos concretos. Para tanto, concretos obtidos a partir da engenharia de microestrutura são necessários. Com base nos conceitos de empacotamento e dispersão de partículas é possível obter materiais com matrizes densas e trabalhabilidade adequada. Assim, as propriedades de concretos dosados com base nesses conceitos são apresentadas e comparadas àquelas de concretos de alto desempenho, adotados em pesquisas da construção civil. As propriedades no estado fresco foram avaliadas medindo-se o índice de fluidez e determinando-se o comportamento reológico do material. No estado endurecido, a resistência mecânica foi avaliada pelos ensaios de compressão uniaxial, tração por compressão diametral e flexão em 3 pontos, enquanto o módulo de elasticidade foi avaliado pelos métodos estático e dinâmico. Os concretos desenvolvidos se apresentaram trabalháveis por um período de tempo superior que o concreto de referência, sem a necessidade da incorporação de aditivos retardadores. Em termos de resistência mecânica, foi possível observar uma maior reprodutibilidade dos resultados obtidos para os concretos formulados por dosagem computacional. Além disso, os resultados possibilitaram estabelecer boas correlações entre as resistências medidas para esses concretos, bem como entre os módulos de elasticidade medidos por ambos os métodos de ensaio.
Mostrar mais

19 Ler mais

A influência do tipo de cimento no desempenho de concretos avançados formulados a partir do método de dosagem computacional.

A influência do tipo de cimento no desempenho de concretos avançados formulados a partir do método de dosagem computacional.

Ao se produzir uma mistura de concreto, especialmente de alto desempenho, a primeira escolha a ser feita é quanto ao tipo de cimento a ser empregado, o que faz deste ligante um material essencial para a produção desses materiais. As características reológicas de formulações de concretos de alto desempenho estão relacionadas com a hidratação dos aluminatos do cimento, enquanto o desenvolvimento da resistência mecânica é dependente dos silicatos hidratados formados. Assim, variações nas características do cimento infl uenciam as propriedades dos concretos, sendo observados comportamentos distintos para misturas produzidas com diferentes cimentos. O presente artigo visa avaliar a infl uência do tipo de cimento sobre o desempenho de concretos especiais aplicados na construção civil, dosados a partir de um método computacional. As propriedades no estado fresco foram avaliadas medindo-se o índice de fl uidez e determinando-se o comportamento reológico do material. No estado endurecido, a resistência mecânica foi avaliada pelos ensaios de compressão uniaxial, tração por compressão diametral e fl exão em 3 pontos, enquanto o módulo de elasticidade foi avaliado pelos métodos estático e dinâmico. Comparando-se todas as propriedades medidas, verifi ca-se que os concretos produzidos com cimento Portland apresentaram desempenhos superiores ao do concreto produzido com cimento aluminoso, sendo o cimento Portland de alta resistência inicial ainda mais efi ciente que o cimento Portland composto com escória para a produção de misturas de alto desempenho e até os 28 dias de idade.
Mostrar mais

12 Ler mais

Novo método de dosagem de soros antipeçonhentos em camundongos lactentes: I - dosagem do soro anticrotálico.

Novo método de dosagem de soros antipeçonhentos em camundongos lactentes: I - dosagem do soro anticrotálico.

A atividade biológica dos soros antiofÍdicos pode ser determinada pela via endovenosa em pombos e em coelhos adultos, pela via subcu- tânea em cobaios adultos ou ainda, [r]

6 Ler mais

Avaliação experimental da interação de paredes de blocos de concreto de alta resistência sob ações verticais

Avaliação experimental da interação de paredes de blocos de concreto de alta resistência sob ações verticais

Na dosagem, a escolha da quantidade de agregado no traço se dá a partir da análise da curva granulométrica e, principalmente, das massas específicas unitárias. O objetivo desse método de dosagem é encontrar traços nos quais se conhece o coeficiente de vazios deixados pelo agregado, de modo que possam ser preenchidos por: cimento, cal e água e, até mesmo, um percentual de poros (teor de ar incorporado) desejável para a argamassa. A proposta para se encontrar o consumo percentual de agregado na mistura, feita pelo autor, se baseia na equação obtida através do conceito de coeficiente de vazios (Equação 3.4), conforme procedimento a seguir:
Mostrar mais

