Óleo da Mamona - Características Físicas e Físico-químicas

Top PDF Óleo da Mamona - Características Físicas e Físico-químicas:

Características físicas e físico-químicas do óleo de duas cultivares de mamona.

Características físicas e físico-químicas do óleo de duas cultivares de mamona.

RESUMO: Aqui se realizou o estudo das características físicas e físico-químicas do óleo de mamona das cultivares (BRS - 149 Nordestina e BRS - 188 Paraguaçu). Na caracterização físico-química foram determinados o teor de água, índice de acidez, peróxido, saponificação, iodo e refração e na física estudou-se a densidade e a viscosidade, nas temperaturas de -15,-10, -5, 0, 20, 40, 60 e 80ºC, o ponto de mínima fluidez, calor específico nas temperaturas de -196, -100, -50, -15, -10, -5ºC e a cinética de resfriamento e congelamento, nas temperaturas -50, -100, -196ºC. Os valores obtidos nas análises para essas cultivares foram: teor de água de 0,45 e 0,55% bu, índice de acidez em média 1,6 e 0,24 mgKOH/g, índice de peróxido médio 0,60 e 0,10 meq/1000, índice de saponificação na faixa de 161 - 177 e 139 - 148mg KOH/g, índice de iodo de 92,3 e de 93,1 g I/100g e índice de refração de 1,4776 e 1,466. As densidades estão na faixa de 0,930 a 0,978 g/cm 3 para ambas as cultivares, o ponto de fluidez foi de -17ºC, os valores da médios da viscosidade proveniente da cultivar BRS-149 Nordestina foram 16 549, 11 422, 8 964, 4 155, 1 081, 210, 92,9 e 29,8 m.Pa.s e de 16 374, 9 532, 8 063, 4 086, 992, 195, 67,3 e 26,3 m.Pa.s para a cultivar BRS-188 Paraguaçu, nas temperaturas de -15, -10, -5, 0, 20, 40, 60 e 80ºC, respectivamente . O modelo exponencial proposto por Andrade (1930) ajustou-se bastante aos dados experimentais de viscosidade do óleo de mamona das duas cultivares com coeficientes de correlação superiores a 96%. Os valores médios do calor específico para as cultivares BRS-149 Nordestina e BRS-188 Paraguaçu, variaram de 0,1214 a 0,2647 cal/gºC e de 0,1262 a 0,24631 cal/gºC respectivamente, para a faixa de temperatura de -196 a -5ºC. Na cinética de resfriamento a -50ºC o tempo gasto foi de 5260 e 5440 ’ com difusividade efetiva de 2,84mm 2 .s -1 ; a -100ºC o resfriamento vai até a temperatura de - 92,4°C e -90ºC e o tempo para atingir esta temperatura foi de 2 640 e 3 330 ’ com difusividade efetiva de 2,3 mm 2 .s -1 nos dois óleos. A -196ºC é possível verificar mudanças no comportamento da curva e se percebem duas fases: o resfriamento, que vai até a temperatura de -98,8ºC e -92,7 com tempo gasto de 21 e 59 ’ e difusividade efetiva de 41,5mm 2 .s -1 na fase 1 e 0,0344 mm 2 .s -1 na fase e de 65,10-5mm 2 .s -1 na fase 1 e 0,029 mm 2 .s -1 ; na fase 2, respectivamente para as cultivares BRS-149 Nordestina e BRS-188 Paraguaçu. Nota-se o aumento da difusividade efetiva com a diminuição da temperatura do meio refrigerante e óleo.
Mostrar mais

