nutrição animal

Top PDF nutrição animal:

ANÁLISE DE CENÁRIOS EM INDÚSTRIAS DE PROCESSO USANDO SIMULAÇÃO DISCRETA: UMA APLICAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE NUTRIÇÃO ANIMAL

ANÁLISE DE CENÁRIOS EM INDÚSTRIAS DE PROCESSO USANDO SIMULAÇÃO DISCRETA: UMA APLICAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE NUTRIÇÃO ANIMAL

A busca pelo aumento de produtividade tornou-se um mantra repetido à exaustão em muitas empresas imersas em um mercado globalizado. Neste contexto, muitas técnicas computacionais vêm ganhando espaço, conquistando adeptos, auxiliando e refinando o processo de tomada de decisão. Dentre as várias técnicas disponíveis, a simulação discreta se destaca, pois permite estudar o comportamento de sistemas, reais ou não, sob diversas condições, possibilitando que hipóteses sejam testadas sem que recursos físicos e financeiros sejam utilizados. No caso da indústria de nutrição animal, essa técnica se torna uma ferramenta muito relevante, principalmente no planejamento de curto prazo que envolve a gestão das operações do chão de fábrica. A indústria de nutrição animal está inserida na cadeia do agronegócio, e como tal, tem seus insumos cotados internacionalmente, commodities, assim uma gestão eficaz de sua capacidade instalada representa uma vantagem estratégica de diferenciação perante as necessidades do mercado em relação a custo, prazo e qualidade. Neste sentido, o objetivo deste trabalho foi desenvolver um modelo de simulação discreta para auxiliar o processo de tomada de decisão sobre o aumento da taxa de ensaque de uma indústria de nutrição animal, localizada no interior do estado de São Paulo. Para a realização deste estudo foi utilizado o software Arena ® , da Rockwell Softwares, e como método de pesquisa a modelagem e simulação, sendo que as etapas de desenvolvimento do modelo de simulação seguiram a metodologia proposta por Law e Kelton (2000) e Banks (2010). Os dados foram coletados sempre com os mesmos operadores no mesmo horário. Como resultado da simulação do modelo proposto foi possível analisar diferentes cenários, avaliando a dinâmica do sistema e tendo como indicadores de desempenho a taxa de utilização dos equipamentos, a quantidade de produtos produzidos e o consumo de energia elétrica e gás natural por tonelada de produto produzido. Sendo que a utilização da simulação discreta na indústria de nutrição animal, pertencente à indústria de processo e com processo produtivo híbrido, foi possível devido à abordagem utilizada, proposta por Spieckmann e Stobbe (2012).
Mostrar mais

113 Ler mais

Planejamento agregado na indústria de nutrição animal sob incertezas.

Planejamento agregado na indústria de nutrição animal sob incertezas.

Neste trabalho foram propostos e analisados três modelos matemáticos para o problema de planejamento agregado da produção na indústria de nutrição animal. Além do modelo determinístico de dimensionamento de lotes com perecibilidade e lost sales, desenvolveu-se um modelo de programação estocástica de dois estágios com recurso para incorporar a aleatoriedade das demandas, tempos de preparação e taxas de perecibilidade, que são tipicamente dados difíceis de serem estimados com precisão. Por simplicidade, foram geradas três realizações discretas para cada parâmetro estocástico, as quais foram posteriormente combinadas numa estrutura em árvore para evidenciar possíveis correlações entre as variáveis aleatórias. Para gerar soluções menos sensíveis às realizações das variáveis aleatórias, apresentou-se um modelo estocástico com aversão ao risco cujo objetivo é controlar a redução da variabilidade dos custos de segundo estágio de acordo com a atitude dos decisores em relação ao risco.
Mostrar mais

16 Ler mais

Análises de fontes de fósforo na nutrição animal: técnicas nucleares e correlatas em estudos com coelhos

Análises de fontes de fósforo na nutrição animal: técnicas nucleares e correlatas em estudos com coelhos