182 Ler mais

AVALIAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL COM AGREGADO RECICLADO DE TELHA CERÂMICA

AVALIAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL COM AGREGADO RECICLADO DE TELHA CERÂMICA

As considerações iniciais de Okamura em 1986, que posteriormente transformar-se-iam em um método de dosagem, em 1995, foram muito importantes para o desenvolvimento do moderno concreto auto-adensável. Estas considerações foram a base do estudo e sem elas, provavelmente, não existiria atualmente este tipo de mistura. Mas são apenas os primeiros passos, não devendo serem mais utilizadas, pois não há como dosar um concreto apenas com limites superiores de quantidade e com termos altamente abrangentes, como alta dosagem de aditivo superplastificante e baixa relação a/c. Este método também não considera a utilização de finos pozolânicos, como sílica ativa, metacaulim ou cinza volante e aditivos modificadores de viscosidade. Também não possui uma sequencia clara de passos a serem seguidos, fazendo com que, se um responsável por dosagem utilizar este método, teria de realizar inúmeras tentativas para alcançar os requisitos esperados. Também observa-se que, apesar de Okamura propor a execução de ensaios para medir a trabalhabilidade da argamassa em tamanho reduzido, não se conhece os limites esperados (TUTIKIAN, 2004).
Mostrar mais

134 Ler mais

Proteinorraquia. Estudo crítico de métodos de dosagem.

Proteinorraquia. Estudo crítico de métodos de dosagem.

As verificações dêste estudo objetivam a necessidade de se ter em mente a importância do êrro instrumental efetivo sempre que se empregue espectro- fotomètricamente um método de dosagem[r]

10 Ler mais

Evaluation of recycled concrete with concrete coarse aggregate using ABCP mix design method modified Ana Amélia Mota dos Santos Mônica Batista Leite Resumo

Evaluation of recycled concrete with concrete coarse aggregate using ABCP mix design method modified Ana Amélia Mota dos Santos Mônica Batista Leite Resumo

Foi possível notar que o método da ABCP (RODRIGUES, 1995), apesar de oferecer um estudo teórico inicial de fácil aplicação, proporcionou traços iniciais condicionados a tabelas e quadros que não contemplam a influência de algumas características qualitativas dos agregados, como forma, textura e capacidade de absorção, sobre as propriedades do concreto. E, por isso, as proporções incialmente encontradas nesse estudo teórico (Tabelas 2 e 3) apresentaram necessidade de grandes ajustes (Tabela 4). Além disso, a fixação da relação a/c com base na resistência e durabilidade dos concretos limitou sua adequação aos parâmetros de trabalhabilidade das misturas, no estado fresco. Dessa forma, pode- se inferir que, o trabalho dispensado aos ajustes dos traços obtidos no estudo teórico pode dificultar a aplicabilidade do método de dosagem da ABCP
Mostrar mais

19 Ler mais

Desenvolvimento e validação de um método de imunonefelometria em amostras de sangue em papel-filtro para a dosagem da alfa-1 antitripsina em pacientes com DPOC.

Desenvolvimento e validação de um método de imunonefelometria em amostras de sangue em papel-filtro para a dosagem da alfa-1 antitripsina em pacientes com DPOC.