113 Ler mais

INFLUÊNCIA DA CADEIA PRODUTIVA NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS DO BIODIESEL

INFLUÊNCIA DA CADEIA PRODUTIVA NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS DO BIODIESEL

O biodiesel é um combustível renovável, definido como mono-alquil éster de ácidos graxos derivado de óleos ve- getais e/ou gordura animal. Obtido por meio do processo de transesterificação, no qual ocorre a transformação de triglicerídeos em moléculas menores de ésteres de ácidos graxos, apresentando características semelhantes às do diesel mineral. É uma alternativa à substituição parcial ou total dos derivados de petróleo. As condições do cenário nacional de combustíveis impulsionam um crescimento exponencial do setor de biodiesel no País. Contudo, tem- -se a preocupação de garantir que o biocombustível tenha aceitação competitiva no mercado, mantendo padrões de qualidade. Para garantir a qualidade do biodiesel, é de fundamental importância estabelecer propriedades físicas e químicas, em acordo às normas de especificação vigentes, objetivando fixar teores e limites de contaminantes que não venham prejudicar seu desempenho como combustível, atendendo às exigências nacionais e/ou internacionais para ser utilizado em motores de combustão interna e em misturas ao óleo diesel. As propriedades físico-químicas, bem como as características do biodiesel, são decorrentes das etapas operacionais de sua cadeia produtiva, estando presentes na matéria-prima, produção, armazenamento, transporte e comercialização.
Mostrar mais

8 Ler mais

Avaliação das características físicas, físico-químicas e tecnológicas de diferentes variedades de soja cultivadas no sudoeste do estado de São Paulo

Avaliação das características físicas, físico-químicas e tecnológicas de diferentes variedades de soja cultivadas no sudoeste do estado de São Paulo

Assim como as proteínas, os lipídios representam outro importante constituinte da soja. Os resultados da Tabela 4 demonstram que a variedade RB apresentou maior teor de lipídios (19,37%) (p<0,05), enquanto as demais não difeririam significativamente entre si (p>0,05). Dessa forma, essa variedade utilizada como estratégia de refúgio demonstra uma vantagem competitiva para aplicação na indústria de óleos vegetais, pois possibilita um melhor rendimento (L de óleo/ton. de soja) a partir de extração. Para fins de comparação, Silva; Carrão-Panizzi; Prudêncio (2009) encontraram um teor de lipídeos (18,15 a 19,97%) em diferentes variedades de soja similares aos obtidos no presente trabalho. Por sua vez, Vieira; Cabral; Paula (1999) obtiveram teor lipídico entre 22,24 e 23,80% para distintas cultivares; portanto, ligeiramente superiores à faixa aqui encontrada.
Mostrar mais

39 Ler mais

Características físicas e físico-químicas de partículas de alginato e quitosana obtidas por gelificação iônica

Características físicas e físico-químicas de partículas de alginato e quitosana obtidas por gelificação iônica

A microencapsulação é uma forma de aprisionamento de compostos ativos a fim de protege-los do meio em que se encontram, como temperatura, pH, oxigênio, bem como permitir sua liberação controlada. O uso de biopolímeros em sistemas de encapsulação vem sendo usado para aplicação na área de alimentos e biomédica por serem biocompatíveis, biodegradáveis e não apresentarem toxicidade. O Pequi, da espécie Caryocar coriaceum Wittm, é uma fruta que pode ser encontrada no Ceará na região do Cariri, onde seu óleo é rico em substâncias de interesse nutracêutico, como ácido oleico, flavonoides e carotenoides, atuando assim como fonte natural de antioxidantes. Dessa forma, neste trabalho foram produzidas micropartículas de alginato e quitosana a fim de caracterizar quanto as suas propriedades físicas e físico- químicas, como o grau de intumescimento, tamanho de partícula, esfericidade e viscosidade das soluções utilizadas na produção das esferas. As partículas foram produzidas usando o Encapsulator B-395 da Büchi® pelo gotejamento de emulsões, contendo alginato (A), óleo de pequi, Tween 80 e Span 80, na solução gelificante, contendo cloreto de cálcio, quitosana (Q) e ácido acético. As esferas foram produzidas nas proporções: A0,5%-Q1,5%; A1,0%-Q0,3%; A1,0%-Q1,5%; A1,0%-Q3,0%; A1,2%-Q0,0%; A1,5%-Q0,7%; A1,5%-Q2,5%; A2,5%- Q0,7%; A2,5%-Q2,3% e A3,0%-Q1,5% em m/v. Foi realizada análise de intumescimento por gravimetria, tamanho e esfericidade por microscopia ótica, além da determinação da viscosidade das emulsões e solução gelificante. As partículas apresentaram grau de intumescimento variando de 17,86% a 48,33%. Em relação ao diâmetro, os valores variaram de 874,10 a 1342,72 µm, tendo a esfericidade variada entre 0,596 e 0,971. As emulsões tiveram valores de viscosidades aparentes entre 0,073 e 1,989 Pa.s e a solução gelificante de 0,033 a 1,504 Pa.s, sendo esses valores determinados para uma taxa de cisalhamento de 100 s -1 . Assim, foi observado que as diferentes proporções entre alginato e quitosana levaram a variações entre tamanho e esfericidade e que a viscosidade é um fator determinante para esses parâmetros.
Mostrar mais