Uma grande fonte de F na cadeia alimentar são os fosfatos. Toda rocha fosfática possui F em sua estrutura. Os fosfatos dos tipos food-grade e feed-grade são tratados industrialmente para a remoção deste elemento, evitando que o flúor entre em elevadas concentrações na cadeia alimentar humana e animal (FAO, 2004). O Ministério da Agricultura estabelece na Instrução Normativa nº 12 de 30 de Novembro de 2004 (MAPA, 2004), que o limite máximo de F nos produtos de pronto uso (suplemento destinado a bovinos) deverá ser de no máximo de 0,2 %. Assim, sal mineral bovino testado neste experimento apresenta o F em concentração bem superior ao limite máximo da legislação brasileira. O fosfato supertriplo pode ser usado na nutrição animal desde que apresente F esteja abaixo de 0,7 %, entre outras características
Mostrar mais

69 Ler mais

Dimensionamento e seqüenciamento de lotes de produção na indústria de suplementos para nutrição animal

Dimensionamento e seqüenciamento de lotes de produção na indústria de suplementos para nutrição animal

Este trabalho estuda o problema integrado de dimensionamento e seqüenciamento de lotes de produção na indústria de suplementos para nutrição animal. O problema de dimensionamento de lotes nesta indústria consiste em determinar o que e quanto produzir em cada período, minimizando os custos de estocagem e horas extras. O problema de seqüenciamento de lotes consiste em ordenar a produção dos lotes, de forma a minimizar o número de preparações necessárias, que consomem capacidade produtiva, e evitar os riscos de contaminação residual. O principal diferencial deste problema em relação aos tratados na literatura é a estrutura dos tempos de preparação. A partir de um estudo de caso em uma empresa do setor, são propostas quatro abordagens para modelar e resolver o problema. As duas primeiras abordagens são baseadas no modelo Genérico de Dimensionamento e Seqüenciamento de Lotes (GLSP) com tempos de preparação dependentes da seqüência. As outras duas abordagens consistem em uma reformulação do modelo GLSP, considerando o seqüenciamento dos lotes como um problema do caixeiro viajante assimétrico (ATSP). Cada uma das abordagens de modelagem GLSP e ATSP são propostas para duas estratégias da empresa em relação à limpeza da linha, denominadas: (1) ‘Seqüências Independentes’, onde se pressupõe que ao final de cada período do planejamento é realizada uma limpeza completa na linha de produção; e, (2) ‘Seqüências Dependentes’, onde a seqüência no início de cada período depende do estado de preparação da linha no período anterior (setup carryover). O modelo GLSP ‘Seqüências Independentes’ é resolvido pelo método branch-and-cut (utilizando o software AMPL/CPLEX), com tempo computacional limitado. Para resolver o modelo GLSP ‘Seqüências Dependentes’, além do método branch-and-cut, são propostos dois procedimentos heurísticos relax-and-fix. Para resolução do modelo ATSP ‘Seqüências Independentes’ é utilizado o método de eliminação de sub-rotas (sub-tours). No caso do modelo ATSP ‘Seqüências Dependentes’, além do método de eliminação de sub-rotas, é utilizado o método de combinação de sub-rotas (patching). De acordo com experimentos realizados com dados reais, os modelos e métodos propostos resolvem satisfatoriamente o problema, obtendo resultados melhores que a empresa. Entre as diferentes abordagens propostas, a mais adequada para o problema parece ser a reformulação ATSP com o método de eliminação e combinação de sub-rotas e a estratégia ‘Seqüências Dependentes’.
Mostrar mais

196 Ler mais

Métodos analíticos alternativos para avaliação da qualidade de forrageiras utilizadas na nutrição animal

Métodos analíticos alternativos para avaliação da qualidade de forrageiras utilizadas na nutrição animal

Outra análise de extrema importância que vem sofrendo mudanças contínuas no decorrer dos anos é a análise de fibras. Esta tem importância central nas análises de nutrição animal visto que produzem ácidos graxos voláteis (AGV) durante a fermentação ruminal, os quais são as principais fontes de energia para o animal. A princípio determinava-se apenas o teor de fibra bruta (FB), ou seja a porção dos carboidratos totais que resiste à hidrólise ácida e alcalina, constituindo-se, basicamente, de celulose e lignina insolúvel. Entretanto dessa maneira, havia um erro grave embutido, devido à solubilização de parte da lignina (fração solúvel em álcali diluído) e hemicelulose (SOUZA, 2003).
Mostrar mais

104 Ler mais

Combinação de abordagens GLSP e ATSP para o problema de dimensionamento e sequenciamento de lotes de produção de suplementos para nutrição animal.