Objetivo: Validar e desenvolver um método de dosagem de alfa-1 antitripsina (AAT) por imunonefelometria em amostras de sangue em papel-filtro em pacientes com DPOC no Brasil. Métodos: Amostras de soro e de sangue em papel-filtro de 192 pacientes com DPOC foram utilizadas para a dosagem de AAT. Para a preparação das amostras de sangue em papel-filtro, um disco do papel com diâmetro de 6 mm foi colocado em um tubo e eluído com 200 µL de PBS, permanecendo por toda a noite a 4°C. Todas as amostras foram analisadas em duplicata por imunonefelometria. O método de reamostragem bootstrap foi utilizado para a determinação de um ponto de corte para o nível de AAT nas amostras de sangue em papel-filtro. Resultados: O coeficiente de correlação entre os níveis de AAT em soro e em sangue em papel-filtro foi de r = 0,45. Para as amostras em papel-filtro, o ponto de corte foi de 2,02 mg/dL (IC97%: 1,45-2,64 mg/dL), com sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo e valor preditivo negativo de 100%, 95,7%, 27,2% e 100%, respectivamente. Conclusões: Este método de determinação dos níveis de AAT em sangue em papel-filtro se mostrou uma ferramenta confiável para o rastreamento de pacientes com deficiência de AAT.
Mostrar mais

8 Ler mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL NÍVEL MESTRADO AUGUSTO MASIERO GIL

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL NÍVEL MESTRADO AUGUSTO MASIERO GIL

O concreto autoadensável (CAA) é conhecido por sua elevada fluidez e estabilidade reológica no estado fresco, enquanto que o concreto reforçado com fibras (CRF) é conhecido por sua elevada capacidade de absorção de energia, evitando a ruptura frágil do material. Na última década, tem sido buscada a sinergia destas tecnologias com o concreto autoadensável reforçado com fibras (CAA-RF), que, além de apresentar propriedades mecânicas avançadas, permite uma melhor dispersão das fibras. No entanto, a incorporação de fibras tende a ocasionar a perda de trabalhabilidade da mistura, devido ao intertravamento com os agregados e ao aumento da área superficial de materiais secos na mistura. Este trabalho teve como objetivo contribuir para o desenvolvimento de um método de dosagem de CAA-RF, relacionando propriedades nos estados fresco e endurecido. Assim, a composição da mistura é alterada de modo a incluir fibras, mantendo a mesma espessura de argamassa sobre os agregados e as fibras da mistura de CAA original, considerando a área superficial de seus componentes e a composição volumétrica. Foram realizadas dosagens com três tipos de fibras metálicas, de diferentes características geométricas, incorporadas em três teores, de modo a compor o diagrama de dosagem proposto. Os resultados dos ensaios realizados no estado fresco evidenciaram pequenas alterações em suas propriedades, com o aumento do espalhamento, porém atendendo às mesmas classes da mistura referência. Verificou-se, no entanto, que misturas com maiores teores de fibras mais longas e com maior fator de forma apresentaram maior perda de estabilidade e de dispersão das fibras, evidenciando a ocorrência de segregação pelo excesso de fluidez das misturas. A partir dos ensaios no estado endurecido foi possível verificar que a incorporação de fibras pelo método proposto contribuiu para o aumento das propriedades mecânicas das misturas, com exceção do módulo de elasticidade. Foram verificados valores de resistência à compressão na ordem de 84,5 MPa, com influência significativa do tipo de fibra, de acordo com a análise de variância realizada. A instabilidade de algumas misturas afetou a distribuição de fibras na seção fissurada, apesar de haver o aumento do fator de tenacidade com o teor de incorporação, principal parâmetro adotado no diagrama de dosagem proposto.
Mostrar mais

144 Ler mais

Ambient. constr.  vol.18 número1

Ambient. constr. vol.18 número1

Ressalta-se que outros pesquisadores que desejem replicar esse método de dosagem devem verificar a melhor curva, sendo o R² uma boa opção para avaliar a aproximação dos resultados. Contudo, é preciso cuidado ao verificar possíveis discrepâncias entre a curva e a tendência dos resultados, ou seja, a curva polinomial do 2º grau sempre dará R² igual a 1 quando se avaliarem três pontos, todavia podem conter inflexões que extrapolem a projeção desses resultados. Neste caso, deve-se alterar para outro tipo de curva que tenha um bom R² (próximo de 1), mas que tenda para projeção média dos resultados encontrados. Neste trabalho seria possível, por exemplo, o uso de aproximação linear com bons resultados de ajuste, não utilizados devido à melhor distribuição em torno dos resultados proveniente das curvas polinomiais. Ressalta-se ainda que as expressões são válidas para os materiais analisados nas condições estipuladas e no intervalo avaliado em cada propriedade; logo, a extrapolação das expressões para valores maiores ou menores pode incorrer em erros.
Mostrar mais