40 Ler mais

Caractéristicas físicas, físico-químicas, químicas e nutricionais de quipá (Tacinga inamoena)

Caractéristicas físicas, físico-químicas, químicas e nutricionais de quipá (Tacinga inamoena)

Com base nas avaliações efetuadas (Apêndice A) pelos analistas, a T. inamoena apresenta as características organolépticas descritas na Tabela 1. De um modo geral, os descritores de aparência externa e interna ratificam Andrade Lima (1989). No que diz respeito a aroma, flavor, cor e textura podem ser considerados satisfatórios, uma vez que não foi manifestada rejeição pelos analistas. Segundo Thé et al. 2001 estas características influem de forma direta na aceitação final do produto pelo consumidor.

47 Ler mais

Características Físico-Químicas, energéticas e desempenho da fibra de coco na sorção de óleo diesel e biodiesel

Características Físico-Químicas, energéticas e desempenho da fibra de coco na sorção de óleo diesel e biodiesel

Derramamentos de óleo na terra e na água são uma preocupação para todos os países do mundo. Poluição por petróleo e seus derivados não representam somente uma perda física de material. Produzem também efeitos negativos para a fauna, a flora e a vida humana, afetando a economia, turismo e lazer de- vido às propriedades destes materiais (LIM; HUANG, 2007b; ANNUNCIADO et al., 2005).

13 Ler mais

Potencial nutritivo e características físicas e químicas do abajeru.

Potencial nutritivo e características físicas e químicas do abajeru.

É preciso priorizar as pesquisas com espécies nativas, em virtude da vasta coleção de plantas não domesticadas, com boa aceitação e que ainda são exploradas de forma extrativista, sistema que pode promover sua extinção, frente à ação do homem pelo desmatamento, construções irregulares e con- taminação dos solos, dentre outras (Silva 2006). Assim, este trabalho teve por objetivo determinar as características morfométricas e físico-químicas e o valor nutritivo do fruto do abajeru, fomentando o aproveitamento desta espécie na dieta tradicional e na produção de produtos derivados.
Mostrar mais

8 Ler mais

Interferênciada cultivar e formas de cultivo nas características físicas e físico químicas da alface pós colheita

Interferênciada cultivar e formas de cultivo nas características físicas e físico químicas da alface pós colheita

Para a realização deste estudo, foram utilizadas alfaces de três cultivares: Americana, Crespa e Mimosa, cultivadas em dois sistemas diferentes: convencional e hidropônico, que foram adquiridas junto a um produtor rural residente no município de Francisco Beltrão-PR. A colheita foi realizada 55 dias após o plantio, quando atingiram o máximo desenvolvimento vegetativo, antes de iniciarem o processo de pendoamento. As amostras foram transportadas em condições que mantiveram a qualidade do produto para o laboratório de análise da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Francisco Beltrão, onde foram realizadas as análises de caracterização física, físico-química e parasitológica. As alfaces foram primeiramente classificadas de acordo com a espécie (crespa, americana e mimosa) separadas em relação às cultivares (Vera, Lucy Brown e Virella respectivamente). Amostras de três cabeças de cada espécie/cultivar foram utilizadas para realização das análises em triplicata.
Mostrar mais