Combinação de abordagens GLSP e ATSP para o problema de dimensionamento e sequenciamento de lotes de produção de suplementos para nutrição animal.

Conforme discutido em um trabalho anterior (Toso & Morabito, 2005), na prática, as decisões de dimensionamento e sequenciamento de lotes nesta indústria são frequentemente tomadas de maneira separada. Isto pode comprometer tanto a qualidade das decisões em relação aos custos operacionais e atendimento dos prazos de entrega, quanto o tempo de resposta da empresa às constantes variações de demanda, que acarretam na necessidade de reavaliação periódica de planejamento. O uso de modelos quantitativos para o problema de dimensionamento e sequenciamento de lotes na indústria de nutrição animal é bastante promissor, uma vez que permite integrar as decisões envolvidas e melhorar a qualidade das soluções obtidas. Entretanto, a representação matemática do problema envolve o uso de muitas variáveis de decisão discretas, resultando em modelos de programação linear inteira mista em geral de difícil resolução exata em tempo computacional aceitável.
Mostrar mais

28 Ler mais

Anais do I Congresso Brasileiro de Nutrição Animal

Anais do I Congresso Brasileiro de Nutrição Animal

O fungo empregado no processo de síntese do carboquelato é uma cepa selecionada da levedura Saccharomyces cerevisae, mais conhecida como fermento de padaria ou levedo de cerveja (AMABIS; TRICÁRICO). A levedura é um fungo unicelular que se reproduz rapidamente por brotamento ou gemulação quando dispõe de substrato orgânico (DAVIS, 1967; AMABIS, 1995). Existem pelo menos duas formas de utilizar leveduras na alimentação de ruminantes, sendo uma por meio da síntese dos carboquelatos onde as leveduras entram como parte integrante do processo industrial dos complexos, e outra por meio de leveduras vivas desidratadas que retomam a atividade de crescimento e reprodução assim que entram em contato com um substrato adequado para o seu desenvolvimento. Por definição do compendio brasileiro de alimentação animal, 1998, microingredientes ou aditivos são toda substância ou mistura de substâncias adicionadas aos produtos destinados à alimentação animal com a finalidade de conservar, intensificar ou modificar suas propriedades desejáveis e suprimir as propriedades indesejáveis. São exemplos de micronutrientes: Acidificantes, adsorventes, aglutinantes, aromatizantes, palatabilizantes, conservantes, corantes, enzimas, probióticos (microrganismos), prebióticos, promotores de crescimento e /ou de eficiência alimentar.
Mostrar mais

443 Ler mais

Composição química de genótipos de cana-de-açúcar em duas idades, para fins de nutrição animal.

Composição química de genótipos de cana-de-açúcar em duas idades, para fins de nutrição animal.

Foi desenvolvido, em 1999/2000, no Instituto de Zootecnia, em Nova Odessa (SP), um experimento para avaliar 60 genótipos de cana-de-açúcar (24 cultivares e 36 clones), para fins de alimentação animal. O experimento foi executado em delineamento de blocos ao acaso, com três repetições. Os genótipos foram amostrados aos 12 e 18 meses de idade. Para todas as características analisadas: porcentagem de matéria seca (%MS); de proteína bruta (%PB); de extrato etéreo (%EE); de matéria mineral (%MM); de carboidratos totais não estruturais (%CTN); de fibra insolúvel em detergente neutro (%FDN); de fibra insolúvel em detergente ácido (%FDA); de celulose (%CEL); de hemicelulose (%HEM); de lignina (%LIG), verificaram-se diferenças entre os genótipos e as idades de corte, com exceção para %EE, que não mostrou diferença entre as idades de corte. Para (%CTN, %NDF, %ADF, %CEL, %HEM e %LIG) foram observadas diferenças dos genótipos nas idades de corte.
Mostrar mais

9 Ler mais

Qualidade do milho para nutrição animal comercializado a varejo e métodos para determinação da umidade

Qualidade do milho para nutrição animal comercializado a varejo e métodos para determinação da umidade

Os grãos de milho destinados ao consumo animal devem ter umidade adequada; estar isentos de fungos, micotoxinas, sementes tóxicas; e apresentar conteúdo tolerável de grãos ardidos, brotados, chochos, brotados, carunchados, quebrados e impurezas (BUTOLO, 2002). Ao analisar a distribui- ção das aflatoxinas nos grãos sabidamente contaminados, após uma segregação visual de defeitos, Piedade et al. (2002) verificaram que grãos não sadios apresentaram 84% de contaminação.