19 Ler mais

FLOTAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO COM OLEATO DE SÓDIO E SILICATO DE SÓDIO

FLOTAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO COM OLEATO DE SÓDIO E SILICATO DE SÓDIO

trabalho teve por objetivo investigar a influência das variáveis (porcentagem de sólidos, dosagem de coletor (oleato de sódio), dosagem de depressor (silicato de sódio) e deslamagem prévia do minério) em pH 9 sobre a flotação de uma amostra de minério de ferro com teores de Fe e de SiO 2 iguais a 35,5 e 52,4%, respectivamente.

8 Ler mais

IRON ORE FLOTATION WITH SODIUM OLEATE AND SODIUM SILICATE

IRON ORE FLOTATION WITH SODIUM OLEATE AND SODIUM SILICATE

trabalho teve por objetivo investigar a influência das variáveis (porcentagem de sólidos, dosagem de coletor (oleato de sódio), dosagem de depressor (silicato de sódio) e deslamagem prévia do minério) em pH 9 sobre a flotação de uma amostra de minério de ferro com teores de Fe e de SiO 2 iguais a 35,5 e 52,4%, respectivamente.

8 Ler mais

Avaliação dos valores séricos de troponina I cardíaca em crianças menores de 1 ano de idade.

Avaliação dos valores séricos de troponina I cardíaca em crianças menores de 1 ano de idade.

Concluímos que o valor referência da dosagem de Troponina I cardíaca sérica, quando realizada por meio do método Opus T Troponin I (cTn) test modules (Dade Behring Inc.-Newalk, DE 19714, USA), para crianças menores de um ano de idade, incluindo recém-nascidos a termo, é um resultado menor que 0,1 ng/ml.

5 Ler mais

Dosagem dos soros antipeconhentos

Dosagem dos soros antipeconhentos

Com o veneno bothropico (Luche& Zanceolatus) a rela@o entre as anticoagulinas do plasma e o poder antitoxico do sôro não 6 fixa, dependendo dos poderes coagu[r]

2 Ler mais

Proteinúria: muito mais que uma simples dosagem

Proteinúria: muito mais que uma simples dosagem

e que trata de fatores relevantes nas etapas pré-analíticas, analíticas e pós-analíticas do exame, cujo des- conhecimento pode ter repercussões signiicativas sobre o resultado inal. Nessa revisão acentuam-se, entre outros, aspectos a que muitos proissionais podem não atentar, como interferências decorrentes do armazenamento em geladeira ou freezer e cuidados essenciais com a amostra no momento da dosagem. A partir do que já expusemos e do que é amplamente discutido nesse excelente artigo, hoje é preciso ques- tionar se a determinação da proteinúria deve ser encarada como um exame simples. Certamente, podemos continuar dizendo que ele é simples em sua execução, desde que seja feito com o conhecimento de todas as suas peculiaridades e respeitados todos os cuidados inerentes a cada etapa da realização de um teste laboratorial.
Mostrar mais

2 Ler mais

Validação laboratorial de um método automatizado de dosagem da atividade de adenosina desaminase em líquido pleural e em líquido cefalorraquidiano.

Validação laboratorial de um método automatizado de dosagem da atividade de adenosina desaminase em líquido pleural e em líquido cefalorraquidiano.

Para o método automatizado, foram reali- zados testes de precisão inter- e intra-ensaios. A precisão intra-ensaio foi realizada com 21 amostras replicadas de LP e LCR. A precisão interensaio foi determinada em 21 ensaios separados, sendo que essa precisão foi determinada utilizando um pool de LP e LCR em três níveis diferentes de valores de atividade de ADA. Para os dois tipos de precisão, foram calculados a média, desvio-padrão e coefi- ciente de variação (CV) (Tabelas 1 e 2).