53 Ler mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E FÍSICO-QUÍMICAS DE PALITOS DE INHAME SUBMETIDOS À DESIDRATAÇÃO OSMOTICA EM SOLUÇÃO SALINA

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E FÍSICO-QUÍMICAS DE PALITOS DE INHAME SUBMETIDOS À DESIDRATAÇÃO OSMOTICA EM SOLUÇÃO SALINA

A   desidratação   osmótica   é   um   pré-­‐tratamento   utilizado   para   reduzir   o   efeito   destas   reações,   além   de   melhorar   a   condição   ao   produto   características   agradáveis   ao   consumo,   promovendo   do   amolecimento   celular   e   da   adição   de   solutos,   além   de   inativar   a   ação   de   determinadas   enzimas,   que   favorecem   o   escurecimento,   como   também   se   pode   verificar   a   diminuição   da   atividade   de   água,   que   é   forte   influência   no   crescimento   de   microrganismos,   conferindo  uma  estabilidade  do  alimento  que  será  consumido.  
Mostrar mais

9 Ler mais

Características físicas e físico-químicas de um tipo de bacuri (Platonia insignis Mart.) com rendimento industrial superior.

Características físicas e físico-químicas de um tipo de bacuri (Platonia insignis Mart.) com rendimento industrial superior.

Os valores para teor de umidade, nas três amostras considera- das, foram superiores aos valores encontrados por Santos (1982) e Teixeira (2000) em polpa oriunda de frutos produzidos no Estado do Piauí, mas compatíveis com as determinações efetuadas por Guimarães et al. (1992) e por Barbosa et al. (1979) em polpa de frutos produzidos no Estado do Pará. No que concerne às demais características, com exceção da acidez e da relação sólidos solúveis totais/acidez total titulável, onde Teixeira (2000) verificou valores entre 0,32% e 0,43% e entre 43,87 e 56,84, respectivamente, os resultados estão dentro dos limites comumente registrados na literatura. Convém ressaltar, no entanto, que em relação à acidez total existem grandes variações, em função do genótipo (Guimarães, 1992).
Mostrar mais

3 Ler mais

Variabilidade de características físicas, químicas e físico-hídricas em solo Podzólico Vermelho-Amarelo de Seropédica, RJ

Variabilidade de características físicas, químicas e físico-hídricas em solo Podzólico Vermelho-Amarelo de Seropédica, RJ

Pesq, agropec.. DE MACEDO et ai. Número de amostras necessário para esti- mar os parâmetros físico-lúdricos do solo PVe3. Número de amostras necessário para esti- mar os parâmetros físi[r]

11 Ler mais

Características físicas e químicas de frutos de pupunheira no Estado do Pará.

Características físicas e químicas de frutos de pupunheira no Estado do Pará.

et al., 2007), fato que abre a possibilidade de sucesso na seleção para alterar esses caracteres. Vale salientar que a identiicação e a seleção de material genético com elevada qualidade, que produza frutos com boas características físico- químicas, apropriado à comercialização e adaptado às condições locais, é de grande importância para a cultura da pupunheira. Além disso, a caracterização qualitativa e quantitativa é, hoje, no mundo, uma demanda relevante, principalmente em relação a espécies de importância econômica atual e potencial como a pupunha (CARVALHO et al., 2009).
Mostrar mais

6 Ler mais

Efeito do congelamento nas características físicas e químicas do pão de queijo.