10 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA CURSO DE ZOOTECNIA FRANCISCO GLEYSON DA SILVEIRA ALVES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA CURSO DE ZOOTECNIA FRANCISCO GLEYSON DA SILVEIRA ALVES

A análise de alimentos constitui área importante no ensino das ciências agrárias que estudam alimentos, fornecendo dados para que possa ser feito o controle de qualidade, do processamento e do armazenamento. E é um dos principais pontos observados no setor de nutrição animal, tendo como objetivo principal a obtenção da composição química dos alimentos, ou seja, a determinação das frações nutritivas de um alimento, sendo estas frações importantes para a mantença da vida. Possibilita, ainda a realização da avaliação do potencial nutritivo de novos ingredientes, pois a alimentação representa a maior parte do custo de produção.
Mostrar mais

31 Ler mais

Valores de composição química e energética de alguns alimentos para aves.

Valores de composição química e energética de alguns alimentos para aves.

plasma sangüíneo, farinha de vísceras, glicose e amido de milho) foram realizadas no Laboratório de Nutrição Animal do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Viçosa, sendo determinados os valores de matéria seca (MS), proteína bruta (PB), extrato estéreo (EE), fibra bruta (FB), fibra deter- gente neutro (FDN), fibra detergente ácido (FDA), energia bruta (EB), matéria mineral (MM), cálcio (Ca), fósforo (P), magnésio (Mg), sódio (Na) e potássio (K). A metodologia utilizada para essas análises foi a descrita por Silva (1990).

7 Ler mais

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5Tiago Simey PAULINO; Alberto Takashi TSUHAKO; Valdinei Tadeu PAULINO

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5Tiago Simey PAULINO; Alberto Takashi TSUHAKO; Valdinei Tadeu PAULINO

Este trabalho foi conduzido, em condições controladas de casa-de-vegetação, na empresa Matsuda Sementes e Nutrição Animal, com o objetivo de avaliar a emergência de sementes de Brachiaria brizantha cv. MG-5, submetidas a diferentes profundidades de semeadura (superficial, 2, 4 e 8 cm) em diferentes condições de irrigação (0 – sem irrigação; 9 mm – após estresse hídrico de 22 dias; 24 mm – após estresse hídrico de 12 dias e 36 mm – com irrigação contínua). Foram utilizadas sementes puras com germinação de 88 %, sendo o substrato de semeadura areia branca lavada, as sementes foram avaliadas em um período de 28 dias quanto a porcentagem e velocidade de emergência. Inicialmente procedeu-se uma irrigação uniforme em todos os tratamentos até atingirem a capacidade de campo. No tratamento com irrigação contínua a cada dois dias aplicou-se uma lâmina de 3 mm, os demais tratamentos estudados foram irrigado após doze dias da semeadura, irrigado após vinte e dois dias e não irrigado. As sementes que apresentaram maior porcentagem de emergência foram as do tratamento com 4 cm de profundidade e irrigadas continuamente, já as sementes de tratamentos com profundidades mais superficiais, com semeadura superficial e a 2 cm de profundidade apresentaram índices mais baixos de emergência devido a maior pré-disposição ao estresse hídrico que é maior em camadas superficiais do substrato.
Mostrar mais

5 Ler mais

Produção de matéria seca e composição químico-bromatológica do feno de três leguminosas forrageiras tropicais em dois sistemas de cultivo.

Produção de matéria seca e composição químico-bromatológica do feno de três leguminosas forrageiras tropicais em dois sistemas de cultivo.