7 Ler mais

ID44 APFAC 4Congr 2012 CameraReady FINAL

ID44 APFAC 4Congr 2012 CameraReady FINAL

Verifica-se assim que, entre as argamassas amassadas mecanicamente, não existe uma linearidade dos valores de espalhamento com o acréscimo da dosagem de fibras. A argamassa F6 sobressai-se em relação às restantes, uma vez que tem um espalhamento 10% inferior à argamassa de referência, contudo esta é uma argamassa com uma maior dosagem de fibras e com características de amassadura distintas. Verifica-se também que a variação entre os valores de espalhamento das diversas argamassas, com a excepção da argamassa F6, não é significativa. Não se deteta, assim, uma relação direta entre a consistência e a quantidade de fibras de reforço.
Mostrar mais

12 Ler mais

Luis Carlos Ricardo Carvalho

Luis Carlos Ricardo Carvalho

• No ensaio de capilaridade, as misturas LC, com reduzida dosagem de ligante, têm valores de absorção de água inferiores aos betões C, com dosagem corrente de ligante. Isso deve-se ao facto de grande percentagem de água absorvida por um betão ocorrer para o interior da matriz do betão e não para o interior dos agregados. • A absorção por capilaridade tende a aumentar com a redução da dosagem de cimento, mas a incorporação de cinzas volantes contribui aparentemente para uma diminuição da porosidade do betão. Essas reagem com os hidróxidos de cálcio, inicialmente formados pela hidratação do cimento Portland, e preenchem os espaços vazios nos poros.
Mostrar mais

91 Ler mais

Aplicação da Cromatografia Líquida de Alta Performance Como Método Preparativo Para a Dosagem de Esteróides Hormonais Por RIE: Dosagens de 17OH-Progesterona e Diidrotestosterona.

Aplicação da Cromatografia Líquida de Alta Performance Como Método Preparativo Para a Dosagem de Esteróides Hormonais Por RIE: Dosagens de 17OH-Progesterona e Diidrotestosterona.

O s resultados evidenciam que os valores obtidos, tanto para 17O H P como para DH T, em amostras submeti- das aos dois processos cromatográficos, são com- paráveis. U ma pergunta óbvia, que se faz necessária ao analisar os resultados é: porque substituir um método cromatográfico que vem sendo utilizado com sucesso há muitos anos (cromatografia em celite) por outro que produz resultados comparáveis numericamente? Além do mais, no caso da H PLC existe a necessidade de investimento em equipamentos. As respostas são múltiplas, mas algumas merecem destaque como o fato de que a adoção do sistema de H PLC traz maior reprodutibilidade aos processos. Neste aspecto vale salientar que a manufatura das colunas de celite e sua eluição é um processo altamente artesanal e que a boa reprodutibilidade depende de mãos de técnicos alta- mente experientes na metodologia.
Mostrar mais

6 Ler mais

J. Pediatr. (Rio J.)  vol.93 número6

J. Pediatr. (Rio J.) vol.93 número6

Contudo, devido à natureza retrospectiva do estudo, a TC não foi feita com uma dose pré-determinada, porém, em vez disso, de acordo com a idade e o peso. Por essas razões, não houve consistência na tensão ou na corrente do tubo. Em especial, a abrangência foi relativamente maior no caso da TC de dosagem padrão. Além disso, a idade média foi ligeiramente menor no grupo de TC de baixa dosagem em comparac ¸ão com o grupo de TC de dosagem padrão. Ainda assim, não houve diferenc ¸a significativa relacionada à idade entre os dois grupos de TC. Adicionalmente, também não houve diferenc ¸a significativa no número de pacientes em cada grupo. Além disso, a dose de radiac ¸ão foi de fato 64,2% menor no grupo de TC de baixa dosagem.
Mostrar mais

7 Ler mais

Show all 10000 documents...