Efeito do congelamento nas características físicas e químicas do pão de queijo.

características distintas. Apesar de não haver uma tecnologia padronizada, o método de fabricação adotado pela grande maioria dos produtores de pão de queijo, utiliza como ingredientes básicos: polvilho azedo, queijo, óleo e ovos, seguindo um princípio básico de escaldamento do polvilho com água, óleo ou leite, adição de sal, amassamento com ovos, adição de queijo e assamento (PEREIRA et al., 1995).

6 Ler mais

Influência de sanificantes nas características físicas e químicas de uva Itália.

Influência de sanificantes nas características físicas e químicas de uva Itália.

O objetivo deste trabalho foi avaliar a influência dos sanificantes dicloroisocianurato de sódio (NaDCC), álcool etílico e hipoclorito de sódio sobre a qualidade de uva Itália, com base nas características físicas e químicas. Cachos de uva Itália colhidos em São Miguel Arcanjo (SP) foram selecionados por tamanho e qualidade, submetidos a tratamentos pós-colheita, por imersão, em solução de álcool etílico (15%), de dicloroisocianurato de sódio (200 ppm) e hipoclorito de sódio (200 ppm), por 3 segundos e 10 minutos, respectivamente, e mantidos sob condição ambiente (21,2 °C; 69,8% UR) por 9 dias. Avaliou-se a cada três dias, a porcentagem de perda de peso dos cachos, a taxa de degrana, a coloração, a firmeza, os teores de sólidos solúveis (SS) e de acidez titulável (AT), o ratio (SS/AT) e o pH das bagas. Nas condições do experimento, a maior perda de massa média diária foi encontrada no tratamento com hipoclorito de sódio (0,7333%/dia), seguido da testemunha (0,6163%/dia), do dicloro isocianurato de sódio (0,5837%/dia) e do álcool etílico (0,5623%/dia). As bagas sanificadas com dicloroisocianurato de sódio dihidratado mostraram-se mais escurecidas e amareladas. Não foram verificadas diferenças atribuíveis à sanificação em relação à firmeza, ao pH, aos teores de sólidos solúveis e de acidez titulável e ao ratio. De acordo com os resultados obtidos, concluiu-se que não há efeito do uso dos sanificantes dicloroisocianurato de sódio, álcool etílico e hipoclorito de sódio sobre as características físico-químicas de uva Itália.
Mostrar mais

4 Ler mais

MOBILIDADE DO SULFENTRAZONE EM SOLOS COM DIFERENTES CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS.

MOBILIDADE DO SULFENTRAZONE EM SOLOS COM DIFERENTES CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS.

O potencial de contaminação do lençol freático por herbicidas ou a sua permanência nas camadas superficiais do solo dependem, principalmente, de sua mobilidade no perfil do solo, a qual está diretamente vinculada à sua capacidade de sorção e inversamente à degradação (Vivian et al., 2006). A lixiviação é a principal forma de transporte de moléculas solúveis em água e não voláteis no solo e depende das características físico-químicas do agrotóxico e do solo, além das condições climáticas da região onde foi aplicado (Oliveira, 2011). De maneira geral, a lixiviação do sulfentrazone aumenta com o aumento do índice pluvial mesmo em solos onde sua mobilidade é baixa (Monquero et al., 2010). A lixiviação em pequena escala é fundamental para incorporação superficial de herbicidas aplicados em pré-emergência, possibilitando que estes atinjam sementes ou plantas em germinação. Todavia, em excesso, esse fenômeno pode carreá-los para camadas do solo mais profundas, limitando sua ação e tornando-os possíveis contaminadores do lençol freático (Monquero et al., 2008).
Mostrar mais

8 Ler mais

DISSERTAÇÃO_Influencia de sanificantes nas características microbiológicas, físicas e físico-químicas de cebola (Allium cepa L.) minimamente processada

DISSERTAÇÃO_Influencia de sanificantes nas características microbiológicas, físicas e físico-químicas de cebola (Allium cepa L.) minimamente processada

Menores contagens de aeróbios mesófilos foram encontradas nos tratamentos com H202; todos os tratamentos, exceto o controle, foram eficientes para redução dos aeróbios psicrotrófícos e c[r]