O experimento foi conduzido no setor de forragicultura e pastagens do Departamento de Nutrição Animal e Pastagens, no Instituto de Zootecnia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, em Seropédica, RJ, para avaliar a produção de matéria seca (PMS) e a composição químico-bromatológica de três leguminosas forrageiras tropicais: kudzu tropical (Pueraria phaseoloides), macrotiloma (Macrotyloma axillare) e soja perene (Neonotonia wightii) em dois sistemas de cultivo (SC) (tutorado e livre). Utilizou-se um delineamento em blocos ao acaso, em um esquema fatorial (3 (espécies) x 2 (SC) x 4 (Repetições), em parcelas de 20m 2 . A
Mostrar mais

5 Ler mais

Análise bayesiana para modelos de degradabilidade ruminal.

Análise bayesiana para modelos de degradabilidade ruminal.

Em razão da escassez de trabalhos na área de nutrição animal, especificamente em estudos de cinética de degradação ruminal que são tratados com a abordagem bayesiana, e do fato de se tratar de uma metodologia versátil, menos dependente das pressuposições usuais exigidas em métodos estatísticos clássicos, o presente trabalho objetivou estudar a cinética de degradação ruminal, por meio dos modelos não lineares de ORSKOV & MCDONALD (1979) e MCDONALD (1981), e apresentar um procedimento bayesiano para a análise e comparação desses modelos.

9 Ler mais

SÉRGIO CARVALHO DESEMPENHO E COMPORTAMENTO INGESTIVO DE CABRAS EM LACTAÇÃO ALIMENTADAS COM DIETAS CONTENDO DIFERENTES NÍVEIS DE FIBRA

SÉRGIO CARVALHO DESEMPENHO E COMPORTAMENTO INGESTIVO DE CABRAS EM LACTAÇÃO ALIMENTADAS COM DIETAS CONTENDO DIFERENTES NÍVEIS DE FIBRA

Este trabalho foi realizado no Setor de Caprinocultura e no Laboratório de Nutrição Animal do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Viçosa, com o objetivo de avaliar os efeitos de diferentes níveis de fibra em detergente neutro oriunda da forragem (FDNF) sobre o consumo, a produção e composição do leite, a digestibilidade aparente da matéria seca (MS), matéria orgânica (MO), fibra em detergente neutro (FDN), fibra em detergente ácido (FDA), proteína bruta (PB), extrato etéreo (EE), carboidratos totais (CHT) e carboidratos não-estruturais (CNE), o balanço de nitrogênio e o comportamento ingestivo de cabras em lactação, bem como comparar os valores obtidos com estimativas fornecidas pelos sistemas NRC (1981) e AFRC (1993), para caprinos.
Mostrar mais

140 Ler mais

Valor nutritivo de cultivares de cana-de-açúcar sob irrigação.

Valor nutritivo de cultivares de cana-de-açúcar sob irrigação.

A colheita das amostras foi efetuada com a retirada de duas plantas na área útil de cada parcela (unidade experimental). As plantas obtidas foram trituradas em picadeira estacionária e enviadas para o Laboratório de Nutrição Animal da Embrapa Semiárido para a realização das análises químico-bromatológica e para a determinação dos teores de matéria seca (MS), matéria mineral (MM), proteína bruta (PB), matéria orgânica (MO), fibra em detergente neutro (FDN), fibra em detergente ácido (FDA), extrato etéreo (EE) e digestibilidade in vitro da matéria seca (DIVMS), segundo as metodologias descritas por Silva & Queiroz (2002). Os parâmetros avaliados foram submetidos à análise de variância e teste de Tukey, pelo procedimento GLM. Quando significativos, foram submetidos à análise de regressão linear e quadrática, por meio do procedimento REG do Statistical Analysis System (SAS INSTITUTE, 2003). Foram considerados
Mostrar mais

8 Ler mais

Diretriz Brasileira para Cuidado e a Utilização de Animais para fins Científicos e Didáticos (410 Downloads)

Diretriz Brasileira para Cuidado e a Utilização de Animais para fins Científicos e Didáticos (410 Downloads)

As propostas devem identificar e justificar o impacto dos procedimentos sobre o bem-estar animal durante todo o período em que o projeto/aula for conduzido. Detalhar como o impacto será minimizado. A avaliação de potenciais impactos inclui: 1. descrição a cada etapa das consequências da manipulação para os animais, incluindo: (i) transporte, aclimatação e condições de alojamento e manejo; (ii) procedimentos experimentais, entre outros, incluindo dose e via de administração de qualquer substância ou tratamento aplicado e método, volume e frequência das amostras coletadas; (iii) procedimentos cirúrgicos e correlatos incluindo, frequência e doses de tranquilizantes, analgésicos e anestésicos, e métodos para monitorar sua adequação e efeitos adversos; (iv) a sequência e o tempo dos eventos, desde o início até o término, para grupos de animais ou animais individuais; (v) providências cabíveis em relação ao destino dos animais ao término do projeto, incluindo, se aplicável, o método de eutanásia. 2.
Mostrar mais

50 Ler mais

Diretrizes da Prática de Eutanásia do CONCEA (400 Downloads)

Diretrizes da Prática de Eutanásia do CONCEA (400 Downloads)

O posicionamento da pistola e a localização correta do alvo variam de acordo com a espécie. Nos bovinos, deve-se apontar para o osso frontal, na intersecção das duas linhas imaginárias, entre os cornos e os olhos contralaterais. O equipamento deve ser direcionado em ângulo de 90 graus em relação ao osso frontal e em contato direto com o crânio do animal. Nos equídeos, o alvo é pouco acima da intersecção das duas linhas imaginárias traçadas, entre a inserção das orelhas e os olhos contralaterais. Nos suínos, traça-se uma linha imaginária transversal no osso frontal que une a porção dorsal (superior) dos dois olhos e a outra longitudinal na linha média frontal, formando uma cruz; a pistola é posicionada 2 cm dorsal (superior) e 0,5 cm lateral para um dos lados do ponto de intersecção entre estas duas linhas imaginárias. Em ovinos e caprinos a pistola é posicionada no centro da linha imaginária que tangencia a borda caudal do corno em sentido paralelo ao eixo longitudinal da cabeça.
Mostrar mais

54 Ler mais

Decreto nº 68992009 (480 Downloads) Ética Animal

Decreto nº 68992009 (480 Downloads) Ética Animal

Art. 9 o O CONCEA será presidido pelo Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia e constituído por cidadãos brasileiros, com grau acadêmico de doutor ou equivalente, nas áreas de ciências agrárias e biológicas, saúde humana e animal, biotecnologia, bioquímica ou ética, de notória atuação e saber científicos e com destacada atividade profissional nestas áreas, sendo:

14 Ler mais

Anais do I Simpósio sobre Higiene e Sanidade Animal em Ovinocaprinocultura (2007 – Fortaleza - CE) Anais do I Simpósio sobre Higiene e Sanidade Animal em Ovinocaprinocultura / Editor Ronaldo de Oliveira Sales – Fortaleza: UECE, 2007. 56p.

Anais do I Simpósio sobre Higiene e Sanidade Animal em Ovinocaprinocultura (2007 – Fortaleza - CE) Anais do I Simpósio sobre Higiene e Sanidade Animal em Ovinocaprinocultura / Editor Ronaldo de Oliveira Sales – Fortaleza: UECE, 2007. 56p.

64 A Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal - Brazilian Journal of Hygiene and Animal Sanity - (ISSN 1981-2965 online e prefixo DOI 10.5935) é um veículo de divulgação cientifica da Associação Cientifica dos Médicos Veterinários do Ceará (AMVECE) e Universidade Federal do Ceará (UFC) desde 2007. A Revista publica, trimestralmente, trabalhos originais de contribuição cientifica, nas áreas de Biotecnologia, Ciências de Alimentos, Ciências Agrárias I, Ciências Ambientais, Engenharia III, Ensino, Medicina Veterinária, Nutrição e Zootecnia / Recursos Pesqueiros. Os trabalhos podem ser submetidos em língua portuguesa, inglesa e espanhola. Este periódico não faz qualquer restrição à titulação acadêmica mínima para submissão de trabalhos e a avaliação é por dois ou três revisores ad hoc e pelo Corpo Editorial. O conteúdo dos artigos publicados é de exclusiva responsabilidade de seus autores e os direitos de publicação são da RBHSA, sendo o conteúdo disponibilizado com acesso livre na Internet (www.higieneanimal.ufc.br). Qualis CAPES - 2015 - Ensino: B3, Engenharia III B4.
Mostrar mais

93 Ler mais

Show all 4172 documents...