65 Ler mais

Características físicas e físico-químicas de frutos de genótipos de maracujazeiro-azedo, em diferentes épocas de colheita, no Distrito Federal

Características físicas e físico-químicas de frutos de genótipos de maracujazeiro-azedo, em diferentes épocas de colheita, no Distrito Federal

Segundo Fracaro (2004), para o mercado externo de suco de maracujá, os principais países compradores têm sido os Países Baixos, seguidos dos Estados Unidos e Alemanha. Mas a participação na exportação de suco do Brasil vem caindo, devido à concorrência com países como a Colômbia, Peru e Equador o que justifica o investimento em tecnologia de processamento. Por tanto, para a melhoria dos processamentos deve-se haver um entendimento das reações físicas e químicas da fruta in natura (Sandi et al,. 2003). Ainda assim, de acordo com Silva (2005), o Brasil é um dos principais exportadores de suco de maracujá, cujos produtos mais comercializados são o suco integral congelado (12 ºBrix) e o suco concentrado congelado (50 ºBrix).
Mostrar mais

137 Ler mais

Influência de sanificantes nas características microbiológicas, físicas e físico-químicas de cebola (Allium cepa L.) minimamente processada.

Influência de sanificantes nas características microbiológicas, físicas e físico-químicas de cebola (Allium cepa L.) minimamente processada.

A cada dia, uma bandeja de cada tratamento foi retirada e utilizada para coleta de amostras, para realização das seguintes análises: contagem padrão de microrganismos aeróbios mesófilo[r]

6 Ler mais

Efeito do tipo de corte nas características físico-químicas e físicas do abacaxi pérola minimamente processado.

Efeito do tipo de corte nas características físico-químicas e físicas do abacaxi pérola minimamente processado.

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de dois tipos de cortes (trapézio e fatia) nas características físicas e físico-químicas do abacaxi Pérola minimamente processado e refrigerado. Frutos com grau de maturação adequado foram selecionados, lavados (200ppm de cloro/2 minutos), processados e armazenados a 4 ± 1ºC. A intervalos de quatro dias, amostras foram coletadas e ana- lisadas em pH, sólidos solúveis totais, acidez, ácido ascórbico, açúcares redutores totais, atividade de água, cor e perda de peso. Ao final dos experimentos, concluiu-se que para o processamento mínimo de abacaxi, o corte indicado foi o tipo fatia com tempo de armazenamento de oito dias.
Mostrar mais

6 Ler mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS, FÍSICO- QUÍMICAS E SENSORIAIS DO QUEIJO MINAS ARTESANAL DA CANASTRA

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS, FÍSICO- QUÍMICAS E SENSORIAIS DO QUEIJO MINAS ARTESANAL DA CANASTRA

O queijo Minas artesanal da Canastra apresentou teor médio de ácido lático (m/m) de 1,21%, limite inferior de 1,12% e superior de 1,29%. Qualidade microbiológica do leite, variações na tecnologia de fabricação e utilização do “pingo” podem ser fatores responsáveis pelo coeficiente de variação de 25,26% encontrado no teor de ácido lático. Oliveira (1999) constatou em queijos Minas curados coletados no comércio do Belo Horizonte, acidez titulável com coeficiente de variação de 53,06%. Furtado (1983) destaca a importância da prensagem da massa nas características do queijo Minas, uma vez que a lactose presente no soro do leite pode ser eliminada em maior ou menor quantidade, dependendo da força e tempo de prensagem da massa. Assim, pode-se ter diferentes teores de lactose sendo transformados em ácido lático nos queijos. A variação no teor de ácido lático pode estar relacionada com a incidência de mamite no rebanho leiteiro. De acordo com Kitchen (1981) um aumento do número de células somáticas (CCS) no leite provoca aumento dos níveis de sódio e cloro e queda do percentual de lactose.
Mostrar mais

210 Ler mais

Show all 10000 documents...